Cartas ao Tempo

O tempo que nos trouxe aqui é o mesmo que nos permitir reverenciá-lo por o temos. Resgata-nos, do passado, da dor sentida, de nossas misérias, e também nos devolver a ele, a esse mesmo tempo que nos envolve em seus laços de segundos, minutos e horas. Transforma-nos, e nos dá força pra seguimos, para nos aventura em novos sonhos e anseios. Eterniza aquilo que tanto amamos, ontem e hoje, e quem sabe amanhã!

Amiga Edjane

Tenho saudades daquele tempo... O tempo em que quase todas as tarde, nós nos encontrávamos para sentar e conversar ou ir e brincar nas vielas da rua florestal. Ficávamos andando, fazendo planos para o fim de semana, lembrando os momentos bons e alegres que já vivenciássemos juntos. 
 
Éramos considerados como pão e manteiga ou poderia dizer... Café com leite. As pessoas admiravam nossa amizade. Todos os dias estavam lá sempre juntos, brincadeiras eram jogadas fora. Dávamos muitas risadas, eram momentos mágicos de uma amizade...

Mas muito tempo se passou, nossos sonhos se tornaram reais, e então percebemos que nossa alma amadureceu. Raramente nos encontramos, e quando isso acontece não é igual à antes. São apenas algumas palavras trocadas, pois o tempo é curto, e os compromissos inadiáveis.

Aqueles momentos bons ficaram na lembrança. Ainda somos amigos, mas é uma amizade meio imaginária, distante. Gostaria que aquela amizade voltasse à tona, pois só resta pra nós Saudade... Daquele tempinho bom...

Amigo Hubner

Também sinto saudades daquele tempo, o qual nos permitiu criar laços de amizade, a mesma que nos trouxe hoje aqui. Houve um tempo primordial, onde a pureza e doçura se faziam presente em nosso coração de criança, onde a palavra responsabilidade era desconhecida em nosso mundo! Agora estamos aqui, vivendo um novo tempo, fazendo essa parceria. Crescemos isso é um fato do tempo. 
 
E o tempo de hoje é o que temos, e muitas vezes estamos nos desencontramos nesse mesmo tempo, o qual nos levou a fazer escolhas, as quais nos dissiparam, por assim ser quem sabe necessário por ele. Então o que ele nos deixou? Saudades daquele tempo que fomos muitíssimos felizes. 
 
Há encantos no tempo que ainda não conhecemos, pois vivemos correndo contra o mesmo, ao invés de caminhamos juntos com ele, seria tão mais fácil, mas insistimos em dizer que ele está contra nós, com isso não nos damos conta do mal que nos fazemos, do tempo que perdemos, depois jogamos essa mesma culpa no tempo. Então penso: É o tempo que nos faz, ou somos nós que fazemos o tempo? O que estou fazendo com o tempo que tenho? 
 
O tempo que tenho é pouco, mas posso fazer muito nesse pouco tempo que tenho. E assim levantamos muitas outras questões, que estão presentes no nosso tempo. Esse nos trás duvidas, mas também nos trás resposta. Nos trás lembranças da nossa infância, de como riamos juntos sem perceber que o tempo passava. Faço minhas suas últimas palavras! (risos).

Autoria do Texto: Hubner Braz e Edjane Oliveira
Compartilhar no Google Plus

Sobre Hubner Braz

Criador, colunista e administrador do Pecador Confesso. Fascinado e apaixonado por DEUS!! Formado Bacharel em Teologia pela FATESP e F. Mêcanica pela FATEC-SP e Presbítero na A.D. Belem-Missão em Sorocaba, onde o Pastor Presidente é o Rev. Osmar José da Silva - CGADB, Tenho 1João 1:7-9 injetado na veia!.