Lição 13 - O cultivo das relações interpessoais - 26 de Junho de 2016 - EBD Adulto - CPAD


Relacionamento interpessoal é um conceito do âmbito da sociologia e psicologia que significa uma relação entre duas ou mais pessoas. Este tipo de relacionamento é marcado pelo contexto onde ele está inserido, podendo ser um contexto familiarescolar, de trabalho ou de comunidade. O relacionamento interpessoal implica uma relação social, ou seja, um conjunto de normas comportamentais que orientam as interações entre membros de uma sociedade. O conceito de relação social, da área da sociologia, foi estudado e desenvolvido por Max Weber. (http://www.significados.com.br/relacionamento-interpessoal/)

TEXTO ÁUREO
Ao único Deus, sábio, seja dada glória por Jesus Cristo para todo o sempre. Amém!(Rm 16.27). [Comentário: sophos: usado a respeito de Deus, como superando todos os demais em sabedoria, sendo infinito em habilidade, discernimento, conhecimento, pureza; doska: dignidade, louvor, honra, adoração. Alguém que nunca enxergará a decadência ou o abandono; alguém que não se pode ver mas opera em todos os lugares; alguém que possui sabedoria acima de qualquer criatura, incluindo o homem; alguém que deve ser respeitado, honrado e glorificado para sempre. Esta é uma alusão ao monoteísmo (Dt 6.4-5). A cristandade tem somente um Deus, como o judaísmo, contudo a plena Divindade de Jesus e a plena pessoalidade do Espírito forçam-nos a uma “triunidade”, que é a Trindade.]

VERDADE PRÁTICA
Deus deseja que os crentes, alcançados pela graça, cultivem relacionamentos saudáveis.

LEITURA DIÁRIA
Segunda — Rm 16.1,2 - Febe, cooperadora do apóstolo Paulo e da obra do Senhor
Terça — Rm 16.3 - Priscila e Áquila cooperadores do apóstolo em Jesus Cristo
Quarta — Rm 16.5 - Paulo sabia cultivar boas relações interpessoais
Quinta — Rm 16.17 - Paulo recomenda evitar os que promovem dissensões
Sexta — Rm 16.21 - Paulo cultiva um bom relacionamento com seus parentes
Sábado — 1Co 3.9 - Sejamos bons cooperadores de Deus para cuidarmos da “lavoura”

LEITURA BÍBLICA EM CLASSE
Romanos 16.1-16.
1. Recomendo-vos, pois, Febe, nossa irmã, a qual serve na igreja que está em Cencreia,
2. para que a recebais no Senhor, como convém aos santos, e a ajudeis em qualquer coisa que de vós necessitar; porque tem hospedado a muitos, como também a mim mesmo.
3. Saudai a Priscila e a Áquila, meus cooperadores em Cristo Jesus,
4. os quais pela minha vida expuseram a sua cabeça; o que não só eu lhes agradeço, mas também todas as igrejas dos gentios.
5. Saudai também a igreja que está em sua casa. Saudai a Epêneto, meu amado, que é as primícias da Ásia em Cristo.
6. Saudai a Maria, que trabalhou muito por nós.
7. Saudai a Andrônico e a Júnia, meus parentes e meus companheiros na prisão, os quais se distinguiram entre os apóstolos e que foram antes de mim em Cristo.
8. Saudai a Amplíato, meu amado no Senhor.
9. Saudai a Urbano, nosso cooperador em Cristo, e a Estáquis, meu amado.
10. Saudai a Apeles, aprovado em Cristo. Saudai aos da família de Aristóbulo.
11. Saudai a Herodião, meu parente. Saudai aos da família de Narciso, os que estão no Senhor.
12. Saudai a Trifena e a Trifosa, as quais trabalham no Senhor. Saudai à amada Pérside, a qual muito trabalhou no Senhor.
13. Saudai a Rufo, eleito no Senhor, e a sua mãe e minha.
14. Saudai a Asíncrito, a Flegonte, a Hermas, a Pátrobas, a Hermes, e aos irmãos que estão com eles.
15. Saudai a Filólogo e a Júlia, a Nereu e a sua irmã, e a Olimpas, e a todos os santos que com eles estão.
16. Saudai-vos uns aos outros com santo ósculo. As igrejas de Cristo vos saúdam.

HINOS SUGERIDOS
10, 185 e 454 da Harpa Cristã.

OBJETIVO GERAL
Compreender que os crentes precisam cultivar relacionamentos saudáveis.

OBJETIVOS ESPECÍFICOS
Abaixo, os objetivos específicos referem-se ao que o professor deve atingir em cada tópico. Por exemplo, o objetivo I refere-se ao tópico I com os seus respectivos subtópicos.
  • I. Compreender a importância das relações interpessoais;
  • II. Apontar as ameaças às relações interpessoais;
  • III. Apontar a fonte das relações interpessoais.

