Bomba - Assista! Esposa do Pastor Marcos Pereira divulga sua versão e nega Estupro.


Enquanto aguarda o julgamento, o pastor Marcos Pereira da Silva, 56, da Assembleia de Deus dos Últimos Dias está em uma cela na penitenciária de Bangu, Rio de Janeiro, desde terça-feira. Entre as várias acusações está o estupro de fiéis de sua igreja e o envolvimento com tráfico.
O jornal Folha de São Paulo o entrevistou por escrito, passando as perguntas ao pastor através do advogado Marcelo Patrício, que visitou Marcos no presídio.
“Eu jamais me envolvi sexualmente com fiéis. A única relação que mantive com elas foi espiritual. Todo homem, seja pastor ou não, sente desejos carnais, mas tenho a minha esposa para satisfazê-los”, asseverou o pastor. Também acrescentou que ajudou uma de suas acusadoras a sair da prostituição e do vício das drogas, enquanto outra das mulheres ele “cuidou até ela casar com um fiel”.
O pastor Marco continua afirmando ser inocente das acusações. Enquanto isso, a polícia investiga se a igreja seria usada para “lavar” dinheiro da venda de drogas na compra de imóveis. Segundo divulgado na imprensa, a Assembleia de Deus dos Últimos Dias possui seis imóveis no Rio, sendo que um deles é um apartamento avaliado em R$ 8 milhões. O advogado do pastor diz que a maioria dos imóveis foi doada por fiéis.
Sobre sua ligação com o traficante Marcinho VP, o chefe do tráfico no complexo do Alemão, o pastor confirma que visitou o traficante algumas vezes em um presídio federal.  Contudo, seu objetivo era “ganhar a família toda para Jesus”. Enquanto continua no presídio, Marcos Pereira diz que continua pregando o Evangelho e tem ganhado presos.
Embora o nome de sua esposa Ana Madureira da Silva tenha circulado na imprensa como uma das pessoas que acusou o pastor de estupro, a igreja Assembleia de Deus dos Últimos Dias postou um vídeo no Youtube, onde a esposa do pastor dá sua versão e nega as acusações.
Assista:

Das cinco acusações contra Marcos Pereira, apenas duas foram aceitas pelo MP

A mídia tem divulgado que há seis acusações de estupro contra o pastor Marcos Pereira, preso na última terça-feira (7) no Rio de Janeiro. Mas o promotor Rogério Lima, da 8ª Promotoria de Investigação Penal, fala em cinco inquéritos e diz que apenas dois deles terão continuidade.
Os três casos que restaram foram descartados, pois os supostos crimes foram cometidos antes de 2009 quando a lei brasileira dava seis meses para que a denúncia de estupro fosse feita.
“Até 10 de agosto de 2009, a Lei 12.015 dizia que o MP só podia denunciar o estupro se a vítima se manifestasse dentro do prazo de seis meses. Essas três vítimas que foram abusadas deixaram passar o prazo de seis meses, apesar de o crime ter ocorrido”, disse o promotor.
Lima explica que os dois casos que resultaram no mandado de prisão preventiva do pastor também aconteceram antes de 2009, porém as vítimas alegam agressão física.
“As duas que nós fizemos a denúncia também relataram abusos antes de 2009, mas apanharam dele. Quando tem violência, não existe prazo para a vítima fazer a acusação”, explicou ele para o portal UOL.
A denúncia apresentada contra o pastor pelo Ministério Público diz que o perfil do acusado é de um “verdadeiro depravado, degenerado, pervertido sexual, capaz de fazer as coisas mais baixas”.
Mas a defesa alega que não há provas e que a prisão não é legítima. “A denúncia diz que ele poderia ameaçar as vítimas. A mulher diz que o crime aconteceu em 2006. Se fosse para ele ameaçar, ele já teria ameaçado”, disse Marcelo Patrício, advogado do pastor.
A prisão preventiva foi justificada por dois motivos, um deles seria que o pastor poderia coagir as vítimas e o outro que ele poderia fugir do país. Mas o advogado contesta, lembrando que seu cliente esteve nos Estados Unidos há 15 dias. “Se ele estivesse com medo, teria ficado lá”.
Sexta vítima seria a esposa
Alguns meios de comunicação noticiaram também que a sexta vítima do pastor seria Ana Madureira da Silva, identificada como ex-esposa. Sobre este caso quem esclareceu foi o cantor Waguinho que esteve nesta quinta-feira (9) na Rádio Melodia do Rio de Janeiro.
Ana ainda é casada com Marcos Pereira, o casamento dura mais de 30 anos e juntos tiveram dois filhos, Nívea e Felipe que atuam como missionários dentro da ADUD.
A família esteve na Assembleia Legislativa do Rio de Janeiro também na quinta-feira para pedir apoio dos deputados estaduais. Eles alegam que as acusações são fruto de brigas políticas e que não há legalidade na decisão da Justiça de manter o pastor preso 

se não há provas do crime.


