Lição 7 - A Salvação pela Graça - 12 de Novembro de 2017 - EBD ADULTO - CPAD


Texto Áureo

Verdade Prática
"Pois assim como por uma só ofensa veio juízo sobre todos os homens para condenação, assim também por um só ato de justiça veio a graça sobre todos os homens para justificação de vida." (Rm 5.18)

A nossa salvação é fruto único e exclusivo da graça de Deus.
.
Leitura Diária
Segunda: Ef 2.8,9: Salvos pela graça mediante a fé
Terça: Rm 4.25: A Ressurreição de Cristo: o triunfo da graça sobre a morte e o pecado
Quarta: 1Tm 1.14: A Graça de Deus transborda em nós

Quinta: At 15.10,11: Somente pela graça somos salvos
Sexta: Gl 2.16: Nenhuma obra meritória garante a salvação
Sábado: Rm 5.20,21: Onde havia o pecado a graça de Deus  o suplantou

Leitura Bíblica em Classe
Romanos 5.6-10,15,17,18,20; 11.6
João 3
6 Porque Cristo, estando nós ainda fracos, morreu a seu tempo pelos ímpios.
7 Porque apenas alguém morrerá por um justo; pois poderá ser que pelo bom alguém ouse morrer.
8 Mas Deus prova o seu amor para conosco, em que Cristo morreu por nós, sendo nós ainda pecadores.
9 Logo muito mais agora, tendo sido justificados pelo seu sangue, seremos por ele salvos da ira.
10 Porque se nós, sendo inimigos, fomos reconciliados com Deus pela morte de seu Filho, muito mais, tendo sido já reconciliados, seremos salvos pela sua vida.
15 Mas não é assim o dom gratuito como a ofensa. Porque, se pela ofensa de um morreram muitos, muito mais a graça de

Deus, e o dom pela graça, que é de um só homem, Jesus Cristo, abundou sobre muitos.
17 Porque, se pela ofensa de um só, a morte reinou por esse, muito mais os que recebem a abundância da graça, e do dom da justiça, reinarão em vida por um só, Jesus Cristo.
18 Pois assim como por uma só ofensa veio o juízo sobre todos os homens para condenação, assim também por um só ato de justiça veio a graça sobre todos os homens para justificação de vida.
20 Veio, porém, a lei para que a ofensa abundasse; mas, onde o pecado abundou, superabundou a graça.
Romanos 11:6
6 Mas se é por graça, já não é pelas obras; de outra maneira, a graça já não é graça.

HINOS SUGERIDOS: 291, 330, 491 da Harpa Cristã

Objetivo Geral
Saber que a nossa salvação é fruto único e exclusivo da graça de Deus.

Objetivos Específicos
Abaixo, os objetivos específicos referem-se ao que o professor deve atingir em cada tópico. Por exemplo, o objetivo I refere-se ao tópico I com os seus respectivos subtópicos.

I-   Explicar o propósito da Lei e da graça;
II-  Discutir a respeito do favor imerecido de Deus;
III- Salientar para o escândalo da graça.


COMENTÁRIO
INTRODUÇÃO
A Lei no Antigo Testamento tem a função de instruir e ensinar ao povo o que Deus estabeleceu aos israelitas a fim de eles terem um convívio próspero, pacífico e harmonioso na terra de Canaã. Os mandamentos contêm preceitos indispensáveis de moral, de ética e de vida religiosa, sem os quais o povo viveria num caos. Entretanto, na impossibilidade de os seres humanos cumprirem plenamente a Lei para tornarem-se justos, Deus nos outorgou a sua maravilhosa graça. [Comentário: É quase um paradigma para nós associarmos o Antigo Testamento à Lei e o Novo Testamento à Graça. De início, deixo uma pergunta: ‘Jesus aboliu a Lei?’ A resposta é um enfático Não, Jesus não aboliu a Lei, Jesus cumpriu a Lei. Jesus mudou nosso relacionamento com a Lei. Ele mostrou que o mais importante é a atitude do coração, não as cerimônias exteriores. Em Mateus 5.17-18, Jesus disse que tinha vindo para cumprir a Lei, não para abolir. Ele explicou que a Lei de Deus não pode ser abolida. A Lei de Deus é justa e precisa ser cumprida. Por outro lado, Hebreus 7:18-19 diz que a Lei foi revogada! Várias passagens da Bíblia dizem que a Lei é eterna e precisa ser cumprida mas várias outras dizem que a morte de Jesus na cruz revogou a Lei. Assim, vamos pensar maduramente a fé cristã?]

