Lição 7 - Benignidade: Um escudo protetor contra as porfias - 12 de Fevereiro de 2017 - EBD Adulto - CPAD



TEXTO ÁUREO

VERDADE PRÁTICA

“Antes, sede uns para com os outros benignos, misericordiosos, perdoando-vos uns aos outros, como também Deus vos perdoou em Cristo” (Ef 4.32).


A benignidade na vida do crente torna-o uma testemunha do amor de Deus.

LEITURA DIÁRIA
Segunda - Pv 21.21
A benignidade confere vida longa, justiça e honra
Terça - Rm 15.14
Benignidade entre os irmãos
Quarta - Cl 3.12
Revesti-vos de toda benignidade

Quinta - Rm 13.10
O benigno não faz mal ao próximo
Sexta - 2Sm 22.26
Deus é favorável ao benigno
Sábado - Gl 5.22
A benignidade é fruto do Espírito


LEITURA BÍBLICA EM CLASSE
Colossenses 3.12-17.
12 Revesti-vos, pois, como eleitos de Deus, santos e amados, de entranhas de misericórdia, de benignidade, humildade, mansidão, longanimidade,
13 suportando-vos uns aos outros e perdoando-vos uns aos outros, se algum tiver queixa contra outro; assim como Cristo vos perdoou, assim fazei vós também.
14 E, sobre tudo isto, revesti-vos de amor, que é o vínculo da perfeição.
15 E a paz de Deus, para a qual também

fostes chamados em um corpo, domine em vossos corações; e sede agradecidos.
16 A palavra de Cristo habite em vós abundantemente, em toda a sabedoria, ensinando-vos e admoestando-vos uns aos outros, com salmos, hinos e cânticos espirituais; cantando ao Senhor com graça em vosso coração.
17 E, quanto fizerdes por palavras ou por obras, fazei tudo em nome do Senhor Jesus, dando por ele graças a Deus Pai.


HINOS SUGERIDOS: 5, 75 e 432 da Harpa Cristã.

OBJETIVO GERAL
Mostrar que a benignidade é um aspecto do fruto do Espírito e que a porfia é obra da carne.

OBJETIVOS ESPECÍFICOS
Abaixo, os objetivos específicos referem-se ao que o professor deve atingir em cada tópico. Por exemplo, o objetivo I refere-se ao tópico I com os seus respectivos subtópicos.
    I. Reconhecer que a benignidade se fundamenta no amor;
    II. Mostrar que a porfia se fundamenta na inveja e no orgulho;
    III. Explicar porque precisamos nos revestir de benignidade.


INTERAGINDO COM O PROFESSOR
Na lição de hoje estudaremos a benignidade como um aspecto do fruto do Espírito. Vivemos em uma sociedade onde temos visto o avanço da maldade e da violência. O mundo, que jaz no Maligno, está carente de pessoas benignas. Esse fruto nos ajuda a identificar aqueles que são discípulos de Cristo. Como saber se estamos diante de um crente verdadeiro? Observe se sua fala e atitudes revelam bondade. Quem já experimentou do amor de Cristo é benigno, pois a salvação é resultado da bondade e graça do Pai. Fomos salvos por sua graça, sua bondade.
Incentive seus alunos a desenvolverem esse fruto, mesmo vivendo em um mundo hostil e mau, pois somente sendo benignos poderemos revelar o amor do Pai ao mundo. Lembre-se que antes das pessoas olharem para Cristo, elas vão olhar para você, para suas atitudes e ações.

COMENTÁRIO
INTRODUÇÃO
Na lição de hoje estudaremos mais um aspecto do fruto do Espírito, a benignidade e mais um aspecto das obras da carne, a porfia. Veremos que o crente cheio do Espírito tem um coração benigno e procura ter relacionamentos saudáveis, evitando discussões, disputas e polêmicas. O conselho de Paulo a Timóteo foi para que ele fugisse das discussões, polêmicas e debates acerca da lei, pois tais discussões são inúteis e não acrescentam nada à fé dos irmãos (Tt 3.9). [Comentário: O fruto do Espírito é a luz que se opõe às obras infrutuosas das trevas. Os filhos da luz produzem fruto de acordo com a sua natureza santa porque andam na luz, enquanto os filhos das trevas, obras infrutíferas porque trilham nas trevas (Ef 5.8-13). Stanley M. Horton escreve que “a razão básica dos dons é ser uma bênção ao próximo. A bondade, ou generosidade, nos leva à preocupação com as pessoas de modo prático e dinâmico, onde quer que estas se encontrem. A Igreja Primitiva sabia praticar a mútua generosidade, sem medo de exagerar nos cuidados". LIM, David. Os dons espirituais. In HORTON, Stanley M. (ed.). Teologia sistemática: uma perspectiva Pentecostal. RJ:CPAD, 1996, p. 490.. Benignidade (gr. chrestotes), isto é, não querer magoar ninguém, nem lhe provocar dor (Ef 4.32; Cl 3.12; 1Pe 2.3). A palavra grega chrestotes nos faz lembrar Cristo, o exemplo supremo da benignidade. Paciência e benignidade estão juntas na primeira linha da descrição do amor de Deus (1Co 13.4). Paulo nos conclama a seguir o exemplo de Cristo, a sermos benignos e compassivos, perdoando uns aos outros (Ef 4.32). A severidade não é o modo de agir do corpo de Cristo. A mútua estima e respeito, sim. A benignidade é o bálsamo que nos une, à medida que aprendemos a dar valor uns aos outros. Até mesmo os dons são resultados da benignidade de Deus para conosco.] Dito isto, vamos pensar maduramente a fé cristã?

