Lição 1 - Escatologia, o Estudo das Últimas Coisas - 3 de Janeiro de 2016 - EBD Adulto - CPAD


TEXTO ÁUREO
"Sabe, porém, isto: que nos últimos dias sobrevirão tempos trabalhosos." (2 Tm 3.1)[Comentário: Últimos dias, o momento desde a primeira aparição de Cristo até a segunda vinda;trabalhosos - Chalepos; Strong 5467: Severo; selvagem; difícil; perigoso; doloroso; feroz; cruel; difícil de lidar com. A palavra descreve uma sociedade que é desprovida da virtude, mas abundante em vícios. As pessoas serão caracterizadas por todos os tipos de perversão egoísta e artificial. Alguns conservarão um fingimento externo, usando o vocabulário do cristianismo, mas recusando a realidade que a fé cristã expressa e esta aparência é o que os torna tão perigosos (v.5).]

VERDADE PRÁTICA
O estudo da Escatologia bíblica traz ao coração dos salvos a esperança de um dia estarem para sempre com o Senhor Jesus Cristo.

LEITURA DIÁRIA
Segunda - Mt 24.3 - A preocupação dos discípulos de Jesus a respeito da sua segunda vinda
Terça - Lc 12.40 - O Filho do Homem virá a qualquer momento
Quarta - At 1.7 - Não se pode especular quanto à segunda vinda do Filho de Deus
Quinta - 2 Pe 3.8 - O tempo de Deus não é o nosso tempo
Sexta - Mt 24.36 - Só Deus sabe o tempo da vinda de Jesus e o fim do mundo
Sábado - Mt 24.23-25 - Antes da vinda de Jesus surgirão falsos cristos e falsos profetas

LEITURA BÍBLICA EM CLASSE
Mateus 24.4, 5, 11-13; 1 Tessalonicenses 1.10

Mt 24.4 -  E Jesus, respondendo, disse-lhes: Acautelai-vos, que ninguém vos engane,
5 - porque muitos virão em meu nome, dizendo: Eu sou o Cristo; e enganarão a muitos.
11 - E surgirão muitos falsos profetas e enganarão a muitos.
12 - E, por se multiplicar a iniquidade, o amor de muitos se esfriará.
13  - Mas aquele que perseverar até ao fim será salvo.
1 Ts 1.10 -  e esperar dos céus a seu Filho, a quem ressuscitou dos mortos, a saber, Jesus, que nos livra da ira futura.

OBJETIVO GERAL
Explicar o real significado da Escatologia Bíblica.

HINOS SUGERIDOS: 442, 500,513, da Harpa Cristã.

OBJETIVOS ESPECÍFICOS
Abaixo, os objetivos específicos referem-se ao que o professor deve atingir em cada tópico. Por exemplo, o objetivo I refere-se ao tópico I com os seus respectivos subtópicos.

Definir a Escatologia;
Mostrar a preocupação do homem com os fins dos tempos;
Explicar algumas das diferentes interpretações escatológicas.

INTERAGINDO COM O PROFESSOR
Prezado professor, neste primeiro trimestre do ano estudaremos a respeito das últimas coisas, pois em breve Jesus virá! Muitos já não creem na Segunda Vinda de Cristo, por isso, desprezam as profecias bíblicas. Todavia, Jesus virá como um ladrão, na hora que ninguém espera. Este glorioso dia não nos pegará de surpresa, pois somos do Senhor e aguardamos a sua vinda a qualquer momento.
O comentarista do trimestre é o pastor Elinaldo Renovato de Lima - autor de diversos livros, líder da Assembleia de Deus em Parnamirim, RN.
Que o estudo de cada lição possa trazer esperança ao seu coração, pois breve Ele virá e estaremos para todo o sempre em sua presença.

COMENTÁRIO
INTRODUÇÃO
Neste trimestre teremos a oportunidade ímpar de estudar a respeito do tempo do fim. Nesta primeira lição, examinaremos a Escatologia bíblica. Para os salvos em Jesus Cristo este é um tema que traz esperança, pois não há nada melhor do que ter a certeza de que o Salvador voltará e que viveremos junto com Ele por toda a eternidade. No entanto, para os descrentes, a segunda vinda de Jesus não oferece motivos para regozijo. As previsões bíblicas para o futuro dos ímpios são aterradoras: "Os ímpios serão lançados no inferno e todas as nações que se esquecem de Deus" (Sl 9.17). Porém, ainda é tempo para o arrependimento e a conversão. Por isso, a Igreja do Senhor tem a responsabilidade de anunciar Jesus, cumprindo a Grande Comissão (Mt 28.19,20). [Comentário: Iniciamos 2016 estudando a Escatologia Bíblica. Talvez alguém possa alegar que este assunto é de somenos importância, contudo, não podemos ter uma visão vaga sobre as verdades bíblicas. Na escatologia estão inseridas as principais doutrinas do Cristianismo: o céu, o inferno, a salvação, o arrebatamento, o juízo final, galardão dos salvos, a ressurreição, etc. Estudar escatologia é adquirir um panorama sólido de toda a Bíblia, pois a grande dificuldade na escatologia, por parte do nosso povo, é a falta de conhecimento amplo das Escrituras. O estudo da Escatologia requer muita atenção e cuidado para não entrar na classe dos falsos mestres que Paulo enfatizou que, nos últimos tempos surgiriam (1Tm 4.1). A Igreja precisa ser ensinada sobre esse assunto, não apenas porque a negligência produz um vácuo perigoso, mas também porque a escatologia é o ponto crucial e a coroa da teologia sistemática. Ainda no tempo dos apóstolos a segunda vinda de Cristo era negada (2Pe 3.4), e ainda hoje encontramos pessoas que negam a realidade desta doutrina. Por isso é necessário demonstrar, pelas Escrituras, a sua realidade. E por fim, durante este período a Igreja tem a incumbência de proclamar o evangelho antes que venha o "grande e terrível dia do Senhor"(Ml 4.5), que porá fim aos últimos dias, para inaugurar o "dia da vingança do nosso Deus"(Is 61.2b).] Let's think maturely Christian faith?
 

