Lição 7 - A Necessidade do Novo Nascimento - 13 de Agosto de 2017 - EBD Adulto - CPAD


TEXTO ÁUREO

VERDADE PRÁTICA
"Não te maravilhes de te ter dito: Necessário vos é nascer de novo." (Jo 3.7)

Cremos na necessidade absoluta do novo nascimento pela graça de Deus, mediante a fé em Jesus Cristo.
.
LEITURA DIÁRIA
Segunda: Jo 3.3-8: O novo nascimento é nascer do Espírito
Terça: 2 Co 5.17: A fé salvífica faz do pecador uma nova criatura em Cristo Jesus
Quarta: At 10.43: O perdão dos pecados está disponível a todos

Quinta: Tt 3.5: O novo nascimento significa regeneração
Sexta: 2Co 5.18,19: Fomos reconciliados com Deus pela morte de Jesus
Sábado: Jo 1.12: Fomos adotados como filhos de Deus pela fé em Jesus


LEITURA BÍBLICA EM CLASSE
João 3.1-12
1 E HAVIA entre os fariseus um homem, chamado Nicodemos, príncipe dos judeus.
2 Este foi ter de noite com Jesus, e disse-lhe: Rabi, bem sabemos que és Mestre, vindo de Deus; porque ninguém pode fazer estes sinais que tu fazes, se Deus não for com ele.
3 Jesus respondeu, e disse-lhe: Na verdade, na verdade te digo que aquele que não nascer de novo, não pode ver o reino de Deus.
4 Disse-lhe Nicodemos: Como pode um homem nascer, sendo velho? Pode, porventura, tornar a entrar no ventre de sua mãe, e nascer?
5 Jesus respondeu: Na verdade, na verdade te digo que aquele que não nascer da água e do Espírito, não pode entrar no reino de Deus.

6 O que é nascido da carne é carne, e o que é nascido do Espírito é espírito.
7 Não te maravilhes de te ter dito: Necessário vos é nascer de novo.
8 O vento assopra onde quer, e ouves a sua voz, mas não sabes de onde vem, nem para onde vai; assim é todo aquele que é nascido do Espírito.
9 Nicodemos respondeu, e disse-lhe: Como pode ser isso?
10 Jesus respondeu, e disse-lhe: Tu és mestre de Israel, e não sabes isto?
11 Na verdade, na verdade te digo que nós dizemos o que sabemos, e testificamos o que vimos; e não aceitais o nosso testemunho.
12 Se vos falei de coisas terrestres, e não crestes, como crereis, se vos falar das celestiais?

HINOS SUGERIDOS: 5, 266, 440 da Harpa Cristã

OBJETIVO GERAL
Compreender a necessidade absoluta do novo nascimento pela graça de Deus.

OBJETIVOS ESPECÍFICOS
Abaixo, os objetivos específicos referem-se ao que o professor deve atingir em cada tópico. Por exemplo, o objetivo I refere-se ao tópico I com os seus respectivos subtópicos.
(I)           Apresentar Nicodemos como um líder religioso bem-intencionado;
(II)          Compreender o que é o novo nascimento;
(III)         Explicar por que é necessário nascer de novo.

