Lição 12 - Os pecados de Omissão e de Opressão - 21 de Setembro de 2014 - EBD - CPAD

TEXTO ÁUREO
"Aquele, pois, que sabe fazer o bem e o não faz comete pecado"
(Tg 4.17).
VERDADE PRÁTICA
Os pecados de omissão e opressão são tão repulsivos diante de Deus quanto às demais transgressões.
HINOS SUGERIDOS 5, 50, 155
LEITURA DIÁRIA
Segunda - Gn 3.1-24                A queda do ser humano
S
Terça - Is 59.2                 O pecado nos separa de Deus
T
Quarta - Jo 1.29               O Cordeiro de Deus que tira o pecado
Q
Quinta - Hb 9.22               Remissão pelo sangue de Jesus
Q
Sexta - 1 Jo 1.7                  O sangue de Jesus purifica de todo pecado
S
Sábado - 1 Rs 8.46                      Não há quem não peque
S
 LEITURA BÍBLICA EM CLASSE
Tiago 4.175.1-6
INTERAÇÃO

Professor, na lição de hoje estudaremos a respeito dos pecados de omissão e opressão. Também veremos a exortação de Tiago em relação ao julgamento dos ricos impiedosos. O meio-irmão do Senhor adverte os ricos, não pela posse de bens materiais, mais porque estes não eram bons mordomos dos seus bens. Segundo Tiago, estes ricos exploravam os pobres (Tg 2.5,6). Atitude esta que Deus abomina. 
O Senhor deseja que venhamos utilizar nossos recursos para ajudar as pessoas necessitadas, não somente para o nosso deleite e prazer. Que possamos utilizar nossos bens para promover o Evangelho e ajudar as pessoas, pois "a fé sem obras é morta". Tiago mostra que os ricos estavam tão absortos em seus deleites que nem se deram conta do juízo divino e da desgraça que se abateu sobre eles: "As vossas riquezas estão apodrecidas, e as vossas vestes estão comidas da traça" (5.2). Que venhamos utilizar nossos bens com sabedoria.

 OBJETIVOS

Após esta aula, o aluno deverá estar apto a:
Conscientizar-se dos perigos do pecado de omissão.
Mostrar que adquirir bens à custa da exploração alheia é pecado.
Saber que Deus ouve o clamor dos trabalhadores injustiçados.

ORIENTAÇÃO PEDAGÓGICA

Professor, reproduza o quadro abaixo para os alunos. Utilize-o para mostrar como a Palavra de Deus identifica a riqueza. Enfatize que a riqueza não é e jamais será um sinal de fé ou do favor divino. Explique que Jesus fez duras criticas aqueles que amam os bens materiais. O Mestre declarou: "Quão dificilmente entrarão no reino de Deus os que têm riquezas" (Lc 18.24).

R I Q U E Z A S
A sua busca insaciável e avarenta é idolatria
Cl 3.5
Segundo Jesus é um obstáculo à salvação
Mt 19.2413.22
Transmite um falso senso de segurança, enganam
Lc 12.15-21
Exigem total fidelidade do coração.
Mt 6.21
Levam as pessoas a caírem em tentação.
1 Tm 6.9
O amor a elas é raiz de muitos males.
1 Tm 6.10
 COMENTÁRIO
 INTRODUÇÃO

Nesta lição, estudaremos a contundente reprimenda da Palavra de Deus à opressão dos ricos contra os pobres. A denúncia de Tiago é semelhante a dos profetas do Antigo Testamento: de Isaías, de Ezequiel, de Amós, de Miqueias e de Zacarias (Is 3.14,1558.7Ez 16.49Am 4.15.11,128.4-8Mq 6.12Zc 7.10) contra os senhores que oprimiam os pobres. É importante refletirmos sobre este assunto, pois alguns pensam que as advertências dos santos profetas ficaram restritas à época da Lei (Lv 25.35Dt 15.1- 4,7,8). Entretanto, o mesmo tema é alvo do ensinamento do próprio Senhor Jesus (Lc 6.24,25). Igualmente, o livro de Atos nos informa que a Igreja do primeiro século cuidava dos pobres (At 2.42-45). Isso significa que o tema abordado nesta lição é atual e urgente.

O autor da lição inicia seu estudo mostrando que não podemos refugiar-se na desculpa de que não tenha feito nada de absolutamente errado; como a Escritura deixa bem claro, os pecados de omissão são tão reais e graves como os de comissão.
O do capítulo cinco parece que Tiago não critica os ricos simplesmente por serem ricos. Aqui há a suposição de que este acumulou sua fortuna desonestamente e gastou consigo só. Riqueza pode ser bênção ou pode ser uma grande maldição. Depende de como ela é adquirida e administrada.
Alguém disse que há quatro classes de pessoas em termos de posses:
1. Aquelas que são ricas em coisas materiais e pobres nas coisas de Deus.
2. Aquelas que são pobres neste mundo e ricas para com Deus.
3. Aquelas que são pobres neste mundo e no próximo.
4. Aquelas que têm uma quantidade considerável de bens materiais e por saberem como aplicar, também são ricas no mundo vindouro. Mas essas pessoas não são numerosas.
Em Tiago 5:1-6, o Espírito Santo parece enfatizar duas verdades importantes: 1) O texto mostra que há falta de importância em bens materiais. Ao contrário da crença popular, o dinheiro não compra felicidade; 2) Mostra a depravação da alma que coloca toda a sua confiança nos bens materiais, ao invés de confiar apenas em Deus. No mundo materialista em que vivemos, é um alerta correto.