PONTO CENTRAL
O estudo da Escatologia Bíblica traz esperança para os salvos em Jesus Cristo.

I - O ESTUDO DA ESCATOLOGIA
1. Definição. A palavra escatologia tem origem em dois termos gregos: escathos, "último", e logos, "estudo", "mensagem", "palavra". O termo grego cognato é éschata, que significa "últimas coisas". Daí vem à expressão "estudo", ou "doutrina" das "últimas coisas". Portanto, escatologia é o estudo sistemático das coisas que acontecerão nos últimos dias ou a "doutrina das últimas coisas". A escatologia estuda os seguintes temas: Estado Intermediário, Arrebatamento da Igreja, Grande Tribulação, Milênio, Julgamento Final e o Estado Perfeito Eterno. [Comentário: Como o sub-tópico define, Escatologia é uma palavra de origem grega, formada pelos radicais εσχατος, "último", mais o sufixo logia, e significa "o estudo das últimas coisas" ou "doutrina das coisas finais". Muitas passagens das Escrituras empregam a palavra eschathos juntamente com heméra ‘dia’, assim temos ‘último dia’ (Jo 6.39; 7.37). A primeira ocorrência se refere ao último dia da ressurreição, um dia escatológico, enquanto que a segunda apenas faz alusão ao último dia da festa de casamento. O seu plural ‘escatai hmerai’ ocorre em At 2.17; 2Tm 3.1; Tg 5.3; Hb 1.2. Todas estas passagens aludem ao período de tempo entre a 1ª e a 2ª vindas de Jesus. É importante ressaltar que o período conhecido como ‘últimos dias’ iniciaram-se com a 1ª vinda de Jesus que, segundo Paulo, veio na "plenitude do tempo" (Gl 4.4), pois o tempo anterior da dispensação da lei já estava cumprido (Mc 1.15; Lc 16.16). Estamos vivendo os últimos dias. Esse período de tempo que a Bíblia chama de últimos dias, recebe ainda outras designações, tais como: "tempo aceitável... dia da salvação"(Is 49.8) ou "ano aceitável do Senhor"(Is 61.2a); "dispensação da plenitude dos tempos"(Ef 1.10) ou "dispensação da graça"(Ef 3.2) ou "dispensação do mistério"(Ef 3.9); "tempo da oportunidade", "tempo sobremodo oportuno", "dia da salvação"(2Co 6.2), "tempos oportunos" (2Tm 2.6), "tempos devidos" (Tt 1.3); "hoje" (Hb 3.7,15; 4.7,8); "fins dos séculos" (1Co 10.11), e "última hora"(1Jo 2.18).]

2. A escatologia e a volta de Jesus. O estudo da escatologia bíblica mostra que o crente tem de estar sempre alerta, vigilante, pois a volta de Jesus pode acontecer a qualquer momento: "Portanto, estai vós também apercebidos; porque virá o Filho do Homem à hora que não imaginais" (Lc 12.40). Muitos desprezam e desdenham das verdades bíblicas, mas Deus vela pela sua Palavra e em breve Jesus voltará e julgará a todos aqueles que amam a prática do pecado. [Comentário: Acredito que a razão por que poucos estão prontos para o julgamento é que a maioria não sabe que haverá um julgamento. Além de estarmos preparados, escatologia deve nos motivar a ajudar os outros a se prepararem também. Enquanto a obsessão pelas últimas coisas é perigosa, a omissão é ainda mais. A preocupação com o mundo presente está sufocando o interesse no mundo por vir, e acredito muitos crentes já não oram Maranta! Temos construído nosso céu aqui. O estudo da Escatologia mantém estas verdades vitais e finais à nossa frente e nos encoraja a olhar além deste mundo: para o céu na vida eterna com Cristo e o Seu povo. Ainda que pareça tardar, a volta de Jesus é Literal - Pessoal e Corporal (At 1.11; 1Ts 4.14-17); será visível (Ap 1.7,9-11; Mt 24.26,27,30; Lc 21.27; Tt 2.13; 1Jo 3.2,3; Is 52.8; Os 5.15). Sua vinda é súbita (Ap 22.7,12,20; Mt 24.27), iminente, do ponto de vista profético (Tt 2.13; Hb 9.28; 1Ts 1.9,10; Rm 13.11), próxima, do ponto de vista histórico (Lc 21.28; Mt 16.3;24.33;24.3). Se dará em duas Fases (Sf 2.3):
a) O arrebatamento da igreja, nos ares (1Ts 4.16,17; Jo 14.3); a parousia;
b) A revelação ao mundo, na terra (2Ts 1.7-9; 2.7,8; Cl 3.4; Ap 1.7; Jl 3.11; 1Ts 3.11; Zc 14.4,5; Jd 14).]