PONTO CENTRAL
A benignidade é um antídoto contra a porfia.

I. A BENIGNIDADE FUNDAMENTA-SE NO AMOR

1. O que é benignidade? Você conhece o significado dessa palavra? Benignidade significa índole boa, bom caráter; benevolência, humanidade e bondade. No crente, essas características não são o resultado de uma boa formação acadêmica ou de uma família funcional. É o resultado do fruto do Espírito. Não conseguimos ser bondosos pelo nosso próprio esforço. A bondade que estamos estudando vem de Deus, pois Ele é a fonte de toda benevolência e amor (1Jo 4.8). Deus é amor, logo, a benignidade é uma das características do crente. [Comentário: Benignidade – (Gr. chrestotes) Delicadeza, afabilidade; uma graça muito rara, uma disposição a ser gentil, temperado, culto e refinado em caráter e conduta. A benignidade é uma faceta do amor. "O amor é... benigno", escreveu o apóstolo Paulo (1Co 13.4). Outras passagens associam a benignidade à misericórdia. Ser benigno é ser amoroso, misericordioso e compassivo, até mesmo com quem não merece (Lc 6.35; Mt 5.44-48). É preciso diferenciarmos benignidade e bondade, que embora sejam termos bastante parecidos, têm significados diferentes. Benignidade é a disposição em ser bondoso com o próximo. Significa excelência de caráter, pensar bem a respeito das pessoas. Bondade é a ação de ser bom, gentil e reto para com o próximo. Para facilitar a compreensão, contrário de benignidade é malignidade, ou seja, aquele que não é benigno é maligno. Assim, o benigno produz bondade enquanto que o maligno, maldade. Deus é sempre benigno, pois ele está sempre disposto a agir com bondade para conosco, entretanto, a sua benignidade tem um sentido mais pleno como conseqüência de sua onisciência. Ele sabe perfeitamente as intenções do coração do homem. Não se esqueça do conceito de benignidade: Disposição em ser bondoso com o próximo; A benignidade fala de uma disposição interior e a bondade fala de conseqüências ou atos exteriores. Quem é benigno, pratica a bondade. Embora Deus conheça o nosso coração, ele nos ama e sempre está disposto a ser bondoso, isso deve nos servir como modelo, já que a tendência de fazermos o contrário é muito grande.]


2. Jesus, exemplo de benignidade. Jesus, como homem perfeito, é o nosso maior exemplo de benignidade e amor (Jo 3.16). Ele amou os ricos e os pobres e sempre ajudou a todos que foram até Ele, como por exemplo, a mulher Cananéia cuja filha estava miseravelmente endemoninhada (Mt 15.21-28). A princípio, parece que Jesus não estava se importando com o clamor daquela mãe. Porém, o Mestre estava testando a fé daquela mulher. Jesus mesmo declarou: “Ó mulher, grande é a tua fé” (Mt 15.28). Jesus, em sua bondade, não se prendeu a debates religiosos ou políticos, pois sabia que a sua missão era salvar e resgatar os que estavam perdidos (Lc 19.10). [Comentário: Jesus Cristo, com sua alma delicada e benigna, admoesta os seus discípulos que quiseram impedir a aproximação de algumas crianças. Ele disse: "Deixai vir a Mim as criancinhas e não queirais impedi-las"(Mc 10.13,14). Outro exemplo de sua benignidade deu-se após sua ressurreição, quando disse a Maria: "Vai contar aos meus discípulos e a Pedro" (Mc 16.7). A referência a Pedro seria desnecessária, uma vez que Pedro era um de seus discípulos, mas a benignidade de Jesus não o deixava esquecer e menosprezar o remorso que seu discípulo estaria sentindo por tê-lo negado. O espírito benigno de Jesus era capaz de compreender o temperamento vacilante e inconseqüente do sanguíneo Pedro, que pergunta quantas vezes deverá perdoar um irmão (Mt 1.8-21). O Espírito Santo lhe responde com uma quantidade que o faz parar de contar, porque Ele não tem limite para perdoar. Os Evangelhos contêm numerosas ilustrações da benignidade que Cristo demonstrou para com os pecadores. Para mencionar apenas algumas, ver Mc 10.13-16; Lc 7.11-17, 36-50; 8.40-56, 13.10-17, 18.15-17, 23.34; Jo 8.1-11, 19.25-27 Extraído de:http://aprendendocomasescrituras.blogspot.com.br/2013/11/o-fruto-do-espirito-benignidade.html. A mulher cananéia não era judia mas tinha qualidades em sua vida que agradavam a Deus. A resposta de Jesus para ela parece menos rude quando se sabe que o termo que Jesus usa neste trecho para "cachorrinhos" não era aquele termo irônico que os judeus geralmente reservavam para os gentios - cães. Pelo contrário, era o termo usado para cãezinhos de estimação". Com um espírito de mansidão e humildade no coração, ela responde ao Senhor com palavras sábias e doces ... "Sim, Senhor; mas também os cachorrinhos comem, debaixo da mesa, as migalhas dos filhos" (Mc 7.28).]

