Lição 12 - Quem Ama Cumpre Plenamente a Lei Divina - EBD ADULTO - CPAD



TEXTO ÁUREO

VERDADE PRÁTICA
"A ninguém devais coisa alguma, a não ser o amor com que vos ameis uns aos outros; porque quem ama aos outros cumpriu a lei" (Rm 13.8).

Amar a Deus e ao próximo é cumprir plenamente a lei divina.
[Comentário do Texto de Ouro: Os salvos em Cristo são exortados à santidade em razão da nova vida que receberam e do glorioso futuro que os aguarda na eternidade. O crente não deve deixar de pagar suas dívidas. Isso não significa que é proibido tomar emprestado do próximo, em caso de necessidade grave (cf. Êx 22.25; Sl 37.26; Mt 5.42; Lc 6.35). Por outro lado, a Palavra de Deus reprova o ato de contrair dívidas por coisas desnecessárias, bem como ficar indiferente quanto ao resgate delas (cf. Sl 37.21). A única dívida que nunca quitamos é a de amar uns aos outros. Que a nossa única dívida a outrem seja a dívida do amor.]

LEITURA DIÁRIA
Segunda - Mt 22.39
O amor altruísta
Terça -  Jo 13.35
O amor é a prova do discipulado
Quarta -   Rm 12.9
O amor precisa ser sincero

Quinta - 1Ts 3.12
O amor precisa ser abundante
Sexta - 1Pe 1.22
O amor precisa ser fervoroso
Sábado -  Jo 15.9
Permanecendo no amor do Pai


LEITURA BÍBLICA EM CLASSE
Romanos 12.8 - 14
8 Ou o que exorta, use esse dom em exortar; o que reparte, faça-o com liberalidade; o que preside, com cuidado; o que exercita misericórdia, com alegria.
9 O amor seja não fingido. Aborrecei o mal e apegai-vos ao bem.
10 Amai-vos cordialmente uns aos outros com amor fraternal, preferindo-vos em honra uns aos outros.
11 Não sejais vagarosos no cuidado; sede fervorosos no espírito, servindo ao Senhor;
12 Alegrai-vos na esperança, sede pacientes na tribulação, perseverai na oração;
13 Comunicai com os santos nas suas necessidades, segui a hospitalidade;
14 Abençoai aos que vos perseguem, abençoai, e não amaldiçoeis.


HINOS SUGERIDOS: 145,254,363 da Harpa Cristã.

OBJETIVO GERAL
Explicar que amar a Deus e ao próximo é cumprir plenamente a lei divina

OBJETIVOS ESPECÍFICOS
Abaixo, os objetivos específicos referem-se ao que o professor deve atingir em cada tópico. Por exemplo, o objetivo I refere-se ao tópico I com os seus respectivos subtópicos.
I. Compreender a singularidade do amor ágape;
II. Mostrar que precisamos amar a Deus e ao próximo;
III. Explicar que sob a tutela do amor, devemos rejeitar as obras das trevas.


INTERAGINDO COM O PROFESSOR
Estamos nos aproximando do término do trimestre. Esperamos que você e seus alunos tenham produzido muitos frutos, nesse período, para a glória de Deus. O crente precisa ter uma vida frutífera. Na lição de hoje estudaremos o amor como fruto do Espírito. Sem esse fruto é impossível ser manso, paciente, longânimo, etc, ou seja, todos os outros frutos dependem dele. Uma das características mais marcantes do crente é o amor. Deus é amor e quem não ama, não o conhece.  Quem ama a Deus ama também o próximo, cumprindo então a lei divina.

