Confissões Insanas Sobre a Bienal do Livro


A Bienal do Livro é uma oportunidade única para os novos escritores, de cara quero destacar os escritores brasileiros que estão desbancando nesta década, para mim os melhores da atualidade. Aprendi muito, até no modo de escrever, lendo os livros de Ciro S. Zibordi, Eduardo Spohr, Fabrício Carpinejar, Thalita Rebouças, Sá de Barros, Severino P. da Silva entre outras.
Não sei por que as pessoas persistem ficar sem leitura. A vida por si é uma escola, mais não deixamos de aprender também nos bancos, rudes ou agradáveis dos livros. A gente vive aprendendo lições diárias que entram pelos olhos, sentem na carne e marcam na alma.
A grande preocupação são com o subnutrido cultural, eles sim precisam de cuidados. Eles são os analfabetos que veem seus horizontes como regra, eles usam cabrestos que impossibilitam de olhar para os lados. As suas cabeças é bastante vazia e tem por tamanho uma caixa de fósforos.
“Não sejais como o cavalo ou a mula, que não têm entendimento, cuja boca precisa de cabresto e freio, ou não virão a ti”. – Salmo 32:7-8
Ciência, cultura e saber são importantes degraus na escala da vida. E na grande competitividade atual, fica a pergunta: Quem são os mais sábios, os especialistas de um assunto ou os donos de uma cultura geral?
Olhando a vida do “Especialista” vemos que eles conhecem cada vez mais em relação a cada vez menos, até chegar à perfeição de saber quase tudo sobre nada...
E o Generalista onde fica? Bem, eles conhecem cada vez menos em relação a cada vez mais, até saber praticamente nada sobre tudo...
Baseado nisso, vemos que a fábrica de escritores nunca parou, temos filósofos, literatos, poetas... O saber é constante frui como ribeiro ao encontro do mar, para virar cotas de chuva e torna a nascente novamente.
O filósofo “seu” Albuquerque na simplicidade confessou:
- Quando casamos minha mulher e “seu” fizemos um trato. Eu decidiria nas coisas importantes e ela, nas segundarias.
- E deu certo o trato? – perguntou-lhe o vizinho.
- Deu, sim. Até agora nada aconteceu de importante...
Agora imagine filósofos dialogando no saber existencial:
- O seu filho já pensou na carreira que vai abraçar?
- Por enquanto, ele só pensa em abraçar as namoradas!
As opiniões dos literatos são diferentes, mergulhando a pena na tinta fala o escritor Mário da Silva Brito:
- Saber é um debater-se e um ferir-se contínuos contra as dúvidas, incertezas e contradições. Essa luta para o encontro da verdade, ou, pelo menos, da momentânea verdade é que os tranquiliza a mente, que nos supre a necessidade de algum conhecimento mais estável. Mas resta, sempre, a convicção de que vivemos num tempo em que todas as ideias e conceitos são provisórios.
Já nas opiniões dos poetas sobre o saber, trouxe um texto de Cecília Meirelles, porque nos poetas existem antenas finas que capitam sensivelmente as sutilezas que os comuns mortais jamais descobriram.
- Tudo palpita em redor de nós, e é como um dever de amor aplicar o ouvido a vista, o coração a essa infinidade de formas naturais ou artificiais que encerram seu segredo, suas memórias, suas silenciosas experiências. A rosa que se despede de si mesma, o espelho onde pousa o nosso rosto, a fronha por onde se desenham os sonhos de quem dorme; tudo, tudo é um mundo com passado, presente, futuro, pelo qual transitamos atentos ou distraídos.
Sei que ainda faltam muitas opiniões, mas deixarei vocês darem seus palpites sobre o assunto. Afinal de contas, Confissões Insanas é interatividade, cultura e informação.

Compartilhar no Google Plus

Sobre Hubner Braz

Criador, colunista e administrador do Pecador Confesso. Fascinado e apaixonado por DEUS!! Formado Bacharel em Teologia pela FATESP e F. Mêcanica pela FATEC-SP e Presbítero na A.D. Belem-Missão em Sorocaba, onde o Pastor Presidente é o Rev. Osmar José da Silva - CGADB, Tenho 1João 1:7-9 injetado na veia!.