Lição 4 - Perseverando na Fé - 28 de Outubro de 2018 - EBD - CPAD


TEXTO ÁUREO

VERDADE PRÁTICA
"E Deus não fará justiça aos seus escolhidos, que clamam a ele de dia e de noite, ainda que tardio para com eles?" (Lc 18.7)

Quanto mais perseverarmos na fé, melhor entenderemos a vontade de Deus.

LEITURA BÍBLICA EM CLASSE
Lucas 18.1-8
1- E contou-lhes também uma parábola sobre o dever de orar sempre e nunca desfalecer,
2- dizendo: Havia numa cidade um certo juiz, que nem a Deus temia, nem respeitava homem algum.
3- Havia também naquela mesma cidade uma certa viúva e ia ter com ele, dizendo: Faze-me justiça contra o meu adversário.
4- E, por algum tempo, não quis; mas, depois, disse consigo: Ainda que não temo a Deus, nem respeito os homens,
5- todavia, como esta viúva me molesta, hei de fazer-lhe justiça, para que enfim não volte e me importune muito.
6- E disse o Senhor: Ouvi o que diz o injusto juiz.
7- E Deus não fará justiça aos seus escolhidos, que clamam a ele de dia e de noite, ainda que tardio para com eles?
8- Digo-vos que, depressa, lhes fará justiça. Quando, porém, vier o Filho do Homem, porventura, achará fé na terra?

INTRODUÇÃO
A perseverança na fé é uma das exortações bíblicas mais urgentes nos dias de hoje. Sobretudo, quando acompanhada da oração, pois esta também é de suma importância, visto ser a forma de comunicação vital dos discípulos com o Pai soberano nestes tempos perigosos até o estabelecimento final do Reino de Deus. Esta parábola, também conhecida como a "parábola da viúva persistente mostra que a oração intermitente em tempos de crise é o meio pelo qual os discípulos do Reino se valem da justiça do Pai a seu favor.(LB CPAD, 4º Trim 2018, Lição 3, 21 Out 18).
Lucas deixa claro o motivo pelo qual Jesus conta essa parábola: devemos perseverar na oração. Como afirma John Wesley: "Ele falou uma parábola para eles - Esta e a seguinte parábola nos advertem contra dois extremos fatais, no que diz respeito à oração: o primeiro contra a fraqueza e o cansaço, o segundo contra a autoconfiança". Perseverar remonta a ideia de permanecer, resistir, em nosso caso, não desistir da fé cristã em tempos de tentação, aflição, angústia, provação e perseguição. Perseverança é uma qualidade daquele que persiste, que tem constância nas suas ações e não desiste diante das dificuldades. Perseverar é conquistar seus objetivos devido ao fato de manter-se firme e fiel a seus ideais e propósitos. A insistência da viúva é a lição da parábola. Deus é um exemplo inverso desse juiz. Ele não responde a um pedido de má vontade. A mensagem de Jesus é clara: se até mesmo um juiz insensível atende às frequentes solicitações de alguém, Deus certamente responderá às contínuas orações dos seus servos. Deus responderá à injustiça e à perseguição que oprimem o Seu povo. No final, Ele se vingará – “Digo-vos que, depressa, lhes fará justiça” (v.8). Dito isto, vamos pensar maduramente a fé cristã?

