RESENHA DO LIVRO: PERGUNTAS QUE PRECISAM DE RESPOSTAS - PHILIP YANCEY


Graça e Paz amados, este é mais um livro que acabo de ler. E é o 18° que inclui no Desafio Leitor Insano e o 84° Livro deste ano. Ele foi escrito por nada mais, nada menos que Philip Yancey. E garanto para você, é uma ótima leitura, se você estiver com a intenção de se sentir desafiado. 

Ele fornece um olhar crítico e uma visão positiva sobre as coisas que normalmente passam por nós no dia-a-dia. Ele toca nos campos da história, psicologia, ciência, religião e ética, reflexões com observações sobre a vida interior. Yancey consegue soberbamente evitar o banal quando ele coloca suas próprias questões e considera as questões dos outros. No entanto, seu livro está imbuído de uma qualidade de fé profunda. Entusiasticamente recomendado. 

Vale a pena ler mesmo? Com certeza. Ele é dividido por tema em 6 capítulos curtos que veremos logo abaixo. Por isso mesmo, se você não se sentir bem com a leitura de capa a capa, você pode apenas verificar uma seção. Muitas perguntas interessantes, respostas coerentes e explicações nem tanto ordenadamente. Esta confusão de reflexões pessoais é uma ótima maneira de conhecer Philip Yancey. Você conhecerá muitos recortes de seus livros habituais neste livro, que também são focadas em temas distintos e curiosos. 

Os capítulos são escritos originalmente como artigos separados. Então esteja preparado para saltar de um assunto para outro, para ver algumas repetições de ideias e termos, e sentir que os temas são discutidos em uma profundidade impar. 

Para quem nunca leu os seus livros, vale apena ressaltar que neste livro Philip Yancey menciona muitos trechos dos seus livros que você poderá tomar a decisão se valerá a pena a leitura dos outros livros dele.

Existe o livro em PDF para fazer download, fiz uma leitura simultânea entre o livro que acabei de comprar da editora Mundo Cristão e o PDF, percebi que no pdf faltam algumas páginas, a saber: 111, 120, 121, 122, 124, 140, 155, 158, 167, 170, 171, 180, 182-184 e 189.

Download do e-book em PDF click aqui: Perguntas que precisam de respostas em PDF

Confira Agora Alguns Rascunhos do Livro.

Capítulo 1 - VIDA COM DEUS

. Como é Deus? Por que a maioria dos livros teológicos O mostra como lógico, ordeiro, imutável e inefável, enquanto a Bíblia O retrata como emocional, flexível, vulnerável e, acima de tudo, apaixonado?

. Por que apenas 10% da Bíblia - as Epístolas - são estritamente didáticos, e todo o resto ensino por meios indiretos, como histórias, poesias, parábolas e visões proféticas? Por que 90% dos sermões nas igrejas evangélicas baseiam-se nos 10% didáticos?

. Como Deus consegue amar tanta gente no mesmo tempo? Se Ele nos ama de verdade, por que algumas de nossas orações mais urgentes ficam sem resposta? Por que não acontecem mais milagres?

. Por que o livro de Jó está na Bíblia? Será que alguém já apresentou um argumento negando o amor de Deus que não apareça, de alguma forma, no livro de Jó? Se Jó termina o livro como herói e seus amigos como vilões, por que os cristãos citam mais as palavras deles?

. Por que Deus não respondeu às perguntas de Jó? E por que ele parece não ter-se importado de ficar sem as respostas?

. Como podem os evangelistas da televisão promover com tanta animação a teologia da prosperidade em um mundo cheio de injustiça e sofrimento como o nosso? Será que algum cristão iraniano acredita na teologia da prosperidade?

. Como podem os evangelistas da televisão prometer prosperidade e segurança aos fiéis quando Jesus lhes prometeu uma cruz, enviou-os como ovelhas no meio de lobos e permitiu que a maioria de Seus discípulos morresse como mártires?

