A Amizade


          O Cônego Jean Jieujean inicia a introdução de sua monumental obra "TEU OUTRO EU" com as seguintes palavras:
"A vida em comum poderia ser um paraíso!
Às vezes é um purgatório!
Não raro um inferno!

          Muitos grupos humanos, em escritorio, fábrica, quartel ou escola, são verdadeiras "solidões em comum". Vive-se em conjunto, come-se e trabalha-se em conjunto, mas as pessoas não se comunicam, as almas se mantêm emparedadas em sua solidão".

         "Marie Noel exprimiu em versos e com elancolia a mesma experiência, "Mon ami marche autour de moi. Mais em lui je n'ai plus personne". (Meu amigo anda à minha volta. Nele não tenho mais ninguém).
"O mundo moderno tem conciência profunda dêste isolamento moral, e isto o perturba. Descobriu que não basta construir máquinas aperfeiçoadas, aumentar o conforto, criar sociedades e organizações, cujas peças constituem engrenagem perfeita".

          É preciso mais que isto, é preciso repor um espírito em tudo isto. E que espírito seria este, senão o de verdadeira amizade, uma das manifestações da síntese das virtudes, o amor?

          É preciso amar o próximo como a nós mesmos. Quanto? Quanto a nós próprios. Nem um pouco menos. E se o amor for tamanho, os atos o revelarão numa amizade leal, discreta, sem ostentação e sem reservas. Muitos querem TER amigos, poucos dedicam-se em SER amigo.

          A verdadeira amizade consiste em aceitar os outros como realidades, de valor intríseco, ao invés de descobrir neles utilizadade instrumental a serviço de nossos caprichos e egoísmos. Quando o monótono monólogo do egoísmo cede seu lugar natural ao diálogo da simpatia humana, sem fórmulas difíceis, sem esforços sobrenaturais, abunda a amizadade, esvaem-se os problemas, cria-se a felicidade.

          Cultivemos esta amizade, miraculosa ponte, que ultrapassa os fundos valos, que entre os homens são cavados pelo pecado, para que aqueles que armazenaram erradamente, no silêncio hororoso de seu coração searas de humilhações, de desprezos e de ódios, para que aqueles que sabem o que os outros jamais saerão, para que aqueles que sangram por uma ferida que ninguém curará, possam, merce de nossa amizade, aliviar seus fartos e aquecer suas almas, encontrando em nós, Suas criaturas, a imagem singela do Criador.

"Reuniremos na alvorada, amigos pensantes. Ao cantar da passarinhada, renasceremos como estudandes" Hubner Braz
Compartilhar no Google Plus

Sobre Hubner Braz

Criador, colunista e administrador do Pecador Confesso. Fascinado e apaixonado por DEUS!! Formado Bacharel em Teologia pela FATESP e F. Mêcanica pela FATEC-SP e Presbítero na A.D. Belem-Missão em Sorocaba, onde o Pastor Presidente é o Rev. Osmar José da Silva - CGADB, Tenho 1João 1:7-9 injetado na veia!.
    Blogger Comment
    Facebook Comment

0 Milhões de Confessos:

Postar um comentário

Não deixe de participar, a sua opinião é de extrema importância!

Críticas são bem vindas quando a pessoa se identifica.