A NECESSIDADE E A URGÊNCIA DO CULTO DOMÉSTICO - LIÇÃO Nº 10 - 09 DE JUNHO DE 2013 - EBD - CPAD

TEXTO ÁUREO = “Instrui o menino no caminho em que deve andar, e, até quando envelhecer, não se desviará dele” (Pv 22.6).
VERDADE PRÁTICA = O culto doméstico, além de desenvolver na criança o princípio da adoração a Deus, sedimenta em nossos filhos os verdadeiros valores morais.
LEITURA BIBLICA  = SALMOS 78.1-8
INTRODUÇÃO
Através de Moisés, o Senhor intima os israelitas a repassar aos seus filhos, com toda a diligência, os princípios da Palavra de Deus (Dt 6.7). Isto significa que os mais importantes conceitos da vida são formados na intimidade do lar e reforçados no culto doméstico. O culto doméstico significa literalmente o culto da família. E, portanto, urna oportunidade da família, reunida, manter a comunhão constante com Deus, através da leitura da Sua Palavra, da oração e dos cânticos de louvor.



PAIS CONSCIENTES DO SEU DEVER
1. Adão. Quando os filhos de Adão ofereceram ao Senhor as primícias do seu trabalho (Gn 4.3,4), demonstraram haver recebido de seus pais conceitos sólidos sobre Deus e seu relacionamento com o homem. Isto significa que Adão e Eva faziam o culto doméstico com os seus filhos; doutra forma: como poderiam eles saber acerca do culto ao verdadeiro Deus?
2. Noé. Por ocasião do encontro de Deus com Noé, ordenou-lhe o Senhor: “Entrarás na arca, tu e os teus filhos, e a tua mulher, e as mulheres de teus filhos contigo” (Gn 6.18). Conclui-se, pois, que se Noé não houvesse ensinado os seus filhos a obedecerem a Deus, eles não teriam entrado na arca com o pai.
3. Abraão. O próprio Deus dá este testemunho de Abraão: “Pois eu o escolhi para que ele ordene a seus filhos … para que guardem o caminho do Senhor; deste modo o Senhor realizará para Abraão o que lhe prometeu” (Gn 18.19 - A Bíblia de Jerusalém).
Esta passagem assinala a responsabilidade que Deus confia ao sacerdote do lar. Temos por dever ensinar aos filhos os preceitos da vida espiritual e ter a percepção da vontade divina para a vida de cada membro da família, a fim de que Deus encontre lugar neles para os seus propósitos.
4. Os pais de Moisés. As atitudes de Moisés (Hb 11.24-27) denotam a diligência dos seus pais na transmissão do conhecimento de Deus no âmbito doméstico. Moisés passou muito mais tempo sob a influência da cultura egípcia, no palácio de Faraó, do que com os seus pais. Todavia, o curto período em que estivera na casa paterna foi suficiente para que a sua fé em Deus fosse devidamente estruturada. Este exemplo é apropriado para a vida moderna. Hoje as crianças permanecem mais com os de fora do que com os pais. Por isto todo o tempo de convívio com a família deve ser sabiamente administrado pelos pais para imprimir e reforçar os valores espirituais indispensáveis à vida de seus filhos.
5. Eunice e Lóide. O ministério de Timóteo tinha como base o conhecimento adquirido em três fontes: os rabinos que o instruíram na sinagoga; os mestres cristãos, entre eles, Paulo; e, principalmente, sua família - sua mãe e sua avó. Em 2 Timóteo 3.15, Paulo faz-nos entender que o conhecimento secular torna o homem culto, ao passo que o conhecimento e a prática (Mt 7.24) das Sagradas Letras faz o homem sábio. Eunice é lembrada como a mãe piedosa e dedicada à instrução espiritual de seu filho. Ë o modelo para todas as mães cristãs.



PAIS NEGLIGENTES
1. A negligência de Ló. A maneira como Ló comportava-se diante de sua família, assentado passivamente à porta da iníqua e pecaminosa Sodoma (Gn 19.1), contribuiu de forma substancial para que suas filhas chegassem à decadência moral a que chegaram (Gn 19.31-38). Apesar de suas virtudes, ele não foi diligente na formação espiritual e moral de suas filhas permitindo-lhes conviver numa sociedade como a sodomita, que lhes deformaria o caráter e os padrões morais. Esta falta de firmeza teve como conseqüência a desestrutura da família e a geração de uma descendência ímpia.
2. O povo de Israel. Em Juízes 2.10, vemos a negligência de todo um povo quanto à ordenança divina de repassar os conhecimentos de Deus aos filhos. Tudo aquilo aconteceu porque se levantou uma geração que não conhecia ao Senhor. Se os pais estivessem comprometidos com a recomendação de Moisés (Dt 6.7), aproveitando todos os momentos em família para transmitir os valores espirituais aos seus filhos, aquela tragédia teria sido evitada.
Se hoje existem filhos de crentes que não reconhecem o poder e a soberania do Senhor, isto se deve à negligência dos pais em relação às Escrituras Sagradas. Deus exige que os pais cuidem da formação espiritual de seus filhos. Se não atentarmos para este dever, traremos desastrosos resultados à sua vida. Se quisermos uma igreja fiel e consciente de seus deveres, devemos cuidar que nossos filhos sejam fiéis ao Senhor e à sua Palavra. E isto deve ser feito através do exemplo e do diálogo.



a) A IMPORTÂNCIA DO CULTO DOMÉSTICO = Dt 11.13-23
A importância do culto doméstico evidencia-se no fato de que as Escrituras nos ensinam o dever de adorarmos a Deus (Sl 95.1-6; Ap 14.7).
1. É uma prioridade (vv. 13.22). O desconhecimento dos preceitos de Deus pode ocasionar a desobediência. A diligência em ensinar os preceitos de Deus aos filhos contribui para a obediência que cada filho, em particular, deve ao Senhor.
2. É um fator de segurança e prosperidade. Ao insistir pela obediência aos seus preceitos, Deus ensinava a Israel como tornar-se forte e capaz de dominar as forças inimigas que o cercavam. Era o meio seguro para o sucesso e a prosperidade. (v. 18). Os versículos anteriores enfocam duas importantes advertências feitas a Israel: a primeira diz que a obediência aos preceitos divinos traria força e tranqüilidade ao povo; e a segunda, que o pecado encurtaria os seus dias na terra e impediria a sua prosperidade, quer como indivíduos, quer como povo (vv. 16,17). 
3. É uma escola diária e permanente. Esta é a feliz concepção de muitas famílias. Moisés expõe três importantes regras para quem quiser prosperar e vencer na longa jornada da vida:
a. Coração cheio da Palavra de Deus. “Ponde, pois, estas minhas palavras no vosso coração e na vossa alma”. Este é também o meio bíblico, recomendado ao crente, para preservar-se do pecado. Leia SI 119.11.
b. Olhos fixos na Palavra de Deus. “Atai-as por sinal na vossa mão”. Este era o único meio para tê-la sempre presente, como guia no caminho da justiça. Só assim seria possível ao israelita meditar na Palavra de Deus.
e. A Palavra na boca para ser proclamada. (v.. 19-ARA). A Palavra de Deus ensina que devemos aproveitar as nossas oportunidades “remindo o tempo” (Cl 4.5).