COMENTÁRIO
INTRODUÇÃO
O tema da presente lição é de suma importância porque muitas pessoas estão equivocadas nas coisas concernentes à salvação, assim como Nicodemos também estava. As boas ações, um padrão de vida exemplar e até mesmo a prática de uma religiosidade sincera não conduzem ninguém à vida eterna. O diálogo de Jesus com Nicodemos, um líder religioso honesto e sincero, revela a necessidade do novo nascimento para entrar no Reino dos Céus. [Comentário:Em seu sermão "O Novo Nascimento", John Wesley afirma: “Se alguma doutrina, dentro de toda a extensão do Cristianismo, pode ser propriamente denominada fundamental, essas duas, sem dúvida são elas: a doutrina da justificação, e aquela do novo nascimento. A primeira relativa àquele grande trabalho o qual Deus operou por nós, perdoando nossos pecados; a última, ao grande trabalho que Deus operou em nós, renovando nossa natureza caída. Na ordem do tempo, nenhuma delas é colocada antes da outra: No momento em que nós estamos justificados, pela graça de Deus, através da redenção que está em Jesus, nós somos também "nascidos do Espírito", mas, em ordem de pensamento, como está denominada, justificação precede o novo nascimento. Nós, primeiro, temos em mente, sua ira sendo desviada, e, então, seu Espírito operando em nossos corações” http://raylanderalves.blogspot.com.br/2010/10/o-novo-nascimento-john-wesley.html. A maior parte dos cristão gosta de se referir como sendo cristãos “nascidos de novo”. No entanto, essas palavras têm pouco ou nenhum significado a muitos deles. Há uma grande discordância acerca do que exatamente significam essas palavras. Como uma pessoa é nascida de novo? É algo que o homem faz? Ou é algo que somente Deus pode fazer? A fim de entender o novo nascimento nós precisamos examinar cuidadosamente as passagens bíblicas que lidam com essa questão muito importante. Nesta aula vamos considerar a necessidade do novo nascimento; e uma pergunta importante com relação ao novo nascimento é “Que diz a Escritura?” (Gl 4.30).] Dito isto, vamos pensar maduramente a fé cristã?
 
PONTO CENTRAL
Cremos na necessidade do novo nascimento.

I - UM LÍDER RELIGIOSO BEM-INTENCIONADO

1. Quem era Nicodemos? Muito pouco se sabe a respeito dele. Seu nome é grego e significa "vencedor do povo". Era fariseu, um príncipe do povo (Jo 3.1) e membro do sinédrio (Jo 7.50). Nicodemos viu em Jesus algo que não existe em nenhum dos seres humanos, mas ainda assim parece que não queria ser visto pelo povo conversando com o Mestre. Talvez isso justifique o fato de ter ido à noite se encontrar com o Senhor (v.2). Nicodemos nunca mais foi o mesmo depois desse encontro com Jesus (Jo 7.51; 19.39). Esse diálogo impressiona as pessoas ainda hoje, pois nele está o que consideramos ser o texto áureo da Bíblia (Jo 3.16). [Comentário: Era Páscoa, quando também o Nazareno se encontrava em Jerusalém, este fariseu membro dosinédrio (na Palestina, sob o domínio romano, assembleia judia de anciãos da classe dominante à qual diversas funções políticas, religiosas, legislativas, jurisdicionais e educacionais foram atribuídas [A palavra aparentemente foi aplicada a diversos corpos diferentes, mas designa especialmente a suprema corte judia legislativa e judicial de Jerusalém, o Grande Sinédrio). Nicodemos tinha a convicção de que Jesus viera da parte de Deus, conforme declarou em João 3.2: “Rabi, bem sabemos que és Mestre, vindo de Deus; porque ninguém pode fazer estes sinais que tu fazes, se Deus não for com ele”. Chegamos também à sublime conclusão de que Nicodemos não fora por conta própria manter o diálogo com o Nazareno, quando declara “sabemos”, significando ele e quem o enviou, que pode ter sido um grupo de zelosos judeus que aguardavam a remissão de Israel por intermédio do Messias. Ele era o porta-voz daqueles que desejavam dirimir as suas dúvidas. ]

