Série Dicas de como Liderar: #1 A FASE MAIS CRÍTICA DE NOSSA EXISTÊNCIA, ELES PODEM ESPERAR?

“Convém que eu faça as obras daquele que me enviou, enquanto é dia; a noite vem, quando ninguém pode trabalhar.”(João 9:4)

Há algumas décadas não havia tanta ênfase em trabalhos com as crianças, em termos ministeriais, os grupos de jovens surgiram há mais tempo, por volta da década de 60 dependendo da sua denominação.

Décadas se passaram, o “start” relacionado ao ministério infantil deu-se início, houve barreiras, em virtude de se usar “imagem” de personagens bíblicos, já que grande parte dos evangélicos vinham do catolicismo, e repudiavam veementemente o uso de imagens. Isso nos foi relatado pela irmã Albertina Malafaia, que trabalhou durante várias décadas na CPAD estruturando o departamento infantil.

Graças a Deus, essa divergência foi superada, consolidou-se então no seio de nossas igrejas o ministério infantil, dentro de suas limitações em virtude do local da congregação, mas está ali, sendo desenvolvido.

Todavia, algo bem estranho aconteceu.

Curiosamente, “abandonamos” um grupo extremamente carente de todas as nossas atenções, grupo esse que vaga trôpego, quase que cambaleando entre a infância e a juventude. Falo da pré-adolescência e da adolescência.

Pense bem, pesquisas revelam que a “fase mais crítica” da nossa existência é exatamente a pré adolescência e adolescência, estando ali inclusive os altos índices de suicídio, crises de identidade e em meios as novas ideologias eles passam a se questionar também em questões de ordem sexual.

A igreja os “escondeu” nos departamentos infantis, ou  foram “jogados” num grupo de jovens, mas eles NÃO SÃO jovens, são adolescentes, e é respeitando esta faixa etária com todas as suas necessidades que devemos trabalhar. 

Ninguém é criança, e de repente acorda sendo JOVEM.

O inimigo de nossas almas, já sabe que existe essa diferença etária.

O mundo que jaz do maligno, já trabalha com essa distinção, por que a igreja deve continuar dormindo em relação a isso? 

Por que “disfarçar” as crises da adolescência atribuindo tarefas eclesiásticas como se eles fossem adultos, e tudo estivesse bem? 

Despertemos, o inimigo não é onipresente, mas sabe que minando os adolescentes hoje, ele ataca diretamente a igreja “no futuro”. 

Acordemos, enquanto é dia, pois a noite vem, quando ninguém mais pode trabalhar. 

Nossos adolescentes NÃO PODEM esperar.

Autor: Samuel Alvino de Barros 
#RepensandoALideranca
(Escritor do livro (RE)pensando a Liderança.)
Compartilhar no Google Plus

Sobre Hubner Braz

Criador, colunista e administrador do Pecador Confesso. Fascinado e apaixonado por DEUS!! Formado Bacharel em Teologia pela FATESP e F. Mêcanica pela FATEC-SP e Presbítero na A.D. Belem-Missão em Sorocaba, onde o Pastor Presidente é o Rev. Osmar José da Silva - CGADB, Tenho 1João 1:7-9 injetado na veia!.