Lição 8 - A Sobriedade na Obra de Deus - 19 de Agosto de 2018 - EBD - CPAD


Texto Áureo

Verdade Prática
“E não vos embriagueis com vinho, em que há contenda, mas enchei-vos do Espírito.” (Ef 5.18)

O exercício do ofício divino é incompatível com o alcoolismo, maus costumes e intemperanças.

LEITURA BÍBLICA EM CLASSE
Almeida Corrigida e Revisada Fiel
Levítico 10.8-11; 1 Timóteo 3.1-3

Lv 10.8 - E falou o SENHOR a Arão, dizendo:

9 Vinho ou bebida forte tu e teus filhos contigo não bebereis, quando entrardes na tenda da congregação, para que não morrais; estatuto perpétuo será isso entre as vossas gerações,
10 para fazer diferença entre o santo e o profano e entre o imundo e o limpo,

11 e para ensinar aos filhos de Israel todos os estatutos que o SENHOR lhes tem falado pela mão de Moisés.

1 Tm 3.1 Esta é uma palavra fiel: Se alguém deseja o episcopado, excelente obra deseja.

2 Convém, pois, que o bispo seja irrepreensível, marido de uma mulher, vigilante, sóbrio, honesto, hospitaleiro, apto para ensinar;

3 não dado ao vinho, não espancador, não cobiçoso de torpe ganância, mas moderado, não contencioso, não avarento.


Comentário
   INTRODUÇÃO

Na lição anterior, acompanhamos a trágica história de Nadabe e Abiú, filhos do sumo sacerdote Arão. Embora cientes de sua responsabilidade, eles não temeram entrar no lugar santo para oferecer fogo estranho ao Senhor. Por causa disso, Deus os fulminou ali mesmo, diante do altar do incenso. O que os levou a agir de maneira tão irreverente e profana? Pelo contexto da narrativa sagrada, podemos concluir que ambos estavam embriagados (cf. Lv 10.8,9). Por isso, profanaram insolentemente a glória divina. Guardemo-nos, pois, do álcool, das drogas e de outros vícios igualmente nocivos e destruidores. O ministro cristão tem de ser um exemplo de temperança, sobriedade e domínio próprio. (LB CPAD, 3º Trim 2018, Lição 8, 19 Ago 18)

Além de todas as orientações que encontramos na lei de Deus sobre como os sacerdotes deveriam se portar, temos também em especial uma lei que determinava o tipo de incenso que deveria ser usado no tabernáculo, a origem do fogo para acendê-lo, quem deveria entrar no Santíssimo para oferecer incenso. Estes filhos de Arão não observaram nada disso, e pelo que se entendo do resto da narrativa, estavam embriagados. A consequência imediata foi que saiu fogo vindo de Deus e os matou imediatamente (Lv 10.2). Talvez alguém se pergunte ‘porque da severidade de Deus?’. A punição não acontece sem aviso prévio. Deus já havia orientado quanto a forma de cultuar no tabernáculo; acrescente-se a isso o fato deles terem sido negligentes quanto ao uso da bebida alcoólica e, dessa forma, desonraram as leis de Deus. Estão na história como exemplo de que as coisas de Deus não devem ser feitas negligentemente, de qualquer maneira. As exigências de Deus devem ser cumpridas. Além desses fatos, temos também a questão de que os líderes são mais cobrados, devido ao seu conhecimento sobre Deus e a missão que Deus deu a eles. Dito isto, convido-o a pensarmos maduramente a fé cristã!

   TÓPICO l - O VINHO NA HISTÓRIA SAGRADA

Nas Sagradas Escrituras, o vinho, juntamente com o pão e o azeite, é visto como bênção de Deus (Os 2.22). Aliás, o vinho era usado até mesmo como remédio (Lc 10.34). No entanto, o seu mau uso levou homens santos a cometerem escândalos, torpezas e até crimes, haja vista os casos de Noé, Ló e Davi.

