Lição 1 - Parábola: Uma Lição para a Vida - 7 de Outubro de 2018 - Adulto - EBD - CPAD


TEXTO ÁUREO

VERDADE PRÁTICA
E sem parábolas nunca lhes falava, porém tudo declarava em particular aos seus discípulos.” (Mc 4.34)

As parábolas são uma forma instrutiva para se ensinar grandes lições, e delas podemos extrair as inspirações e os ensinamentos divinos para a vida cristã.

LEITURA BÍBLICA EM CLASSE
Mateus 13.10-17
10 E, acercando-se dele os discípulos, disseram-lhe: Por que lhes falas por parábolas?
11 Ele, respondendo, disse-lhes: Porque a vós é dado conhecer os mistérios do reino dos céus, mas a eles não lhes é dado;
12 Porque àquele que tem, se dará, e terá em abundância; mas àquele que não tem, até aquilo que tem lhe será tirado.
13 Por isso lhes falo por parábolas; porque eles, vendo, não vêem; e, ouvindo, não ouvem nem compreendem.
14 E neles se cumpre a profecia de Isaías, que diz: Ouvindo, ouvireis, mas não compreendereis, E, vendo, vereis, mas não percebereis.
15 Porque o coração deste povo está endurecido, E ouviram de mau grado com seus ouvidos, E fecharam seus olhos; Para que não vejam com os olhos, E ouçam com os ouvidos, E compreendam com o coração, E se convertam, E eu os cure.
16 Mas, bem-aventurados os vossos olhos, porque vêem, e os vossos ouvidos, porque ouvem.
17 Porque em verdade vos digo que muitos profetas e justos desejaram ver o que vós vedes, e não o viram; e ouvir o que vós ouvis, e não o ouviram.


INTRODUÇÃO
Quando estudamos as parábolas de Jesus, com os corações abertos e dispostos a aprender como discípulos verdadeiros, em busca de sabedoria e entendimento das verdades espirituais profundas, nos deparamos com as sábias lições que Ele nos deixou para sermos bem-sucedidos em nossa vida aqui no mundo. Estudar este conteúdo, como disse Jesus aos seus primeiros discípulos, é um privilégio: “Bem-aventurados são os olhos que veem o que vós vedes, pois vos digo que muitos profetas e reis desejaram ver o que vós vedes e não o viram; e ouvir o que ouvis e não o ouviram” (Lc 10.23,24). Assim, as parábolas do Senhor possuem preciosas promessas de bênçãos para todos quantos acolhem sua mensagem e se dispõem a compreender as verdades que elas ensinam.” (LB CPAD, 4º Trim 2018, Lição 1, 7 Out 18).
Jesus falava por parábolas para explicar verdades complexas de uma forma simples. Era sua maneira predileta de ensinar verdades e mistérios profundos (Mt 13.34-35), e para responder as perguntas e dúvidas. Usar parábolas era um método de ensino muito comum no tempo de Jesus. Ele falava por parábolas para cumprir a profecia de Salmos 78.2, e não dizia nada a eles sem ser por meio de parábolas. Qual é a importância de estudarmos este assunto? Ora, Jesus explicou aos seus discípulos que quem conhece a Deus receberá mais conhecimento mas quem não conhece a Deus perderá até o pouco de conhecimento que tem (Mt 13.11-12). As parábolas de Jesus eram simples mas quem não amava Jesus não as entendia. Deus estava humilhando quem se achava sábio mas rejeitava Jesus (1Co 1.20-21).
Nosso Senhor Jesus compreendia que a verdade não é uma doce música para todos os ouvidos. Na verdade, há aqueles que não têm nenhum interesse ou estima pelas coisas profundas de Deus. Por que, então, Ele falava em parábolas? Para aqueles com uma verdadeira fome de Deus, a parábola é um veículo tanto eficaz quanto memorável para a transmissão das verdades divinas. As parábolas de Nosso Senhor contêm grandes volumes de verdade em poucas palavras-- e Suas parábolas, ricas em imagens, não são facilmente esquecidas. Assim, então, uma parábola é uma bênção para aqueles com ouvidos dispostos. Entretanto, para aqueles com corações endurecidos e ouvidos lentos para ouvir, uma parábola é também uma declaração de julgamento. (Why did Jesus teach in parables? Disponível em: https://www.gotquestions.org/Jesus-parables.html. Acesso em: 28 Set, 2018).
Dito isto, vamos pensar maduramente a fé cristã?