b) A IMPORTÂNCIA DO CULTO DOMESTICO 
De que maneira conseguiremos formar devidamente nossos filhos? Através do culto doméstico. Somente assim haveremos de fortalecer os laços de afeição, amizade e comunhão entre os membros de nossa família. Quando isto acontece, a própria igreja é fortalecida, pois a sua base é formada por famílias. Se este padrão for seguido, cada geração será melhor e mais forte espiritualmente do que a anterior. Muitos reclamam da frieza espiritual da igreja moderna, mas será que eles formaram filhos “fervorosos” na fé? Será  que os cultos familiares são aquecidos com a presença do Espírito? (2 Tm 3.14).
Paulo mostra que a vida de Timóteo achava-se alicerçada naquilo que havia aprendido. Por conseguinte, a superficialidade de alguns rebanhos deve-se a um ensino deficiente que não pode ser atribuído necessariamente àquilo que se aprende ou deixa de se aprender na igreja, mas sim no lar. O culto doméstico é a essência da formação cristã em família.



OS PRIVILÉGIOS DO CULTO DOMÉSTICO
Os crentes realizam o culto doméstico com o propósito de obter comunhão com Deus. Consideram- no um motivo de prazer, um privilégio e não uma obrigação enfadonha.
1. Bênçãos diárias. Jesus ao ensinar os discípulos a orar, disse: “O Pão nosso de cada dia nos dá hoje” (Mt 6.11). Ninguém questiona sobre a necessidade que todos têm da alimentação diária para o sustento físico. Do mesmo modo, o culto doméstico deve ser considerado necessário, e, muito mais, ainda, por tratar-se do privilégio da família, reunida, participar da cotidiana “refeição espiritual’.
2. União no lar. Qualquer reunião da família, de algum modo, pode ser um fator de união entre os seus membros. O encontro familiar na presença de Deus, é essencial para esta união. (1 Co 12.12,13).
3. Comunhão com Deus. É óbvio, é lógico, é bíblico que todos os membros da família, os que crêem em Deus e na Sua palavra, participem do culto doméstico, pois eles recebem de Deus as bênçãos materiais indispensáveis à sobrevivência, tais como o alimento e o oxigênio que respiram, bem como todas as outras provisões para a vida e a saúde (At 14.17; Mt 5.45). Além disso, todos têm a esperança da vida eterna, que receberam de graça, mediante a fé em Cristo Jesus (Ef 2.8-10); e, portanto, devem gratidão a Deus pelos benefícios recebidos dEle para esta vida, e, também, para a eterna. (Sl 103.2).
4. A escolha do horário do culto. Cabe à família, por certo, marcar a hora para o culto doméstico, mas, até nisto, a Bíblia oferece uma boa sugestão. “Ensinai-as a vossos filhos.., deitando-te e levantando- te” (v.19). Vemos, então, que o culto pode ser realizado pela manhã ou a noite. Em nossa casa o fazemos na hora do café da manhã, e, também, à noite, antes de deitarmos, em condições de envolver o maior número possível doe filhos neste encontro com Deus e a Sua Palavra. Todavia, qualquer que seja o horário escolhido Imprescindível haver pontualidade, regularidade e devoção na celebração do culto, a fim de não transformado num costume.



CARACTERISTICAS DO CULTO DOMÉSTICO
1. Seus inegáveis benefícios.
a. E fator de harmonia. Torna o ambiente familiar mais agradável, contribuindo, assim, para estreitar a comunhão entre os membros da família e evitar as desavenças e a desunião no lar. (Sl 133; Rm 14.18,19).
b. E meio divino de fortalecimento espiritual. Começar o dia com um encontro com Deus fortalece os membros da família, para enfrentar com otimismo e segurança os problemas e as tentações durante dia (Hb 13.5,6).
c. Produz consciência da presença Deus no lar. E meio eficaz de recordar os oráculos de Deus e tornar viva a sua presença, como amigo e protetor ilimitado (Sl 73.16, 17).
d. Aviva a convicção de que Deus se interessa por nós. Dá, aos membros da família, a convicção de que Deus é o companheiro constante no lar, interessado em tudo o que fazemos e falamos (Rm 8.28).
e. Revela agradecimento a Deus. E apropriado expressão de reconhecimento e gratidão a Deus pelas suas misericórdias, através das provisões diárias (Sl 103.1-5). -
f. Traz beneficio à mente. E um meio eficiente para suprir a meditação do dia e proporcionar as bem aventuranças do Salmo 1 (Fp 4.8,9).