SÍNTESE DO TÓPICO I
A Escatologia Bíblica tem como objetivo estudar os assuntos relacionados às últimas coisas.

SUBSÍDIO TEOLÓGICO
"Embora lide com eventos futuros, a escatologia tem suas raízes tanto na vida, morte e ressurreição históricas de Cristo como em seu futuro retorno. Como afirma Berkouwer: 'Não é o desconhecimento do futuro, mas sim seu conhecimento que é fundamental na reflexão escatológica'. A verdadeira questão é 'se as expectativas bíblicas são certas ou incertas, duvidosas ou inevitáveis'. 
Eis uma verdade com a qual quase todos os teólogos evangélicos concordam: Jesus voltará. Os cristãos fundamentam sua esperança nesta promessa, que foi claramente firmada por Cristo (Mt 24.27-31). Nas parábolas dos dois servos (Mt 24.45-51), das dez virgens (Mt 25.1-13) e dos talentos (Mt 25.14-30), Jesus assegurou que voltaria. Ele virá sobre as nuvens (Mt 26.64; Ap 1.7), à vista de todos (Mt 24.30), chegará ao mesmo lugar do qual partiu (Zc 14.4; At 1.11) e em um momento que apenas o Pai conhece (Mc 13.32).
Embora os estudiosos normalmente concordem que Jesus voltará, existem diferentes opiniões sobre os detalhes das circunstâncias que levarão ou se seguirão ao retorno de Cristo. Estas diferentes opiniões estão relacionadas à sequência dos eventos do fim, à Grande Tribulação, ao Milênio e ao futuro de Israel" (LAHAYE, Tim. Enciclopédia Popular de Profecia Bíblica. 1. ed. Rio de Janeiro: CPAD, 208, p. 168).

CONHEÇA MAIS
*Escatologia bíblica
"O termo escatologia (gr. eschatos), significando 'a teologia das últimas coisas', tem sido usado desde o século XIX para designar a divisão da teologia sistemática que lida com tudo que era profeticamente futuro na época em que foi escrito, isto é, profecias que já se cumpriram, como também profecias que ainda se cumprirão. Importantes assuntos de profecia incluem predições com relação a Jesus Cristo, tanto em sua primeira vinda como na segunda, Israel, os gentios, Satanás, cristianismo, os santos de todas as eras, a futura Grande Tribulação, o estado intermediário, a ressurreição dos mortos, o reino milenial, o juízo final e o estado eterno.
Estes temas podem ser classificados como a revelação divina do programa quádruplo de Deus para: (1) Israel; (2) os gentios; (3) a igreja e (4) Satanás e seus anjos caídos." Leia mais em Dicionário Bíblico Wycliffe, CPAD, p. 662.

II - A PREOCUPAÇÃO COM OS FINS DOS TEMPOS
1. Os discípulos de Jesus. Certa vez, os discípulos de Jesus fizeram a seguinte indagação ao Mestre: "[...] Dize-nos quando serão essas coisas e que sinal haverá da tua vinda e do fim do mundo? (Mt 24.3). Tanto os discípulos quanto os cristãos do primeiro século desejavam saber a respeito do fim dos tempos, pois este é um assunto que chama a atenção de crentes e não crentes. Já no primeiro século algumas pessoas não acreditavam mais na segunda vinda de Jesus, pois Pedro fala sobre os "escarnecedores" que dizem: "Onde está a promessa da sua vinda?" Infelizmente, hoje muitos também continuam achando que a Palavra de Deus não se cumprirá e que o fim não virá (2 Pe 3.3,4). [Comentário: Em seus ensinamentos particulares no monte das Oliveiras, Jesus respondeu a três perguntas relacionadas à destruição do Templo, à sua segunda vinda e ao fim. Esses temas estão interligados e algumas vezes é difícil determinar qual acontecimento está sendo descrito. Essa dificuldade é parcialmente resolvida quando se percebe que a maioria das profecias é capaz de um cumprimento tanto próximo como remoto. É importante lembrar que, em Mt 24.14, Jesus liga o testemunho universal do evangelho à sua segunda vinda. Os discípulos reunidos aos pés de Jesus no monte das Oliveiras o indagam acerca do tempo do fim e a resposta do Mestre é que veriam algumas daquelas coisas ensinadas, acontecendo em um período relativamente curto (perseguição, abominação no Templo de Jerusalém e sua destruição), mas também deixou claro que haveria um lapso de tempo antes que tudo isso começasse a acontecer. Toda a revelação aponta para o futuro. O futuro consiste num plano traçado por Deus para que a Igreja caminhe neste mundo “pela fé a esta graça, na qual estando firme, gloria-se na esperança da glória de Deus” (Rm 5.2).]