PONTO CENTRAL
A salvação em Jesus Cristo é de abrangência universal.

I - LEI E GRAÇA

1. O propósito da Lei. A Lei tem o propósito espiritual de mostrar quão terrível é o pecado - "pela lei vem o conhecimento do pecado." (Rm 3.20) -, bem como o propósito concreto de preservar o povo de Israel do pecado. Mais tarde, a Lei também revelaria quão grande é a necessidade do ser humano, pela graça, obter a salvação, pois era impossível cumprir plenamente a Lei de Deus no Antigo Testamento (Rm 7.19; Tg 2.10). Entretanto, sob o ponto de vista dos aspectos morais da Lei, há princípios que continuam vigorando até os dias atuais. Esses princípios, conforme resumidos no Decálogo - os Dez Mandamentos -, representam nossas obrigações éticas para com Deus e com o próximo (Êx 20.1-17). Esse é o caminho traçado pelo Altíssimo para nós no processo de santificação efetivado pelo Espírito Santo (Jo 14.15; Jo 16.8-10). Nesse sentido, a própria lei moral de Deus é uma expressão de sua graça que representa a revelação clara de sua vontade santa, justa e boa (Rm 7.12). [Comentário: O foco central da teologia bíblica é o governo de Deus, o Reino de Deus ou os conceitos entrelaçados de Reino e aliança. O estudo do Antigo Testamento é essencial para a compreensão da revelação dos propósitos de Deus no decorrer da historia da humanidade, ressaltando a progressão da revelação divina e os propósitos didáticos de Deus. Portanto, compreender o Antigo Testamento é desfrutar do que os escritores do Novo Testamento encontraram, ou seja, ao invés da letra que mata, o testemunho do Espírito que conduz à vida. Ao invés da enfadonha coleção de leis escravizadoras, uma condução para a grande libertação em Jesus Cristo. Ainda hoje, Deus quer que aprendamos com as experiências do povo do Antigo Testamento, sobre gratidão ou ingratidão, rendição ou rebelião, humildade ou arrogância, entre tantas outras totalmente aplicáveis aos nossos dias. Teologicamente falando, a Lei dividi-se em três partes: a lei civil, a lei cerimonial e a Lei Moral (Veja este artigo de Solano Portela para um estudo mais profundo). A lei civil e cerimonial são questões como: forma de governo, circuncisão, “carne de porco”, sacrifícios, quem pode ser sacerdote, etc. Estas vertentes da lei foram abolidas. Vejamos:
Lei cerimonial: Porque, mudando-se o sacerdócio, necessariamente se faz também mudança da lei. (Hebreus 7:12) Lendo o contexto, percebe-se que a lei ao qual o autor de Hebreus se refere é a lei que constitui sacerdotes (Hebreus 7:28), ou seja, a lei cerimonial.
Lei civil: Disse-lhes então: Dai, pois, a César o que é de César, e a Deus o que é de Deus. (Lucas 20:25) Mostrando a separação entre o governo humano e o divino, nesta nova era, que é diferente da de Israel (para um entendimento mais profundo desta diferença de eras leia este artigo de John Piper).
Sendo assim, bem sabemos que Jesus disse:
Não cuideis que vim destruir a lei ou os profetas: não vim ab-rogar, mas cumprir. (Mateus 5:17)
Então, quando Jesus veio, Ele cumpriu toda a Lei Divina, tanto a sombra da lei cerimonial (sacrifício único e perfeito, sacerdote eterno, etc.) e da lei civil (assumindo o reinado messiânico, etc.), como a Lei Moral. Contudo, a Lei Moral não foi abolida, porque nem o pode ser, pois é um reflexo do caráter Santo de Deus e é o caráter divino que define algo como pecado. Esta Lei Moral está resumida nos 10 mandamentos e ainda mais resumida nos dois grandes mandamento. Cabe ressaltar que Jesus não veio trazer uma nova lei. No sermão do monte, Cristo não estava abolindo a Lei Divina, mas o entendimento errado e os mandamentos humanos que colocaram sobre ela; e Ele fez isso mostrando o sentido mais profundo da Lei. Aliás, os dois grandes mandamentos, que são um, também não são uma nova lei, mas Jesus estava respondendo ao fariseu que perguntou qual “o grande mandamento na lei” (Mateus 22:36). Portanto, a Lei Moral ainda vigora e todo crente (judeu ou gentio) deve cumpri-la. Se o judeu messiânico referia-se a esta Lei, então estou de acordo; e realmente só conseguimos cumpri-la através do poder regenerador e santificador do Espírito Santo. Contudo, acho que a lei que os judeus messiânicos estavam se referindo é a cerimonial. Assim sendo, é importante dizer que, apesar de alguns crentes judeus continuarem a guardar algumas cerimônias no NT, isso não foi feito porque eles eram obrigados a isso, mas por costume e temporariamente. No NT não existe mais diferença entre judeu e gentio, todos estão debaixo da mesma condenação, todos tem acesso a Deus em um Espírito e todos têm que cumprir a mesma Lei, a Lei de Cristo, que é a Divina Lei Moral. Para um maior entendimento do perigo de se guardar a lei cerimonial buscando ser aceito por Deus sugiro a leitura de Gálatas, Colossenses e Hebreus1.]
1. PIMENTEL Vinícius M.: ‘Precisamos guardar a Lei?’; Disponível em: Voltemos Ao Evangelho:http://voltemosaoevangelho.com/blog/2010/07/pve-precisamos-guardar-a-lei/. Acesso em 3 de novembro de 2017.
 