3. A benignidade na prática. O evangelista Billy Graham disse que é muito fácil ser indelicado e impaciente com os que erram e falham. É fácil ser bondoso e gentil com quem nos trata bem, mas precisamos ser benignos com aqueles que erram, tropeçam e ainda nos tratam mal. Para isso, precisamos ser cheios do Espírito Santo (Ef 5.18). A Terceira Pessoa da Trindade, habitando em nosso interior, nos leva a ser bondosos em todas as circunstâncias. Muitas pessoas rejeitam o cristianismo porque alguns cristãos não amam como o seu Mestre. Jesus foi gentil para com os publicanos e os pecadores. Ele se assentava e comia com essas pessoas (Mt 9.11,12). O Mestre também fez questão de pousar na casa do publicano Zaqueu (Lc 19.1-10). Os publicanos, por serem os cobradores de impostos, eram odiados pelo povo, pois em geral, cobravam mais do que as pessoas deviam. Na cruz, Jesus demonstrou benignidade ao atender o pedido de um salteador (Lc 23.42,43). [Comentário: Benignidade é o amor em exercício. Os filhos da luz produzem fruto de acordo com a sua natureza santa porque andam na luz (Ef 5.8-13). Para que saibamos se um ato agrada ao Senhor, devemos testá-lo pelo critério da 'bondade', da 'justiça' e da 'verdade'. Além de sabermos que a vontade do Senhor é boa, perfeita e agradável (Rm 12.2), precisamos perguntar se nossas atitudes são boas, justas e verdadeiras. Se elas forem reprovadas por esses três critérios, não poderemos ser considerados dignos da Luz do Mundo. Portanto, como o texto de Efésios 5.9,10 atesta: "Porque o fruto do Espírito está em toda bondade, e justiça, e verdade, aprovando o que é agradável ao Senhor", o fruto do Espírito está/acha-se/encontra-se em toda bondade, justiça e verdade - os princípios pelos quais devemos julgar não as pessoas, mas suas atitudes. A vida e a graça que Cristo transmite aos que o aceitam produzem amor, misericórdia e compaixão pelos necessitados e aflitos. Esse amor é um dom da graça de Deus através de Cristo. O crente tem a responsabilidade de viver à altura do amor do Espírito Santo tendo, dentro dele, um coração não endurecido. Quem afirma ser cristão, mas tem o coração insensível diante do sofrimento e da necessidade dos outros, demonstra cabalmente que não tem em si a vida eterna (Mt 25.41-46; 1Jo 3.16-20).]


SÍNTESE DO TÓPICO I
A benignidade, fruto do Espírito, está fundamentada no amor.

SUBSÍDIO TEOLÓGICO
“A palavra benignidade em Gálatas 5.22 é tradução do termo grego cherestotes, que significa bondade como qualidade de pureza e também como disposição afável de caráter e atitudes. Abrange ternura, compaixão e brandura.
Em Mateus 11.30, a palavra chrestotes é usada para descrever o jugo de Jesus. Ele disse: ‘Porque o meu jugo é suave [chrestos], e o meu fardo é leve’. O jugo de Cristo fala do desenvolvimento de uma vida disciplinada através da obediência, submissão, companheirismo, serviço e cooperação. É uma relação cortês, gentil e aprazível (benigna) porque está baseada no compromisso e amor, e não na força e servidão. Temos um Mestre a quem servir, porque o amamos, e também servimos uns aos outros em razão de nosso amor por Ele. Servir sem amor é intolerável — servir por amor é o mais alto privilégio.
A palavra chrestos também é usada em Lucas 5.39 para descrever o vinho velho, que é melhor ou doce. Não há amargura nesse vinho. Esta ideia nos ajuda a entender melhor o que o apóstolo Paulo nos diz em Efésios 4.31,32 e 5.1,2” (GILBERTO, Antonio. O Fruto do Espírito: A plenitude de Cristo na vida do crente. 2ª Edição. RJ: CPAD, p.90).