2. As previsões falsas sobre o futuro. O homem sempre se preocupou com o fim dos tempos, por isso, o grande número de falsos profetas e falsas previsões quanto ao futuro da humanidade. São inúmeras seitas e falsos profetas que já marcaram a data da segunda vinda de Jesus e o fim de todas as coisas, pois todos erram. [Comentário: O apóstolo Paulo escreve aos Efésios para argumentar o fato de que nós somos o alvo da revelação divina: “nos elegeu antes da fundação do mundo, para sermos santos e irrepreensíveis diante dele. Em amor nos predestinou para sermos filhos de adoção por Jesus Cristo, para si mesmo, segundo o beneplácito da sua vontade” (Ef 1.4,5). O Eterno é maravilhoso para com aqueles que são santos e Seus filhos e somente estes têm o privilégio de ter a revelação das coisas que em breve hão de acontecer. Em contraste, o mundo irregenerado, que não tem a revelação de Deus, se fecha num ciclo de falsas expectativas em relação ao futuro. Filosoficamente, a humanidade descrente vê com grande otimismo a era que está por vir e vislumbra um fantástico progresso material e científico; Contudo o apóstolo Paulo nos adverte: “quando andarem dizendo: paz e segurança, eis que lhes sobrevirá repentina destruição” (1Tm 5.3). O Site CACP.ORG transcreve um artigo do Jornal “Chamada da Meia Noite” (1995), de autoria de José Marcílio da Silva, onde ele escreve o seguinte: “Aos olhos dos franceses do final do século XIX, o novo século parecia uma espécie de Idade de Ouro. Mas o entusiasmo durou até 1914, quando a 1ª Guerra Mundial pôs fim ao sonho dourado. Outra parte da humanidade certamente adentrará o 3º milênio cheia de superstições, medo, insegurança e pessimismo; preocupada com desgraças, desemprego, violência e caos social. A história registra que, na passagem do ano 999 para 1.000, a maior parte da Europa não conseguiu comemorar a data, pois esperava o “Apocalipse”. Segundo o historiador Frederick H. Martins, um sentimento de terror dominou a multidão amontoada na imensa Basílica de São Pedro, em Roma, na noite de 31 de dezembro de 999. Inclusive o Papa Silvestre II parecia aterrado. Isso aconteceu porque o povo não tinha acesso à Bíblia. Quem conhece a revelação sabe que o mundo irá de mal a pior, mas não se desespera. E o Senhor Jesus profetiza: “homens desmaiarão de terror, na expectativa das coisas que sobrevirão ao mundo… e quando estas coisas começarem a acontecer, fiquem firmes e levantem a cabeça, pois a vossa redenção está próxima, Lc. 21.26,28.” (Disponível no link:http://www.cacp.org.br/escatologia-biblica/)]

3. Falsos profetas.  Certo pastor, marcou o arrebatamento da Igreja para o ano de 1993, e o início da Grande Tribulação, considerando que o ano 2000 seria o fim do sexto milênio. Outro "profeta", baseado em cálculos matemáticos, somando ou subtraindo referências bíblicas e utilizando a contagem bíblica dos tempos, assegurou que o Anticristo seria revelado em 13 de novembro de 1986 às 17horas em Jerusalém! Marcou o "fim do mundo" para março de 1987. Mais um falso profeta foi desmoralizado. [Comentário: Não faz muito tempo, uma autodenominada ‘apóstola’ afirmou que a vinda de Cristo será em 2017 ou 2018 (veja aqui). A autora desta declaração se coloca em grau de superioridade a Jesus Cristo, pois Ele mesmo afirmou nas Escrituras que quanto à sua vinda nem Ele mesmo sabia, somente o Pai do Céu. Muitos outros já tentaram prever esta data anteriormente. Não podemos concordar, absolutamente, com estas tentativas de anunciar uma data possível para a vinda de Jesus. Não é preciso raciocinar muito para afirmar que isso não passa de alarme falso. Basta ler o que Jesus deixou escrito no sermão profético de Mateus 24.36: “Mas daquele dia e hora ninguém sabe, nem os anjos do céu, mas unicamente meu Pai.” Entre as muitas outras profecias falsas sobre a vinda de Jesus está a declaração de Joseph Smith, fundador do Mormonismo, feita em 1835. Profetizou ele que Cristo voltaria dentro de 56 anos, e que muitos dos que então viviam “não provariam a morte até que Cristo voltasse”. Nem seria preciso dizer que ele morreu e Jesus ainda não. Charles Taze Russell declarou que a segunda vinda de Cristo tinha ocorrido invisivelmente em outubro de 1874, e que o Senhor estava verdadeiramente presente, e, que, em 1914, os fiéis (os 144.000) seriam trasladados para o céu e os ímpios destruídos. Profetizou que a Batalha do Armagedom, que começara em 1874, terminaria em 1914 com a derrubada geral dos governantes da Terra e o fim do mundo. No começo da década de 20, as Testemunhas de Jeová distribuíram nas ruas e de porta em porta na América do Norte, um livro intitulado Milhões Hoje Vivos Jamais Morrerão, que anunciava: “O ano de 1925 é uma data definitiva e claramente marcada nas Escrituras, ainda mais clara que a de 1914… podemos esperar confiantemente que o ano de 1925 marcará o retorno de Abraão, Isaque e Jacó e dos fiéis profetas antigos… na condição de perfeição humana.” As Testemunhas de Jeová chegaram a construir uma casa na cidade de San Diego, Califórnia, na qual os patriarcas deveriam morar, e tentaram passar a escritura em nome do Rei Davi. Esta casa foi discretamente vendida em 1954. “Quando o profeta falar em nome do SENHOR, e essa palavra não se cumprir, nem suceder assim; esta é palavra que o SENHOR não falou; com soberba a falou aquele profeta; não tenhas temor dele.” (Dt 18.22).]

SÍNTESE DO TÓPICO II
Os discípulos de Jesus sempre se preocuparam com os fins dos tempos. Tanto os discípulos quanto os cristãos do primeiro século desejavam saber a respeito do fim dos tempos, pois este é um assunto que chama a atenção de crentes e não crentes.