No Antigo Testamento encontramos três vocábulos distintos para designar o vinho: Yayin - usada indistintamente para o vinho fermentado ou não (Gn 9.21); Tirôsh - para o vinho não fermentado, vinho novo ou mosto (Dt 12.17), e Shekar - bebida forte. A tradução da Torah para o grego em 270 a.C., a Septuaginta, traduziu Yayin e Tirôsh por Oinos. Interessante notar que, nas Escrituras tanto yayin (Êx 29.38) como shekar (Nm 28.7) foram usados como oferta a Deus. Isso é importante por duas razões: 1º: essas bebidas (alcoólicas) haviam sido produzidas para adoração, e 2º: elas eram oferendas aceitáveis a Deus.
O “vinho” era usado para dar alegria, para fazer a pessoa se sentir bem sem ficar intoxicada (2 Sm 13.28). Segundo, o “vinho” era usado na alegria perante o Senhor. Uma vez por ano todo o Israel tinha de se reunir em Jerusalém. O dinheiro percebido (sic) pela venda do dízimo de toda a colheita seria gasto “por tudo o que deseja a tua alma, por vacas, e por ovelhas, e por vinho, e por bebida forte, e por tudo o que te pedir a tua alma; come-o ali perante o SENHOR, teu Deus, e alegra-te, tu e a tua casa” (Dt 14.26). (...) O termo yayin descreve claramente uma bebida intoxicante” (Vine, W. E.; F. Unger, Merril; White Jr., William. Dicionário Vine – O Significado Exegético e Expositivo das Palavras do Antigo e do Novo Testamento, pág. 326, 2ª Edição/2003. Casa Publicadora das Assembleias de Deus - CPAD, Rio de Janeiro, RJ, Brasil).


1. A embriaguez de Noé. Após o Dilúvio, Noé voltou-se ao ofício de lavrador, e pôs-se a plantar uma vinha (Gn 9.20). E, após ter preparado o seu vinho, bebeu-o até embriagar-se. Já fora de si, desnudou-se, expondo-se vergonhosamente em sua tenda (Gn 9.20-29). A intemperança do patriarca trouxe-lhe sérios problemas familiares. O álcool foi capaz de transtornar até mesmo um dos três homens mais piedosos da História Sagrada (Ez 14,14). É por isso que devemos precaver-nos quanto aos seus efeitos (Pv 20.1; 23.31).(LB CPAD, 3º Trim 2018, Lição 8, 19 Ago 18)

As Escrituras vêem o vinho favoravelmente, isso inferimos de textos como Nm 15.5-10; Dt 14.26; Sl 104.15 e Jo 2.1-11, e ao mesmo tempo, advertem sobriamente do seu perigo (Is 5.22; Pv 21.17; 23.20-21, 29-35; Is 28.7), particularmente no desleixo moral exemplificado pela auto-exposição (Lm 4.21; Hc 2.15). Noé embriagado, desnuda-se e assim como Adão, o cabeça original da raça humana, pecou no comer (Gn 3.6), Noé, o cabeça da raça pós-diluviana, pecou no beber. A exposição da nudez é desmoralizante publicamente (2Sm 6.16) e incompatível com uma vida na presença de Deus. Alguns sugerem vários tipos de males que tiveram lugar na tenda de Noé. Enquanto a linguagem empregada pode deixar espaço para certos pecados sexuais (Lv 18), pessoalmente não encontro nenhuma razão para presumir qualquer má conduta por parte de Noé, além da indiscreta bebedeira e sua conseqüente nudez. O pecado de Cam consistiu em não honrar, nem respeitar seu pai; ao invés de cobri-lo, ele expôs a sua condição deplorável. A posição exegética de que o pecado de Cam tenha sido contemplar de modo desrespeitoso a nudez do pai, encontra sua confirmação no versículo 25 que atesta que Sem e Jafé se aproximaram do pai andando de costas, para não recair no mesmo erro. Talvez a melhor descrição para a conduta e condição de Noé seja a palavra “impróprio”.

