Eu Quero Compartilhar Algo Belo – Confissões do Vagabundo Confesso.


Ela não tem nada de especial, mas para mim, ela é absolutamente perfeita.

Não me lembro por quanto tempo nós nos conhecíamos, mas temos muitos momentos compartilhados juntos que ficaram marcados. Imagine que, durante todos estes anos não via nada de especial nela.

Eu me lembro de como costumávamos estar zangados quando um perturbava o outro, às vezes, ela gritava comigo e eu achava tudo aquilo exageradamente agradabilíssimo e irritante.

Lembro-me também daqueles momentos em que rimos juntos, quando ficávamos acordados a noite toda assistindo os relâmpagos, e como nós ajudávamos um ao outro na escola. Isto foi há muitos anos atrás, quando éramos jovens.

Então nós crescemos e, de alguma forma se perdemos ao longo do caminho, mesmo assim eu nunca fui próximo a ela ao ponto de ter uma relação sincera ou uma tremenda ausência sentida. Ela era nova uns dois anos de mim. E quando nós nos afastamos, ela foi estudar em outra escola e eu também comecei uma nova escola e fiz novos amigos.

Anos se passaram e, ocasionalmente, nós mudamos para bairros próximos um do outro, só que eu realmente nunca pensei sobre ela...

Até que uns meses atrás... Era uma noite de sexta-feira e eu estava com alguns amigos. Estávamos curtindo a vida e tendo um tempo muito bom. Eu estava me sentindo um pouco tonto de tanta brincadeira, então fui até o balcão pegar algo para beber e lá estava ela. Começamos a conversar e nisso ficamos a noite inteira. Depois daquela noite eu comecei a pensar nela e de alguma forma, eu corria atrás dela e ela atrás de mim com maior frequência.

Agora, no verão, eu a vejo todos os dias. Quando nos encontrávamos naquele mesmo local nas noites frias de verão, eu chegava silenciosamente e de surpresa abraçava ela por traz, colocando os braços fortes em volta dela isso transmitia uma segurança reciproca e carinhosa, além da imaginação saltar da cachola.

Eu já estive pensando sobre o que se passa entre nós e até percebi que este sentimento cresce como grão de mostarda. A parte difícil é que nunca compartilhei com meus amigos os pensamentos que tenho sobre ela. Eles tiram sarro dela o que torna difícil para que eu venha admitir aos meus amigos, a mim mesmo e, claro, ela, que eu gosto realmente dela.

Acredito que todas as coisas que passamos quando éramos juvenis faz-me sentir em segurança. Agora eu só tenho que ousar e dizer a ela o que realmente sinto, para ver se ela se sente da mesma maneira que eu, e aí sim, poderíamos compartilhar algo belo.


Do compulsivo,


Vagabundo Confesso 
Compartilhar no Google Plus

Sobre Hubner Braz

Criador, colunista e administrador do Pecador Confesso. Fascinado e apaixonado por DEUS!! Formado Bacharel em Teologia pela FATESP e F. Mêcanica pela FATEC-SP e Presbítero na A.D. Belem-Missão em Sorocaba, onde o Pastor Presidente é o Rev. Osmar José da Silva - CGADB, Tenho 1João 1:7-9 injetado na veia!.
    Blogger Comment
    Facebook Comment

3 Milhões de Confessos:

  1. Oi,Hubner!O que eu posso te dizer, se tu sente isso fale pra ela, ach oque ela tem o direito de saber, por mais que ela ache,que ela pense, fale, diga com todas as letras. Se os seus amigos são realmente seus amigos e querem te ver felizes eles vão te apoiar caso você venha a namorar com ela,a não ser é claro que ela seja uma pessoa de índole duvidosa...Mas, fora isso, vai correr risco e ser feli, lembre-se que o tempo passa rápido demais.
    Beijosss

    ResponderExcluir
  2. Um belo capitulo eu viajei aqui e vou acabar a chorar aqui...rsrs (suspiros)
    O Vagabundo Confesso deve abrir seu coração sim, assim esses momentos vão se multiplicar!!

    Beijos
    Obrigada pelos elogios!

    ResponderExcluir
  3. Flor e Lotus e Tali,

    Obrigado pelos coments ao post totalmente voltado a ficção com alguns toques dos fatos reais.

    Volte mais vezes.

    ResponderExcluir

Não deixe de participar, a sua opinião é de extrema importância!

Críticas são bem vindas quando a pessoa se identifica.