LIÇÃO Nº 7 – A FÉ SE MANIFESTA EM OBRAS – 12 DE AGOSTO DE 2014 – EBD – CPAD




TEXTO ÁUREO

"Assim resplandeça a vossa luz diante dos homens, para que vejam as vossas boas obras e glorifiquem o vosso Pai, que está nos céus”(Mt 5.16).O propósito de todas as boas obras entre os homens é glorificar o Pai Celestial (Jo 14.12-15).


VERDADE PRÁTICA

Uma vez salvos em Cristo, o amor, materializado por meio das boas obras, torna-se a nossa identidade cristã.


HINOS SUGERIDOS

17, 75, 79.


LEITURA DIÁRIA

Segunda - Hb 10.24
As boas obras devem ser estimuladas
S
Terça - 1 Tm 6.1 7-19
As boas obras e as riquezas do mundo
T
Quarta - Tg 2.14-17
É possível haver fé sem as obras?
Q
Quinta - Ef 2.8,9
Não somos salvos pelas boas obras
Q
Sexta - Ef 2.10
Salvos praticam boas obras
S
Sábado - Rm 12.9,10
Amor cordial e fraterno
S


LEITURA BÍBLICA EM CLASSE
Tiago 2.14-26
14 - Meus irmãos, que aproveita se alguém disser que tem fé e não tiver as obras? Porventura, a fé pode salvá-lo?
15 - E, se o irmão ou a irmã estiverem nus e tiverem falta de mantimento cotidiano,
16 - e algum de vós lhes disser: Ide em paz, aquentar-vos e fartai- -vos; e lhes não derdes as coisas necessárias para o corpo, que proveito virá dai?
17- Assim também a fé, se não tiver as obras, é morta em si mesma.
1 8 - Mas dirá alguém: Tu tens a fé, e eu tenho as obras; mostra- -me a tua fé sem as tuas obras, e eu te mostrarei a minha fé pelas minhas obras.
19 - Tu crês que há um só Deus? Fazes bem; também os demônios
o creem e estremecem.
20 - Mas, ó homem vão, queres tu saber que a fé sem as obras é morta?
21 - Porventura Abraão, o nosso pai, não foi justificado pelas obras, quando ofereceu sobre o altar o seu filho lsaque?
22 - Bem vês que a fé cooperou com as suas obras e que, pelas obras, a fé foi aperfeiçoada,
23 - e cumpriu-se a Escritura, que diz: E creu Abraão em Deus, e foi-Ihe isso imputado como justiça, e foi chamado o amigo de Deus.
24 - Vedes, então, que o homem é justificado pelas obras e não somente pela fé.
25- E de igual modo Raabe, a meretriz, não foi também justificada pelas obras, quando recolheu os emissários e os despediu por outro caminho?
26 - Porque, assim como o corpo sem o espírito está morto, assim também a fé sem obras é morta.
OBJETIVOS

Após esta aula, o aluno deverá estar apto a:
  • Descrever as questões de autoria, local, data e destinatário da epístola.
  • Entender o propósito da epístola.
  • Destacar a atualidade da epístola
PALAVRA CHAVE
: Confiança absoluta em alguém. A primeira das três virtudes teologais: fé, esperança e amor.
COMENTÁRIO

INTRODUÇÃO

A lição de hoje trata da fé manifestada através das obras (Tg 2.14-26). Além de tal assunto ser imprescindível à vida cristã, pois, sem fé é impossível agradar a Deus (Hb 11.6), é preciso reafirmar que o crente é salvo pela graça, por meio da fé (Ef 2.8,9). Devendo o cristão andar por ela (2 Co 5.7), tendo em vista de que tudo aquilo que não é de fé, culmina em pecado (Rm14.23). Entretanto, a fé não é uma fuga da realidade. Por isso, Jesus ensinou que a fé deve ser praticada (Mt 5.22-48). Nesta lição, igualmente, Tiago mostra que uma fé viva é autenticada pela produção de boas obras, pois não há antagonismo algum entre ambas - fé e obras. Conforme aprenderemos, na vida cristã, fé e obras não são distintas, mas complementares. [Comentário: Esta lição se reveste de um caráter urgente e importante: a fé demonstrada através das obras. O texto de ouro afirma que o propósito de todas as boas obras entre os homens é glorificar o Pai Celestial (Jo 14.12-15). Nós não fazemos boas obras para alcançarmos o favor de Deus, fazemos porque já fomos alcançados pelo favor de Deus. Não as fazemos como por obrigação, mas esta demonstração nasce agora naturalmente de um coração regenerado. A grande questão que levou à Reforma Protestante no início do século XVI por Martinho Lutero, quando através da publicação de suas 95 teses, em 31 de outubro de 1517 na porta da Igreja do Castelo de Wittenberg, foi: "A salvação é somente pela fé ou pela fé mais as obras?" Aqui está a diferença crucial entre o Cristianismo Bíblico e a maioria dos cultos “Cristãos”. Quando lemos em Tiago acerca da fé e obras, nota-se que ele está negando a crença de que a pessoa possa ter fé sem produzir quaisquer boas obras (Tg 2.17-18). A ideia é que a fé genuína em Cristo produzirá uma vida transformada e boas obras, a pessoa que é verdadeiramente justificada pela fé produzirá boas obras em sua vida (Tg 2.20-26). Em Efésios 2.10, Paulo nos informa que fomos criados para as boas obras! Logo, não pode haver crente que não produza boas obras!] Tenhamos todos uma excelente e abençoada aula!