2. A Lei nos conduziu a Cristo. A Lei foi uma espécie de guia para encontrarmos a Cristo por meio da graça (Gl 3.24). Ela nos convence, pela impossibilidade de ser cumprida, de que não podemos alcançar a salvação sem Cristo. Desse modo, quando a Lei se faz a própria justiça do homem, como mérito dele, ela se torna depreciativa, impossibilitando o ser humano de alcançar a salvação que só é possível mediante o evangelho da graça de Deus (Ef 2.8). [Comentário: O Pr Mauro Meister escreve: “Estamos sob a Lei ou sob a graça? Esse questionamento reflete um entendimento confuso do ensino bíblico acerca da lei e da graça de Deus. Muitos associam a lei como um elemento pertencente exclusivamente ao período do Antigo Testamento e a graça como um elemento neotestamentário. Isso é muitas vezes o fruto do estudo apressado de textos como: ...sabendo, contudo, que o homem não é justificado por obras da lei, e sim mediante a fé em Cristo Jesus, também temos crido em Cristo Jesus, para que fôssemos justificados pela fé em Cristo e não por obras da lei, pois, por obras da lei, ninguém será justificado (Gálatas 2.16). Porque o pecado não terá domínio sobre vós; pois não estais debaixo da lei, e sim da graça (Romanos 6.14). E, de fato, uma leitura isolada dos textos acima pode levar o leitor a entender lei e graça como um binômio de oposição. Lei e graça parecem opostos, sem reconciliação — o cristão está debaixo da graça e conseqüentemente não tem qualquer relação com a lei. No entanto, essa leitura é falaciosa. O entendimento isolado desses versos leva a uma antiga heresia chamada antinomismo, a negação da lei em função da graça. Nessa visão, a lei não tem qualquer papel a exercer sobre a vida do cristão. O coração do cristão torna-se o seu guia e a lei se torna dispensável. O oposto dessa posição é o legalismo ou moralismo, que é a tendência de enfatizar a lei em detrimento da graça (neonomismo). Nesse caso, a obediência não é um fruto da graça de Deus, uma evidência da fé, mas uma tentativa de agradar a Deus e de se adquirir mérito diante dele. Exatamente contra essa idéia é que a Reforma Protestante lutou, apresentando como uma de suas principais ênfases a sola gratia”2. pecado]
2. MEISTER. Mauro Fernando: ‘Lei e Graça: Uma visão reformada’, disponível em:http://www.mackenzie.br/fileadmin/Mantenedora/CPAJ/revista/VOLUME_IV__1999__2/Mauro.pdf. Acesso em 3 de novembro de 2017.