INTERAGINDO COM O PROFESSOR
Com graça de Deus, chegamos ao final do estudo da Epístola aos Romanos. Paulo conclui a carta saudando alguns irmãos e irmãs em Cristo. A lista de saudações é bem extensa. Ele cita judeus e gentios, gente simples e autoridades. Isso mostra que o líder precisa da ajuda de cooperadores. Paulo tinha vários cooperadores e não deixou de fazer menção do nome deles. O apóstolo demonstra seu amor por todos os irmãos que cooperavam com a obra de Deus. Na conclusão da Epístola de Romanos, percebemos que o apóstolo Paulo não somente fundou igrejas e pregou o Evangelho de Cristo aos gentios. Ele construiu comunidades de amor, de remidos em Cristo pela graça, que amavam ao Senhor e a sua obra.

COMENTÁRIO
INTRODUÇÃO
Os vinte e sete versículos do capítulo dezesseis da Epístola aos Romanos encerram a monumental obra literária de Paulo. Por toda a obra, o apóstolo discorreu a respeito dos principais temas da fé cristã e deixou-nos princípios fundamentais que são úteis para a construção de relacionamentos interpessoais. De uma maneira informal, mas com o seu estilo literário característico, Paulo traz à lembrança nomes de pessoas que, de uma forma ou de outra, o ajudaram a construir a identidade cristã do primeiro século. Ele não deixou que esses nomes caíssem no esquecimento, e, no final de sua carta envia-lhes saudações, numa demonstração de gratidão a Deus por tudo o que essas significaram para ele. [Comentário: As epístolas de Paulo tipicamente terminam com notícias e saudações pessoais. Este capítulo se destaca pelo grande número de crentes que foram mencionados. Estes versículos nos dão um certo discernimento quanto ao calor das relações pessoais do apóstolo, bem como quanto à comunhão entre os crentes. No versículo 1 “Recomendo-vos”, indica que esta é uma carta de recomendação da diaconisa Febe (nome comum na mitologia grega, significava “brilhante” ou “radiante”). Foi ela quem provavelmente levou a carta de Paulo para Roma. Há diversos outros exemplos dessas cartas de apresentação ou recomendação no Novo Testamento (At 18.27; 1Co 16.3; 2Co 3.1; 8.18-24; Fp 2.19-30). Finalizando a Epístola, Paulo se refere à diversas pessoas, demonstrando que conservava um relacionamento interpessoal. Não era individualista e isto fica evidente pelo fato de fundar comunidades e reunir em torno a si muitos colaboradores, de trabalhar em equipe e de estabelecer relações de amizades, e na realidade todo o capítulo 16 da epístola aos romanos é um testemunho eloqüente da capacidade de Paulo de estabelecer vínculos de amizade. Para Paulo a igreja não é um emaranhado de propósitos e eventos culturais. Igreja é gente e trabalha na dinâmica dos relacionamentos com Deus e com o próximo. A igreja não entendeu o seu conceito: 1Co 12.14-27] Dito isto, vamos pensar maduramente a fé cristã?


PONTO CENTRAL
O crente precisa cultivar relações interpessoais saudáveis.