CONHEÇA MAIS

Porfia
Erithia denota ambição, egoísmo, rivalidade, sendo voluntariosidade a ideia subjacente na palavra; por conseguinte, denota ‘fazedor de partidos de divisões’. É derivado, não de éris, ‘discussão’, mas de erithos, ‘mercenário, pessoa capaz de tudo por dinheiro’; por conseguinte, o significado de ‘buscar ganhar seguidores’, facções, ‘porfias, contendas’. É traduzido em 2 Coríntios 12.20 por ‘porfias’, não é improvável que o significado aqui seja rivalidade ou ambições vis (todas as outras palavras na lista expressam ideias abstratas em vez de facções). Também ocorre em Gálatas 5.20; Fp 1.17; 2.3; Tg 3.14,16. Em Romanos 2.8 é traduzido como adjetivo, ‘contencioso’”. Para conhecer mais leia, Dicionário Vine, CPAD, p.884.



II. A PORFIA FUNDAMENTA-SE NA INVEJA E NO ORGULHO

1. Inimizade e porfia. Embora estas duas palavras pareçam ter o mesmo significado, elas são distintas. Segundo o Dicionário Houaiss, inimizade é ódio, indisposição e malquerença; porfia significa contendas de palavras, discussão, disputa e polêmica. Embora tenham significados distintos, elas são obras da carne, da velha natureza, por isso, devemos fugir de tais ações (Gl 5.20,21).[Comentário: ECHTHRA: inimizade, ódio, hostilidade. Inimizade é o antônimo exato de amor. Echthra (inimizade) é a atitude da mente e do coração que coloca barreiras entre um homem e outro ou entre um povo e outro ou ainda entre uma classe e outra enquanto que o amor (ágape) é a atitude da mente e do coração que alarga o círculo, que estende a mão da amizade e que abre os braços do amor. O primeiro é uma obra da carne o segundo é fruto do Espírito. ERIS: contendas, porfias, rixas, brigas. Pode-se dizer que inimizade (echthra) e porfia (eris) tem uma  ligação muito grande uma com a outra. Inimizade é uma atitude da mente e do coração para com a outra pessoa; e porfia é o resultado na vida real deste estado mental. Inimizade é um dos males que caracteriza o mundo pagão (Rm 1.29). Quando alguém começa a pregar, não para glorificar a Jesus Cristo, mas para exaltar seu próprio conceito pessoal sobre a pessoa de Jesus; quando prega a teologia ao Ives do evangelho, quando prega afim de demolir seu oponente ao invés de ganha-lo então entra ai a inimizade Texto extraído de: http://reflexao-biblica.blogspot.com.br/2012/12/o-texto-que-segue-e-na-verdade.html. Porfia é discussão, briga, insistência. A porfia é uma briga que acontece quando as pessoas são teimosas e insistem em ganhar a discussão e Paulo exorta que devemos evitá-la (2Tm 2.23-24). A porfia só acontece quando as pessoas se esquecem do amor e respeito. A Igreja de Jesus é um corpo espiritual no qual a unidade do Espírito só pode ser conservada pelo vínculo da paz (Sl 133.1).]

2. Evódia e Síntique. Eram irmãs valorosas que serviam a Deus na igreja de Filipos (Fp 4.2). Tudo indica que essas irmãs se deixaram levar pela velha natureza e estavam envolvidas em alguma porfia. Não sabemos ao certo o motivo da diferença entre elas. Alguns autores dizem que foram questões pessoais, outros que se tratava de uma disputa por questões eclesiásticas. Porém, tal atitude era reprovável. Então, Paulo exorta ambas para que acabem de uma vez por todas com as diferenças. O apóstolo, como líder daquela igreja, não procurou saber quem estava com a razão, mas com amor e firmeza ordenou que elas parassem com tal atitude. Em meio às porfias não existem vencedores. Todos acabam perdendo e dando lugar ao Diabo (Ef 4.27). [Comentário: Evódia (que quer dizer “boa viagem”) e Síntique (“afortunada”) foram duas conceituadas mulheres macedônias que gozavam de grande destaque na igreja de Filipos. Ambas possuíam forte personalidade e a desavença entre elas quebrava a harmonia e o bem-estar daquela Igreja minimizando, por assim dizer, o dom da alegria, do gozo e do regozijo redobrado. Com o desejo de sanar o problema, Paulo, no versículo 3, apela para um companheiro que ajudasse aquelas mulheres. Não temos como saber o que realmente acontecia entre Evódia e Síntique. Eram obreiras esforçadas pela causa do evangelho e crentes de fato. Paulo as incluiu no grupo de cooperadores que têm seus nomes escritos no Livro da Vida (v.3). A tentação que temos ao lidar com o desentendimento entre pessoas da igreja é tentar polarizar, ou seja, tentar definir quem está certo e quem está errado, quem é de Deus e quem é o inimigo. A igreja de Filipos nos ensina que até mesmo duas obreiras cristãs e convertidas de fato podem entrar em discórdia.]