COMENTÁRIO
INTRODUÇÃO
Já estudamos alguns aspectos do fruto do Espírito e obras da carne, Deixemos para tratar a respeito do amor em uma única lição, pois o objetivo é que venhamos compreender a singularidade e a importância desse aspecto do fruto do Espírito. Podemos agrupar os nove aspectos do fruto do Espírito Santo da seguinte maneira: Os atributos que tratam do nosso com Deus: amor, paz e alegria. Os que tratam do nosso relacionamento com o próximo: longanimidade, benignidade e bondade. Os que tratam do nosso relacionamento com nós mesmos: fidelidade, mansidão e domínio próprio. Porém, nesta lição, veremos o aspecto do amor. A maior marca de uma igreja não é sua teologia, seu templo, tradições, mas sim o seu amor para com o Senhor Jesus e para com o próximo.[Comentário: Quem ama ao próximo, tem cumprido a lei. "Próximo" é literalmente "o outro", isto é, o próximo de alguém. É muito possível traduzir assim esta sentença: "Aquele que ama, tem cumprido a outra lei" - a "outra lei" sendo, neste caso, o "segundo" mandamento de Mateus 22.39 e Marcos 12.31: "Amarás ao teu próximo como a ti mesmo." Contudo, é preferível a tradução que consta do texto, e a referência é, em todo caso, ao mandamento que Jesus citou como "o segundo" que é semelhante ao primeiro. Quem paga esse débito cumpre a lei - citação de Levitico 19.18, "Amaras ao teu próximo como a ti mesmo", como um sumário dos mandamentos, introduz Paulo diretamente na tradição de Jesus, que colocou estas palavras como o segundo grande mandamento ao lado de "Amarás o Senhor teu Deus ..." (Dt 6.5), "o grande e primeiro mandamento", acrescentando: "Destes dois mandamentos dependem toda a lei e os profetas" (Mt 22.37-40; ver Mc 12.28-34). Paulo menciona o segundo aqui, e não o primeiro, porque a questão imediata relaciona-se com os deveres do cristão para com o seu próximo - tema dominante dos mandamentos da segunda tábua do Decálogo. Estes mandamentos nos proíbem prejudicar o nosso próximo de qualquer modo, Visto que o amor nunca prejudica a outros, o amor cumpre a lei. Por que o amor é a marca distintiva de uma Igreja forte? Em João 13.35 Jesus afirma que os seus discípulos seriam identificados pelo amor; Ágape deve ser a marca distintiva dos seguidores de Cristo (1 Jo 3.23; 4.7-21). Este amor é, em suma, um amor abnegado e sacrificial, que visa o bem do próximo (1Jo 4.9,10). Por isso, o relacionamento entre os crentes deve ser caracterizado por uma solicitude dedicada e firme, que vise altruisticamente promover o sumo bem uns dos outros. Os cristãos devem ajudar uns aos outros nas provações, evitar ferir os sentimentos e a reputação uns dos outros e negar-se a si mesmos para promover o mútuo bem-estar (cf. 1 Jo 3.23; 1 Co 13; 1 Ts 4.9; 1 Pe 1.22; 2 Ts 1.3; Gl 6.2; 2 Pe 1.7).] Dito isto, vamos pensar maduramente a fé cristã?

I – A SINGULARIDADE DO AMOR AGÁPE

1. Amor, um aspecto do fruto. O amor é o primeiro aspecto do fruto que encontramos na relação de Gálatas 5.22. Podemos afirmar que tal sentimento é o solo onde os demais aspectos do fruto devem ser cultivados. Paulo relata a suprema excelência do amor em l Coríntios 13. A Língua grega possui três vocábulos para denominar o amor: ágape, amor divino; philéo, amor entre amigos e eros, amor entre cônjuges. [Comentário: O comentarista afirma que ágape é sentimento, no entanto, ágape, o amor que só possui quem nasceu de novo, o amor de Deus, é condicional e não sentimental - “Se me amais, guardareis os meus mandamentos” (Jo 14.15) – está intimamente ligado à obediência -"Porque este é o amor de Deusque guardemos os seus mandamentos; e os seus mandamentos não são pesados" (1Jo 5.3). "Eu amo aos que me amam e os que cedo me buscarem, me acharão" (Pv 8:17). O amor de Deus para com o homem é condicional, pois Ele ama aos que O amam. É condicional por haver um quesito e demanda reciprocidade. Concluir que o amor de Deus é incondicional, geralmente decorre da má leitura dos seguintes versículos: “Nisto consiste o amor, não em que nós tenhamos amado a Deus, mas em que ele nos amou (...) Nós o amamos a Ele, porque ele nos amou primeiro” (1Jo 4.10 e 19). "Mas, Deus prova o seu amor para conosco, em que Cristo morreu por nós, sendo nós ainda pecadores" (Rm 5.8). Só é possível ao homem amar a Deus porque Ele amou primeiro, ou seja, se Deus não houvesse primeiramente dado um mandamento aos homens, seria impossível aos homens amarem a Deus. A Bíblia afirma que antes de conhecermos a Cristo, éramos "odiosos, odiando-nos uns aos outros" (Tt 3.3). Jesus afirmou que seus discípulos seriam conhecidos pelo amor com que se amavam. "Ágape" é o termo grego para o mais profundo e o mais sublime amor. Ágape sempre caracterizou Deus. Em João 3.16 a Bíblia nos mostra o tão grande amor do nosso Deus quando diz: "Porque Deus amou o mundo de tal maneira que deu o Seu Filho..." Existe maior amor do que este? Encontramos também este amor expresso em 1Co 13.4-7. Note a explicação do comentarista para as três palavras gregas para amor. De fato, Eros se refere ao amor sexual e, como sabemos, Eros deve existir dentro do casamento; de igual forma, phileo, o amor que existe entre pais e filhos, e entre irmãos, é o tipo de amor que se desenvolve com o tempo, e também deve existir no casamento! Mas o amor que realmente sustenta um relacionamento cristão é o ÁGAPE – um casamento fundamentado no ágape pode sobreviver a qualquer tipo de tempestade, desencontros, desavenças, etc. Se alicerçamos nosso casamento no amor ágape, a palavra de Deus se torna realidade quando Ele diz: "o amor nunca acaba". Certamente este tipo de amor precisa ser aprendido e esta aprendizagem exige muito esforço e conhecimento. Todos precisamos aprender a amar. Mas, para que um casamento seja feliz é necessário existir estes três tipos de amor.Este texto foi extraído em parte do site http://solascriptura-tt.org/DoCoracaoDeValdenira/AmorQDevemosAprender-Valdenira.htm.. Nesta relação, está faltando o termo grego Storgé - o mais benéfico dos afetos, acontece especialmente com a família e entre seus membros, normalmente afeição de Pais aos filhos. ]