I – O QUE É PARÁBOLA

1. Conceito. Parábola, no hebraico mashal, dependendo do contexto, refere-se a um dito profético, um provérbio, uma analogia, um enigma, um discurso, um poema, um conto, um símile. Essa palavra ocorre aproximadamente quarenta vezes no Antigo Testamento, sendo normalmente traduzida como “provérbio”. A palavra grega traduzida como parábola, em o Novo Testamento, é parabolé, “por ao lado de”, com o sentido de “comparar” como ilustração de alguma verdade ou ensino. Nesse sentido, torna-se um instrumento didático. Ela é usada cinquenta vezes no Novo Testamento, sendo duas para indicar uma fala figurativa (Hb 9.9; 11.19) e quarenta e oito vezes traduzida no singular ou no plural, sempre se referindo às histórias de Jesus. Em síntese, parábola significa, literalmente, “comparação”, e como tal, comumente utilizada para indicar uma história breve, um exemplo esclarecedor para ilustrar uma verdade.(LB CPAD, 4º Trim 2018, Lição 1, 7 Out 18).
As Parábolas como temos conhecimento é um gênero literário de uso muito comum no judaísmo e na literatura rabínica, na explicação da doutrina. Vincent Cheung em ‘As Parábolas de Jesus’, diz: “A palavra grega para parábola é parabole – ela é uma palavra grega composta que significa “colocar de lado”. No uso bíblico, uma parábola compara ou contrasta uma realidade natural com uma verdade espiritual. E assim, quando lendo os Evangelhos, algumas vezes você verá Jesus dizendo tais coisas como: “O Reino dos céus é como...” (Mateus 13:24), ou “Com que se parece o Reino de Deus? Com que o compararei?” (Lucas 13:18)”. (CHEUNG, 2003). O Dicionário online Priberam define: “(latim parabola, -ae, do grego parabolé, -és, comparação, analogia, discurso alegórico, movimento paralelo, parábola). substantivo feminino 1. Narração alegórica que envolve algum preceito de moral, alguma verdade importante”. (PRIBERAM). De acordo com o dicionário bíblico universal, Bucklan & Williams (2007, p.446):
Parábola é uma narrativa imaginária ou verdadeira que se apresenta com o fim de ensinar uma verdade. Difere do provérbio porque sua apresentação não é tão concentrada como a daquele; contém mais pormenores, exigindo menor esforço mental para ser compreendida. Difere da alegoria, porque esta personifica atributos e as próprias qualidades, ao passo que a parábola nos faz ver as pessoas na sua maneira de proceder e viver, também difere da fábula, visto que a parábola se limita ao que é humano e possível.”
*******************************************************************
2. Distinção entre a parábola e outras figuras de linguagem. A Bíblia Sagrada emprega várias figuras de linguagem que são necessárias para ilustrar verdades divinas e profundas. Algumas delas são o símile, o provérbio, a metáfora, a alegoria, a fábula e o tipo, e é importante não confundi-las com a parábola. É oportuno destacar que a parábola também não é um mito, tendo em vista que ele narra uma história como se fosse verdadeira, mas não adiciona nem a probabilidade e nem a verdade. Já a parábola ilustra verdades por meio de símbolos: “o campo é o mundo”, “o inimigo é o Diabo”, “a boa semente são os filhos do reino”, etc.” (LB CPAD, 4º Trim 2018, Lição 1, 7 Out 18).
Neste subtópico é importante diferenciarmos a parábola do mito, isso por algumas acusações de que determinadas parábolas não passam de mito. Como já explicado no subtópico 1, parábola é uma narrativa curta, um discurso que faz entender outro. “É uma espécie de alegoria apresentada sob forma de uma narração, relatando fatos naturais ou acontecimentos possíveis, sempre com o objetivo de declarar ou ilustrar uma ou várias verdades”.(DICIONÁRIO INFORMAL). Já o mito, é uma “representação fantasiosa, espontaneamente delineada pelo mecanismo mental do homem, a fim de dar uma interpretação e uma explicação aos fenômenos da natureza e da vida” (*).Segundo George Eldon Ladd (2003, p.126) “uma parábola é uma estória extraída da vida diária, com a finalidade de comunicar uma verdade de cunho moral ou religioso”. Logo, as parábolas são recursos que quando empregados no ensino de Jesus, deve-se ter em consideração todo o contexto histórico empregado no processo narrativo para sua compreensão correta”.
*******************************************************************