I. A IMPORTÂNCIA DAS RELAÇÕES INTERPESSOAIS
1. Valorizando pessoas, não coisas. Paulo finaliza sua carta primeiramente recomendando a irmã Febe, membro da igreja de Cencreia. Foi através dela que o apóstolo enviou sua epístola à igreja que estava em Roma. A recomendação vem acompanhada de uma observação na qual Paulo reconhece o serviço prestado por ela à igreja de Cencreia: “[...] A qual serve na igreja que está em Cencreia, para que a recebais no Senhor, como convém aos santos, e a ajudeis em qualquer coisa que de vós necessitar; porque tem hospedado a muitos, como também a mim mesmo” (Rm 16.1,2). Ela servia à igreja. O vocábulo servir, usado aqui, traduz o termo gregodiakonos, o que tem levado muitos comentaristas a acreditar que ela era uma diaconisa da igreja. O fato é que o apóstolo pôs em evidência a função em vez do ofício. Infelizmente, hoje as coisas estão invertidas. O que vale mais hoje são os títulos e os cargos ao invés do desempenho do serviço cristão. [Comentário: Diakonos é o termo grego para ministro/servo. É usado a respeito de Cristo em 15.8 e de Paulo em Ef 3.7 e Cl 1.23,25. Há evidências tanto no Novo Testamento quanto nos escritos pós-bíblicos das igrejas sobre o ofício das diaconisas. Todos os crentes são chamados e dotados para ser ministros de tempo integral (Ef 4.12). Alguns são chamados para papéis de liderança ministerial. Nossas tradições têm que abrir caminho para as Escrituras! Esses antigos diáconos e diaconisas eram servos, não uma equipe de executivos. Cencréiaera um dos dois portos de Corinto, ficando este no lado leste (At 18.18). Paulo pede àquela igreja que “receba gentilmente, como um convidado” (Fp 2.29) a esta senhora, em quem ele tanto confiava e queria que a Igreja a recebesse e ajudasse, em favor dele. “aos santos” – Este termo significa “os que são santos”. Descreve não apenas a posição dos crentes em Jesus, mas também a esperança e expectativa de que tenham vidas piedosas, que caracterizem progressivamente sua nova posição de santidade em Cristo. O termo “santos” está sempre no plural, exceto uma vez (Fp 4.21), e mesmo então o sentido é coletivo. Ser cristão é ser parte de uma comunidade de fé, uma família, um corpo. A igreja ocidental moderna está depreciando cada vez mais este aspecto coletivo da fé bíblica! “e a ajudeis em qualquer coisa que de vós precisar” – Aqui há dois subjuntivos gregos: paristēmi, “estar perto, disponível, para ajudar”, e chrēzō, “ajudar com tudo que seja necessário” (2Co 3.1). Isto se refere a provisões materiais para os ministros itinerantes. Este era o propósito das cartas de recomendação.]
2. O valor das mulheres. Paulo fala de Priscila e Áquila, como tendo exposto suas vidas na causa do Evangelho (Rm 16.3). Esse casal era judeu e havia sido expulso de Roma pelo imperador Cláudio. Agora haviam voltado à capital do império. Outras referências ao mesmo casal são encontradas em Atos 18.2,18,26; 1 Coríntios 16.19 e 2 Timóteo 4.19. Duas observações são importantes na vida desse casal. Primeiramente, Paulo sempre cita Priscila em primeiro lugar. Muitos comentaristas concordam que isso tinha uma razão de ser. Priscila se destacava na obra do Senhor, sendo auxiliada por Áquila, seu esposo. Quem não conhece uma irmã em Cristo que se destaca mais do que o esposo na causa do Mestre? Paulo não cita apenas Priscila, mas cita outras mulheres de igual destaque. No versículo 6, ele menciona uma mulher de nome Maria: “Saudai a Maria, que trabalhou muito por nós”. Pouco se diz dessa Maria, e o que se sabe é que ela “trabalhou muito” na obra de Deus. Trabalhar aqui traduz o termo gregokopiao, que significa trabalho voluntário. Maria se deu voluntariamente para a obra de Deus. Precisamos de mais “Marias”. Que o Senhor envie mais “Marias” para a sua obra. [Comentário: “Prisca e Áquila” – Este casal tinha por profissão a fabricação de tendas, como Paulo (At 18.3). Ele estava com eles em Corinto. Lucas a chama de “Priscila”. Ela é freqüentemente mencionada antes do marido, o que era muito incomum (At 18.18, 26; 1Co 16.19; 2Tm 4.19). Possivelmente ela era da nobreza romana ou a personalidade dominante no casal. Paulo os chama de “meus cooperadores em Cristo Jesus”. É possível que Paulo tenha sabido das fraquezas e pontos fortes da igreja romana através deste casal. “expuseram a sua cabeça” – Aqui foi usada uma expressão idiomática referente ao risco de ser degolado ou decapitado pela guilhotina de um carrasco. A Bíblia não esclarece o que Paulo tinha em mente com esta frase. não só eu lhes agradeço, mas também todas as igrejas dos gentios” – Paulo era muito grato pela amizade e ajuda ativa deste casal. Ele mesmo relaciona o serviço deles a “todas as Igrejas dos gentios”. Que afirmação e agradecimento arrebatador! Deve ser por causa do apoio e do relato sobre Apolo (At 18.24-28). “a Igreja” – É digno de nota que este termo refere-se às pessoas, não ao prédio. O termo significava “os chamados para fora”. No grego da Septuaginta, usado para traduzir o termo hebraico qahal, “congregação”. A igreja primitiva via a si mesma como o cumprimento da verdadeira “congregação de Israel” do Antigo Testamento, como sucessores naturais, e não como um grupo divisionista e sectário. que está em sua casa” – Os cristãos primitivos encontravam-se nos lares (16.23; At 12.12; 1Co 16.19; Cl 4.15 e Fm 2). Os templos como locais de reunião para culto não surgiram até o terceiro século d.C.]
3. Irmandade e companheirismo. Na saudação seguinte, sentimos o peso que tinha a comunidade cristã para Paulo e o valor do seu companheirismo (Rm 16.7,8). A igreja é o Corpo de Cristo. Ela é uma grande família. Conscientizemo-nos da importância que tem a fraternidade cristã para a saúde da igreja. Infelizmente a nossa espiritualidade segue mais um modelo de condomínio, onde ninguém conhece ninguém, do que de uma casa de família, onde todos se conhecem e se relacionam. [Comentário: No versículo 7 Paulo se refere a “meus companheiros na prisão” –não há consenso sobre qual prisão ele se refere, porque sofreu muito por causa da sua fé (2Co 4.8-11; 6.4-10; 11.25-28). Ele esteve preso em Filipos, Cesaréia, Roma e provavelmente em Éfeso e outros lugares (1Co 15.32; 2Co 1.8). Também não há consenso sobre “Junias” – este nome pode ser masculino ou feminino, o que só pode ser determinado poracentos gráficos e há variações em manuscritos gregos com “Iounian”, mas sem qualquer acentuação. As traduções da Vulgata e Cóptica, bem como nos textos gregos usados por Jerônimo, aparece “Ioulian”, que é nome feminino. Alguns estudiosos pensam que isso foi erro dos copistas. É também interessante que a grafia “Junias” não foi encontrada em nenhum outro lugar, na literatura romana ou em inscrições, mas o nome “Junia” era muito comum. Trata-se de um sobrenome romano. O versículo sete termina com “se distinguiram entre os apóstolos” - Isto pode referir-se aos Doze e, se for o caso, estes dois eram bem conhecidos deles ou de um grupo maior de ministros também conhecido como “apóstolos” (At 14.4, 14; 18.5; 1Co 4.9; Gl 1.19; Fp 2.25; 1Ts 2.6). O contexto implica no uso mais amplo, como em Ef 4.11, mas o artigo definido implica nos Doze; que foram antes de mim em Cristo” – Isto obviamente significa que eles eram salvos e ativos no serviço de Cristo, antes da experiência de Paulo no caminho de Damasco. “meu amado no Senhor” – O termo “amado” é usado por Deus, o Pai, para referir-se a Jesus, o Filho (Mt 3.17 e 17.5), Paulo o usa para dirigir-se a crentes, evidenciando o companheirismo que envolvia aqueles crentes primitivos.]