 I. O PECADO DE OMISSÃO (Tg 4.17)

1. A realidade do pecado.
Um dia o homem resolveu voluntariamente desobedecer a Deus (Gn 3.1-24). O pecado, então, tornou-se uma realidade fatal. A partir dessa atitude rebelde, todas as relações dos seres humanos entre si, com o Criador e com a criação, foram distorcidas (Rm 1.18-32). Assim, a humanidade e a criação sofrem e gemem como vítimas da vaidade humana (Rm 8.19-22). Não somos capazes de, por nós mesmos, vencermos o pecado! Contudo, em Jesus toda essa grave realidade pode ser superada, pois o Pai enviou o seu Filho para que morresse por nós e, assim, resgatasse-nos da miséria do pecado (Rm 8.3Hb 10.1-39).

As Escrituras declaram, a observação descobre e a experiência humana comprova que o pecado é um fato inconteste. O pecado é um vírus, que atingiu toda a raça humana. É uma chaga universal. E um tormento coletivo. Somente Jesus pode libertar o homem de seus funestos efeitos. O pecado é uma realidade que leva o homem a prática do mal e como consequência gera a opressão, a luta, a guerra, o sofrimento e por fim a morte.

Negar a existência do pecado é negar por extensão a veracidade da Escritura. Ela, no seu escopo geral, afirma do princípio ao fim que o pecado existe. O pecado é qualquer transgressão contra a vontade revelada de Deus. Para quem tem olhos para ver, o pecado está manifesto por toda parte. Realmente deve estar com visão enfraquecida quem não vê as operações arruinantes, maléficas, torcidas, brutais e bestiais do pecado, no mundo em geral e na vida humana.  E além disso, após pecar contra Deus o homem tomou-se sensível ao pecado. Quando o homem peca por qualquer razão ou motivo, ele sente o remorso da consciência, devido ao mal praticado e, em alguns casos, sofre as consequências da ação praticada contra Deus ou contra a sociedade. O homem é dotado de uma consciência sensível. O animal não possui esta consciência com sensibilidade de culpa. O homem quando comete um crime (peca), sua tendência é fugir do local e ocultar qualquer prova de seu delito. O animal não. Ele comete um ato errado, mas permanece no local como se nada tivesse acontecido (1 Rs 13.24,28). A besta não tem traço algum de consciência de Deus; não tem, portanto, natureza religiosa. Para ela não há sensibilidade do pecado nem o peso da consciência. Quando o homem peca, através de sua consciência, ele sente em sua alma ou em seu sistema psicossomático o peso do pecado (Nm 32.23). Se o pecado não fosse uma realidade jamais isso seria possível de acontecer. Também presenciamos a realidade de morte, que entrou no mundo por causa do pecado. “Portanto, como por um homem entrou o pecado no mundo, e pelo pecado a morte, assim também a morte passou a todos os homens por isso que todos pecaram” (Rm 5.12).

2. O pecado de comissão (Gn 3.17-19). A partir da realidade do pecado algumas formas de pecados podem ser verificadas nas Escrituras. Uma delas é o pecado de comissão, ou seja, realizar aquilo que é expressamente condenado por Deus. Os nossos pais, Adão e Eva, foram proibidos de comer do fruto da árvore do bem e do mal. Entretanto, ainda assim dela comeram. Realizar conscientemente o que Deus de antemão condenou é um atentado à sua santidade e justiça (Sl 106.6).

Que é o pecado? Pecado é transgredir a lei de Deus. A Bíblia diz em 1 João 3.4 “Todo aquele que pratica o pecado transgride a Lei; de fato, o pecado é a transgressão da Lei (NVI).” A Bíblia diz em 1 João 5.17 “Toda a iniquidade é pecado.”

O que é a lei de Deus? São os ensinos de Sua Palavra registrados na Bíblia, a fim de nos levar a uma vida sem pecado.

O pecado de comissão começa dentro de nós. A Bíblia diz em Marcos 7.20-23 “Portanto, pelos seus frutos os conhecereis. Nem todo o que me diz: Senhor, Senhor! entrará no reino dos céus, mas aquele que faz a vontade de meu Pai, que está nos céus. Muitos me dirão naquele dia: Senhor, Senhor, não profetizamos nós em teu nome? e em teu nome não expulsamos demônios? e em teu nome não fizemos muitas maravilhas? E então lhes direi abertamente: Nunca vos conheci: apartai-vos de mim, vós que praticais a iniquidade”.
O pecado de comissão é um ato, palavra ou desejo contrário à lei eterna. Isto significa que o pecado de comissão é um ato humano, já que requer o concurso da liberdade, e se expressa em atos externos, palavras ou atos internos. Além do mais, este ato humano é mau, isto é, opõe-se à lei eterna de Deus, que é a primeira e suprema regra moral, fundamento das demais. De modo mais geral, pode-se dizer que o pecado é qualquer ato humano oposto à norma moral, isto é, à reta razão iluminada pela fé. Trata-se, portanto, de uma tomada de posição negativa com respeito a Deus e, em contraste, um amor desordenado a nós mesmos. Esse foi o grande motivo da queda de nossos primeiros pais.
Antes de sermos salvos não sentíamos o prejuízo desse pecado. Tudo o que sentíamos era o pequeno remorso dos muitos pecados. Mesmo depois que nos tornamos cristãos, o que nos entristecia eram os nossos muitos pecados, não o pecado em si. Apesar de salvos agora, ainda podemos cair no pecado de comissão como mentir ou perder a calma, ter ciúmes e ser orgulhosos, ou sermos inadvertidamente relaxados com os pertences alheios. Portanto, esses pecados individuais nos aborrecem. Que devemos fazer? Chegar diante de Deus e pedir perdão por esses itens um a um. Podemos dizer: “Ó Deus, eu agi mal hoje. Pequei novamente. Por favor, perdoe-me” e Ele a pronto a nos perdoar.