FINALIDADE DO CULTO DOMÉSTICO
1. O lar como parte da Igreja.
Já é conhecido o conceito de que é em casa que demonstramos quanto de cristianismo possuímos. Jesus disse: “porque onde estiverem dois ou três reunidos em meu nome, aí estou eu no meio deles” (Mt 18.20). Estas palavras nos ensinam duas coisas: que o culto doméstico, em que toda a família se reúne para ler a Palavra de Deus e orar, é oportuno porque todos podem desfrutar da presença de Deus; e que o reconhecimento dessa presença requer de todos um comportamento santo no lar.
2. Uma fé robusta nos membros da família. Como todos os demais dons, a fé é passível de desenvolvimento. Pode aumentar e crescer (2 Co 10.15; 2 Ts 1.3). A fé, que é o canal das bênçãos de Deus, não progride e não cresce automaticamente e, sim, pela prática dos exercícios que compõem o culto doméstico - leitura da Palavra de Deus (Rm 10.17) e a oração (Jd 20).
3. Recursos para perseverar na doutrina. A vida espiritual deve ser compartilhada, especialmente, com os membros da família (At 16.34). Não é regra, mas é justo esperar que os pais tenham experiência espiritual, conhecimento da Palavra de Deus e convicção das verdades eternas. Só assim serão capazes de ajudar os filhos e despertar neles interesse pela doutrina. Antes de perseverar na doutrina é necessário aprendê-la e conhecer a sua importância para a salvação.
4. Renovação espiritual no seio da família. Tudo no mundo é passível de desgastar-se e envelhecer, e a vida espiritual também está sujeita a sofrer estas coisas. Mas o plano de Deus é que o nosso homem interior se renove de dia em dia (2 Co 4.16). E vontade de Deus, e é conveniente a nós, que todo o nosso ser, dia a dia, seja renovado “no Senhor e na força do seu poder” (Ef 6.10).
5. Despertamento no seio da família (Gn 35.1-5). Só a eternidade poderá revelar a importância dos lares onde pais zelosos se empenham pelo despertamento da família e pela obediência desta à Pala- via de Deus.
6. Um altar no lar. O altar é símbolo de adoração e sacrifício, e aparece na Bíblia desde Gênesis ao Apocalipse (Gn 8.20; Ap 16.7). O altar está relacionado com o progresso espiritual e com as grandes vitórias alcançadas pelo povo de Deus. Leia Gn 22.1-17; 1 Rs 18.30-40. A adoração a Deus deve ser contínua, isto é, uma prática diária ininterrupta, como meio da família manter a comunhão com Deus.


CONCLUSÃO
A falta de tempo para se refletir na Palavra de Deus, em família, é uma ameaça contra a estabilidade espiritual dos filhos e dos cônjuges. Levemos em conta que os dias atuais são mui difíceis, em virtude de seus perversos ensinos tentarem neutralizar os valores bíblicos e espirituais que devem nortear a casa e a igreja.
O mundo impõe um padrão de conduta que nada tem a ver com o do cristão. Ë no lar que a criança deve adquirir convicções que a tornem capaz de resistir aos valores deturpados do mundo. Portanto, muito cuidado! Se o culto doméstico e o ensino sistemático da Palavra forem negligenciados pelos pais, a família estará fadada ao fracasso, às vezes, irreversível.
Por falta do altar de adoração a Deus, através da leitura da Bíblia, do louvor e de oração no culto doméstico, muitas famílias estão empobrecidas na vida espiritual, e outras tantas têm fracassado totalmente.


Elaboração pelo:- Evangelista Isaias Silva de Jesus Igreja Evangélica Assembléia de Deus Ministério Belém Em Dourados - MS
BIBLIOGRAFIA
LIÇÕES BIBLICAS CPAD 1987

LIÇÕES BIBLICAS CPAD 2004

ASSISTA ESSES DOIS VÍDEOS PARA A EBD E LEIA MAIS ESTUDOS ABAIXO. 



Evangelista Caramuro Prof. AD Belemzinho.


LIÇÃO Nº 10 – A NECESSIDADE E A URGÊNCIA DO CULTO DOMÉSTICO

A família somente cumprirá o papel que lhe está destinado pelo Senhor se for um altar onde se possa manifestar a presença do Senhor.

INTRODUÇÃO 
- Tudo que temos estudado a respeito da família neste trimestre é dependente de uma vida devocional que permita a contínua adoração a Deus na família por parte de seus integrantes. O grande segredo da manutenção da esperança do povo de Israel em Deus, apesar da rejeição de Jesus Cristo, está na vida devocional familiar que foi estabelecida desde os primórdios da história daquele povo e é na manutenção de uma vida devocional familiar, que os cristãos poderão resistir aos ataques do adversário e constituir uma igreja vitoriosa que será arrebatada ao término desta dispensação.

- A vida devocional familiar é denominada, comumente, de “culto doméstico” e é a mola mestra de toda a prática que conduz a família a uma vida de santidade, de direção do Espírito Santo e que se constitui no segredo para a vitória da família sobre o mal e, consequentemente, de toda a igreja do Senhor.

I – O CULTO DOMÉSTICO COMO ELEMENTO DE SALVAÇÃO OU PERDIÇÃO NAS ESCRITURAS SAGRADAS

- "Lar" é uma palavra latina cujo significado primeiro é o de um local, nas antigas residências romanas, em que se procedia à adoração dos antepassados familiares. Normalmente, como nos ensina o historiador francês Foustel de Coulanges em seu livro "A Cidade Antiga", havia um compartimento nas casas romanas onde somente poderiam entrar os membros da família, onde eram cultuados os antepassados familiares, os chamados "deuses lares". Normalmente, havia um altar em honra a estas divindades e um fogo que nunca se apagava, onde se realizava tal adoração.

- Vê-se, portanto, que a ideia do "lar" está vinculada a ideia de uma ligação espiritual entre os membros de uma mesma família, ou seja, o lar é a própria unidade espiritual dos integrantes de uma família. Para os romanos, a família possuía, sobretudo, um vínculo sobrenatural entre os seus membros, tendo sido os próprios juristas romanos que tornaram célebre a famosa definição de casamento, atribuída a Modestino, segundo a qual o casamento estabelece a "união divina e humana que gera uma vida em comum entre um homem e uma mulher", definição que foi parcialmente acolhida pelo nosso novo Código Civil no seu artigo 1511.

- Estas noções romanas estão perfeitamente consonantes com o que a Bíblia Sagrada fala a respeito da família. Ao criar a família, Deus estabeleceu que o papel do homem como dominador sobre toda a criação sobre a terra estava indissociavelmente relacionado com a vida em família. Quando observamos que Deus determinou que o homem dominasse sobre a criação na terra (Gn.1:26), logo percebemos que este papel estava destinado a um ser sexuado, que fosse macho e fêmea (Gn.1:27), assim como verificamos que este domínio somente se tornaria possível na medida em que o homem frutificasse e se multiplicasse sobre a face da terra (Gn.1:28). A vida familiar, portanto, não se restringiria a aspectos físicos ou naturais, mas estava relacionada com a própria sobrenaturalidade do homem, representada aqui pela noção de domínio sobre a natureza.

- A vida familiar, ademais, estava destinada a suprir um sentimento de solidão que Deus observou em Adão, quando este nomeou todos os seres viventes (Gn.2:18-20). A família, portanto, tinha um papel de suprimento de necessidades existenciais e afetivas do homem, sendo ela uma solução de Deus para o ser humano e não um problema, como, infelizmente, tem sido nos nossos dias.