I – INTERPRETANDO A PARÁBOLA DO JUIZ INÍQUO

1. Uma parábola difícil. Muitos estudiosos consideram essa parábola uma das mais difíceis. De fato, o modo como algumas Bíblias a intitulam, ou seja, quando na epígrafe editorial consta, por exemplo, "A parábola do juiz iníquo", têm levado muitos a fazerem interpretações equivocadas sobre a bondade, o amor e a justiça de Deus. Contudo, devemos levar em conta o propósito que levou Jesus a contar essa parábola. Trata-se de uma parábola que, a exemplo de outras que estudamos ao longo desse trimestre, funciona como um contraste. Conforme veremos, ela possui até certo fundamento em seu estilo de acentuar a perseverança, e se faz acompanhar de um chamado ao discernimento (v.6), três afirmações da defesa graciosa que Deus faz dos seus e é concluída com um questionamento sobre a existência, ou não, da fé, quando chegar o tempo em que Deus defenderá os seus (v.8b)..(LB CPAD, 4º Trim 2018, Lição 3, 21 Out 18).
Na parábola do juiz iníquo o Senhor Jesus ministra um precioso ensinamento sobre o dever de orar. A construção da parábola se dá em torno de dois personagens que exemplificam muito bem as nossas dificuldades diárias e como devemos lidar com elas. O contexto desta parábola tem como propósito central, estimular as pessoas na prática da oração como parte intrinsecamente partidária da adoração. Nesta parábola, Deus não é dito ser similar ao juiz iníquo, mas ele é descrito como alguém que está muito mais disposto e que é muito mais generoso do que ele (Lc 11.9-13, 18.6-8). São três os atributos divinos apresentados nesta parábola: a bondade, o amor e a justiça de Deus. Segundo os melhores exegetas, o atributo do qual deriva, se é que podemos usar esse termo, todos os outros atributos, é justamente a bondade divina, tão bem expressa nessa parábola. Para o crente, a lição importante é: persistência.

*******************************************************************
2. O juiz. Não é preciso interpretar, ao pé da letra, cada detalhe de todas as parábolas. Entretanto, aqui vamos assim proceder com o fim exclusivo de mostrarmos o contexto que se passa na mente dos ouvintes. Tudo indica que na estrutura jurídica do judaísmo antigo existiam dois sistemas de tribunais: o judaico e o gentílico. Por isso, há estudiosos que entendem que o magistrado da parábola era um juiz gentio. A Mishná declara que três juízes deveriam definir a sentença nos casos que envolvessem propriedade. Flávio Josefo fala de tribunais com até sete juízes na Galileia. A parábola pressupõe um tribunal com um juiz somente, pois, neste caso, pode tratar-se de um simples recurso para a simplificação da narrativa. Na verdade, para entendermos melhor a parábola, não é tão importante o conhecimento do sistema jurídico daquele tempo, mas sim nos conscientizar da condição desesperadora de muitas viúvas da época que sofriam com juízes corruptos ou desumanos.”(LB CPAD, 4º Trim 2018, Lição 3, 21 Out 18).
O evangelho de Lucas volta parte de sua atenção para as pessoas consideradas de má fama pela sociedade judaica. Lucas menciona muitas pessoas que não eram  respeitáveis. O trecho que acabamos de ler é uma parábola proferida por Jesus, como é atestado no início do versículo 9: “Propôs também esta parábola...”.  As causa religiosas eram julgadas pelo Sinédrio, órgão judaico máximo, um tribunal aristocrático composto pelo Sumo Sacerdote e por nobres. Jesus foi interrogado por esse conselho sobre questões de doutrina e considerado culpado. O Sinédrio não podia aplicar a pena de morte. Por isso, o caso foi levado ao governador romano, Pôncio Pilatos. Na cidade em que a viúva vivia havia um juiz. Jesus o descreve como sendo um homem contrário a Deus e que também não tinha qualquer respeito pelas pessoas. Essa descrição sem dúvida enfatiza que aquele juiz era alguém egoísta e desprezível.