3. O pecado de omissão (Tg 4.17). Outra forma muito comum é o pecado de omissão. Essa forma de transgredir as leis divinas, muitas vezes, é ignorada entre o povo de Deus. Porém, as consequências do seu julgamento não serão menores diante do Altíssimo (Mt 25.31-46). Não é apenas deixando de obedecer a lei expressa de Deus que incorremos em pecado, mas de igual modo, quando omitimo-nos de fazer o bem pecamos contra Deus e a sua justiça (Lc 10.25-37Jo 15.22,24).

As Escrituras Sagradas revelam em alguns textos o pecado de omissão:

1) Lucas 10.30-37:  Na parábola do bom Samaritano, o sacerdote e o Levita pecaram não fazendo o que eles sabiam ser bom e direito.  Eles pecaram não amando o próximo deles.

2) Mateus 25.24-30:  O homem que recebeu um talento do seu Senhor sabia de sua responsabilidade. Entretanto, escolheu enterrar o talento, em vez de trabalhar. Assim, ele pecou contra o seu Senhor e foi castigado por isso.
3) Mateus 25.41-46:  Jesus adverte muitos serão lançados no fogo eterno porque não fizeram o que era correto com seus irmãos.
Isto nos leva a uma reflexão a respeito daquilo que fazemos e deixamos de fazer, pois a partir do instante que chegamos a essa conclusão, muitas das coisas que não estamos fazendo e a respeito das quais achávamos estar tomando a atitude correta, está nos levando  a ser tão pecadores quanto as pessoas que cometem seu erros, pois conhecimento implica em responsabilidade. As pessoas conhecem a vontade de Deus, mas deliberadamente a desobedecem. Nosso pecado torna-se mais grave, mais hipócrita e mais danoso do que o pecado de um incrédulo ou ateu.  Mais grave porque pecamos contra um maior conhecimento. Mais hipócrita porque declaramos que cremos, mas desobedecemos. Mais danoso porque os nossos pecados são mestres do pecado dos outros. O apóstolo Pedro diz: “Porque melhor lhes fora não terem conhecido o caminho da justiça, do que, conhecendo-o, desviarem-se do santo mandamento que lhes fora dado” (2Pe 2.21).
Por que as pessoas que conhecem a vontade de Deus, deliberadamente a desobedecem? Em primeiro lugar, por orgulho. O homem gosta de considerar-se o dono do seu próprio destino, o capitão da sua própria alma. Em segundo lugar, pela ignorância da natureza da vontade de Deus. Muitas pessoas têm medo da vontade de Deus. Pensam que Deus vai fazê-las miseráveis e infelizes. Mas a infelicidade reina onde o homem está fora da vontade de Deus. O lugar mais seguro para uma pessoa estar é no centro da vontade de Deus.
O que acontece àqueles que deliberadamente desobedecem a vontade de Deus? Eles são disciplinados por Deus até se submeterem (Hb 12.5-11). Eles perdem recompensas espirituais (lCo 9.24-27). Finalmente, eles sofrerão consequências sérias na vinda do Senhor (Cl 3.22-25).

SINOPSE DO TÓPICO (1)
Deus é santo e abomina tanto o pecado de comissão como o de omissão.

 II. - O PECADO DE ADQUIRIR BENS À CUSTA DA EXPLORAÇÃO ALHEIA (Tg 5.1-3)

1. O julgamento divino sobre os comerciantes ricos (v.1). Não é a primeira vez que Tiago menciona os ricos em sua epístola (Tg 1.9-112.2-6). Entretanto, aqui há uma particularidade. Enquanto nos outros textos o meio-irmão do Senhor faz advertências ou denúncias contra os ricos, o quinto capítulo apresenta o juízo divino contra eles. Da forma em que o texto da epístola está construído, percebemos que não há indício algum de que a sentença divina é exclusiva para os que conhecem a Deus, deixando “os ricos ignorantes” de fora do juízo divino. O alvo aqui são todos os ricos, crentes ou descrentes, que conduzem os seus negócios de maneira desonesta e opressora contra os menos favorecidos.

