Educação Cristã, Responsabilidade dos Pais - 26 DE MAIO DE 2013 – LIÇÃO 8 - EBD - CPAD.


Educação Cristã, Responsabilidade dos Pais - Rede Brasil de Comunicação

Igreja Evangélica Assembleia de Deus - Recife-PE Superintendência das Escolas Bíblicas Dominicais
Pastor Presidente: Aílton José Alves
Av. Cruz Cabugá, 29 - Santo Amaro - CEP. 50040 - 000 Fone: 3084 1524
LIÇÃO 08 - EDUCAÇÃO CRISTÃ, RESPONSABILIDADE DOS PAIS - 2º TRIMESTRE 2013
(Dt 6.1-9)
INTRODUÇÃO
Nesta lição definiremos inicialmente o significado do verbo educar, bem como abordaremos os dois principais tipos de educação e os seus respectivos princípios. Veremos que tanto no Antigo quanto no Novo Testamento, Deus responsabiliza os pais quanto à educação espiritual de seus filhos. Tal missão deve ser cumprida com amor, dedicação e ensinamento incansável das Escrituras Sagradas, tanto no lar como na igreja local.
I - EDUCAÇÃO SECULAR E EDUCAÇÃO CRISTÃ
O Aurélio define a palavra educação como: “processo de desenvolvimento da capacidade física, intelectual e moral da criança e do ser humano em geral”. Ainda a palavra educação significa: “o desenvolvimento e o cultivo sistemático das capacidades naturais, por meio do ensino, do exemplo e da prática”. No sentido bíblico, porém, o processo da educação combina-se com os “princípios espirituais que, segundo se espera, emprestam poder e significado aos ensinos que transcendem os meios intelectuais normais e os meios humanos práticos” (CHAMPLIN, 2004, p. 268).
1.1 Educação Secular. Infelizmente é possível afirmar nos dias atuais que a educação secular se confunde com a educação materialista, e esta educação é centralizada no materialismo e inspirada no liberalismo social em seus discursos acadêmicos demagógicos, que tem como propósito descartar completamente a pessoa de Deus do contexto educacional da sociedade. É grande o desafio dos pais, pois os seus filhos, desde a primeira infância até a universidade, são bombardeados diariamente por tais ensinamentos. Os principais componentes desse tipo de educação são os seguintes:
FALSO ENSINAMENTOO QUE ENSINAREFUTAÇÃO BÍBLICA
AntropocentrismoO homem como centro de tudo, detentor e promotor de sua própria felicidade.A Bíblia mostra o homem como uma criatura feita a imagem e semelhança de Deus (Gn 1.26). No entanto, este homem é menor que o Criador (Sl 8.4), porque é pó (Sl 103.14).
AteísmoDoutrina que nega a existência de Deus e, consequentemente, todos os princípios e valores relacionados a Ele.A Bíblia mostra que existe um Deus que criou todas as coisas (Gn 1.1). Ele é eterno (Is 43.13); onisciente (Sl 139.1-4); onipresente (Jr 23.23); onipotente (Sl 91.1).
Valores Morais relativizadosUma vez descartada a pessoa de Deus, Sua Palavra perde o sentido, e os valores morais e absolutos que tinham Deus como sua fonte, passam a dar lugar a uma relativização moral onde não há verdade absoluta e onde a promiscuidade e a libertinagem comportamental é defendida.Apesar de em algumas sociedades já relativizarem os valores como por exemplo, fazendo a união de pessoas do mesmo sexo, a defesa e prática da Eutanásia, aborto, a prática legal do uso de drogas, da prostituição. No entanto a Bíblia condena a inversão de valores (Is 5.20), e mostra que o juízo de Deus se levanta contra toda iniquidade (1 Co 6:9,10; Rm 1:18; Ap 21:8).
Deseducação SexualO ensino materialista estimula a prática sexual “livre e sem culpa”, descartando todo o princípio moral absoluto. Podemos notar que tudo isso é um sinal dos últimos tempos (I Tm 4.1-3; I Pe 3.1-5).A Bíblia nos mostra que Deus fez o ser humano sexuado (Gn 1.27,28). No entanto, esta intimidade sexual deverá ser desfrutada apenas no casamento, entre um homem e uma mulher (Gn 2.24). Logo, o ato sexual fora do casamento é pecado (I Co 6.13,18; 6.9; Hb 13.4).
Educação Cristã. Ela tem como bases o próprio Deus e a Sua Palavra (Lv 20.26; Dt 32.4; Sl 119.9; Jo 17.17). Tomando como referência a definição de educação dada a princípio, é possível afirmar que a educação cristã é o desenvolvimento, aperfeiçoamento, cultivo e refinamento do caráter do indivíduo a partir de todos os princípios exarados nas Escrituras Sagradas, nossa única regra de fé e prática. Tal missão foi entregue também aos pais, que são os aios (pedagogos) dos filhos.
II - A EDUCAÇÃO NO ANTIGO E NOVO TESTAMENTOS
Em toda a Bíblia vemos que Deus delega aos pais à educação espiritual de seus filhos. Estes eram os responsáveis por reproduzirem e perpetuarem os princípios divinos na formação do caráter das crianças de geração em geração:
2.1 No Antigo Testamento. Um texto básico nas páginas do Antigo Testamento, em que Deus delega aos pais a missão de educar os seus filhos é (Dt 6). Esse texto começa falando sobre os mandamentos, os estatutos e os juízos que o Senhor deu a Moisés para que este os ensinasse aos filhos de Israel “a fim de eles temessem a Deus” (Dt 6.1,2). Logo após, Deus diz que a prosperidade de Israel dependeria da obediência a tais mandamentos (Dt 6.3). Em Dt 6.6, o Senhor diz que suas palavras deveriam encontrar guarida nos corações dos israelitas. O coração que aparece na Bíblia como a sede da inteligência, dos sentimentos e da vontade. Todas as áreas do ser do judeu deveria estar permeada com a Lei do Senhor. Mas é no versículo 7 que encontramos a missão da educação espiritual sendo dada aos pais: “e as intimarás a teus filhos e delas falarás assentado em tua casa, e andando pelo caminho, e deitando-te, e levantando-te”. Analisemos mais detidamente esse versículo:
  • “E AS INTIMARÁS”. Essa palavra vem do hebraico “sanan”, e significa“inculcar, ensinar, afiar e aguçar”. Ela possui algumas aplicações, mas nesse texto a ideia é a de que, assim como as palavras são gravadas em tábuas de pedra com um objeto agudo, assim também a Lei deveria ser impressa no coração dos filhos a cada geração, e isso de forma contínua, incansável e incondicional; para isto se fazia necessário que os pais a ensinassem: “e delas falarás”.
  • “FALARÁS ASSENTADO EM TUA CASA”. A palavra “casa” nesse texto vem do hebraico bayth”, e significa “casa, habitação ou edificação na qual vive uma família” (Dt 20.5), mas também “pode se referir à própria família”(Gn 15.2; Js 7.14; 24.15). O que Deus está dizendo é que o principal local de ensinamento das verdades espirituais é o seio familiar, é o lar. Eis a importância do culto doméstico. É nele que as verdades da Palavra de Deus serão inculcadas nas crianças, que jamais esquecerão dos momentos devocionais que desfrutaram com os pais. É através do culto doméstico que brechas espirituais são fechadas na família e toda e qualquer atuação maligna é repreendida pelo Senhor;
Outro texto bastante conhecido no Antigo Testamento que trata da educação espiritual dos filhos é Pv 22.6: “Instrui o menino no caminho em que deve andar, e, até quando envelhecer não se desviará dele”. Vejamos algumas palavras chave para a compreensão desse versículo:
  • “INSTRUI”. Esta palavra vem do hebraico “hanakh”, e significa iniciar, disciplinar, consagrar, instruir, educar e ensinar. Quando os pais instruem os filhos na Lei de Deus, eles estão na realidade, dedicando-os, consagrando-os ao Senhor;
  • “NO CAMINHO”. A palavra caminho no hebraico é derekh”, que deriva do verbo darakh”. Essa palavra pode se referir a um caminho ou estrada físicos (Gn 3.24; Nm 22.23) ou uma viagem por uma estrada (Gn 30.36; Ex 5.3). No entanto, esta palavra é usada com mais frequência de maneira metafórica para se referir a caminhos da vida de uma pessoa, sugerindo o padrão de vida (Pv 3.6); a vida obediente (Dt 8.6); a vida de retidão (II Sm 22.22). Cabe aos pais ensinarem o caminho da vida aos filhos;
  • “NÃO SE DESVIARÁ”. O verbo desviar-se deriva do hebraico sur”, e significa afastar-se, ir embora, desertar, manter distante. A maioria das aplicações dessa palavra aponta para desvios espirituais (Jz 16.19; Dt 11.16; I Sm 12.20; Sl 14.13). O que o sábio Salomão está dizendo é que quando a criança é instruída devidamente pelos pais no caminho correto, ela não haverá de se desviar de tal instrução, e nem a esquecerá, pois, à luz de (Dt 6.7), ela foi impressa de forma inapagável no seu ser.
2.2 Em o Novo Testamento. O maior exemplo de educação cristã no Novo Testamento é o do próprio Jesus. Ele foi instruído de tal forma pelos seus pais que se percebia o seu crescimento em todas as esferas, tanto secular quanto espiritual (Lc 2.52). Ele também frequentava as sinagogas a fim de aprender a Lei do Senhor com os rabinos (Lc 2.46). Isso nos traz a lição de que os pais devem instruir os seus filhos dentro de casa, mas também não podem deixar de levá-los ao Templo do Senhor, especialmente para os trabalhos de Círculo de Oração Infantil e Escola Dominical. Ainda no Novo Testamento, um belo exemplo de ensinamento no lar se deu na casa de Lóide, que ensinou a Eunice, que ensinou a Timóteo, que se tornou um grande cooperador do apóstolo Paulo na Igreja Primitiva.
CONCLUSÃO
É imensurável o valor e a grandeza da responsabilidade dos pais na educação dos seus filhos, pois não é apenas o futuro secular destes que está em suas mãos, porém, muito mais o futuro espiritual. Os pais cristãos não devem se preocupar primordialmente, ou somente em preparar bons profissionais para a sociedade, mas bons cristãos para habitarem os céus.
REFERÊNCIAS
Bíblia de Estudo Pentecostal. CPAD.
Bíblia de Estudo Palavras Chave. CPAD.
Publicado no site da Rede Brasil de Comunicação