*******************************************************************

3. A viúva. As viúvas eram reconhecidas pelas suas roupas típicas, as quais indicavam sua situação (Gn 38.14,19). Naquele tempo as jovens casavam-se no início da adolescência, por isso, apesar de haver muitas viúvas, elas não eram, necessariamente, mulheres de idade avançada. A maioria era deixada sem nenhuma forma de subsistência. Se permanecessem na família do falecido, acabavam numa condição inferior, quase servil. Se retornassem para a sua família de origem, o dinheiro do dote repassado nas negociações do seu casamento teria que ser devolvido. Dessa forma, as viúvas em geral ficavam em uma situação bastante miserável. Geralmente elas eram vendidas como escravas para a quitação das dívidas. Portanto, uma mulher pobre, por causa da morte de seu marido, ficava privada do amparo social e, em caso de controvérsias de ordem pública, se não tinha dinheiro, precisava confiar na honestidade dos magistrados. Esse é o contexto em que devemos ler essa parábola.(LB CPAD, 4º Trim 2018, Lição 3, 21 Out 18).
As viúvas, como demonstra o texto de Mc 12.42, estão na categoria dos pobres e infortunadas (Lc 7.12) que desejavam justiça e libertação daqueles que as oprimem (Lc 18.3), mas que os juízes negam-lhes a justa atenção (Lc 18.4). Na Palestina na época de Jesus, as viúvas eram duplamente discriminadas. Uma primeira discriminação vem da própria condição de ser mulher. Na época de Jesus, a mulher tinha pouca participação na sociedade seu mundo era o cuidado da casa e filhos. O homem senhor absoluto na estrutura da família patriarcal, tinha todos os privilégios. Outra vem da discriminação e empobrecimento que a mulher tinha quando se tornava viúva. Sem condições para trabalhar, com o peso de seus filhos, tinham condição desprezível na sociedade.
A viúva, por conseguinte, vestia-se conforme o seu estado. Em Gn 38.14,19, o termo ’almānût (viuvez) descreve “os vestidos da viuvez”. O “vestido da viuvez” está relacionado com o estado de luto e, por isso, essas vestes não são muito diferentes ou até mesmo idênticas às vestes usadas no velório”. (TEOLOGIA E GRAÇA)

*******************************************************************

4. O caso e a perseverança. A mulher tinha uma causa que deveria ser apresentada a um tribunal da cidade ou a um juiz que resolvesse exclusivamente a questão por via administrativa. Talvez se tratasse de pendências judiciárias ou mesmo dívidas deixadas pelo seu marido, de hipotecas sobre a herança patrimonial. Apesar de o caso poder enquadrar-se nos inúmeros existentes à época quando uma mulher tinha de defender seus direitos contra as maldades de um adversário poderoso que, sendo mais importante e influente, está seguro e tranquilo, ela toma uma decisão inédita, pois não escolhe advogados (talvez sua condição nem o permitisse), nem defensores públicos, mas contra o costume de seu ambiente, decide apresentar, pessoalmente, a instância ao juiz. Este, segundo o relato, é um juiz iníquo, isto é, não teme a Deus. Ela, porém, demonstra um coração decidido e uma disposição muito grande. Tanto que o texto usa a expressão "molesta" (v.5) para indicar a perseverança da viúva diante do juiz. Por isso, ao final, o juiz cede para não ser mais incomodado, isto é, "molestado" pela mulher que o importuna.(LB CPAD, 4º Trim 2018, Lição 3, 21 Out 18).
Nessa parábola temos dois personagens principais: Um juiz e uma viúva. A viúva tinha uma causa justa contra um adversário que não é revelado no texto. O que se vê é que ela desejava ardentemente que o juiz julgasse sua causa, fazendo justiça. O juiz a desprezou várias vezes ignorando o seu pedido. No entanto, pela insistência da viúva, e pela importunação que ela causava a ele, o juiz decide que iria julgar a causa”. (ESBOÇANDO IDEIAS)
Nesta parábola percebesse os extremos de uma sociedade, de um lado um Juiz, alguém muito importante e que não temia ninguém, do outro, uma desamparada viúva, frágil e sem recursos, porém, essa viúva através da sua busca justa, convenceu um juiz injusto a julgar corretamente sua causa. A viúva é a personagem que nos mostra que devemos buscar a solução das nossas causas justas. Não era um caso de vingança ou de lucro indevido, era uma causa justa e seu clamor era por agilidade e retidão no julgamento, pois tinha certeza que estava correta. Isso mostra fé da parte dela. Podemos identificar essa viúva com os servos de Deus.