2. Os fariseus. Representavam o povo e, apesar de serem minoria na sociedade pré-cristã, exerciam forte influência na comunidade judaica. Eram membros do sinédrio e tornaram-se inimigos implacáveis de Jesus. Esse grupo formava uma seita (At 15.5). O apóstolo Paulo declara que o grupo dos fariseus, ao qual Nicodemos pertencia antes de sua conversão, era a mais severa seita do judaísmo (At 26.5; Gl 1.14; Fp 3.5). Os Evangelhos estão repletos de provas do comportamento negativo dos fariseus e de suas hipocrisias. Tanto que a palavra "fariseu" tornou-se sinônimo de hipócrita e fingido, até os dias de hoje. Felizmente, Nicodemos era diferente deles (Jo 7.50,51). [Comentário: De forma muito sucinta, Fariseu (do hebraico פרושים) é o nome dado a um grupo de judeus devotos à Torá, surgidos no século II a.C.. Opositores dos saduceus, criam numa Lei Oral, em conjunto com a Lei escrita, e foram os criadores da instituição da sinagoga. Eram em sua maioria empresários de classe média e, por conseguinte, tinham contato constante com o homem comum. Os fariseus eram muito mais estimados pelo homem comum do que os saduceus. Apesar de serem uma minoria no Sinédrio, eles pareciam controlar o processo decisório do Sinédrio muito mais do que os saduceus, já que tinham o apoio do povo. As palavras fortes de Jesus “Ai de vós, escribas e fariseus, hipócritas” ecoam através de todo Mateus 23 (vs 13,14,15,23,25,27,29). Os evangelhos estão cheios de controvérsias entre Jesus e os fariseus (Mt 9.11,34; 12.2,14,24,38; 15.1,12; 16.6-12; Lc 11.37-44; 12.1). ]

3. Os sinais efetuados por Jesus. Pouco tempo depois das bodas de Cana da Galileia, Jesus retornou à Judeia, subindo a Jerusalém (Jo 2.13). Era a sua primeira aparição pública na capital quando Nicodemos lhe procurou. Nessa ocasião, Jesus operou muitos milagres e, "estando ele em Jerusalém pela Páscoa, durante a festa, muitos, vendo os sinais que fazia, creram no seu nome" (Jo 2.23). Esses milagres atraíram Nicodemos. Talvez ele tenha se referido a esses feitos milagrosos quando se dirigiu a Jesus, pois disse que "ninguém pode fazer estes sinais que tu fazes, se Deus não for com ele" (v.2). [Comentário: Como já explicado no subtópico 1, o que levou Nicodemus até Jesus foi o grupo que ele representava, inferido pelo texto de João 3.2. Lucas 5.17 declara: “E aconteceu que, num daqueles dias, estava ensinando, e estavam ali assentados fariseus e doutores da lei, que tinham vindo de todas as aldeias da Galileia, e da Judéia, e de Jerusalém. E a virtude do Senhor estava com ele para curar”. O que nós temos aqui, escutando o ensino de Jesus, não são meramente alguns líderes Judaicos da cidade de Cafarnaum. O registo de Lucas declara muito claramente que estavam ali reunidos todos os líderes Judaicos oriundos de todo o país (cercanias da Galileia, Judeia, e Jerusalém). Porque é que todos estes líderes Judaicos de repente têm uma convenção em Cafarnaum? Esta foi a reação deles ao primeiro milagre messiânico (a cura de um leproso Mt 8.2-4; Mc 1.40-45; Lc 5.12-16). Eles sabiam que Jesus tinha curado um leproso. De acordo com os seus próprios ensinos, apenas o Messias podia curar um leproso. Se Jesus tinha curado o leproso, isso podia significar muito bem que Ele era o Messias. É nestas circunstâncias que todos se juntaram para investigar Jesus. Segundo a lei do Sinédrio, se houvesse qualquer espécie de movimento messiânico, o Sinédrio deveria investigar a situação em duas fases. A primeira fase era chamada a “fase da observação”. Era formada uma delegação para investigar apenas por via da observação. Esta delegação deveria observar o que estava a ser dito, o que estava a ser feito, e o que estava a ser ensinado. Não lhes era permitido colocar qualquer questão ou levantar qualquer objeção. Após um período de observação, deviam voltar então para Jerusalém, reportar ao Sinédrio e dar um veredito: o movimento era significativo ou não? Se fosse decretado que o movimento era insignificante, a questão terminaria ali. Mas se o movimento fosse determinado significativo, então haveria uma Segunda fase de investigação chamada a “fase da inquirição”. Nesta fase, eles interrogariam o indivíduo ou membros do movimento. Desta vez, colocariam questões e levantariam objeções para descobrirem se os clamores deveriam ser aceitos ou rejeitados. O incidente em Lucas registra a primeira fase, a fase da observação, em que eles observavam o que Jesus dizia e fazia. Neste ponto não lhes era permitido levantar objeções ou colocar questões. Porque um milagre messiânico tinha sido realizado, todos os líderes do país inteiro tinham vindo a Cafarnaum para participarem na fase da observação – observarem o que Jesus dizia, fazia e ensinava. Texto extraído do artigo ‘The Three Messianic Miracles’, livreto. Copiado de http://www.arunrajesh.com/BibleStudy/mbs035m.pdf]