2. A devassidão das filhas de Ló. Dizendo-se preocupadas com a descendência do pai, as filhas de Ló embebedaram-no em duas ocasiões (Gn 19.31,32). Em seguida, tiveram relações com o próprio pai, gerando dois povos iníquos (Gn 19.33-38). Quem se entrega ao vinho está sujeito a dissoluções como essa (Ef 5.18). Um servo de Cristo não pode cair nessa situação. (LB CPAD, 3º Trim 2018, Lição 8, 19 Ago 18)

É interessante notar que encontramos em todas as culturas proíbem e condenam o incesto. Nas Escrituras, sobretudo em Levíticos 18 e 20, e com maior ênfase, Levíticos 20.12: “Se um homem se deitar com a nora, ambos serão mortos; fizeram confusão; o seu sangue cairá sobre eles”. Também Paulo, quando escreve aos habitantes de Coríntios, condena com força um caso na comunidade, de alguém que tem relações com a “esposa do próprio pai” (1Co 5.1-5). O incesto é enfaticamente denunciado em muitas passagens bíblicas (Lv 18.6; 20.17). De fato, o Senhor declarou: “Maldito aquele que se deitar com sua irmã, filha de seu pai, ou filha de sua mãe” (Dt 27.22). Norman Geisler comenta o seguinte sobre a problemática: “Não há dúvida alguma de que Ló pecou de diversas maneiras, para não dizer nada quanto à violação das leis do incesto que mais tarde Moisés deu como mandamentos a Israel. Ló embebedou-se e pecou com suas duas filhas. A alma reta dele tinha sido perturbada com os muitos pecados por sua longa permanência junto com o povo de Sodoma. Mas nenhum desses pecados recebe aprovação nesta passagem. De fato, a narrativa seca do episódio, sem nenhum comentário positivo do escritor, indica que não se pretendeu esconder o horror desses pecados. Eis aqui um bom exemplo do princípio de que nem tudo que a Bíblia narra ela aprova”. O comportamento das filhas de Ló, sem dúvida, merece uma sentença de condenação. As ações incestuosas presentes nas narrações bíblicas não são louváveis, mas fruto de erros de comportamento (CACP).

3. O vinho como instrumento de corrupção. Para encobrir o seu adultério com Bate-Seba, o rei Davi convocou Urias, que estava na frente de batalha, embriagou-o, e induziu-o a deitar-se com a esposa adúltera e já grávida (2 Sm 11.13). Se o seu plano houvesse dado certo, aquela criança ficaria na conta de Urias, o heteu. A que ponto chega um homem fora da orientação do Espírito Santo. O rei de Israel usou o vinho para corromper um de seus heróis mais notáveis. Nossas atitudes devem sempre ser dirigidas pelo Espírito Santo. (LB CPAD, 3º Trim 2018, Lição 8, 19 Ago 18)

É bom que se diga que o fato de Davi embriagar Urias num ato de desespero para encobrir seu pecado não é o foco da narrativa bíblica. O foco é o adultério, a traição – por que Davi sabia quem era o esposo de Bate-Seba. Importante, ainda, ressaltar que, nos reinos vizinhos a Israel, tudo pertencia ao rei, não era assim com Israel, onde tudo pertencia ao Senhor, Davi não tinha o direito de agir como os reis pagãos, ele usurpou a mulher, não de Urias, mas em última instância, do Senhor! Davi em sua ânsia de esconder o adultério, sabendo que o excesso de bebida tira um homem da sua razão e rompe com os limites sociais, vê a possibilidade de fazer com que o fiel soldado deite com sua mulher. A determinação de Urias frustra a estratégia de Davi. Apesar da embriaguez não ser o foco, fica aqui suas lições: quando queremos esconder o nosso pecado, pecamos ainda pior. O pecado escondido frutifica em mais pecados. O argumento não deu certo, a embriaguês também não, sou restou o assassinato...


   TÓPICO II - O VINHO NO OFÍCIO DIVINO

1. No Antigo Testamento. Em sua oferta de manjares ao Senhor, os israelitas faziam-lhe também a libação de um quarto de him (Lv 13.13). Nessa oferenda, o adorador reconhecia que tudo quanto existe pertence ao Senhor. Em razão disso, deveria usar de forma santa e responsável tudo quanto Ele deixou-nos (Pv 20.1). Quanto aos ministros do altar, eram severamente advertidos sobre o uso do vinho. Leia com atenção Levítico 10.8-11. Esta passagem deve ser aplicada também aos crentes de hoje. Tanto ontem quanto hoje, o álcool pode levar-nos à ruína. (LB CPAD, 3º Trim 2018, Lição 8, 19 Ago 18)