- O lar, portanto, é o ambiente afetivo, emocional e espiritual que deve existir entre os integrantes de uma família. O que faz gerar uma família é, precisamente, a existência deste clima de fraternidade, de amor e de afeto. Os próprios juristas (estudiosos do direito) têm reconhecido que o elemento que deve ser considerado como gerador de uma família é a afeição. 

- O plano divino para a família, portanto, é que cada família seja um lar, ou seja, um grupo de pessoas que estejam unidas, que tenham supridas suas necessidades existenciais, emocionais, afetivas, psicológicas, como também lhes sejam dadas as condições mínimas para que possam sobreviver até que possam se sustentar materialmente, bem como viver, por si sós, em sociedade, tudo isto sem deixar de considerar que a família deve ser um altar, não a falsas divindades, como faziam os pagãos romanos, mas, sobretudo, um altar onde Deus possa ser adorado e louvado, como vemos, por exemplo, ocorrer na família do patriarca Josué (Js.24:14,15).

OBS: “…A família delineia-se, no desígnio do Criador, como ‘"lugar primário da "humanização" da pessoa e da sociedade’ e ‘berço da vida e do amor’ (Compêndio da Doutrina Social da Igreja Católica, n.209)

- No lar, devemos ter, em primeiro lugar, a presença de Deus, que deve ser uma constante desde o 
momento em que um homem e uma mulher passam a ter intenção de formar uma família. Deus deve sempre ocupar o primeiro lugar em todas as ações de nossa vida (Mt.22:37,38). Devemos amar a Deus sobre todas as coisas e isto inclui, também, as nossas preferências pessoais com respeito a quem consideramos que seja a "nossa cara metade", o que entendamos seja "o par ideal".

- Mesmo tendo pecado e sido expulsos do jardim do Éden, nossos primeiros pais perceberam a necessidade de haver um contacto entre sua família e Deus. Habituados que estavam pela presença constante do Senhor na viração do dia (Gn.3:8), Adão e Eva, certamente, ensinaram a seus filhos que era necessário aproximar-se de Deus e isto aprendemos ao vermos Caim e Abel trazendo ofertas ao Senhor (Gn.4:3,4), sem que houvesse qualquer determinação específica a este respeito por parte de Deus no texto sagrado. Havia uma espécie de comunicação entre Deus e os filhos do primeiro casal, tanto que tanto Caim quanto Abel tiveram percepção da recepção divina a respeito de suas ofertas, sendo certo que o próprio Deus Se comunicou com Caim mesmo não tendo atentado para a sua oferta. Verificamos, assim, que, mesmo decaída, a primeira família demonstrou 
a importância de haver um culto, de haver uma busca a Deus por parte de cada membro da família, ainda que, como recentemente ponderou um irmão em Cristo em nosso atual estudo sobre a família, as instruções de Adão e de Eva terem uma mácula relevante, qual seja, a falta de um exemplo, de uma autoridade moral, o que foi crucial para a tragédia que se seguiu na vida familiar, a saber, o primeiro homicídio.

OBS: “…Aqueles dois homens, Caim e Abel, foram levados a oferecer em holocausto os resultados dos seus trabalhos porque aprenderam, ou 
foram ensinados, ou ainda porque viram seus pais fazerem o mesmo. Assim admitimos que Adão também costumava oferecer ao Senhor ofertas de 
gratidão, em adoração, ou ainda como uma súplica pela necessidade de bênção a ser alcançada…” (SILVA, Osmar José da. Liturgia: rituais, símbolos, cerimônias, doutrinas, costumes, histórias, p.30)

- No entanto, entendemos que algo semelhante a um culto doméstico somente surgiu um pouco tempo, quando se inicia a terceira geração humana após a expulsão do jardim do Éden, ou seja, quando nasceu o primogênito de Sete, Enos, quando, então, nos diz o texto sagrado, se começou a invocar o nome do Senhor (Gn.4:26). Com o nascimento de Enos, iniciou-se a prática de se buscar a presença do Senhor no seio familiar, pois só assim se entende o texto bíblico, uma vez que, individualmente, tal busca já fora relatada nas Escrituras. O que compreendemos é que a descendência zelosa e fiel de Sete, que chegou a ser chamada de “filhos de Deus” (Gn.6:2), teve seu início com a instalação do culto doméstico, de uma vida devocional 
familiar. 

- Em todas as épocas e dispensações da história humana, somente tivemos a formação de um povo fiel e zeloso ao Senhor a partir de uma vida devocional familiar, de famílias que, no seu seio, cultuavam a Deus. Assim foi no período antediluviano, como também na lei e tem sido na nossa dispensação. Não é, portanto, gratuita a ação do inimigo ao torpedear e tentar demolir a vida devocional familiar, pois, assim agindo, estará matando pela raiz a possibilidade do surgimento de uma nação santa, de um povo que tenha comunhão e contacto direto com o Senhor, através do qual se possa anunciar o amor de Deus à humanidade.

- Esta vida devocional familiar, entretanto, não se manteve uma constante do período antediluviano. A humanidade perdeu-se, precisamente, quando a descendência de Sete, lamentavelmente, misturou-se com a descendência de Caim, iniciando a formação de famílias com jugo desigual e que levou ao menosprezo dos valores familiares e, consequentemente, de uma vida devocional familiar. 

- Como nos mostra o próprio Jesus, nos dias de Noé, os homens daquele tempo eram pessoas que não tinham o mínimo respeito e consideração pela vida familiar, a ponto de “se casarem e se darem em casamento” (Mt.24:38). A mistura das duas descendências teve um impacto imediato na vida devocional familiar e os efeitos desta falta de busca a Deus no lar foram nefastas, a ponto de ter sido comprometida a própria humanidade da época. 

- O mesmo se dará nos dias do arrebatamento da Igreja, sendo certo que já vivemos estes dias, motivo pelo qual não podemos ceder, como cederam todos os homens e mulheres dos dias de Noé, com exceção apenas deste servo de Deus, cuja vida devocional familiar foi evidenciada nas Escrituras e o principal motivo pelo qual se alcançou a salvação do juízo divino do dilúvio e se permitiu a perpetuação da espécie humana e das espécies animais terrestres.

