Anorexia, Aborto, Sexo e Roubo do Ex Namorado - Testemunho da Eloá Cavalcante

A paz!!

Não vou generalizar nada. Vou ser sincera, complexa, direta.

Tenho 18 anos, me chamo Brenda Eloá Ribeiro Cavalcante e tenho um testemunho a ser revelado.

Vamos voltar no tempo, no ano de 1994, quando ainda estava no ventre de minha mãe. Já vim ao mundo sofrendo. Porque Eloá?? Leiam...

Em 1996, com 2 anos de idade. Minha mãe, morava com seus pais. E eu, lógico, morava junto com eles.

Bom... eram no total 7 pessoas em casa. Até então, éramos uma família tranquila. Fazíamos churrascada na varanda dias de domingo. Eu brincava com amiguinhos da rua. Até então tudo bem. Umas semanas se passaram e minha mãe se envolveu com um homem casado. E por isso ela teve que partir, foi embora me deixando com minha amada vó. Eu era super apegada com minha mãe. Significa que sofri muito ao vê-la partir. Corri atrás do táxi, no dia em que ela foi embora. Não o alcancei!! E parada ali, na rua, fixando os olhos na última imagem de minha mãe, chorei, e em prantos voltei pra casa. Fiquei atrás do sofá, chorei até dormir.

Semanas mais tarde, em gozo novamente,voltei a brincar com os "amiguinhos" da rua. Não era de frequentar a casa dos meus vizinhos, mas certo dia, fui na casa dum. Brincamos a tarde toda. Até almocei lá. Mais... algo mudou, quando meu amigo me levou até o quarto do avô dele. Onde me tocou,me mostrou suas partes íntimas, e botava minhas pequeninas mãos sobre tal. Apenas não me mexia. Fiquei em transe extrema. Não sei porque :(

Passaram-se mais e mais semanas com isso se repetindo. E eu não entendia porque ainda ia lá. Ele me dizia que se eu não fosse, vovó e vovô iam ficar bravos comigo. E eu não queria que meus avós ficassem bravos com minha pessoa.

Guardei esse segredo até obter 4 anos de idade. Desde então,cansada e mais madura,decidi contar pra minha família. Primeiro contei pro meu bisavô (hoje falecido), mas ele não acreditou. Sabe!! Os adultos precisam acreditar nas crianças quando falamos algo sério como esse. Então me direcionei a meus avós, contei a eles e os mesmos me abraçaram,e chorando me pediram perdão, por não terem cuidado melhor de mim. Também chorei, e mesmo com nojo de mim, me senti melhor e mais leve. Depois desse dia, sabia que minha vida não poderia melhorar. Minha mãe só deu notícias nos primeiros dias longe de mim. Fora isso, nunca mais.

Aos 10/11 anos de idade, eu estudava no colégio "Duque de Caxias" - Óbidos - Pará, não tinha amigos, era "burra", todos da minha sala já sabiam lê, menos eu. Era magra,quase não comia. Quando ia escrever na losa da escola, meus colegas de classe gritam: "Burra... burra... burra". E chorando eu tentava escrever o que a professora havia me pedido. Até ela ria de mim. Eu sentava na última carteira, lá no fundão. Me chamavam de esquisita, nariz de porco, feia, magrela, burra, ridícula. Quando voltava pra casa, chorando, contava pra minha vó, e ela chorava. Por conta do que eu passava no colégio,minhas notas eram baixas,  repeti a 2°série 2 anos seguidos. Me transferiam de escola. Porque havia batido num menino que me zoava desde quando entrei naquela instituição. Me deixaram de castigo, de joelho em milho, olhando pra uma santa de barro. Naquele momento só sentia ódio da minha vida, de existir, de tudo. Só queria minha mãe naquele instante.

Aos 13/14 anos, fui entender sobre religião. Não era religiosa, mais pela glória de Deus, mesmo não tendo noção em certa idade, descobri que era cristã de berço.

Nunca havia me ligado, no porque minha avó me levava em uma igreja que eu nem sequer sabia porque. Então fui me firmando, entrei no grupo de dança, mais ainda não fazia nada daquilo pra até então Deus. Dançava por dançar,ia pra igreja, por ir. Até que passei a ir, por causa de um irmão que tocava teclado. Na flor daquela idade, e eu estava apaixonada. Pois bem, passei a ir por ele, para olhar sua beleza humana.