Num linguajar mais claro o que Tiago diz é: Se vocês soubessem o que estão fazendo—diz aos ricos — vocês chorariam e uivariam de terror por causa do juízo que vem agora sobre vocês com a chegada do Dia do Senhor. O vívido deste quadro é reforçado pelo uso que Tiago faz do verbo ololuzein, traduzido como uivar. Ololuzein é uma palavra onomatopéica, leva seu significado em seu próprio som, mas significa ainda mais que uivar: é dar alaridos, é ulular. No Antigo Testamento frequentemente aparece para descrever o terrível pânico daqueles sobre quem caio juízo de Deus (Isaías 13:6; 14:31;1 15:3; 16:7; 23:1,14; 65:14; Amós 8:3). Bem poderíamos dizer que este vocábulo descreve aqueles que estão passando pelas torturas da condenação.

“Chorai e pranteai”. Os leitores da epístola são exortados a purificar-se do pecado (“aflijam-se, pranteiem e lamentem” [4.9]) e a arrepender-se. Tiago não dá aos ricos nenhuma esperança de arrependimento, mas diz a eles que “chorem e pranteiem”. O termo chorar, na verdade, significa “gemer”. Ele descreve o som de uma pessoa que está sofrendo grande dor ou tristeza. Qual é, então, a diferença entre chorar de arrependimento e chorar sem arrependimento? João Calvino observa: “O arrependimento tem, de fato, o seu choro, mas este é misto de consolação, não se transforma em gemido”. A vida de luxo dos ricos está prestes a tomar-se uma vida repleta de miséria que inclui sofrimento, a “dor causada por doenças físicas”

2. O mal que virá (v.2). De modo geral, onde se encontra a confiança dos ricos? A Bíblia afirma que a confiança dos ricos está amparada nos bens que possuem (Pv 10.1518.1128.11). Não atentando para a brevidade da vida e a transitoriedade dos bens materiais, eles orgulham- -se e confiam na quantidade de bens que possuem (Jr 9.231 Tm 6.9,17). Tiago diz que as riquezas dos ricos desonestos e arrogantes estão apodrecidas e as suas roupas comidas pela traça, isto é, brevemente elas se mostrarão ineficazes para garantir-lhes o futuro. Os ricos opressores terão uma triste surpresa em suas vidas!

Tiago começa agora a expor as desventuras a que se referiu no verso anterior. A primeira delas é que as riquezas que os ímpios acumularam zelosamente ao longo da vida estão sendo destruídas (5.2,3). É nesse sentido que Tiago declara: vossas riquezas estão apodrecidas. As riquezas dos ímpios, ajuntadas e entesouradas cuidadosamente, preservadas e protegidas zelosamente, na verdade, do ponto de vista da eternidade e do ponto de vista de Deus, estão apodrecidas, rotas, corroídas. Ou seja, não têm valor algum, pois “as riquezas de nada aproveitam no dia da ira” (Pv 11.4;  Pv 10.2). O que dará o homem em troca de sua alma?

Tiago especifica dois tipos de riqueza comuns em seus dias. O primeiro eram as roupas: as vossas roupagens [estão] comidas de traça. Roupas finas eram consideradas como parte das riquezas que uma pessoa tinha. O rico, no Antigo Oriente, era descrito geralmente como alguém que se vestia de forma esplendorosa, com roupas caras, como o rico da história de Lázaro, que “se vestia de púrpura e linho finíssimo” (Lc 16.19). O próprio Tiago, ao descrever a entrada de um rico na Igreja, se refere a ele como alguém com “anéis de ouro nos dedos, em trajos de luxo” (2.2). A realidade, porém, quanto àquelas roupas esplêndidas, é que, aos olhos de Deus, e da perspectiva do juízo, eram como roupas comidas pela traça, praga comum naqueles dias. “Eram roupas caras que vieram como herança de família, mas comidas pela traça. Um quadro muito vívido” (A. T. Robertson). Roupas roídas pela traça são usadas na Escritura como figura do castigo divino sobre a arrogância e a opulência dos ímpios (Ver SI 39.11; Is  50.9; 51.8; Os 5.12). Sobre esses ricos sobreveio aquilo que disse o Senhor: “Não acumuleis para vós outros tesouros sobre a terra, onde a traça e a ferrugem corroem e onde ladrões escavam e roubam” (Mt 6.19). O segundo tipo de riqueza eram o ouro e a prata, que Tiago menciona no verso seguinte.

3. A corrosão das riquezas e o juízo divino (v.3). Jesus de Nazaré falou do mesmo assunto no Sermão da Montanha, ao advertir que “não [devemos ajuntar] tesouros na terra, onde a traça e a ferrugem tudo consomem, e onde os ladrões minam e roubam” (Mt 6.19). Sabemos que nos dias atuais, muitos ignoram esta admoestação do Senhor, dizendo que não é bem isso que Ele quis dizer. Ora, então do que se tratava o assunto do nosso Senhor, senão do perigo de se acumular bens neste mundo? A arrogância demonstrada pelo rico insensato revela esse desvario do nosso tempo (Lc 12.15-21). Olhando para os dois textos citados, tanto o de Mateus quanto o de Lucas, é impossível não atentar mos para essas duas perspectivas: a denúncia para o mal da riqueza e a revelação profética do juízo divino contra a confiança nela (Ap 3.176.1513.16).