3. Miriã e Arão. Moisés havia sido escolhido pelo Senhor para conduzir o seu povo até Canaã, e uma das suas características mais marcantes era a mansidão e a humildade (Nm 12.3). Todo líder precisa dessas duas características para que tenha uma liderança bem-sucedida. Certo dia, Miriã e Arão, irmãos de Moisés, ficaram indignados pelo fato de ele ter se casado com uma mulher cuxita (Nm 12.1). Eles não estavam preocupados com Moisés, mas, por trás da porfia, também havia outro sentimento, a inveja. Eles certamente desejavam a liderança do irmão. Um sentimento carnal traz consigo outros sentimentos, despertando o que há de pior em cada pessoa. As conseqüências da inveja e da porfia foram terríveis para Miriã e para todo o povo, pois tiveram que ficar retidos, em um lugar, até que Miriã pudesse se ajuntar novamente à congregação (Nm 12.15). Tenha cuidado com a porfia, pois ela trará prejuízos a você e ao povo de Deus.[Comentário: Qual a ligação entre os últimos acontecimentos e aquela mulher Cuxita (esta é a palavra hebraica para etíope? Nenhuma. O fato é que precisavam encontrar algum motivo para julgar a liderança de seu irmão Moisés. Parecia ser um problema familiar, mas trouxe à tona os ciúmes que sentiam pela posição e influência de Moisés sobre o povo e eles próprios. A grande responsável pela sobrevivência de Moisés, seu irmão mais novo, Miriã, mais velha que seus irmãos, agora protagoniza uma cena de críticas e ciúmes. Arão havia acompanhado Moisés em seu ministério, e fora designado por Deus para o alto cargo de titular do sacerdócio entre o seu povo, cargo esse que deveria continuar a ser desempenhado exclusivamente pelos seus descendentes. Eles começaram a por em dúvida a posição de líder de Moisés (Nm 12.2). e não foi Moisés quem “se escolheu” para liderar os hebreus, aliás, ele nem queria tal missão. A escolha foi de Deus e Ele ficou muito bravo com Miriã e Arão. Miriã sofreu a ira de Deus, ficou leprosa e Arão passou pela dor de ver sua irmã querida neste estado teve que humilhar-se àquele que antes criticava, para que Moisés interceda ao Senhor por Miriã. O pecado é como a lepra, destrói nossa vida e atinge em cheio nosso relacionamento com Deus e nos afasta Dele. Um leproso nos tempos bíblicos era um morto vivo, que perdia sua casa, seu trabalho, sua família e era obrigado a vagar por lugares distantes das aldeias. Um pecador em estado bruto perde tudo o que tem de mais precioso e vaga por lugares que são os caminhos do diabo e seus demônios.]


SÍNTESE DO TÓPICO II
A porfia é obra da carne e se fundamenta na inveja e no orgulho.


III. REVISTAMO-NOS DE BENIGNIDADE

1. Retirando as vestes velhas. Paulo exorta os crentes de Colossos a se despirem da velha natureza, deixando de lado a ira, a malícia, a maledicência e as palavras torpes (Cl 3.8). Como filhos de Deus, precisamos nos revestir de vestes novas, ou seja, novas atitudes, a fim de anunciar ao mundo a benignidade de Deus (1Pe 2.9). Vivemos neste mundo, mas não podemos nos conformar com a sua maneira de viver e pensar (Rm 12.1). Precisamos de santidade, pois sem ela jamais poderemos agradar ao Senhor e nem vê-lo (Hb 12.14). [Comentário:Parece estranho vermos Paulo exortando crentes a não usarem palavras torpes (que contraria ou fere os bons costumes, a decência, a moral; que revela caráter vil; ignóbil, indecoroso, infame) e sim somente a que for boa para edificação, conforme a necessidade, e, assim, transmita graça aos que ouvem (Ef 4.29). Ainda mais quando vemos Tiago escrevendo que isto não deveria ser assim (Tg 3.10). Paulo utiliza o grego sarpós que significa corrompido, indicando toda palavra ou conversa que em si seja prejudicial, desvirtue ou ofenda os ouvidos de quem a recebe (envolve desde palavrões, mentiras, até a maledicência). Continua sendo estranho um crente fazer uso de palavras torpe dado que a boca fala do que o coração está cheio (Mt 15.18-19). Assim, quando um crente fala uma palavra torpe, ou corrompida, ele está manifestando uma condição de corrupção em seu coração, isto é, algo que ainda não foi transformado pelo Espírito Santo! (Rm 3.14). Deste modo, o seu testemunho é falso, porque as suas palavras contradizem a santidade de Deus. Por esta razão nenhum cristão deve usar palavras torpes, palavrões, mentiras, falar mal ou enfatizar os defeitos da vida dos outros, piadas indecentes. É nosso dever transmitir graça aos que nos ouvem, e não pecado. A nossa conversa deve nutrir as necessidades das pessoas e não corrompê-las.]