3. Aplicação de uma parábola. Ao se dirigir aos discípulos e aos fariseus, seus adversários, Jesus adotou o método de ensino por parábolas com a finalidade de convencer aqueles e condenar estes. Em Mateus 13.10, os discípulos perguntaram a Jesus o porquê de Ele falar por parábolas. Jesus usava esse método em razão da diversidade de caráter, de nível espiritual e de percepção moral de seus ouvintes (Mt 13.13). Em Marcos 4.10-12, ao ser inquirido sobre o uso de parábolas, Jesus respondeu que as usava nos seus ensinamentos por duas razões distintas: para ilustrar a verdade para aqueles que estavam dispostos a recebê-la, e para obscurecer a verdade daqueles que a odiavam. Assim, para que a parábola seja explicada e aplicada, primeiramente é indispensável examinar sua relação com o que a precede e a segue, e descobrir, com base nisso, antes de qualquer outra coisa, a sua ideia principal (LB CPAD, 4º Trim 2018, Lição 1, 7 Out 18).
Em ‘As Parábolas de Jesus’, Vincent Cheung afirma que o uso do ensino por parábolas não tinha como fim ‘aclarar’ o entendimento de verdades espirituais, haja visto que os próprios discípulos, aqueles que deveriam ser iluminados pelos ensinamentos de Cristo, eles mesmos não entenderam nem mesmo a parábola fundacional até que Jesus a explicasse para eles. Após contar à sua audiência a parábola do semeador em Marcos 4.2-9, seus discípulos chegaram até ele no versículo 10, pedindo a interpretação: “Quando ele ficou sozinho, os Doze e os outros que estavam ao seu redor lhe  fizeram  perguntas acerca  das  parábolas”. Até mesmo seus discípulos mais íntimos, incluindo os Doze, não entenderam a parábola. Em João 16:29-30, os próprios discípulos declaram que era mais fácil entender o que Jesus estava dizendo quando ele falava “claramente” do que quando usando “figuras [de linguagem]”. O autor afirma que provérbios, parábolas, e figuras de linguagem não tornam necessariamente as verdades espirituais mais fáceis de entender; antes, elas frequentemente obscurecem as verdades espirituais até que as explicações sejam dadas em discurso claro. Os  discípulos obviamente preferiam a linguagem direta e não-metafórica. Nesse sentido, Jesus utilizou este método para obscurecer a verdade daqueles que a odiavam:
Então, o próprio Jesus admitiu que o uso das parábolas evitaria que muitas pessoas entendessem seus ensinos, e que essa era a sua própria intenção: Ele respondeu: “A vocês foi dado o conhecimento dos mistérios do Reino dos céus, mas a eles não... Por essa razão eu lhes falo por parábolas: ‘Porque vendo, eles não vêem e, ouvindo, não ouvem nem entendem’. Neles se cumpre a profecia de Isaías: ‘Ainda que estejam sempre ouvindo, vocês nunca entenderão; ainda que estejam sempre vendo, jamais perceberão’” (Mateus 13:11, 13-14). Jesus usou parábolas principalmente, não para tornar as verdades espirituais mais fáceis de entender; antes, o próprio oposto era verdade, de forma que pelo menos uma das razões pelas quais ele usou parábolas foi para obscurecer o significado de seus ensinos.” (CHEUNG, 2003)