Depois a paixão acabou e segui minha vida sem expectativas de mudança carnal ou espiritual. Eu sempre, desde que amei a primeira vez,amava num dia e no outro já sentia nojo do parceiro. Era um espírito que minha vó disse que minha mãe tinha (tá destruído) e passou a mim, "pomba gira". Depois que fiquei sabendo disso, da tal "verdade" eu não fui mais a mesma. Batia quem chegava perto de mim, mordia até arrancar o pedaço da pele de seja quem fosse. Eu estava num estado crítico de pecado demoníaco. Brincava só, conversava só, ria só, chorava só. Eu tinha virado uma garota solitária. Ninguém se aproximava de mim, afastei todos de mim. Até de Deus!

Aos 15 anos de idade, minha vó havia me revelado outra coisa sobre minha mãe. Antes deu nascer, eu já não era querida. Minha mãe tentou me matar, tomou 20 injeções pra cavalo, pra me abortar. Mais desde o ventre de minha mãe, eu já era uma das escolhidas do rei e para honra e glória do senhor, não morri.

Chorei muito, muito... mais depois passou. Eu tinha um certo rancor dela por isso. Só que do nada passou.

Eu não era muito de namorar, eu apenas tinha uma paixãozinha por ali, por aqui, aco-lá, fora isso, nada de mais. Até que conheci um irmão da igreja da Paz e fiquei encantada por sua beleza. Ele era lindo, e também havia gostado de mim, pelo que tinha percebido. Então conversamos e pedi pra minha mãe-vó e ela liberou, mais que fosse um namoro santo. E assim foi, até ele ir embora. Fiquei muito mau por isso e jurei que nunca mais iria amar de novo.

Deu certo. Fiquei 3 anos sem ninguém, e "feliz", só que não estava. Sentia que precisava de algo. Precisava preencher o buraco que havia na minha alma, na minha vida. Então me firmei no senhor. Já era batizada nas águas, mais não em línguas. Fiz campanha de misericórdia, campanha do negue-se a se mesmo, vários. E nada!

Quando Deus nos escolhe, ele primeiro nos observa e Diz: desde o ventre de tua mãe já havia lhe escolhido, minha filha, eleita.

Então esperei no pai. Fiz de tudo pra chamar a atenção do rei, até o confrontei com palavras. E nada!
Pensava que Deus não tava nem aí pra mim. Então deixei de lado esse negócio de chamar a atenção dele. Fiquei na minha.

Aos 16 anos, Deus me tocou. Fiquei feliz,mas queria mais do seu poder e firmei na casa do pai. Era do grupo de louvor, tudo parecia dá certo na minha vida. O diabo não deixa barato...  Fiquei meio dodói por uma semana. E nessa semana entra um novo convertido na igreja.

Ainda não havia lhe visto. Num domingo que finalmente fui a igreja, ele chega. Eu estava no altar, cantando, quando o vi pela primeira vez. Ele não parava de me olhar. Tinha olhos verdes, era loiro, branco, baixo, e com um olhar marcante. Fiquei encantada, confesso.

Passaram-se dias e nunca tinha me atrevido a falar com ele. Só que determinada a conhece-lo, tomei coragem e dei o primeiro PAZ AMADO dos 3 domingos passados que não havia dado. Ele pediu meu número e eu dei. 

Ficávamos oras e oras se falando.

Ele disse que me amava e me pediu em namoro. Aceitei. 2 Meses depois eu nunca mais fui na igreja, me desviei totalmente e sai dos caminhos do pai.

Nosso relacionamento era conturbado, ele tinha uma espécie de amor doentia por mim. Não deixava eu sair com amigos e só faltava bater quem chegasse perto de mim. Isso me assustava!

Quando completei 18 anos, fizemos amor pela primeira vez,depois fizemos pacto de sangue. Era realmente um amor satânico. Gostávamos do escuro, chamávamos o diabo sem medo, éramos loucos. Fugíamos a noite, sai do meu quarto e ele me esperava na frente de casa com a moto e íamos rodar a cidade. Cara!! Comecei a adoecer. 

Eu pesava 58,9 quilos, passei a pesar 45. Me achava horrível, gorda, e comecei a praticar o ato de bulimia (quando a pessoa se vê gorda, mesmo estando em estado de anorexia profunda.) Provocava tudo que comia, todos os dias me acabava em x-tudo, salgados, doces, repetia a refeição. Cara!! Eu tava me matando e não sabia.