I. DIANTE DO NECESSITADO, A NOSSA FÉ SEM OBRAS É MORTA (Tg 2.14-17)

1. Fé e obras. Ao ler desavisadamente a Epístola de Tiago o leitor pode afirmar que ela contradiz os ensinamentos do apóstolo Paulo quanto à doutrina da salvação pela fé (Rm 4.1-6). Todavia, ao estudarmos cuidadosamente o tema em questão, veremos que os ensinos paulinos e os de Tiago em hipótese alguma se contradizem. Quando Paulo escreve sobre as obras, ele se refere à Lei - o orgulho nos rituais judaicos e na obediência a um sistema de regras religiosas enquanto que Tiago, às obras de misericórdia ao próximo necessitado. O meio-irmão do Senhor não se opôs ao apóstolo dos gentios. Enquanto Paulo anunciava ao pecador a salvação pela graça mediante a fé (Ef. 2.8), Tiago doutrinava os crentes sobre a impossibilidade de vivermos a fé de Cristo sem manifestar os frutos de arrependimento (Mt 3.8). O primeiro preocupou-se com a causa da salvação e o segundo, com o efeito dela.[Comentário: O Rev. Hernandes Dias Lopes, Pr Titular da 1ª Igreja Presbiteriana de Vitória-ES, comentando o texto de Tiago capítulo 2, em sua obra intitulada TIAGO Transformando provas em triunfo (Editora Hagnos) afirma: “O capítulo 2 da Carta de Tiago é um dos textos mais importantes da Bíblia. Muitos estudiosos não conseguiram entendê-lo. Lutero pensou que Tiago estivesse contradizendo Paulo (Rm 3.28 - Tg 2.24; Rm 4.2-3 - Tg 2.21). Logo, Lutero chamou Tiago de carta de palha e sentiu que a carta de Tiago não tinha o peso do Evangelho. Mas será que Tiago está contradizendo Paulo? Absolutamente não. Eles se complementam. Paulo falou que a causa da salvação é a justificação pela fé somente. Tiago diz que a evidência da salvação são as obras da fé. Paulo olha para a causa da salvação e fala da fé. Tiago olha para a consequência da salvação e fala das obras. Paulo deixa isso claro: “Porque pela graça sois salvos, por meio da fé; e isto não vem de vós, é dom de Deus; não vem das obras, para que ninguém se glorie. Porque somos feitura sua, criados em Cristo Jesus para boas obras, as quais Deus antes preparou para que andássemos nelas” (Ef 2.8-10). Calvino diz que a salvação é só pela fé, mas a fé salvadora não vem só. Ela se evidencia pelas obras. A questão levantada por Paulo era: “Como a salvação é recebida?” A resposta é: “Pela fé somente”. A pergunta de Tiago era: “Como essa fé verdadeira é reconhecida?” A resposta é: “Pelas obras!” Assim, Tiago e Paulo não estão se contradizendo, mas se completando. Somos justificados diante de Deus pela fé, somos justificados diante dos homens pelas obras. Deus pode ver a nossa fé, mas os homens só podem ver as nossas obras”. LOPES. Hernandes Dias. TIAGO Transformando provas em triunfo. Editora Hagnos. pag. 45-46.]