Educação Cristã, Responsabilidade dos Pais - Ev. Luiz Henrique

Complementos, ilustrações, questionários e vídeos: Ev. Luiz Henrique de Almeida Silva
NÃO DEIXE DE ASSISTIR AOS VÍDEOS DA LIÇÃO ONDE TEMOS MAPAS, FIGURAS, IMAGENS E EXPLICAÇÕES DETALHADAS DA LIÇÃO
TEXTO ÁUREO 
“Instrui o menino no caminho em que deve andar, e, até quando envelhecer, não se desviará dele” (Pv 22.6).
VERDADE PRÁTICA 
A educação cristã de nossas crianças, adolescentes e jovens é uma responsabilidade intransferível e pessoal dos pais com o apoio e assistência da igreja.
LEITURA DIÁRIA
Segunda - Dt 6.4-9 A responsabilidade dos pais
Terça - Sl 78.5 Pais ensinando filhos
Quarta - Ef 6.4 Filhos criados na doutrina do Senhor
Quinta - Ef 4.11 JESUS provê mestres para a sua igreja
Sexta - Lc 2.52 O desenvolvimento de JESUS
Sábado - Sl 127.3 Filhos - Herança do Senhor
LEITURA BÍBLICA EM CLASSE- Deuteronômio 6.1-9
1 Estes, pois, são os mandamentos, os estatutos e os juízos que mandou o SENHOR, vosso DEUS, para se vos ensinar, para que os fizésseis na terra a que passais a possuir; 2 para que temas ao SENHOR, teu DEUS, e guardes todos os seus estatutos e mandamentos, que eu te ordeno, tu, e teu filho, e o filho de teu filho, todos os dias da tua vida; e que teus dias sejam prolongados. 3 Ouve, pois, ó Israel, e atenta que os guardes, para que bem te suceda, e muito te multipliques, como te disse o SENHOR, DEUS de teus pais, na terra que mana leite e mel. 4 Ouve, Israel, o SENHOR, nosso DEUS, é o único SENHOR. 5 Amarás, pois, o SENHOR, teu DEUS, de todo o teu coração, e de toda a tua alma, e de todo o teu poder. 6 E estas palavras que hoje te ordeno estarão no teu coração; 7 e as intimarás a teus filhos e delas falarás assentado em tua casa, e andando pelo caminho, e deitando-te, e levantando-te. 8 Também as atarás por sinal na tua mão, e te serão por testeiras entre os teus olhos. 9 E as escreverás nos umbrais de tua casa e nas tuas portas.
6.4-9 OUVE, Ó ISRAEL. Este trecho é comumente chamado “o Shema” (do hb. shama?, “ouvir”). Os judeus dos tempos de JESUS eram afeitos a esse trecho, por ser recitado diariamente pelos judeus devotos, e também regularmente nos cultos da sinagoga. O “Shema” é a declaração clássica do cunho monoteísta de DEUS. Ao “Shema” segue-se um duplo preceito para Israel:
(1) amar a DEUS de todo o coração, alma e forças (vv. 5,6); e
(2) ensinar diligentemente aos seus filhos sobre a sua fé (vv. 7-9).
6.4 O SENHOR, NOSSO DEUS, É O ÚNICO SENHOR. Este versículo juntamente com os versículos 5-9; 11.13-21; Nm 15.37-41 - ensina o monoteísmo. Esta doutrina afirma que DEUS é o único DEUS verdadeiro, e não uma teogonia ou grupo de diferentes deuses; que é onipotente entre todos os seres e espíritos do mundo (Êx 15.11). Este DEUS deve ser o objeto exclusivo do amor e obediência de Israel (vv. 4,5). Esse aspecto de “unicidade” é a base da proibição da adoração a outros deuses (Êx 20.2). O ensino de 6.4 não contradiz a revelação no NT, de DEUS como um ser trino, que sendo uno em essência, é manifesto como Pai, Filho e ESPÍRITO SANTO (ver Mt 3.17, e Mc 1.11).
6.5 AMARÁS… O SENHOR, TEU DEUS. DEUS anela comunhão com seu povo e lhe dá esse único e indispensável mandamento, que vincula esse povo a Ele mesmo.
(1) Retribuindo o seu amor com amor, gratidão e lealdade (4.37), os israelitas o conhecerão, e nEle se deleitarão pelas provisões do concerto.
(2) Deste mandamento, “o primeiro e grande mandamento”, juntamente com o segundo mandamento: amar ao próximo (cf. Lv 19.18), depende toda a lei e os profetas (Mt 22.37-40).
(3) A verdadeira obediência a DEUS e aos seus mandamentos somente é possível quando brota da fé em DEUS e do seu amor (cf. 7.9; 10.12; 11.1,13,22; 13.3; 19.9; 30.6,16,20; ver Mt 22.39; Jo 14.15; 21.16; 1Jo 4.19).
6.6 ESTAS PALAVRAS… ESTARÃO NO TEU CORAÇÃO. O firme propósito de DEUS é que sua Palavra esteja no coração do seu povo (cf. Sl 119.11; Jr 31.33). Paulo declara explicitamente: “A palavra de CRISTO habite em vós abundantemente, em toda a sabedoria” (Cl 3.16; cf. 2 Tm 3.15-17). Esse preceito somente pode ser cumprido se, diária e continuamente, examinarmos as Escrituras (Sl 119.97-100; Jo 8.31,32). Uma maneira de fazer isso é ler o NT todo duas vezes por ano, e o AT uma vez por ano (cf. Is 29.13; ver Tg 1.21).
6.7 E AS INTIMARÁS AOS TEUS FILHOS. Uma forma vital de expressar amor a DEUS (v. 5) é cuidar do bem-estar espiritual dos filhos e esforçar-nos para levá-los a um real relacionamento com DEUS.
(1) O ensino da Palavra de DEUS aos filhos deve ser uma tarefa altamente prioritária dos pais (cf. Sl 103.13; ver Lc 1.17; 2 Tm 3.3).
(2) O ensino das coisas de DEUS deve partir do lar, e nisso, tanto o pai como a mãe deve participar. Cultuar a DEUS no lar não é uma opção; pelo contrário, é um mandamento direto do Senhor (vv. 7-9; Êx 20.12; Lv 20.9; Pv 1.8; 6.20; cf. 2 Tm 1.5).
(3) O propósito da instrução bíblica pelos pais é ensinar os filhos a temer ao Senhor, a andar em todos os seus caminhos, a amá-lo e ser-lhe grato e a servi-lo de todo o coração e alma (10.12; Ef 6.4).
(4) O crente deve proporcionar sabiamente aos seus filhos uma educação teocêntrica, em que tudo se relacione com DEUS e às suas coisas (cf. 4.9; 11.19; 32.46; Gn 18.19; Êx 10.2; 12.26,27; 13.14-16; Is 38.19)
Esse é o material abaixo vem sendo distribuído aos colégios onde nossos filhos e netos estudam.
Continue votando neles e veja onde vai parar sua família…
EDUCAÇÃO
INSTRUÇÃO (Vine ’s Expository Dictionary o f Biblical Words - Dicionário Vine - CPAD)
Substantivo. Musar: ”instrução, castigo, advertência”.
Este substantivo aparece 50 vezes, principalmente em Provérbios. A primeira ocorrência está em Dt 11.2: “E hoje sabereis que falo, não com vossos filhos, que o não sabem e não viram a instrução do SENHOR, vosso Deus, a sua grandeza, a sua mão forte, e o seu braço estendido”.
Um dos principais propósitos da literatura sapiencial era ensinar sabedoria e ”musar” (Pv 1.2). O termo ”musar” significa disciplina, mas é mais que isso. Como “disciplina”, ele ensina como viver corretamente no temor do Senhor, de forma que o sábio aprenda a lição antes da tentação e da prova: “O que tendo eu visto, o considerei: e, vendo-o, recebi instrução” (Pv 24.32). Esta “disciplina” é treinamento para a vida; por conseguinte, prestar atenção à”musar” é importante. Muitos verbos confirmam a necessidade de uma resposta correta: “Ouvir, obedecer, amar, receber, obter, apoderar-se, guardar, manter”.
Além disso, a rejeição é confirmada por muitos verbos relacionados com ”musar”. ”Rejeitar, odiar, ignorar, não amar, menosprezar, abandonar”. Quando ”musar” é dado como “instrução”, mas não é observado, o ”musar” como “castigo” ou “disciplina” pode ser o próximo passo: “A estultícia está ligada ao coração do menino, mas a vara da correção a afugentará dele” (Pv 22.15).
Atenção cuidadosa à ‘instrução” traz honra (Pv 1.9), vida (Pv 4.13), e sabedoria (Pv 8.33), e, acima de tudo, agrada a Deus: “Porque o que me achar achará a vida e alcançará favor do SENHOR” (Pv 8.35). A falta de observância da “instrução’ ocasiona seus próprios resultados: morte (Pv 5.23), pobreza e vergonha (Pv 13.18), e é, em última instância, sinal de que o indivíduo não tem consideração pela própria vida (Pv 15.32).
A receptividade da “instrução” dada pelos pais, professores, o sábio ou o rei é corolário direto da subjugação do indivíduo à disciplina de Deus. Os profetas acusaram Israel por não receber a disciplina de Deus: “Ah! SENHOR, atentam os teus olhos para a verdade? Feriste-os, e não lhes doeu; consumiste-os, e não quiseram receber a correção;  endureceram as suas faces mais do que uma rocha; não quiseram voltar” (Jr 5.3). Jeremias pediu aos judeus e aos habitantes da Jerusalém sitiada que prestassem atenção ao que estava acontecendo ao redor, para que eles ainda se sujeitassem à “instrução” (Jr 35.13). Isaías predisse que o castigo de Deus que os homens mereciam foi levado pelo Servo Sofredor, trazendo paz aos que crêem n´Ele: “Mas ele foi ferido pelas nossas transgressões e moído pelas nossas iniqüidades; o castigo que nos traz a paz estava sobre ele, e, pelas suas pisaduras, fomos sarados” (Is 53.5).
A Septuaginta tem a tradução de Paidéia (”educação. treinamento, instrução”). A palavra grega é a base para a palavra pedagogia, ”treinamento de uma criança”.
RESUMO RÁPIDO - Meus comentários:
A educação do Brasil é péssima e na igreja é vergonhosa.
Se no governo brasileiro existe um déficit de escolas absurdo, o que dizer de nossa denominação quanto ao número de escolas que possuímos?
Pelo menos em cada grupo de 15.000 crentes, deveríamos possuir um colégio evangélico para crianças, um para adolescentes e um para adultos.
A escola dominical não tem tido a eficiência desejada por DEUS. Para comprovação disso basta ver o número de filhos de crentes prisioneiros nas cadeias e presídios de nosso país.
Não temos, entre os lares de cristãos, nem 10% dos lares onde a Palavra de DEUS é ensinada, onde se realiza pelo menos um culto doméstico.