SÍNTESE DO TÓPICO I
Nicodemos era um líder religioso bem-intencionado.


II - O NOVO NASCIMENTO

1. É necessário nascer de novo (v.7). Talvez Nicodemos esperasse uma resposta elogiosa como retribuição das boas e sinceras palavras ditas a Jesus. Mas ele se surpreendeu com a declaração do Mestre: "aquele que não nascer de novo não pode ver o Reino de Deus" (v.3). O que essas palavras significam? Nascer de novo é nascer da água e do Espírito (v.5), e isso significa regeneração. É o início de uma nova vida, quando o pecador se torna nova criatura (2 Co 5.17) criada em Cristo Jesus (Ef 2.10). Trata-se de uma experiência profunda com Jesus, e não de mera mudança de religião. [Comentário: Causa estranheza a resposta de Nicodemos no versículo quatro: “Como pode um homem nascer, sendo velho? porventu­ra pode tornar a entrar no ventre de sua mãe, e nascer?” No entanto, quando anali­samos a sua posição de fariseu e mestre em Israel, concluímos estar ele duvidando des­ta transformação, comparando Jeremias 13.23: “Pode o etíope mudar a sua pele, ou o leopardo as suas manchas? nesse caso, vós também podereis fazer o bem, sendo ensinados a fazer o mal”. Jesus explicou-lhe, detalhadamente, o processo do novo nascimento, comparando-o ao fenômeno do vento: “assopra onde quer, e ouves a sua voz, mas não sabes donde vem, nem para onde vai, assim é todo aquele que é nascido do Espírito”. Nicodemos deixou bem claro que se convertera ao Evangelho, mesmo perten­cendo ao Sinédrio, quando interpelou em favor de Jesus, ao lhe chamarem de impostor: “Porventura condena a nossa lei um homem sem primeiro o ouvir e ter conheci­mento do que faz?” (Jo 7.51). A Bíblia Responde, Ed. CPAD.]

2. Regeneração. O termo significa literalmente "gerar novamente" e só aparece duas vezes no Novo Testamento: a primeira no sentido escatológico (Mt 19.28), ao se referir à restauração de todas as coisas; e a outra como sinônimo de novo nascimento, cujo sentido é de salvação em Cristo (Tt 3.5). Isso significa ser gerado da semente incorruptível (1 Pe 1.23). Os reencarnacionistas costumam usar essa passagem para fundamentar a doutrina da reencarnação. Mas essa não é a questão aqui. Jesus deixou claro ao príncipe dos judeus: "O que é nascido da carne é carne, e o que é nascido do Espírito é espírito" (v.6). Jesus não está falando em renascimento nem em reencarnação; essas coisas nunca fizeram parte da tradição judaica. [Comentário: Uma outra palavra para regeneração é "renascimento", relacionada à outra frase bíblica “nascido de novo”. O nosso renascimento se difere do nosso primeiro nascimento, quando fomos concebidos fisicamente e herdamos a nossa natureza pecaminosa. O novo nascimento é um nascimento espiritual, santo e celestial que resulta em nós sendo vivificados espiritualmente. O homem em seu estado natural está "morto em seus delitos e pecados" até ser "vivificado" (regenerado) por Cristo. Isso acontece quando ele coloca a sua fé em Cristo (Ef 2.1). A regeneração é uma mudança radical. Assim como o nascimento físico resultou em um novo indivíduo entrando no reino da terra, o nosso nascimento espiritual resultou em uma nova pessoa entrando no reino celestial (Ef 2.6). Após a regeneração, começamos a ver, ouvir e buscar coisas divinas; começamos a viver uma vida de fé e santidade. Agora Cristo está formado nos corações; agora somos participantes da natureza divina, tendo sido feitos novas criaturas (2Co 5.17). Deus, não o homem, é a fonte dessa transformação (Ef 2.1, 8). O grande amor e dom gratuito de Deus, a Sua rica graça e misericórdia abundante, são a causa do renascimento. O grande poder de Deus - o poder que ressuscitou Cristo dentre os mortos – é demonstrado na regeneração e conversão de pecadores (Ef 1.19-20).https://www.gotquestions.org/Portugues/regeneracao.html]