2. O amor ágape. O amor de Deus é expresso no grego pela palavra ágape. Tal vocábulo significa "amor abnegado e profundo". Um dos atributos do nosso Deus é o amor (1Jo 4.8). Seu amor por nós é ímpar. Não podemos nos esquecer que hoje amamos ao Pai e ao próximo porque o amor divino nos alcançou primeiro: "Nós o amamos porque ele nos amou primeiro" (1Jo 4.19). O que fizemos para merecer tal amor? Nós não fizemos nada. O mérito de tal sentimento não é nosso. Mas Ele nos amou quando éramos ingratos e maus e nos deu o seu Filho Unigênito para morrer em nosso lugar (Jo 3.16). [Comentário: Ágape é aquele amor que se dá e se sacrifica pelo mais alto bem da outra pessoa. Tal sublime amor prático é completamente abnegado, ou seja, busca o que é melhor para aquele que ama. O amor ágape também é dedicado, ou seja, continua amando aconteça o que acontecer. No site do Centro Apologético Cristão de Pesquisas (CACP), no artigo de Marcos Brito, ‘Os quatro tipos de amor’, lemos: “Amor “ágape”: Dos quatro, este é o amor maior, pois tem origem no próprio Deus que é a revelação clara desse amor (Jo 3.16; 1Jo 4.8-18; 1Co 13.1-13; Ef 5.25). Esse amor é incondicional. Ou seja, não espera nada em troca. Não preciso esperar que alguém me ame para amá-lo. Aliás, com esse amor é possível amarmos até os nossos inimigos (Mt 5.44). Ele também é infalível e eterno, como se pode ver em 1Coríntios 13.8,13. É bom salientar que, todos os seres humanos possuem, por natureza, os três tipos de amor já mencionados (“eros”, “fileo” e “storge”), entretanto, o amor “ágape” só se adquire quando se nasce de novo, ou seja, ele passa a operar na vida do homem, quando este se torna templo do Espírito Santo (Gl 5.16-22). Com o amor “ágape” devemos amar a Deus e ao próximo: “Amarás, pois, ao Senhor teu Deus de todo o teu coração, e de toda a tua alma, e de todo o teu entendimento, e de todas as tuas forças; este é o primeiro mandamento. E o segundo, semelhante a este, é: Amarás o teu próximo como a ti mesmo. Não há outro mandamento maior do que estes.” (Mc 12.30-31 – grifo meu). Na Bíblia, o termo “ágape” ocorre com mais frequência que os outros. Isso demonstra a importância desse amor! Já, no versículo bíblico seguinte, o apóstolo Paulo cita dois dos quatro tipos de amor: “Quanto, porém, ao amor fraternal (amor “fileo”, no original “filadélfias”), não necessitais de que vos escreva, visto que vós mesmos estais instruídos por Deus que vos ameis (“ágape”) uns aos outros” (1Ts 4.9 – grifo meu). O mesmo apóstolo também escreveu: “Amai-vos cordialmente uns aos outros com amor fraternal (no original, “filadelfia”), preferindo-vos em honra uns aos outros.” (Rm12.10 – grifo meu). Temos no primeiro versículo a junção do “fileo” e do “ágape”, enquanto que, no segundo, a expressão “amor fraternal” é a tradução do grego “filadelfia”. Amar é um sentimento que nunca deveria ser extinto do ser humano, apesar de a Palavra de Deus afirmar que, “por se multiplicar a iniquidade(o pecado), o amor(“ágape”) de muitos esfriará.”(Mt 24.12 – grifo meu).” Continue lendo em: http://www.cacp.org.br/os-quatro-tipos-de-amor/No subtópico 1 disse que o amor de Deus para com o homem é condicional, no sentido de que  Ele ama aos que O amam. É condicional por haver um quesito e demanda reciprocidade. Só é possível ao homem amar a Deus porque Ele amou primeiro (Rm 5.8), ou seja, se Deus não houvesse primeiramente dado um mandamento aos homens, seria impossível aos homens amarem a Deus; Neste subtópico, Ágape em nosso inter-relacionamento é incondicional no sentido de que não preciso esperar nada em troca, não preciso esperar que alguém me ame para amá-lo. É assim que Cristo nos orienta a amar até os nossos inimigos (Mt 5.44).]