Já vimos que as Escrituras ensinam que tanto yayin (Êx 29.38) como shekar (Nm 28.7) foram usados como oferta a Deus, apesar de alcoólicas, foram produzidas para adoração, e eram ofertas aceitáveis a Deus. De fato, o salmista atribui a Deus a produção de yayin, o qual alegra o coração do homem (Sl 104.14-15). Certamente a provisão de Deus tem em vista um emprego justo da bebida alcoólica. Além disso, a Escritura fala da satisfação da vida em termos de comer do pão e beber do yayin com alegria (Ec 9.7). Vimos também que devido ao potencial das bebidas alcoólicas para corromper, Deus ordenou que todos os sacerdotes de Israel se abstivessem de vinho e doutras bebidas fermentadas, durante sua vida ministerial. Deus considerava a violação desse mandamento suficientemente grave para motivar a pena de morte para o sacerdote que a cometesse (Lv 10.9-11). Salomão adverte: “O vinho é escarnecedor, e a bebida forte, alvoroçadora; e todo aquele que neles errar nunca será sábio” (Pv 20.1). As bebidas alcoólicas podem levar o usuário a zombar do padrão de justiça estabelecido por Deus e a perder o autocontrole no tocante ao pecado e à imoralidade. Aarão e todos os sumos sacerdotes que lhe sucederam também tinham que viver conforme as normas pessoais mais elevadas.

2. No Novo Testamento. O primeiro milagre de Jesus foi transformar água em vinho (Jo 2.1-11). E, ao instituir a Santa Ceia, Ele fez uso desse mesmo produto, a fim de simbolizar o seu sangue redentor (Mt 26.26-30). Desde então, a Igreja de Cristo vem utilizando o fruto da vide para oficiar a sua maior celebração: a Ceia do Senhor (1 Co 11.23-32). (LB CPAD, 3º Trim 2018, Lição 8, 19 Ago 18)

Algo interessante para destacarmos aqui: o vinho de João 2.1-11 era inebriante? Era o mesmo de Mateus 26.26-30? Paulo faz referência ao vinho inebriante para uso na Ceia? O tópico não é simples e evoca muitas discussões. Perceba que Jesus em Caná (Jo 2.6) transformou uma quantidade significativa de vinho (yayin) para a festa de casamento, do qual testemunhou o responsável pelo cerimonial - o mestre-sala, como um vinho de excelente qualidade (Jo 2.10); ainda, segundo inferimos de Lucas 5.39, preferiam-se o “vinho velho”, fermentado, porque ele era bom. Notável é o fato distinguidor entre ele e João Batista: “Pois veio João Batista, não comendo pão, nem bebendo vinho, e dizeis: Tem demônio! Veio o Filho do Homem, comendo e bebendo, e dizeis: Eis aí um glutão e bebedor de vinho, amigo de publicanos e pecadores!” (Lc 7.33-34). Este primeiro milagre de Jesus tinha um objetivo: ao transformar água em vinho nosso Senhor demonstrou a todos quanto testemunharam este fato ou leram dele, que Ele era verdadeiramente o Messias esperado, o Filho do Deus vivo. Ainda, com este milagre, Jesus manifestou sua glória levando seus discípulos a crerem nele (Jo 2.20). É importante, então, que se diga, que este vinho não era o tirôsh ‘mosto’ como muitos afirmam, mas o Yayin, dizer o contrário é afirmar que o primeiro milagre de Jesus foi transformar água em suco.


Este primeiríssimo milagre de Jesus tem sido completamente distorcido por inúmeros teólogos que tentam justificar sua ideia religiosa, de que não poderia Jesus transformar água em vinho, pois isso estaria estimulando os convidados à bebedice, o que não se coadunaria com a santidade de Jesus. O texto não se refere a vinho novo ou suco, pois o vinho bom, o melhor, sempre foi considerado o velho, Jesus mesmo o considera como melhor (Lc 5.39).