II – CONTEXTO SOCIAL E LITERÁRIO

1. Galileia no tempo de Jesus. A Galileia compreendia todo o território ao Norte de Samaria até ao Monte Líbano, estendendo-se de leste a oeste, entre o Mar da Galileia e o Mar Mediterrâneo e Fenícia. Situava-se nas grandes rotas comerciais que cruzavam o Oriente Próximo, e muitos estrangeiros atravessavam a área. A conservação de peixes pela salgadura e sua exportação para todos os lugares do Império Romano era a principal indústria. Era uma região muito mais próspera que a Judeia e abrigava uma grande população. Importante para a região era o mar da Galileia, um extenso lago de água doce, localizado ao norte da Palestina, também conhecido como mar de Tiberíades ou lago de Genesaré (Mt 4.18; Lc 5.1). Esse lago, que ficava cerca de 96 quilômetros ao norte de Jerusalém, ajudava a determinar o tipo de vida que se levava em toda a região ao derredor. As ocupações dos habitantes incluíam a agricultura, a fruticultura, a pecuária, o tingimento de tecidos, o curtume, a pesca e a fabricação de embarcações. Na Galileia, Jesus reforçou seu ensino com parábolas memoráveis, ilustrando o amor de Deus pelos pecadores, a necessidade de confiança na misericórdia de Deus, o amor que devemos ter uns aos outros, a maneira como a Palavra de Deus vem e o Reino de Deus cresce, a responsabilidade de o discípulo desenvolver seus dons e o julgamento daqueles que rejeitam o evangelho (Mt 4.23; 13.1-52)” (LB CPAD, 4º Trim 2018, Lição 1, 7 Out 18).
Galiléia vem do hebraico גָּלִיל Galil, empregada desde o Antigo Testamento, que significa círculo ou distrito. O historiador Flávio Josefo desde o primeiro século já descrevia a Galiléia em seus escritos. Seu texto nos oferece uma boa oportunidade de conhecer melhor os aspectos físicos e limites territoriais da Galiléia.
Nos tempos do Novo Testamento, Israel era dividido em três regiões principais. No centro estava Samaria, habitada por um povo miscigenado (de raça mista) e sincretista (de religião misturada), odiado pelos judeus. No sul estava a Judeia, região nobre, onde ficava o templo, o sinédrio, os principais mestres da lei, as melhores faculdades, as pessoas mais ricas e influentes. Ali estava Jerusalém, onde aconteciam as concorridas festas judaicas, e outras influentes cidades como Jericó, Hebrom e Cesareia. No norte estava a Galileia, região dos pobres, iletrados, menos privilegiados, simples pescadores, trabalhadores braçais, gente desprezada e menosprezada, marginalizada e motivo de chacota para os importantes habitantes do sul. É por isto que quando alguém mencionou que Jesus era da Galileia os líderes religiosos logo retrucaram: “Da Galileia não se levanta profeta”. Natanael também questionou: “De Nazaré pode sair alguma coisa boa?” (Jo 1.46)” (Opção Galiléia – Parte I. Disponível em:http://ultimato.com.br/sites/paralelo10/2010/04/opcao-galileia/. Acesso em: 28 Set, 2018)

*******************************************************************

2. Jerusalém no tempo de Jesus. Jerusalém é uma das mais antigas cidades do mundo. É a mais sagrada cidade da Palestina e tem existido como cidade e como capital, além de lugar sagrado, há mais de três mil anos. À época de Jesus, Jerusalém contava com uma superpopulação, sendo que a maioria das pessoas estava desesperada em decorrência da opressão do Império Romano, da miséria, da opressão aos pequenos produtores que estavam praticamente falidos, tendo de pagar elevados impostos a Roma. Nessa época, grande parte da população dependia de esmolas do Templo. Enquanto o povo comum estava vivendo em situação de extrema pobreza, padecendo por terríveis privações, os grandes produtores, os grandes comerciantes e as famílias mais abastadas estavam satisfeitas com o sistema vigente controlado pelo governo de Roma. Diante desse contexto, o povo judeu aguardava com ansiedade o Messias que viria em glória, conforme profetizado por Zacarias (Zc 14.4) (LB CPAD, 4º Trim 2018, Lição 1, 7 Out 18).
Jerusalém significa em hebraico, habitação de paz. Seu nome é mencionado pela primeira vez nas escrituras em Josué 10.3, onde é relatada a conquista de Jerusalém, quando Josué derrotou uma coligação de cinco reis, entre eles o rei Adoni-Zedeque, rei de Jerusalém (Js 10.1-27). Entretanto, em Gênesis 14.18, encontramos uma referência sobre a cidade, que aparece com o nome de Salém. De acordo com a tradição, assim era chamada a capital judaica.
Leia mais sobre descobertas arqueológicas aqui
Leia também ‘A Palestina no Tempo de Jesus’ aqui