. Que faz Deus ficar feliz?

Destaco alguns rascunhos...

A frase do escritor Joseph Bayly: "Na escuridão, lembre-se do que aprendeu na luz."

Milhares de anos depois, as perguntas de Jó ainda permanecem. Os sofredores ainda utilizam as palavras dele como um grito contra a aparente falta de interesse de Deus. Mas o livro de Jó afirma que Deus não está surdo aos nossos gritos, e controla este mundo, apesar de às vezes parecer que não. Deus não respondeu a todas perguntas, mas bastou sua presença para que as dúvidas desaparecessem. Jó aprendeu que Deus se preocupava com ele. Aprendeu, ainda, que o Todo-Poderoso controla o mundo. Isso foi suficiente para ele.

Escada da tribulacao - estilo teologia do sofrimento. 5 declaus este e o 2.

Passei a ver estes salmos de defesa da própria justiça como palavras de preparação, porque ajudam toda uma nação a entender que algumas vezes as pessoas justas realmente sofrem, e nem sempre são livradas. Neste sentido, estes salmos são verdadeiramente messiânicos: preparam o caminho para Jesus, o homem perfeito que, como está escrito em Hebreus: Tendo oferecido, com forte clamor e lágrimas, orações e súplicas a quem o podia livrar da morte. Mas Jesus não escapou da morte.

Hebreus 11 apresenta uma lista de pessoas fiéis que viveram em épocas variadas, cobrindo vários séculos. Algumas receberam livramento miraculoso: Isaque, José, Moisés, Raabe, Gideão, Davi. Mas outros foram torturados, presos em correntes, apedrejados, serrados ao meio. O capítulo apresenta detalhes vivos sobre o último grupo: andaram vestidos de peles de ovelhas e de cabras, foram desamparados, vagaram por desertos e montanhas e habitaram em cavernas, O autor conclui com um comentário enfático:

Todos estes que obtiveram bom testemunho por sua fé não obtiveram, porem, a concretização da promessa. (v. 39)

Degrau 3: Todas as coisas cooperam para o bem. Esta famosa frase de Romanos é distorcida muitas vezes. Algumas pessoas pensam que ela significa que só coisas boas acontecerão para os que amam a Deus. Ironicamente, Paulo quer dizer exatamente o contrário. No restante do capítulo, ele define de que tipo de "coisas" está falando: lutas, dificuldades, perseguições, tome, nudez, perigo e espada. Paulo enfrentou tudo isso e, por fim, sucumbiu.

Deus escolhe Favoritos.

Há muito tempo sinto-me perturbado por um comentário de Dorothy Sayers sobre as três maiores humilhações sofridas por Deus. Para ela, a primeira humilhação foi a encarnação, quando confinou-se em um corpo físico. A segunda foi a Cruz, quando sofreu a ignomínia da morte por execução pública. A terceira é a Igreja.

Nietzsche disse rispidamente:

Os discípulos dEle terão que parecer mais que estão salvos para que eu possa crer no Salvador. A Igreja é, na verdade, humilhação para Deus, fazendo, por causa de sua hipocrisia, com que o mundo se afaste dEle.

Embora sejamos motivo de humilhação para Deus, também somos fonte de orgulho. Ultimamente tenho notado algumas frases fascinantes que transmitem o orgulho de Deus, até mesmo seu prazer, pelos que permanecem fiéis. Revi os textos bíblicos, procurando as características comuns a estes "favoritos" de Deus. Por exemplo: o Anjo Gabriel disse ao profeta Daniel que ele era "muito amado" no céu. Ao falar com Ezequiel (capítulo 14), o próprio Deus confirmou isto, relacionando Noé, Daniel e Jó como três de seus favoritos. Eles formam um trio interessante: um sobreviveu a uma inundação, outro à cova dos leões e o último a um holocausto pessoal de sofrimento.