Encontramos o número de 90% de crentes que nem leram a bíblia toda pelo menos uma vez.
Esse é o triste retrato da educação cristã no Brasil de hoje.
Não há ensino na escola secular, não há ensino nos lares, não há eficiência no ensino de Escolas Bíblicas Dominicais que mais gastam tempo ensinando às nossas crianças a desenhar e a cantar do que ensinando a Palavra de DEUS a estas.
Os filhos são presentes de DEUS e recompensa pelo nosso amor para com nosso cônjuge.
Salmos 127:3 Eis que os filhos são herança do SENHOR, e o fruto do ventre o seu galardão.
Temos a responsabilidade de criar e educar nossos filhos, preparando-os para o futuro onde terão suas próprias famílias para cuidar e educar.
Provérbios 22:6 Educa a criança no caminho em que deve andar; e até quando envelhecer não se desviará dele.
Primeiro a Palavra de DEUS deve estar no coração dos pais - depois devem ser ensinadas a seus filhos - devem ser repetidas e ensinadas a eles todos os dias de suas vidas em que estiverem em companhia de seus pais. A bíblia deve ser carregada pelas mãos dos filhos de DEUS, deve ser a luz a iluminar o caminho de cada cristão e deve ser o guia de regras de conduta e relacionamento do crente com DEUS, com sua família, com a Igreja e com o mundo a sua volta.
E estas palavras, que hoje te ordeno, estarão no teu coração; E as ensinarás a teus filhos e delas falarás assentado em tua casa, e andando pelo caminho, e deitando-te e levantando-te. Também as atarás por sinal na tua mão, e te serão por frontais entre os teus olhos. E as escreverás nos umbrais de tua casa, e nas tuas portas. (Dt 6.6-9)
Os pais devem ensinar a seus filhos a ouvirem e a obedecerem à Palavra de DEUS.
Ouvi, filhos, a instrução do pai, e estai atentos para conhecerdes o entendimento. Pois eu vos dou boa doutrina; não abandoneis o meu ensino. Quando eu era filho aos pés de meu, pai, tenro e único em estima diante de minha mãe, ele me ensinava, e me dizia: Retenha o teu coração as minhas palavras; guarda os meus mandamentos, e vive. (Pv 4.1-4)
A prevenção é o melhor remédio para se evitar futuros desastres de conduta.
Instrui o menino no caminho em que deve andar, e até quando envelhecer não se desviará dele. (Pv 22.6).
Timóteo foi um dos maiores exemplos de eficiência do ensino nos lares. Filho de uma judia que era crente, mas de pai grego; recebeu de sua avó e de sua mãe o maior legado, a maior herança, o ensino da Palavra de DEUS. De um garoto simples, criado em uma minúscula cidade chamada Listra, Timóteo se tornou um gigante na fé e na direção de igrejas fundadas pelo apóstolo Paulo.
[…] trazendo à memória a fé não fingida que há em ti, a qual habitou primeiro em tua avó Loide, e em tua mãe Eunice e estou certo de que também habita em ti.” (2 Tm 1.5)
Tu, porém, permanece naquilo que aprendeste, e de que foste inteirado, sabendo de quem o tens aprendido, E que desde a tua meninice sabes as sagradas Escrituras, que podem fazer-te sábio para a salvação, pela fé que há em CRISTO JESUS. (2 Tm 3.14-15)
E enviamos Timóteo, nosso irmão, e ministro de DEUS, e nosso cooperador no evangelho de CRISTO, para vos confortar e vos exortar acerca da vossa fé; (1Ts 3.2)
Trazendo à memória a fé não fingida que em ti há, a qual habitou primeiro em tua avó Lóide, e em tua mãe Eunice, e estou certo de que também habita em ti. (2 Tm 1.5).
A sociedade corrompida e sucumbida por valores totalmente distanciados dos padrões bíblicos é o produto da falta legítimo ensino cristão nos lares. É o resultado da negligência dos pais na criação de seus filhos.
O estado pouco pode fazer e não o faz. Também não é papel do estado imprimir nas pessoas o ensino bíblico, mas é dever dos pais.
A falta do princípio da autoridade, que deveria ter sido implantado nas crianças em seus lares, traz o desrespeito das crianças pelos mais velhos e conseqüentemente pelas autoridades, como o professor, o pastor, o policial, os governantes, os patrões, os ensinadores em geral e até pelo professor de EBD.
Vivemos em pleno caos educacional.
A família quer transferir sua responsabilidade para a Igreja e para o governo.
Acredito que a solução deva ser a reestruturação da família, por isso a insistente investida de Satanás em destruir as famílias, criando até uma pior situação do que a vigente - a criação de crianças por parte de pessoas do mesmo sexo que se casam com o apoio do estado e adquirem permissão para adotarem crianças. Pior do que isto não acredito poder ficar.
A Igreja deve trabalhar insistentemente na reestruturação dos lares cristãos e nos princípios bíblicos que neles devem ser ensinados e imprimidos.
Algumas medidas que creio serem importantes, e por que não dizer urgentes, são:
1- Pelo menos um Domingo por mês deve ter um culto direcionado para o assunto família.
2- Todas a s congregações devem criar um departamento de família.
3- Deve ser implantado em todos os lares o Culto Doméstico com a ajuda de grupos treinados para esse fim.
4- Deve ser iniciado um programa de leitura bíblica em todos os lares e departamentos da Igreja. Cada reunião, cada ensaio, cada culto deve ser prioritária a leitura de um capítulo da bíblia.
5- Cada culto de doutrina deve ter pelo menos quinze minutos dedicados ao ensino sobre família.
6- Cada templo sede deve criar um grupo especializado em ensino e pregação sobre o tema “Família, projeto de DEUS”.
7- Deve ser criada uma revista especial para ser usada pelos pais no ensino fundamental das principais doutrinas bíblicas em seus lares, facilitando assim a orientação dos pais para com seus filhos - principais e básicos ensinos para os lares cristãos.
Sem consertar a base da sociedade (a família) nunca conseguiremos arrumar o estrago já feito.
PAIS E FILHOS (BEP - CPAD)
Cl 3.21 “Vós, pais, não irriteis a vossos filhos, para que não percam o ânimo.”
É obrigação solene dos pais (gr. pateres) dar aos filhos a instrução e a disciplina condizente com a formação cristã. Os pais devem ser exemplos de vida e conduta cristãs, e se importar mais com a salvação dos filhos do que com seu emprego, profissão, trabalho na igreja ou posição social (cf. Sl 127.3).
(1) Segundo a palavra de Paulo em Ef 6.4 e Cl 3.21, bem como as instruções de Deus em muitos trechos do AT (ver Gn 18.19; Dt 6.7; Sl 78.5; Pv 4.1-4; 6.20), é responsabilidade dos pais dar aos filhos criação que os prepare para uma vida do agrado do Senhor. É a família, e não a igreja ou a Escola Dominical, que tem a principal responsabilidade do ensino bíblico e espiritual dos filhos. A igreja e a Escola Dominical apenas ajudam os pais no ensino dos filhos.
(2) A essência da educação cristã dos filhos consiste nisto: o pai voltar-se para o coração dos filhos, a fim de levar o coração dos filhos ao coração do Salvador (ver Lc 1.17).
(3) Na criação dos filhos, os pais não devem ter favoritismo; devem ajudar, como também corrigir e castigar somente faltas intencionais, e dedicar sua vida aos filhos, com amor compassivo, bondade, humildade, mansidão e paciência (3.12-14, 21).
(4) Seguem-se quinze passos que os pais devem dar para levar os filhos a uma vida devotada a Cristo:
(a) Dediquem seus filhos a Deus no começo da vida deles (1Sm 1.28; Lc 2.22).
(b) Ensinem seus filhos a temer o Senhor e desviar-se do mal, a amar a justiça e a odiar a iniqüidade. Incutam neles a consciência da atitude de Deus para com o pecado e do seu julgamento contra ele (ver Hb 1.9).
(c) Ensinem seus filhos a obedecer aos pais, mediante a disciplina bíblica com amor (Dt 8.5; Pv 3.11,12; 13.24; 23.13,14; 29.15, 17; Hb 12.7).
(d) Protejam seus filhos da influência pecaminosa, sabendo que Satanás procurará destruí-los espiritualmente mediante a atração ao mundo ou através de companheiros imorais (Pv 13.20; 28.7; 2.15-17).
(e) Façam saber a seus filhos que Deus está sempre observando e avaliando aquilo que fazem, pensam e dizem (Sl 139.1-12).
(f) Levem seus filhos bem cedo na vida à fé pessoal em Cristo, ao arrependimento e ao batismo em água (Mt 19.14).
(g) Habituem seus filhos numa igreja espiritual, onde se fala a Palavra de Deus, se mantém os padrões de retidão e o Espírito Santo se manifesta. Ensinem seus filhos a observar o princípio: “Companheiro sou de todos os que te temem” (Sl 119.63; ver At 12.5).
(h) Motivem seus filhos a permanecerem separados do mundo, a testemunhar e trabalhar para Deus (2Co 6.14-7.1; Tg 4.4). Ensinem-lhes que são forasteiros e peregrinos neste mundo (Hb 11.13-16), que seu verdadeiro lar e cidadania estão no céu com Cristo (Fp 3.20; Cl 3.1-3).
(i) Instruam-nos sobre a importância do batismo no Espírito Santo (At 1.4,5, 8; 2.4, 39).
(j) Ensinem a seus filhos que Deus os ama e tem um propósito específico para suas vidas (Lc 1.13-17; Rm 8.29,30; 1Pe 1.3-9).
(l) Instruam seus filhos diariamente nas Sagradas Escrituras, na conversação e no culto doméstico (Dt 4.9; 6.5, 7; 1Tm 4.6; 2Tm 3.15).
(m) Mediante o exemplo e conselhos, encorajem seus filhos a uma vida de oração (At 6.4; Rm 12.12; Ef 6.18; Tg 5.16).