3. O amor ágape derramado em nós. Quando recebemos, pela fé, o Senhor Jesus, nos tornamos uma nova criatura (Jo 3.3). E, assim, foi-nos enxertado o amor que é a essência do Pai. Se somos discípulos de Cristo, amamos ao Pai e ao próximo. O amor de Deus em nós nos proporciona paz, longanimidade, benignidade, bondade, fé, mansidão e temperança (G15.22). Quem tem o amor de Deus considera o próximo e está sempre disposto a servir a todos, assim como o nosso Mestre (Mc 10.45). [Comentário: Como fruto do Espírito, logicamente só possui ágape que foi regenerado, e quem verdadeiramente foi regenerado deve demonstrar sempre ser possuidor de ágape! “Se me amais, guardareis os meus mandamentos” (Jo 14.15). O amor que Jesus exige é serviçal, sujeição ao seu senhorio. O amor de Deus está expresso em seus mandamentos e os homens, por sua vez, amam a Deus, obedecendo-O. Quando Deus dá um mandamento, há um objetivo: a obediência de um coração puro. "Ora, o fim do mandamento é o amor de um coração puro, de uma boa consciência e de uma fé não fingida" (1Tm 1.5). Ao escrever a Timóteo, o apóstolo Paulo não falou do fim da lei, antes, do objetivo do mandamento de Deus: a obediência. O termo grego τέλος (telos), traduzido por ‘fim’, na verdade significa ‘finalidade’, ‘objetivo’. O mandamento que o apóstolo Paulo destaca, refere-se à doutrina do evangelho (1Tm 1.3). O mandamento de Deus expressa o Seu cuidado e tem por objetivo a obediência do homem e quando a obediência ocorre, o homem estará ao abrigo do cuidado de Deus. O leitor deve estar atento, pois, algumas vezes, os escritores bíblicos fazem referência ao amor de Deus e outras vezes, ao amor do homem. Por exemplo, neste verso da epístola de João, o amor em destaque é o do homem: “No amor não há temor, antes o perfeito amor lança fora o temor; porque o temor tem consigo a pena e o que teme não é perfeito em amor” (1Jo 4.18). O amor que não remete ao medo, não diz do amor de Deus, mas, sim, do amor do homem. O amor como obediência, não tem espaço para o medo, antes a perfeita obediência lança fora o medo. O medo só vem à tona por causa da pena e, qualquer que tem medo, é porque não é um obediente perfeito. Extraído de: http://www.estudobiblico.org/pt/detalhe/ver/o-amor-de-deus-328.]

SÍNTESE DO TÓPICO I
O amor de Deus, o amor ágape, é singular.

SUBSÍDIO DIDÁTICO
Professor, inicie o primeiro tópico da lição fazendo a seguinte indagação: "Quais são as três dimensões do amor ágape?" Ouça os alunos e incentive a participação de todos para que aula se torne dinâmica. Em seguida, desenhe no quadro duas linhas: uma vertical e uma horizontal. Depois desenhe um ponto. A seguir explique que o amor divino possui três dimensões:
(1) A dimensão vertical (aponte para a linha vertical). Diga que é o amor em direção a Deus.
(2) Dimensão horizontal (aponte para a linha horizontal). Fale que é amor em direção ao nosso semelhante.
(3) Dimensão interior (mostre o ponto). É o amor em direção a nós mesmos. Diga que se conseguirmos cumprir essas três dimensões, cumprimos toda a lei. Para concluir, peça que um aluno leia Lucas 10.27: "Amarás ao Senhor, teu Deus, de todo o teu coração, e de toda a tua alma, e de todas as tuas forças, e de todo o teu entendimento e ao teu próximo como a ti mesmo." Explique que como crentes precisamos viver esses três aspectos.