3. A graça revela que a Lei é imperfeita. Paulo constata a superioridade do Espírito em relação à Lei (Gl 5.18) e, que por isso, morremos para a Lei (Rm 7.4; Gl 2.19). Assim, o escritor aos Hebreus revela que a Lei é imperfeita (Hb 8.6,7,13) e o apóstolo João afirma que foi Cristo quem trouxe a graça e a verdade (Jo 1.17). Sim, a graça é superior à lei! Logo, segundo as Escrituras, só existe a Lei por causa do pecado e para apontá-lo: "Que diremos, pois? É a lei pecado? De modo nenhum! Mas eu não conheci o pecado senão pela lei" (Rm 7.7). [Comentário:Anulamos, pois, a lei pela fé? De maneira nenhuma! Antes, [nós] estabelecemos a lei. (Romanos 3:31). Paulo não poderia ter deixado sua posição mais clara! Todavia, há milhões de cristãos que crêem na Bíblia e ensinam que Paulo era hostil à lei do Antigo Testamento como um parâmetro moral para a ação ética. Eles ensinam que Paulo permanecia contra a lei de Deus, recomendando em seu lugar um tipo de união mística com o Espírito Santo – uma união que supostamente não deve ser testada pelo crente em termos dos detalhes da lei bíblica. Eles recusam ver que a lei de Deus testa todos os espíritos! O que Paulo possivelmente quis dizer pela frase, “antes, estabelecemos a lei”? Não foi isso o que Jesus disse em Mateus 5:17-18 – que Ele não tinha vindo para anular a lei, mas sim para cumpri-la (estabelecê-la)? Por que existem expositores modernos tão hostis às palavras de Paulo e Jesus? É porque eles estão indispostos a aceitar o fardo mais leve do jugo ético de Jesus e, no seu lugar, crêem poder carregar um jugo melhor do que aquele de Jesus? A fé não anula nem invalida a lei de Deus. A graça de Deus capacita um homem regenerado a começar a usar a lei de Deus como uma ferramenta de domínio: primeiro, em sua vida espiritual; segundo, em seus relacionamentos externos com outros; e terceiro, na construção progressiva do reino de Deus, no tempo e sobre a Terra, e subseqüentemente, além da sepultura, após a ressurreição. A lei é uma maldição para o pecador e uma bênção para nós3.]
3. NORTH, Gary. ‘Bible Questions Your Instructors Pray You Won’t Ask’, (Institute for Christian Economics, 1988), p. 137-138.

SÍNTESE DO TÓPICO I
Lei e graça: a justiça e a misericórdia de Deus.