(n) Previnam seus filhos sobre suportar perseguições por amor à justiça (Mt 5.10-12). Eles devem saber que “todos os que piamente querem viver em Cristo Jesus padecerão perseguições” (2Tm 3.12).
(o) Levem seus filhos diante de Deus em intercessão constante e fervorosa (Ef 6.18; Tg 5.16-18; ver Jo 17.1, nota sobre a oração de Jesus por seus discípulos, como modelo da oração dos pais por seus filhos).
(p) Tenham tanto amor e desvelo pelos filhos, que estejam dispostos a consumir suas vidas como sacrifício ao Senhor, para que se aprofundem na fé e se cumpra nas suas vidas a vontade do Senhor (ver Fp 2.17).
Efésios 6 (Comentário Bíblico Expositivo - Novo Testamento - Volume I - Warren W . Wiersbe)
Pais não devem provocar os filhos. No tempo de Paulo, o pai exercia autoridade suprema sobre a família. Quando uma criança nascia em uma família romana, por exemplo, era tirada do quarto e colocada diante do pai. Se ele a pegasse no colo, era sinal de que a aceitava no lar. Mas se não a pegasse, indicava que não a aceitava, e a criança deveria ser vendida, dada ou abandonada para morrer. Sem dúvida, o verdadeiro amor paterno não permitia tamanhas atrocidades, mas tais praticas eram legais naquela época. Paulo diz aos pais: “Não usem sua autoridade para abusar de seus filhos; pelo contrario: incentivem e edifiquem a criança”. Para os Colossenses, o apóstolo escreveu: “Pais, não irriteis os vossos filhos, para que não fiquem desanimados” (Cl 3:21). Assim, o oposto de “provocar” e “animar”. Eu estava dando uma palestra a um grupo de estudantes sobre a oração e dizendo que nosso Pai celeste está sempre disponível quando o buscamos. Para ilustrar esse fato, contei que a recepcionista do escritório de nossa igreja tem uma lista que eu preparei com o nome de todas as pessoas que podem falar comigo a qualquer momento, não importa o que eu esteja fazendo. Mesmo que esteja em uma reunião do conselho ou no meio de uma sessão de aconselhamento, se alguma dessas pessoas telefonar, a recepcionista deve me chamar imediatamente. Minha família esta no topo da lista. Ainda que o assunto pareça ser de importância secundária, quero que minha família saiba que estou disponível. Depois dessa palestra, um dos rapazes me perguntou: - Você não quer me adotar? Nunca consigo falar com meu pai… E preciso tanto do incentivo dele! Os pais provocam e desanimam os filhos quando dizem uma coisa e fazem outra, sempre criticando e nunca elogiando, sendo incoerentes e injustos na disciplina, mostrando favoritismo dentro de casa, fazendo promessas e não cumprindo, deixando de levar a serio problemas extremamente importantes para os filhos. Os pais cristãos precisam da plenitude do Espírito para se mostrarem sensíveis às necessidades e aos problemas dos filhos.
Não basta cuidar dos filhos fisicamente providenciando alimento, abrigo e roupas. Também deve lhes dar alimento emocional e espiritual. O desenvolvimento do menino Jesus é um exemplo para nós: “E crescia Jesus em sabedoria, estatura e graça, diante de Deus e dos homens” (Lc 2:52). Vemos aqui um crescimento equilibrado: intelectual, físico, espiritual e social. Em parte alguma da Bíblia, a educação dos filhos é apresentada como responsabilidade de alguma pessoa ou instituição fora do lar, por mais que tais elementos externos colaborem no processo.
Deus incumbiu os pais de ensinar aos filhos os valores mais essenciais. Deve discipliná-los. O termo “criar” da a idéia de aprendizado por meio da disciplina. É traduzido por “corrigir” em Hebreus 12. Alguns psicólogos modernos se opõem ao conceito “antiquado” de disciplina, e muitos educadores seguem essa filosofia. Dizem que devemos deixar as crianças se expressarem e que, se as disciplinarmos, iremos distorcer seu caráter. No entanto, a disciplina é um princípio fundamental da vida e uma demonstração de amor. “Porque o Senhor corrige a quem ama e acoita a todo filho a quem recebe” (Hb 12:6). “O que refém a vara aborrece a seu filho, mas o que o ama, cedo, o disciplina” (Pv 13:24). E preciso, porem, certificar-se de estar disciplinando os filhos da maneira correta. Em primeiro lugar, deve-se discipliná-los em amor, não com raiva, a fim de não ferir o corpo nem a alma da criança ou, possivelmente, os dois. Quem não é disciplinado, evidentemente, não pode disciplinar a outros, e explosões de raiva nunca trazem beneficio algum para os filhos nem para os pais. Além disso, a disciplina deve ser justa e coerente. - Meu pai é capaz de usar um canhão para matar um pernilongo! - disse-me um adolescente. - Posso cometer homicídio e nada acontece ou posso ser considerado culpado de absolutamente tudo! A disciplina coerente aplicada com amor dá segurança à criança. Ela pode não concordar conosco, mas pelo menos sabe que nos importamos o suficiente para criar alguns muros de proteção a seu redor até ela ser capaz de tomar conta de si mesma. - Nunca soube quais eram os meus limites - comentou uma moça rebelde -, pois meus pais nunca se importaram comigo o suficiente para me disciplinar. Acabei concluindo que, se não era importante para eles, então por que deveria ser importante para mim? Deve instruí-los e incentivá-los. Esse é o significado do termo “admoestação”. A fim de educar o filho, o pai e a mãe não usam apenas ações, mas também palavras. No Livro de Provérbios, por exemplo, temos um registro inspirado de um pai compartilhando conselhos sábios com o filho. Os filhos nem sempre apreciam nossos conselhos, mas isso não elimina nossa obrigação de instruí-los e de incentivá-los. É evidente que nossa instrução deve sempre estar de acordo com a Palavra de Deus (ver 2 Tm 3:13-1 7). Quando a Suprema Corte deu seu veredicto contrario a obrigatoriedade de orar nas escolas públicas, o famoso cartunista Herblock publicou uma tira no jornal Washington Post mostrando um pai irado sacudindo um jornal para a família e gritando: - Só faltava essa! Agora querem que a gente ouça as crianças orando em casa?
A resposta é: sim! O lar e o lugar onde as crianças devem aprender sobre o Senhor e a vida cristã. É hora de os pais cristãos pararem de empurrar a responsabilidade para os professores da escola dominical e das escolas cristãs e começarem a educar seus filhos.
A EDUCAÇÃO NOS LARES É BEM PERCEBIDA NO NOVO TESTAMENTO
MARIA PROVA TER UM ALTO CONHECIMENTO DA PALAVRA DE DEUS QUANDO CRIANÇA - VEJA - Lc 1.46-55 - Disse então Maria: A minha alma engrandece ao Senhor, E o meu espírito se alegra em Deus meu Salvador;
Porque atentou na baixeza de sua serva; Pois eis que desde agora todas as gerações me chamarão bem-aventurada, Porque me fez grandes coisas o Poderoso; E santo é seu nome. E a sua misericórdia é de geração em geração Sobre os que o temem. Com o seu braço agiu valorosamente; Dissipou os soberbos no pensamento de seus corações. Depôs dos tronos os poderosos, E elevou os humildes. Encheu de bens os famintos, E despediu vazios os ricos. Auxiliou a Israel seu servo, Recordando-se da sua misericórdia; Como falou a nossos pais, Para com Abraão e a sua posteridade, para sempre (Maria provavelmente tinha por volta de 13 anos).
JESUS TAMBÉM PROVA UM ALTO CONHECIMENTO DA PALAVRA DE DEUS QUANDO CRIANÇA - VEJA - Lc 2.46-47 - E aconteceu que, passados três dias, o acharam no templo, assentado no meio dos doutores, ouvindo-os, e interrogando-os. E todos os que o ouviam admiravam a sua inteligência e respostas (JESUS tinha 12 anos - em tudo era semelhante aos homens, inclusive na educação no lar).
TIMÓTEO TAMBÉM PROVA UM ALTO CONHECIMENTO DA PALAVRA DE DEUS QUANDO CRIANÇA - VEJA - 2 Tm 3.14-15 - Tu, porém, permanece naquilo que aprendeste, e de que foste inteirado, sabendo de quem o tens aprendido, E que desde a tua meninice sabes as sagradas Escrituras, que podem fazer-te sábio para a salvação, pela fé que há em CRISTO JESUS.
INTERAÇÃO
Em lições anteriores vimos que grande parte dos pais não acompanha a vida estudantil dos filhos. Em que pese às demandas atuais da vida da família cristã, o que os pais cristãos têm feito pela educação religiosa dos seus filhos? Se, em primeiro lugar, a fé cristã não for ensinada e vivenciada no lar; certamente será impossível aos nossos filhos peregrinarem pelo caminho da retidão. A Educação Cristã é responsabilidade dada por DEUS aos pais.
OBJETIVOS- Após a aula, o aluno deverá estar apto a:
Considerar a Educação Cristã como missão prioritária dos pais.
Compreender a educação no Antigo e em o Novo testamento.
Saber da importância da Educação Cristã na família.
ORIENTAÇÃO PEDAGÓGICA
Professor, para introduzir a lição dessa semana, sugerimos que leia o trecho do Manual de Ensino para o Educador Cristão, CPAD: “O mandato ‘Fazei discípulos’ (ARA [Almeida Revista Atualizada]) inclui intrinsecamente o ensino. Mas temos de notar que o ensino requerido aqui é o de determinada espécie, isto é, ‘guardar [obedecer] todas as coisas’ que CRISTO ordenou. Em outras palavras, Seus ensinamentos foram designados para produzir informação e transformação […]” .