II - AMAR A DEUS E AO PRÓXIMO

1. O amor a Deus. O amor de Deus por nós é altruísta, abnegado e impar. E a única coisa que Ele nos pede é que também venhamos a amá-lo com todo o nosso coração: [...] "Amarás o Senhor, teu Deus, de todo o teu coração [...]" (Mt 22.37). Como podemos expressar nosso amor a Deus? De diferentes formas: sendo fiéis em nossos dízimos e ofertas, louvores, orações, lendo a Bíblia, etc. Mas a melhor maneira de expressar nosso amor a Deus é abandonar o pecado e procurar ter uma vida santa. Quem ama a Deus não tem prazer na prática do pecado. Quem se encanta com o pecado não ama ao Senhor e nunca o conheceu. Por isso, Jesus afirmou que muitos dirão naquele Dia: "Senhor, Senhor, não profetizamos nós em teu nome? E, em teu nome, não expulsamos demônios? (Mt 7.22). A resposta do Senhor para estes é apenas uma: [...] "Nunca vós conheci [...]" (Mt 7.23). [Comentário: Como podemos expressar nosso amor a Deus? Só existe uma forma: sendo obedientes à Sua Palavra! “Se me amais, guardareis os meus mandamentos” (Jo 14.15). O amor exigido de nós é serviçal, sujeição ao senhorio de Cristo! "E o amor é este: que andemos segundo os seus mandamentos. Este é o mandamento, como já desde o princípio ouvistes, que andeis nEle" (2Jo 1.6); "Porque este é o amor de Deus: que guardemos os seus mandamentos; e os seus mandamentos não são pesados" (1Jo 5.3). Sobre o uso do termo amor, Jesus deixou explicito, de como amar a Deus: “Mas, é para que o mundo saiba, que eu amo o Pai e que faço como o Pai me mandou. Levantai-vos, vamo-nos daqui” (Jo 14.31). Jesus amava a Deus, fazendo, especificamente, o que Ele ordenou e qualquer que diz amar a Deus, tem que fazer, exatamente, o que Jesus fez: obedecer a Deus! Nesse mesmo sentido, qualquer que diz ‘amar’ a Jesus, tem que obedecer aos Seus mandamentos, pois, se não obedecer aos mandamentos de Jesus, significa que não O ama (Jo 14.21 e 23-24). O fato de ser fiel nos dízimos e ofertas, louvores, orações, ler a Bíblia, não serve como instrumento medidor do nosso amor por Deus. São as Escrituras que dizem como sabemos que o amamos: “Aquele que tem os meus mandamentos e os guarda, esse é o que me ama; e aquele que me ama, será amado de meu Pai, e eu o amarei e me manifestarei a ele” (Jo 14.21); “Jesus respondeu e disse-lhe: Se alguém me ama, guardará a minha palavra e meu Pai o amará, viremos para ele e faremos nele morada. Quem não me ama. não guarda as minhas palavras; ora, a palavra que ouvistes não é minha, mas do Pai que me enviou” (Jo 14.23-24). Quanto à afirmativa “O amor de Deus por nós é altruísta, abnegado e impar”, um exemplo claro do amor de Deus, nas Escrituras, encontramos na pessoa de Naamã, o capitão do exército do rei da Síria. Naamã não nutria nenhuma sensibilidade ou afeição pelo Deus de Israel, visto que ele nem mesmo sabia que somente em Israel havia Deus.  Ao saber que teria de mergulhar sete vezes no rio Jordão, a reação de Naamã foi de indignação. Do mesmo modo, Deus não fez concessões e nem se sensibilizou com Naamã, por causa da sua enfermidade. Se Deus não se sensibilizou para atender aos milhares de leprosos que haviam em Israel, não seria o caso de se sensibilizar por um único homem estrangeiro (Lc 4:27). O amor de Deus foi demonstrado por intermédio de um mensageiro do profeta, que disse: - “Vai e lava-te sete vezes no Jordão, que a tua carne será curada e ficarás purificado” (2Rs 5:10). Deus não se ocupou com o fato de Naamã ficar indignado e nem com a ideia que ele possuía acerca de Deus e do seu profeta (2Rs 5:11), mas, sim, em que se obedecesse à Sua palavra. Deus não se sensibilizou e nem sentiu qualquer afeto pela viúva de Sarepta, de Sidom, pois, em igual situação, estavam muitas outras viúvas em Israel. Ele atendeu a viúva, por ela se dispor a atender a ordem de Deus: sustentar o profeta de Deus, mesmo não tendo recursos para fazê-lo: “Levanta-te e vai para Sarepta, que é de Sidom, e habita ali; eis que eu ordenei ali a uma mulher viúva que te sustente” (1Rs 17.9). Este último texto foi extraído de: http://www.estudobiblico.org/pt/detalhe/ver/o-amor-de-deus-328]

