Lição 2: A criação dos Céus, e da Terra - 11 de Outubro de 2015 - EBD Adulto - CPAD


TEXTO ÁUREO
“Pela fé, entendemos que os mundos, pela palavra de Deus, foram criados; de maneira que aquilo que se vê não foi feito do que é aparente” (Hb 11.3). [A fé pela qual entendemos que Deus criou o mundo é a fé na revelação divinamente inspirada que se acha em Gn 1 e noutros trechos das Escrituras (cf. Sl 33.6,9; Is 55.11)]

VERDADE PRÁTICA
A primeira grande verdade da Bíblia é que Deus criou os Céus, a Terra e o ser humano.

LEITURA DIÁRIA
Segunda — Gn 1.1
Deus é o grande Criador de todas as coisas
Terça — Sl 33.6
Pela fé cremos que Deus é o grande Criador dos Céus
Quarta — Is 45.18
Pela fé cremos que Deus criou a Terra
Quinta — Sl 104.14
Pela fé cremos que Deus criou o reino vegetal
Sexta — Sl 104.19
Pela fé cremos que Deus criou o sistema solar
Sábado — Sl 50.10-12
Pela fé cremos que Deus criou os animais

LEITURA BÍBLICA EM CLASSE
Salmos 104.1-14.
1 — Bendize, ó minha alma, ao SENHOR! SENHOR, Deus meu, tu és magnificentíssimo; estás vestido de glória e de majestade.
2 — Ele cobre-se de luz como de uma veste, estende os céus como uma cortina.
3 — Põe nas águas os vigamentos das suas câmaras, faz das nuvens o seu carro e anda sobre as asas do vento.
4 — Faz dos ventos seus mensageiros, dos seus ministros, um fogo abrasador.
5 — Lançou os fundamentos da terra, para que não vacile em tempo algum.
6 — Tu a cobriste com o abismo, como com uma veste; as águas estavam sobre os montes;
7 — à tua repreensão, fugiram; à voz do teu trovão, se apressaram.
8 — Subiram aos montes, desceram aos vales, até ao lugar que para elas fundaste.
9 — Limite lhes traçaste, que não ultrapassarão, para que não tornem mais a cobrir a terra.
10 — Tu, que nos vales fazes rebentar nascentes que correm entre os montes.
11 — Dão de beber a todos os animais do campo; os jumentos monteses matam com elas a sua sede.
12 — Junto delas habitam as aves do céu, cantando entre os ramos.
13 — Ele rega os montes desde as suas câmaras; a terra farta-se do fruto das suas obras.
14 — Ele faz crescer a erva para os animais e a verdura, para o serviço do homem, para que tire da terra o alimento.

HINOS SUGERIDOS
3, 252 e 526 da Harpa Cristã.

OBJETIVO GERAL
Compreender que Deus criou os céus e a Terra.

OBJETIVOS ESPECÍFICOS
Abaixo, os objetivos específicos referem-se ao que o professor deve atingir em cada tópico. Por exemplo, o objetivo I refere-se ao tópico I com os seus respectivos subtópicos.

    I. Apresentar o criacionismo bíblico;
    II. Conhecer como se deu a criação do tempo, do espaço e da luz;
    III. Explicar a ordenação da Terra.
    IV. Compreender como e deu a criação da luz;
    V. Saber como foi a separação das águas;
    VI., VII. e VIII. Endender como se deu a formação do reino vegetal, do sistema solar e a criação do reino animal.

INTERAGINDO COM O PROFESSOR
Prezado professor, você crê que os céus e a Terra foram formados por Deus? Então não terá dificuldades no ensino dessa lição. O relato da criação não é uma alegoria. Enfatize, no decorrer da aula, que a narrativa da criação é um fato histórico, ou seja, algo que aconteceu exatamente como a Palavra de Deus narra. Quando o assunto é a criação do universo, sabemos que existem várias teorias que tentam explicar a origem da vida. Porém, como crentes, sabemos que o universo e a vida não são produtos de uma evolução como alguns cientistas tentam afirmar ou o resultado da explosão de uma partícula. Deus é o grande Criador.

COMENTÁRIO

INTRODUÇÃO
O livro de Gênesis não é uma alegoria, por isso, é imprescindível que consideremos a narrativa da criação um fato histórico; algo que aconteceu exatamente como está escrito. Tendo em vista este parâmetro, estudemos, agora, a Doutrina da Criação. Comecemos por definir o Criacionismo Bíblico. [Comentário: Como Deus criou o mundo? Será que ele criou cada espécie diferente de planta e animal de modo direto, ou fez uso de uma espécie de processo evolutivo, guiando o desenvolvimento das coisas vivas a partir das mais simples para as mais complexas? E quanto tempo Deus levou para produzir a criação? Será que ela foi completada no espaço de seis dias de 24 horas, ou Deus serviu-se de milhares ou talvez milhões de anos? Qual é a idade da terra e qual é a idade da raça humana? A Bíblia claramente requer que creiamos que Deus criou o universo do nada. (Algumas vezes a expressão latina ex nihilo, “do nada”, é usada; diz-se então que a Bíblia ensina a criação ex nihilo). Isso significa que, antes de Deus ter começado a criar o universo, nada mais existia exceto o próprio Deus. Como cristãos, temos de diferenciar entre o criacionismo e o evolucionismo, ou seja, como eles são diferentes? Qual é verdadeiro? É possível acreditar em ambos? Estas perguntas podem ser respondidas ao se definir o que o criacionismo bíblico é e como afeta o nosso sistema de crença fundamental. Podemos definir a doutrina da criação da seguinte maneira: Deus criou o universo inteiro do nada; ele era originariamente muito bom; e ele o criou para glorificar a si próprio.] Vamos pensar maduramente sobre a fé cristã?


PONTO CENTRAL
Pela fé cremos que Deus criou os céus e a Terra.