2. Sede benignos. A benignidade é um antídoto e um escudo contra as porfias. Tornamo-nos benignos porque fomos perdoados e justificados por Jesus Cristo e agora o Espírito Santo habita em nós e nos ajuda a viver de modo santo e justo. Fomos perdoados por Cristo. Por isso, precisamos também conceder o perdão àqueles que nos ofendem e magoam (Mt 6.12,14,15). De certa forma, é até fácil agir com bondade com aqueles que agem conosco dessa mesma forma, mas precisamos ser benignos com aqueles que nos odeiam e nos maltratam. Jesus nos ensinou a amarmos até mesmo os nossos inimigos (Mt 5.44). [Comentário:Aos Colossensses Paulo dá orientações quanto às atitudes para a vida cotidiana: “Revesti-vos, pois, como eleitos de Deus, santos e amados, de compaixão, de benignidade, de humildade, de mansidão, de longanimidade.” (Cl 3.12). A benignidade é o amor (ágape) em ação. “O homem bondoso faz bem a si mesmo, mas o cruel a si mesmo se fere” (Pv 11.17). Não esqueçamos que éramos merecedores da justa ira de Deus, mas Sua benignidade proveu salvação para nós, mesmo sem merecê-la – por isso é graça. Como reconhecimento desta benignidade e por sermos semelhantes a Deus, devemos ser benignos também. Também aos Filipenses Paulo orienta: “Não tenha cada um em vista o que é propriamente seu, senão também cada qual o que é dos outros” (Fp 2.4).]

3. Imitando a conduta de Paulo. O apóstolo Paulo tinha uma vida ilibada, e como líder, era um exemplo para os crentes de Corinto. Sua maneira de viver era tão santa que ele desafiou os crentes a serem seus imitadores (1Co 11.1). Sua família, seus amigos e seus irmãos em Cristo podem imitar seus atos e suas ações? Paulo seguia o exemplo de Jesus. Precisamos também seguir o exemplo do Mestre e nos tornarmos semelhantes a Ele. Não podemos nos esquecer que ser cristão é ser semelhante a Cristo. Jesus deve ser o padrão para o nosso viver. Ele tinha uma vida social intensa; ia a casamentos (Jo 2.1-12), jantares na casa dos amigos (Jo 12.1-11), mas não se deixou seduzir pelas coisas desse mundo. [Comentário: Paulo foi salvo por Cristo e dele se tornou imitador, palavra cujo sentido original refere-se ao compromisso de ser discípulo. Todo aquele que vive segundo o exemplo supremo de Cristo deve ser, igualmente seguido (1Pe 2.21). Não podemos esquecer que o termo cristão (aparece três vezes no Novo Testamento (At 11.26; 26.28; 1Pd 4.16)) é um apelido e que este apelido referia-se aos crentes que andavam de uma forma digna. Foi em Antioquia da Síria que os discípulos começaram a ser chamados assim (At 11.26), tamanha era a transformação que se tornavam impossíveis de não serem notados. Então a própria sociedade, testemunhando esta transformação, chamava-os de "cristãos". Assim, ser apelidado de cristão seria uma grande honra a qualquer crente. No site gotquestions.org, no artigo O que é um Cristão?, temos o seguinte: “A Bíblia nos ensina que as boas obras que fazemos não são capazes de nos tornar aceitáveis para Deus. Tito 3:5 nos diz que “não por obras de justiça praticadas por nós, mas segundo Sua misericórdia, Ele nos salvou mediante o lavar regenerador e renovador do Espírito Santo.” Então, um Cristão é alguém que foi renascido por Deus (Jo 3.3; Jo 3.7; 1Pd 1.23) e colocou a sua fé e confiança em Jesus Cristo. Efésios 2.8 nos diz que “pela graça sois salvos, mediante a fé; e isto não vem de vós; é dom de Deus.” Um verdadeiro Cristão é alguém que se arrependeu do seu pecado e colocou sua fé e confiança somente em Jesus Cristo. A sua confiança não é em seguir uma religião ou um conjunto de códigos morais, ou uma lista de faças e não-faças. Um verdadeiro Cristão é alguém que colocou a sua fé e confiança na pessoa de Jesus Cristo e no fato de que Ele morreu na cruz como pagamento por nossos pecados e ao terceiro dia ressuscitou dos mortos para obter vitória sobre a morte e dar vida eterna a todos os que Nele crêem. João 1:12 nos diz: “Mas, a todos quantos o receberam, deu-lhes o poder de serem feitos filhos de Deus, a saber, aos que crêem no seu nome.” Um verdadeiro Cristão é de fato um filho de Deus, uma parte da verdadeira família de Deus, e alguém que recebeu vida nova em Cristo. A marca de um verdadeiro Cristão é o amor pelos outros e obediência à palavra de Deus (1Jo 2.4; 1Jo 2.10). https://www.gotquestions.org/Portugues/que-Cristao.html]