SÍNTESE DO TÓPICO (I)
Precisamos valorizar pessoas e não coisas, estabelecendo relacionamentos interpessoais saudáveis.

SUBSÍDIO BIBLIOLÓGICO
 “Paulo recomenda Febe (16.1)
A palavra que a descreve como serva é diakonia, diácono. Exceção feita pelo seu final feminino, é a mesma palavra em todas as versões em inglês para ‘diácono’ nas epístolas pastorais. É usada também para indicar cargo de liderança na igreja. Aparentemente, Paulo não era tão negativo em relação à liderança feminina quanto muita gente é hoje.
Priscila e Áquila (16.3). O casal apresentado em Atos 18 era bem próximo do apóstolo Paulo e estava profundamente envolvido em seu ministério. É significativo notar que, exceção feita ao versículo em que os dois são apresentados, o nome da esposa precede o do marido. Tudo indica que os dons de Priscila eram maiores do que os dons do cônjuge e a Escritura é testemunha do respeito que ela gozava na igreja primitiva” (RICHARDS, Lawrence O. Guia do Leitor da Bíblia: Uma análise de Gênesis a Apocalipse capítulo por capítulo. 10ª Edição. RJ: CPAD, 2012, p.752).

II. AS AMEAÇAS ÀS RELAÇÕES INTERPESSOAIS
1. Individualismo. No meio das saudações, o apóstolo Paulo, de forma abrupta, põe uma advertência: “E rogo-vos, irmãos, que noteis os que promovem dissensões e escândalos contra a doutrina que aprendestes; desviai-vos deles” (Rm 16.17). Alguns comentaristas acham que esse versículo se encontra deslocado do restante dos demais. Mas, a verdade é que ele está no lugar onde deveria estar. Paulo via como uma ameaça a quebra da koinonia cristã. Portanto, era um perigo às relações interpessoais, o individualismo daqueles que promoviam dissensões. Esse individualismo está caracterizado no fato de que eles serviam ao seu próprio estômago ou ventre. Viviam para si mesmos. O faccioso geralmente é um indivíduo solitário até o momento em que arregimenta outros para compartilhar do seu pensamento doentio. A igreja deve observá-lo e afastar-se dele. [Comentário: Esta advertência parece irromper inesperadamente no contexto. Nos versículos 17 e 18 há uma lista do que esses falsos mestres estavam fazendo:
1. Fomentavam divisões;
2. Criavam obstáculos para os crentes;
3. Ensinavam o contrário do que era ensinado na Igreja;
4. Tratavam de saciar os seus próprios apetites;
5. Enganavam os corações incautos com amenidades e lisonjas.
“desviai-vos (apartai-vos) deles” – Este é um tema repetitivo (Gl 1.8-9; 2Ts 3.6,14; 2 Jo 10). Mestres falsos com freqüência são atraentes de físico e têm personalidades dinâmicas (Cl 2.4). O que dizem freqüentemente tem muita lógica. Portanto, cuidado! Alguns testes bíblicos possíveis para identificar falsos mestres são encontrados em Dt 13.1-5; 18.22; Mt 7; Fp 3.2-3, 18-19; 1Jo 4.1-6. Os crentes de Roma deveriam evitar aqueles que provocam divisões e escândalos, em desacordo com a ‘doutrina que aprendestes’. Os crentes devem aprender a não se deixar enganar por ‘suaves palavras de lisonjas’ (v. 18).]
2. Sensualismo e antinomismo. Esses irmãos facciosos não apenas provocavam dissensões, mas também promoviam escândalos (Rm 16.17). A maioria dos comentaristas são de acordo que Paulo tinha em mente o movimento herético do primeiro século conhecido como gnosticismo. Era um movimento sectário, que tinha como prática o sensualismo e o antinomismo. Em outras palavras, como viam a matéria como algo ruim, não tinham apreço pelo corpo, já que este era material. Isso os conduzia a uma vida sensual. Por outro lado, outra consequência desse entendimento errado, estava na troca da doutrina bíblica por “palavras suaves e lisonjas” (Rm 16.18). Não havia regras para obedecer. Esse ensino de sabor adocicado, porém falso, tinha a capacidade de atrair os incautos. [Comentário: Gnosticismo foi um movimento religioso, de caráter sincrético e esotérico, desenvolvido nos primeiros séculos de nossa era à margem do cristianismo institucionalizado, combinando misticismo e especulação filosófica. O Gnosticismo talvez fosse a heresia mais perigosa que ameaçava a igreja primitiva durante os primeiros três séculos. Influenciado por filósofos como Platão, o Gnosticismo é baseado em duas premissas falsas. Primeiro, essa teoria sustenta um dualismo em relação ao espírito e à matéria. Os gnósticos acreditam que a matéria seja essencialmente perversa e que o espírito seja bom. Como