Na verdade, reparei que a maioria dos favoritos de Deus atravessou um teste duro de sua fé. Abraão, chamado de "amigo de Deus", passou a maior parte de sua vida esperando, impacientemente, que Deus cumprisse Suas promessas. A Virgem Maria "achou favor diante de Deus", mas Kierkegaard, lembra-nos: Será que alguma mulher já foi atingida pelo sofrimento como Maria, e não é verdade também que aquele a quem Deus abençoa, no mesmo instante, Ele amaldiçoa?

Nele o autor registra, em detalhes terríveis, as lutas que podem sobrevir às pessoas fiéis, concluindo: "Homens dos quais o mundo não era digno."

Hebreus acrescenta ainda, sobre este grupo impressionante: "Por isso, Deus não se envergonha deles, de ser chamado o seu Deus." Para mim, esta frase inverte o sentido da afirmativa de Dorothy Sayers sobre as humilhações de Deus: sim, a Igreja já foi causa de vergonha para Ele, mas também Lhe trouxe momentos de orgulho, e os santos sofredores de Hebreus 11 mostram isso.

Os santos atingem esta condição porque se apegam, teimosamente, à convicção de que Deus merece nossa confiança, mesmo quando parece que o mundo está desabando. Os santos de Hebreus 11 colocaram suas esperanças em um país melhor, celestial, e por este motivo Deus não se envergonha de ser chamado de Deus deles. Paradoxalmente, a fé se desenvolve mais quando há incerteza e confusão: se duvida disso, leia a história da vida das pessoas que aparecem em Hebreus 11. Os favoritos de Deus, eles em especial, não estão imunes a períodos de testes. Como disse Paul Tournier: "Onde não há mais oportunidade para duvidar também não há mais oportunidade para crer."

Ao terminar meu estudo sobre os favoritos de Deus, um fato sobressaiu-se a todos os outros. Aquelas pessoas dificilmente se parecem com os santos saudáveis, prósperos e mimados que vejo apresentados nos programas religiosos na televisão. O contraste é chocante e me deixou confuso por algum tempo. Talvez seja esta a diferença: os programas na televisão precisam preocupar-se em agradar a uma audiência de milhares de pessoas, às vezes milhões. Os favoritos de Deus se dedicam a agradar a uma audiência composta por Uma só Pessoa.

Receber o mandamento de amar a Deus acima de tudo, ainda mais estando no deserto, é como receber a ordem de sentir-se bem quando se está doente, cantar de alegria quando se morre de sede, correr quando as pernas estão quebradas. Esta, porém é o primeiro e o maior dos mandamentos. Mesmo no deserto - especialmente no deserto - devemos amá-LO. - Frederick Buechner.

Capítulo 2 - NO MUNDO

. Por que existem tantos alcoólicos em nossos dias? Por que eles simplesmente não vêm até a igreja em vez de se isolarem em seus grupos fechados? Por que os pecadores se sentem tanta atração por Jesus e tanta repulsa pela igreja?

. Por que as pessoas com Aids quase nunca vão à igreja?

. Por que praticamente todas as situações de disciplina na igreja envolvem pecados sexuais? Por que ouço tão poucos sermões sobre os pecados do orgulho, cobiça, preguiça e glutonaria? Será que os cristãos apoiariam um movimento nacional semelhante à Lei Seca contra a grande ameaça à saúde, que é a obesidade?

. Por que tantos hospitais têm nomes "cristãos"? E por que funcionam como qualquer outro hospital? Como seria um hospital verdadeiramente cristão?

. De onde veio o ódio racial? E as raças, de onde vieram? Por que Deus não fez todas as pessoas semelhantes, como são as margaridas ou as moléculas de hidrogênio?

. Deus prefere os Protestantes ou os Católicos na Irlanda?

. De onde vêm os ditadores? Por que Deus permite que inflijam tanto mal ao mundo? Por que Deus se calou durante o Holocausto?