*******************************************************************

3. Contexto literário: os Evangelhos. Os quatro primeiros livros do cânon do Novo Testamento, chamados de Evangelhos, são os registros escritos das primeiras pregações das Boas Novas a respeito de Cristo. Eles constituem um tipo distinto de literatura. Não são biografias completas, pois não tentam narrar todos os fatos da carreira de Jesus; nem são apenas histórias; nem são sermões, embora incluam pregações e discursos; também não são apenas relatos de notícias. Os três primeiros Evangelhos – Mateus, Marcos e Lucas – são chamados sinóticos, termo que vem do grego synoptikos, que significa “ver junto”, “ver da mesma perspectiva”, “vistos de um ponto de vista comum”. Os Sinóticos apresentam a vida, os ensinamentos e a significação de Jesus do mesmo ponto de vista, em contraste com o Evangelho de João, o qual se limita quase inteiramente ao que Jesus disse e fez na área de Jerusalém (LB CPAD, 4º Trim 2018, Lição 1, 7 Out 18).
Os Evangelhos nos dão um retrato completo de quem Jesus era e realizou, Trazem relatos da vida de Jesus, escritos pelos apóstolos ou pessoas próximas. Cada um dos Evangelhos apresentam a história de Jesus de uma perspectiva um pouco diferente. Cada evangelista escreveu aquilo que julgava ser importante para o seu público. Quanto aos autores, somente João e Mateus foram apóstolos de Jesus. Marcos era discípulo de Paulo e Lucas, autor também de Atos, era um médico, amigo de Paulo que escreveu seu evangelho e Atos para um senhor chamado Teófilo. Hoje tem-se descoberto outros escritos aos quais chamaram de ‘evangelhos’, no entanto, apenas estes que estão em nossas bíblias são canônicos, isto é, aceitos pela cristandade como inspirados. Estes escritos apócrifos foram compostos bem mais tarde e refletem doutrinas particulares, nem sempre conforme a tradição.
Evangelho significa “boa notícia”. O propósito dos quatro evangelhos e contar a boa notícia sobre Jesus, o Salvador do mundo (Marcos 1:1). Como cada um foi escrito por uma pessoa diferente, cada evangelho apresenta Jesus de uma perspectiva diferente, mas sem contradizer uns aos outros. Todos os evangelhos relatam a morte e ressurreição de Jesus.” (O que são os evangelhos? Por que existem quatro? Disponível em:https://www.respostas.com.br/os-quatro-evangelhos/. Acesso em: 29 Set, 2018) Leia mais aqui.


IIl – COMO LER UMA PARÁBOLA

1. Entendendo a narrativa como a síntese das experiências cotidianas. Uma das questões mais importantes ao ler uma parábola é procurar entender os elementos culturais operados em cada uma delas, pois apesar de elas serem uma síntese das experiências humanas, são histórias contadas a partir de outra cultura e tempo. Torna-se impossível entender as parábolas sem vinculá-las ao seu contexto social, pois elas se referem às experiências de pessoas que viveram na época de Jesus. Para tanto, torna-se necessário identificar a conexão com as estruturas daquela sociedade. Quase um terço dos ensinamentos de Jesus foi realizado através de parábolas. Ele contou parábolas sobre a natureza (Mt 13.24-30), trabalho e salário (Lc 17.7-10), e até sobre casamentos e festas (Mt 25.1-13). Jesus não falava de forma genérica acerca da busca de Deus pelo perdido, mas sempre através de histórias de experiências cotidianas, tais como a história sobre uma mulher que perdera uma de suas dez moedas de prata, e que não descansou até encontrá-la (Lc 15.8-10) (LB CPAD, 4º Trim 2018, Lição 1, 7 Out 18).
A interpretação adequada de uma parábola é de extrema importância, pois somente depois de entendida é que ela poderá ser aplicada em nossas vidas. A hermenêutica, com seus métodos, contribui grandemente nesse processo e por isso não devemos negligenciá-los durante esse processo interpretativo. Grant Osborne (2009, p. 386) nos diz a respeito:
Sem uma interpretação perde-se o poder da parábola, porque toda parábola deve ser compreendida antes de ser aplicada. Seu “poder evocativo” é melhor discernido quando se entende o que Jesus pretendeu; isto é, de acordo com o pano de fundo do século I e com o contexto do próprio Evangelho. De qualquer modo, não devemos reduzir a parábola a uma simples análise palavra por palavra. É preciso preservá-la para que sua capacidade de surpreender e comover o ouvinte não se perca.”” (AprendizemTeologia)
As parábolas constituem aproximadamente 35% dos ensinos de Jesus nos Evangelhos Sinóticos. Algumas premissas são fundamentais e servem como um guia, ao nos dedicarmos à tarefa de compreender e interpretar as parábolas. Para tanto, é importante considerar o contexto, levando em consideração a audiência, a ocasião e o objetivo específico a qual foi aplicada. Depois, é preciso procurar a verdade central, deixando os apêndices de lado, como exemplo, a parábola do Rico Insensato em Lucas 12.13-21, onde Jesus deseja falar dos perigos da ganância e avareza. Ainda, é necessário fazer uma aplicação pessoal.