SÍNTESE DO TÓPICO III
O crente precisa se revestir de benignidade.

SUBSÍDIO TEOLÓGICO
“Cristo é nosso exemplo de como andar em amor, como oferta de cheiro perfumado. As ofertas pelo pecado descritas no Antigo Testamento não eram perfumadas. Mas isto é dito acerca de Jesus, nossa oferta pelo pecado, que se deu em ternura, compaixão e brandura, porque Ele nos amou. Jesus demonstrou em sua forma mais elevada o significado de ser benigno e misericordioso uns para com os outros. É por isso que para o apóstolo Paulo Ele era a oferta de cheiro perfumado, oferecida em amor.
Em 1 Pedro 2.3, a versão Almeida Revista e Atualizada traduz o termo grego chrestotes (ou chrestos) por ‘bondoso’; ‘Se é que já tendes a experiência de que o Senhor é bondoso’. Referência semelhante no Antigo Testamento ocorre em Salmos 34.8: ‘Provai e vede que o Senhor é bom’, o que fala de brandura. Estes versículos bíblicos dizem respeito a experimentar de modo pessoal a benignidade de Deus” (GILBERTO, Antonio. O fruto do Espírito: A plenitude de Cristo na vida do crente. 2ª Edição. RJ: CPAD, 2004, p.91).

CONCLUSÃO
Se realmente desejamos expressar um cristianismo vivo, autêntico, precisamos excluir do nosso meio as porfias, pois são obras da carne e maculam corpo de Cristo. Precisamos seguir o exemplo de Jesus Cristo, que, com sua benignidade, atraía as pessoas para se reconciliarem com Deus. Jesus manifestou sua benignidade curando os enfermos, libertando os oprimidos pelo Diabo e morrendo na cruz pelas nossas ofensas e delitos. [Comentário: “Discórdias, dissensões e facções. Aqueles que praticam tais coisas não herdarão o reino do céu” - esta advertência de Paulo em Gálatas 5.19-21 é clara. Deus não aceita o espírito partidário divisor que domina tantas pessoas religiosas de hoje. Estes pecados correm diretamente contra a oração de Jesus e a verdadeira natureza de Deus (Jo 17.20-23). Quem se dá às porfias precisa experimentar um encontro real com Cristo. Nenhuma carta do Novo Testamento fala mais sobre divisão do que 1º Coríntios. As facções na igreja coríntia eram o resultado de comportamentos carnais de pessoas que estavam mais preocupadas com suas próprias reputações e influências do que estavam com o povo de Deus (leia cuidadosamente 1 Coríntios 3.1-17). Quando os homens são apanhados na carnalidade de tentar mostrar que nossas igrejas são maiores do que as igrejas deles, que nossos projetos são melhores do que os projetos deles e que nossos pregadores são mais eloqüentes do que os pregadores deles, as contendas são inevitáveis. Se pensarmos que somos maiores e melhores, seremos dominados pelo orgulho. Se temermos que outros estejam ganhando a corrida, seremos dominados pela inveja e o ciúme. Não importa quem está na frente; todos que estão na corrida estão errados! Vergonha para aqueles que rebaixarem a obra do Senhor ao nível de uma competição atlética. Deixem as competições e a busca de reconhecimento humano na planície de Sinear e retornem à pregação da mensagem simples da cruz de Cristo (1Co 2.1-5; veja Gn 11.1-9). É interessante que Jesus freqüentemente nos diga para buscarmos as bênçãos que ele promete em lugares inesperados. Àqueles que queriam ser exaltados, ele disse que olhassem para baixo e lavassem os pés de seus irmãos (Jo 13.14-15). Àqueles preocupados com necessidades físicas, ele disse que buscassem as coisas espirituais (Mt 6.31-34). E àqueles que querem a paz com os homens, ele diz que busquem a sabedoria pura que vem de cima. Se começarmos a buscar a paz, é bem provável que acabemos com nada mais do que alianças impuras com pessoas infiéis. Mas se partirmos para buscar e seguir a Verdade, receberemos o benefício extra da paz com Deus e seu povo. "A sabedoria, porém, lá do alto é, primeiramente, pura; depois, pacífica..." (Tg 3.17). Não podemos reverter a ordem. Se pusermos a paz acima da pureza na pregação e na prática, terminaremos em desavença com Deus. Mas se nos devotarmos a proclamar e a seguir a pura mensagem de Jesus Cristo, gozaremos paz eterna com Deus e seu povo (1Co 1.10; Ef 2.11-22). "Assim, pois, seguimos as cousas da paz e também as da edificação de uns para com os outros" (Rm 14.19).] “NaquEle que me garante: "Pela graça sois salvos, por meio da fé, e isto não vem de vós, é dom de Deus" (Ef 2.8)”,
Francisco Barbosa
Campina Grande-PB
Fevereiro de 2017