Tiago admoesta os ricos, pois estes permitiram que sua riqueza se corrompesse. O verbo, na verdade, significa “decompor-se” e parece aplicar-se a suprimentos de comida. Deus criou a natureza de maneira tal que cada estação de colheita trouxesse um novo suprimento de comida para homens e animais. Os suprimentos, portanto, não deveriam ser acumulados (Lc 12.16-20), pois estavam sujeitos a estragar-se. O que Deus oferece por meio da natureza deve ser usado para o sustento diário de suas criaturas (Mt 6.19). Com uma distribuição adequada desses suprimentos ninguém deveria passar fome, pois a terra abundante de Deus produz alimento suficiente para todos. Os ricos guardam suas vestes caras e, com o tempo, veem que foram destruídas pelas larvas que as devoraram. Um inseto noturno insignificante deposita ovos que se abrem nos trajes de luxo. Esses trajes ficam arruinados e perdem seu valor (Jó 13.28; Is 51.8). “O vosso ouro e a vossa prata se enferrujaram”. É claro que metais preciosos não enferrujam. Portanto, é preciso que expliquemos o verbo enferrujar de modo figurativo, e não literal. O acúmulo de prata e ouro com o simples fim de tê-los não serve para nenhum propósito importante. De certa forma, esses metais são tão inúteis quanto se estivessem enferrujados. Tiago fala da ferrugem para indicar como as posses terrenas não têm valor. Num outro sentido, a corrosão dos metais tem uma conotação negativa. Num tribunal, por exemplo, isso pode ser usado como evidência contra o rico, ou seja, alguém pode acusar o rico de não ser um administrador digno de suas riquezas. Ao invés de ajudar o pobre e ir ao encontro de suas necessidades, essas pessoas ricas acumulam suas riquezas, usando-as para os próprios prazeres egoístas ou não usando para propósito algum. Tiago é um tanto descritivo nas denúncias que faz contra os ricos. Ele diz que “[a ferrugem] comerá como fogo a vossa carne”. O fogo é uma força devastadora; a temperaturas suficientemente altas, ele consome tudo o que estiver no seu caminho. Tiago faz uma alusão ao julgamento de Deus que está para vir sobre eles (ver Dt 24.4; Is 10.16,17; 30.27; Ez 15.7; Am 5.6). Desse julgamento, eles não podem escapar. Em outras palavras, apesar de um dia todos terem que se apresentar diante do trono de julgamento, a ira de Deus pode cair sobre o pecador ainda em vida, de modo que seu corpo físico seja destruído. O rei Herodes, gloriando-se de seu próprio poder e riquezas, experimentou o julgamento imediato de Deus quando “um anjo do Senhor o feriu” (At 12.23 ARA).

SINOPSE DO TÓPICO (2)
A Palavra de Deus condena àqueles que adquirirem riquezas as custa da exploração dos pobres e necessitados

 III.  O ESCASSO SALÁRIO DOS TRABALHADORES “CLAMA” A DEUS (Tg 5.4-6)

1. O clamor do salário dos trabalhadores (v.4). O Evangelho alcança pessoas de todos os tipos e classes sociais. Muitos que constituem a classe alta econômica de nossa nação têm crido em Cristo. Outros filhos do nosso meio têm emergido e alcançado altos patamares econômicos. De funcionários, tornaram-se patrões, juízes, políticos, etc. Por isso, é preciso advertir que a Bíblia tem conselhos divinos claros para a ética do homem cristão que se tornou rico ou do rico que se tornou cristão. Neste quarto versículo, com tons graves, o líder da igreja de Jerusalém levanta-se como um profeta veterotestaméntario bradando contra a injustiça social (Jr 22.13Ml 3.5). Para tal exercício, Tiago evoca a Lei, isto é, utiliza a Escritura do primeiro testamento para fundamentar a sua redação epistolar (Dt 24.14,15). O meio-irmão do Senhor adverte que o Todo-Poderoso certamente se levantará contra toda a sorte de opressão e injustiça!

O rico egoísta obteve sua riqueza mediante a injustiça. A Bíblia sempre insiste em que o trabalhador é digno de seu salário (Lucas 10:7; 1 Timóteo 5:18). Na Palestina o trabalhador vivia sempre à beira da própria inanição. Seu salário era muito exíguo e, portanto, resultava-lhe impossível economizar algo. Por isso que se o salário lhe era retido, ainda que fosse um só dia, tanto ele como sua família não poderiam comer, e isto dito literalmente. É  por isso que as sensíveis leis da Escritura várias vezes insistem no pago imediato do salário aos operários contratados. “Não oprimirás o jornaleiro pobre e necessitado de teus irmãos, ou de teus estrangeiros, que estão, na tua terra e nas tuas portas. No seu dia lhe darás o seu jornal, e o sol se não porá sobre isso: porquanto pobre é, e sua alma se atém a isso: para que não clame contra ti ao Senhor, e haja em ti pecado.” (Dt 24.14,15). “a paga do jornaleiro não ficará contigo até à manhã.” (Lv 19.13). “Não digas ao teu próximo: Vai e volta amanhã; então, to darei, se o tens agora contigo” (Pv 3.27-28 ARA). “Ai daquele que edifica a sua casa com injustiça e os seus aposentos, sem direito! Que se vale do serviço do seu próximo, sem paga, e não lhe dá o salário” (Jr 22.13 ARA). Os que “defraudam o salário do jornaleiro” estão sob a condenação de Deus (Ml 3. 5 ARA).  A lei da Bíblia é nada menos que o contrato do jornaleiro. A preocupação social da Bíblia se expressa por igual nos preceitos da Lei, nas palavras dos profetas e no pensamento dos sábios. Diz-se que o clamor dos trabalhadores defraudados chegou aos ouvidos do Senhor dos Exércitos, e estes exércitos são as hostes do céu, as estrelas e as potências celestiais. O ensino consequente da Bíblia nos assegura que o Senhor do universo, que mantém as estrelas em sua mão e que ordena aos anjos, preocupa-se com os direitos do trabalhador.