resultado dessa pressuposição, os gnósticos acreditam que qualquer coisa feita no corpo, até mesmo o pior dos pecados, não tem valor algum porque a vida verdadeira existe no reino espiritual apenas. Os apóstolos Paulo e João combateram duramente o Gnosticismo, por conta de sua exaltação ao conhecimento oculto, sua negativa da Encarnação de Cristo, de Sua Morte e Ressurreição, seu dualismo entre alma e corpo, espírito e matéria, ignorância e conhecimento, mundo material e corrupto versus mundo espiritual e perfeito. Esta heresia nefasta ronda a igreja hoje, e pode ser encontrada em muitos púlpitos. Os gnósticos pregavam que o mal é a ignorância, porque esta afastaria o Homem de conhecer as dádivas colocadas à sua disposição pelas leis metafísicas do Universo. O falecido Mike Murdock, “com sua obra A Lei do Reconhecimento, vem dizer, entre outras heresias, que a ignorância é a causa da pobreza, doença e fracasso. Infelizmente, esse homem, com seu livro repleto de ensinos materialistas e influenciado pela Confissão Positiva, vem sendo considerado "o mais sábio dos Estados Unidos". Devo me sentir, então, um tolo, por achar que o livro dele é ruim, e que não passa de um imitador do Gnosticismo, que usa versículos bíblicos e linguagem evangélica para vender seu produto, seu evangelho da riqueza? Esse evangelho da saúde e da riqueza, pregado por tantos norte-americanos (Kenneth Hagin, Morris Cerullo, T.L. Osborn, Kenneth Copeland, Frederick Price e muitos outros) é um grave câncer na Igreja, que se alastra por muitas nações. Quem dá testemunho balizado disso é Hank Hannegraaf, em seu excelente livro Cristianismo em Crise (CPAD), em pesquisa séria e sólida. O Movimento da Fé, aqui representado exponencialmente por R.R.Soares e Edir Macedo, mas também por tantos outros líderes de maior ou menor monta, é um perigoso entrave ao assentimento da mensagem da Cruz no coração do pecador. Toda essa pregação de "Você vai obter vitória", "Você é um vencedor", "Basta tomar posse da bênção", "Use a palavra para trazer à existência as coisas que não existem", "Use a fé que Deus usou para criar o mundo", toda essa parafernália é oriunda das leis de visualização e reprogramação mental que vêm das filosofias e religiões orientais, carregadas também de aspectos inerentes ao Gnosticismo heresia grega que exalta o conhecimento para a libertação do Homem, para seu bem-estar físico, emocional, material e social.” Texto de autoria de Alex Esteves Da Rocha Sousa, disponível em: http://www.ultimato.com.br/comunidade-conteudo/o-gnosticismo-presente-em-nossas-igrejas.]

SÍNTESE DO TÓPICO (II)
O individualismo, o sensualismo e antimonismo são ameaças às relações interpessoais.

SUBSÍDIO BIBLIOLÓGICO
Professor, mostre aos alunos os princípios cristãos estabelecidos por Paulo que nos ajudam desenvolver relacionamentos saudáveis: “Não devemos julgar ou desprezar outras pessoas cujas convicções diferem das nossas. Devemos reconhecer o senhorio de Jesus Cristo como realidade prática. Isso significa que devemos proteger a liberdade que os cristãos têm, individualmente, de tomarem suas próprias decisões quanto às ‘contendas sobre dúvidas’. Jesus, não a minha consciência, é o Senhor do meu irmão. As ‘contendas sobre dúvidas’, nas quais divergimos, não são erradas nem certas em si mesmas. Mas, qualquer ato que viole a consciência é errado para as pessoas. No exercício de nossa liberdade, devemos permanecer sensíveis às convicções dos outros. Escolher agir de maneira a beneficiar nossos irmãos é liberdade de fazer algo que viole a consciência dos outros. Estaremos em situação bem melhor se, todos nós, concordarmos em manter para nós mesmos nossas convicções sobre questões duvidosas, e tratarmos de assuntos relacionados a amar e servir uns aos outros. Lembremo-nos sempre do exemplo de Cristo. Como Jesus aceitou a você e a mim? Ele nos recebeu em nossa imperfeição. Ele nos recebeu em nossa ignorância. Ele nos recebeu enquanto velhas práticas ainda estavam ligadas a nós, como as faixas de linho na sepultura ligavam o Lázaro que o Senhor ressuscitou (Jo 11.44). Jesus nos recebeu para uma experiência transformadora de amor, confiante de que o poder do perdão de Deus nos limparia e nos purificaria” (RICHARDS, Lawrence O.Comentário Histórico-Cultural do Novo Testamento. 7ª Edição. RJ: CPAD, 2000, p.323).