II- O FAVOR IMERECIDO DE DEUS

1. Superabundante graça. Não há pecador, por pior que seja, que não possa ser alcançado pela graça divina, pois onde abundou o pecado, que foi exposto pela Lei, superabundou a graça de Deus (Rm 5.20) [Comentário: A lei funciona, aqui, como um revelador do pecado. Quando ela diz: “não faça isto”, o ato de fazê-lo se torna muito mais visível. No entanto, a visibilidade do pecado traz consigo a visibilidade da graça (superabundou). Por causa do pecado, Deus deu Sua Lei a Moisés, para mostrar como devemos viver. Essa Lei mostrava claramente que todos pecamos e ninguém segue perfeitamente a vontade de Deus. A Lei de Deus realça nossos pecados e nos condena (Rm 3.19-20). A Lei revela que precisamos ser salvos. Veja também:Jesus aboliu a Lei?]. Por meio da compreensão dessa maravilhosa graça, o apóstolo João escreveu: "se alguém pecar, temos um Advogado para com o Pai, Jesus Cristo, o Justo" (1Jo 2.1). [Comentário: As pessoas algumas vezes perguntam: Por que precisamos de intercessão? Isso não implica uma obra imperfeita? Ou será que Deus o Pai não está a nosso favor do mesmo modo como Deus o Filho? Longe de nós tais pensamentos. Então qual é a implicação disso? "Filho sobre a casa de Deus": o povo de Deus está colocado sob Sua direção, uma vez que Ele proporcionou expiação para eles sobre a cruz. Ele pode produzir com poder vivo a completa salvação deles agora como o Senhor ressuscitado dentre os mortos4. A graça de Deus venceu o pecado. Quem é salvo agora vive para fazer a vontade de Deus, não para o pecado. A graça de Deus superabunda onde o pecado é vencido e o bem prevalece. Leia aqui mais: o que significa "onde abundou o pecado superabundou a graça"?]
4. JESUS: NOSSO GRANDE SUMO SACERDOTE E ADVOGADO, Disponível em:http://www.chamada.com.br/meditacoes/todo_dia/2017/setembro10.html. Acesso em 3 de novembro de 2017.

2. Fé e graça. A graça opera mediante a fé no sacrifício vicário de Cristo Jesus. Ambas, fé e graça, atuam juntamente na obra de salvação: a graça, o presente imerecido de Deus; a fé, a contrapartida humana à obra de Cristo. Nesse sentido, não é a fé que opera a salvação, mas a graça de Deus que atua mediante a fé do crente no Filho de Deus (Rm 3.28; 5.2; Fp 3.9).[Comentário: A graça de Deus é traduzida por “misericórdia”, “grande amor” e “vida juntamente com Cristo” a despeito de estarmos “mortos em nossos delitos”. Em Efésios 2.8 Paulo faz uma ligação bastante direta entre a graça e a fé: “Porque pela graça sois salvos, mediante a fé; e isto não vem de vós; é dom de Deus;” Mas, o que é ‘fé’? (leia aqui sobre o que é fé) Comentando essa passagem, o grande estudioso do Novo Testamento A. T. Robertson observa: “A ‘graça’ é a parte de Deus, a ‘fé’ é a nossa. E “isto” (kai touto), é neutro, não o feminino taute. Portanto, não se refere a pistis (‘fé’) ou a charis (‘graça’), mas ao ato de ser salvo pela graça condicionado à fé de nossa parte”.]