2. A regalia dos ricos que não temem a Deus cessará (v.5). O versículo cinco lembra a
denúncia proferida por Jesus em Lucas 16.19-31, quando o Senhor fala acerca do mendigo Lázaro e do rico opressor: uma vida regalada que não se importava com o futuro e com o próximo, vivendo festejos como se o fim nunca fosse chegar. Deleitando-se em suas riquezas, mal pensava o rico que entesourava para si juízos de Deus.

Apesar da fome e da miséria que campeiam ao seu redor, o rico avarento, não temente a Deus,  deliciosamente vive sobre a terra, a engordar o seu coração com a gordura dos prazeres terrenos. Para ele não importa a existência de pessoas as quais falta o mínimo para sua subsistência. Se ele possui o bastante e de sobra, não importa quem não possui nada. Ou seja, além de roubar dos pobres, os ricos são condenados também por viverem regaladamente . Eles vivem em extravagante conforto, com o dinheiro que eles roubaram dos pobres famintos. Os ricos viviam além das fronteiras do conforto, eles viviam no território dos vícios, onde nunca negavam a si mesmos qualquer prazer. Em segundo lugar, os ricos estavam cada vez mais opulentos controlando as coortes (5.6a). A regra de ouro do mundo é que aqueles que têm o ouro é que fazem as regras. Os ricos se fortalecem porque compram as sentenças, subornam os tribunais e assim oprimem ainda mais os pobres que não podem oferecer resistência. Tiago chama a vítima de “o justo”. Os ricos roubam-lhe os bens, negam-lhe os direitos, abafam-lhe a voz. Os ricos compram os tribunais, torcem as leis, violam a justiça, oprimem os fracos e fecham-lhes a porta da esperança.

3. O pobre não resiste à opressão do rico (v.6). Há severas condenações no Antigo Testamento contra a opressão dos menos favorecidos (Êx 23.6Dt 24.17). O fato de essa advertência aparecer em o Novo Testamento indica a gravidade dessa atitude (1 Tm 6.17-19). Muitos podem se perguntar por que a Bíblia é tão dura contra os ricos injustos. Uma vez que eles estão economicamente bem posicionados, o pobre, ou “justo”, sucumbe à sua opressão, restando a eles apenas Deus para defendê-los. Assim, mesmo que o pecado de opressão continue sendo consumado, entendemos biblicamente que o Senhor dos Exércitos continua a ouvir o clamor dos pobres!

Como entender o termo “matastes o justo”? Podemos interpretá-lo literalmente ou figurativamente. Aqueles ricos que talvez tenham arrastado os pobres aos tribunais agora são culpados de homicídio. Direta ou indiretamente eles mataram um ser humano que era incapaz de se defender.

Também podemos entender a palavra metaforicamente. Um homem rico que deixa de pagar o salário de um trabalhador, por exemplo, está privando-o de seu ganha-pão e, assim, indiretamente, comete um ato de homicídio. No século segundo antes de Cristo, Josué bem Sira disse: “oferecer em sacrifício o produto da injustiça é uma oferta defeituosa, e os dons dos que violam a Lei não poderão ser bem aceitos”.

Ao considerarmos os dois verbos, condenar e assassinar, em conjunto, podemos compreender que o texto afirma que os ricos tinham ido ao tribunal e usado sua riqueza para subverter a justiça. Estavam determinados a livrar-se do pobre, mesmo que este fosse reto e não tivesse feito oposição aos ricos. Com a lei do seu lado, haviam cometido homicídio. Os detalhes exatos de tempo, lugar e circunstâncias não são revelados por Tiago. Ele está interessado apenas no fato de que os ricos mataram homens inocentes.
Os ricos se fortalecem porque compram as sentenças, subornam os tribunais e assim oprimem ainda mais os pobres que não podem oferecer resistência. Tiago chama a vítima de “o justo”. Os ricos roubam-lhe os bens, negam-lhe os direitos, abafam-lhe a voz. Os ricos compram os tribunais, torcem as leis, violam a justiça, oprimem os fracos e fecham-lhes a porta da esperança. Os pobres não tinham como resistir os ricos. Eles controlavam as próprias cortes. Eles só podiam apelar para Deus, o justo juiz.

 SINOPSE DO TÓPICO (3)

Deus ouve o clamor dos trabalhadores injustiçados. Ele é justo e não aceita nenhuma forma de opressão e injustiça.

 CONCLUSÃO

As advertências de Tiago são relevantes e oportunas para os nossos dias. Quanto engano tem sido cometido por ensinamentos deturpados em nome de uma suposta prosperidade. Tal teologia tem levado muitas pessoas a tornarem-se materialistas. Tiago nos exorta a demonstrarmos uma fé verdadeira, não apenas de palavras, mas principalmente em obras (Tg 2.14-26). De igual maneira, conforme a lição de hoje, o nosso desafio é vivermos um estilo de vida segundo o Evangelho, onde a simplicidade, a modéstia e o contentamento devem ser as suas marcas.