O fato deste capitulo ser interessante, e as historias que Yancey conta sobre nacistas e pragas. Fala dos problemas do mundo, peste bubônica, sobre aids questiona se e castigo de Deus e ao mesmo tempo reprova esta ideia... Também relata o dia a dia dos hospitais da índia, o uso do coco como soro, coloca mangueira e vai direto para a veia para tratar da cólera. Dinheiro em lugar de ética.. Fala da Somália, picada de escorpião, Jonas em Nínive, prioridades cristãs.



Capítulo 3 - OUTRO MUNDO

• Por que a Ciência e a Teologia têm tanta dificuldade para se entender? 

• Existe mesmo um "mundo invisível" em algum lugar? E que diferença isto faz para mim? 

• Por que as pessoas demonstram tanto interesse em experiências de "quase morte", mas não se interessam pelo céu? 

• Por que as pessoas demonstram tanto interesse em experiências de "quase morte", mas tão pouco interesse pela morte em si? 

• Quanto da Bíblia é dedicado a abordar a Crucificação e quanto à Ressurreição? Será que a dotação de espaço não deveria ser ao contrário? 

•Se a Ressurreição fosse transmitida pela televisão, o mundo inteiro hoje acreditaria em Jesus? Que levaria todo o mundo a acreditar em Jesus?

• Qual deveria ser a aparência de um Cristão? E seu perfume?

Capítulo 4 - ENTRE OS CRENTES

• Deveríamos sentir alegria ou tristeza com o ressurgimento do cristianismo evangélico nos Estados Unidos? E o país: deveria estar alegre? ou triste? 

• Será que o mundo deveria ser capaz de dizer se uma pessoa é cristã só de olhar para ela? Como é a aparência de um cristão? E como deveria ser? Por que preferimos ler sobre as pessoas com as quais não desejamos parecer? 

• Por que a Bíblia é tão veemente contra a idolatria? Que torna este costume exótico tão ofensivo? Existem idólatras em Peoria4, Illinois? 

• Há mórmons em Peoria, Illinois? A aparência dos mórmons é diferente da dos cristãos? Deveria ser? 

• Por que tão poucos cristãos demonstram alegria? Uma pessoa alegre seria mais parecida com a Madre Teresa ou com a Madonna? 

• Por que os escritores modernos e os programas de televisão atuais demonstram tanta obsessão com a sexualidade humana, enquanto que na igreja ela mal é mencionada, exceto em momentos de advertência? 

• Por que muitos cristãos se sentem mais culpados do que perdoados? Como é sentir–se perdoado? Se o Evangelho consiste em graça, aceitação e perdão, por que os conselheiros têm tantos clientes cristãos, confusos com culpa, ódio a si mesmo e espírito de crítica?

Destaco alguns rascunhos...

Eu estava preparado para honrar e admirar esses servos, para elevá-los como exemplos inspiradores. Não estava pronto, porém, para invejá-los. Mas, refletindo nos dois grupos, colocando-os lado a lado, estrelas e servos, os últimos emergem, claramente, como os mais favorecidos e agraciados. Trabalham durante muitas horas para ganhar pouco dinheiro, não recebem aplausos. "Desperdiçam" seus talentos e conhecimentos entre os pobres e os ignorantes. Mas, de alguma forma, perdendo a vida eles a encontraram. Receberam "a paz que não é deste mundo", como descreveu Henri Nouwen, paz encontrada não dentro do prédio majestoso de Harvard, mas ao lado da cama do descoordenado Adam. 

* * *

Assim como muitos outros cristãos, estremeço quando ouço o tom grave, jubiloso, que freqüentemente caracteriza a cobertura que a mídia faz dos escândalos entre os cristãos.

Vejam, estes cristãos não são melhores - na verdade são piores - do que as outras pessoas.