3. A graça não é salvo conduto para pecar. Segundo o ensino das Sagradas Escrituras, a graça jamais pode ser vista como um salvo conduto para a prática do pecado ou da libertinagem (Gl 5.13). Pelo contrário, a graça de Deus nos convoca à obediência ao doador da graça, pois quando se ama fazemos de tudo para agradar a pessoa amada. Por isso, o amor de Cristo nos "constrange" (2 Co 5.14) a fazer algo que agrade ao Pai (1Ts 4.1). Logo, quem é alcançado pela graça compreende o quanto somos devedores a Deus e aos irmãos (Rm 13.8) e, por isso, desejamos amar o outro como Cristo amou (Jo 13.35). Os que estão sob a liberdade da graça vivem a santidade que reflete a beleza de Cristo no homem interior, onde este se revela vivo para Deus, mas morto para o pecado (Rm 6.11,13). [Comentário:  Aos que procuram a todo custo macular a doutrina da graça, afirmando que  já que  Jesus perdoa todos os pecados do Seu povo, então temos  licença para pecar à vontade, uma vez que parece  que  Ele não se importa muito com o fato de pecarmos ou não. A isto, a própria doutrina da graça responde, uma vez que a graça nos é  dada para limpar, para purificar, para justificar quem está sujo pelo pecado. Ora, como poderia  aquilo que se destina a nos limpar, nos fazer a concessão de continuarmos nos sujando a nosso bel prazer? Deus é o juiz e o vingador de tais zombadores que tentam transformar a santidade da Sua  graça em  luxúria e pretexto para a libertinagem5.]
5. DUTRA, Silvio. A graça não é luxúria; Disponível em: http://webartigos.com/artigos/a-graca-nao-e-luxuria/95301#ixzz4xW9XPlii. Acesso em 3 de novembro de 2017.

SÍNTESE DO TÓPICO II
Graça, o favor imerecido de Deus.

Ill - O ESCÂNDALO DA GRAÇA

1. Seria a graça injusta? Se comparada com a humana, a justiça divina é imensamente perdoadora. Logo, sob a ótica humana, a graça se torna injusta. Por esse motivo, a graça é considerada um escândalo (Cl 2.14; Ef 2.8,9). Pelo fato de não haver merecimento por parte do recebedor, o apóstolo enfatiza a impossibilidade de a graça e a lei "andarem juntas", pois ambas são excludentes: "porquanto pelas obras da lei nenhuma carne será justificada" (Gl 2.16); pois como diz Atos dos Apóstolos: "mas cremos que seremos salvos pela graça do Senhor Jesus Cristo" (15.11). Logo, pela lei é impossível o pecador se salvar, mas dependendo única e exclusivamente da maravilhosa graça de Deus, ele encontrará descanso para a alma (Mt 11.28-30). [Comentário: "Justiça significa dar a cada um o que merece." A justiça de Deus é a retidão de sua natureza, aquilo pelo qual faz o que é reto e de igual medida. "E não pagará ele ao homem segundo as suas obras?" (Pv 24.12). Deus é um juiz imparcial. Ele julga a causa. Os homens geralmente julgam a pessoa, mas não a causa. Isso não é justiça, mas malícia. "Descerei e verei se, de fato, o que têm praticado corresponde a esse clamor que é vindo até mim" (Gn 18.21). Quando o Senhor está diante de um ato punitivo, pesa as coisas na balança, não pune de qualquer maneira; não age desordenadamente, mas de maneira lógica contra os ofensores6.(Leia mais aqui). Sola Gratia, um dos gritos da Reforma. Uma das maiores e mais preciosas doutrinas da Bíblia é a da graça de Deus, da salvação somente pela graça. Mesmo uma leitura perfunctória da Bíblia, especialmente do Novo Testamento, mostrará que a salvação e todas as bênçãos da vida cristã são resultado da graça de Deus7.]
6. WATSON, Thomas (1620-1686). O que é a justiça de Deus? – Postado por Josemar Bessa em:http://www.josemarbessa.com/2010/09/o-que-e-justica-de-deus-thomas-watson.html. Acesso em 3 de novembro de 2017.
7. FALCÃO Samuel, A Doutrina da Salvação só pela Graça, Postado por Ruy Marinho em:https://bereianos.blogspot.com.br/2011/09/doutrina-da-salvacao-so-pela-graca.html. Acesso em 3 de novembro de 2017.