2. O amor a si mesmo. Amar a si mesmo pode parecer narcisismo, mas não é. Pois se você não se amar e aceitar-se, como poderá amar a Deus? Amar a si mesmo é acima de tudo um mandamento divino:"[...] Amarás o teu próximo como a ti mesmo" (Mt 24.9). Certamente não gostamos das nossas falhas e imperfeições. Não somos perfeitos, mas precisamos colocar diante do Senhor tudo o que somos para que Ele venha nos transformar. [Comentário: O amor a si mesmo é a fonte de todo egoísmo. Então, como entender Mt 24.9? Amar as outras pessoas como amamos a nós mesmos pode ser entendido de diferentes modos, mas de modo algum Jesus está querendo dar a entender que devemos ser egoístas – A Bíblia condena os “egoístas” (2 Tm 3.2). Ela nos exorta a não considerarmos apenas os nossos próprios interesses, mas também o interesse de outros (Fp 2.4). Norman L. Geisler em Manual popular de dúvidas, enigmas e contradições da Bíblia, escreve: “Jesus poderia ter em mente que deveríamos amar os outros tanto quanto amamos a nós mesmos, (isto é, que deveríamos medir o quanto) devemos amar os outros com a mesma medida com que de fato amamos a nós próprios, não significando isso que o modo como nos amamos esteja correto. Antes, Deus pode estar simplesmente apontando para o amor próprio como sendo o padrão pelo qual devemos julgar até que ponto amar os outros. Dessa forma, haverá um monitoramento automático do nosso amor próprio, já que será com essa mesma intensidade que teremos de amar os outros também. Manual popular de dúvidas, enigmas e contradições da Bíblia, Norman L. Geisler – Thomas A. Howe]

3. O amor ao próximo. Para amar o próximo com o amor ágape é preciso amar a Deus primeiramente. O apóstolo João diz que Deus é amor, quem não ama, jamais o conheceu (l1Jo 4.7,8,12,20). Certa vez, um fariseu perguntou a Jesus qual era o grande mandamento da Lei. Então, o Mestre ensinou que amar ao Senhor de todo o coração e ao próximo é um resumo de todos os mandamentos (Mt 22.37-40). É importante ressaltar que amor não é somente sentimento, mas ação. Não basta amar somente de palavras. O amor como fruto do Espírito faz que eu queira para os outros aquilo que desejo para mim. Faz com que eu tenha prazer em doar meu tempo, meus dons e talentos para o bem do próximo.[Comentário: As seguintes declarações de William Barclay, em New Testament Words, págs. 20-23 ao comentar ágape são importantes: “A grande razão por que o pensamento cristão se fixou em ágape é que esta palavra exige o exercício do homem todo. O amor cristão não deve apenas se estender aos nossos mais próximos e mais queridos, nossa parentela, nossos amigos e aqueles que nos amam; o amor cristão deve estender-se à comunidade cristã, ao próximo, ao inimigo, a todo o mundoÁgape tem a ver com a mente: não é simplesmente uma emoção que surge espontaneamente em nosso coração; é um princípio pelo qual vivemos deliberadamente. Ágape tem a ver supremamente com a vontade. É uma conquista, uma vitória, uma realização. Ninguém jamais amou naturalmente os seus inimigos. Amar os inimigos é uma conquista de todas as nossas inclinações naturais e emoções”. A passagem principal para a interpretação do significado de ágape é Mt 5.43-48. Ali estamos sob a obrigação de amar os nossos inimigos. Por quê? A fim de que sejamos semelhantes a Deus. E qual é a ação típica de Deus que é citada? Deus envia sua chuva sobre os justos e injustos e sobre os maus e os bons, o que equivale a dizer – não importa a que um homem é semelhante, Deus nada procura senão seu mais elevado bem. Quer o homem seja um santo, quer seja um pecador, o único desejo de Deus é o maior bem daquele homem, Ora, isto é o que significa ágape. Ágape é o espírito que diz: ‘Não importa o que qualquer homem faz a mim, eu nunca procurarei o seu mal; eu nunca procurarei vingança; eu sempre procurarei apenas o seu mais elevado bem. O ágape cristão é impossível para qualquer um, exceto para um homem cristão.Extraído de: https://ligadonavideira.wordpress.com/2013/03/04/explicacao-de-textos-dificeis-da-biblia-o-amor-a-maior-das-virtudes/]

SÍNTESE DO TÓPICO II
Quem ama a Deus ama o próximo.