SUBSÍDIO BIBLIOLÓGICO

"Marcos 13.32 assinala que apenas o Pai conhece o momento do retorno de Cristo. Mateus 24.42 alerta: 'Vigiai, pois, porque não sabeis a que hora há de vir o vosso Senhor'. Paulo escreve: 'porque vós mesmos sabeis muito bem que o Dia do Senhor virá como o ladrão de noite' (1 Ts 5.2). Estas passagens indicam que Jesus pode retornar a qualquer momento advertindo-nos para estarmos prontos. Já outras passagens trazem sinais que precederão a volta de Cristo. O próprio Jesus mencionou sinais que marcariam o fim dos tempos como lemos em Mateus 24.1-14)" (LAHAYE, Tim. Enciclopédia Popular de Profecia Bíblica. 1.ed. Rio de Janeiro: CPAD, 208, p. 169).

III - INTERPRETAÇÕES ESCATOLÓGICAS
Existem diferentes interpretações escatológicas a respeito do fim. Não podemos estudar todas em uma única lição, porém  estudaremos algumas: [Comentário: Este assunto não tem unanimidade no meio evangélico. No século XIX, surgem novas abordagens teológicas fazendo com que a Igreja adotasse novos rumos a fim de responder aos desafios da época. Foi nesse período que surgiram as Escatologias Contemporâneas - Escatologia Consistente de Schweitzer e a Escatologia Realizada de Dodd. Temos ainda, o Amilenismo Agostiniano, Amilenismo Clássico, Pós-Milenismo, Pré-Milenismo Histórico, e o Pré-Milenismo Dispensacionalista, esta última, adotada pela maioria dos evangélicos brasileiros (Para um estudo sobre cada escola, sugiro uma leitura do artigo ‘Escatologia Reformada’, no site Monergismo.com, seguindo este link:http://www.monergismo.com/textos/escatologia_reformada/escatologia_reformada.htm). Veja também o artigo ‘Correntes da Escatologia Protestante’, por Elias Medeiros, disponível no mesmo site: http://www.monergismo.com/textos/escatologia_reformada/correntesescato.htm]