A procura de uma vida luxuosa, egoísta e despreocupada com as necessidades dos outros é condenada por Deus e aponta o seu aborrecimento. Deus já tinha condenado a fraude e consequentemente a retenção dos salários. Agora temos a condenação de pecados específicos fruto de uma opressão econômica e fraudulenta.

Lendo esta passagem, pode ser que você diga: “Ainda bem que eu não sou rico, isto não é comigo!” Será que não? Como podemos classificar quem são os ricos aqui? Talvez você não tenha tanto dinheiro quanto gostaria de ter. Ou talvez não seja tão rico quanto o Silvio Santos... Mas pense que assim como existem homens muito mais ricos do que ele, existem também muito mais pobres que você. Dependendo da perspectiva, você é rico sim, então esta palavra é para você. Não há nada de errado em ser rico, e não é contra isso que esta passagem trata, mas há uma linha tênue quando se trata de finanças, pois elas revelam muito sobre o nosso coração: nossa atitude com finanças rege nosso coração, ou seja, nossa atitude com o dinheiro tem poder de desqualificar nossa fé em Deus.


Bibliografia:
·         Barclay, William. Comentário do Novo testamento - Tradução: Carlos Biagini;
·         Da Silva Severino Pedro - A Doutrina do Pecado. CPAD
·         De Oliveira, Raimundo. Lições Bíblicas Maturidade Cristã. 1º Trimestre de 1989. CPAD;
·         Henry , Matthew. Comentário Bíblico do Novo Testamento. Vol.2. CPAD
·         Lopes, Hernandes Dias. Tiago: Transformando provas em triunfo. Hagnos;
·         Nicodemus, Augustus. Interpretando a Carta de Tiago. Editora Cultura Cristã;
·         Seckler, Lou. Aprenda a Viver – Lições do Livro de Tiago. Ed. Ixtlan;

AUXÍLIO BIBLIOGRÁFICO I

Subsidio Bibliológico
"Por que contra o rico? (5.1-6)
Em Jerusalém, eram poucas as pessoas da classe alta que se mostravam sensíveis ao Evangelho. Enquanto crescia a perseguição contra a igreja primitiva, muitos crentes perderam sua fonte de subsistência e passaram a ser explorados pelos poderosos. As investidas de Tiago contra os ricos são: 1) eles anseiam aumentar a riqueza com o sofrimento dos outros; 2) defraudam seus empregados; 3) vivem de maneira extravagante, e amam a boa vida; e, 4) matam os justos.
Temos condições de ser pacientes até mesmo quando provocados pela avidez dos exploradores da riqueza. Pois, sabemos que Cristo, o Juiz, está às portas (Tg 5.7-9)"  RICHARDS, Lawrence O. Guia do Leitor da Bíblia: Uma análise de Gênesis a Apocalipse capítulo por capítulo. 9. ed. Rio de Janeiro, CPAD, 2010, p. 875).

AUXÍLIO BIBLIOGRÁFICO II

Subsidio Bibliológico
"Riqueza
A Bíblia Sagrada traz muitas advertências para que não depositemos a nossa confiança nas riquezas materiais (Sl 49.6,7). Também não podemos colocar o nosso coração nas riquezas.
Tiago deixou registradas fortes palavras de advertência aos ricos (Tg 5.1), que também servem, sem dúvida, para os ricos de todas as épocas. Estes, a quem Tiago se referiu, não foram julgados por serem ricos, mas porque haviam feito um mau uso de suas riquezas. Os cristãos também podem fazer um mau uso da riqueza que possuem, seja ela pequena ou grande. Eles também podem, sem dúvida, como vários crentes nos dias de Tiago, invejar aqueles que possuem riquezas. A inveja é um pecado tão grande quanto o mau uso da riqueza. É também muito importante que os meios utilizados para se alcançar a riqueza sejam adequados. Evidentemente, aqueles a quem Tiago se dirige em 5.1 haviam enriquecido às custas da exploração dos trabalhadores"  (PFEIFFER, Charles F.; REA, John; VOS, Howard F.  (Eds.).Dicionário Bíblico Wycliffe. 1. ed. Rio de Janeiro, CPAD, 2009, p. 1680).

BIBLIOGRAFIA SUGERIDA
RICHARDS, Lawrence O. Comentário Histórico-Cultural do Novo Testamento. 1. ed. Rio de Janeiro, CPAD, 2007.
ARRINGTON, French L; STRONSTD (Eds.).  Comentário Bíblico Pentecostal Novo Testamento. Vol. 2. 4. ed. Rio de Janeiro, CPAD, 2009.

SAIBA MAIS
Revista Ensinador Cristão CPAD
nº59. p.42.

EXERCÍCIOS

1. O que é o pecado de comissão?
R. É realizar aquilo que é expressamente condenado por Deus.

2. O que é o pecado de omissão?
R. Quando omitimo-nos de fazer o bem.

3. O que Tiago apresenta no quinto capítulo?
R. O quinto capítulo apresenta o juízo divino contra os ricos opressores.

4. De modo geral, onde se encontra a confiança dos ricos?
R. Nos seus bens materiais.

5. Cite uma referência bíblica no Antigo Testamento e uma em o Novo que mostram as severas  condenações contra a opressão dos menos favorecidos.
R. Êxodo 23.6 e 1 Timóteo 6.17-19.