Sofro ao ver os relatórios das contribuições a quase todas as organizações cristãs, que diminuem dramaticamente a cada novo escândalo. Considero que as doações que faço para missões, como World Vision, American Leprosy Mission, World Concern, Wycliffe e Mcndenhall Ministries são os investimentos que produzem o maior retorno.

Talvez um dos problemas por traz dos escândalos dos "astros" cristãos seja que distorcemos o reino de Deus ao nos dedicarmos a ser estrelas em lugar de sermos servos.

Como Henri Nouwen disse:

Mantenha seus olhos naquele que se recusa a transformar pedras em pão, pular de grandes alturas ou governar com poder temporal. Mantenha seus olhos no que diz: "Bem-aventurados os pobres, os mansos, os que choram e os que têm fome e sede de justiça; bem-aventurados são os misericordiosos, os pacificadores e os perseguidos por causa da justiça". ... Mantenha seus olhos naquele que é pobre com os pobres, fraco com os fracos e rejeitado com os rejeitados. Este é a fonte de toda a paz. Em outras palavras: mantenha seus olhos no servo, não nas estrelas. A frase de Jesus que é mais repetida nos Evangelhos é: Aquele que quiser salvar a sua vida, perdê-la-á, e quem perder a sua vida por amor de mim, achá-la-á.

É verdade, o caminho para o alto é voltar-se para baixo.

Crescendo como fundamentalista

A culpa tem sido um problema para você? De que tipo de coisas você se sente culpado? Considera-se uma pessoa inclinada a julgar os outros? Sim, a culpa tem sido um problema para mim. Fui criado sentindo-me culpado por atividades como patinar (parece muito com dançar), jogar boliche (algumas pistas servem bebidas alcoólicas) e ler o jornal do domingo.

Hoje, posso fazer qualquer destas coisas com minha consciência limpa, mas sinto-me culpado, com muita freqüência, por outras coisas. E ainda assim, enquanto preenchia o questionário, percebi que não guardo ressentimentos contra a culpa. Minha resposta à última parte da pergunta talvez explique por quê: Sim, considero-me uma pessoa inclinada a julgar os outros, e è uma das coisas pelas quais me sinto culpado. A culpa é que me faz consciente do julgamento, para não mencionar muitas outras falhas.

No decorrer dos anos, enquanto minha lista pessoal de motivos de culpa mudava drasticamente, minha atitude frente à própria culpa passou da irritação para a apreciação.

A pesquisa prosseguia desta forma por cinco páginas, e terminava pedindo que eu eesumisse os efeitos positivos do fundamentalismo em minha vida, e depois os negativos.

Como positivos, apresentei os seguintes:

. Conhecimento bíblico.

. Reconhecimento da seriedade das escolhas individuais e do comportamento.

. Percepção de Deus.

Como efeitos negativos, listei:

. Falta de conhecimento cultural.

. Tendência a julgar os outros.

. Isolamento social e poucas experiências de vida.

Capítulo 5 - VOZES INDISPENSÁVEIS

• Como escrever ou filiar de teologia em uma sociedade que continua a usar as palavras teológicas, mas com o sentido alterado? 

• Se os cristãos têm suas próprias editoras, livrarias, revistas, propagandas e redes de televisão, como os não cristãos terão acesso aos produtos cristãos? 

• Que é um produto cristão? 

• Por que balançamos a cabeça e lamentamos a escassez de cristãos na arte e na cultura, sendo que os melhores romancistas do século XIX (Tolstoy e Dostoievski) e dois dos melhores poetas do século XX (T. S. Eliot e W H. Auden) eram cristãos confessos? 

• Quantos de nós lêem estes quatro autores hoje? 

• De qualquer forma, como justificar o tempo desperdiçado na leitura da ficção e da poesia nos dias atuais? 

• Por que continuamos a balançar a cabeça lamentando a escassez de cristãos na arte e na cultura, embora um dos melhores autores deste século escreva como um Amós ou Isaías da atualidade? Por que tão poucos cristãos lêem Aleksandr Solzhenitsyn? 