I. O CRIACIONISMO BÍBLICO
1. Definição. O Criacionismo Bíblico é a doutrina segundo a qual Deus criou, a partir de sua palavra, tudo quanto existe: os Céus, a Terra, os reinos vegetal e animal, e finalmente o ser humano (Hb 11.3). [Comentário: A Bíblia claramente requer que creiamos que Deus criou o universo do nada. (Algumas vezes a expressão latina ex nihilo ,”do nada”, é usada; diz-se então que a Bíblia ensina a criação ex nihilo ). Isso significa que, antes de Deus ter começado a criar o universo, nada mais existia exceto o próprio Deus. Essa é a inferência de Gênesis 1.1 que diz: “No princípio Deus criou os céus e a terra”. O Texto Áureo diz: “Pela fé entendemos que o universo foi formado pela palavra de Deus, de modo que aquilo que se vê não foi feito do que é visível” - essa tradução reflete de modo exato o texto grego. Embora o texto não ensine realmente a doutrina da criação ex nihilo, ele chega próximo de fazer isso, visto que diz que Deus não criou o universo de alguma coisa visível. O Autor de Hebreus contesta a idéia de a criação ter vindo de alguma matéria preexistente, como afirmavam os filósofos, e para esse propósito o versículo é inteiramente claro.]
2. Fundamentos. O Criacionismo fundamenta-se na Bíblia Sagrada, na manifestação silenciosa da natureza e nas observações e estudos que dela fazemos (Rm 1.20; Sl 119.1-6). [Comentário: O criacionismo bíblico é fundamental para a fé cristã e foi estabelecido no livro de Gênesis, capítulo um, com "No princípio, criou Deus..." Esta declaração afirma o criacionismo e se opõe a qualquer visão que adote o evolucionismo (a crença de que o universo começou com um "big bang" e tenha evoluído constantemente desde então). Nossos pontos de vista sobre a criação refletem se realmente acreditamos na Palavra de Deus ou se duvidamos da sua veracidade. O salmo 33 também nos diz: “Mediante a palavra do SENHOR foram feitos os céus, e os corpos celestes, pelo sopro de sua boca [...] Pois ele falou, e tudo se fez; ele ordenou, e tudo surgiu” (Sl 33.6,9). No Novo Testamento encontramos uma afirmação de caráter universal no começo do evangelho de João: “Todas as coisas foram feitas por intermédio dele; sem ele, nada do que existe teria sido feito” (Jo 1.3). A expressão “todas as coisas” é mais bem entendida como referindo-se à totalidade do universo (cf.At 17.24; Hb 11.3). Paulo é totalmente explícito em Colossenses 1 quando especifica todas as partes do universo, tanto as visíveis como as invisíveis: “pois nele foram criadas todas as coisas nos céus e sobre a terra, as visíveis e as invisíveis, sejam tronos ou soberanias, poderes ou autoridades; todas as coisas foram criadas por ele e para ele” (Cl 1.16).]
3. Objetivos. Três são os objetivos do Criacionismo: 1) Mostrar que Deus é o Criador de todas as coisas; 2) Demonstrar que, por criar tudo quanto existe, tudo lhe pertence; e 3) Levar-nos a adorá-lo como nosso Criador e Senhor. [Comentário: O lado positivo de que Deus criou o universoex-nihilo é que esse universo tem significado e propósito. Deus, em sua sabedoria, criou-o para alguma coisa. Devemos tentar entender esse propósito e usar a criação de modo que ela se encaixe nesse propósito, a saber, o de trazer glória ao próprio Deus. Além disso, sempre que a criação nos traga satisfação (cf. 1 Tm 6.17), devemos agradecer a Deus, que criou todas as coisas. Wayne Grunden comentando sobre a criação diz: “Está claro que Deus criou seu povo para a sua glória, porque ele fala de seus filhos e filhas como aqueles “a quem criei para a minha glória, a quem formei e fiz” (Is 43.7). Mas não são somente os seres humanos que Deus criou com esse propósito. Toda a criação foi feita para mostrar a glória de Deus. Mesmo a criação inanimada, as estrelas, o sol, a luz e o céu testificam da grandeza de Deus: “Os céus declaram a glória de Deus; o firmamento proclama a obra das suas mãos” (Sl 19.1,2). O cântico da adoração celestial em Apocalipse 4 conecta a criação de todas as coisas por Deus com o fato de que ele é digno de receber a glória que elas lhe conferem: “Tu, Senhor e Deus nosso, és digno de receber a glória, a honra e o poder, porque criaste todas as coisas, e por tua vontade elas existem e foram criadas” (Ap 4.11).”http://www.monergismo.com/textos/criacao/criacao_wayne_grudem.htm]


SÍNTESE DO TÓPICO (I)
O criacionismo bíblico é a teoria que nos ajuda a entender que Deus criou os céus e a Terra.

SUBSÍDIO DIDÁTICO
Professor, para introduzir primeiro tópico da lição faça a seguinte indagação: “Os dias da criação em Gênesis 1 são literais?”. Ouça os alunos com atenção e explique que “em Gênesis 1, a palavra hebraica para dia é yom. A maior parte do uso dela no Antigo Testamento é com o sentido de dia, dia literal; e, nas passagens em que o sentido não é esse, o contexto deixa isso claro. Primeiro, yom é definido na primeira vez em que é usado na Bíblia (Gn 1.4,5) em seus dois sentidos literais: a porção clara do ciclo luz/trevas e todo o ciclo luz/trevas. Segundo, yom é usado com ‘noite’ e ‘manhã’. Em todas as passagens em que essas duas palavras são usadas no Antigo Testamento, juntas ou separadas, e no contexto de yom ou não, elas sempre têm o sentido literal de noite ou manhã de um dia literal. Terceiro, yom é modificado por um número: primeiro dia, segundo dia, terceiro dia, etc., o que em todas as passagens do Antigo Testamento indicam dias literais. Quarto, Gênesis 1.14 define literalmente yom em relação aos corpos celestiais” (HAM, Ken. Criacionismo: verdade ou mito? 1ª Edição. RJ: CPAD, 2011, p.30).

II. A CRIAÇÃO DO TEMPO, DO ESPAÇO E DA LUZ
Entre os versículos um e três do primeiro capítulo de Gênesis há um intervalo indefinido, no qual Deus criou o tempo, o espaço, os Céus e os anjos e, finalmente, a Terra ainda informe.
1. O tempo. Embora a Bíblia não o diga, podemos afirmar que a primeira coisa que Deus criou foi o tempo. Isto porque a obra divina, embora concebida na eternidade, somente poderia ser consumada no âmbito temporal. Só o Criador é eterno. A criação acha-se sujeita ao tempo, requerendo as intervenções e cuidados divinos (Sl 104.5).[Comentário: A palavra ‘princípio’ (bereshith) significa começo de tempo e deve ser distinguida da palavra grega ‘arché’ – princípio, empregada por João 1.1, onde significa ‘eternidade’ (medida do tempo de Deus). Houve, portanto, um tempo em que não havia mundo ou universo. Em bereshith está implícita a noção de começo temporal.]
2. O espaço. O que é o espaço? Podemos defini-lo como o tecido cósmico que Deus criou para colocar os corpos celestes. Portanto, o espaço também é criação divina. [Comentário: Em Gênesis 1.1 que diz: “No princípio Deus criou os céus e a terra”, a frase “os céus e a terra” inclui a totalidade do universo. O salmo 33 também nos diz: “Mediante a palavra do SENHOR foram feitos os céus, e os corpos celestes, pelo sopro de sua boca [...] Pois ele falou, e tudo se fez; ele ordenou, e tudo surgiu” (Sl 33.6,9). O céu, que é no mínimo espaço entre a matéria, sem espaço todos os objetos ficariam estáticos, pois até mesmo entre os átomos existe espaço, pois sem espaço não há movimento, e sem movimento não há ação, e sem ação não existe vida.]
3. Os Céus e os anjos. Os Céus, a morada de Deus, também foram criados num contexto espaço-temporal, por uma razão bastante simples: embora não pertençam à nossa dimensão, são um lugar bem real. É para lá que as almas dos justos são encaminhadas. Após a criação dos Céus, Deus chamou à existência os seus anjos através do sopro de sua boca (Sl 33.6). E assim, o Senhor neles infundiu, também, a sua imagem e semelhança. [Comentário: Paulo é totalmente explícito em Colossenses 1 quando especifica todas as partes do universo, tanto as visíveis como as invisíveis: “pois nele foram criadas todas as coisas nos céus e sobre a terra, as visíveis e as invisíveis, sejam tronos ou soberanias, poderes ou autoridades; todas as coisas foram criadas por ele e para ele” (Cl 1.16). Anjos são encontrados em trinta e cinco livros da Bíblia, e em duzentas e setenta e cinco referências e Cristo ensinou a existência dos anjos (Mt 18.10; 26.53). Anjos não são uma raça, mas uma hoste [exército]. Eles são filhos de Deus (Jó 1.6), e nunca de outros anjos. Foram criados  num determinado momento, antes da criação do mundo físico (Jó 38.6,7). Os anjos foram criados num estado de santidade (Judas 1.6). Eles são inumeráveis (Hb 12.22).]
4. A Terra ainda informe. Deus formou a Terra antes dos seis dias da criação. A princípio, informe e vazia, seria modelada pelo Espírito de Deus até que viesse a adquirir a forma atual (Gn 1.2). [Comentário:Tendo estabelecido que as duas partes do mundo, terra e firmamento, ou céu, se originaram pela palavra do Criador, o autor do Gênesis logo depois descreve a aparência da matéria-prima da terra, imediatamente depois de sua criação. A frase hebraica aqui traduzida “sem forma e vazia” é tohu wavohuTohu é uma palavra que significa “sem forma”. Bohu vem da raiz “estar vazio”, significando portanto que “não tinha nada”. Comentando esta expressão, o Dr. Leupold diz: “Tohu” é realmente usado como um adjetivo enfático, como é também, naturalmente, bohu. Sobre o verbo hayethah, “era”, não pode recair ênfase, numa sentença em que seguem dois predicados significativos. Deve servir simplesmente como união. Consequentemente, todo o intento para pôr neste verbo algum pensamento como 'a terra já existia', ou 'assim esteve por muito tempo', é inteiramente inadmissível em gramática” (http://www.revistacriacionista.com.br/artigos/FC52_Asemana.asp). Esta mesma expressão,tohu wavohu, é usada em Jeremias 4:23 para descrever a terra durante o milênio, quando as formas vivas estão ausentes, ou quase ausentes. Contudo deve-se observar que a condição “sem forma e vazia”, descrita em Jeremias, refere-se unicamente à superfície da terra. À luz deste texto parece razoável, portanto, presumir que a descrição de Gênesis 1:2 pinta a terra inteiramente formada como um corpo astronômico e estabilizada na sua geologia, com exceção do aspecto de sua superfície, inteiramente sobre o controle das “forças naturais”, e caracterizada pela falta de qualquer ser vivo.http://www.revistacriacionista.com.br/artigos/FC52_Asemana.asp Podemos encontrar uma outra teoria para explicar Gn 1.1, a Teoria do Intervalo. Esta  é a teoria que acredita que Deus criou o planeta Terra completamente funcional, com todos os animais, incluindo os dinossauros e outras criaturas que conhecemos apenas por fósseis. Então, segue a teoria, aconteceu algo que destruiu a terra por completo – alguns especulam que foi a queda de Satanás à terra – e, por isso, a terra tornou-se sem forma e vazia. A esta altura, Deus começou tudo de novo, recriando a terra em sua forma de paraíso como descrito no primeiros capítulos de Gênesis. Existe problemas com essa teoria, insisto que leia o artigo deste link: http://www.gotquestions.org/Portugues/teoria-intervalo.html ]