PARA REFLETIR

A respeito da benignidade, um escudo protetor contra as porfias, responda:
O que é benignidade?
Benignidade significa índole boa, bom caráter; benevolência, humanidade e bondade.
Quem é a fonte de toda benignidade?
Deus é a fonte de toda bondade.
Por que os publicanos eram odiados pelo povo?
Os publicanos, por serem os cobradores de impostos, eram odiados pelo povo, pois em geral, cobravam mais do que as pessoas deviam.
Segundo a lição, a porfia se fundamenta em quê?
Fundamenta-se na inveja e no orgulho.
Cite dois exemplos bíblicos de porfia na igreja de Filipos.
Evódia e Síntique.

SUBSÍDIOS ENSINADOR CRISTÃO
Benignidade, um escudo protetor contra as porfias
Ao longo dos Evangelhos, nosso Senhor nos ensina, a partir de seu exemplo, como tratar pessoas que tinham algum desvio moral grave. Em nenhum momento nosso Senhor chegou a detratá-las, condenando-as sumariamente. Embora o mestre de Nazaré jamais tenha corroborado com os pecados dessas pessoas, pois muitas vezes ele afirmava “não peques mais”, Jesus as tratavas com muita benevolência, humanidade e bondade. Isso é ser benigno!

Sobre a benignidade
O termo benignidade remonta a ideia de generosidade, isto é, uma sensibilidade emocional e espiritual para com os outros. E a ideia de discernir o limite de carga de cada pessoa, ajudá-la a aliviá-la. Esse é o sentido de benignidade em Galátas 5.22. Quantas pessoas que nos deparamos estão com uma carga pesadíssima em suas vidas?! Às vezes, com o histórico de erros cometidos no passado, cuja última coisa que elas precisam é de um tratamento desrespeitoso e sem misericórdia. Por isso devemos ser generosos em anunciar o Evangelho ao pecador, com ternura, compaixão e muito respeito, fazendo tudo no “espírito” do Evangelho.

Sobre a porfia
Diferentemente da benignidade, porfiar é discutir, disputar, polemizar, demonstrar superioridade ao outro. Não por acaso, a porfia está fundamentada no orgulho e na inveja. É uma obra eminentemente da nossa velha natureza. Por isso, o único antídoto para não cair na cilada da porfia é firmar um compromisso verdadeiro de imitar a Cristo em tudo. Ora, se olharmos para o Evangelho de nosso Senhor, constatamos que Jesus Cristo sempre evitou a discussão, a disputa, a polêmica, o que não significava ensinar sem convicção e autoridade. Pelo contrário, o exemplo de Jesus era tão retumbante que era impossível as pessoas não se sensibilizarem pela sua benignidade.
Num tempo onde as pessoas não têm muita paciência com as outras, desejam por qualquer motivo sobrepor a opinião das outras pessoas, é importantíssimo olhar para o Evangelho de Jesus, compreendê-lo e aplicá-lo na vida. Os filhos da Igreja precisam ser amados e bem cuidados para glória de Deus. As pessoas que abordamos nas ruas para falarmos do amor de Deus precisam estar em contato direto com esse fruto do Espírito manifestado em nossa vida. Deus abençoe!


Compartilhar no Google Plus

Sobre Hubner Braz

Criador, colunista e administrador do Pecador Confesso. Fascinado e apaixonado por DEUS!! Formado Bacharel em Teologia pela FATESP e F. Mêcanica pela FATEC-SP e Presbítero na A.D. Belem-Missão em Sorocaba, onde o Pastor Presidente é o Rev. Osmar José da Silva - CGADB, Tenho 1João 1:7-9 injetado na veia!.
    Blogger Comment
    Facebook Comment

0 Milhões de Confessos:

Postar um comentário

Não deixe de participar, a sua opinião é de extrema importância!

Críticas são bem vindas quando a pessoa se identifica.