2. O cristão e a caridade. “A fé não acompanhada de ação é morta”, declara Tiago. “Fazer”, “realizar” e “agir” são atitudes que integram a religião pura e imaculada: ajudar os necessitados nas suas necessidades. A fé, quando não produz tais frutos, é morta. A fim de ilustrar tal verdade, Tiago inquire retoricamente os servos de Deus dizendo que se oferecermos, a um irmão ou a uma irmã, que estejam padecendo necessidade, apenas uma palavra de “incentivo” e não lhes dermos as coisas de que eles necessitam, isso não resolverá o problema. Diante de alguém necessitado, o que precisa ser feito? Orar e despedi-lo sem nada? Se assim procedermos, nossa oração não servirá para nada. Aliás, como ensina João, a pessoa que não se compadece dos necessitados não tem o amor de Deus em sua vida (1 Jo 3.17,18). Tal aspecto já havia sido ensinado por Jesus ao dizer que, no socorro àqueles que precisam de ajuda, acolhemos o próprio Senhor (Mt 25.40). [Comentário:Embora o termo caridade tenha perdido sua força em nossa língua, ainda nos traz à mente a ideia de um sentimento ou uma ação altruísta de ajuda a alguém sem busca de qualquer recompensa. Caridade, é melhor traduzida como amor, sua origem é a palavra grega agapé. A língua portuguesa dá diversas interpretações possíveis à palavra amor, mas no original grego, assume um significado especifico, que tem mais sentido como um comportamento uma escolha do que propriamente com sentimentos, tendo como possíveis significados: afeição ou benevolência, amor caridoso e querido. O Comentário Bíblico Beacon (Editora CPAD), comentando o texto de Tiago 15-16, afirma o seguinte: “Têm sido descritos como uma “pequena parábola” com a aplicação dada no versículo 17. João usa um argumento similar: “Ora, aquele que possuir recursos deste mundo, e vir a seu irmão padecer necessidade, e fechar-lhe o seu coração, como pode permanecer nele o amor de Deus?” (1 Jo 3.17, ARA). A intolerância de Tiago com a fé sem prática aparece de forma aguda na seguinte paráfrase: “Se vocês tiverem um amigo que está necessitado de alimento e vestuário, e lhe disserem: ‘Bem, adeus, e que Deus o abençoe; aqueça-se e coma bem’, e depois não lhe derem roupas ou alimentos, que bem faz isso?” (A Bíblia Viva). Clarke comenta: “Ao falar isso para eles, sem lhes dar nada, o proveito deles será igual à sua fé professada. Sem essas obras, que são os frutos genuínos da verdadeira fé, qual será o seu proveito no dia em que Deus virá sentar e julgar a sua alma?” A. F. Harper. Comentário Bíblico Beacon. Tiago. Editora CPAD. Vol. 10. pag. 169. Ao se referir à religião pura e imaculada, Tiago não pensa em uma organização com um corpo de doutrinas, mas em uma postura adequada diante de Deus, ou seja, qual a forma verdadeira de culto que agrada a Deus. Tiago nos adverte que se pensamos ser religiosos sinceros, mas não atentamos para as três verdades aqui descritas nossa religião é vã.]

3. A “morte” da fé: A concepção de fé apresentada na Epístola de Tiago é a confiança em Deus: “Tu crês que há um só Deus?” (v.19). Logo, as obras de que Tiago fala, consistem na expressão da vontade de Deus, ou seja, amar o próximo, visitar os enfermos, defender os direitos dos pobres, praticar a justiça, etc. Esta é a fé viva em Deus! A epístola nos ensina que se amamos o outro, não amamos segundo as nossas s concupiscências, mas segundo o amor de Deus por nós. Este amor nos estimula a amar o ser humano independentemente de quem ele seja. Ame o próximo e mostrará uma fé viva. Não ame, e se confirmará: a tua é fé está morta. [Comentário: O Cristianismo possui uma doutrina chave, central: a fé. A salvação é pela fé (Ef 2.8,9), o justo vive pela fé (Rm 1.17). Sem fé é impossível agradar a Deus (Hb 11.6). Tudo o que é feito sem fé é pecado (Rm 14.23). Em Hebreus 11 encontramos a galeria da fé, em que homens e mulheres creram em Deus, viveram e morreram pela fé. Fé é a confiança de que a Palavra de Deus é verdadeira, não importam as circunstâncias. Nem todas as pessoas que dizem crer em Jesus estão salvas (Mt 7.21) Qual é o tipo de fé que salva uma pessoa? A resposta dos apóstolos é: Crê no Senhor Jesus Cristo (At 8.31). Fé significa crer e confiar firmemente no Cristo crucificado e ressurreto como nosso Senhor e Salvador pessoal (ver Rm 1.17). Importa em crer de todo coração (At 8.37; Rm 6.17; Ef 6.6; Hb 10.22). Uma vez gerada no crente, essa fé produzirá frutos, como resultado do caráter de Cristo novamente formado no homem (Ef 2.2,3; Gl 5.19-21). A fé que não produz vida, que não gera transformação, é uma fé espúria (Mt 7.21).].
SINOPSE DO TÓPICO (1)
O autor da epístola é Tiago, o meio-irmão de JESUS. A carta foi escrita provavelmente em Jerusalém, entre os anos 45 e 49 d.C. e dirigida aos cristãos dispersos da Palestina bem como as igrejas de outras regiões.