3. Advertência quanto ao uso do vinho. É bem possível que Nadabe e Abiú tenham entrado no lugar santo do Tabernáculo sob o efeito do álcool. E, sem qualquer temor ou reverência a Deus, apresentaram fogo estranho no altar divino. Logo após a morte de ambos, o Senhor fez séria advertência a Arão: “Vinho ou bebida forte tu e teus filhos contigo não bebereis, quando entrardes na tenda da congregação, para que não morrais” (Lv 10.9). Tal aviso serviu para que, no futuro, tragédias como essa não viessem a ocorrer. Por isso, o Senhor proibiu incisivamente, a partir daquele momento, a ingestão de vinho e de bebidas fortes no ofício sagrado. Aos desobedientes, a punição seria a morte. (LB CPAD, 3º Trim 2018, Lição 8, 19 Ago 18)

É importante frisar, outra vez, que a proibição aqui é restrita ao ofício sagrado, isto é, os levitas que estivessem dispensados dele, poderiam usufruir do fruto da vide. "E falou o SENHOR a Arão, dizendo: Não bebereis vinho nem bebida forte, nem tu nem teus filhos contigo, quando entrardes na tenda da congregação, para que não morrais; estatuto perpétuo será isso entre as vossas gerações; E para fazer diferença entre o santo e o profano e entre o imundo e o limpo, E para ensinar aos filhos de Israel todos os estatutos que o SENHOR lhes tem falado por meio de Moisés." (Lv 10.8-11)
Esse mandamento possuía alguns objetivos:
a. Para que Deus não os mate.
b. Trata-se de um mandamento perpétuo.
c. Para que possam determinar a diferença entre o santo e o profano.
d. Para que possam determinar a diferença entre o limpo e o imundo.
e. Para que possam ensinar o que Deus disse.

   TÓPICO III - MINISTROS CHEIOS DO ESPÍRITO SANTO

Tendo em vista os exemplos lamentáveis e vergonhosos da História Sagrada, o Novo Testamento faz-nos severas advertências quanto ao uso do vinho.

1. Recomendações aos ministros. O candidato ao Santo Ministério, na Igreja Primitiva, não podia ser um homem escravizado pelo vinho (1Tm 3.3,8; Tt 1.7). Não se pode confiar o rebanho de Jesus Cristo a alguém dominado pela embriaguez. Quem governa tem de abster-se das bebidas alcoólicas (Pv 31.4). (LB CPAD, 3º Trim 2018, Lição 8, 19 Ago 18)

É necessário, portanto, que o bispo seja irrepreensível, esposo de uma só mulher, temperante, sóbrio, modesto, hospitaleiro, apto para ensinar; não dado ao vinho” (1Tm 3.2-3); “Porque é indispensável que o bispo seja irrepreensível como despenseiro de Deus, não arrogante, não irascível, não dado ao vinho” (Tt 1.7). Esta qualificação aparece nos dois textos. O termo grego é um só (paroinosStrongs - dado ao vinho, bêbado) e identifica uma pessoa que tem uma relação especial, idolátrica e de dependência com o vinho – um viciado. Segundo D. A. Carson, “isso não significa só estar livre de embriaguez mas também livre da dependência. O servo de Jesus Cristo não deve ser escravo de qualquer outra coisa”.

2. Recomendações à Igreja. A recomendação quanto aos prejuízos decorrentes do vinho não se limita aos ministros do Evangelho. Ela diz respeito, também, a toda a Igreja. Portanto, que o verdadeiro cristão, afastando-se do vinho, busque a plenitude do Espírito Santo (Ef 5.18). A embriaguez não é um mero adorno cultural; é algo sério que tem ocasionado graves transtornos à Igreja de Cristo. (LB CPAD, 3º Trim 2018, Lição 8, 19 Ago 18)