III. A FONTE DAS RELAÇÕES INTERPESSOAIS
1. Existe em razão da sabedoria e soberania de Deus. Paulo queria que os Romanos se certificassem de que ele lhes ensinara o Evangelho de Deus. O evangelho da graça faz parte do “mistério” que Deus deu a conhecer no final dos tempos (Rm 16.25). Esse mistério, que esteve oculto, foi dado a conhecer à Igreja através de revelação do Espírito Santo. Era sobre o desvendar desse mistério que Paulo acabara de escrever. Deus, em sua soberania, permitiu que a sua sabedoria fosse revelada no evangelho da graça. O resultado foi a salvação a todo aquele que crer. A igreja de Roma era fruto disso. [Comentário: O “mistério” que esteve oculto é a pregação sobre Jesus Cristo; a revelação do plano eterno da salvação de Deus, que foi mantido em segredo (mistério). Os crentes são capacitados pelo conhecimento do evangelho e o evangelho agora está disponível para todos! Deus tem um propósito único para a redenção da humanidade que precede até mesmo a queda (Gn 3). Pistas deste plano são reveladas no Antigo Testamento (Gn 3.15; 12.3; Ex 19.5-6; além das passagens universais nos Profetas). Contudo esta agenda cheia não estava clara (1Co 2.6-8). Com a vinda de Jesus e do Espírito, ela começa a ficar mais óbvia. Paulo usava o termo “mistério” para descrever este plano redentivo total (1Co 4.1; Ef 2.11-3.13; 6.19; Cl 4.3; 1Tm 1.9). O evangelho foi tornado conhecido das nações, e todas elas estão incluídas em Cristo e através de Cristo (Rm 16.25-27; Cl 2.2).]
2. Existe em razão da graça de Deus. Paulo encerra a sua Epístola com uma razão de ser, a revelação da graça de Deus, mediante o Evangelho: “Mas que se manifestou agora e se notificou pelas Escrituras dos profetas, segundo o mandamento do Deus eterno, a todas as nações para obediência da fé, ao único Deus, sábio, seja dada glória por Jesus Cristo para todo o sempre. Amém!” (Rm 16.26,27). Essas palavras de adoração nos fazem lembrar outra expressão de louvor do apóstolo: “Porque dele, e por ele, e para ele são todas as coisas; glória, pois, a ele eternamente. Amém!” (Rm 11.36). [Comentário: Este mistério ou plano de Deus - o evangelho de Jesus Cristo (Ef 2.11-3.13), agora foi claramente revelado a toda a humanidade “pelas Escrituras” – Deus manifestou este mistério na pessoa e na obra de Jesus. Isto foi predito pelos profetas e o sua realidade se vê no estabelecimento da igreja do Novo Testamento, formada de crentes judeus e gentios –e Deus apresentou a oferta do evangelho ao mundo inteiro, o que foi sempre o Seu propósito! (Gn 3.15; 12.3; Ex 19.5-6; Jr 31.31-34). O conceito bíblico de “glória” é difícil de definir. A glória dos crentes é que eles entendam o evangelho e se gloriem em Deus, não neles mesmos (1.29-31; Jr 9.23-24). Freqüentemente o conceito de brilho era acrescentado à palavra para expressar a majestade de Deus (Ex 19.16-18; 24.17; Is 60.1-2). Somente Ele é digno e merece ser honrado. É tão brilhante que a humanidade caída não pode contemplá-lo (Ex 33.17-23; Is 6.5). Deus só pode ser verdadeiramente conhecido através de Cristo (Jr 1.14; Mt 17.2; Hb 1.3; Tg 2.1). Paulo encerra sua epístola com uma doxologia (Do grego δόξα [doxa] "glória" + -λογία [-logia], "palavra") é uma fórmula de louvor e glorificação encontrada ao longo das Escrituras.]

SÍNTESE DO TÓPICO (III)
A sabedoria, a soberania e a graça de Deus são as fontes das relações interpessoais.