SÍNTESE DO TÓPICO (II)
Deus criou o tempo, o espaço e a própria luz.

SUBSÍDIO BIBLIOLÓGICO
“A palavra hebraica para ‘luz’ é ‘or’, e refere-se às ondas iniciais de energia luminosa atuando sobre a terra. Posteriormente, Deus colocou ‘luminares’ (hb. ma'or, literalmente ‘luzeiros’, v.14 nos céus como geradores e refletores permanentes das ondas de luz. O propósito principal desses luzeiros é servir de sinais demarcadores das estações, dias e anos (vv.5-14)” (Bíblia de Estudo Pentecostal. RJ: CPAD, 1991, p.30).

III. A ORDENAÇÃO DA TERRA
1. O Espírito Santo na criação. O Espírito Santo pairou sobre as águas (Gn 1.2). Ele esteve presente e desempenhou um papel ativo na obra da criação. O que vemos pelo relato bíblico é que a cada dia, Deus fez uma tarefa diferente, mas ordenada, para que a vida fosse possível em nosso planeta. [Comentário: Ruach Elohim, o Espírito de Deus, ou Epírito Santo, é apresentado como Se movendo protetoramente sobre a superfície da massa informe da terra. Este particípio, mera (ch) chepheth, nunca é usado na Bíblia para sugerir “incubar”; pelo contrário, sugere adejar, mover-se. A diferença pode ter significação. Uma galinha, por exemplo, choca os ovos mas move-se sobre os pintos. A interpretação fabulosa de que o Espírito estava incubando o mundo em embrião é indefensável. Wayne Grunden escreve sobre a atuação do Espírito Santo na criação: “O Espírito Santo estava também em operação na criação. Ele é geralmente descrito como completando, preenchendo e dando vida à criação de Deus. Em Gênesis 1.2,”... o Espírito de Deus se movia sobre a face das águas”, indicando uma função preservadora, sustentadora e orientadora. Jó diz: “O Espírito de Deus me fez; o sopro do Todo-poderoso me dá vida” (Jô 33.4). É importante perceber que em várias passagens do AT a mesma palavra hebraica (rûach) pode significar, em contextos diferentes, ”espírito”, “sopro” ou “vento”. Mas em muitos casos não há grande diferença de significado, pois, se alguém decidisse traduzir alguns termos como o “sopro de Deus” ou mesmo o “vento de Deus”, ainda pareceria um modo figurado de referir-se à atividade do Espírito Santo na criação. Assim o salmista, falando da grande variedade de criaturas na terra e no mar, diz: “Envias o teu Espírito, eles são criados, e, assim, renovas a face da terra” (Sl 104.30, RA); observe também, sobre a obra do Espírito Santo, (Jó 26.13; Is 40.13; lCo 2.10).”http://www.monergismo.com/textos/criacao/criacao_wayne_grudem.htm]
2. Tarefas ordenadas. Em sua obra a cada dia, Deus agiu de forma bem específica, organizando o cenário em que seria colocada a vida em nosso planeta. Primeiro Ele preparou o mundo para receber os seres vivos, depois os criou. Ele primeiro criou o ambiente em que viveríamos, para depois nos criar.

SÍNTESE DO TÓPICO (III)
O Espírito Santo estava presente na criação e ordenação do universo.

SUBSÍDIO BIBLIOLÓGICO
Professor, o objetivo da lição é apresentar o Criacionismo. Infelizmente, muitos cristãos têm receio de declarar que creem que Deus é o criador de todas as coisas. Deus é real e o Criacionismo não é um mito, mas uma verdade. Quando se fala que Deus tudo criou, algumas pessoas perguntam: “E quem criou Deus?”. O Todo-Poderoso não teve um início, Ele é atemporal. A Bíblia também não tenta provar sua existência, ela simplesmente inicia afirmando: “No princípio, [...] Deus...”. As teorias que explicam a criação do homem e do universo, são apenas teorias, ou seja, conhecimento especulativo.
“Hoje, muitos cristãos afirmam que os milhões de anos de história da Terra se ajustam à Bíblia e que Deus usou o processo evolucionário para criar. Essa ideia não é uma invenção recente. Há mais de duzentos anos, muitos teólogos tentam essas harmonizações em resposta a trabalhos como o de Charles Darwin e de Charles Lyell, escocês que ajudou a popularizar a ideia de milhões de anos da história da Terra e de um moroso processo geológico.
Quando consideramos a possibilidade de que Deus usou o processo evolucionário para criar ao longo de milhões de anos, confrontamo-nos com sérias consequências: a Palavra de Deus não é mais competente e o caráter de nosso Deus amoroso é questionado.
Já na época de Darwin, um dos principais evolucionistas entendia o problema de fazer concessão ao afirmar que Deus usou a evolução. Uma vez que você aceite a evolução e suas implicações para a história, então o homem está livre para escolher as partes da Bíblia que quer aceitar” (HAM, Ken. Criacionismo: verdade ou mito? 1ª Edição. RJ: CPAD, 2011, pp.35-6).