O abuso do vinho e da bebida forte é condenado em Provérbios 20.1; 23.29-35. Embora a total abstinência não seja exigida literalmente, há uma situação na qual se requer moderação; por exemplo, quando a ingestão de vinho ofenderia um irmão mais fraco ou levaria a tropeço (Rm 14.21). Essa é a principal consideração que leva muitos cristãos a se absterem completamente do álcool. E é essa questão cultural de que “crente” não bebe que deve ser levada em conta no momento de exigir-se a abstinência, não o perverter textos ou interpretá-los a bel prazer com o pretexto de impor esta regra à comunidade. Temos que ser sinceros, o uso de bebida alcoólica não é condenado nas escrituras, mas ele tem potencial para tornar-se facilmente um ídolo. Por este motivo é importante a abstinência, sem no entanto, afirmar que a abstinência é exigida. Em Efésios 5.18, não parece à primeira vista que Paulo esteja proibindo os irmãos de beberem vinho em si, embora a abstinência seja uma boa disciplina contra a possibilidade da embriaguez. Ele faz aqui, primeiramente, uma comparação rasa e superficial entre a embriaguez e a plenitude; entendemos assim que uma pessoa embriagada estará sob o domínio do álcool, assim como uma pessoa cheia do Espírito Santo estará dominada pelo Espírito. Outro contraste muito interessante é quando entendemos que a embriaguez conduz à dissolução, à vergonha, ao vexame, à destruição dos vínculos, entre outras, a plenitude do Espírito leva à uma vida de bem aventurança, equilíbrio, glorificação ao nome de Deus, a ser um instrumento nas mãos de Deus para abençoar a sociedade e o mundo.

3. Ministros usados pelo Espírito Santo. No dia de Pentecostes, o Espírito Santo foi generosamente derramado sobre os discípulos (At 2.1-4). De início, eles foram tidos como bêbados (At 2.13). Mas, após o sermão de Pedro, todos vieram a conscientizar-se de que eles falavam e operavam no poder de Deus (At 2.40,41). Na sequência de Atos, deparamo-nos com os apóstolos e discípulos proclamando o Evangelho sempre no poder do Espírito Santo (At 4.8,31; 7.55; 13.9,10). (LB CPAD, 3º Trim 2018, Lição 8, 19 Ago 18)

Confundidos com pessoas embriagadas (o grego original acrescenta “com vinho doce”, ainda em processo de fermentação), sendo aquele momento, como diz o texto, a terceira hora do dia, cerca das nove horas da manhã.
"Os capítulos iniciais do Livro de Atos definem os alicerces do explosivo crescimento da jovem igreja. Por cerca de quarenta dias os discípulos foram ensinados, por Jesus, sobre o Reino de Deus e sua responsabilidade de difundir a mensagem de Jesus até aos confins da terra" (1.1-8). A ascensão visível de Cristo ao céu foi seguida por um breve período de espera, durante o qual os discípulos escolheram um fiel seguidor de Jesus para assumir o lugar de Judas Iscariotes (1.9-26). Esta espera terminou no dia de Pentecostes.
Os primeiros capítulos de Atos apresentam os temas que percorrem todas as epístolas do Novo Testamento, e são vitais para nós hoje. O primeiro tema é o Espírito Santo. Sua vinda inaugura a igreja. O segundo tema é a evangelização. Os primeiros cristãos são levados a proclamarem o Senhor [...]. O terceiro motivo é a comunhão. Os membros da jovem igreja são unidos por comprometimento compartilhado com Jesus. Eles adoram, estudam, repartem e oram juntos, em unidade que inspira profundo carinho de uns pelos outros. Embora devamos encarar o Livro de Atos como documento descritivo que retrata o que aconteceu no século I, em lugar de encará-Io como um documento prescritivo que nos instrui sobre como devemos viver hoje, estes três temas nos lembram de como dependência do Espírito, paixão pela evangelização e comprometimento com a comunhão são vitais para qualquer pessoa que procure seguir a Jesus Cristo em nossa época"(RICHARDS, Lawrence O. Comentário Histórico-Cultural, do Novo Testamento. 1. ed. Rio de, Janeiro: CPAD. 2007. pp. 251-2).