SUBSÍDIO BIBLIOLÓGICO
“Ele é poderoso (16.25-27)
Como é possível levar pecadores, motivados pelo egoísmo e paixões pecaminosos, separados por preconceitos raciais e enormes diferenças sociais, a crerem numa comunidade unida pelo amor desprendido? Somente Deus pode fazer isso no mundo do século primeiro. Somente Deus pode assim proceder em nossos dias. A mensagem de Romanos é de que ele o fará, através da justiça imputada a nós pela fé, construída verdadeiramente pela confiança contínua em nosso Deus vivo” (RICHARDS, Lawrence O. Guia do Leitor da Bíblia: Uma análise de Gênesis a Apocalipse capítulo por capítulo.10ª Edição. RJ: CPAD, 2012, p.752).

CONCLUSÃO
Nada mais apropriado do que encerrar uma carta incentivando as relações interpessoais saudáveis. É isso o que Paulo faz no final da carta aos Romanos. Primeiramente vemos o quanto ele valorizou o relacionamento interpessoal saudável, doutrinando a igreja a respeito dos perigos das contendas e divisões. O individualismo, o sensualismo e as heresias deveriam ser resistidos energicamente. Muitos dos nomes que Paulo citou haviam labutado ombro a ombro com ele na edificação do Corpo de Cristo. Não eram lembranças nostálgicas, mas recordações que ajudavam a refrigerar a alma. Por último, não deveriam esquecer de que a fonte e a origem de toda harmonia é Deus. Ele é a fonte de toda a graça dispensada. [Comentário: Em 12.5, Paulo diz que “[...] somos um só corpo em Cristo e membros uns dos outros”. Ele emprega o verbo grego esmen (“somos”) no tempo presente e sugere o estado de que os membros pertencem tanto a Cristo, quanto uns aos outros, ao mesmo tempo. É por essa razão que a igreja não deve se conformar com a cosmovisão secular prevalecente sobre relacionamentos (individualismo, hedonismo, egocentrismo, etc.), mas deve renovar-se através do conceito de que os membros pertencem tanto a Cristo, como uns aos outros. Assim, do mesmo modo que cada crente deve se relacionar com o Senhor, deve igualmente se relacionar e cuidar dos outros crentes. Não há divindade além do nosso Deus. Todos os outros deuses são falsos. Somente o Senhor Deus Todo Poderoso, o Deus da Aliança, merece nosso louvor. Nós O louvamos pelo seu presente de Jesus para expiar nossos pecados, seu presente de misericórdia para aperfeiçoar nossas falhas, seu presente de paciência para nos ajudar a consertar nossas inconsistências e, por último, seu presente de amor para prover nossa salvação. Ao Único Verdadeiro e Vivo Deus, que sua glória brilhe para sempre nas vidas e fidelidade do seu povo. Que seus louvores sempre estejam em nossos lábios e em nossos corações. Que pessoas possam ver seu amor por eles em Cristo Jesus, agora e para sempre.]“NaquEle que me garante: "Pela graça sois salvos, por meio da fé, e isto não vem de vós, é dom de Deus" (Ef 2.8)”,
Francisco Barbosa
Hoje, em Campina Grande-PB
Junho de 2016

PARA REFLETIR

A respeito da Carta aos Romanos, responda:
Paulo finaliza sua carta primeiramente recomendando a qual membro da igreja de Cencreia?
Paulo finaliza sua carta primeiramente recomendando a irmã Febe.
Cite o nome de algumas irmãs que cooperaram com Paulo.
Febe, Priscila, Áquila, Maria.
Qual era a recomendação de Paulo em relação àqueles que causavam dissensões e escândalos?
A igreja deve observá-lo e afastar-se dele.
Segundo a lição o que era o movimento herético do primeiro século conhecido como gnosticismo?
Era um movimento sectário, que tinha como prática o sensualismo e o antinomismo. Em outras palavras, como viam a matéria como algo ruim, não tinham apreço pelo corpo, já que este era material.
Como Paulo encerra a sua carta?
Paulo encerra a sua Epístola com uma expressão de louvor e adoração.

