Meu Encontro com a Eternidade - Confissões do Autor


Minha Confissão Insana para todos nós: 

Depois que eu vi a “Eternidade”, cheguei hoje em casa e cantei alegremente em volta do meu quarto. Talvez você nem mesmo perceba que ela está ai... Ela bate de forma gostosa no meu coração. Eu abri a porta e fiz isso com o maior sorriso do mundo estampado em meu rosto. Lembro-me de tudo que a “Eternidade” me disse esta noite. 

As palavras eram simples, pequenas coisas, que me entorpeceram por ser tão profunda. Posso dizer que este é o começo de algo, envolvido a dois, entreguei-me por completo, num ciclo de fotossíntese. A minha amada “Eternidade”. Ela diz que é o alfa e ômega, que é o mesmo ontem, hoje e no amanhã. Sem alterar o seu temperamento, a sua compaixão, o seu amor incondicional. 

Eu escrevo porque me lembro do primeiro amor, amor este por uma flor, pelas arvores fortificadas da Amazônia, pelos rios encontrando-se com o mar, pelo mar que nunca se farta dos rios. Da emoção, da dúvida sobre "ela me amar, ela não me amar" duvida está, jogada em forma de flores, do alto de uma colina. Levadas ao vento e perpetuado no coração. Sementes brotam da terra para vida, sementes oriundas das flores jogadas ao vento, sementes que me mostraram a parceira do meu caminho, ela é deslumbrante, encantadora, sagaz... Ela é meu primeiro amor, ela é a Eternidade. 

Que iluminou o meu FDS
Compartilhar no Google Plus

Sobre Hubner Braz

Criador, colunista e administrador do Pecador Confesso. Fascinado e apaixonado por DEUS!! Formado Bacharel em Teologia pela FATESP e F. Mêcanica pela FATEC-SP e Presbítero na A.D. Belem-Missão em Sorocaba, onde o Pastor Presidente é o Rev. Osmar José da Silva - CGADB, Tenho 1João 1:7-9 injetado na veia!.