IV. A CRIAÇÃO DA LUZ
1. E houve luz. A criação da luz, no primeiro dia do Universo, é carregada de significados (Gn 1.3). Embora o Criador dela não precisasse, a criação a reclamava (Sl 139.12). Sem luz, a vida seria impossível. [Comentário: A ordenada seqüência do trabalho da semana da criação é muito impressiva. Para fazer provisões para o aparecimento e manutenção de plantas e animais, a matéria-prima teve primeiro de ser trazida à existência, e posto sob controle o que chamamos “lei natural”. Então o quesito mais essencial para a vida foi a luz acompanhada de calor. O texto hebraico diz: Ye hi or wa ye hi or (“Haja luz e então houve luz!”).]
2. A luz inicial. A luz de Gênesis 1.3 não era proveniente do Sol, pois este só viria a ser criado no quarto dia. Ela provinha do próprio Deus. Luz semelhante, porém mais gloriosa, haverá na Jerusalém Celeste (Ap 22.5). [Comentário Neste ponto ouso discordar do comentarista quanto à origem desta luz, pois claramente o texto diz que Deus fez separação entre luz e trevas, dia e noite, então, o texto se refere à luz do sol. A Palavra or (luz) não se refere aos corpos celestes mas ao fenômeno físico chamado luz. A fonte desta luz não é revelada aqui. Entretanto, não é ilógico supor que todo o nosso sistema solar fosse formado no primeiro dia. Naquele evento o Sol estaria presente, e sua luz apareceria numa forma difusa através das nuvens pesadas que sem dúvida envolviam a terra. Que a terra começou a rotação sobre o seu eixo quando apareceu, é demonstrado pelo fato de que o primeiro dia consistiu de uma porção de trevas e uma porção de luz, tarde e manhã. Os últimos três dias da semana da criação são claramente controlados pelo Sol, cujo disco apareceu visivelmente no quarto dia, e os dias são descritos nos mesmos termos usados para delimitar os primeiros três. Isto constitui forte argumento de que os primeiros seis dias foram iguais em extensão e em natureza; foram dias normais de vinte e quatro horas. A palavra hebraica wayyabhdel, que é traduzida, “E fez Deus separação entre a luz e as trevas”, não significa que a luz estava misturada com as trevas e que tivesse de ser desembaraçada, mas significa literalmente: “Fez separação”. Assim uma funcionou num tempo e outra noutro tempo. Podemos mesmo ser justificados quando afirmamos que ocorreu uma separação entre a luz e as trevas. A passagem de Jó 38:19 e 20 leva-nos a tal conclusão (http://www.revistacriacionista.com.br/artigos/FC52_Asemana.asp).]

SÍNTESE DO TÓPICO (IV)
Deus no primeiro dia de sua obra criou a luz.

SUBSÍDIO BIBLIOLÓGICO
 “Deus tinha razões específicas para criar o mundo. Deus criou os céus e a terra como manifestação da sua glória, majestade e poder. Ao olharmos a totalidade do cosmo criado — desde a imensa expansão do universo, à beleza e à ordem da natureza — ficamos tomados de temor reverente ante a majestade do Senhor Deus, nosso Criador. Deus criou os céus e a Terra para receber a glória e a honra que lhe são devidas. Todos os elementos da natureza rendem louvores ao Deus que nos criou. Quanto mais Deus deseja e espera receber glória e louvor dos seres humanos. Deus criou a terra para prover um lugar onde o seu propósito e alvos para a humanidade fossem cumpridos” (Bíblia de Estudo Pentecostal. RJ: CPAD, 1991, p.31).

V. A SEPARAÇÃO DAS ÁGUAS
1. Separando as águas. Deus não criou a Terra para ser um caos, mas para servir-nos de habitação (Is 45.18). Por isso, no terceiro dia da Criação, separou as águas que se achavam abaixo e acima do firmamento (Gn 1.6-10). [Comentário: Aparecera a luz, a atmosfera estava livre do nevoeiro, e agora no terceiro dia o tehom ou abismo ressonante recebe atenção. As águas em cima nos céus já estavam reunidas em uma camada de nuvens, espêssa e contínua, e agora as “águas debaixo dos céus”, isto é, as águas sobre a superfície da terra, são reunidas em “um lugar”. Em vez de indicar o oceano, esta expressão “um lugar” sem dúvida significa os grandes corpos coletivos de água. As evidências que existem em nossa terra na forma de fósseis de corais e plantas sub-tropicais nas regiões antártica e ártica, indicam que toda a sua superfície, incluindo o polo, desfrutou uma vez de um clima sub-tropical, e sugere que estes corpos dágua podem de fato ter constituido um corpo único muito ramificado, cuja circulação do equador ao polo e vice-versa, tenderia a igualar o clima em todas as regiões. A maneira do aparecimento da hayyabbashah, “a porção seca”, pode ser descrita para nós em Salmo 104:5-9. “Lançou os fundamentos da terra, para que não vacile em tempo algum. Tu a cobres com o abismo, como com um vestido: as águas estavam sobre os montes. À Tua repreensão fugiram, à voz do Teu trovão se apressaram. Sobem aos montes, descem aos vales, até ao lugar que para elas fundaste. Limite lhes traçaste, que não ultrapassarão, para que não tornem mais a cobrir a terra.” Naturalmente, é de igual modo muito possível que Davi, quando fez o seu poema na encosta da montanha, falava da superfície da terra como a via então. Neste caso a descrição se aplicaria ao tempo do dilúvio e não à condição original. É observado que a usual aprovação do Criador ao Seu trabalho no fim de cada dia foi omitida ao fim do segundo dia. A explicação disto pode ser o fato de que o trabalho da separação das águas ocupou o segundo dia e parte do terceiro. No segundo dia o nevoeiro da superfície se ergueu para formar uma camada de nuvem, e no terceiro as águas da terra barrenta foram separadas na “porção seca” e no yammim, ou mares, termo aqui usado em sentido amplo, para que incluísse grandes mares, como nós os conhecemos e também lagos e rios. Depois, quando a separação de todas as águas foi completada no segundo dia e parte do terceiro, o Criador colocou sua aprovação: “Eis que era bom”.]
2. A criação da atmosfera. Foi ainda no terceiro dia que Deus criou o firmamento; e, com este, a atmosfera terrestre, para que a vida se tornasse possível. [Comentário: Mais uma vez ouso discordar do texto base; o firmamento foi ordenado, do ponto de vista do escritor, somente no quarto dia. Veja o que diz Frank Lewis Marsh no artigo ‘A Semana da Criação: Do Primeiro ao Quinto Dia’: “A história da criação foi escrita para o homem. É razoável que o ponto de vista do narrador seja do lar do homem, a superfície da terra. Durante os primeiros três dias a luz estivera sobre a terra, mas unicamente de um modo débil, difuso, justamente como se filtrara através do teto de nuvens pesadas e contínuas. Mas agora, com plantas sobre a terra, a luz brilhante torna-se uma necessidade. O pormenor no qual são descritas as funções dos corpos celestes, do ponto de vista da nossa terra, é digno de atenção especial. Nenhuma oportunidade legítima é deixada para as intepretações pagãs, como agouros astrológicos. Pode ser importante notar aqui que estes versos não dizem que Deus criou (bara) estes corpos celestes no quarto dia. A palavra usada aqui é asah, que é comumente interpretada como “empregar materiais já existentes; libertar de restrição”. A segunda significação, “libertar de restrição”, parece aqui muito apropriada. Na obra do segundo dia os pesados nevoeiros levantaram-se da superfície da terra mas aparentemente permaneceram como uma camada contínua de nuvem que foi penetrada pela difusa luz do sol, mas que interceptava qualquer vista dos corpos celestes. Parece lógico supor que o trabalho do quarto dia foi o rompimento desta contínua camada de nevoeiro, numa descontínua massa de nuvens, tornando os corpos celestes visíveis da terra. Estes corpos já existiam, mas desde esse movimento da dissolução do nevoeiro em nuvens descontínuas, eles começaram a servir a um propósito definido com referência à terra. Não é fora do comum achar criacionistas que são da opinião de que as nuvens não existiam até que as tempestuosas nuvens se apresentassem no tempo do dilúvio. Todavia, Ellen G. White está inteiramente certa quando se refere à existência das nuvens na seguinte declaração com respeito a alguns dos objetos de estudo que atraíram a atenção de Adão e Eva: “A glória de Deus nos céus, os mundos inumeráveis em suas ordenadas revoluções, 'o equilíbrio das grossas nuvens', os mistérios da luz e do som, do dia e da noite, tudo estava patente ao estudo dos nossos primeiros pais”(24). Certamente a beleza de qualquer panorama é grandemente aumentada pela presença de nuvens descontínuas. Unicamente as nuvens tempestuosas é que foram desconhecidas até ao tempo do dilúvio. O fato de que o verso 1 declara que Deus criou “os céus e a terra” (os céus são mencionados em primeiro lugar), e o fato de que a luz apareceu no primeiro dia, dão-nos base para supor que no primeiro dia se formou o nosso completo sistema solar. Nos nossos dias compreendemos como as órbitas celestes dos membros do nosso sistema solar são determinadas pela razão do seu movimento através do espaço e pelas atrações mútuas da gravitação. Este conhecimento leva-nos a concluir que os membros do nosso sistema, completo e delicadamente equilibrado, muito provavelmente vieram à existência ao mesmo tempo, no primeiro dia: - “Criou Deus os céus e a terra”. Então no primeiro dia Deus fez alguma coisa à massa escura do Sol que a levou a irromper na Sua presente glória de luz. Parte desta luz penetrou no denso nevoeiro que envolvia a superfície da terra e constituiu a luz do primeiro dia e dos dias sucessivos. No quarto dia a decomposição do nevoeiro em massas de nuvens fez com que se tornassem visíveis os discos do Sol e da Lua. Isto de igual modo desvendou a majestade do céu estrelado. Ocasionalmente ouvimos o protesto de ser impossível para o Criador criar todos os corpos astronômicos a não ser de uma vez, por causa da interação gravitacional desses corpos. O pensamento é que o intrincado equilíbrio existente entre esses corpos é tão delicado que a adição de nosso sistema solar numa data posterior causaria perturbações tão sérias que resultariam em colisões e finalmente no caos. Verdadeiramente, em certo grau, cada corpo no universo afeta os outros corpos. Mas onde existe distância suficiente entre dois corpos, seu efeito real mútuo torna-se tão insignificante que pode ser considerado nulo. A força da gravitação opera inversamente de acordo com o quadrado da distância entre dois corpos quaisquer. Nosso sistema solar está cerca de três e meio anos-luz distante da estrela mais próxima, e seu efeito sobre esta estrela mais próxima não merece consideração quanto a sérias perturbações. Quão mais verdade é isto a respeito dos que estão além desta distância ou a uma distância de pelo menos 140 milhões de anos-luz da mais distante estrela já fotografada! Uma vez perguntei a um astrônomo meu amigo que efeito o acréscimo de nosso sistema solar teria sobre o resto do universo. Ele sorriu e respondeu: “Posso pensar em inúmeros lugares onde o nosso sistema solar poderia ter sido acrescentado ao nosso universo e o acréscimo não teria nenhum efeito sobre os corpos celestes já existentes”. Por outro lado, a força da gravitação agindo entre as unidades de nosso sistema solar é tremenda. O Criador poderia ter mantido diretamente nossa Terra no espaço até o quarto dia e ter-lhe-ia fornecido luz direta; então no quarto dia teria suspenso o Sol no espaço para exercer estas funções. Mas a identidade dos dias da semana da criação, antes do disco solar tornar-se visível da Terra, com os restantes dias da semana, e a presença da luz desde o primeiro dia, indicam que o Criador formou o Sol ao mesmo tempo em que formou nossa Terra e fez com que ele se tornasse um corpo incandescente no primeiro dia. Que o Criador usualmente prefere manifestar Seu poder mantenedor na forma de “leis naturais” é o fato mais facilmente observado. A ostentação do Seu poder no nosso sistema solar mediante milagres é excepcional. O progresso da ciência natural mostra cada vez mais que isto é verdadeiro. A expressão mais ou menos explicativa que declara que “Ele fez também as estrelas”, pode referir-se aos planetas, as “estrelas” de nosso sistema solar, isto é, Mercúrio, Vênus, Marte, Júpiter, Saturno, Urano, Netuno e Plutão; ou pode incluir também as estrelas mais distantes. Outros exemplos onde o autor faz declarações que são claramente parentéticas são Gênesis 2:24; 10:9; 26:33; 32:32. No versículo 1 a palavra shamayim, que é traduzida por “céu” em algumas versões, está na forma plural e devia ser lida “céus”. Do ponto de vista humano sabemos de três céus. No primeiro voam os pássaros (Jó 35:11) e as nuvens flutuam (I Reis 18:45). No segundo estão as estrelas (Deuteronômio 17:3). No terceiro, o céu dos céus, mora Deus (Daniel 4:26; S. Lucas 15:21) (25). A criação do primeiro céu ocorreu durante a semana da criação, e também a parte do segundo céu que inclui os planetas de nosso sistema solar. Estes planetas são como verdadeiras “estrelas” para nós, como são os sóis de outros sistemas. Assim a referência aqui à criação das “estrelas” pode aplicar-se àquelas que foram realmente feitas durante a semana da criação, nossos planetas. Todavia, é possível que o autor do Gênesis desejasse nesta conexão lembrar ao leitor que o mesmo Deus que formou esta Terra de igual modo formou os inumeráveis corpos de todo o universo. O fato de que muitas estrelas estão milhões de anos-luz distantes de nossa Terra e contudo estão espargindo sua luz sobre nós, demonstra aparentemente que existiram por muitíssimas vezes seis mil anos. Isto mostra que elas deviam ter sido formadas antes da semana da criação, a menos que Deus fizesse com que sua luz atravessasse o espaço num momento, em vez de alcançar o nosso planeta de modo natural. Tal premissa não se enquadra com tudo o que sabemos acerca de como Deus preferiu fazer os objetos da Sua criação. Neste ponto H. W. Clark disse com muita razão: “Vamos sugerir de passagem que a idéia de que Deus criou estes sóis distantes, cada um completo com raios de luz já projetados através do espaço, se fosse aceita, destruiria toda a crença na regularidade das leis de Deus. Tudo que sabemos da maneira de Deus produzir luz ensina-nos que quando Ele faz um corpo tornar-se luminoso, raios de energia luminosa partem da fonte e não são postos em ação instantânea ao longo de todo o caminho do raio de luz. Deus opera de modos regulares, de acordo com leis definidas” (26)”. Disponível em http://www.revistacriacionista.com.br/artigos/FC52_Asemana.asp]