3. A perplexidade de Nicodemos. Muita gente pensa que Deus está preocupado com religião. Mas essas pessoas estão enganadas, pois a vontade de Deus é a comunhão com as suas criaturas inteligentes. O problema é que existe uma barreira que se chama pecado (Is 59.2). Foi de Deus a iniciativa de comunicação com Adão logo após a Queda (Gn 3.8-10). Quando Deus mandou Moisés levantar o tabernáculo, manifestou o desejo de habitar no meio do seu povo (Êx 25.8). Por fim, Deus assumiu a forma humana," e o Verbo se fez carne e habitou entre nós" (Jo 1.14). O novo nascimento é a restauração da comunhão com Deus, e não significa seguir um conjunto de regras religiosas ou éticas. Isso estava muito longe da forma de pensar de Nicodemos e de muitos religiosos ainda hoje. [Comentário: Todos os crentes precisam que o Espírito Santo crie neles um coração puro que aborreça a iniqüidade, e um espírito renovado e disposto a fazer a vontade de Deus. Somente Deus pode nos fazer novas criaturas e nos restaurar à verdadeira santidade (Jo 3.3; 2 Co 5.17). A Escritura mostra com clareza que apenas Deus pode realizar a transformação necessária para capacitar os seres humanos a fazerem o que é agradável aos seus olhos (Dt 30.6; Jr 31.33; Ez 36.26). Nicodemos deixou bem claro que se convertera ao Evangelho, mesmo perten­cendo ao Sinédrio, quando interpelou em favor de Jesus, ao lhe chamarem de impostor: “Porventura condena a nossa lei um homem sem primeiro o ouvir e ter conheci­mento do que faz?” (Jo 7.51). Por ocasião da morte de Jesus, enquan­to os seus discípulos fugiam do compro­misso de sepultarem o corpo do Mestre com medo dos judeus, Nicodemos e José de Arimatéia, enfrentando o risco de per­der a própria vida, tiraram o corpo de Cris­to do madeiro, ungiram-no com ungüento caríssimo e o sepultaram. Após este ato de solidariedade e amor para com o Mestre, dizer que Nicodemos não foi salvo é mesmo que afirmar não ter o ladrão da cruz alcançado a misericórdia de Deus, quando Jesus lhe disse: “Em verda­de te digo que hoje estarás comigo no Pa­raíso”. E o malfeitor nada fez de bom que merecesse a salvação. Ele só contou com a benevolência de Jesus. Fonte: A Bíblia Responde, Ed. CPAD]


SÍNTESE DO TÓPICO II
Jesus afirmou a necessidade do novo nascimento.