Das cinco acusações contra Marcos Pereira, apenas duas foram aceitas pelo MPApenas duas das cinco acusações são aceitas contra Marcos Pereira
Pastor Marcos Pereira evangeliza detentos

O pastor está no presídio de Bangu 2 desde a quarta-feira, preso por acusações de estupro

O advogado do pastor Marcos Pereira, Marcelo Patrício, deu informações de que o religioso está pregando e convertendo criminosos dentro do Complexo Penitenciário de Gericinó. O líder da Assembleia de Deus dos Últimos Dias foi preso na noite da última terça-feira (7) acusado de estupro.

“Ele está tranquilo, pregando a palavra de Deus. Ele sabe que tudo na vida tem um propósito e disse que se Deus colocou ele lá, é porque alguém na prisão precisa da ajuda dele, é para ele ajudar. Ele está junto com os outros presos e já converteu alguns”, disse o advogado.
Marcos Pereira desenvolve há muitos anos trabalhos sociais dentro das penitenciárias do Rio de Janeiro e também em outros estados. Patrício diz que o pastor está triste “pelas falsas acusações”, mas que por ter experiência em lidar com prisioneiros estaria “bem”.
Na quinta-feira o advogado do líder da ADUD se pronunciou defendendo seu cliente, dizendo que não há provas sobre as acusações e que se elas existissem, o crime já teria prescrito.
Não apenas Patrício, como membros da ADUD e até mesmo os deputados do Rio de Janeiro confiam na inocência do pastor. Eles alegam que as denúncias têm motivação política e cobram provas concretas sobre a participação de Marcos Pereira nestes crimes. Com informações UOL.

Compartilhar no Google Plus

Sobre Hubner Braz

Criador, colunista e administrador do Pecador Confesso. Fascinado e apaixonado por DEUS!! Formado Bacharel em Teologia pela FATESP e F. Mêcanica pela FATEC-SP e Presbítero na A.D. Belem-Missão em Sorocaba, onde o Pastor Presidente é o Rev. Osmar José da Silva - CGADB, Tenho 1João 1:7-9 injetado na veia!.
    Blogger Comment
    Facebook Comment

1 Milhões de Confessos:

  1. "O que penso sobre o caso do Pastor Marcos Pereira" por Geremias do Couto
    Ev. Renato Bromochenkel

    Não entro no mérito da prisão do pastor Marcos Pereira, enquanto não tiver acesso aos autos. Também não discuto a manipulação da mídia, quando lhe interessa, divulgando supostos crimes de personalidades influentes, com a finalidade de alcançar objetivos inconfessáveis, como já cansamos de ver. Mas, por outro lado, não posso fechar os olhos e achar que tudo quanto se divulga nos meios de comunicação é calúnia. Que o diga o caso do médico Roger Abdelmassih. O que pode acontecer é a mídia manter essas denúncias em estoque para só divulgá-las caso alguns interesses sejam contrariados.

    Dito isto, discordo daqueles cristãos que usam as redes sociais para reverberar o episódio já extremamente explorado com as letras mais fortes pela mídia em geral. É como se estivéssemos a futucar fezes para espalhar o seu fedor. Graças a Deus, não tenho esse prazer. Mas parece que alguns se alegram em alardear o fato, quando deveríamos, ao contrário, chorar e lamentar pelo sofrimento que traz ao evangelho.

    Também não me alinho ao outro grupo que vê no episódio marcas de perseguição religiosa. Até onde posso ir em minhas lucubrações, há sinais de que pode tratar-se de revide, porque alguém em algum lugar e em algum momento teria dissentido do conjunto da obra, não teria cumprido algum acordo e agora começa a sofrer os efeitos por andar em más companhias. Parece-me que por aí passa a trilha. Mais do que isso, de minha parte, é mera especulação.

    O melhor que faríamos, como cristãos, é tirar do episódio a melhor lição que nos cabe nesta hora. Se, de maneira geral, temos o dever de fazer com que a nossa justiça exceda a dos escribas e fariseus, imagine quando Deus nos chama para alguma atividade que ganha dimensão pública! Precisamos mais do que nunca manter bem guarnecida a nossa retaguarda, pois qualquer fragilidade poderá ser usada contra nós. Billy Graham dispunha de uma equipe que antes de sua entrada no quarto de hotel, em suas campanhas evangelísticas, fazia ampla varredura para evitar qualquer tipo de armação para desonrar o nome de Cristo.

    Creio que nossas falhas começam aí. Perdemos o contato com a nossa humanidade, passamos a nos considerar acima do bem e do mal e privamo-nos da noção dos limites. Achamos que podemos tudo. Daí para negócios escusos e imorais a linha é tênue. Lá na frente o que tivermos feito de grave poderá ser usado contra nós, se dissentirmos da "máfia". Para bom entendedor, meia palavra basta.

    Por fim, fica para todos nós a recomendação do apóstolo Paulo: "Aquele, pois, que cuida estar em pé, olhe não caia", 1 Coríntios 10.12.

    ResponderExcluir

Não deixe de participar, a sua opinião é de extrema importância!

Críticas são bem vindas quando a pessoa se identifica.