II - EXEMPLOS VETEROTESTAMENTÁRIOS DE FÉ COM OBRAS (Tg 2.18-25)

1- Não basta “crer”. Tiago afirma que a crença teórica em Deus não significa muita coisa. Os demônios, igualmente, creem e estremecem diante do Altíssimo (Lc 8.26-33; Mc 5.1-10). Em outras palavras, eles “creem”, ou sabem, que Jesus é o Filho de Deus. Entretanto, a confissão dos demônios não implica um compromisso de obediência a Deus. A verdadeira fé, porém, manifesta-se na prática coerente do servo de Deus com tudo aquilo em que ele diz crer. O autor da epístola demonstra que a fé não consiste em um discurso, mas em convicção autêntica, seguida da prática de obras de amor, pois é justamente isso que Jesus fez e ainda faz (At 10.38; Hb 13.8), Exemplificando esse ensino
da fé compromissada com a ação, Tiago utiliza dois ricos exemplos do Antigo Testamento.[Comentário: Tg 2.19 nos fala de um tipo de fé que é morta, que atinge apenas o intelecto, e afirma que essa é a fé dos demônios, fé que atinge o apenas o intelecto e, quando muito, as emoções. Na leitura de Tiago também entendemos que os demônios possuem fé num estágio mais avançado que muitos crentes! A fé dos demônios é intelectual e emocional! Logo, crer é tremer não é o mesmo que ser salvo. Ninguém é salvo pelo conhecimento que venha a adquirir nem pelas emoções que venha a demonstrar, mas segundo Tiago, pela vida que vive (Tg 2.18). O Comentário Bíblico Beacon (Editora CPAD), citado anteriormente, comenta este texto assim: “No que os demônios creem? Warren Wiersbe responde a essa pergunta, dizendo: em primeiro lugar, os demônios creem que Deus é um só. Os demônios creem na existência de Deus. Eles não são nem ateístas nem agnósticos. Eles creem na “shemma” judaica: “Ouve ó Israel, o Senhor nosso Como saber se minha fé é verdadeira ou falsa Deus é o único Senhor”. Mas essa crença dos demônios não pode salvá-los. Algumas versões colocam a primeira parte do versículo 19 em forma de pergunta (como ocorre na ARC): Tu crês que há um só Deus?. Tiago responde: Fazes bem (v. 19). Até aqui, tudo bem — mas isso não é suficiente: também os demônios (daimonia) crêem e estremecem. Apenas fé — no sentido de reconhecer Deus sem responder a Ele em ação obediente — é uma religião que mesmo os demônios professam (cf. Mt 8.29; Mc 1.24). Mas essa fé não é uma fé salvadora; eles apenas estremecem (“tremem”, NVI). “A fé que eles têm é mostrada pelo seu terror, uma emoção de interesse próprio, mas isso não os salva”.3 João Wesley comenta acerca daqueles que têm uma fé tão limitada: “Isso prova somente que vocês têm a mesma fé dos demônios [...] eles [...] tremem com a expectativa terrível do tormento eterno. Essa fé certamente não pode justificá-los nem salvá-los”. Tg 2.20 A expressão: queres tu saber? (v. 20, lit., você gostaria de saber?), introduz esse novo rumo na argumentação. A pergunta parece inferir uma relutância que beira a perversidade no homem questionado. O sentido correto seria: “Você realmente quer uma prova irrefutável?”. O homem vão significa “insensato” (NVI) ou “de cabeça vazia”. Trench diz que esse tipo de homem “é alguém em quem a sabedoria superior não encontrou espaço, mas que está inchado com uma vaidade vã do seu próprio discernimento”.5 Tiago repete aqui sua premissa básica de que a fé sem as obras é morta (“inútil”, NVI; lit., sem obras, inativa). Essa fé sem vida não produz nada de importante. A. F. Harper. Comentário Bíblico Beacon. Tiago. Editora CPAD. Vol. 10. pag. 171.]