SÍNTESE DO TÓPICO (V)
Deus criou e fez separação das águas que se achavam abaixo e acima do firmamento.

VI. A CRIAÇÃO DO REINO VEGETAL
1. O reino vegetal. Para que os animais, que só seriam criados no quinto e no sexto dias, pudessem se alimentar, o Senhor, já no terceiro dia da criação, fez brotar as relvas, as ervas e as árvores (Gn 1.11-13). Em sua obra, Deus mostrou-se em tudo perfeito e metódico. Seu cronograma foi rigorosamente cumprido (Sl 86.8).[Comentário: O resto do trabalho do terceiro dia consistiu na formação das plantas. A ordem foi dirigida à terra. A palavra usada no verso 11, dasha, literalmente significa: “Brote da terra!” O verso 12 registra que a terra fez as plantas “saírem” (yatsa). A indicação é de que as plantas aparecem como resultado do crescimento que foi acelerado como para ocupar um momento apenas. Tal produto podia possivelmente ser indistinguível das plantas que cresciam naturalmente. À luz destes fatos, não precisamos perguntar o que veio primeiro, se as plantas ou as sementes. As plantas vieram primeiro. Frank Lewis Marsh no artigo ‘A Semana da Criação: Do Primeiro ao Quinto Dia’ Disponível emhttp://www.revistacriacionista.com.br/artigos/FC52_Asemana.asp]
2. As possibilidades do reino vegetal. Deus ordenou que o reino vegetal produzisse ervas, plantas e árvores frutíferas, para que pudessem se multiplicar segundo a sua espécie (Gn 1.11,12).[Comentário: Os três grupos de plantas mencionados, capim (deshe, palavra cujo radical significa “estar úmido”), ervas (esebh, “herbáceos”), e árvores (ets peri, “árvores frutíferas”), evidentemente têm em mira abranger toda a vegetação. O primeiro grupo talvez não inclua o capim como o conhecemos, mas pode referir-se a formas como os musgos, líquens e outras espécies que tapetizam o chão. Que os membros do segundo grupo são distintos daqueles do primeiro, é evidente pelas passagens de II Reis 19:26 e Isaías 37:27 (14), (15), onde eles são mais uma vez mencionados separadamente numa enumeração. Também os membros do segundo grupo são descritos como mazria zera - “plantas que dão semente”. Dir-se-ia assim que os membros deste grupo sejam destacados como “tendo semente”. É este grupo, esebh, mencionado no verso 29, como dado ao homem juntamente com frutos e nozes para o seu alimento. A tradução “erva do campo”, que é usada em Gênesis 3:18 para descrever parte do alimento dado ao homem depois do pecado, é esta mesma esebh (16). Esebh é também usada em Deuteronômio 11:15 para descrever o alimento dos animais (17). Assim, este segundo grupo parece incluir tudo entre musgos, líquens, fetos e outras plantas que não têm semente, e árvores e arbustos. O termo ets peri, que abrange o terceiro grupo, é um coletivo singular que se emprega para as plantas lenhosas que produzem nozes e pinhas, e frutos carnosos como amoras, pêssegos, maçãs, etc. Estes três grandes grupos não coincidem com a moderna classificação das plantas, não obstante são muito próprios porque são ainda visíveis os tipos rudimentares, os herbáceos mais altos e os arbustos e árvores. Frank Lewis Marsh no artigo ‘A Semana da Criação: Do Primeiro ao Quinto Dia’ Disponível emhttp://www.revistacriacionista.com.br/artigos/FC52_Asemana.asp]

