Comer, Rezar, Amar - Confissões Insanas do Autor do Blog à Elizabeth Gilbert.

“Comer, Rezar, Amar” se resume na busca desenfreada de uma mulher tentando autoconhecer. Os países que participam desta aventura é a Itália, Índia e Indonésia. A prosa de Elizabeth é alimentado por uma mistura de inteligência, sagacidade, exuberância e prazer mudano que está bem próximo de uma irresistível leitura.

Neste livro Elizabeth mostra quem ela realmente é. Tinha um marido exemplar e dinheiro, mesmo assim ela se sentia incompleta, vazia. Ela viveu um momento de divórcio litigioso e obscuro, pois era este romance volátil que a estava levando a ter ataques de depressão, foi nessa ocasião que ela decidiu passar um ano viajando. (achando que mudar de cidade era a solução para tudo). Eu entendi que ela chegou a seguinte situação querendo explorar a arte de comer na Itália, a arte da devoção na Índia e a arte do amor na Indonésia, equilibrando essa tríplice resposta para a vida.” As crises existenciais e a dificuldade em se relacionar, bem como a fuga dos problemas para outras cidades é típicos de sintomas de adolescentes.

Na melhor das hipóteses, o livro oferece uma oportunidade para que Elizabeth desencadeie a sua sensibilidade excêntrica e particularmente fresca, em um cenário internacional. Ela descreve sobre Messina, na Itália, como "uma cidade portuária assustadora," "Mais tarde, ela vê a mãe balinesa" equilibrando na cabeça uma cesta de três camadas recheado com frutas e flores e um pato assado. - Um chapeu tão magnífico e impressionante que Carmen Miranda teria curvado em humildade perante ele" Elizabeth também tem prazer em fazer piada de si mesma.

"Comer, Rezar, Amar" é construído sobre a noção de uma mulher que tenta se curar de uma grave crise emocional e espiritual, Elizabeth sugere mais de uma vez que ela estava querendo se suicídar. Ela escreve sobre o sentimento de depressão e solidão na Itália... "e eles me perseguiam - Depressão na minha esquerda, Solidão à minha direita. Eles não precisam me mostrar seus distintivos. Eu os conheço muito bem, eram minhas companheiras...” Ela questiona, “por que eu não posso pegar minha mala e sair daqui... Por que eu não estou em casa, vivendo feliz e criando filhos agradáveis como qualquer mulher respeitável da minha idade deveria fazer... "

Mas espere um segundo... Elizabeth era uma jornalista de Nova York que passou os trinta e quatros anos casada e viajando pelo mundo em missões trabalhistas. Este seu meio escolhido é complicado, seria anormal ela permanecer casada e criar os filhos dentro de casa. Por conta própria, ela deixou o marido justamente para evitar essas coisas. Eu estou disposto a acreditar que Elizabeth desesperou por ter falhado em uma vida mais convencional, mesmo quando ela procurou o seu oposto. 

Complicações como essas, são os que fazem de nós seres humanos nos separarmos do próximo. Mas ela não conta essa história (ou confritos matrimonial) detalhadamente, também não afirma em reconhecer o paradoxo incompatível entre vida e o trabalho. Como resultado, sua crise continua a ser uma coisa sombria, uma simples plataforma para as ações que ela toma para aliviá-la... Será que está crise interior foi exterminada...

Bom, eu ainda não assisti o filme, mais garanto que irei assistir em breve, depois do Tropa de Elite 2 é claro. 


Até a próxima confissão insana... E como diz nossa amiga Cleycianne "tá amarrado 3X.". See you Later (Nós veremos mais tarde em inglês)
Compartilhar no Google Plus

Sobre Hubner Braz

Criador, colunista e administrador do Pecador Confesso. Fascinado e apaixonado por DEUS!! Formado Bacharel em Teologia pela FATESP e F. Mêcanica pela FATEC-SP e Presbítero na A.D. Belem-Missão em Sorocaba, onde o Pastor Presidente é o Rev. Osmar José da Silva - CGADB, Tenho 1João 1:7-9 injetado na veia!.
    Blogger Comment
    Facebook Comment

2 Milhões de Confessos:

  1. Hubner, ainda não vi Comer, rezar, amar, mas Tropa de Elite 2 recomendadissimo, a turma tava discutindo sobre ele no Recortes. Passando pra agradecer a participação no Amigos Blogueiros. Abraço!

    ResponderExcluir
  2. Eder, O livro é bom mais o filme... bem, só vou saber quando assistir também.

    E obrigado por participar dos seus amigos blogueiros...

    Abraços

    ResponderExcluir

Não deixe de participar, a sua opinião é de extrema importância!

Críticas são bem vindas quando a pessoa se identifica.