• Que nós lemos? 

• Por que tanta arte de boa qualidade aparece em circunstâncias de opressão? Qual é o melhor ambiente para um escritor, quanto a alimentar seu talento: uma sociedade livre, cheia de cristãos, ou uma sociedade hostil, repleta de não cristãos? 

• Como escrever ou falar de teologia em uma sociedade que nem mesmo conhece os termos teológicos? Como seria um livro cristão em uma cultura completamente secular, digamos, o Japão? 

• Que os japoneses lêem? 

• Que as pessoas pensarão de nossos produtos cristãos contemporâneos daqui a 50 anos? 

- Falam das vozes indispensáveis, entre eles, conhecemos um pouco sobre o T. S. Eliot, C. S. Lewis, MacDonald, Tolstoy... entre outros.

Capítulo 6 - O ANIMAL HUMANO

. Por que existem tantos tipos de animais? Será que o mundo não poderia prosseguir com, digamos, 300 mil espécies de besouros em vez de 500 mil? Qual a vantagem da existência deles?

. Por que os animais mais belos da terra ficam escondidos de todos os humanos, a não ser daqueles que usam os complicados equipamentos de mergulho? Quem ê beneficiado com a beleza deles?

. Por que a quase totalidade da arte religiosa é realista, enquanto que grande parte da criação de Deus - zebras, borboletas, estruturas cristalinas - é exemplo rematado de designer abstrato?

. Por que é tão mais fácil treinar os cães do que os gatos? Quais dão mais orgulho a Deus: os cães ou os gatos?

. Os seres humanos são animais' São qualquer coisa além de animais? Por que não são mais fáceis de treinar?

. Por que existem piadas sujas? De qualquer forma, o que é que torna a fisiologia da excreção e da reprodução tão engraçadas?

. Pergunto como Walker Percy: "Por que o homem se sente tão triste no século XX? Por que se sente tão mal exatamente na era em que, mais do que em qualquer outra, tem tido sucesso na satisfação de suas necessidades e na utilização dos recursos que há no mundo?”.

. Os gorilas e os javalis atravessam a crise da meia-idade?

. Por que o livro de Eclesiastes está na Bíblia? Será que o autor do livro enfrentava uma crise de meia-idade? Como seria uma crise destas na vida de um rei dos hebreus?

. Por que Salomão, que demonstrou tanta sabedoria ao escrever Provérbios, passou os últimos anos de sua vida contrariando todos os seus ensinamentos?

. Por que Cantares de Salomão está na Bíblia? Por que só este livro da Bíblia é interpretado como alegoria quando, na verdade, não há qualquer indicação nas Escrituras de que a intenção do autor fosse alegórica? Como pode uma religião que inclui um texto como Cantares de Salomão entre seus escritos sagrados ser conhecida como inimiga do sexo?

. Por que o sexo é uma fonte de prazer? Eu só queria saber... São perguntas que precisam de respostas.

Terminado o rascunho, só tenho que agradecer a você que acompanha o nosso Blog Pecador Confesso.

Graça e Paz,

Hubner Braz (@pecadorconfesso)

COMPARTILHE ESTE POST NO FACEBOOK OU TWITTER CLIQUE NOS BOTÕES ABAIXO.
Compartilhar no Google Plus

Sobre Hubner Braz

Criador, colunista e administrador do Pecador Confesso. Fascinado e apaixonado por DEUS!! Formado Bacharel em Teologia pela FATESP e F. Mêcanica pela FATEC-SP e Presbítero na A.D. Belem-Missão em Sorocaba, onde o Pastor Presidente é o Rev. Osmar José da Silva - CGADB, Tenho 1João 1:7-9 injetado na veia!.
    Blogger Comment
    Facebook Comment

0 Milhões de Confessos:

Postar um comentário

Não deixe de participar, a sua opinião é de extrema importância!

Críticas são bem vindas quando a pessoa se identifica.