1.Futurista. Essa interpretação considera que a maior parte das profecias ainda vai se cumprir, começando com o arrebatamento da Igreja e demais fatos subsequentes. Sem dúvida, é a mais adequada à realidade das profecias sobre os últimos tempos.  Essa corrente, porém, subdivide-se em: [Comentário: Contrapondo a interpretação Preterista, o Futurismo lê as profecias apocalípticas como Futuras e, em alguns casos iminentes, com cumprimento literal do texto em eventos reais. Tudo o que é profetizado no livro de Apocalipse a partir do capítulo 4 tem a ver com os últimos dias, sem nenhuma aplicação na história da igreja. O ponto de vista futurista divide-se em duas correntes: A Moderada (ou Pré-Milenarismo Histórico) e a Extrema (ou Pré-Milenarismo Dispensacionalista). Embora haja grandes divergências de interpretação entre essas duas vertentes hermenêuticas, elas concordam que o propósito do livro de Apocalipse é descrever a consumação do propósito redentor de Deus no fim dos tempos. O ponto de vista moderado não vê razão, como o extremo, de fazer uma diferença tão definida entre Israel e a Igreja. O povo de Deus que sofre a perseguição feroz e a igreja. Também não vê razão para reconhecer nas sete cartas uma predição de sete períodos da história da igreja. Não há qualquer evidência interna para tal interpretação, há apenas sete cartas para sete igrejas históricas. Os teólogos se dividem em três diferentes correntes:]
a) Pré-tribulacionista. Esta corrente afirma que o Senhor Jesus arrebatará sua Igreja antes da Tribulação de sete anos (Jo 14.1-3; 1 Ts 4-5). Segundo Tim Lahaye, aqueles que "interpretam a Bíblia literalmente encontram razões fortes para crer que o arrebatamento será pré-tribulacional". O ensino a respeito do arrebatamento é uma doutrina fundamental, porém, o povo de Deus não precisa estar dividido quanto a tal assunto. O importante é que Jesus voltará para buscar a sua Igreja. É importante ressaltar que a corrente pré-tribulacionista está mais de acordo com o livro de Apocalipse (Ap 4.1-2). Para os pré-tribulacionistas os crentes serão guardados da Tribulação. Segundo esta corrente o propósito da Tribulação não é preparar a Igreja para estar com Cristo, mas, preparar Israel para a restauração do plano de Deus.[Comentário: O Arrebatamento pré-tribulacional ensina que, antes do período de sete anos conhecido como Tribulação, todos os membros do corpo de Cristo (tanto os vivos quanto os mortos) serão arrebatados nos ares para o encontro com Jesus Cristo e depois serão levados ao céu (1Ts 4.13-18). Nessa passagem Paulo informa seus leitores de que os crentes que estiverem vivos por ocasião do Arrebatamento serão reunidos aos que morreram em Cristo antes deles. No versículo 17 a palavra "arrebatados" traduz a palavra grega harpazo, que significa "dominar por meio de força" ou "capturar". Essa palavra é usada 14 vezes no Novo Testamento Grego de várias maneiras diferentes.]
 b) Pré-milenista. Essa corrente conclui que a Vinda de Cristo ocorrerá antes do milênio, quando Cristo virá reinar sobre a Terra. Grande parte dos cristãos do primeiro século, eram pré-milenistas. Segundo o pastor Claudionor de Andrade  "tal posicionamento foi duramente combatido por Orígenes que, influenciado pela filosofia grega, passou a   ensinar que o Milênio nada mais era que uma referência alegórica à ação do Evangelho na vida das nações".[Comentário: O pré-milenismo, ou pré-milenialismo, é a visão de que a segunda vinda de Cristo ocorrerá antes do Seu Reino Milenar e que esse reino será um período literal de 1000 anos. Para que possamos compreender e interpretar as passagens nas Escrituras que lidam com os eventos do fim dos tempos, há duas coisas que precisamos claramente entender: um método apropriado de interpretar as Escrituras e a distinção entre Israel (os judeus) e a Igreja (o corpo de todos os crentes em Jesus Cristo).]
c) Midi-tribulacionistas Os midi-tribulacionistas entendem que a Igreja será arrebatada no meio da Tribulação. [Comentário: Os defensores desta opinião acreditam que a igreja vai passar pela primeira metade da tribulação, e será arrebatada no meio (mid) dos dois períodos de três anos e meio cada. Seus defensores citam At 14.22 para fundamentar esta opinião e considerando que a Grande Tribulação propriamente dita inicia apenas no meio dos sete anos, com a retirada da Igreja, deixando o Anticristo livre apara manifestar-se ao mundo:
- a Primeira Metade da Tribulação consiste em:
a) Aliança de Israel com o Anticristo (Dn.9:27; Jo.5:43; Is.28:14-18).
b) As duas testemunhas (Ap.11;3).
- A Segunda Metade da Tribulação: Chamada de grande tribulação ou angústia de Jacó (Mt.24:21; Jr.30:7; Dn.12:1).
a) Perseguição aos judeus (Ap.11:2;12:6,14).
b) Perseguição aos convertidos (Ap.7:13,14).
c) A besta política, o Anticristo (Ap.13:1-10).
d) A besta religiosa, o Falso Profeta (Ap.13:11-18)
e) Os 144.000 judeus (Ap.7:4-8;14:1-5).
f) Abominação desoladora (Dn.9:27;12:11; Mt.24:15; Ap.13:14,15; IITs.2:9).]
d) Pós-tribulacionistas. Os pós-tribulacionistas pregam que a Igreja vai passar pela Grande Tribulação. No entanto, esse ensino não tem base sólida na Palavra de Deus. Jesus disse à igreja de Filadélfia, que representa a igreja fiel, que iria guardá-la "da hora da tentação que há de vir sobre todo o mundo, para tentar os que habitam na terra" (Ap 3.10). A Igreja não estará mais na Terra quando começar a Grande Tribulação. Paulo ensina que devemos "[...] esperar dos céus a seu Filho, a quem ressuscitou dos mortos, a saber, Jesus, que nos livra da ira futura" (1 Ts 1.10).[Comentário: Estes acreditam que a igreja passará por todo o período da tribulação, e será arrebatada apenas após a tribulação, por ocasião da segunda vinda de Cristo. Eles não distinguem a segunda vinda em duas fases. Reese, um dos principais expoentes dessa teoria, declara assim sua proposição: “A igreja de Cristo não será retirada da terra até o segundo advento de Cristo, bem no final desta presente era: o arrebatamento e o aparecimento ocorrem no mesmo momento de transição; consequentemente, os cristãos desta geração serão expostos às aflições finais sob o anticristo.” (Alexander REESE, The approaching advent of Christ, p. 18)]

2. Histórica. Considera que o Apocalipse é um livro histórico, cujos fatos já se cumpriram na sua maior parte. Mas tal entendimento não corresponde à realidade bíblica. [Comentário: Esta interpretação toma como base que os fatos que João descrevia tinham lugar durante a história da igreja e insinua que todos os fatos já teriam acontecido quando olhamos para trás na história da humanidade. Obviamente, seria muito difícil encaixar todas as profecias do livro de Apocalipse em fatos históricos que já aconteceram. Simplesmente, isto faz com que esta interpretação não tenha fundamento.]

3.Preterista. Os preteristas entendem que o Apocalipse já se cumpriu totalmente na época do Império Romano, incluindo a destruição de Jerusalém, no ano 70 a.C. Entretanto, as profecias bíblicas sobre os fins dos tempos indicam que diversos eventos escatológicos ainda não se cumpriram, como o Arrebatamento da Igreja (1 Ts 4.17), a Grande Tribulação ou "a hora da tentação que há de vir sobre todo o mundo" (Ap 3.10),  a Vinda de Cristo em glória (Mt 16.27) e o milênio (Ap 20.2-5). [Comentário:Esta interpretação considera que João teria escrito Apocalipse antes da destruição do Templo em 70 d.C. e que estas profecias seriam fatos que aconteceram na mesma época de quando o livro foi escrito. Esta posição é praticamente insustentável, porque basta retrocedermos na história, tentando encaixar os eventos de Apocalipse que veremos que as profecias ainda não aconteceram. Nem mesmo os imperadores romanos, conhecidos por sua maldade, se encaixariam no perfil descrito para o anticristo. Também vemos que a profecia da profanação do Templo descrita em 2 Tessalonicenses 2.3-4 ainda não aconteceu.]

