Deus Está de Luto - Confissões Sobre As Tragédias no Rio de Janeiro

 Eu me imaginei como um morador de Nova Friburgo, e sinceramente se fosse um, queria distância do Deus retratado por alguns “evangélicos”. Para mim, este "deus" está morto, nunca existiu. Isaias diz: “Jeová e os instrumentos de sua ira, para devastar toda a terra... Eis o dia de Jeová” (Is 24:18). Desse Deus quero distância... E não venha com a justificativa hipócrita que as tragédias são provocadas por causa do pecado ou que Deus só livra aqueles que aceitam? Como vou amar a um Deus que diz ser amor, mas que destruiu muitos bebês, que matou muitas famílias e deu fim a muitos sonhos?

Os “evangélicos” querendo se “sobressair” com afirmações notoriamente contrárias à Palavra de Deus, cheios de veneno e crueldade afirmam que eles são regidos por um Deus que tem tudo programado, um Deus que dá a vida, mais que mata também; um Deus que interliga o outro mundo com o nosso onde até o bater das asas de uma borboleta pode estar conectado a um maremoto no outro lado do mundo. É facílimo dizer que “Deus está no controle”. Complicado é lidar com as implicações desta afirmação. Acredito que Deus tem todo o poder para estar no controle, mas escolheu não estar por um ato de amor a nós, quando nos presenteou com a liberdade.

Deus não é um déspota, Ele não controla tudo e todos, Ele não faz nos como marionetes em suas mãos, destruindo cidades e vidas com tragédias e outros elementos presentes na vida como doenças, mortes e atrocidades. Acredito que Deus não está morto e que ama a todos – sem exceção – e gostaria que todos estivessem ao seu lado, mas não se vinga daqueles que escolhem viver longe deles. Pelo contrário, o amor a estes permanece.

Responsabilizar Deus pelas catástrofes naturais, e por conseqüência pela morte de milhares de pessoas é negar o amor que nutre pela humanidade. Além disso, é fácil jogar a bola para Deus e negar nosso modo de vida absurdamente consumista que produz degradação ambiental, liberação de gases tóxicos e nocivos ao planeta, provocando mudanças climáticas e afetando as interligações existentes nos complicados funcionamentos naturais da Terra. Errado é tolerar as nossas besteiras, e esperar que Deus resolva as conseqüências delas, já que tem todo o poder!

Acredito que Deus chorou ao ver os resultados das intempéries no estado do Rio de Janeiro. Creio que seu coração ficou muito entristecido, mas sentiu-se alegre ao ver que muitos se colocaram à disposição, assumindo a responsabilidade de levar a “salvação” para os sobreviventes daquela calamidade. Deus usa quem se dispõe a ser usado, e isto independe de titulações religiosas, crenças ou bandeiras. Confirmamos em I João 4.16, 20:

“[...] Deus é amor. Todo aquele que permanece no amor permanece em Deus, e Deus nele. Se alguém afirmar: “eu amo a Deus”, mas odiar seu irmão, é mentiroso, pois quem não ama seu irmão, a quem vê, não pode amar a Deus, a quem não vê”

Ficamos com a palavra de um dos salvamentos mais comentados pela mídia na região serrana do RJ, a do Pai com o bebê Nicolas de 6 meses do dia 11 de Janeiro de 2011 que diz assim: “Dou graças a Deus de ter perdido a noção do tempo, tenho certeza de que foi Deus ali” Wellington Guimarães, pai do bebê Nicolas (Fonte da frase Rede Globo)

Por isto, não tenho dúvida alguma que as equipes de salvamento e os mantimentos doados são um dedo de Deus e expressão de seu amor para com aquele povo, por que Deus é amor. Deus é amor! 

Quando falo de "evangelicos", não quero enfatizar somente eles, mais todo aquele que estão fundamentado na ignorância de alguma religião racista, que aplica aos seguidores ditaduras para não sair da linha que eles impõe e acham que é verdade.

 
                               ________________________________
“Deus está morto! Deus permanece morto! E quem o matou fomos nós! Como haveremos de nos consolar, nós os algozes dos algozes? O que o mundo possuiu, até agora, de mais sagrado e mais poderoso sucumbiu exangue aos golpes das nossas lâminas. Quem nos limpará desse sangue? Qual a água que nos lavará? Que solenidades de desagravo, que jogos sagrados haveremos de inventar? A grandiosidade deste acto não será demasiada para nós? Não teremos de nos tornar nós próprios deuses, para parecermos apenas dignos dele? Nunca existiu acto mais grandioso, e, quem quer que nasça depois de nós, passará a fazer parte, mercê deste acto, de uma história superior a toda a história até hoje!” — NIETZSCHE, Friedrich. A Gaia Ciência, pág. 125.
                                 ________________________________
“Com efeito, as cataratas do alto se abriram, os fundamentos da terra se abalaram. A terra será toda arrasada, a terra será sacudida violentamente, a terra será fortemente abalada. A terra cambaleará como um embriagado, ela oscilará como uma cabana, seu crime pesará sobre ela, ela cairá e não mais se levantará.” Mateus 24:6-9
Fonte: Tiago Zortéa.
                                 ________________________________
Compartilhar no Google Plus

Sobre Hubner Braz

Criador, colunista e administrador do Pecador Confesso. Fascinado e apaixonado por DEUS!! Formado Bacharel em Teologia pela FATESP e F. Mêcanica pela FATEC-SP e Presbítero na A.D. Belem-Missão em Sorocaba, onde o Pastor Presidente é o Rev. Osmar José da Silva - CGADB, Tenho 1João 1:7-9 injetado na veia!.