- Neste instante triste da história da humanidade, temos o exemplo de Noé. Noé achou graça diante dos olhos do Senhor e um dos aspectos de sua vida que agradaram ao Senhor foi, precisamente, o de manter, na sua família, um altar de adoração ao Senhor. Podemos afirmar isto porque, apesar de Deus ter Se dirigido somente a Noé, quando lhe anunciou o dilúvio, prometeu a salvação tanto para Noé quanto para a sua família (Gn.6:13,18), numa clara demonstração de que havia uma comunhão, um compromisso entre Deus e a família de Noé, a demonstrar que, apesar dos tempos difíceis vividos pelo patriarca, em sua casa havia se preservado o culto doméstico que havia sido iniciado por Sete quando do nascimento de Enos. 

- O segredo da salvação da família de Noé estava, portanto, na sua vida devocional, no fato de ter havido a preservação e manutenção da invocação ao Senhor, algo que já havia sido abandonado pelos demais descendentes de Sete naquele tempo e isto apesar de Enoque e de suas profecias, inclusive o fato de o filho deste, Metusalá (ou Matusalém), cujo nome significa “homem do dardo” ou “homem de Deus”, ter mantido o ensinamento de seu pai a respeito da maldição que haveria de vir sobre a Terra, tanto que seu neto recebeu o nome de “Noé”, que quer dizer “repouso” (Gn.4:29). 

- Aliás, verificamos que Metusalá, o homem que mais tempo viveu sobre a Terra, morreu, exatamente, no ano do dilúvio, tendo sido, por isso, um sinal de Deus para a sua geração. Assim como nos dias de Noé, hoje precisamos manter o culto doméstico e, em nossas famílias, manter vivas as promessas de Deus, nelas confiando, para que, pela confiança nelas, alcancemos a nossa redenção.

- Infelizmente, após o dilúvio, vemos que não houve a mesma continuidade da vida devocional familiar na casa de Noé. Pelo contrário, verificamos que, depois da oferta de gratidão pelo salvamento, não se vê mais Noé ou seus filhos se dedicando a Deus, buscando a Sua presença, mas, pelo contrário, vemos a família preocupada com afazeres puramente materiais, legítima preocupação, já que o Senhor lhes ordenara que repovoassem a Terra, mas que não poderia assumir a prioridade nas vidas daquela família, que começava a crescer, abençoada pelo Senhor. 

- Noé toma uma postura semelhante a de Caim (Gn.9:20). O resultado disto foi o episódio em que vemos Noé amaldiçoando o seu neto Canaã, por causa do erro de seu filho Cão (Gn.9:25), bem como o estabelecimento de inimizade e intriga no seio da família. Quando o culto doméstico cessa, quando a devoção familiar dá lugar a preocupações materiais que, embora legítimas, não podem tomar o lugar de Deus no grupo familiar, temos a maldição, temos a divisão, temos o fracasso. 

- Quando cessa o “fogo da adoração” no lar, as consequências são extremamente funestas para a família e para todo o povo de Deus (II Cr.29:6-9). Porventura não é esta a situação de muitos lares de crentes que, até pela necessidade da sobrevivência, tomaram o tempo do culto doméstico pelo trabalho secular ou que, por causa do trabalho secular, chegam cansados e não se dispõem a cultuar a Deus em família, preferindo fazer as tarefas domésticas ou descansar?

- A partir desta escolha infeliz de Noé e de seus descendentes, chegamos ao momento em que a idolatria se instala no próprio seio familiar, numa atitude de rebeldia contra o Senhor. Conforme os estudiosos das Escrituras, foi nesta dispensação, a do governo humano, que se inicia o culto idolátrico, o culto da rebeldia contra o Senhor e Seu senhorio, que tem seu primeiro ponto culminante em Babel, que causou a rejeição das nações e o juízo da confusão das línguas (Gn.11:1-9). 

- Diz-nos a Bíblia que, nesta oportunidade, Ninrode era poderoso sobre a Terra (Gn.10:8-10) e é lugar comum entre os especialistas que foi com este primeiro imperador a ser nomeado no texto sagrado que se instituíram as bases do culto idolátrico que, como demonstrou o pastor Abraão de Almeida em sua obra Babilônia ontem e hoje é, em linhas gerais, o cerne de todas as grandes religiões do mundo até nossos dias.

OBS: Nestes trechos que se transcrevem, Abraão de Almeida, em sua obra Babilônia ontem e hoje, publicada pela CPAD, mostra-nos como a idolatria e o paganismo surgiram no seio da família de Ninrode (a paginação é da 1ª edição): “…Babel é a forma grega de Babilônia e significa Porta de Deus, título que se apropria por haver influenciado poderosamente o desenvolvimento da religião pagã no mundo antigo durante dezessete séculos. A famosa torre de Babel, cujos restos a Arqueologia tem desenterrado nas cercanias da cidade propriamente dita, ficou como símbolo da confusão religiosa, da rebelião contra Deus e do orgulho humano: ‘ e façamo-nos um nome’. A memória de Ninrode, perpetuada na gravura e na escultura, ‘ embelezou-se pela lenda que o transformou em divindade, a quem as gerações futuras dirigiam súplicas’(nota 3 – Gênesis 
11:4; John D. Davis, Dicionário da Bíblia, Casa Publicadora Batista, Rio de Janeiro, 1965, pág.421) (op.cit., p.16,17).

 (…) Foi em Babilônia, após o dilúvio, que a mesma atitude de negação a Deus se manifestou, particularmente através de Ninrode e Semíramis. Era o mistério da injustiça, 
referido pelo apóstolo Paulo, mais uma vez operando desde a expulsão de Adão e Eva do Éden. O objetivo era a organização de uma igreja falsa, estruturada dentro de um sistema religioso no qual fosse adorada uma falsa trindade. Dentro dessa organização, o próprio Satanás estava (e está)
preparando o mundo para a sua manifestação futura, quando reinará por um pouco de tempo sob a forma do Anticristo. O princípio é a glorificação do ser humano, divinizador de reis e imperadores, o culto à personalidade. Somente dentro de tal sistema compreende-se a deificação dos césares e 
dos grandes homens, aos quais se erigiam templos e em sua honra se ofereciam sacrifícios e libações (op.cit.,p.19) 

(…) Marduque, Melkart, Kemosh (deus de Moabe) seriam apenas algumas das várias representações pagãs de Ninrode. Afirma-se que o centauro, deus grego – um cavalo 
com uma cabeça de homem e com uma arca na mão – era adorado em memória de Ninrode, que foi o primeiro caçador e o primeiro homem a usar o cavalo para a caça e para a guerra. O famoso rei de Babilônia, segundo a religião desta ímpia cidade, casou-se com Semíramis, a mesma Astarte, 
Asotorete, Ísis, Ishtar, Afrodite, Vênus, Diana etc.(nota 1 – Gênesis 10.7,8) (op.cit., p.25,26)