II – A BONDADE DE UM DEUS JUSTO

1. Deus é bom. Não é novidade o fato de a Bíblia estar repleta de textos que demonstram a bondade de Deus. A parábola, uma vez mais, reforça tal verdade quando o Senhor, retoricamente, questiona: "E Deus não fará justiça aos seus escolhidos, que clamam a ele de dia e de noite, ainda que tardio para com eles?" (v.7). A bondade de Deus faz com que Ele ouça aos seus servos. E não poderia ser diferente, pois Jesus ensinou que se, nós, pois, sendo maus, sabemos dar boas coisas aos nossos filhos, "quanto mais vosso Pai que está nos céus, dará bens aos que lhe pedirem?" (Mt 7.11). Antes disso o Mestre também ensinava sobre a oração, dizendo: "Pedi, e dar-se-vos-á; buscai e encontrareis; batei, e abrir-se-vos-á" (Mt 7.7). Na parábola que estamos estudando, encontramos a viúva clamando, e este é o recurso utilizado por Jesus para, mais uma vez, ensinar sobre a oração e nos lembrar que Deus é bom.”(LB CPAD, 4º Trim 2018, Lição 3, 21 Out 18).
Esta é a mais prazerosa das perfeições da natureza de Deus, que faz com que Ele seja amado e desejado por nós. Somente Deus é essencialmente bom e perfeito (Mc 10:18). Sua bondade se estende além da misericórdia. A misericórdia pressupõe um objeto miserável, mas a bondade não necessita de forma alguma de um objeto. Por exemplo: a criação foi um ato de bondade e não de misericórdia. Quando falamos sobre a bondade de Deus, estamos nos referindo à Sua magnificência, à Sua liberalidade e doação na administração de todas as coisas. Esta característica divina alcança todos os outros atributos divinos. Quando Deus revelou-Se a si mesmo a Moisés, de maneira que um ser humano fosse capaz de suportar, Ele disse: “Eu farei passar toda a minha bondade por diante de ti” (Êx 33:19), como se a bondade fosse a fonte de todos os afluentes de Sua glória.
Esse juiz iníquo faz um contraste com o juiz justo, que é o Deus todo poderoso. Se um juiz iníquo ouviu uma pessoa das mais simples e humildes da sociedade, e julgou a sua causa, Deus, o todo poderoso juiz justo, não iria fazer muito melhor do que isso? Com certeza! Por isso, o texto mostra claramente essa verdade: “Não fará Deus justiça aos seus escolhidos, que a ele clamam dia e noite, embora pareça demorado em defendê-los?” (Lc 18. 7)” (ESBOÇANDO IDEIAS)

*******************************************************************

2. Deus é justo. Além da bondade do Pai, o crente sabe que Ele é justo. Uma vez mais é necessário recordar que a parábola não deve ser tomada ao nível dos detalhes, pois estes não são o mais importante. O juiz de nossa parábola é iníquo, injusto; Deus, a quem servimos, por outro lado, é justo. Nisto consiste o elemento de contraste dessa parábola. Este conhecimento já tinha Abraão ao chamar o Senhor de "Juiz de toda a Terra" (Gn 18.25). A justiça de Deus é tão elevada que, assim como a paz de Cristo, excede a todo nosso entendimento (Is 56.1).(LB CPAD, 4º Trim 2018, Lição 3, 21 Out 18).
A Justiça é um outro atributo divino, é uma das Suas características próprias. Ser justo é uma qualidade fundamental da natureza de Deus. A justiça de Deus se manifesta através de Jesus Cristo e é expressa nas Suas ações e no cumprimento das exigências da perfeição do próprio Deus. Paulo afirma em Romanos 1.17 que a Justiça de Deus se revela através do evangelho. Encontramos na Palavra de Deus o padrão para toda a justiça que precisa ser cumprida por todas as pessoas. A Parábola do Juiz Iníquo nos ensina a orar pelos motivos corretos. Todo o contexto da parábola parece indicar que a viúva que importunava o juiz estava do lado da justiça, ou seja, seu pedido era legítimo e aceitável.
“A ansiedade da viúva certamente era muito grande para ver a sua situação resolvida. Porém, precisou de vários encontros com o juiz para que ele a atendesse. Precisou ser resistente e persistente. Deus faz todas as coisas no tempo certo. A nossa ansiedade e imediatismo muitas vezes destroem a nossa persistência e a nossa fé. A parábola termina dizendo que Deus faz justiça depressa e não demorada. “Digo-vos que, depressa, lhes fará justiça.” (Lc 18. 8). Assim, se um juiz humano e iníquo consegue trazer soluções para as questões apresentadas a Ele, Deus muito mais!” (ESBOÇANDO IDEIAS)