III - UMA NECESSIDADE

1. O estado humano. A Bíblia ensina, e a experiência humana confirma, que todos os seres humanos estão mortos "em ofensas e pecados" (Ef 2.1). O ensino paulino sobre a universalidade do pecado veio diretamente do Senhor Jesus (Cl 1.11,12), e sua base está em muitas passagens do Antigo Testamento (Rm 3.10-12; SI 51.5; 58.3). Nicodemos, como "mestre em Israel" (v.10), deveria estar inteirado sobre o assunto. Além disso, Jesus usou a linguagem bíblica ao lhe comunicar a necessidade do novo nascimento (Ez 11.19; 18.31; 36.26). Trata-se de uma necessidade imperiosa porque todas as pessoas estão mortas e precisam reviver, receber vida espiritual (vv.6,7). Precisamos de uma experiência nova com Cristo. [Comentário: No Novo Testamento encontramos ensinos mais claros e ricos sobre a regeneração. Nenhum autor trata mais frequentemente do tema do novo nascimento do que João. Veja, por exemplo, o que é dito em João 1.12-13: “Mas, a todos quantos o receberam, deu-lhes o poder de serem feitos filhos de Deus, a saber, aos que creem no seu nome; os quais não nasceram do sangue, nem da vontade da carne, nem da vontade do homem, mas de Deus”. Repare que ser filho de Deus não é algo que se consegue pela descendência (“não nasceram do sangue”) nem pela decisão humana autônoma (“nem da vontade da carne”), mas exclusivamente pela ação de Deus (“de Deus”). Para sermos filhos de Deus, precisamos ser espiritualmente gerados por ele. É verdade que “todos quantos o receberam”, isto é, todos aqueles que creem em Jesus, recebem o direito de serem filhos de Deus, mas até mesmo a fé pela qual essas pessoas creem em Jesus é um dom de Deus (Ef 2.8-9) e, portanto, faz parte da ação de Deus na salvação humana. A regeneração é uma obra totalmente divina realizada pelo Espírito no coração do pecadorhttp://ultimato.com.br/sites/estudos-biblicos/assunto/evangelizacao/regeneracao-ou-novo-nascimento/.]

2. Saulo de Tarso. Ninguém no mundo nasce cristão; todos os seres humanos nascem pecadores (Rm 3.23; 5.12). A salvação é individual e pessoal. Por isso, até mesmo aquele que nasceu num lar cristão, apesar do privilégio de ter sido criado num ambiente cristão e de ter recebido uma valiosa herança espiritual dos pais, precisa receber a Jesus como Salvador pessoal para se tornar filho de Deus (Jo 1.12). Ninguém é salvo simplesmente por pertencer a uma religião ou seguir a tradição de seus antepassados. Saulo de Tarso é um bom exemplo, pois ele mesmo declara ser extremamente religioso; e não um religioso qualquer, mas um praticante inveterado do judaísmo (At 26.5; Gl 1.14; Fp 3.5). Depois de sua experiência com Jesus, ele se considerou o principal entre os pecadores (1Tm 1.15) e descreveu o seu estado de miséria diante de Deus igualando-se aos demais pecadores: "insensatos, desobedientes, extraviados, servindo a várias concupiscências e deleites, vivendo em malícia e inveja, odiosos, odiando-nos uns aos outros" (Tt 3.3). [Comentário: A experiência de Saulo foi marcante: um ponto entre dois extremos: De perseguidor passou a apóstolo, de odiento à causa de Cristo se tornou um dos mais apaixonados discípulos de Jesus. A experiência de Saulo foi pessoal Somente Saulo entendeu completamente o que estava acontecendo. Ele viu e ouviu o que Jesus lhe pedira e Lhe obedeceu imediatamente, mesmo que ainda não estivesse compreendendo exatamente o que estava acontecendo. Note que a obediência de Saulo foi completa porque, primeiramente, foi sua resposta a alguém que até então ele não cria ser o “Messias”; em segundo lugar, porque aquela ordem mudou o curso de seus planos imediatamente; e em terceiro porque teria de confiar em um desconhecido. Tais atitudes seriam impensadas para um personagem com o currículo de Saulo, mas mostraram sua fé e obediência em ação. Não existe conversão genuína em que não haja mudanças de comportamento e de relacionamento para com Deus, com a igreja e com o mundo. Ensinemos essa verdade tão importante e tão ausente nas pregações evangélicas de hoje. Leia mais em:http://ultimato.com.br/sites/estudos-biblicos/assunto/igreja/a-conversao-dramatica-de-paulo/]