(…) Da união Ninrode-Semíramis, nasceu Tammuz, mas com um detalhe significativo: a deusa permanecera ‘virgem’. Aqui está, talvez, a primeira tentativa satânica de dar um falso cumprimento à profecia bíblica relativa ao nascimento de Jesus de uma virgem (nota 6 – Isaías 7.14), anunciada uns setecentos anos antes de Cristo.(…). Tammuz é o tipo do deus que morre e ressuscita, personificando as forças vivas da natureza. Morre com os calores estivais e ressuscita com a primavera. Era conhecido em Sumer, segundo alguns, cerca de três mil anos antes de Cristo, mas consta, todavia, como filho do casal fundador de Babilônia, logo após o dilúvio.…” (op. cit., p.29)

- Não é por outro motivo que, após a rejeição das nações e seu espalhar pela Terra, Deus resolve criar um outro povo e, para tanto, manda que Abrão saia com sua família (à época, sua mulher Sara e seus servos) da sua terra, da sua parentela e da casa de seu pai, a fim de formar, a partir dele, um novo povo, que começaria por uma família (Gn.12:1). É elucidativo que Deus tenha reforçado a necessidade de Abrão deixar a sua família de então, ou seja, a casa de seu pai, numa clara evidência de que não se pode servir a Deus se a vida familiar estiver comprometida com a idolatria e o paganismo. Era este o sentido do chamado divino e Deus é o mesmo, pois Ele não muda e n’Ele não há sombra de variação (Tg.1:17). 

- Deste modo, não é possível servirmos a Deus nos nossos dias se não separarmos nossas famílias da idolatria e do mundo. Deus quer que O sirvamos, mas para que isto seja uma realidade é mister que também separemos nossas famílias para que haja, em nossos lares, um altar de adoração exclusivo ao Senhor. A vida de Abrão, que depois passou a se chamar Abraão, sempre foi uma vida pontilhada de altares, numa prova de que sempre foi um homem que, com a sua casa, adorava continuamente a Deus. Temos saído do mundo ou nossas famílias ainda estão misturadas com o paganismo, com a idolatria, com aquilo que não agrada a Deus? 

Há culto doméstico em nossos lares? Deus não começou a trabalhar com Abraão enquanto ele não deixou a casa de seu pai!

- O cuidado de Abraão com o culto doméstico é demonstrado em alguns episódios que envolvem a sua vida. Embora Ló tenha ido com seu tio (o que estava em desacordo com a ordem divina), é certo que não havia mistura entre os servos de Abraão e os servos de Ló, tanto que a Bíblia nos revela que passou a haver contenda entre uns e outros (Gn.13:7), o que revela que havia uma distinção nítida entre eles. 

- Os servos de Abraão eram ensinados segundo os costumes e as crenças do velho patriarca, como se verifica de Gn.14:14, quando vemos que os servos levados para a peleja eram apenas os “nascidos em sua casa”, ou seja, aqueles que eram formados e treinados conforme os preceitos acolhidos pelo patriarca, que, por sua vida diferente, era identificado pelos demais moradores de Canaã como “o hebreu” (Gn.14:13). Quando vemos Abraão angustiado pela demora no cumprimento da promessa, ele apresenta a Deus como seu herdeiro o damasceno Eliezer, por ser “nascido em sua casa” (Gn.15:3). 

- Por fim, quando observamos a narrativa bíblica do sacrifício de Isaque, percebemos que o moço já havia sido ensinado pelo velho patriarca o que era sacrificar e adorar a Deus, a ponto de Isaque ter, inclusive, percebido que faltava o cordeiro dentre os apetrechos necessários para o ato (Gn.22:7). Todos estes fatores demonstram, com clareza, que, conforme a ordem divina, Abraão instituiu um culto doméstico a Deus e pautava pela sua manutenção e conservação e foi graças a este culto que pôde se distinguir, com os seus, dentre os demais moradores. A formação de um povo peculiar por Deus, portanto, iniciou-se com uma família, que se manteve graças ao culto doméstico.

- Ora, Abraão é chamado nas Escrituras de “nosso pai” (Rm.4:12,16; Tg.2:21), cuja bênção chegou até nós por intermédio de Cristo Jesus (Gl.3:29), devemos agir como ele agiu, ou seja, instituir, em nossas famílias, um culto doméstico de modo que ensinemos a nossos filhos quem é o Deus a quem servimos, adoremos-Lhe e não permitamos que nossos familiares se misturem com os que não conhecem a Deus.

- A presença do culto doméstico foi fundamental para que, apesar até da escravidão, Israel se formasse como uma nação destinada a adorar ao Senhor. Quando Deus Se apresenta a Moisés no meio da sarça ardente, identificou-Se como sendo o “ Deus de teu pai, o Deus de Abraão, o Deus de Isaque e o Deus de Jacó” (Ex.3:6). É interessante observar que Deus, em primeiro lugar, identificou-Se como sendo o Deus do pai biológico de Moisés, ou seja, o fundamento da fé de Moisés, de toda a sua formação espiritual, jamais esquecida a despeito de toda a ciência do Egito que lhe foi posteriormente ministrada, estava no culto doméstico, nos ensinamentos que lhe foram ministrados por seus pais ainda na tenra infância, quando, pela Providência Divina, pôde ser criado por seus pais biológicos (Ex.2:9,10). 

- Através de seus pais, Anrão e Joquebede (Ex.6:20), Moisés obteve a formação que o permitiu, já grande, abandonar tudo o que o mundo lhe ofereceu (e, observemos, era o suprassumo do que havia naquela época, ou seja, o mais excelente que se poderia ter em termos de poder, conhecimento e fama), para servir a Deus (Hb.11:24-27). Vemos, pois, que a presença de um culto doméstico é a principal arma que temos na vida familiar para impedir que o mundo e o pecado seduza os integrantes de nossa família.

- A propósito, devemos ver que isto não ocorreu apenas com Moisés. Toda a sua geração havia sido, igualmente, ensinada no temor do Senhor nas casas, através do culto doméstico, já que Israel se encontrava cativo no Egito e ainda não havia sido criada qualquer estrutura cerimonial ou similar para a adoração a Deus. 

Temos condição de isto afirmar porque não houve dificuldade para que o povo entendesse a mensagem de Moisés, quando este, após quarenta anos distante de seu povo, retornou com a missão de libertação do povo. - O povo de Israel clamava a Deus, pedindo libertação (Ex.3:7). Como tinham aprendido a clamar a Deus? 