SUBSÍDIO TEOLÓGICO
Amor fraternal (philia)
Como visto em 2 Pedro 1.7, há um segundo tipo de amor, o qual é chamado amor fraternal ou bondade fraterna. Este amor é amizade, um amor humano que é limitado. Amamos se somos amados.
Lucas 6.23 diz: 'Se amardes aos que vos amam, que recompensa tereis? Também os pecadores amam aos que os amam'. A bondade ou amizade fraterna é essencial nas relações humanas, mas é inferior ao amor ágape, porque depende de uma recíproca; quer dizer, somos amigáveis e amorosos com aqueles que são amigáveis e amorosos conosco (GILBERTO, António. O Fruto do Espírito: A Plenitude de Cristo na vido do crente, 2.ed. Rio de Janeiro: CPAD, 2004, p. 36).
Todos os que se dedicam a Jesus Cristo pela fé, também devem dedicar mútuo amor uns aos outros, como irmãos em Cristo (1Ts 4.9,10), com afeição sincera, bondosa e terna. Devemos preocupar-nos com o bem-estar, as necessidades e a condição espiritual dos nossos irmãos, sendo solidários e assistindo-os nas suas tristezas e problemas. Devemos referir-nos em honra uns aos outros, devemos estar dispostos a respeitar e honrar as boas qualidades dos outros crentes (Bíblia de Estudo Pentecostal. Rio de Janeiro: CPAD, 1995, p. 1723).

CONHEÇA MAIS

Lei e amor
Toda a lei cumpre-se numa só palavra, nesta: 'Amarás teu próximo como a ti mesmo (5.14).' Este tema é desenvolvido em Romanos 13.8-10. O que Paulo quer dizer em cada passagem é que tanto o amor quanto a Lei estão relacionados com a justiça. Elas não estão em conflito a este respeito." Para conhecer mais, Leia Comentário Histórico-Cultura do Novo Testamento, CPAD, p. 412.


III - SOB A TUTELA DO AMOR, REJEITEMOS AS OBRAS DAS TREVAS

1. Debaixo da tutela do amor. O que é uma tutela? A tutela é um "encargo jurídico de vetar por, representar na vida civil e administrar os bens de menor, interdito ou pessoa desaparecida". Logo, ter um tutor significa ter alguém para amparar, defender e proteger. Fora da tutela do amor ágape, amor divino, o crente pode voltar à prática das velhas obras infrutuosas da carne. Sem o amor de Deus, em nós, somos capazes de amar mais as trevas que a luz (Jo 3.19).[Comentário: O verdadeiro cristão se achega à Luz Verdadeira. O texto de Jo 3.19 nos fala das pessoas que andam nas trevas, elas estão nesta situação porque amam as trevas, preferem as trevas que a luz. Elas rejeitam a luz! E por que rejeitam a luz? Porque as suas obras são más; o crente verdadeiro, nascido de novo, só pode desejar andar na luz. É o que vemos nas Escrituras. Paulo termina o capítulo 12 de sua primeira epístola aos coríntios com as seguintes palavras: "E eu vos mostrarei um caminho ainda mais excelente" (1Co 12.31). Nas palavras do apóstolo, o exercício dos dons espirituais é algo excelente, mas existe algo "sobremodo" excelente. No texto de 1 Co 13.1-3, o autor afirma que sem amor nada teria valor. A omissão ao amor anula tudo; nenhuma prática legalista pode substituir seu exercício.]
2. Amor, antídoto contra o pecado. Quem ama não trai o seu cônjuge, não mata, não rouba, não cobiça, não dá falso testemunho, ou seja, não faz nada que possa desagradar ao Pai Celeste. Se quisermos evitar as obras da carne, precisamos nos encher do Espírito Santo e do seu amor (Ef 5.18). O amor nos faz agir de modo cortez e paciente, demonstrando ao mundo que somos discípulos de Cristo (Jo 13.35). [Comentário: O crente se desenvolve e cresce espiritualmente quando se põe atento ao processo de transformação em que o Espírito Santo o colocou. Ele está sendo transformado a fim de alcançar a estatura de varão perfeito, e isto tem tudo a ver com o amor derramado em nossos corações pelo Espírito Santo. No jardim do Éden, o homem pecou, comprometendo a imagem de Deus recebida na criação; porém, quando é salvo e redimido no sangue de Jesus, o Espírito Santo lhe ensina que a bandeira maior do Senhor sobre seus filhos é o amor. Desta forma, ele resgata progressivamente a natureza de Deus outrora perdida. Devemos duvidar de todo crescimento espiritual que não esteja relacionado com o amor. O crescimento é diretamente proporcional ao amor.]
3. O amor leva à obediência. O amor, fruto do Espírito, não é um mero sentimento. Amar envolve ação, atitude (1Jo 3.18). O que torna uma igreja forte não são seus recursos financeiros, seus líderes ou o número de membros, mas o amor revelado em atitudes e palavras. Quem ama tem prazer em ouvir e obedecer a Palavra de Deus: "Se alguém me ama, guardará a minha palavra. [...] Quem não me ama não guarda as minhas palavras" (Jo 14.23,24). Quem ama obedece e vive de modo a agradar o Pai. [Comentário: Em Mt 22.37, Jesus expõe o modo como Deus deve ser amado: "de todo teu coração, de toda tua alma, de todo teu pensamento". A adoração do homem a Deus deve ser com todo o seu ser, com toda sua personalida­de. Claro está que isto não significa a mera prática de algum ritual ou de leis cerimoniais, mas é, antes de tudo, o resultado da devoção pesso­al e da operação de Deus no coração humano. O amor a Deus é um sumário de nossa comunhão e obediência a seus mandamentos (Js 22.5).]