3. O centurião Cornélio. Não existe salvação sem Jesus (Jo IA.6). Nicodemos e Paulo eram israelitas e professavam a religião dos seus antepassados, Abraão, Isaque, Jacó, Samuel, Davi e outros patriarcas, reis e profetas do Antigo Testamento. Mas Cornélio era romano e, mesmo assim, talvez por influência da religião judaica, era "piedoso e temente a Deus, com toda a sua casa, o qual fazia muitas esmolas ao povo e, de contínuo, orava a Deus" (At 10.2). Observe que essas atitudes de Cornélio tinham a aprovação divina (At 10.4). Mas ninguém é salvo pelas obras (Gl 2.16). Por isso o apóstolo Pedro foi enviado para falar a Cornélio sobre a salvação em Cristo. A descrição bíblica da conduta de Cornélio se repete ao longo da história humana nas mais diversas culturas e civilizações. A conversão envolve fé, arrependimento e regeneração. A salvação é um dom de Deus mediante a fé em Jesus (Ef 2.8,9). [Comentário: Como centurião, Cornélio tinha 100 homens sob seu comando, e tinha considerável peso sobre o soldado de infantaria e sobre a população local. Seis desses grupos de 100 homens formavam uma coorte. A coorte que Cornélio comandava era conhecida como italiana. Quando se reuniam dez coortes, elas recebiam o nome de legião, com uma força de 6.000 homens. Os centuriões são mencionados no Novo Testamento sem nenhuma observação que os desmereça. “Porque pela graça sois salvos, mediante a fé; e isto não vem de vós; é dom de Deus; não de obras, para que ninguém se glorie.” (Ef 2.8-9). Esse texto é um dos mais claros e conclusivos. A salvação é pela graça, mediante a fé. Paulo acrescenta aqui claramente que as obras não fazem parte do processo da salvação para que “ninguém se glorie”. Pelo texto de Atos 10 ficamos sabendo que o Cornélio era um homem piedoso, mas um homem religioso, ele não conhecia ainda o Senhor Jesus e não O tinha como seu Salvador. Cornélio é instruído por um anjo para mandar buscar Pedro. Interessante é que o anjo diz que as esmolas e orações de Cornélio haviam subido até Deus, mas isso não bastava. O centurião era um homem zeloso de boas obras e oração, mas ainda não tinha tido um encontro com Jesus Cristo. De fato, Deus não faz acepção de pessoas, mas aceita qualquer pessoa que o obedece (At 10.34,35). Na mesma hora enquanto a mensagem estava sendo dita e aceita, o Espírito Santo pousou sobre à casa de Cornélio e conversaram em línguas estrangeiras de acordo com a profecia de Joel, provando a Pedro e aos judeus que estavam com ele que Deus também lhes havia enviado o Espírito Santo. Então Pedro questionou pode alguém porventura recusar a água, para que não sejam batizados estes, não para que podem receber o Espírito Santo, mas porque receberam o Espírito Santo, o que é uma evidência irrefutável de sua salvação.]

SÍNTESE DO TÓPICO III
O novo nascimento é uma necessidade para toda criatura.