Naturalmente, por força do ensino que haviam recebido dos seus pais, conheciam a Deus e a Ele adoravam nos cultos domésticos que realizavam em seus lares, a única forma pela qual poderiam servir ao Senhor. Tanto assim é que o próprio Deus orientou a Moisés, apesar de Se ter revelado pelo Seu próprio nome (algo que jamais ocorrera até então), que O identificasse como o “Deus de vossos pais, o Deus de Abraão, o Deus de Isaque e o Deus de Jacó” (Ex.3:15), ou seja, exatamente como Se fez conhecer a Moisés. 

- A geração contemporânea de Moisés alcançou a liberdade e a redenção porque era uma geração que cultuava a Deus nos seus lares. Se queremos alcançar a Canaã celestial, de igual modo teremos de ter uma vida devocional familiar, teremos de construir, em nossos lares, um altar. Sem esta base, não há como livrarmos nossas famílias do jugo, do tacão de Faraó!

- Quando foi entregue a lei a Israel, a importância do culto doméstico não diminuiu. Muito pelo contrário, a observância da lei ficou relacionada à preservação e manutenção da adoração doméstica a Deus, tendo sido cometido aos pais o ensino da lei a seus filhos (Dt.6:7-9; 18:18-21; Sl.78:1-8). 

- O culto doméstico, como se pode ver, portanto, continuou a ser a mola mestra, o pilar de sustentação da adoração a Deus na dispensação da lei e, quando vemos os fracassos espirituais do povo de Israel, sempre contemplamos que o fracasso nacional se iniciou por causa da negligência na adoração doméstica, negligência esta que se expandiu para toda a nação. Senão vejamos:

a) nos dias de Josué
- Josué chamou o povo para a realização de um pacto com Deus, ao perceber que o povo já se iniciava a se desviar dos caminhos do Senhor. Sua disposição de servir a Deus foi peremptória: “eu e a minha casa serviremos ao Senhor” (Js.24:15 “in fine”), ou seja, Josué não só se dispunha a servir a Deus mas a levar a sua família a servi-l’O, numa clara demonstração de que não pode haver continuidade na adoração a Deus se não existir uma vida devocional familiar. 

- O que nos chama a atenção aqui, entretanto, é que o povo, ao resolver servir a Deus, deitou fora os deuses estranhos que havia no meio deles (Js.24:23). Ora, como tem mostrado a arqueologia seguidamente nos achados na Palestina, estes “deuses estranhos” eram, quase sempre, ídolos mantidos pelas famílias em suas casas, ou seja, a idolatria em Israel começou nos lares e, depois, se expandiu por todo Israel.

b) nos dias dos juízes
- O período dos juízes é um período de grande instabilidade espiritual, como nos mostra o texto de Jz.2. O povo logo se desviava dos caminhos do Senhor e era objeto de servidão, até que se voltava para Deus e Este enviava um libertador. Mas como começou este período tão triste da história de Israel? 

- Começou com a negligência familiar na adoração a Deus, como nos dá conta Jz.2:10,11: “ E foi também congregada toda aquela geração a seus pais, e outra geração após deles se levantou, que não conhecia ao Senhor, nem tampouco a obra que fizera a Israel. Então fizeram os filhos de Israel o que parecia mal aos olhos do Senhor, e serviram aos baalins.” O texto é claro: não cumpriram os pais de família em Israel a missão de ensinar a lei do Senhor a seus filhos. 

- O resultado disso foi o surgimento de uma geração que não tinha conhecimento do Senhor, que não sabia quem era Deus, e, por causa disto, apesar de estarem já instalados em Canaã, na terra que mana leite e mel, de terem relativa estabilidade sócio-político-econômica, o povo fracassou espiritualmente, passando a ser um povo idólatra, idolatria esta, como já vimos, que se iniciava no lar. 

- Porventura, não é este o perigo que vive a igreja, mormente os pentecostais e, entre os pentecostais, as Assembleias de Deus, que vivem um momento de mudança de geração nas suas fileiras? A falta do culto doméstico, a falta da adoração a Deus no lar provocará os mesmos efeitos que provocou na geração subsequente a Josué no povo de Israel: o aparecimento de homens e mulheres que, embora nominalmente pertencentes ao povo de Deus, não conhecem ao Senhor e serão presa fácil da idolatria e do mundo, que, aliás, se introduzirão nas vidas destas pessoas a partir dos seus lares.

- Tanto assim é que a primeira tribo a, coletivamente, apostatar e deixar a Deus em troca dos ídolos foi a tribo de Dã, como nos contam os capítulos 17 e 18 do livro de Josué e tudo começou com uma família desmantelada, a família de Mica.

c) na instituição da monarquia
- A Bíblia diz-nos que o pedido dos israelitas para terem um rei, a instituição da monarquia como regime político em Israel, não foi algo que tenha agradado a Deus (I Sm.8:7,8). Mas como o povo chegou a desejar, coletivamente, algo que não era do agrado do Senhor, apesar de ser o povo escolhido, a propriedade peculiar de Deus entre os povos (Ex.19:5,6)? 

- Ao analisarmos o contexto em que foi feito este pedido, chegaremos à conclusão de que se deixou a direção divina de forma coletiva por causa da ausência de um culto doméstico seja nos lares dos governados, seja nos lares dos governantes. Os dois últimos juízes de Israel, Eli e Samuel, foram negligentes na vida devocional familiar, embora tenham sido homens de Deus. 

- Eli foi tolerante e consentiu com os pecados e crimes de seus filhos Hofni e Fineias, a revelar que não havia, no lar, uma adoração contínua. Sem ter servido a Deus em sua casa, estes dois filhos de Eli não tiveram qualquer pudor ou temor em tornar a casa do Senhor em ambiente de corrupção e prostituição. 

- Samuel, que a tudo assistiu, parece que também não aprendeu a lição e, de igual modo, não deu uma boa formação a seus filhos que, constituídos como juízes de Israel, mostraram-se corruptos, sem que seu pai tenha feito qualquer advertência ou admoestação. 

- Enquanto isto, como afirmou o próprio Deus, o povo também se corrompia em seus lares, por onde ingressava a idolatria, que o Senhor disse ser o fator responsável pela rejeição do reinado direto de Deus sobre Israel. Vemos, mais uma vez, a falta do culto doméstico como a responsável por mais um fracasso espiritual.

d) no término do reino do norte, o reino de Israel
- O profeta Oseias, que foi testemunha dos últimos dias do reino do norte, o reino de Israel, que abrangia as dez tribos que haviam seguido Jeroboão, foi taxativo ao afirmar, da parte de Deus, que o seu povo foi destruído por falta de conhecimento (Os.4:6, parte inicial). 