Comecei a responder a altura pros meu avós,não tava nem ai. Eu era uma pessoa totalmente incrédula Não acreditava mais nem Deus. Mesmo já conhecedora da verdade. Fiz a vontade da carne e não a do pai de apresentar um namoro santo. E deu no que deu,quase morri. Fiquei com pneumonia,e isso leva a morte se não tratada.

Parei de estudar por conta disso.

Depois que melhorei um pouco, minha igreja iria participar de um congresso em Oriximiná, meu namorado não tinha deixado, eu fui assim mesmo. Foi quase toda minha família. Só tinha ficado meu avô. Chegando em orixi ele(ex) não parava de ligar, querendo saber o que tava fazendo, com quem,se era homem, mulher... aff era muito sufocante aquilo tudo.

Já pela parte da manhã do dia seguinte. Meu avô liga pra minha vó dizendo que tinham roubado a casa e levado os dois notbooks,as jóias e mais pertences. Ficamos chocados e havia mais um dia pra gente ficar em Orixi. 

Ficamos, porém, tristes e preocupados com o vovô que estava só em casa.

Enfim... de volta pra casa, vimos como tinha ficado o quarto da titia (o que foi arrombado). Os ladrões esqueceram em cima da cama, uma chave de fenda. Era a única prova que tínhamos no momento.

Então pensamos... quem sabia que não estaríamos aqui por 2 dias e que sabia que ia ficar apenas o ancião da casa. Po!! Quem??? Meu ex. Agente então deixou quieto esse assunto com ele. No final era ele mesmo. 

Chorei.... muito. Mais como o que sentia por ele era algo do inimigo, não o deixei tão fácil. Resolvemos perdoa-lo, com um porém... que ele devolvesse os nossos bens ou pagasse uma quantia em dinheiro. Se não, era prisão em certo. Pois bem. Não foi nenhum e nem outro. Ele fugiu, e eu fiquei em depressão profunda.

Fui pra igreja, e com braços abertos me receberam de volta. Me reconciliei, e para glória eterna do pai, estou firme de vez. Não quero mais sair dos caminhos do meu redentor. Hoje sei, o quanto foi caro o preço de Deus na cruz, pra eu desperdiçar com a carne. Deus é amor, mais também é juiz.

Eu o amo, em espírito e em verdade. Grata sou por tudo que passei. Doeu?? Sim!! Muito. Porém, valeu apena, se foi pra caminhar no caminho estreito.

Amados!!! Jesus disse: Eis que estou a porta e bato, se abrires, entrarei, cearei com ele e ele comigo.

Que você não seja mais um dos que se afastam de Deus. Porque eu tive a chance de voltar, outros não voltam. Fiquem na paz!! Para honra e glória de Jesus.

Amém

Eloa Cavalcante
(Equipe Pecador Confesso)
Compartilhar no Google Plus

Sobre Hubner Braz

Criador, colunista e administrador do Pecador Confesso. Fascinado e apaixonado por DEUS!! Formado Bacharel em Teologia pela FATESP e F. Mêcanica pela FATEC-SP e Presbítero na A.D. Belem-Missão em Sorocaba, onde o Pastor Presidente é o Rev. Osmar José da Silva - CGADB, Tenho 1João 1:7-9 injetado na veia!.
    Blogger Comment
    Facebook Comment

5 Milhões de Confessos:

  1. Seu passado é como ouro para mim, eu amo voce muito minha atual noiva e futura mulher __ "TE AMPLO" __ Carlos Eduardo Prado Nogueira "CADU"

    ResponderExcluir
  2. nossa minha querida que história, realmente Deus é maravilhoso, qualquer dia desses vou criar coragem pra contar minha história tambem.
    bjs minha querida eu tmbm sou paraenses adoraria poder saber mas de vc
    por leco sousa

    ResponderExcluir
  3. É muito lindo o seu testemunho, amada!
    Não se preocupe com seu ex namorado. A justiça divina caíra sobre ele.
    E Deus ainda é advogado, amor.
    Deus continue te abençoando, princesa. :)

    ResponderExcluir
  4. Muito lindo seu testemunho, amada!
    Não se preocupe com o seu ex namorado. Ele foge da justiça do homem, mas não pode fugir da justiça Divina.
    E Deus ainda é advogado.
    Deus te Abençoe, princesa.

    ResponderExcluir

Não deixe de participar, a sua opinião é de extrema importância!

Críticas são bem vindas quando a pessoa se identifica.