CONCLUSÃO
Há ainda hoje muitas pessoas religiosas e sinceras como Cornélio e pessoas bem-intencionadas como Nicodemos, mas elas precisam nascer de novo, da água e do Espírito para herdarem o Reino de Deus. É nossa tarefa como cristãos e comunicadores do evangelho falar sobre a necessidade do novo nascimento não somente ao pecador contumaz, mas também aos muitos "Nicodemos" e "Cornélios" que estão à nossa volta. [Comentário: O novo nascimento é a condição indispensável para entrar no céu. Sem o novo nascimento, nós estamos mortos em delitos e pecados (Ef 2.1-2). A morte implica em estar sem vida. Não é sem vida física ou moral, mas como diz Paulo no v. 1: “Nós estamos “caminhando” e “seguindo” o mundo, e no v. 2: Nós temos “paixões” da carne, e nós carregamos “desejos do corpo e da mente.” Neste estado, o homem não pode ver ou sentir a glória de Cristo - está espiritualmente morto, indiferente a Deus e Cristo e sua palavra. Concluo com as palavras do Rev Hernandes Dias Lopes: “O novo nascimento não é algo que fazemos para Deus, mas o que Espírito Santo faz em nós e por nós. Nicodemos foi ao encontro de Jesus, de noite, e perguntou-lhe: “Mestre, sabemos que és vindo da parte de Deus porque ninguém pode fazer os sinais que tu fazes se Deus não for com ele” (Jo 3.1,2). Nicodemos era um homem rico, culto e religioso. Ele era fariseu e membro do sinédrio. Tinha conhecimento, poder e influência. Tinha uma vida ilibada e guardava muitos preceitos da lei. Mas, essas coisas não eram suficientes para sua salvação, ele precisava nascer de novo. Também Nicodemos tinha um relativo conhecimento de Cristo. Ele sabia que Jesus era vindo de Deus, que tinha uma singular capacidade de ensinar e fazer milagres e ainda, ele tinha convicção de que Deus estava do seu lado. Mas essas informações, mesmo sendo verdadeiras, não foram suficientes para dar-lhe a salvação, ele precisava nascer de novo. Não se alcança o novo nascimento através de ritos, cerimônias e práticas religiosas. Ninguém entra no céu por pertencer à uma família cristã ou por freqüentar uma igreja evangélica. Ninguém é salvo porque recebeu o sacramento do batismo ou porque guarda determinados preceitos religiosos. Não se obtém a vida eterna por ter determinadas informações corretas a respeito de Deus e das Escrituras. Nicodemos era um mestre (Jo 3.10). Ele era um especialista nas Escrituras, mas não estava salvo. Faltava-lhe o novo nascimento.”http://hernandesdiaslopes.com.br/portal/o-novo-nascimento-condicao-indispensavel-para-entrar-no-ceu/] “... corramos, com perseverança, a carreira que nos está proposta, olhando firmemente para o Autor e Consumador da fé, Jesus ...” (Hebreus 12.1-2),
Francisco Barbosa   Campina Grande-PB   Agosto de 2017

PARA REFLETIR

A respeito da necessidade do novo nascimento, responda:
• Por que o diálogo de Nicodemos com Jesus ainda impressiona as pessoas até hoje?
Esse diálogo impressiona as pessoas ainda hoje, pois nele está o que consideramos ser o texto áureo da Bíblia (Jo 3.16).
• O que atraiu Nicodemos a Jesus?
Os milagres que Jesus havia realizado.
• O que significa nascer de novo, da água e do Espírito?
Nascer de novo é nascer da água e do Espírito, e isso significa regeneração. É o início de uma nova vida, quando o pecador se torna nova criatura (2 Co 5.17) criada em Cristo Jesus (Ef 2.10). Trata-se de uma experiência profunda com Jesus, e não de mera mudança de religião.
• Qual a vontade de Deus em relação às suas criaturas?
Que creiam em Jesus Cristo para perdão dos pecados e experimentem o novo nascimento.
• Como o apóstolo Paulo passou a se ver depois de sua experiência com Cristo?
Depois de sua experiência com Jesus, ele se considerou o principal entre os pecadores (1 Tm 1.15) e descreveu o seu estado de miséria diante de Deus igualando-se aos demais pecadores (Tt 3.3).

Fonte: Lições Bíblicas de Adultos – CPAD – 3° Trimestre de 2017/ Blog: Subsídios EBD
Compartilhar no Google Plus

Sobre Hubner Braz

Criador, colunista e administrador do Pecador Confesso. Fascinado e apaixonado por DEUS!! Formado Bacharel em Teologia pela FATESP e F. Mêcanica pela FATEC-SP e Presbítero na A.D. Belem-Missão em Sorocaba, onde o Pastor Presidente é o Rev. Osmar José da Silva - CGADB, Tenho 1João 1:7-9 injetado na veia!.
    Blogger Comment
    Facebook Comment

0 Milhões de Confessos:

Postar um comentário

Não deixe de participar, a sua opinião é de extrema importância!

Críticas são bem vindas quando a pessoa se identifica.