SÍNTESE DO TÓPICO (VI)
No terceiro dia Deus criou o reino vegetal.

VII. A CRIAÇÃO DO SISTEMA SOLAR
1. A criação do Sol, da Lua e das estrelas. No quarto dia, Deus criou o Sol, a Lua e as estrelas (Gn 1.14-19). Dessa forma, o tempo será dividido não apenas em dia e noite, como acontecia até ao terceiro dia, mas também em semanas, meses, estações e anos (Gn 1.14). [Comentário: A história da criação foi escrita para o homem. É razoável que o ponto de vista do narrador seja do lar do homem, a superfície da terra. Durante os primeiros três dias a luz estivera sobre a terra, mas unicamente de um modo débil, difuso, justamente como se filtrara através do teto de nuvens pesadas e contínuas. Mas agora, com plantas sobre a terra, a luz brilhante torna-se uma necessidade. O pormenor no qual são descritas as funções dos corpos celestes, do ponto de vista da nossa terra, é digno de atenção especial. Nenhuma oportunidade legítima é deixada para as intepretações pagãs, como agouros astrológicos. Pode ser importante notar aqui que estes versos não dizem que Deus criou (bara) estes corpos celestes no quarto dia. A palavra usada aqui é asah, que é comumente interpretada como “empregar materiais já existentes; libertar de restrição”. A segunda significação, “libertar de restrição”, parece aqui muito apropriada. Na obra do segundo dia os pesados nevoeiros levantaram-se da superfície da terra mas aparentemente permaneceram como uma camada contínua de nuvem que foi penetrada pela difusa luz do sol, mas que interceptava qualquer vista dos corpos celestes. Parece lógico supor que o trabalho do quarto dia foi o rompimento desta contínua camada de nevoeiro, numa descontínua massa de nuvens, tornando os corpos celestes visíveis da terra. Estes corpos já existiam, mas desde esse movimento da dissolução do nevoeiro em nuvens descontínuas, eles começaram a servir a um propósito definido com referência à terra. Não é fora do comum achar criacionistas que são da opinião de que as nuvens não existiam até que as tempestuosas nuvens se apresentassem no tempo do dilúvio. Todavia, Ellen G. White está inteiramente certa quando se refere à existência das nuvens na seguinte declaração com respeito a alguns dos objetos de estudo que atraíram a atenção de Adão e Eva: “A glória de Deus nos céus, os mundos inumeráveis em suas ordenadas revoluções, 'o equilíbrio das grossas nuvens', os mistérios da luz e do som, do dia e da noite, tudo estava patente ao estudo dos nossos primeiros pais”(24). Certamente a beleza de qualquer panorama é grandemente aumentada pela presença de nuvens descontínuas. Unicamente as nuvens tempestuosas é que foram desconhecidas até ao tempo do dilúvio. O fato de que o verso 1 declara que Deus criou “os céus e a terra” (os céus são mencionados em primeiro lugar), e o fato de que a luz apareceu no primeiro dia, dão-nos base para supor que no primeiro dia se formou o nosso completo sistema solar. Nos nossos dias compreendemos como as órbitas celestes dos membros do nosso sistema solar são determinadas pela razão do seu movimento através do espaço e pelas atrações mútuas da gravitação. Este conhecimento leva-nos a concluir que os membros do nosso sistema, completo e delicadamente equilibrado, muito provavelmente vieram à existência ao mesmo tempo, no primeiro dia: - “Criou Deus os céus e a terra”. Então no primeiro dia Deus fez alguma coisa à massa escura do Sol que a levou a irromper na Sua presente glória de luz. Parte desta luz penetrou no denso nevoeiro que envolvia a superfície da terra e constituiu a luz do primeiro dia e dos dias sucessivos. No quarto dia a decomposição do nevoeiro em massas de nuvens fez com que se tornassem visíveis os discos do Sol e da Lua. Isto de igual modo desvendou a majestade do céu estrelado. Ocasionalmente ouvimos o protesto de ser impossível para o Criador criar todos os corpos astronômicos a não ser de uma vez, por causa da interação gravitacional desses corpos. O pensamento é que o intrincado equilíbrio existente entre esses corpos é tão delicado que a adição de nosso sistema solar numa data posterior causaria perturbações tão sérias que resultariam em colisões e finalmente no caos. Verdadeiramente, em certo grau, cada corpo no universo afeta os outros corpos. Mas onde existe distância suficiente entre dois corpos, seu efeito real mútuo torna-se tão insignificante que pode ser considerado nulo. A força da gravitação opera inversamente de acordo com o quadrado da distância entre dois corpos quaisquer. Nosso sistema solar está cerca de três e meio anos-luz distante da estrela mais próxima, e seu efeito sobre esta estrela mais próxima não merece consideração quanto a sérias perturbações. Quão mais verdade é isto a respeito dos que estão além desta distância ou a uma distância de pelo menos 140 milhões de anos-luz da mais distante estrela já fotografada! Uma vez perguntei a um astrônomo meu amigo que efeito o acréscimo de nosso sistema solar teria sobre o resto do universo. Ele sorriu e respondeu: “Posso pensar em inúmeros lugares onde o nosso sistema solar poderia ter sido acrescentado ao nosso universo e o acréscimo não teria nenhum efeito sobre os corpos celestes já existentes”. Por outro lado, a força da gravitação agindo entre as unidades de nosso sistema solar é tremenda. O Criador poderia ter mantido diretamente nossa Terra no espaço até o quarto dia e ter-lhe-ia fornecido luz direta; então no quarto dia teria suspenso o Sol no espaço para exercer estas funções. Mas a identidade dos dias da semana da criação, antes do disco solar tornar-se visível da Terra, com os restantes dias da semana, e a presença da luz desde o primeiro dia, indicam que o Criador formou o Sol ao mesmo tempo em que formou nossa Terra e fez com que ele se tornasse um corpo incandescente no primeiro dia. Que o Criador usualmente prefere manifestar Seu poder mantenedor na forma de “leis naturais” é o fato mais facilmente observado. A ostentação do Seu poder no nosso sistema solar mediante milagres é excepcional. O progresso da ciência natural mostra cada vez mais que isto é verdadeiro. A expressão mais ou menos explicativa que declara que “Ele fez também as estrelas”, pode referir-se aos planetas, as “estrelas” de nosso sistema solar, isto é, Mercúrio, Vênus, Marte, Júpiter, Saturno, Urano, Netuno e Plutão; ou pode incluir também as estrelas mais distantes. Outros exemplos onde o autor faz declarações que são claramente parentéticas são Gênesis 2:24; 10:9; 26:33; 32:32. No versículo 1 a palavra shamayim, que é traduzida por “céu” em algumas versões, está na forma plural e devia ser lida “céus”. Do ponto de vista humano sabemos de três céus. No primeiro voam os pássaros (Jó 35:11) e as nuvens flutuam (I Reis 18:45). No segundo estão as estrelas (Deuteronômio 17:3). No terceiro, o céu dos céus, mora Deus (Daniel 4:26; S. Lucas 15:21) (25). A criação do primeiro céu ocorreu durante a semana da criação, e também a parte do segundo céu que inclui os planetas de nosso sistema solar. Estes planetas são como verdadeiras “estrelas” para nós, como são os sóis de outros sistemas. Assim a referência aqui à criação das “estrelas” pode aplicar-se àquelas que foram realmente feitas durante a semana da criação, nossos planetas. Todavia, é possível que o autor do Gênesis desejasse nesta conexão lembrar ao leitor que o mesmo Deus que formou esta Terra de igual modo formou os inumeráveis corpos de todo o universo. O fato de que muitas estrelas estão milhões de anos-luz distantes de nossa Terra e contudo estão espargindo sua luz sobre nós, demonstra aparentemente que existiram por muitíssimas vezes seis mil anos. Isto mostra que elas deviam ter sido formadas antes da semana da criação, a menos que Deus fizesse com que sua luz atravessasse o espaço num momento, em vez de alcançar o nosso planeta de modo natural. Tal premissa não se enquadra com tudo o que sabemos acerca de como Deus preferiu fazer os objetos da Sua criação. Neste ponto H. W. Clark disse com muita razão: “Vamos sugerir de passagem que a idéia de que Deus criou estes sóis distantes, cada um completo com raios de luz já projetados através do espaço, se fosse aceita, destruiria toda a crença na regularidade das leis de Deus. Tudo que sabemos da maneira de Deus produzir luz ensina-nos que quando Ele faz um corpo tornar-se luminoso, raios de energia luminosa partem da fonte e não são postos em ação instantânea ao longo de todo o caminho do raio de luz. Deus opera de modos regulares, de acordo com leis definidas” (26). Frank Lewis Marsh no artigo ‘A Semana da Criação: Do Primeiro ao Quinto Dia’ Disponível emhttp://www.revistacriacionista.com.br/artigos/FC52_Asemana.asp]
2. A perfeição do sistema solar. Deus criou o sistema solar para funcionar perfeitamente, conforme declarou o profeta Jeremias: “Assim diz o Senhor, que dá o sol para a luz do dia e as leis fixas à lua e às estrelas para a luz da noite, que agita o mar e faz bramir as suas ondas; Senhor dos Exércitos é o seu nome. Se falharem estas leis fixas diante de mim, diz o Senhor, deixará também a descendência de Israel de ser uma nação diante de mim para sempre” (Jr 31.35,36 — ARA). Não há máquina tão perfeita quanto o sistema solar (Is 40.26).