SUBSÍDIOS ENSINADOR CRISTÃO
O cultivo das relações interpessoais
O último capítulo de Romanos, o 16, é uma descrição de uma lista de pessoas que o apóstolo Paulo conhecia, embora ele ainda não tivesse chegado à igreja de Roma: Febe, a portadora da carta do apóstolo (v.1); Priscila e Àquila, casal que cuidou de Paulo em Corinto (v.3); Epêneto, Amplíato e Pérside eram pessoas queridas do apóstolo, onde demonstra um vínculo de comunhão do apóstolo devido a expressão “querido” (vv.5,8,9,12); Maria, uma trabalhadora que por certo fora uma das fundadoras da igreja, pois a expressão “muito trabalhou” evoca essa ideia (v.6); Andrônico e Júnias, segundo os estudiosos do Novo Testamento, eram parentes do apóstolo, bem como judeus (v.7); Amplíato, o “dileto amigo no Senhor” (v.8); Urbano, o cooperador, e Estáquis como “meu amado” (v.9); Apeles, um homem “aprovado em Cristo”, a família de Aristóbulo (v.10); Herodião, de acordo com o nome e o contexto mencionado sugerem que ele pertencia à casa ou à família de Herodes (v.11); Trifena e Trifosa, supõem-se que eram irmãs, e Pérside também era uma mulher (v.12); Rufo, o “eleito do Senhor” e a mãe de Rufo que Paulo a respeitava devido o seu acolhimento (v.13); Asíncrito, Flegonte, Hermes, Pátrobas, Hermas e a todos os irmãos que estão com eles (v.14); Filólogo e Júlia, Nereu e sua irmã, ao irmão Olimpas e todo o povo que está com ele (v.15); por final: “Saudai-vos uns aos outros com santo ósculo” (v.16).
Note a lista de pessoas que o apóstolo Paulo conhecia sem ainda ter ido à igreja de Roma. Expressões como “queridos no Senhor”, “a igreja que está em sua casa”, “dileto amigo”, “meu amado” mostram o carinho e o relacionamento de ternura que o apóstolo cultivava com as pessoas, mesmo de longe. Imagine a necessidade que temos de cultivar o relacionamento de carinho e ternura com as pessoas que estão pertos: a nossa família, a igreja onde congregamos e pessoas próximas de nós.
A importância da relação interpessoal
A vida na igreja local é uma grande oportunidade para termos um relacionamento de respeito e de muita alegria com aqueles que chamamos de irmãos. Na igreja local, nos relacionamentos com pessoas de diversas características: criança, adolescente, jovem, adulto, terceira idade, pessoas portadoras de alguma deficiência. Ou seja, é o nosso universo de relacionamento interpessoal. Neste aspecto, o último capítulo de Romanos é um estímulo a doar-nos ao próximo em nome de Jesus.

1º Vídeo Pré-Aula - Dicas da CPAD para que o professor possa dar uma boa aula: A nossa igreja A.D. CPAD ajuda você na preparação da sua aula de Escola Dominical.


2º Vídeo Pré-Aula - Dicas da CPAD para que o professor possa dar uma boa aula: O AD Londrina ajuda você na preparação da sua aula de Escola Dominical.


3º Vídeo Pré-Aula - Dicas da CPAD para que o professor possa dar uma boa aula: O pastor Caramuru do Belemzinho ajuda você na preparação da sua aula de Escola Dominical.


4º Vídeo Pré-Aula - Dicas da CPAD para que o professor possa dar uma boa aula: O pastor ajuda você na preparação da sua aula de Escola Dominical.


5º Vídeo Pré-Aula - Dicas da CPAD para que o professor possa dar uma boa aula: O TV Escola Bíblica explica a história da Escola Dominical.


6º Vídeo Pré-Aula - Dicas da EBD Centenário para que o professor possa dar uma boa aula: AD  ajuda você na preparação da sua aula de Escola Dominical.


7º Vídeo Pré-Aula - Dicas da CPAD para que o professor possa dar uma boa aula: O pastor da EBP Em Foco ajuda você na preparação da sua aula de Escola Dominical.


8º Vídeo Pré-Aula - Dicas da CPAD para que o professor possa dar uma boa aula: O pastor da EBD CPAD ajuda você na preparação da sua aula de Escola Dominical.


9º Vídeo Pré-Aula - Dicas da CPAD para que o professor possa dar uma boa aula: Pr. EBD Pr. da AD Lajes ajuda você na preparação da sua aula de Escola Dominical.


10º Vídeo Pré-Aula - Dicas da CPAD para que o professor possa dar uma boa aula: O Lucas Netto ajuda você na preparação da sua aula de Escola Dominical.



11º Vídeo Pré-Aula - Dicas da CPAD para que o professor possa dar uma boa aula: EBD na NEt ajuda você na preparação da sua aula de Escola Dominical.


12º Vídeo Pré-Aula - Dicas da CPAD para que o professor possa dar uma boa aula: Escritor Pr. Sandro Cristao ajuda você na preparação da sua aula de Escola Dominical.


13º Vídeo Pré-Aula - Dicas da CPAD para que o professor EBD Pinhais possa dar uma boa aula: PCC ajuda você na preparação da sua aula de Escola Dominical.


1º Slide Pré-Aula - Dicas da CPAD para que o professor Moises Sampaio possa dar uma boa aula: PCC ajuda você na preparação da sua aula de Escola Dominical
Em breve






Compartilhar no Google Plus

Sobre Hubner Braz

Criador, colunista e administrador do Pecador Confesso. Fascinado e apaixonado por DEUS!! Formado Bacharel em Teologia pela FATESP e F. Mêcanica pela FATEC-SP e Presbítero na A.D. Belem-Missão em Sorocaba, onde o Pastor Presidente é o Rev. Osmar José da Silva - CGADB, Tenho 1João 1:7-9 injetado na veia!.
    Blogger Comment
    Facebook Comment

0 Milhões de Confessos:

Postar um comentário

Não deixe de participar, a sua opinião é de extrema importância!

Críticas são bem vindas quando a pessoa se identifica.