*******************************************************************

3. Deus assume a nossa causa. Na parábola, encontramos uma pobre viúva pedindo justiça, mas o que Jesus está ensinando é sobre o dever de orar sempre e nunca desfalecer, isto é, a perseverar. Assim, ao mesmo tempo em que ensina sobre a oração e a perseverança, o Mestre lembra um preceito da Lei, mostrando que Deus assume a nossa causa: "Pois o Senhor, vosso Deus, é o Deus dos deuses e o Senhor dos senhores, o Deus grande, poderoso e terrível, que não faz acepção de pessoas, nem aceita recompensas; que faz justiça ao órfão e à viúva e ama o estrangeiro, dando-lhe pão e veste" (Dt 10.17,18).(LB CPAD, 4º Trim 2018, Lição 3, 21 Out 18).
Ao contrário do juiz iníquo, Deus é justo. Ele é nosso juiz e Ele ouve quando oramos. Se até uma pessoa ruim faz justiça quando é muito importunado, quanto mais Deus irá atender as orações de quem clama a Ele dia e noite! Jesus disse que Deus vai fazer justiça, e depressa (Lucas 18:6-8). Ele não ignora nossas orações. Mas nós precisamos ter fé e não desistir. O tempo de Deus é diferente do nosso mas Ele não falha. Na hora certa, Ele vai fazer justiça e restaurar todas as coisas”. (RESPOSTAS.COM)
A palavra-chave aqui é: esperar em Deus. Assim como a viúva soube esperar sem desanimar-se, assim também devemos nós fazer. O tempo não pode roubar a nossa fé, nem levar embora nossa esperança. Que o tempo, no entanto, possa apenas contribuir para fazer com que as raízes da fé se aprofundem mais e mais no coração, até transformarem nossos sonhos em realidade.

IIl – A PERSEVERANÇA DA VIÚVA É UMA IMAGEM PARA NÓS

1. Oração. Até que nosso Senhor retorne, infelizmente, viveremos em constante luta contra o pecado (Hb 12.1). Por esse motivo, não devemos desistir de perseverar na oração e na súplica até que alcancemos o alvo (Fp 3.12-14). Ainda durante seu ministério Jesus exortava aos seus discípulos a que estivessem de "sobreaviso" e que também vigiassem e orassem (Mc 13.33; ARA). Uma das características distintivas do Evangelho de Lucas é a oração (3.21; 5.16; 6.12; 9.18,28,29; 10.21,22; 11.1; 22.41-46; 23.46). Ao ensinar a respeito do Espírito Santo, Lucas nos mostra que Deus cumpre o seu propósito. No entanto, exige a atitude certa por parte do povo de Deus que, de acordo com este Evangelho, é a oração. Vemos Jesus orando antes de cada grande crise da sua vida, ou seja, chegando a orar pelos seus agressores (Lc 23.34). Por ser um homem de oração, Jesus exortou seus discípulos a fazerem o mesmo (Lc 11.2; 22.40,46). É importante lembrar que Jesus advertiu contra o tipo errôneo de oração (Lc 20.47).(LB CPAD, 4º Trim 2018, Lição 3, 21 Out 18).
Perseverar remonta a ideia de permanecer, resistir, em nosso caso, não desistir da fé cristã em tempos de tentação, aflição, angústia, provação e perseguição. Nosso desafio, mesmo vivendo tais dificuldades, é o de mantermo-nos inflexíveis e firmes na fé em Cristo, esperando pacientemente nEle em tudo. É uma capacidade divina para resistir ao dia mau (Ef 6.13).(4º Trim 2017. CPAD; Lição 12).  A oração é uma forma de servirmos a Deus (Lc 2.36-38). Oramos porque Deus nos ordena que o façamos (Fp 4.6-7). A falta de oração demonstra a falta de fé e a falta de confiança na Palavra de Deus. Deus determinou a oração como meio para que pudéssemos obter Suas soluções em inúmeras situações:
- Preparação para grandes decisões (Lc 6.12-13)
- Derrubar barreiras demoníacas na vida das pessoas (Mt 17.14-21)
- Ajuntamento de obreiros para a colheita espiritual (Lc 10.2)
- Obtenção de forças para vencer a tentação (Mt 26.41)
- Um meio de fortalecer a outros espiritualmente (Ef 6.18-19).
Nem sempre a resposta divina é imediata, aqui entra a perseverança e o exercício da fé – inteira dependência de Deus, pois entendemos que estamos debaixo da Sua sabedoria e é para o nosso benefício que a resposta parece demorar (Mt 7.7; Lc 18.1-8). A oração não deve ser vista como nosso meio de obter que Deus faça nossa vontade na terra, mas como um meio de obter a vontade de Deus feita na terra. A sabedoria de Deus, em muito, excede a nossa.

