Um Convite para conhecer o Céu e o Inferno.

Conta uma lenda que Deus convidou um homem para conhecer o CÉU e o INFERNO.

Foram primeiro ao inferno.
Ao abrirem uma porta, o homem viu uma sala em cujo centro havia um caldeirão de substanciosa sopa e à sua volta estavam sentadas pessoas famintas e desesperadas.
Cada uma delas segurava uma colher, porém de cabo muito comprido, que lhes possibilitava alcançar o caldeirão mas não permitia que colocassem a sopa na própria boca. O sofrimento era grande.

Em seguida, Deus levou o homem para conhecer o céu.
Entraram em uma sala idêntica à primeira: havia o mesmo caldeirão, as pessoas em volta e as colheres de cabo comprido.
A diferença é que todos estavam saciados. Não havia fome, nem sofrimento.
- Eu não compreendo - disse o homem a Deus - por que aqui as pessoas estão felizes enquanto na outra sala morrem de aflição, se é tudo igual?

Deus sorriu e respondeu:
- Você não percebeu? É porque aqui eles aprenderam a dar comidas uns aos outros.

MORAL
Temos três situações que merecem profunda reflexão:

EGOÍSMO - As pessoas no "inferno" estavam altamente preocupadas com a sua própria fome, impedindo que se pensasse em alternativas para equacionar a situação.
"Pois que aproveitaria ao homem ganhar todo o mundo e perder a sua alma? Ou que daria o homem pelo resgate da sua alma?" Marcos 8:36-37

CRIATIVIDADE - Como todos estavam querendo se safar da situação caótica que se encontravam, não tiveram a iniciativa de buscar alternativas que pudessem resolver o problema.
"Nenhum dos que esperam em ti ficará decepcionado; decepcionados ficarão aqueles que, sem motivo, agem traiçoeiramente". (Salmo 25.3)

EQUIPE - Se tivesse havido o espírito solidário e ajuda mútua, a situação teria sido rapidamente resolvida.
“Rogo-vos, porém, irmãos, pelo nome de nosso Senhor Jesus Cristo, que digais todos uma mesma coisa, e que não haja entre vós dissensões; antes sejais unidos em um mesmo sentimento e um mesmo parecer” (I Cor 1:10).

CONCLUSÃO:

Dificilmente o individualismo consegue transpor barreiras.
O espírito de equipe é fator preponderante para o alcance do SUCESSO.
Uma equipe participativa, homogênea, coesa, vale mais do que um BATALHÃO de pessoas com posicionamentos isolados. Isso vale para qualquer área de sua vida, especialmente ministerial.

Hubner Braz/Anônimo
Compartilhar no Google Plus

Sobre Hubner Braz

Criador, colunista e administrador do Pecador Confesso. Fascinado e apaixonado por DEUS!! Formado Bacharel em Teologia pela FATESP e F. Mêcanica pela FATEC-SP e Presbítero na A.D. Belem-Missão em Sorocaba, onde o Pastor Presidente é o Rev. Osmar José da Silva - CGADB, Tenho 1João 1:7-9 injetado na veia!.
    Blogger Comment
    Facebook Comment

4 Milhões de Confessos:

  1. Olá!!Passando para lhe parabenizar pelo seu blog...
    Que Deus continue lhe abençoando cada dia mais...
    a Paz!!

    ResponderExcluir
  2. Obrigado Cris pelas parabenizacoes, estarei te seguindo tambem.
    a Paz!!

    ResponderExcluir
  3. Querido HUBNER,

    Adorei este ensaio..

    Parabéns pela linda mensagem que tem passado para nós (leitores)....

    O individualismo ou egocêntrismo são coisas que podemos ver em nossa realidade....muitos estão preocupados consigo mesmo, se o que têm de alimento será uma quantidade boa para saciarem a própria fome, se têm roupas o suficiente para estarem bem apresentáveis à sociedade....e não param para refletir que existem milhares de outras pessoas, que não tem o que comer..e muito menos o que vestir...

    Lembro até de uma citação que diz : "Uma andorinha só não faz verão!".

    Realmente, precisamos uns dos outros....pois sem as pessoas ao nosso lado, não encontramos sentido para as nossas vidas...pois o sentido da vida está em saber que a vida de muitas pessoas são importantes para nós, e que a nossa vida é importante para muitas pessoas...

    Beijos.
    Graça e Paz!!

    ResponderExcluir
  4. Paulinha sempre me surpreende com os comentarios...

    Thankss

    ResponderExcluir

Não deixe de participar, a sua opinião é de extrema importância!

Críticas são bem vindas quando a pessoa se identifica.