4. Simbolista. É também chamada de interpretação idealista ou espiritualista. Tudo é "espiritualizado", simbólico; nada é histórico, mas apenas uma alegoria da luta entre o bem e o mal. Nessa linha de pensamento, há o ensino amilenista, segundo o qual não haverá um período literal de mil anos para o reinado de Cristo. Ensinam que a Igreja está vivendo um milênio simbólico, mas as referências que indicam que o milênio será literal são muitas (Ap 20.2-5; Hc 2.14). Há os pós-milenistas que pregam que Jesus só voltará depois do milênio. Os textos bíblicos, porém, indicam uma ordem diferente dos acontecimentos escatológicos. A ressurreição dos mortos salvos ocorrerá na vinda de Cristo (1 Ts 4.13-17). A volta de Jesus é tão literal quanto o foi a sua Ascensão (cf. At 1.9,11).  O pré-milenialismo é a opinião escatológica de que Jesus Cristo voltará literalmente para estabelecer o seu reino na terra por mil anos. [Comentário: Esta interpretação considera todo o conteúdo do livro em sentido figurado e/ou metafórico. Esta interpretação supõe que João estaria falando de um conflito espiritual e não de uma experiência física e real. Esta interpretação tem sempre a tendência de considerar que o mundo estaria cada vez mais perfeito e que estaríamos todos ingressando em um novo reino e que as profecias seriam apenas o conflito espiritual pessoal de João. Porém, todos os acontecimentos dos séculos XX e XXI mostram que o mundo tem somente piorado, promovendo uma verdadeira degeneração da raça humana. Isto prova que esta interpretação não tem o menor fundamento.]

SÍNTESE DO TÓPICO III
Existem várias interpretações escatológicas a respeito do fim.

SUBSÍDIO TEOLÓGICO
 "Os termos pré-milenismo, amilenialismo e pós-milenialismo existem porque Apocalipse 20 fala sobre um reinado milenial de Cristo, que terá lugar logo após o seu retorno (retratado em Apocalipse 19). Uma teologia sólida deve ser desenvolvida a partir da própria Bíblia e as Escrituras ensinam apenas um ponto de vista. O amilenialismo e o pós-milenialismo não são encontrados em nenhuma parte, mas o pré-milenialismo é percebido ao longo de toda a Bíblia. A força do pré-milenialismo está no texto das Escrituras"
O pré-milenialismo é a opinião escatológica de que Jesus Cristo voltará literalmente para estabelecer o seu reino na terra por mil anos. Isso ocorrerá após o período da Tribulação e antes do estabelecimento de um novo céu e uma nova terra (Ap 20).
Ryrie observa: 'Todas as formas de pré-milenialismo entendem que o Milênio segue à segunda vinda de Cristo. A sua duração será de mil anos; a sua localização será na terra; o seu governo será teocrático com a presença pessoal de Cristo reinando como Rei'.
Dentro do pré-milenialismo, em geral, existe uma variedade de pontos de vista acerca do arrebatamento da Igreja, os quais incluem o pré-milenialismo pré-tribulacional, e pós-tribulacional. Em outras palavras, os pré-milenialistas estão divididos quanto as suas opiniões de quando o arrebatamento ocorrerá em relação à Tribulação e ao Milênio" (LAHAYE, Tim. Enciclopédia Popular de Profecia Bíblica. 1. ed. Rio de Janeiro: CPAD, 208, p. 348).

CONCLUSÃO
Defendemos a interpretação futurista, que se revela como a que melhor ajusta-se à boa hermenêutica sagrada, segundo a qual a Bíblia interpreta-se a si mesma. Nos livros escatológicos, podemos identificar algumas profecias que já se cumpriram e também entendemos que há linguagem simbólica nos livros escatológicos. Mas, em relação aos fins dos tempos, face à volta de Jesus, cremos que esta se dará antes da Grande Tribulação. [Comentário: Portanto, vemos que a única interpretação aceitável para o livro de Apocalipse é a futurista. Isso não quer dizer que não haja na Bíblia profecias que já se cumpriram ou estão se cumprindo hoje e/ou que não haja linguagem simbólica. Mas, em se tratando da volta de Jesus, a posição com maior apoio bíblico é a pré-tribulacionista - “Como guardaste a palavra da minha paciência, também eu te guardarei ‘da hora da tentação’ que há de vir sobre o mundo, para tentar os que habitam na terra” (Ap 3.10). Note o leitor que Jesus não deixou de ensinar sobre uma era vindoura perfeita e Apocalipse 21 e 22 descrevem as glórias deste estado eterno. A cidade de Jerusalém, a celestial, baixará de vez sobre a Terra. A nova terra tem seu relevo totalmente diferente. Quem preparou esta cidade foi o próprio Jesus, onde não haverá mais noite, nem precisará da luz do sol, porque o Senhor Deus brilhará sobre os seus e reinarão pelos séculos dos séculos e Deus mesmo enxugará de nossos olhos toda a lágrima. Conheceremos as águas límpidas do Rio da Vida e sentiremos o gostoso sabor do fruto da Árvore da Vida! Maranata! Ora, vem Senhor Jesus!“NaquEle que me garante: "Pela graça sois salvos, por meio da fé, e isto não vem de vós, é dom de Deus" (Ef 2.8)”,
Francisco Barbosa
Campina Grande-PB
Dezembro de 2015


PARA REFLETIR
A respeito da Escatologia Bíblica, responda:

Defina "escatologia".
A palavra escatologia tem origem em dois termos gregos: escathos, "último", e logos, "estudo", "mensagem", "palavra". O termo grego cognato é éschata, que significa "últimas coisas". Daí vem à expressão "estudo", ou "doutrina" das "últimas coisas".
Quais os temas estudados pela escatologia?
Estado Intermediário, Arrebatamento da Igreja, Grande Tribulação, Milênio, Julgamento Final e o Estado Perfeito Eterno.
Quando se dará a volta de Cristo?
A qualquer momento Cristo poderá voltar.
Cite três interpretações escatológicas a respeito do fim.
Pré-tribulacionista, Pré-milenista, Midi-tribulacionistas.
O que a corrente Preterista entende a respeito do Apocalipse?
Os preteristas entendem que o Apocalipse já se cumpriu totalmente na época do Império Romano, incluindo a destruição de Jerusalém, no ano 70 a.C..