SÍNTESE DO TÓPICO (VII)
Deus criou no quarto dia o Sol, a Lua e as estrelas.

VIII. A CRIAÇÃO DO REINO ANIMAL
Somente depois de o ambiente natural estar devidamente aparelhado é que Deus criou, no quinto e sexto dias, os animais aquáticos, alados e terrestres. O Criador agiu de forma sábia em seus intentos.
1. Quinto dia. No quinto dia, Deus criou os grandes animais marinhos e os peixes; em seguida, as aves (Gn 1.20,21). Ato contínuo, ordenou-lhes: “Frutificai, e multiplicai-vos, e enchei as águas nos mares; e as aves se multipliquem na terra” (Gn 1.22).[Comentário: A palavra hebraica yam, traduzida aqui por “águas”, é aplicada a um oceano, mar, lago, lagoa, rio, regato, poço ou nascente. O termo yam inclui tudo isto. Nossas versões estão incorretas na tradução: “Produzam as águas abundantemente”. Sharats sherets pode unicamente significar: “Sejam as águas cheias de enxames”. A origem dos animais aquáticos e alados não é revelada neste capítulo. É dito simplesmente que lhes foi ordenado aparecer na água e no ar, respectivamente. Todavia, em Gênesis 2:19 torna-se claro que os animais voadores originaram-se “saindo da terra” (27). Em conexão com a formação dos animais aquáticos e voadores, a palavra nephesh, “alma vivente”, aparece pela primeira vez. De acordo com o ponto de vista bíblico as plantas não têm vida como os animais a têm. Unicamente os animais manifestam vida em “almas”, mas esta “alma” deve aparentemente ser considerada como nada mais que “aquilo que respira”. Comparados com as plantas, os animais eram algo de novo e distinto. Para a média dos homens um animal era um organismo que respirava, ao passo que uma planta não o fazia. Biologicamente tanto as plantas como os animais “respiram”, porque o protoplasma, quer da planta, quer do animal, deve constantemente receber oxigênio de fora, para que não morra. Mas para o propósito prático com o homem comum, um organismo que podia locomover-se de um lugar para outro, “respirar”, e mostrar ao menos um pequeno grau de inteligência, era distinto de uma planta. Kanaph, verso 21, literalmente: “aves que voam”, usado no sentido mais amplo, como é aqui, sem dúvida inclui não somente os pássaros mas também todos os outros tipos de seres que têm asas, seja inseto, morcego ou répteis voadores. O uso da expressão wayyibhra, “e Ele criou”, verso 21, parece confundir à primeira vista. Por que teria Deus feito as plantas e criado os animais aquáticos e os voadores? A palavra “criar” aqui é usada ao menos por duas razões. Primeiro, o verso 21 diz que Deus criou animais que enxameassem as águas, sem dizer que eles foram formados de qualquer material; portanto, foi usada uma forma de bara, criar. Segundo, bara é usado onde a idéia de novidade deve ser transmitida (ver Isaías 41:20; 48:6 e 7; 65:17; Jer. 31:22) (28). Trazer à existência criaturas tão notáveis, que respiram e são animadas e podem ir aonde desejam, é digno do termo bara. A palavra tanninim, verso 21, que é traduzida por “baleias” em algumas versões, inclui todos os grandes animais do mar. A palavra vem de uma raiz que significa “de considerável comprimento”. Isto incluiria não somente os grandes peixes, mas também baleias, répteis aquáticos e anfíbios. O termo hebraico romeseth, que foi traduzido por “réptil”, significa literalmente “deslizar ou rastejar”. A expressão nos versículos 20 e 21, significando “enxamear”, certamente não deixa terreno para supor que de cada espécie apareceu um par somente. Todavia, embora cada animal aquático e cada pássaro fosse aparentemente representado por numerosos indivíduos, foi-lhes ordenado que se multiplicassem até que todos os habitats ao redor da terra estivessem ocupados. Os versos 20-23 destacam o mesmo fato que foi apresentado nos versos 11 e 12; isto é, que os animais aquáticos e todos os animais que voam foram formados segundo a sua espécie, como foram as diferentes plantas. Que eles foram moldados em distintas espécies parece ser um ponto muito importante. Todos os animais aquáticos e voadores, sejam estrelados ou moluscos, esponja ou ouriço do mar, beija-flor, medusa ou baleia, borboleta ou pterodáctilo - todas as espécies foram modeladas de acordo com suas respectivas diferenças morfológicas distintas. Nenhum terreno é deixado para qualquer suposição de que estas espécies distintas tivessem evoluído de outras espécies que eram de morfologia mais simples. Frank Lewis Marsh no artigo ‘A Semana da Criação: Do Primeiro ao Quinto Dia’ Disponível emhttp://www.revistacriacionista.com.br/artigos/FC52_Asemana.asp]
2. Sexto dia. No sexto dia, Deus criou os animais selvagens e os domésticos (Gn 1.24,25). No que tange aos animais, há uma espantosa variedade de espécies entre eles e, ao mesmo tempo, uma cadeia maravilhosa que os identifica (Sl 104.24). Observemos, por exemplo, a família dos felinos. Vai desde o gatinho até ao leão, rei dos animais. No sexto dia, Deus criou também o homem, e assim deu início à humanidade. [Comentário: Aqui como no caso das plantas do terceiro dia, temos uma criação imediata. Em vez de chamar diretamente à existência as criaturas terrestres por meio de Sua palavra, o Criador capacitou a terra para produzí-las. O “porquê” podemos não perceber, mas sabemos que elas vieram do pó e devem voltar ao pó. A ordem à terra é totse, “fazer surgir de”. Esta ordem é inteiramente idêntica à declaração do verso 12, que a terra produzisse as plantas. As criaturas que apareceram no sexto dia são descritas com o mesmo título geral que as formas que voam e os animais aquáticos. Elas são chamadas nephesh, “almas viventes”, porque a coisa que anima, a alma, é o seu aspecto preeminente. Estas formas terrestres são nomeadas em três classes. Primeiro são os behemah, ou “animais domésticos”, que são frequentemente chamados de gado. A palavra behemah vem de uma raiz que tem a significação de “ser mudo”. Isto, todavia, não serve para estabelecer certos grupos à parte, porque a todos os animais falta o poder da fala articulada. O segundo grupo são os remes, palavra tirada de uma raiz que significa “mover-se velozmente”, ou “rastejar”. A tradução “répteis” é demasiadamente estreita, porque não deixa lugar para os maiores répteis e anfíbios da terra. Poderia parecer que remes incluisse tudo o que se move sobre a terra, como serpentes, lagartixas e aranhas. A terceira classe é chayyath haarets, ou “bestas feras da terra”, nome apropriado por causa da sua geral liberdade de movimento na terra. Nunca esta classificação pretendeu satisfazer os biólogos taxonomistas, mas para as pessoas não treinadas cientificamente ela é satisfatória, pois dá um quadro geral, variado, que é suficiente para lembrar todos os tipos de animais terrestres. Nenhuma menção é feita aqui de uma bênção pronunciada como se descreve no verso 22. As inferências naturais são que tal bênção foi certamente dada; e fica-se a pensar se Moisés, na sua pressa para registrar a origem do homem no verso seguinte, não deixou passar desapercebida qualquer declaração acerca disto. Leia mais em Frank Lewis Marsh no artigo ‘A Semana da Criação: Do Primeiro ao Quinto Dia’ Disponível em http://www.revistacriacionista.com.br/artigos/FC52_Asemana.asp ]