SÍNTESE DO TÓPICO III
Sob a tutela do amor, temos condição para rejeitar as obras das trevas.


SUBSÍDIO TEOLÓGICO
Romanos 13.10
Pratica-se o amor não somente por mandamentos positivos (Rm 12.9-21; 1Co 13.4,6,7), mas também por negativos. Todos os mandamentos mencionados aqui são negativos na sua forma (v, 9; 1Co 13.4-6).
(1) O amor é positivo, e ao mesmo tempo é negativo, pelo fato da propensão humana para o mal, o egoísmo e a crueldade. Oito dos dez mandamentos da Lei são negativos, porque o mal surge naturalmente e o bem, não. A primeira evidência do amor cristão é apartarmos do pecado e de tudo aquilo que causa dano e tristeza ao próximo.
(2) A ideia de que a ética cristã deve ser novamente positiva é uma falácia baseada nas ideias da presente sociedade, que procura esquivar-se das proibições que refreiam os desejos descontrolados da carne (Gl 5.19-21) (Bíblia de Estudo Pentecostal. Rio de Janeiro: CPAD, 1995, p. 1723).

CONCLUSÃO
Como nova criatura, você precisa amar e evidenciar esse amor mediante suas atitudes e palavras. Que venhamos rogar ao Pai um coração amoroso, capaz de amar até mesmo aqueles que se declaram nossos inimigos (Mt 5.44).[Comentário: "O amor de Deus está der­ramado em nossos corações pelo Espírito Santo que nos foi dado" (Rm 5.5). O amor é a comprovação e o aferidor da espiritualidade; é o solo onde o Espírito Santo produz no crente a condição de verdadeiro filho de Deus. O amor não é somente superior aos dons, mas é o elemento legitimador de seu uso na edificação da igreja. Ele leva ao equilíbrio; é o grande princípio de toda ação; ele supera tudo. O amor pode ser definido como "a mais profunda expressão pessoal possível". Jesus em Mt 22.35-37 definiu o amor como uma atitude que envolve o coração, a mente e a vontade. Ágape não se define como um mero sentimento; mas é o poder de Deus que atua na personalidade inteira do homem transformando e capacitando a amar nas três dimensões acima estudadas. Por fim transcrevo as palavras do Pr Geremias Couto: “Nossa insistência em desenvolver por nós mesmos as virtudes do fruto do Espírito será sempre um fracasso. Essa é a razão pela qual há muitos cristãos frustrados. Tentam e não conseguem. Não custa lembrar mais uma vez que é o Espírito Santo quem as desenvolve em nós. Lembremo-nos que as misericórdias de Deus nos sustentam. Dependamos delas e não dos nossos esforços. Estes nada têm de bom em si mesmos. Que a correnteza do Espírito nos carregue.” Extraído do Facebook] “NaquEle que me garante: "Pela graça sois salvos, por meio da fé, e isto não vem de vós, é dom de Deus" (Ef 2.8)”,
Francisco Barbosa
Campina Grande-PB
Março de 2017

PARA REFLETIR

A respeito de quem ama cumpre plenamente a lei divina, responda:
* Qual é o primeiro fruto que encontramos na relação de Gaiatas 5.22?
O amor.
* Cito três vocábulos da língua grega para denominar o amor.
Agápe, amor divino, philéo, amor entre amigos e eros, amor entre cônjuges
* O que significa o amor ágape?
Tal vocábulo significa" amor abnegado e profundo".
* O que o amor de Deus em nós proporciona?
Ele faz como que venhamos obedecer a Deus.
* Nossa obediência a Deus e a sua Palavra é resultado de quê?
É o resultado do amor altruísta do Pai em nós.

Compartilhar no Google Plus

Sobre Hubner Braz

Criador, colunista e administrador do Pecador Confesso. Fascinado e apaixonado por DEUS!! Formado Bacharel em Teologia pela FATESP e F. Mêcanica pela FATEC-SP e Presbítero na A.D. Belem-Missão em Sorocaba, onde o Pastor Presidente é o Rev. Osmar José da Silva - CGADB, Tenho 1João 1:7-9 injetado na veia!.
    Blogger Comment
    Facebook Comment

0 Milhões de Confessos:

Postar um comentário

Não deixe de participar, a sua opinião é de extrema importância!

Críticas são bem vindas quando a pessoa se identifica.