   CONCLUSÃO

Quanto ao uso do vinho, sigamos o exemplo dos recabitas. Voluntariamente, abstinham-se de qualquer bebida forte para que a aliança de seus ancestrais permanecesse firme (Jr 35.6-10). E, por causa de sua fidelidade, foram honrados pelo Senhor. Portanto, fujamos das bebidas alcoólicas e de outros vícios igualmente graves, a fim de que possamos ministrar ao Senhor com todo zelo e cuidado. Deus não mudou. Lembremo-nos de Nadabe e Abiú. (LB CPAD, 3º Trim 2018, Lição 8, 19 Ago 18)

Os recabitas eram um clã dos queneus. Este povo se juntou aos hebreus em sua caminhada para a terra de Canaã. Um de seus descendentes, Jonadabe trabalhou com Jeú, quando esse rei se empenhou na destruição dos seguidores de Baal em Israel. Jonadabe convocou seus descendentes a um novo tipo de vida, exortando seu clã para conservar uma vida simples, sem consumo de bebida alcoólica, sem edificar casas. Este povo foi exemplo a Jeremias e Israel por sua fidelidade ao seu antepassado, recusando beber vinho. Apesar de não haver proibição nas Escrituras, o cristão deve abster-se de bebidas alcoólicas por diversos fatores:
- Antecedentes Bíblicos (Gn 9.20-25)
- Consagração a Deus (Nm 6.1-4)
- Excelência ministerial (Lv 10.8-11)
- Carnalidade (Pv 20.1; Gl 5.19-21)
- Decência (Pv 23.29-35)
- Dependência (1Co 3.16,17)
- Exemplo (2Co 6.3,4)
- Consciência (Hb 4.13; 13.17; Rm 14.11-13).
Vale ressaltar que o autor do artigo-estudo define-se hoje como um abstêmio não fazendo uso de qualquer bebida alcoólica, inclusive o vinho fermentado, em qualquer graduação alcoólica, em qualquer lugar e por qualquer justificativa ou pretexto de ordem social, terapêutica ou religiosa. Outros textos para leitura e reflexão: Isaías 5.11,22 / Isaías 28.1-7 / Oséias 4.11 / Efésios 5.18 (Extraído do site http://cristianismocomcristo.blogspot.com.br)


“Achando-se as tuas palavras, logo as comi, e a tua palavra foi para mim o gozo e alegria do meu coração; porque pelo teu nome sou chamado, ó Senhor Deus dos Exércitos”. (Jeremias 15.16), Francisco Barbosa Campina Grande-PB Agosto de 2018


   PARA REFLETIR

A respeito de “A Sobriedade na Obra de Deus”, responda:

1) Segundo a lição, de acordo com o contexto da narrativa, o que podemos concluir sobre o comportamento de Nadabe e Abiú quando entraram no Tabernáculo para queimar o incenso?
Pelo contexto da narrativa sagrada, podemos concluir que ambos estavam embriagados (cf. Lv 10.8,9). Por isso, profanaram insolentemente a glória divina.
2) Que recomendação faz o Senhor aos sacerdotes quanto às bebidas alcoólicas?
“Vinho ou bebida forte tu e teus filhos contigo não bebereis, quando entrardes na tenda da congregação, para que não morrais; estatuto perpétuo será isso entre as vossas gerações” (Lv 10.9).
3) Que exigência a Bíblia faz aos candidatos ao ministério cristão?
O candidato ao Santo Ministério, na Igreja Primitiva, não podia ser um homem escravizado pelo vinho (1 Tm 3.3,8; Tt 1.7).
4) Por que não podemos considerar a embriaguez um mero adorno cultural?
Porque a embriaguez é algo sério que tem ocasionado sérios transtornos à Igreja de Cristo.
5) Discorra sobre o exemplo dos recabitas.
Os recabitas voluntariamente, abstinham-se de qualquer bebida forte, para que a aliança de seus ancestrais permanecesse firme (Jr 35.6-10). E, por causa de sua fidelidade, foram honrados pelo Senhor.(LB CPAD, 3º Trim 2018, Lição 8, 19 Ago 18)

Compartilhar no Google Plus

Sobre Hubner Braz

Criador, colunista e administrador do Pecador Confesso. Fascinado e apaixonado por DEUS!! Formado Bacharel em Teologia pela FATESP e F. Mêcanica pela FATEC-SP e Presbítero na A.D. Belem-Missão em Sorocaba, onde o Pastor Presidente é o Rev. Osmar José da Silva - CGADB, Tenho 1João 1:7-9 injetado na veia!.