*******************************************************************

2. Procurar as declarações explícitas e implícitas do agir de Deus no contexto literário. Tendo a parábola o objetivo de transmitir uma mensagem e, no caso específico, tal comunicação procede de Deus, é imperioso que o leitor procure as declarações explícitas e implícitas do agir de Deus em tal contexto literário. Somente após esse exercício é possível pensar na aplicação da parábola (Mt 15.15,16) (LB CPAD, 4º Trim 2018, Lição 1, 7 Out 18).
Certas parábolas têm reviravoltas chocantes e inesperadas que nos ajuda a entender o ponto de vista que Jesus estava tentando transmitir. Embora uma leitura cuidadosa geralmente exponha os detalhes especiais, às vezes esses detalhes são difíceis de pegar, devido às diferenças culturais e nossa pouca familiaridade com as parábolas. Um exemplo de um detalhe importante e surpreendente é encontrada na parábola do servo impiedoso. Mt 18. 23-35. O detalhe surpresa desta parábola é a diferença entre os montantes de dinheiro perdoados pelo rei e pelo servo (milhares de reais em comparação com milhões de reais), o que mostra a grande magnitude do perdão de Deus e como isso deve nos levar a perdoar os outros.” (Filhos de Ezequiel)

*******************************************************************

3. Identificar a aplicação prática da parábola. Uma vez que a maneira predileta de Jesus ensinar era através de parábolas, tais textos contêm lições profundas e de aplicação prática no campo da ética e da vida espiritual das pessoas. Por meio de suas parábolas Jesus levou aos seus ouvintes a mensagem de salvação, conclamando-os a se arrependerem e a crerem. Aos crentes, desafiava-os a colocarem a fé em prática, exortando seus seguidores à vigilância. Quando seus discípulos tinham dificuldade para entenderas parábolas, Jesus as interpretava (Mc 4.13-20). Assim, uma boa maneira de identificar a aplicação prática de uma parábola é fazer as seguintes perguntas: Para quem a parábola foi contada? Por que a parábola foi contada? Qual é a moral da parábola? Existe algum ponto culminante na parábola? Alguma interpretação é dada na passagem para a parábola?” (LB CPAD, 4º Trim 2018, Lição 1, 7 Out 18).
Jesus ensinava com parábolas com dois propósitos principais: para explicar a verdade para alguns (ver Lucas 10:36-37) e para manter a verdade escondida dos outros (ver Marcos 4. 10-12 abaixo). Para aqueles ansiosos para seguir a Deus, as parábolas eram ilustrações memoráveis de um princípio de reino. Para aqueles que se opõem aos planos de Deus, o significado das parábolas estaria escondido em uma forma de julgamento”. (Filhos de Ezequiel). “É necessário, então, mais cuidado durante o processo interpretativo de uma parábola. O leitor na busca de uma compreensão mais adequada e real do ensino de Jesus deve estar disposto a buscar os pontos de referências e reconstruir todo o cenário original em que a parábola foi apresentada por Cristo aos seus ouvintes. O nosso contexto por se encontrar tão distante do original atrapalha a nossa compreensão da reação do público e uma reconstrução do cenário para os nossos dias seria de uma grande ajuda para um melhor entendimento” (AprendizemTeologia).