2. A divina graça incompreendida. Nos dias do apóstolo Paulo, muitos não compreenderam seus ensinamentos sobre a graça de Deus (2 Pe 3.15,16). Por isso, ao longo da história da Igreja, dois extremos estiveram presentes acerca da compreensão da graça: [Comentário: De fato, não houve incompreensão, mas uma tentativa de ensinar o que Jesus não disse, especialmente com os gnósticos - a heresia mais perigosa que ameaçava a igreja primitiva durante os primeiros três séculos. Os princípios do Gnosticismo contradizem o que significa ser cristão. Portanto, embora algumas formas de Gnosticismo afirmem ser cristãs, elas são decididamente não-cristãs.]
(1) Liberdade total para pecar (Rm 6.1,2);
(2) a impossibilidade de receber tão valioso presente (Gl 5.4,5). O primeiro, naturalmente, leva a pessoa à libertinagem. Entretanto, a Palavra de Deus mostra que maior castigo sobrevirá sobre os que profanarem o sangue do pacto e ultrajarem o Espírito da graça (Hb 10.29). O segundo extremo se refere ao perigo do legalismo, à ideia de que para ser salvo por Deus é preciso dar algo em troca. Tal atitude pode levar o crente ao orgulho espiritual (Ef 2.8-10) e gerar toda sorte de comportamentos hipócritas (Mt 23-23). [Comentário: A salvação é pela graça porque Deus não exige nada para merecermos a salvação. Não precisamos fazer nenhum ato de bondade, heroísmo nem penitência. Basta ter fé. Em Sua graça, Deus oferece a salvação a todos gratuitamente. Pessoas “boas” não são favorecidas e pessoas “ruins” não são desprezadas. Em relação a Deus, todos estão na mesma situação e todos recebem a mesma oferta, sem custo. Tudo que temos de fazer é aceitar, pela fé (Efésios 2:8-9). Assim, ninguém tem motivo para se achar superior aos outros, porque foi Jesus que fez o trabalho e conquistou a salvação por todos nós. Nossas obras não nos podem salvar porque são imperfeitas. Somente Deus é perfeito e somente Ele pode nos aperfeiçoar8.]
8. O que é a salvação pela graça? Disponível em: https://www.respostas.com.br/salvacao-pela-graca/. Acesso em 3 de novembro de 2017.
3. Se deixar presentear pela graça. Humanamente é impossível ao crente, alcançado pela graça, retribuir a Deus tão grande salvação. Se fosse possível, já não seria graça, favor imerecido; mas mérito pessoal que tiraria de Deus a autoria divina da salvação. Em nosso relacionamento com Ele, quem tem mérito é seu Filho, Jesus Cristo (Fp 2.9-11). Assim, os que compreendem o favor inefável de Deus, mediante sua graça, devem deixar-se presentear por ela. Quem compreende o que significa ser justificado por Deus se permite "embalar nos braços de amor e de perdão" do Pai. Para os filhos de Deus, cônscios do valor da graça do Pai, tudo é presente, tudo é dádiva, tudo é favor imerecido! Portanto, deixe-se presentear pela graça de Deus! [Comentário: Como escreve o Rev Hernandes Dias Lopes: “Todas as religiões do mundo interpretam a questão da salvação apenas de dois modos: o homem é salvo pelas obras ou pela graça. Mesmo aqueles que adotam um meio-termo, o sinergismo (onde Deus faz uma parte e o homem outra), não conseguem escapar do propósito de buscar a salvação pelo merecimento. Na verdade, esses dois métodos não caminham juntos. São mutuamente excludentes. Se a salvação é pelas obras, não pode ser pela graça. Dentre todas as religiões, somente o Cristianismo ensina que a salvação é pela graça e não pelas obras. A salvação é concedida por Deus gratuitamente e não alcançada por méritos humanos. A salvação é resultado do sacrifício que Cristo fez por nós na cruz e não daquilo que fazemos para Deus”9. Continue lendo aqui]
9. LOPES, Hernandes Dias, “Salvação, mérito ou graça?”; Disponível em:http://hernandesdiaslopes.com.br/portal/salvacao-merito-ou-graca/. Acesso em 3 de novembro de 2017.

