Meu Céu e Eu – Confissões Nas Férias de Verão.


O verão surgiu ao nascer do sol. Passado algumas horas a noite abraçou o mundo.

Todo o dia eu admirava o modo como abraçava, era imponente e no meio da escuridão encontrei meu céu radiante.

Naquela noite nós escapamos, eu e meu céu.

Estávamos entorpecidos, a expectativa em torno das aventuras insanas enchiam nossos corações de prazer, o nosso espírito tornou-se um tipo de desbravador.

As estrelas, brilhos dos seus olhos. Eram como fogos de artifício, explodiam reluzindo as variedades de cores, celebrando o nosso primeiro encontro.

Era aquele céu que eu precisava para me afundar ainda mais nas emoções ocultas.

Passamos à madrugada observando as constelações.

Vimos estrelas cadentes, um após outro, após outro, após outro.

Quantos pedidos foram feitos aos corpos celestes...

Eu tentei manter-me calmo, pois vontades insanas afloravam do meu coração.

Envolvi-me nos pequenos sentimentos e no temor do novo.

Nós absorvemos a tranqüilidade da madruga, o som do silêncio que regia o crescimento da alva, numa rara experiência de verão.

Eu, nervoso por antecipação; porque mal conhecíamos e já estávamos compartilhando as palhas de dormir na parte de trás da minha carruagem.

Mordi a madeira de traz pra controlar o meu desejo.

Por isso, há uma parte de você que eu não toquei ainda.

E toda vez que penso no que fiz, o meu interior se arrepende profundamente.

Não fiz errado, suponho que isso leva mais tempo para ser consumido e tínhamos acabado de nos conhecer.

É incrível... Derrepente amanheceu e o sol surgiu. Os ventos despertaram do sono, soprando através das arvores um som ensurdecedor que assemelhava aos ruídos das carruagens em meio às batalhas e ouvido a uma milha de distância.

Acordamos e fomos para caminhos claros e abertos, invadimos lugares secretos e proibidos, ficamos escondidos, subimos nos telhados, andamos nas montanhas, à beira da cidade de refúgio, para estacionarmos em lugares desertos, sozinhos, deitamos na grama e fechamos os olhos...

Não sei no que você pensava, mas eu imaginei assim: Você sentindo as minhas mãos explorando seu corpo, e eu ouvindo os seus sussurros ao meu ouvido falando: “adoro quando me toca, sou louca de tesão por você amor”. Fico pensado, no quanto você se excitaria se, eu lambesse cada parte do teu corpo delicadamente, e depois mordesse teus lábios bem devagar...

Foi divertido.

Era estranho.

Eu fiquei pensativo, calado e você ficou tímida e quieta.

Mas era assim tão bonito.

Uma coisa é certa, na beira de um novo dia, nós compartilharemos esse amor insano.

Compartilhar no Google Plus

Sobre Hubner Braz

Criador, colunista e administrador do Pecador Confesso. Fascinado e apaixonado por DEUS!! Formado Bacharel em Teologia pela FATESP e F. Mêcanica pela FATEC-SP e Presbítero na A.D. Belem-Missão em Sorocaba, onde o Pastor Presidente é o Rev. Osmar José da Silva - CGADB, Tenho 1João 1:7-9 injetado na veia!.
    Blogger Comment
    Facebook Comment

3 Milhões de Confessos:

  1. amores de verão e de férias são emocionantes, excitantes, cheira a aventura e nos faz sentir de bem com a vida. ao invés de "morder a madeira" deveria ter mordido outra coisa...heeee

    abração hubinho

    ResponderExcluir
  2. É bom as vezes compartilhar momentos insanos, eles são saborosos!!!

    Muito bom Hubner!

    ResponderExcluir
  3. Hubner, deixei uns selos para você lá no meu blog. Um abraço, adoro tudo por aqui!

    ResponderExcluir

Não deixe de participar, a sua opinião é de extrema importância!

Críticas são bem vindas quando a pessoa se identifica.