CONCLUSÃO
Não há como perceber, nem entrar, no Reino de Deus, sem ter nascido de novo (Jo 3.3-8), por isso, a salvação da alma é parte integrante das parábolas. Você já renasceu? Já se arrependeu dos seus pecados e confiou em Jesus Cristo e em seu sacrifício pelos seus pecados? Você conhece o Rei deste Reino? Seu coração já se prostra diante deste Rei? Ou vive em rebeldia contra Ele ainda? Os verdadeiros súditos reconhecem a soberania do Rei e submetem-se a ela” (LB CPAD, 4º Trim 2018, Lição 1, 7 Out 18).
O Mestre Jesus não deixou nenhum escrito de sua própria autoria, todo o seu ensino foi registrado pelos evangelistas e grande parte dele foi dado por meio de parábolas. Não podemos esquecer que a intenção das parábolas é transmitir uma verdade eterna, então, usam elementos diários de tal forma que ainda hoje, podem ser facilmente entendidas por todos. Permanece ainda, a verdade de que sua compreensão só é possível mediante a iluminação do Espírito Santo, por que as coisas de Deus só são perfeitamente compreendidas por quem é espiritual. As perguntas do comentarista são pertinentes. Se você não sabe como ter a certeza de que nasceu de novo, faça este exame rápido:
- Ouve a palavra de Deus? - João 8.47;
- Crê no Filho de Deus? -  1João 5.1;
- Ama a Jesus Cristo? - João 8.42; João 14.23; 1João 5.3;
- Ama os irmãos? - 1João 4.7, 5.1; João 13.35;
- É um pacificador? Isaías 57.21; Gl 5.17;
- Conserva-se a si mesmo? - 1João 5.18; 1Pd 1.5;
- Pratica a justiça: - 1João 2.29; Rm 8.3-4;
- Não vive na prática de pecado? - 1João 3.9; João 3.6 e Rm 7.20.
- É corrigido? - Hb 12.5-8.
- Vence o mundo? - I João 5:4Você já nasceu de novo? Examine-se à luz da Palavra de Deus. "Aquele que não nascer de novo, não pode ver o reino de Deus." João 3:3


Achando-se as tuas palavras, logo as comi, e a tua palavra foi para mim o gozo e alegria do meu coração; porque pelo teu nome sou chamado, ó Senhor Deus dos Exércitos”. (Jeremias 15.16), Francisco Barbosa, Campina Grande-PB, Outubro de 2018

PARA REFLETIR
A respeito de “Parábola: Uma Lição Para a Vida”, responda:
• O que significa “parábola”?
Significa, literalmente, “comparação”, e como tal, comumente utilizada para indicar uma história breve, um exemplo esclarecedor para ilustrar uma verdade.
• O que, na Galileia, determinava o estilo da vida das pessoas?
O mar da Galileia, também chamado de mar de Tiberíades ou lago de Genezaré.
• Qual o significado de “sinóticos”?
Significa “ver junto”, “ver da mesma perspectiva”, “vistos de um ponto de vista comum”.
• Cite uma das questões mais importantes a ser considerada quando se lê uma parábola.
Procurar entender os elementos culturais operados em cada uma delas, pois apesar de elas serem uma síntese das experiências humanas, são histórias contadas a partir de outra cultura e tempo.
• Quais são as perguntas necessárias para se identificar uma aplicação prática de uma parábola?
Para quem a parábola foi contada? Por que a parábola foi contada?
Qual é a moral da parábola? Existe algum ponto culminante na parábola? Alguma interpretação é dada na passagem para a parábola?
Compartilhar no Google Plus

Sobre Hubner Braz

Criador, colunista e administrador do Pecador Confesso. Fascinado e apaixonado por DEUS!! Formado Bacharel em Teologia pela FATESP e F. Mêcanica pela FATEC-SP e Presbítero na A.D. Belem-Missão em Sorocaba, onde o Pastor Presidente é o Rev. Osmar José da Silva - CGADB, Tenho 1João 1:7-9 injetado na veia!.