Solicite aos alunos que comentem e discutam o texto. Em seguida, fale acerca do impacto do Evangelho na vida do discípulo. Afirme que a Palavra de DEUS transforma a vida de qualquer pessoa.
PALAVRA-CHAVE - EDUCAÇÃO - Processo de desenvolvimento das capacidades física, intelectual e moral da criança e do ser humano em geral, visando à sua melhor integração individual e social.
RESUMO DA LIÇÃO 8, EDUCAÇÃO CRISTÃ, RESPONSABILIDADE DOS PAIS
I. EDUCAÇÃO, A MISSÃO PRIORITÁRIA DOS PAIS
1. O que significa educar?
2. Educação Cristã.
3. A educação nas escolas.
II. A EDUCAÇÃO NO ANTIGO E EM O NOVO TESTAMENTO
1. No Antigo Testamento.
2. Em o Novo Testamento.
3. Na atualidade.
III. A EDUCAÇÃO CRISTÃ NA FAMÍLIA
1. Os filhos são herança do Senhor.
2. O ensino da Palavra de DEUS no lar.
3. Leve seus filhos à igreja.
SINOPSE DO TÓPICO (1) - Educar é proporcionar uma formação completa ao educando: espiritual, moral e social
SINOPSE DO TÓPICO (2) - No Antigo testamento os israelitas priorizavam a educação dos filhos em casa. Em o Novo testamento, as sinagogas eram os centros de instrução para os meninos aprenderem a lei.
SINOPSE DO TÓPICO (3) - Na família, a Educação Cristã deve estar eminentemente presente.
AUXÍLIO BIBLIOGRÁFICO I- Subsídio Teológico
“Educação Cristã
É a ciência magisterial da Igreja Cristã que, fundamentada na Bíblia Sagrada, tem por objetivos:
a) A instrução do ser humano no conhecimento divino, a fim de que ele volte a reatar a comunhão com o Criador, e venha a usufruir plenamente dos benefícios do Plano de Salvação que DEUS estabeleceu em seu amado Filho. O apóstolo Paulo compreendeu perfeitamente o objetivo da Educação Cristã:
‘Admoestando a todo homem e ensinando a todo homem em toda a sabedoria; para que apresentemos todo homem perfeito em JESUS CRISTO’ (Cl 1.28).
b) A educação do crente, para que este logre alcançar a perfeição preconizada nas Sagradas Escrituras: ‘toda a Escritura é inspirada por DEUS e útil para o ensino, para a repreensão, para a correção, para a educação na justiça, a fim de que o homem de DEUS seja perfeito e perfeitamente habilitado para toda boa obra’ (2 Tm 3.16,17).
c) A preparação dos santos, visando capacitá-los a cumprir integralmente os preceitos divinos da Grande Comissão: ‘Procura apresentar-te a DEUS aprovado, como obreiro que não tem de que se envergonhar, que maneja bem a palavra da verdade’ (2 Tm 2.15)” (ANDRADE, Claudionor. Teologia da Educação Cristã: A missão educativa da Igreja e suas implicações bíblicas e doutrinárias. 1.ed. Rio de Janeiro: CPAD, 2002, pp.5-6).
AUXÍLIO BIBLIOGRÁFICO II- Subsídio Teológico
“[A Educação Cristã] FOI PRATICADA PELA IGREJA PRIMITIVA
Não há a menor sombra de dúvida de que o Novo testamento ordena a Igreja a ensinar. Mas a Igreja Primitiva obedeceu mesmo esse mandamento?
A ILUSTRAÇÃO
Em Atos 2.41-47, temos um retrato da Igreja primitiva, o qual nos informa que eles ‘perseveravam na doutrina [ensino] dos apóstolos’ (At 2.42). Este era o padrão contínuo; não uma exceção.
A IMPLEMENTAÇÃO
Efésios 4 confirma o compromisso de ensinar. JESUS CRISTO, após subir aos céus, deu dons aos homens, a fim de que servissem à Igreja, conforme está escrito: ‘Uns […] para pastores e doutores [mestres, professores]’ (Ef 4.11). O propósito? ‘Querendo o aperfeiçoamento dos santos, para a obra do ministério, para edificação do corpo de CRISTO’ (Ef 4.12); mais uma outra prova de que os talentosos são chamados para o ministério da multiplicação e não da adição.
Para o judeu, não havia uma posição mais alta na escada da sociedade do que a de rabino. Por conseguinte, quando a Igreja do primeiro século foi ensinada sobre a doutrina dos dons espirituais, confrontou-se com um problema. As pessoas clamavam pelo ‘dom de ensino’ com todos os privilégios a ele pertencentes. Como resultado, Tiago teve de emitir esta advertência: ‘Meus irmãos, muitos de vós não sejam mestres [professores], sabendo que receberemos mais duro juízo’ (Tg 3.1). Considerando que o professor é compelido a falar e que a língua é o último membro a ser dominado (Tg 3.2), deve-se ter muito cuidado, ao aspirar tal responsabilidade, ponderada e sensata.
As evidências bíblicas acima devem ser constrangedoras o bastante para atrair o sério e abortar o superficial [a respeito do ensino]” (GANGEl, Kenneth; HENDRICKS, Howard G. (Eds.). Manual de Ensino para o Educador Cristão: Compreendendo a natureza, as bases e o alcance do verdadeiro ensino cristão. 1.ed. Rio de Janeiro: CPAD, 1999, p.7).
VOCABULÁRIO
Mister: Urgência.
Utilitarista: Busca egoísta do prazer individual.
BIBLIOGRAFIA SUGERIDA
ANDRADE, Claudionor. Teologia da Educação Cristã: A missão educativa da Igreja e suas implicações bíblicas e doutrinárias.1.ed. Rio de Janeiro: CPAD, 2002.
GANGEL , Kenneth ; HENDRICKS, Howard G. (Eds.). Manual de Ensino para o Educador Cristão: Compreendendo a natureza, as bases e o alcance do verdadeiro ensino cristão. 1.ed. Rio de Janeiro: CPAD, 1999.
GEISlER, Norman; ZACHARIAS, Ravi. Sua Igreja Está Preparada? Motivando Líderes Para Viver Uma Vida Apologética.1.ed. Rio de Janeiro: CPAD, 2007
SAIBA MAIS - Revista Ensinador Cristão - CPAD, nº 54, p.40.
AJUDA
CPAD - http://www.cpad.com.br/ - Bíblias, CD’S, DVD’S, Livros e Revistas. BEP - Bíblia de Estudos Pentecostal.
VÍDEOS da EBD na TV, DE LIÇÃO INCLUSIVE - http://www.apazdosenhor.org.br/profhenrique/videosebdnatv.htm
BÍBLIA ILUMINA EM CD - BÍBLIA de Estudo NVI EM CD - BÍBLIA Thompson EM CD.
Peq.Enc.Bíb. - Orlando Boyer - CPAD
Bíblia de estudo - Aplicação Pessoal.
O Novo Dicionário da Bíblia - J.D.DOUGLAS.
Comentário Bíblico NVI - EDITORA VIDA.
Revista Ensinador Cristão - nº 53 - CPAD.
Comentário Bíblico Beacon, v.5 - CPAD.
GARNER, Paul. Quem é quem na Bíblia Sagrada. VIDA
ELISSEN, Stanley. Conheça melhor o Antigo Testamento. VIDA.
CHAMPLIN, R.N. O Novo e o Antigo Testamento Interpretado versículo por Versículo.
STAMPS, Donald C. Bíblia de Estudo Pentecostal. CPAD
AS GRANDES DEFESAS DO CRISTIANISMO - CPAD - Jéfferson Magno Costa
O NOVO DICIONÁRIO DA BÍBLIA - Edições Vida Nova - J. D. Douglas
Tesouro de Conhecimento Bíblico - Emílio Conde - CPAD
Comentário Bíblico Expositivo - Novo Testamento - Volume I - W arren W . W iersbe
O Ato Conjugal - Tim e Beverly LaHaye
Pr. Elinaldo Renovato de Lima - A Família Cristã nos Dias Atuais; Ética Cristã; Aprendendo Diariamente com CRISTO;
Colossenses - Comentário; I e II Tessalonicenses - Comentário; Células-Tronco - Uma Visão ética e Cristã; Perigos da Pós-Modernidade; DEUS e a Bíblia (publicados pela CPAD)A Família Que Você Sempre Quis - Autor: Gary Chapman - Editora: Mundo Cristão
Projetos Para Um Casamento Sólido - Autor: Dr. Steve Stephens - Editora: CPAD
Os Conflitos no Lar e as Escolhas do Pacificador - Autores: Ken Sande & Tom Raabe - Editora: NUTRA
Maridos - Perseguindo a Excelência - Autor: Lou Priolo - Editora: NUTRA
Um Homem Segundo o Coração de DEUS - Autor: Jim George - Editora: Hagnos
A Sabedoria de DEUS na Vida da Mulher - Autora: Elizabeth George - Editora: CPAD
O Amor Como Estilo de Vida - Autor: Gary Chapman - Editora: SEXTANTE
Fazer Amor - Como Fazer do Sexo Um Ato de Amor - Autor: Gary Chapman - Editora: Mundo Cristão
AMOR - O Maior Mandamento - Autor: Henry Drummond - Editora: Ágape
Amor - O Que Nos Falta Para o Arrebatamento - Autor: Norbert Lieth - Editora: ACTUAL Edições
25 Maneiras de Valorizar as Pessoas - Autores: John C. Maxwell & Les Parrott, PH. D. - Editora: SEXTANTE
Purificando o Coração da Idolatria Sexual - Autor: Dr. John D. Street - Editora: NUTRA
Perdoando Para Viver - Autor: Wilson de Souza- Editora: MK Editora
PERDÃO - A Cura das Emoções - Autor: Hernandes Dias Lopes - Editora: Candeia
Venha Conhecer o Que Acontecerá no FUTURO - Autor: Meno Kalisher - Editora: ACTUAL Edições
Movido Pela Eternidade - Autor: John Bevere - Editora: Luz às Nações Ltda.
Mulheres Ajudando Mulheres - Autoras: Elyse Fitzpatrick & Carol Cornish - Editora: CPAD
Aliviando a Bagagem Para as Mães - Autor: Max Lucado - Editora: CPAD
Ele Escolheu os Cravos - Autor: Max Lucado - Editora: CPAD
Ele Ainda Remove Pedras - Autor: Max Lucado - Editora: CPAD
Quem Tem Sede Venha - Autor: Max Lucado - Editora: CPAD
Antes do Sim - Uma Criativa Preparação Pré-nupcial - Autores: Wes Roberts & H. Norman Wright - Editora: CPAD
SEXO? Agora Não, Obrigado! Só no Casamento - Autor: Ian Gregory - Editora: CPAD
Passando aos Filhos a Tocha da Fé - Autor: John M. Drescher - Editora: Mundo Cristão
O Coração da Ira - Guia Prático Para Lidar Com a Ira dos Filhos - Autor: Lou Priolo - Editora: NUTRA
AUTO-ESTIMA - Uma Perspectiva Bíblica - Autor: Jay E. Adams - Editora: NUTRA
O Caminho Para o Filho Andar - Autor: Lou Priolo - Editora: NUTRA
Colocando o Seu Passado no Devido Lugar - Autor: Stephen Viars - Editora: NUTRA
Quando Vem a Brisa… Reflexões Sobre os Dilemas Humanos e a Graça de DEUS - Autor: Estevam Fernandes - Editora: Central Gospel
Pregação Que Fala às Mulheres - Autora: Alice P. Mathews - Editora: CPAD

