Doação do Bebê - Meu Amor Perdido - Confissões de Joquebede Mãe de Moisés

Não era a primeira vez que meu coração estava partido e certamente não será a última. Passei as últimas semanas com tanta raiva de mim mesma. Fiz um esforço tremendo para esconder de Anrão o verdadeiro fato de está assim... Nunca irei dizer-lhe que o amo de todo meu coração, pois ele me magoou profundamente. 

Estou chateada comigo mesma por amá-lo tanto quando a clareza mostra que ele não sente o mesmo por mim.

Após essas duas semanas eu me enganei ao pensar que eu estava ansiosa para sair com pessoas novas. Solteira, olhei adiante esperando sentir borboletas no meu interior ao ver novos garotos, mas me frustrei. Quase um mês se foi que nós terminamos, e eu estava indo muito bem, foi então que aconteceu. Ou melhor, não aconteceu. Minha menstruação não veio. Droga!

Eu não sei o que me esperava. Eu não queria que Anrão voltasse pra meus braços. Quero dizer, na verdade eu queria! Mas não porque eu estava grávida. E sim por sentir sua falta, queria sua presença voluntária, nós dois, sozinhos... Eu, entregando-me aos seus braços, seus olhares, carinhos e afagos. 

Queria me despir das dúvidas, das incertezas, das inquietações permitindo que ele se perdesse nas curvas do meu corpo. Queria passar este instante, aproveitar, parar o tempo. Antes de dar à verdadeira notícia.

Mas então a realidade caiu dentro de mim. Eu nem estava preparada. Faltava pouco para explodir de raiva. Alias, foi tarde, mas percebi que o homem que eu estava apaixonada era um completo idiota, egoísta. E nisso a minha preparação, cadê... Quando me dei conta já estava amarrada a ele por muito mais tempo do que eu imaginava.

Fiquei pensando, se ele soubesse o quanto eu o amava, saberia que eu não iria engravidar de propósito. Às vezes, o controle da natalidade realmente não funciona.

Se ele soubesse a quantidade de cistos que os meus ovários tinha, se ele soubesse que para eu engravidar seria uma façanha. Se ele soubesse que eu nunca tive intenção de arruinar sua vida... Ele pensaria duas vezes antes de desistir de mim.

Eu não acho que sua vida foi arruinada, afinal eu não estava pedindo-lhe um filho, eu queria apenas seu amor, sua atenção e carinho.

No entanto, lá estava eu. Prestes a se tornar mãe pela segunda vez e agora solteira. Sinceramente, não desejava que isso acontecesse. Não é por causa de mim ou por causa de minha filha. Eu só não quero que ela pense que ser mãe e solteira é mil maravilhas.

Duas vezes. Fui fazer ultra-som. Útero é ampliado, poderia não ser nada ou poderia ser ruim. Finalmente no foco da tela surgi a imagem do que "poderia ​​ser ruim". Agora terei que decidir sobre o futuro do bebê, da minha filha, e para finalizar do meu.

Isto é onde a verdadeira história de um amor perdido começava... Eu senti isso no meu coração que eu estaria fazendo a decisão errada doando o meu bebê. No entanto, foi à única lógica. Como uma mãe pode escolher uma criança sobre a outra em nome de ser uma boa mãe?

Eu lamento a minha escolha porque sem dinheiro seria impossível eu criar, eu estava sozinha, e outra, o governante da minha cidade pediu para matar todos os bebês machos. Mas eu, sem dúvida, senti o amor do meu bebê, quando aqueles grandes olhos castanhos olharam pra mim.

Sinceramente não importa agora. Era o único jeito de protege-lo, eu já fiz. Doei meu bebê. Deixei a mercê dos perigos deste rio, as correntezas da vida o levou...

Eu queria meu bebê de volta, mas eu não posso desfazer as coisas. Concluo que perdi o amor puro por minha culpa. Eu apenas não perdi. Eu o matei. A pior parte é que às vezes choro, só porque tenho vontade de abraçá-lo. Mas agora não poderei mais...

Att. Joquebede (Mãe de Moisés) - Uma História de Ficção nos moldes da atualidade.