*******************************************************************

2. Perseverança. Além de orar, é necessário compreender que a oração deve vir acompanhada de perseverança. A exortação à oração persistente está estreitamente ligada à expectativa da volta do Senhor. 0 texto de Lucas 17.22 nos alerta de maneira bastante clara a respeito do tipo de oração e do perigo de esmorecimento na prática de orar a qual se tem em mira aqui. Deus quer ser buscado de forma incessante e persistente pelos seus, pois a perseverança levará em conta o tempo de espera como um meio para aclarar e purificar a nossa vida no aprendizado das coisas de Deus.(LB CPAD, 4º Trim 2018, Lição 3, 21 Out 18).
“Regozijai-vos na esperança, sede pacientes na tribulação, na oração, perseverantes” (Rm 12.12). Perseverança na oração é recomendada em todos os lugares e ordenada como sendo o nosso dever particular.
Jesus disse que deveríamos ser persistentes, perseverantes. Se aquele juiz, que era injusto, julgou a causa da mulher, quanto mais o Senhor fará justiça aos seus escolhidos que a ele clamam continuamente? É certo que fará justiça, e depressa! Por isso devemos ser perseverantes quando oramos. Daniel teve a sua oração ouvida desde o primeiro momento, mas a resposta só veio 21 dias depois, Dn 12.12-14. Caso ele tivesse interrompido suas orações, a resposta não viria. Devemos orar até que a resposta venha. Por isso, Paulo afirmou: … perseverai na oração… Cl 4.2”. (IBCBH).
A perseverança nos levará a receber. Sob longa luta, Jacó foi abençoado (Gn 32). Depois de uma longa busca, a mulher cananeia recebeu aquilo que desejava (Mt 15). Após a frequente repetição de sua oração, Elias recebeu chuva (1 Rs 18). Após a contínua oração da congregação, Pedro, de maneira maravilhosa, foi libertado da prisão (At 12). Mediante perseverança unânime em oração e súplica, o Espírito Santo foi derramado no dia de Pentecostes (At 1 e 2). Visto que muitos oram, mas apenas uma vez por um assunto, e não perseveram, eles também não o recebem. Portanto, se abstenha de tudo aquilo que dificulte você de perseverar, como por exemplo: letargia, preguiça, descrença de que o assunto não será concedido, divergência entre os nossos desejos (estando parcialmente focado nas coisas espirituais e parcialmente nas terrenas), a instabilidade dos nossos desejos. Tais questões, e outras semelhantes, fazem com que o suplicante facilmente desista de orar e o impedem de orar com frequência. Desse modo, ele seguirá sem receber o cumprimento dos seus desejos. Portanto, restabelecei as mãos descaídas e os joelhos trôpegos."” (Retirado no livro: The Christian's Reasonable Service. Vol. 3, Grand Rapids, MI: Reformation Heritage Books, 2007. pp. 461-462)

*******************************************************************

3. Fé. Somos, da mesma forma, exortados a perseverar na fé. A parábola conclui com uma pergunta: "Quando, porém, vier o Filho do Homem, porventura, achará fé na terra?" (v.8b). Jesus refere-se aqui à fé da súplica incessante, que não esmorece, ou seja, à fé perseverante. A própria interrogação traz uma conexão direta com a parábola, pois questiona se o Filho irá encontrar uma fé persistente como a da viúva. Esta fé é aquela que, em meio às dificuldades e às perseguições, transforma-se em fidelidade e coragem para testemunhar diante dos homens (Lc 9.26; 12.9). A fim de preservarmos este tipo de fé, precisamos cultivar uma vida de oração constante e persistente.”(LB CPAD, 4º Trim 2018, Lição 3, 21 Out 18).
“A conclusão da parábola é impressionante. Jesus derruba a questão do imediatismo e mostra que na realidade o que falta muitas vezes nas pessoas é a fé. A viúva teve fé, mas muitos não têm. Com uma pergunta de efeito Jesus questiona se aqueles que vêm até Deus com suas orações serão como a viúva cheia de fé perseverante ou não. “Contudo, quando vier o Filho do Homem, achará, porventura, fé na terra?” (Lc 18. 8)” (ESBOÇANDO IDEIAS)