Educação Cristã, Responsabilidade dos Pais - Luciano de Paula Lourenço

TEXTO BÁSICO: Dt 6:1-9
“Instrui o menino no caminho em que deve andar, e, até quando envelhecer, não se desviará dele”(Pv 22:6).
INTRODUÇÃO
Por milhares de anos os pais sempre tiveram um papel decisivo na área de ensinar os filhos. A principal desvantagem do passado era que não havia os recursos educacionais que conhecemos hoje, e a vantagem era que uma educação centrada no lar moldava a formação do caráter de forma direta. Havia tanto convívio familiar que não sobrava aos adolescentes tempo para se envolver com más companhias. O normal era o respeito e o apego às famílias. Hoje a situação se inverte: pouco convívio familiar e muito envolvimento com  pessoas suspeitas, principalmente em escolas públicas, trazendo como resultado infelizes mudanças de comportamento, inclusive desrespeito aos valores aprendidos na família e na igreja 1. De acordo com o pr. Elinaldo Renovato, a educação cristã é mais abrangente que a educação secular. Ela prepara o individuo, não só para ser um bom cidadão na sociedade, mas para ser um cidadão do Céu, com base nos princípios espirituais e éticos, emanados da Palavra de Deus. A educação crista não é apenas informativa. Ela é prioritariamente formativa, porque se fundamenta em princípios que visam ao fortalecimento do caráter (Rm 15:4). I. EDUCAÇÃO, A MISSÃO PRIORTÁRIA DOS PAIS
1. O que significa educar? O conceito de educar vai muito além do ato de transmitir conhecimento. Educar é estimular o raciocínio, é aprimorar o senso crítico, as faculdades intelectuais, físicas e morais. O homem é um ser que precisa de orientação e informação. Esses conhecimentos são adquiridos na escola, e ela, juntamente com os pais, deve despertar nos alunos a curiosidade e a capacidade para entender o mundo que os cerca, e de ensiná-los os conceitos empregados pela sociedade.  A educação  formal é função de todos, pois aprendemos até mesmo em uma conversa com uma pessoa de outra cultura, que recebeu educação diferente da nossa, etc. Isto é, nosso aprendizado depende não só da escola, mas também de nossos familiares e das pessoas que convivemos, seja na escola, em casa ou no trabalho. A educação é algo que cabe em qualquer lugar. Todavia, a educação cristã é exclusiva da família, cujo aluno deve ser instruído nos fundamentos espirituais e morais, cujo fonte é a Palavra de Deus. Como crentes precisamos ser guiados e orientados segundo as Escrituras, pois ela nos protege das sutilezas do Maligno.
2. Educação Cristã. A educação cristã é fundada nos princípios que emanam da Palavra de Deus. Esses princípios são, antes de tudo, espirituais. Contemplam e valorizam a existência do Criador de todas as coisas, conforme a explicação da sua apalavra. Esses princípios são “clausulas pétreas”, em termos absolutos de ética e de moral. A Educação cristã é diferente da educação secular, a qual só transmite instruções e conhecimentos, deixando de lado os valores éticos, morais e espirituais. Por isso, a base da Educação Cristã é as Sagradas Escrituras. Também, a Educação Cristã é um dos mais importantes e fundamentais deveres da Igreja. A igreja, enquanto agência divina, possui três funções básicas: evangelização, adoração e ensino. Entre essas funções não existe aquela que possua maior ou menor grau de importância; todas são preponderantes. Porém, é exatamente o ensino o responsável por dar qualidade às demais. Assim, evangelização sem ensino é o mesmo que jogar a semente sem regar com água. Adoração sem ensino é pura cantoria sem propósito. Em suma, cristianismo sem ensino é ritualismo. Portanto, a educação cristã é relevante para a formação do caráter cristão e para a afixação da consciência espiritual. A falta de conhecimento da Palavra leva à destruição do povo (Os 4:6) e é uma porta aberta para a disseminação do ateísmo, inclusive no meio do povo do Senhor. Objetivos.  A Educação Cristã tem por objetivos: a) A instrução do ser humano no conhecimento divino, a fim de que ele volte a reatar a comunhão com o Criador, e venha a usufruir plenamente dos benefícios do Plano de Salvação que Deus estabeleceu em seu amado Filho. O apostolo Pauto compreendeu perfeitamente o objetivo da Educação Cristã: “admoestando a todo homem e ensinando a todo homem em toda a sabedoria; para que apresentemos todo homem perfeito em Jesus Cristo”(Cl 1:28). b) A educação do crente, para que este logre alcançar a perfeição preconizada nas Sagradas Escrituras: “Toda a Escritura é inspirada por Deus e útil para o ensino, para a repreensão, para a correção, para a educação na justiça, a fim de que o homem de Deus seja perfeito e perfeitamente habilitado para toda boa obra” (2Tm 3:16,17). c) A preparação dos santos, visando capacitá-los a cumprir integralmente os preceitos divinos da Grande Comissão: “Procura apresentar-te a Deus aprovado, como obreiro que não tem de que se envergonhar, que maneja bem a palavra da verdade’ (2Tm 2:15)” - (ANDRADE, Claudionor. Teologia da Educação Cristã: A missão educativa da Igreja e suas implicações bíblicas e doutrinárias. 1 .ed. Rio de janeiro: CPAD. 2002, pp.5-6).
3. A educação nas escolas. Concordo com o pr. Elinaldo Renovato, quando diz que “vivemos em uma sociedade permissiva, onde faltam valores morais e éticos. Tanto nas escolas públicas quanto nas privadas as crianças e os jovens estão em contato com filosofias ateístas, materialistas e pragmáticas”. Segundo ele, os currículos que reúnem os conteúdos programáticos a serem transmitidos nas salas de aula são fundamentados nas filosofias e pseudociências materialistas. Tudo começa com a explicação sobre a origem da matéria, da vida, do homem, da inteligência, e de todas as coisas que existem no universo. “Embora saibam que o melhor lugar para uma criança aprender valores morais é o lar, muitos pais se sentem incapazes de dar aos filhos o conhecimento educacional que as escolas institucionais podem dar. Assim, eles enviam os filhos a essas escolas, muitas vezes temendo por sua segurança moral, espiritual e física. “As escolas públicas tem hoje uma vasta influência na vida de milhões de crianças. As crianças passam grande parte de seu tempo semanal absorvendo o que aprendem nas escolas. E o que elas estão aprendendo? “Na escola publica, as crianças estão sujeitas a absorver ensinamentos errados e as experiências negativas dos amigos. É uma socialização que desafia tudo o que ela aprendeu no lar. Nesse desafio, o maior perdedor pode ser a criança e a família. “Educar uma criança é como cultivar uma planta. Aliás, o Salmo 128:3 diz que nossos filhos são como oliveiras novas. Plantinhas devem ser cultivadas, regadas e tratadas com muita atenção. Embora o capim possa crescer sem nenhum problema em qualquer lugar, plantinhas  valiosas precisam do nosso cuidado direto. Se receber uma educação qualquer, sem princípios morais, a criança corre o serio risco de se tornar como capim, moralmente inútil. Se receber uma educação cuidadosa, ela terá tanto valor e utilidade como a oliveira”(Julio Severo). “Por isso, os pais não podem negligenciar a educação dos seus filhos. Eles precisam, com a ajuda da igreja, ser instruídos para orientar seus filhos” (Ef 6:1-4).
II. A EDUCAÇÃO NO ANTIGO E EM O NOVO TESTAMENTO