Referências: O texto Ex. 2.1-10 não nos revela o nome da mãe de Moisés, ficamos sabendo que seu nome é Joquebede através de outras passagens bíblicas, uma do próprio livro de Êxodo e outra de Números (Ex. 6.20 e Nm 26.29).
Compartilhar no Google Plus

Sobre Hubner Braz

Criador, colunista e administrador do Pecador Confesso. Fascinado e apaixonado por DEUS!! Formado Bacharel em Teologia pela FATESP e F. Mêcanica pela FATEC-SP e Presbítero na A.D. Belem-Missão em Sorocaba, onde o Pastor Presidente é o Rev. Osmar José da Silva - CGADB, Tenho 1João 1:7-9 injetado na veia!.
    Blogger Comment
    Facebook Comment

10 Milhões de Confessos:

  1. Escrevi este texto baseado também na confissão de uma mãe que dizia assim:

    Por favor, ajude meu filho a ter uma família decente e amorosa, pois não tenho como ficar com ele já que tenho um com 12 anos órfão de pai, e com problemas de saúde. Sou evangélica de boa índole e terminantemente contra o aborto, jamais matarei esta criança, nem impedirei de forma alguma que ela venha ao mundo, mais não quero vê-la sofrendo junto comigo e meu filho já existente, por clemência me ajudem, meu parto está previsto para junho de 2008. Encontrem alguém que o ame, uma familia boa de costumes e morais e ficarei grata.

    Fonte: http://www.observatoriodainfancia.com.br/article.php3?id_article=304

    Mas no mesmo site tem a resposta...

    ResponderExcluir
  2. RESPOSTA DO OBSERVATÓRIO:

    Sugerimos que inicialmente você procure ajuda psicológica e social no Hospital onde fará o pré natal, que aliás é fundamental, independente da sua decisão.

    A partir daí se realmente não conseguir superar suas dificuldades, procure o Conselho Tutelar, o Juizado da Infância e da Juventude da sua Comarca.

    Não é crime doar seu filho, desde que use os caminhos legais para isso. Não procure estranhos, não aceite "ajudas" desconhecidas. Isso sim pode ser complicado.

    Esperamos que consiga superar este momento da melhor forma possível.

    Continuamos à disposição.

    Leila Negrellos
    Advogada, colaboradora

    ResponderExcluir
  3. Não faça como Joquebede.

    Não deixe o seu bebê a mercê das águas de um rio ou na porta de alguém.
    Procure o conselho tutelar de sua cidade, ou uma igreja, antes de tomar qualquer decisão.

    ResponderExcluir
  4. Hubner Brás,

    Algumas mulhees não nasceram com o dom de ser mãe, apesar de serem aptas para procriar.
    E pai, poucos homens conseguem ser.

    ResponderExcluir
  5. Bom dia.
    O texto é sobre uma situação real, misturada com a história de Moisés, da Bíblia?

    Ser mãe não é fácil. Tenho dois filhos e sou mãe solteira. Só Deus sabe o que passei. Hoje tenho muitas compensações. Deus está sempre presente, tirando as pedras do meu caminho.

    Um grande abraço.

    ResponderExcluir
  6. Amapola,

    Sim, o texto é fictício, mais mistura um pouco a história de Moisés.

    Bjss

    ResponderExcluir
  7. `As vezes o filho que se pensa doar/dar, será aquele que te fará companhia num futuro próximo,numa hora em que não há mais ninguém, um filho que trará grande orgulho,pode ser,pode ser...

    ResponderExcluir
  8. Selinho para vc no Devaneios Fugazes. Bjs

    ResponderExcluir
  9. As vezes doar... é a maior demonstração de amor que uma mãe pode dar a seu filho.... quando ainda não estamos prontos para (cuidar, educar...)
    enfim lindo texto!

    ResponderExcluir
  10. Infelizmente há mulheres que não nascem com o dom de ser mãe,e o preço que se paga,é a vida arruínada da nova criatura que por fatalidade veio a terra,sou totalmente contra ao aborto e derivados,mas tem certas mulheres desprezíveis que não sabem o que é o DOM de dar a luz! INFELIZMENTE!
    Hubner,obrigada por visitar meu espaço,o seu é mto interessante,lugar de se refletir bastante,gosto de blogs assim,voltarei mais vezes e já estou a seguir-te
    Beijos e uma tarde repleta de luz para ti!

    ResponderExcluir

Não deixe de participar, a sua opinião é de extrema importância!

Críticas são bem vindas quando a pessoa se identifica.