2- Abraão. O patriarca Abraão, conhecido como “pai da fé”, obedeceu a Deus quando o Senhor lhe pediu seu amado filho, Isaque. O patriarca de Israel já havia demonstrado confiança em Deus quando decidiu, por à um ato de fé e obediência, partir para uma terra desconhecida (Hb I 11.8,9). Agora, Abraão estava diante de uma prova de fé ainda mais dura: imolar o seu filho amado e oferecê-lo em sacrifício a Deus. Uma fé levada até as últimas consequências! A obra de Abraão demonstrou a sua confiança em Deus independente das circunstâncias. E nós, como estamos diante de Deus? Cremos quando vai tudo bem, e está tudo certo ou cremos apesar das circunstâncias? [Comentário: P fato de Abraão ser considerado o pai da fé não significa dizer que ele foi o primeiro homem a ter a fé em Deus, entretanto, a Palavra de Deus dá um destaque ao patriarca, pois Abraão creu em Deus e foi considerado um homem justo. A justificação de alguém não é demonstrada através de uma mera profissão de fé ou uma fé solitária. Uma pessoa mostra que é justa pelas coisas que faz. Nenhuma das nossas obras merece uma justificação absoluta diante de Deus. Somente os méritos de Cristo garantem essa justificação. Só confiando exclusivamente em Cristo podemos ser feitos justos diante de Deus. Aqui, Tiago repreende todas as formas de antinomismo que procuram ter Jesus como Salvador, sem aceitá-lo como Senhor. No mesmo sentido em que Paulo demonstrou que confiança em nossas próprias obras é fatal, Tiago ensina que confiança numa fé vazia ou morta é igualmente mortífera. O Rev. Hernandes Dias Lopes, em obra já citada, afirma: “A fé salvadora conduz à ação. Tiago cita dois exemplos de fé que produziram ação; primeiro, o exemplo de Abraão. Gênesis 15.6 diz que Abraão creu e isso lhe foi imputado para justiça. Gênesis 22.1-19 mostra a obediência de Abraão ao oferecer o seu filho para Deus, crendo que Deus poderia ressuscitá-lo (Hb 11.19). Abraão não foi salvo por obedecer a esse difícil mandamento. Sua obediência provou que ele já era salvo. Abraão não foi salvo pela fé mais as obras, mas pela fé que produz obras. Como, então, Abraão foi justificado pelas obras, uma vez que já tinha sido justificado pela fé (Gn 15.6; Rm 4.2,3)? Pela fé, ele foi justificado diante de Deus, e sua justiça foi declarada. Pelas obras, ele foi justificado diante dos homens, e sua justiça foi demonstrada. A fé do patriarca Abraão foi demonstrada por suas obras”. LOPES. Hernandes Dias. TIAGO Transformando provas em triunfo. Editora Hagnos. pag. 53-54.]

3. Raabe. Outro exemplo apresentado por Tiago é o de é Raabe, uma mulher gentia e prostituta que vivia em Jericó durante a conquista da terra de Canaã pelos judeus. Quando Josué enviou os espias para olharem a terra, Raabe os escondeu e, mais tarde, os ajudou a escapar dos guardas de Jericó. A atitude de Raabe levou os espias a prometerem que nenhum mal aconteceria a ela quando os israelitas tomassem a cidade (Js 2.1-24). Raabe teve fé no Deus de Israel! Na certeza de que Deus daria aquela cidade ao seu povo, ela agiu para proteger os espias enviados por Josué. Por isso, Raabe, a prostituta de Jericó, foi justificada e constituída na linhagem do nosso Salvador, Jesus Cristo (Mt 1.5). É uma grande mulher que consta como a heroína da fé (Hb 11.31). [Comentário: Tiago 2.25 corrobora com Hb 11.17-19, 31. Tiago enfatiza que o princípio que ele tem defendido é universal e que não há espaço para exceções. Raabe era “gentia, mulher e prostituta”. O autor de Hebreus ressalta que a ação de Raabe foi “por fé”. Tiago, não negando isso, afirma que ela foi justificada pelas obras, no sentido de que suas ações eram uma prova da sua fé. Ela creu e agiu. Ela ouviu a Palavra de Deus e reconheceu que estava em uma cidade condenada. Ela não somente entendeu â mensagem, mas seu coração foi tocado (Js 2.11), e assim fez alguma coisa: protegeu os espias (Hb 11.31). Ela arriscou sua própria vida para proteger os espias. Mais tarde ela fez parte do povo de Deus (Mt 1.5) e tornou-se membro da genealogia de Cristo. Isso é graça que opera a fé salvadora. O julgamento final sobre a vida de uma pessoa leva em consideração a justiça que esta pessoa mostra por meio de suas obras. Depois de falar da grande fé de Abraão, o patriarca de Israel, Tiago cita o exemplo de Raabe, estes dois personagens foram justificadas com base nas obras que resultaram da sua fé. O contaste não é entre a fé e as obras, mas entre a fé genuína e a falsa.]
SINOPSE DO TÓPICO (2)
O propósito geral da epístola de Tiago era orientar, consolar e fortalecer a Igreja de CRISTO que estava sendo perseguida.