1. No Antigo Testamento. Nesse período, todas as normas ou doutrinas, de caráter espiritual, moral, social, educacional ou familiar, emanavam da Lei de Deus. As crianças, desde o berço, eram criadas segundo os mandamentos, os juízes e os estatutos de Deus (Dt 5:31). Os pais tinham a responsabilidade de ensinar os filhos a respeito dos atos do Senhor em favor do povo de Israel (Sl 78:5). Desde a tenra idade, as crianças judias aprendiam e absorviam o shema, ou o credo, que resumia o princípio fundamental de sua fé: “Ouve, Israel, o Senhor, nosso Deus, é o único Senhor. Amarás, pois, o Senhor, teu Deus, de todo o teu coração, e de toda a tua alma, e de todo o teu poder” (Dt 6:4,5). Este ensino fazia parte do dia a dia das crianças judaicas. Uma preciosa lição para a educação cristã nos dias presentes. O ditame de Deus ainda ecoa nos corações dos pais: “Ponde, pois, estas minhas palavras no vosso coração e na vossa alma, e atai-as por sinal na vossa mão, para que estejam por testeiras entre os vossos olhos, e ensinai-as a vossos filhos, falando delas assentado em tua casa, e andando pelo caminho, e deitando-te, e levantando-te; e escreve-as nos umbrais de tua casa e nas tuas portas, para que se multipliquem os vossos dias e os dias de vossos filhos na terra que o SENHOR jurou  a vossos pais dar-lhes, como os dias dos céus sobre a terra” (Dt 11:18-21). O ensino também era demonstrado por meio de monumentos, como as doze pedras retiradas do Jordão, que seria memorial para que as futuras gerações se lembrassem de como Deus cumpriu sua promessa de colocar o povo na terra prometida, fazendo com que o Jordão fosse aberto na época das chuvas e o povo pudesse ultrapassar essa barreira geográfica. No futuro, as crianças perguntariam sobre aquele conjunto de pedras, e os pais deveriam contar como Deus havia realizado aquele milagre. Indubitavelmente, a educação no Antigo Testamento nos dá sugestões válidas para hoje, principalmente para a família cristã. O ensino da Palavra de Deus no lar, a educação constante, como em Deuteronômio 11:18-21, é a única esperança para termos uma família firmada nos princípios da Lei do Senhor. Os pais presentes na vida dos filhos é fator indispensável para a formação do caráter cristão. Confiar apenas na escola secular é entregar os filhos a um sistema que está totalmente contaminado com teorias materialistas e desvirtuação moral.
2. Em o Novo Testamento. Pouca informação se tem da educação nos primórdios da era cristã.  Mas, com certeza as sinagogas eram consideradas um centro de instrução onde as crianças judias aprendiam a respeito da Lei Mosaica. Sabemos que Jesus sabia ler e interpretar as Escrituras e tinha conhecimento bastante para discutir teologia com os doutores do templo (Lc 2:46-48). Ele provavelmente aprendeu em casa  e na sinagoga; recebeu a educação elementar comum à maioria dos meninos judeus daquele tempo. Os doutores da época admiravam-se da inteligência e sabedoria de Jesus, como pré-adolescente. Naturalmente, Ele era divino. mas, na ocasião, comportava-se como um menino judeu, educado pelos pais com todo o cuidado e zelo como era de se esperar. A educação de Jesus no lar e na sinagoga preparou-o para ser um cidadão completo. Além do ensino da Lei, dos livros sagrados, do Antigo Testamento, Ele foi ensinado a ter um oficio. Ele era carpinteiro (Mc 6:3), não somente filho do carpinteiro (Mt 13:55). Portanto, Jesus teve uma educação integral. Outro exemplo notável no Novo Testamento é o do jovem obreiro Timóteo. Sua educação no lar foi fundamental para a formação do seu caráter. Sua mãe e sua avó foram as responsáveis por isso. O apóstolo Paulo recomenda-o a permanecer inabalável nas Sagradas Escrituras, que havia aprendido ainda menino(2Tm 1:5,6; 3:14-17). O nosso Mestre por excelência, Jesus Cristo, é o maior incentivador do ensino. Ele não só ordena o ensino como também a observação da prática de seu ensino.  A palavra empregada por Ele na Grande Comissão (Mt 28:18-20), por si só, agrega os valores da Educação Cristã: ensinar e aprender. Neste e em outro contexto Jesus mostra a importância da prática do ensino religioso na vida do cristão (João 14:21
3. Na atualidade. Na atualidade, a Escola Bíblica Dominical é a maior e a mais acessível agência de educação cristã das igrejas evangélicas. É a maior escola do mundo. A Educação Cristã começa no lar. E é fortalecida na Escola Bíblica Dominical, onde os alunos são reunidos em classes de estudo, conforme sua faixa etária. Nela, é ensinada a Palavra de Deus, promovendo excelentes resultados, na formação espiritual, ética e moral de cada pessoa, que se converte ao Senhor Jesus Cristo. Todavia, é bom ressaltar que “a educação de nossos filhos deve começar, prioritariamente, em nosso lar, pois assim Deus recomenda em sua Palavra (Ef 6:1-4)”.
III. A EDUCAÇÃO CRISTÃ NA FAMILIA
1. Os filhos são herança do Senhor. “Eis que os filhos são herança do Senhor, e o fruto do ventre o seu galardão” (Sl 127:3). De acordo com o pr. Elinaldo Renovato, “galardão” é prêmio. Sempre os pais devem ser gratos a Deus pelo filho ou pela filha que nasceu no seu lar. São prêmios vivos que devem ser cuidados, guardados, e criados com muito amor. Quando alguém recebe da parte de Deus uma bênção material, um bem, como um veículo, uma casa, um dinheiro, normalmente demonstra gratidão. Há quem faça um culto de ação de graças; há quem dê um testemunho, diante da igreja local, exaltando a Deus pelas bênçãos recebidas. Mas, muitos, que são pais, esquecem-se de ser gratos a Deus pelo “galardão” vivo, que são seus filhos. Se considerarem o valor dos filhos diante de Deus, certamente terão o cuidado de dar-lhes a melhor educação que estiver ao seu alcance; procure ensiná-los e educá-los no temor do Senhor (Ef 6:1-4).
2. O ensino da Palavra de Deus no lar. Como foi dito supra, a educação cristã começa no lar. Os pais são, por natureza, os primeiros professores dos filhos. A criança conhece a Deus primeiramente através dos pais, por meio de suas atitudes e, principalmente, através do culto doméstico. Infelizmente, a maioria dos pais não faz o culto doméstico. Os filhos sequer sabem metade dos nomes dos apóstolos de Jesus. Mas grande parte sabe o nome dos personagens das novelas e dos filmes da Disney. A maioria dos filhos de cristãos não sabe o que é doutrina, e muito menos o que é admoestação. Mas, sem esses dois elementos educacionais, os filhos não poderão ter uma verdadeira formação cristã. Portanto, para criar os filhos “na doutrina e admoestação do Senhor”, faz-se necessária uma educação permanente, com ensinamentos da Palavra de Deus ministrados no próprio lar. Se isto for efetivado ainda na infância, os resultados poderão permanecer por toda a vida (Pv 22:6).
3. Leve seus filhos a Igreja. “A igreja deve ser a continuação do lar; e o lar, a continuação da igreja. Um deve completar o outro. Quando crianças, os pais devem leva-los à igreja. Quando adolescentes e jovens, devem ser persuadidos a ir à casa do Senhor. Se, desde crianças, forem acostumados a ir à igreja, quando jovens darão valor a essa prática saudável (Mc 10:13-16)” (pr. Elinaldo Renovato).
CONCLUSÃO
A educação cristã de nossos filhos deve ser de suma importância para nós, tanto quanto a educação secular nas escolas. Por isso, é importante levá-los à Escola Dominical, onde aprenderão sistemática e didaticamente a Palavra, por meio de histórias, leitura da Bíblia e outros meios utilizados para fazer com que as crianças entendam a fé cristã e tomem uma decisão por Cristo. Além de aprender a Palavra, eles desenvolverão amizades cristãs e já terão contato com ministérios próprios do culto, como a música e a adoração.
——–
Elaboração: Luciano de Paula Lourenço - Prof. EBD - Assembléia de Deus - Ministério Bela Vista.
Disponível no Blog: http://luloure.blogspot.com
Referências Bibliográficas:
Bíblia de Estudo Pentecostal.
O Novo Dicionário da Bíblia - J.D.DOUGLAS.
Revista Ensinador Cristão - nº 54 - CPAD.
Comentário do Novo Testamento - Aplicação Pessoal.
A Família Cristã e os ataques do inimigo - Elinaldo Renovato - CPAD.
1. Júlio Severo - Defendendo a responsabilidade da família na educação dos filhos.

Educação Cristã, Responsabilidade dos Pais - Prof. Dr. Caramuru Afonso Francisco

Aula prévia referente a Lição 8: Educação Cristã, Responsabilidade dos Pais do 2º Trimestre de 2013: A família cristã no século XXI - Protegendo seu lar dos ataques do inimigo como preparação dos Professores da EBD durante a semana anterior a aula.
Lição 8 - 2T/2013


Educação Cristã, Responsabilidade dos Pais - Ev. Natalino das Neves

Aula ministrada pelo Ev. Natalino das Neves - Projeto IEADSJP_EBDTV.
Projeto da IEADSJP - Igreja Evangélica Assembleia de Deus de São José dos Pinhais
Baixe, também, os slides da aula, clicando aqui.
Lição 8 - 2T/2013



TV EBD - Educação Cristã, Responsabilidade dos Pais - Ev. Luiz Henrique

Assista os vídeos da TV EBD com a aula da Lição 8 - Educação Cristã, Responsabilidade dos Pais. Para facilitar o download, o vídeo é dividido em 5 partes. Você pode assistir aqui mesmo, clicando nos vídeos, ou clicar nos links, acima dos vídeos para salvar; ao abrir a nova página, clique no botão Download. Os vídeos são produzidos pelo Ev. Luiz Henrique e também publicados no site Estudos Bíblicos EBD, ou no blog EBDnaTV.