CONSULTE
Revista Ensinador Cristão - CPAD, nº 65, p. 36.
Você encontrará mais subsídios para enriquecer a lição.

SUGESTÃO DE LEITURA

Escatologia, doutrina das Últimas Coisas

Este livro é um tratado dinâmico, enriquecido e aprofundado sobre
este assunto. O ponto central de seu conteúdo é o Nosso Senhor Jesus Cristo e suas manifestações com dissertações sobre as profecias futurísticas.

Erros escatológicos que os Pregadores devem evitar
Neste livro do pastor Ciro Zibordi você encontrará de uma forma clara e bem-humorada, explicações tanto para as profecias do Apocalipse quanto para as mais variadas teorias da conspiração que têm assustado a muitos.

Hermenêutica Fácil e descomplicada
Um livro que visa criar no leitor, mesmo sem o conhecimento profundo da matéria, interesse e comprometimento pela interpretação das Escrituras, fornecendo bases contextuais para uma interpretação séria da Bíblia.


1º Vídeo Pré-Aula - Dicas da CPAD para que o professor possa dar uma boa aula: A nossa igreja A.D. CPAD (bairro: ÉDEN em Sorocaba) ajuda você na preparação da sua aula de Escola Dominical.


2º Vídeo Pré-Aula - Dicas da CPAD para que o professor possa dar uma boa aula: O AD Londrina ajuda você na preparação da sua aula de Escola Dominical.


3º Vídeo Pré-Aula - Dicas da CPAD para que o professor possa dar uma boa aula: O pastor Caramuru do Belemzinho ajuda você na preparação da sua aula de Escola Dominical.


4º Vídeo Pré-Aula - Dicas da CPAD para que o professor possa dar uma boa aula: O pastor Luiz H. Silva ajuda você na preparação da sua aula de Escola Dominical.


5º Vídeo Pré-Aula - Dicas da CPAD para que o professor possa dar uma boa aula: O TV Escola Bíblica explica a história da Escola Dominical.


6º Vídeo Pré-Aula - Dicas da EBD Centenário para que o professor possa dar uma boa aula: AD (Fabio Segate) ajuda você na preparação da sua aula de Escola Dominical.


7º Vídeo Pré-Aula - Dicas da CPAD para que o professor possa dar uma boa aula: O pastor da EBD Em Foco ajuda você na preparação da sua aula de Escola Dominical.


8º Vídeo Pré-Aula - Dicas da CPAD para que o professor possa dar uma boa aula: O pastor da EBD Ricardo Peluzo ajuda você na preparação da sua aula de Escola Dominical.


9º Vídeo Pré-Aula - Dicas da CPAD para que o professor possa dar uma boa aula: Pr. EBD Pr. da AD Lajes ajuda você na preparação da sua aula de Escola Dominical.


10º Vídeo Pré-Aula - Dicas da CPAD para que o professor possa dar uma boa aula: A ebd na net ajuda você na preparação da sua aula de Escola Dominical.



11º Vídeo Pré-Aula - Dicas da CPAD para que o professor possa dar uma boa aula: ajuda você na preparação da sua aula de Escola Dominical.


12º Vídeo Pré-Aula - Dicas da CPAD para que o professor possa dar uma boa aula: TV Mesa ajuda você na preparação da sua aula de Escola Dominical.


13º Vídeo Pré-Aula - Dicas da CPAD para que o professor EBD José Netto possa dar uma boa aula: PCC ajuda você na preparação da sua aula de Escola Dominical.

1º Slide Pré-Aula - Dicas da CPAD para que o professor Moises Sampaio possa dar uma boa aula: PCC ajuda você na preparação da sua aula de Escola Dominical



Compartilhar no Google Plus

Sobre Hubner Braz

Criador, colunista e administrador do Pecador Confesso. Fascinado e apaixonado por DEUS!! Formado Bacharel em Teologia pela FATESP e F. Mêcanica pela FATEC-SP e Presbítero na A.D. Belem-Missão em Sorocaba, onde o Pastor Presidente é o Rev. Osmar José da Silva - CGADB, Tenho 1João 1:7-9 injetado na veia!.
    Blogger Comment
    Facebook Comment

2 Milhões de Confessos:

  1. Bom esse é o melhor caminho para alcançarmos as almas que temos hoje.Ensinar na igreja é fácil,agora:ensinar o brasil ou o mundo é mais difícil.

    ResponderExcluir
  2. MAIS UMA FERRAMENTA DE APOIO PARA OS PROFESSOR E ALUNOS!!

    ResponderExcluir

Não deixe de participar, a sua opinião é de extrema importância!

Críticas são bem vindas quando a pessoa se identifica.