1º Vídeo Pré-Aula - Dicas da CPAD para que o professor possa dar uma boa aula: A igreja AD EDEM Sorocaba ajuda você na preparação da sua aula de Escola Dominical.



2º Vídeo Pré-Aula - Dicas da CPAD para que o professor possa dar uma boa aula: O AD Londrina ajuda você na preparação da sua aula de Escola Dominical.


3º Vídeo Pré-Aula - Dicas da CPAD para que o professor possa dar uma boa aula: O pastor Natalino das Neves ajuda você na preparação da sua aula de Escola Dominical.


4º Vídeo Pré-Aula - Dicas da CPAD para que o professor possa dar uma boa aula: O pastor Caramuru do Belemzinho ajuda você na preparação da sua aula de Escola Dominical.


5º Vídeo Pré-Aula - Dicas da CPAD para que o professor possa dar uma boa aula: O pastor da CPAD ajuda você na preparação da sua aula de Escola Dominical.


6º Vídeo Pré-Aula - Dicas da CPAD para que o professor possa dar uma boa aula: Adalberto Santana ajuda você na preparação da sua aula de Escola Dominical.


7º Vídeo Pré-Aula - Dicas da CPAD para que o professor possa dar uma boa aula: O pastor Lucas Neto ajuda você na preparação da sua aula de Escola Dominical.


8º Vídeo Pré-Aula - Dicas da CPAD para que o professor possa dar uma boa aula: O pastor Luiz H. Silva ajuda você na preparação da sua aula de Escola Dominical.



9º Vídeo Pré-Aula - Dicas da CPAD para que o professor possa dar uma boa aula: O pastor FÁBIO SEGATE ajuda você na preparação da sua aula de Escola Dominical.


10º Vídeo Pré-Aula - Dicas da CPAD para que o professor possa dar uma boa aula: O EBD CENTENÁRIO ajuda você na preparação da sua aula de Escola Dominical.


11º Vídeo Pré-Aula - Dicas da CPAD para que o professor possa dar uma boa aula: O pastor CANAL DA TV ajuda você na preparação da sua aula de Escola Dominical.


12º Vídeo Pré-Aula - Dicas da CPAD para que o professor possa dar uma boa aula: O pastor Pr. Junior Batista ajuda você na preparação da sua aula de Escola Dominical.

Em Breve

13º Vídeo Pré-Aula - Dicas da CPAD para que o professor possa dar uma boa aula: PCC ajuda você na preparação da sua aula de Escola Dominical.

Em Breve


ESBOÇO Nº 12
LIÇÃO Nº 12 – OS PECADOS DE OMISSÃO E DE OPRESSÃO
INTRODUÇÃO
- Na sequência do estudo da epístola universal de Tiago, estudaremos hoje a passagem de Tg.4:17-5:6, quando o irmão do Senhor trata dos pecados de omissão e de opressão.
O servo de Cristo Jesus deve sempre fazer o bem.
I – O PECADO DE OMISSÃO
- Na sequência do estudo da epístola universal de Tiago, estudaremos hoje a passagem de Tg.4:17-5:6, quando o irmão do Senhor trata dos pecados de omissão e de opressão.
- Conforme temos visto ao longo das últimas lições, Tiago tem, ao longo de sua epístola, um verdadeiro sermão judaico, mostrado aos destinatários de sua carta, ou seja, os cristãos em geral, quais os perigos que cercam a nossa peregrinação terrena rumo ao céu.
- Assim, a partir do capítulo 3, elencou alguns dos obstáculos que podem causar o fracasso de nossa vida espiritual, a saber: a língua, a sabedoria terrena, a conduta pecaminosa e a presunção humana (que se demonstra pela maledicência ou pelos projetos à revelia de Deus).
- Após ter demonstrado tais perigos, Tiago vai tratar de um tema extremamente sério, qual seja, o do pecado de omissão. Diz o irmão do Senhor: “aquele, pois, que sabe fazer o bem e o não faz, comete pecado” (Tg.5:17).
- Este ensino de Tiago, que encerra a parte relativa à presunção humana, mostra-nos que o pecado pode ser praticado tanto por uma atitude como pela ausência dela.
- O pastor da igreja em Jerusalém já havia, no início de sua epístola, revelado todo o caminho para a geração do pecado, quando nos mostra que o pecado nasce no próprio homem, seja por indução da carne, do mundo ou do diabo, não tendo, jamais, origem em Deus.



Compartilhar no Google Plus

Sobre Hubner Braz

Criador, colunista e administrador do Pecador Confesso. Fascinado e apaixonado por DEUS!! Formado Bacharel em Teologia pela FATESP e F. Mêcanica pela FATEC-SP e Presbítero na A.D. Belem-Missão em Sorocaba, onde o Pastor Presidente é o Rev. Osmar José da Silva - CGADB, Tenho 1João 1:7-9 injetado na veia!.
    Blogger Comment
    Facebook Comment

0 Milhões de Confessos:

Postar um comentário

Não deixe de participar, a sua opinião é de extrema importância!

Críticas são bem vindas quando a pessoa se identifica.