SÍNTESE DO TÓPICO III
Não somos merecedores da graça divina.

CONCLUSÃO
Na lição desta semana, estudamos a relação da Graça e a Lei; vimos que a graça é favor imerecido; e compreendemos que ela chega a ser um escândalo para os que não creem. Portanto, estamos cônscios de que o que nos salva é a graça de Deus mediante a fé somente (Ef 2.8). E o livre-arbítrio? É possível perder a salvação? São assuntos que veremos nas próximas lições. [Comentário: A Graça é a base para a salvação, o meio é a fé - “… mediante a fé e isto não vem de nós, é dom de Deus”. Se a morte de Cristo na cruz é a causa meritória da nossa salvação, a fé é a causa instrumental. Não somos salvos por causa da fé, mas mediante a fé. Somos salvos pela morte de Cristo na cruz e recebemos essa salvação por intermédio da fé. A fé é a apropriação da salvação pela graça. Não é fé na fé, mas fé em Cristo, o Salvador. A fé é a mão estendida para receber a salvação, o presente de Deus. A fé, assim como a salvação, não é meritória. A fé é dom de Deus. Não procede de nós, vem de Deus. Não emana da terra, procede do céu. A salvação não é planejada pelo homem nem realizada por ele. Deus é o mentor, o executor e o consumador da salvação. Somos salvos pela graça, para a glória, mediante a fé10. A graça de Deus venceu o pecado. Quem é salvo agora vive para fazer a vontade de Deus, não para o pecado. A graça de Deus superabunda onde o pecado é vencido e o bem prevalece.] “... corramos, com perseverança, a carreira que nos está proposta, olhando firmemente para o Autor e Consumador da fé, Jesus ...” (Hebreus 12.1-2),
10. IBDEM 9. Francisco Barbosa Campina Grande-PB Novembro de 2017

PARA REFLETIR

A respeito da salvação pela graça, responda:

• Qual é o propósito da Lei?
A Lei tem o propósito espiritual de mostrar quão terrível é o pecado - "pela lei vem o conhecimento do pecado" (Rm 3.20) - bem como o propósito concreto de preservar o povo de Israel do pecado.
• Por que a graça de Deus é superior à Lei?
Porque ela revela que a Lei é imperfeita. O escritor aos Hebreus revela que a Lei é imperfeita (Hb 8.6,7,13) e o apóstolo João afirma que foi Cristo quem trouxe a graça e a verdade (Jo 1.17).
• Qual é a relação entre Fé e Graça?
A graça opera mediante a fé no sacrifício vicário de Cristo Jesus. Ambas, fé e graça, atuam juntamente na obra de salvação: a graça, o presente imerecido de Deus; a fé, a contrapartida humana à obra de Cristo. Nesse sentido, não é a fé que opera a salvação, mas a graça de Deus que atua mediante a fé do crente no Filho de Deus.
• É possível afirmar que a graça é injusta?
Se comparada com a humana, a justiça divina é imensamente perdoadora. Logo, sob a ótica humana, a graça se torna injusta.
• Qual deve ser nossa atitude diante da graça de Deus?
Os que compreendem o favor inefável de Deus, mediante sua graça, devem deixar-se presentear por ela.

Compartilhar no Google Plus

Sobre Hubner Braz

Criador, colunista e administrador do Pecador Confesso. Fascinado e apaixonado por DEUS!! Formado Bacharel em Teologia pela FATESP e F. Mêcanica pela FATEC-SP e Presbítero na A.D. Belem-Missão em Sorocaba, onde o Pastor Presidente é o Rev. Osmar José da Silva - CGADB, Tenho 1João 1:7-9 injetado na veia!.
    Blogger Comment
    Facebook Comment

0 Milhões de Confessos:

Postar um comentário

Não deixe de participar, a sua opinião é de extrema importância!

Críticas são bem vindas quando a pessoa se identifica.