III - A METÁFORA DO CORPO SEM O ESPÍRITO PARA EXEMPLIFICAR A FÉ SEM OBRAS (Tg 2.26)

1- Uma analogia do corpo sem espírito. Para os que conhecem a Palavra de Deus, é inconcebível a ideia de um corpo vivo sem o espírito e a alma (At 20.9,10; 1 Ts 5.23). O teólogo britânico, John Stott, escreveu: “O nosso próximo é uma pessoa, um ser humano, criado por Deus. E Deus não o criou como uma alma sem corpo (para que pudéssemos amar somente sua alma), nem como um corpo sem alma (para que pudéssemos preocupar-nos exclusivamente com seu bem-estar físico), nem tampouco um corpo-alma em isolamento (para que pudéssemos preocupar-nos com ele somente como um indivíduo, sem nos preocupar com a sociedade em que ele vive). Não! Deus fez o homem um ser espiritual, físico e social. Como ser humano, o nosso próximo pode ser definido como „um corpo-alma em sociedade'" (Cristianismo Equilibrado, CPAD). Sem o espírito, o fôlego de vida, o ser humano não é nada. Só podemos ser considerados humanos quando as esferas espiritual, física e social estão inseparáveis. Qual a relação desse assunto com a fé? [Comentário: O texto de Tg 2.26 pode ser lido de diferentes formas; alguns o leem assim: Assim como o corpo sem respiração está morto, assim é a fé sem obras. E então eles mostram que as obras acompanham a fé, assim como a respiração acompanha a vida. Outros leem assim: Assim como o corpo sem a alma está morto, assim a fé sem obras está morta também. E então eles mostram que assim como o corpo não tem ação, nem beleza, mas se torna uma carcaça repugnante, depois que a alma se foi, assim uma mera profissão sem obras é inútil, aliás, repugnante e ofensiva. HENRY. Matthew. Comentário Matthew Henry Novo Testamento ATOS A APOCALIPSE Edição completa. Editora CPAD. pag. 837.]

2. Da mesma maneira: fé sem obras é morta. “Assim como o corpo sem o espírito está morto, assim também a fé sem obras é morta” (v.26). Tiago nos ensina que não faz sentido expressarmos uma fé verbalmente se ela não tem ação concreta. Como as pessoas constatarão que eu creio de todo coração em Deus? À medida que os meus atos em relação a elas revelarem o amor do Criador. Se não houver obras de misericórdia, amor, honestidade e carinho ao próximo, a nossa fé estará morta, sepultada. Podemos citar de cor e salteado o Credo Apostólico, o credo da nossa denominação e milhares de versículos da Bíblia. Mas se não ouver ação, tudo não passará de argumentos sem vida. Deus nos livre dessa ignomínia![Comentário: A fé e as boas obras são muito importantes uma para a outra, assim como o corpo é importante para o espírito. As boas obras não são acrescentadas à fé; na verdade, o tipo certo de fé é a fé que realiza “obras”, que resulta em boas obras. Se não fosse assim, o cristianismo não seria nada mais do que um conceito. Ninguém é levado a agir se não tiver fé; a fé de uma pessoa não será real a menos que a leve à ação. A ação é a obediência a Deus. Isto nos leva de volta às palavras de Tiago na primeira parte deste capítulo, a respeito do cuidado pelos outros. O crente deve fazer o que Deus o chama para fazer - servir a seus irmãos e irmãs em Cristo, recusar-se a discriminá-los, e ajudá-los com boas obras. Entender como a fé e as obras trabalham juntas ainda não quer dizer que a nossa vida será diferente. Tiago está a ponto de continuar com uma série de situações de vida que todos nós iremos encontrar. É nestes eventos cotidianos que nós demonstramos se a nossa fé está viva ou morta. De tempos em tempos, precisamos checar a nossa pulsação espiritual, verificando se a nossa vida está de acordo com a Palavra de Deus. Mas nós também precisamos ter pessoas ao nosso redor, o corpo de Cristo, a quem possamos perguntar: “Como você me vê colocando em ação a minha fé em Cristo?” Comentário do Novo Testamento Aplicação Pessoal. Editora CPAD. Vol 2. pag. 677. Tiago conclui esta passagem, reafirmando seu tema central: a sem obras é morta. Do mesmo modo que o corpo sem seu espírito vivificante, ou “fôlego de vida” (Gn 2.7), não passa de um cadáver, assim também a fé, sem as obras que lhe dão vitalidade, é morta. Novamente percebemos que Tiago está preocupado não com que as obras sejam “acrescentadas” à fé, mas, sim, com que se possua o tipo certo de fé, uma fé operante. Sem este tipo de fé, o cristianismo torna-se uma ortodoxia estéril e perde todo o direito de ser chamado de fé. Um tanto quanto ironicamente, ninguém mais do que Lutero captou com tanta força a mensagem básica de Tiago 2.14-26 (em seu prefácio a Romanos): “Oh! esta fé é uma coisa poderosa, sempre ativa e viva. Para ela, é impossível não praticar coisas boas sem cessar. Ela não pergunta se as boas obras devem ser praticadas, mas, antes que a pergunta seja feita, ela já as praticou e está constantemente a realizá-las. Portanto, qualquer pessoa que não pratica tais obras é uma descrente. Ela tateia e olha ao redor em busca de fé e boas obras, mas não sabe o que é a fé nem o que são as boas obras. Mas, mesmo assim, ela vive falando, usando muitas palavras, acerca de fé e boas obras”. Douglas J. Moo. Tiago. Introdução e Comentário. Editora Vida Nova. pag. 116-117.]
SINOPSE DO TÓPICO (3)
Num tempo de superficialidade espiritual e de confusão entre “salvação pela fé” e '‘salvação pelas obras”, a epístola de Tiago é uma mensagem atual sobre a fé posta em prática.