Educação Cristã, Responsabilidade dos Pais - CPAD

INTRODUÇÃO
I - Educação, a missão prioritária dos pais
II - A educação no Antigo e em o Novo Testamento
III - A educação cristã na família
CONCLUSÃO
ENSINO CRISTÃO: DECRETO DE DEUS
“Ele parece não fazer algo de Si mesmo que possivelmente possa delegar às Suas criaturas. Ordena-nos que façamos lenta e desajeitadamente o que Ele poderia fazer perfeitamente e num piscar de olhos. […] Talvez não percebamos o problema em sua inteireza, por assim dizer, de permitir que vontades finitas coexistam com a Onipotência.
Parece envolver em cada momento quase que uma espécie de abdicação divina”.
(C.S.Lews)
Certo cartum retratava um senhor Brown e uma senhorita Smith. Era óbvio que a moça, munida das provas e dos resultados de entrevistas, candidatava-se a um cargo pedagógico.
“Sinto muitíssimo, mas não podemos aceitá-la. Notamos que você é recém-formada de uma escola de educação, e exigimos um professor com experiência em sala de aula de, no mínimo, cinco anos. Além disso, você só tem grau de bacharel e preferimos alguém com o mestrado”.
O olho do leitor então passa para o quadro seguinte, onde o senhor Brown, agora irmão Brown e superintendente da Escola Dominical, entrevista a irmã Smith, a qual rebate o pedido que ele lhe fez para ser professora: “Irmão Brown, sou nova-convertida e, na verdade, não sei muita coisa sobre a Bíblia”.
“Ora, isso não é problema”, responde ele. “A melhor maneira de aprender a Bíblia é ensina-la”.
“Mas, irmão Brown, eu nunca ensinei aos juniores”, ela objeta.
“Oh, não deixe que isso a coíba, irmã Smith. Tudo o que exigimos é alguém com o coração disposto”, vem a resposta.
O cenário é mais do que um desenho caricatural; é um comentário de nosso baixo nível de discernimento em relação ao ensino cristão. Se você planeja ensinar que 2 + 2 são 4, precisa de cinco anos de experiência pedagógica. Se espera ensinar as crianças a dizer,  “Eu trouxe”, em vez de, “Eu truce”, provavelmente lhe exijam o mestrado. Mas, para ensinar o currículo da vida cristã, qualquer coisa é boa o bastante para Deus.
Que contraste com o desígnio para o ensino, apresentado no Novo Testamento. Segunda Timóteo 2.2 informa-nos que o ensino não é um ministério da mediocridade, mas da multiplicação. Nenhum ser humano está completamente cônscio do poder residente no ensino. Toda vez que alguém ensina, desencadeia um processo que, idealmente, nunca acaba.
Duas razões atuam para formar um argumento convincente: a Igreja tem de ensinar. Não se trata de opção, mas de uma característica indispensável; não é difícil de contentar; mas necessário. A denominação evangélica que não educa, deixa de existir como Igreja do Novo Testamento. Para que o Cristianismo seja perpetuado, precisa ser propagado.
É ordem de Jesus Cristo
Mateus 28.19,20 enfoca a lente zoom do Espírito Santo na Grande Comissão, que são as últimas palavras de Jesus Cristo ditas aos discípulos antes da ascensão dele. Cinco referências da Grande Comissão no Novo Testamento (Mt 28.19,20; Mc 16.15,16; Lc 24.46-48; Jo 20.21-23; At 1.8) indicam que não é algo aleatório, mas essencialmente para estratégia de nosso Senhor.
O mandato “Fazei discípulos” (ARA) inclui intrinsecamente o ensino. Mas temos de notar que o ensino requerido aqui é o de determinada espécie, isto é, “guardar [obedecer] todas as coisas” que Cristo ordenou. Em outras palavras, Seus ensinamentos foram designados para produzir informação e transformação. Esse tipo de instrução é muito exigente e inacreditavelmente difícil de se realizar.
Lucas 6.40 fornece mais apoio ao objetivo de Jesus no que se refere aos Seus ensinamentos, quando Ele diz: “Mas todo o que for perfeito será com o seu mestre”. A verdade de Deus não foi revelada para satisfazer nossa curiosidade, mas para nos conformar à imagem de Cristo.
Texto extraído da obra “Manual de Ensino Para o Educador Cristão”. Rio de Janeiro: CPAD.
Publicado no Portal CPAD

Educação Cristã, Responsabilidade dos Pais - Sulamita Macêdo

Professoras e professores, para esta lição, apresento as seguintes sugestões: Para iniciar a aula, destinem pelo menos 05 minutos para manter um contato com os alunos, antes de introduzir o tema da aula. Para isso, vocês devem perguntar como eles passaram a semana; observem atentamente o que eles estão falando, pois vocês podem detectar se há alguém precisando de oração, de uma conversa etc. Apresentem os visitantes. Vejam também qual o melhor horário para vocês apresentarem os alunos aniversariantes da semana, se houver. Com esta atitude, somada aquela do início da aula, vocês estão formando vínculos afetivos com os alunos.
- Falem que o tema da aula será sobre uma das responsabilidades dos pais - a educação cristã para os filhos.
- Falem ainda: A Educação Cristã pode ser transmitida no lar, na Igreja, numa escola confessional, numa escola teológica. Mas, esta lição vai tratar especificamente sobre a educação cristã  ensinada no lar aos filhos pelos pais.
- Apresentem o que preconiza a Constituição Federal Brasileira(1988) e também a LDB(Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional - 1996) sobre o dever da família e do Estado quanto à educação:
No artigo 205 da Constituição Federal Brasileira: “A educação, direito de todos e dever do Estado e da família, será promovida e incentivada com a colaboração da sociedade, visando ao pleno desenvolvimento da pessoa, seu preparo para o exercício da cidadania e sua qualificação para o trabalho” (grifo nosso).
No artigo 2º. Da Lei de Diretrizes e bases da Educação Nacional: “A educação, dever da família e do Estado, inspirada nos princípios de liberdade e nos ideais de solidariedade humana, tem por finalidade o pleno desenvolvimento do educando, seu preparo para o exercício da cidadania e sua qualificação para o trabalho” (grifo nosso).
- Agora, façam uma breve análise de como tem sido realizada a educação na escola e na família e, em seguida, trabalhem o que a Bíblia trata sobre a Educação Cristã, para isto, reflitam sobre os pontos levantados na lição, apresentando versículos e exemplos bíblicos. Nesse momento, promovam a participação dos alunos e contextualizem o tema com o tipo de aluno que vocês ensinam. Dessa forma, a aprendizagem será mais significativa.
- Para concluir,  utilizem a dinâmica “A Semente”. 
Tenham uma excelente e produtiva aula!
Texto Pedagógico

Em discussão: O Método do Debate nas aulas da EBD
O Método do Debate ou Discussão em grupo, no aspecto pedagógico, consiste em lançar uma pergunta ou uma proposição polêmica ou instigadora para que os alunos se posicionem contra ou a favor.
A utilização do debate requer a formulação de um questionamento bem elaborado pelo professor, que provoque nos alunos a participação, fazendo com que eles exponham suas ideias, seus posicionamentos.
Pode ser usado na introdução de uma aula, para dar início ao estudo de um tema, com o objetivo de analisar vários pontos de vista sobre a situação proposta, partindo das ideias diferentes do grupo, obtendo assim uma aprendizagem cruzada entre os participantes.
No momento das falas dos alunos, é interessante uma observação atenta, por parte do professor, ao que está sendo debatido, como também manter controle sobre a discussão, pois podem ocorrer alguns excessos verbais e de atitudes, devido a ânimos mais acirrados por parte de alguns alunos, que perdem o equilíbrio e o bom senso no momento de se colocar diante de uma fala contrária a sua.
Então, é recomendável fazer um alerta para os alunos, antes do início do debate, para que haja respeito ao outro que tem um posicionamento oposto ao seu, lembrando-lhes que o debate não é uma briga, nem um ringue de competição de conhecimento nem de pontos de vista contrários, mas, sobretudo, um momento de estudo sobre um tema, partindo inicialmente das ideias dos alunos. Lembre-lhes da mansidão e temor apontados no versículo de I Pe 3.15: “… estai preparados para responder com mansidão e temor…”.
É comum num debate que alguns alunos se sobressaiam mais que outros, por ter conhecimento sobre o tema, por ter mais facilidade para expor suas ideias. Então, é importante que o professor estimule os demais alunos a se posicionarem, não deixando que fiquem apenas assistindo, para que não haja um debate entre 02 ou 03 alunos, monopolizando a discussão.
Existe outra forma de debate conhecida como Discussão em Painel, que consiste em 02 pessoas diante de um grupo se posicionarem um contra e outro a favor sobre um tema, enquanto os demais apenas assistem. Depois do debate, poderá ou não haver a discussão com o grupo maior, com intervenção de um líder ou professor. Os debatedores neste caso devem ser comunicados a tempo de se prepararem com antecedência, como também o mediador da discussão deve estar qualificado e ser conhecedor dos pontos de vista diferentes sobre o tema.
Numa aula de EBD, após o debate, o professor deve expor o que a Palavra de Deus apresenta sobre o problema em discussão. Dessa forma, diante dos argumentos bíblicos, é possível trabalhar de forma equilibrada qual a posição mais acertada diante do tema discutido pelos alunos.
Alguns cuidados devem ser observados: nem toda lição pode ser utilizado o debate, pois é requerido um assunto no qual haja polêmica. Quando houver um tema que provoque a discussão, elabore uma proposição ou uma pergunta que facilite o entendimento e estimule o debate. Não confunda o método do Debate com o de Perguntas e Respostas.
O Método do Debate pode ser agregado à aula expositiva, possibilitando a participação do aluno de forma efetiva. Então, que tal utilizá-lo? Para isto, observe as orientações expostas.
Por Sulamita  Macedo.
Publicado  no blog Atitude de Aprendiz



Compartilhar no Google Plus

Sobre Hubner Braz

Criador, colunista e administrador do Pecador Confesso. Fascinado e apaixonado por DEUS!! Formado Bacharel em Teologia pela FATESP e F. Mêcanica pela FATEC-SP e Presbítero na A.D. Belem-Missão em Sorocaba, onde o Pastor Presidente é o Rev. Osmar José da Silva - CGADB, Tenho 1João 1:7-9 injetado na veia!.
    Blogger Comment
    Facebook Comment

0 Milhões de Confessos:

Postar um comentário

Não deixe de participar, a sua opinião é de extrema importância!

Críticas são bem vindas quando a pessoa se identifica.