CONCLUSÃO
A interpretação dessa parábola como um ensino sobre a oração persistente tem sido a melhor interpretação ao longo da história da igreja. A viúva que, com sua insistência, constrange o juiz à intervenção, é um modelo de perseverança na fé e na oração confiante. Esperar com firmeza e fidelidade a vinda do Filho do Homem, ou seja, a consumação da nossa salvação é o melhor incentivo para a oração corajosa. No “mundo tereis aflições", disse Jesus (Jo 16.33), mas somos convocados a permanentemente invocar a Deus por socorro, pois sempre fará justiça aos que clamam a Ele. Deus sempre estará junto daqueles que perseveram na fé e na oração.(LB CPAD, 4º Trim 2018, Lição 3, 21 Out 18).
Apesar de nos sentirmos muitas vezes frágeis como a viúva, tendo diante de nós adversidades a serem superadas, e tendo de perseverar mesmo quando se passa muito tempo, no entanto, não estamos diante de um juiz iníquo que não quer nos atender. Se ela conseguiu prevalecer mesmo diante de tantos fatores contrários, muito mais nós, que buscamos justiça das mãos de um Deus que não tarda em socorrer-nos. Precisamos nos lançar nos braços de Deus com confiança e de forma perseverante. A persistência diante de Deus não deve ser motivada pela tentativa de convencê-lo a nos atender, como se tivéssemos recorrendo ao juiz iníquo da parábola. Devemos ter a motivação de manter acesa a chama da fé que nos leva a clamar, bater e insistir até que tudo se consuma. Veja que Jesus termina a parábola dizendo assim: “…Digo-vos que depressa lhes fará justiça. Quando porém vier o Filho do homem, porventura achará fé na terra?” (Lc 18.8). Portanto, a perseverança está relacionada à atitude de não desistir dos propósitos por incredulidade, desânimo ou dúvida. A isso a Bíblia chama de fé.

Achando-se as tuas palavras, logo as comi, e a tua palavra foi para mim o gozo e alegria do meu coração; porque pelo teu nome sou chamado, ó Senhor Deus dos Exércitos”. (Jeremias 15.16), Francisco Barbosa Campina Grande-PB Outubro de 2018

PARA REFLETIR
A respeito de "Perseverando na Fé" responda:
• O que devemos levar em conta na interpretação dessa parábola?
Devemos levar em conta o propósito que levou Jesus a contar essa parábola.
• Segundo a lição, é necessário interpretar, ao pé da letra, cada detalhe das parábolas?
Não é preciso interpretar, ao pé da letra, cada detalhe de todas as parábolas.
• Qual foi a decisão inédita tomada pela viúva da parábola?
Ela toma uma decisão inédita, pois não escolhe advogados (talvez sua condição nem o permitisse), nem defensores públicos, mas contra o costume de seu ambiente, decide apresentar, pessoalmente, a instância ao juiz.
• Qual é o elemento de contraste dessa parábola?
O juiz de nossa parábola é iníquo, injusto; Deus, a quem servimos, por
outro lado, é justo. Nisto consiste o elemento de contraste dessa parábola.
• O último tópico da lição destaca três coisas que, segundo a parábola, não devem faltar na vida do cristão. Quais são elas?
Oração, perseverança e fé..


Compartilhar no Google Plus

Sobre Hubner Braz

Criador, colunista e administrador do Pecador Confesso. Fascinado e apaixonado por DEUS!! Formado Bacharel em Teologia pela FATESP e F. Mêcanica pela FATEC-SP e Presbítero na A.D. Belem-Missão em Sorocaba, onde o Pastor Presidente é o Rev. Osmar José da Silva - CGADB, Tenho 1João 1:7-9 injetado na veia!.