CONCLUSÃO
Sabemos que o ser humano está vivo porque ele tem atividade cerebral intacta, os pulmões funcionam rotineiramente, o coração bombeia o sangue, irrigando todo o corpo. Isto é, o corpo humano está se movimentando naturalmente. Da mesma forma é a fé. Uma fé viva em Deus através do seu Filho, Jesus Cristo, justifica o homem de todo o pecado (Rm 5.1; Tg 2.18-25). Mas uma fé sem obras está morta! É como um corpo humano que não tem vida. Não respira mais. Que possamos viver todas as implicações reais de nossa crença em Deus. [Comentário: Algumas pessoas imaginam que podem agradar a Deus se o acolherem no coração e na mente, mas pouco fizerem por ele com suas ações; e que, por isso mesmo, podem cometer pecados sem fazer violência à fé e sem temor; ou, em outras palavras, que podem ser adúlteros, mas ao mesmo tempo, ser castos, que podem envenenar seus pais, e, contudo, ser piedosos! A julgar por tal raciocínio, aqueles que pecam, mas são piedosos, podem ser lançados no inferno, e, contudo, serem perdoados! Mas ideias como essas são produzidas pela hipocrisia de amigos declarados do Maligno. Em Tiago 2.14-26 vemos o apóstolo chamando a atenção dos cristãos quanto a práticas das boas obras como demonstração da fé que professavam ter em Cristo, ele nos alerta que uma fé incapaz de produzir frutos, é morta e pior, é a fé dos demônios.]
“NaquEle que me garante: "Pela graça sois salvos, por meio da fé, e isto não vem de vós, é dom de Deus" (Ef 2.8)”,
Graça e Paz a todos que estão em Cristo!

Francisco Barbosa
Cor mio tibi offero, Domine, prompte et sincere!

Hoje, de férias em Campina Grande-PB
Agosto de 2014.

BIBLIOGRAFIA SUGERIDA
RICHARDS, Lawrence O. Comentário Histórico-Cultural do Novo Testamento. 1 .ed. Rio de Janeiro: CPAD, 2007.
STAMPS, Donald C (Ed.). Bíblia de Estudo Pentecostal: Antigo e Novo Testamento. Rio de Janeiro: CPAD, 1995.
STRONSTAD, Roger; ARRINGTON, French L. (Eds.) Comentário Bíblico Pentecostal Novo Testamento. 2.ed. Rio de Janeiro: CPAD, 2004
EXERCÍCIOS
1. O que ocorre com a fé se não for acompanhada de ação?
R. Ela se achará morta.
2. Como é a concepção de fé apresentada na Epístola de Tiago?
R. A concepção de fé apresentada na Epístola de Tiago é a confiança em Deus: “Tu crês que há um só Deus?” (v. 19).
3. Segundo a lição, como se manifesta a verdadeira fé?
R. A verdadeira fé, porém, manifesta-se na prática coerente do servo de Deus com tudo aquilo em que ele diz crer.
4. Quais os dois ricos exemplos de fé do Antigo Testamento utilizados por Tiago?
R. A disposição de Abraão em entregar o seu filho a Deus e de Raabe em esconder e proteger os espias.
5. Segundo a lição, como as pessoas poderão constatar que cremos em Deus de todo coração?
R. À medida que os meus atos em relação a elas revelarem o amor do Criador.



NOTAS BIBLIOGRÁFICAS
-. Lições Bíblicas do 3º Trimestre de 2014 - CPAD - Jovens e Adultos;
-. Bíblia de Estudo Pentecostal – BEP (Digital);
-. Bíblia de Estudo de Genebra. São Paulo e Barueri, Cultura Cristã e Sociedade Bíblica do Brasil, 1999;

1º Vídeo Pré-Aula - Dicas da CPAD para que o professor possa dar uma boa aula: A igreja AD EDEM Sorocaba ajuda você na preparação da sua aula de Escola Dominical.



2º Vídeo Pré-Aula - Dicas da CPAD para que o professor possa dar uma boa aula: O AD Londrina ajuda você na preparação da sua aula de Escola Dominical.


3º Vídeo Pré-Aula - Dicas da CPAD para que o professor possa dar uma boa aula: O pastor Natalino das Neves ajuda você na preparação da sua aula de Escola Dominical.


