Carta Para O Pai - Testemunho da Beatriz Rolim


Pai,

Eu estou escrevendo isso aqui por que tem muita coisa na minha vida que você não sabe, mas que também não me ouve. Hoje você me conhece, muito bem, mas o meu passado você não conhece nem um terço.

Pai, quando você separou de mainha não foi fácil pra mim. Eu perdi a noção do que era uma família. Porque você sabe que vovô e vovó mais parecem um casal de irmãos do que marido e mulher. Você também conhece a vida da minha mãe, então já deve ter entendido o meu referencial.

Quando eu ia te visitar que abria a tua geladeira com sede, não tinha água, só tinha cachaça e um copo americano. Ah pai, eu era apenas uma criança inocente, eu tava sozinha enfrentando tudo aquilo. Eu via a sua dor, também via a dor da minha mãe, mas era difícil ter que ouvir meus avós falando mal de você. Eu NUNCA deixei que eles falassem na minha frente sem que eu te defendesse.  Mas em partes eu sabia que algumas coisas eu não deveria estar defendendo, pra mim tanto faz, NINGUÉM PODIA FALAR DO MEU PAI, PODIA TER TODOS OS DEFEITOS DO MUNDO, MAS É MEU PAI.

Aí depois você foi se reerguendo, trabalhando muito e não tendo tempo pra mim. Só ligava pra mim pra dizer que me amava quando bebia. Só saía comigo se fosse com uma namorada ou amigos, e sempre envolvia bebida.

Pai, eu fui me afastando de você, me afastando dos meus avós. Comecei a procurar fora de casa carinho, amor, amizade, cumplicidade, porque definitivamente eu não tinha em casa. Então como eu não tinha referencial de família comecei a confundir meus sentimentos.

Comecei a beber, bebia pouco, mas o suficiente para servir de palhaça para a roda de amigos. AQUILO ERA RIDÍCULO! Depois comecei a ficar com meninas, tive namoradas. A primeira causou um transtorno tão grande na minha vida que minha avó teve depressão, por causa da depressão da minha vó, eu desenvolvi uma também. A minha durou 3 meses, e herdei dela síndrome de pânico. Todas as vezes que ficava nervosa  tinha uma crise. Não conseguia respirar, nem falar, meu corpo inteiro formigava, meu coração doía porque ficava  muito acelerado, eu só conseguia chorar, parecia que minha vida ia acabar ali naquela hora.

Como escape para esquecer de todos esses problemas eu comecei a fumar. Mas não fumava nos cantos, só fumava quando não tava bem, para esquecer. Tentava parar de fumar e de ficar com meninas, mas eu não conseguia, eu não tinha para onde fugir.

Os meninos da banda foram embora, fiquei sozinha de novo. Sem amigos, assim como era quando mainha e tu se separaram. Aí eu não saía mais de casa. Decidi que não queria mais morar aqui, não aguentava mais aquela solidão, eu ia pros lugares, mas ainda me sentia só. Então estudava muito, só faltava ficar louca. Estudava de manhã na escola, a tarde no cursinho, a noite enquanto trabalhava, e quando chegava em casa nos dias que conseguia estudava até dormir em cima dos livros. Ocupava a minha mente o dia todo para não lembrar da minha vida, não ter tempo para pensar.  Quando chegava o fim de semana, eu emendava chorando, assistindo filmes tristes, seriados, lendo livros melancólicos. Eu estava sozinha, mas ninguém sabia, porque eu não deixava ninguém saber.

Então um dia uma amiga me chamou pra ir a Conexão. Eu fui decidida que ia voltar outra pessoa, não aguentava mais aquela vida. Aceitei Jesus, chorei muito! Cheguei em casa e baixei uma música no meu celular (Faz Chover – Fernandinho) E conversando com Deus e chorando eu disse “Senhor entra na minha vida, eu não quero mais sofrer, eu não quero mais ser julgada pelo o que eu faço, Meu Deus eu não sou assim, eu não fico com meninas não Senhor, me cura, tira o cigarro, tira a bebida, tira tudo de ruim que tem dentro de mim. Eu não quero ser mais motivo de tristeza pra essa família. Eu quero ser uma filha, uma irmã, uma neta, uma prima melhor pra cada um deles.” E dormi.