CONCLUSÃO
Deus não se limitou a criar os Céus, a Terra, os animais e o ser humano. Fazendo-se presente em sua obra, mas sem confundir-se com esta, Ele se mostra presente e soberano em todas as coisas. Não estamos sozinhos neste mundo. O Pai Celeste zela por nós.[Comentário: Está claro que Deus criou seu povo para a sua glória, porque ele fala de seus filhos e filhas como aqueles “a quem criei para a minha glória, a quem formei e fiz” (Is 43.7). Mas não são somente os seres humanos que Deus criou com esse propósito. Toda a criação foi feita para mostrar a glória de Deus. Mesmo a criação inanimada, as estrelas, o sol, a luz e o céu testificam da grandeza de Deus: “Os céus declaram a glória de Deus; o firmamento proclama a obra das suas mãos” (Sl 19.1,2). O cântico da adoração celestial em Apocalipse 4 conecta a criação de todas as coisas por Deus com o fato de que ele é digno de receber a glória que elas lhe conferem: “Tu, Senhor e Deus nosso, és digno de receber a glória, a honra e o poder, porque criaste todas as coisas, e por tua vontade elas existem e foram criadas” (Ap 4.11).“NaquEle que me garante: "Pela graça sois salvos, por meio da fé, e isto não vem de vós, é dom de Deus" (Ef 2.8)”,
Francisco Barbosa
Campina Grande-PB
Outubro de 2015


PARA REFLETIR
A respeito do livro de Gênesis:
O que é o Criacionismo Bíblico?
Criacionismo Bíblico é a doutrina segundo a qual Deus criou, a partir de sua palavra, tudo quanto existe: os Céus, a Terra, os reinos vegetal e animal e, finalmente, o ser humano (Hb 11.3).
Em que se fundamenta o Criacionismo?
Criacionismo fundamenta-se na Bíblia Sagrada, na manifestação silenciosa da natureza e nas observações e estudos que dela fazemos (Rm 1.20; Sl 119.1-6).
Segundo a lição, qual foi a primeira coisa que Deus criou?
Embora a Bíblia não o diga, é-nos permitido afirmar que a primeira coisa que Deus criou foi o tempo.
O que é o espaço?
Podemos defini-lo como o tecido cósmico que Deus criou para que, nele, se localizassem os corpos celestes. Portanto, o espaço também é criação divina.
O que Deus criou no sexto dia?
No sexto dia, Deus criou os animais selvagens e os domésticos (Gn 1.24,25).

SUBSÍDIOS ENSINADOR CRISTÃO
A Criação dos Céus, e da Terra
“Se Deus criou o mundo, então parte de sua sabedoria e de Sua beleza está refletida na ordem da criação. Vemos a glória do Criador na beleza da criação. A ordem criada é de Deus, não nossa. Temos de aprender a respeitá-la como o lugar onde vivemos e cujo cuidado nos foi confiado” (Alister McGrath, “Criação”).
Hoje vivemos um caos no meio ambiente. Um caos que o apóstolo Paulo já havia exposto nestas linhas: “Porque a criação ficou sujeita à vaidade, não por sua vontade, mas por causa do que a sujeitou, [...] Porque sabemos que toda a criação geme e está juntamente com dores de parto até agora” (Rm 8.20,22). Este caos da criação se deve ao pecado, e não só no sentido dos efeitos diretos da Queda na criação, mas também da falta de cuidado que a humanidade caída tem com a criação de Deus.
Deus é o Criador do mundo e nós, os seres humanos, somos os responsáveis pela destruição do planeta, seja não honrando a Deus como o Supremo Criador do mundo, seja, em outros casos, usando a fé para legitimar uma prática predatória do meio ambiente. Quando estudamos o livro do Gênesis para reconhecer nEle, Deus, o Criador do mundo e do ser humano, isso deve trazer um sentimento de humildade e temor, pois habitamos um mundo criado por Deus pelo qual fomos nomeados seus mordomos e guardadores. De modo que quando não honramos tal condição, pecamos contra Ele e o próximo.
Martinho Lutero compreendeu bem as implicações de reconhecermos Deus como o Autor da Criação: “Creio que Deus me criou, junto com todas as criaturas. Ele me deu corpo e alma, olhos, ouvidos e todas as outras partes do meu corpo, minha mente e todos os meus sentidos, como também os preserva. Ele me deu as roupas e os sapatos, o alimento e a bebida, a casa e a terra, o cônjuge e os filhos, os campos, os animais e tudo que tenho. Todos os dias, Ele provê abundantemente tudo que preciso para alimentar meu corpo e minha vida. Protege-me contra todos os perigos, serve de escudo e defende-me de todo o mal. Faz tudo isso por causa de Sua bondade e misericórdia puras, paternais e divinas, e não porque conquistei ou mereço isso”.
Crer que Deus é o Criador do mundo é aceitar resignadamente a Sua vontade e, invariavelmente, assumir que é da Sua vontade que cuidemos da criação, pois é a partir desta que nos alimentamos, vestimos e vivemos: tudo como bênção de Deus para nós.
Cuidar da terra faz parte do propósito de entender o início do Gênesis.










Compartilhar no Google Plus

Sobre Hubner Braz

Criador, colunista e administrador do Pecador Confesso. Fascinado e apaixonado por DEUS!! Formado Bacharel em Teologia pela FATESP e F. Mêcanica pela FATEC-SP e Presbítero na A.D. Belem-Missão em Sorocaba, onde o Pastor Presidente é o Rev. Osmar José da Silva - CGADB, Tenho 1João 1:7-9 injetado na veia!.
    Blogger Comment
    Facebook Comment

0 Milhões de Confessos:

Postar um comentário

Não deixe de participar, a sua opinião é de extrema importância!

Críticas são bem vindas quando a pessoa se identifica.