4º Vídeo Pré-Aula - Dicas da CPAD para que o professor possa dar uma boa aula: O pastor Caramuru do Belemzinho ajuda você na preparação da sua aula de Escola Dominical.


5º Vídeo Pré-Aula - Dicas da CPAD para que o professor possa dar uma boa aula: O pastor da CPAD ajuda você na preparação da sua aula de Escola Dominical.


6º Vídeo Pré-Aula - Dicas da CPAD para que o professor possa dar uma boa aula: Weligton Galindo ajuda você na preparação da sua aula de Escola Dominical.



7º Vídeo Pré-Aula - Dicas da CPAD para que o professor possa dar uma boa aula: O pastor Lucas Neto ajuda você na preparação da sua aula de Escola Dominical.


8º Vídeo Pré-Aula - Dicas da CPAD para que o professor possa dar uma boa aula: O pastor Luiz H. Silva ajuda você na preparação da sua aula de Escola Dominical.



9º Vídeo Pré-Aula - Dicas da CPAD para que o professor possa dar uma boa aula: O pastor FÁBIO SEGATE ajuda você na preparação da sua aula de Escola Dominical.


10º Vídeo Pré-Aula - Dicas da CPAD para que o professor possa dar uma boa aula: O pastor DANIEL FERREIRA ajuda você na preparação da sua aula de Escola Dominical.


11º Vídeo Pré-Aula - Dicas da CPAD para que o professor possa dar uma boa aula: O pastor CANAL DA TV ajuda você na preparação da sua aula de Escola Dominical.


12º Vídeo Pré-Aula - Dicas da CPAD para que o professor possa dar uma boa aula: O pastor LUIZ LIMA ajuda você na preparação da sua aula de Escola Dominical.


13º Vídeo Pré-Aula - Dicas da CPAD para que o professor possa dar uma boa aula: PCC ajuda você na preparação da sua aula de Escola Dominical.





ESBOÇO Nº 7
LIÇÃO Nº 7 – A FÉ SE MANIFESTA EM OBRAS
                                               A fé verdadeira produz boas obras.
INTRODUÇÃO
- Na sequência do estudo da epístola universal de Tiago, estudaremos a passagem de Tg.2:14-26.
A fé verdadeira produz boas obras.
I – A FÉ SEM OBRAS PARA NADA APROVEITA
- Na sequência do estudo da epístola universal de Tiago, estaremos a estudar a passagem de Tg.2:14-26, onde está o núcleo central da questão da fé e das obras, que é o principal tema desta epístola e que a tem causado uma série de discussões ao longo da história da Igreja, diante do entendimento de alguns, que já temos visto neste trimestre ser equivocado, de que haveria uma contradição entre o que ensina Tiago e o que ensina o apóstolo Paulo em seus escritos.
- Tiago estava a discorrer sobre a “lei real”, a “lei de Cristo” ou “lei da liberdade”, mostrando que o verdadeiro servo de Cristo Jesus tinha de ter maior justiça do que os escribas e fariseus (Mt.5:20), uma vez que, ao contrário dos religiosos judeus daquele tempo, não se preocupava apenas em ter uma aparência exterior de santidade, mas uma santidade real, que advinha desde o interior, tanto que, se quebrasse um mandamento, estaria a quebrar todos os outros, uma concepção bem diferente daquela defendida pelos religiosos meramente formais.
- Já este entendimento de Tiago mostra-nos, com absoluta clareza, que seu entendimento é em tudo coerente e harmônico com o do apóstolo Paulo, que, também, em seus escritos, mostra que a fé nasce de uma operação sobrenatural, através do ouvir pela Palavra de Deus (Rm.10:17), fé que opera a justificação do homem (Rm.5:1), fazendo com que o homem venha a ter comunhão com o Senhor, passando a ter vida espiritual.

- Mantendo esta linha de pensamento, o irmão do Senhor, então, faz uma pergunta importantíssima: “Meus irmãos, que aproveita se alguém disser que tem fé e não tiver as obras? Porventura a fé pode salvá-lo? (Tg.2:14).

Compartilhar no Google Plus

Sobre Hubner Braz

Criador, colunista e administrador do Pecador Confesso. Fascinado e apaixonado por DEUS!! Formado Bacharel em Teologia pela FATESP e F. Mêcanica pela FATEC-SP e Presbítero na A.D. Belem-Missão em Sorocaba, onde o Pastor Presidente é o Rev. Osmar José da Silva - CGADB, Tenho 1João 1:7-9 injetado na veia!.
    Blogger Comment
    Facebook Comment

0 Milhões de Confessos:

Postar um comentário

Não deixe de participar, a sua opinião é de extrema importância!

Críticas são bem vindas quando a pessoa se identifica.