Depois passei pelo meu Encontro com Deus e lá o Senhor falou comigo, eu não falava mais só. A partir desses dias Ele começou a me responder. Me mostrou que eu não estava só, que as pessoas desse mundo, da minha casa podiam não me entender, mas ele me entendia. Porque Ele me amava mais do que qualquer pessoa do mundo. Ele me disse assim “Filha, quando você nasceu eu te escolhi, eu já sabia tudo que você ia passar no mundo. Também sabia que você responderia ao meu chamado. Não ligue para o que as pessoas vão dizer contra você agora, porque eu O Deus  Todo Poderoso cuido de você. Um dia todos vão entender o seu chamado e vão conhecer ao Deus que você serve, para isso você precisa ser leal a mim e me obedecer mesmo quando essa não for a sua vontade. Digo mais uma vez, eu te amo desse jeitinho que você é.”  

A partir daquele momento eu decidi que Ele estaria no controle da minha vida.  E que eu ia fazer tudo o que ele me mandasse, Ah pai, o nome dele é Jesus, ele morreu naquela cruz por mim, por você, por Saschia, por Ana Alice, por Anna Evily, por toda a nossa família. E eu sou responsável por vocês, afinal eu fui a primeira a ser chamada. Então eu não me importo o que as pessoas vão pensar, falar de mim, da minha igreja, dos meus pastores que estiveram comigo no meu processo de libertação (da minha vida antiga). Não me importo porque a vida de cada um de vocês vale mais do que a minha. Talvez eu não demonstre muito isso, mas Deus vê o quanto eu peço a Ele por vocês. Ele me escuta e me pede para ter calma.

Pai, hoje eu sou outra pessoa. Hoje eu sou uma menina inocente, sim, mesmo depois de ter conhecido o mundo como eu conheci. Mas eu não vivo mais no meu passado! Quando chegarem para você e falarem quem eu era pode abrir a boca e dizer “A minha filha nasceu de novo, ela é de Deus.” Então paim, não escuta o que as pessoas te disserem não. Eu não negocio o que o Senhor me mandou fazer. Desculpa se eu não posso ser o que o sr sonhou pra mim. Mas o Papai do céu quis outra coisa e eu tive que atender ao chamado dele, tá?

Eu hoje não tenho mais síndrome de pânico. Estou sendo treinada para ser líder, cuidar de pessoas (esse não era o meu sonho?). hoje eu cuido de meninas que assim como eu sofri. O que a Samara um dia fez por mim, hoje eu vou fazer por elas, vou fazer por vocês. Pagando o preço em oração, investindo o meu tempo ouvindo, dando conselhos. Conselhos esses que na maioria das vezes nem são seguidos. Mas o meu chamado é insistir e nunca desistir. Talvez algum dia aí venham falar pra você coisas sobre mim, mais ou menos o que falam sobre o Apóstolo, afinal o meu chamado e o dele são praticamente o mesmo.

Pai, eu te amo, como eu disse eu nunca vou abrir mão de você. O Senhor vai restaurar a nossa família e as minhas irmãs não vão passar pelos traumas que eu passei, porque eu oro por elas e Deus honra a minha oração. Mais uma vez te peço perdão por todas as vezes que falei com tom errado contigo. Você é meu pai e nunca vai deixar de ser. Mas eu nunca vou desistir dos sonhos de Deus pra mim. Espero que você me entenda e me ajude, porque não é fácil. Fica calmo, tá tudo bem.

Amo você, Saschia, e minhas irmãzinhas.
Beijo,
Bia.
Compartilhar no Google Plus

Sobre Hubner Braz

Criador, colunista e administrador do Pecador Confesso. Fascinado e apaixonado por DEUS!! Formado Bacharel em Teologia pela FATESP e F. Mêcanica pela FATEC-SP e Presbítero na A.D. Belem-Missão em Sorocaba, onde o Pastor Presidente é o Rev. Osmar José da Silva - CGADB, Tenho 1João 1:7-9 injetado na veia!.
    Blogger Comment
    Facebook Comment

2 Milhões de Confessos:

  1. Que coisa maravilhosa é ver Deus fazendo a obra na vida de alguém, como amo essa mulher♥♥♥

    ResponderExcluir

Não deixe de participar, a sua opinião é de extrema importância!

Críticas são bem vindas quando a pessoa se identifica.