- Esta falta de conhecimento, caracterizada pela idolatria, tem seu início exatamente na vida familiar, como bem ilustra não só o próprio casamento do profeta (Os.1:2) como também a mensagem trazida ao povo naqueles dias, onde as famílias eram vitimadas pela prostituição e pelo adultério (Os.4:13,14). 

- Como já dissemos, a idolatria começava nos lares israelitas e, quase sempre, estava relacionada com a adoração aos baalins, ou seja, ídolos familiares representativos de Baal e Asera, cujo culto era feito mediante a chamada “prostituição cultual”, já que estes deuses eram tidos como deuses da fertilidade. Os lares foram a porta de entrada do pecado e a brecha que se abriu para a destruição de Israel.

- Um exemplo disto vemos no episódio que envolveu o profeta Eliseu e alguns “rapazes pequenos”, que zombavam do profeta quando este ia de Jericó para Betel (II Rs.2:23-25). Aqueles Adolescentes insolentes eram o resultado de lares onde não mais se servia a Deus, mas, sim, a Baal. A consequência disto foi a maldição vinda sobre o profeta sobre eles e a morte de quarenta e dois deles.

- Porventura, não é isto que está a acontecer em muitos lares de servos de Deus que, por terem deixado seus filhos serem doutrinados pelo inimigo de nossas almas, estão hoje, também, a exemplo dos pais daqueles “rapazes pequenos”, a lamentar a maldição que veio sobre eles e a sua destruição espiritual e física por causa do envolvimento dos filhos com prostituição, drogas e criminalidade?

e) no término do reino do sul, o reino de Judá
- Se a idolatria foi a causadora da destruição do reino do norte, coisa diferente não aconteceu com o reino do sul, o reino de Judá. Também vemos o povo, nos dias de Jeremias, cultuando a “rainha dos céus”, fazendo-lhes bolos, culto este que Abraão de Almeida, na sua obra já mencionada, também identifica como sendo o culto a Asera, um culto que tinha início no próprio lar, como se vê de Jr.7:18 e 44:19. Mais uma vez vemos que a idolatria se infiltrou no reino do sul a partir dos lares, a partir do descuido e da negligência de se cultuar a Deus nos lares.

- Se é nos lares que a idolatria e o pecado se introduziram em Israel, foi também através dos lares que Deus curou este mal do meio do seu povo, durante o cativeiro da Babilônia, cuja principal função terapêutica foi a de eliminar, para sempre, o mal da idolatria do meio do povo de Israel. 

- Durante o cativeiro da Babilônia, criou-se, entre os judeus, um sistema e uma estrutura familiar de adoração a Deus que foi a grande responsável pela manutenção e preservação da nação judaica até os nossos dias. 

- Em Babilônia, os judeus criaram a “sinagoga”, local onde se reuniam, aos sábados, para cultuar a Deus, já que o templo fora destruído e eles estavam em terra estranha, ao mesmo tempo em que as famílias passaram a cumprir com seu dever de ensinar a lei aos seus filhos, para que estes não perdessem o contacto com as promessas divinas, apesar de não mais poderem sacrificar no templo. 

- Mesmo com o término do cativeiro, nem todos os judeus voltaram para a Palestina e grandes colônias judaicas se formaram ao redor do mundo, tendo sido mantida esta estrutura de sinagogas, como complemento da educação familiar, durante todo o período do chamado “Segundo Templo”, tanto que, com a sua destruição, no ano 70 d.C., nem por isso os judeus perderam a sua identidade.

- A identidade do povo judeu mantém-se até hoje, nos quatro cantos da terra, havendo, ainda hoje, mesmo depois do restabelecimento de Israel como nação, mais judeus fora da Palestina do que judeus na Palestina. Tudo isto fruto de uma educação familiar, que tem preservado a observância da lei judaica. Os judeus rejeitaram Jesus mas não deixaram de transmitir, nos seus lares, geração após geração, os ensinos de Moisés.

- Verdade é que isto só se tornou possível porque, logo após o retorno do povo do cativeiro, Esdras e Neemias foram rigorosos e cuidaram de impedir que as famílias dos judeus abrissem, novamente, brecha para o pecado e para a idolatria.

- O zelo e o cuidado destes homens de Deus para com as famílias de seu tempo, retratados, principalmente, nos capítulos 9 e 10 de Esdras, 9 e 10 e 13:23-27 de Neemias, tendo sido fundamental para que não se retornasse à mesma situação anterior ao cativeiro da Babilônia. Devemos ter esta mesma atitude que tiveram estes homens de Deus, impedindo que nossas famílias sejam tomadas pelo nosso adversário.

- Na dispensação da graça, a importância do culto doméstico não é em nada diferente. Jesus nasceu numa família regularmente constituída segundo os preceitos de Sua época, para nos mostrar que o fundador da Igreja também veio de uma família, ou seja, que a igreja depende da estrutura familiar. 

- Não bastasse isso, vemos a preocupação de nosso Senhor com a Sua própria família, à qual salvou antes de subir aos céus, tanto que Seus irmãos e Sua mãe que n’Ele não criam durante o Seu ministério público(Jo.7:5), aguardaram e receberam o batismo com o Espírito Santo no dia de Pentecostes (At.1:14).

- A preocupação com a existência de um culto doméstico é uma constante na vida da igreja primitiva. Logo no início, vemos que havia cultos tanto no templo de Jerusalém como nas casas (At.5:42), numa clara demonstração de que as famílias também cultuavam a Deus, ainda que acompanhadas de outros irmãos em Cristo, algo bem diferente do que os defensores do “movimento celular” têm ensinado nos nossos dias. 

- As reuniões domésticas eram reuniões sobretudo familiares, com a participação, inclusive, de crianças e jovens (cfr. At.12:13-16) e não reuniões de “células” de iniciados, que não podem ultrapassar o número de 12 discípulos, como têm alguns, erroneamente e contra os princípios bíblicos, ensinado. Eram cultos domésticos, que se constituíam numa prática importantíssima da igreja. Foi graças a esta prática que a igreja não foi destruída quando da perseguição, quando, então, não pôde mais se reunir no templo, nem tampouco ter a orientação direta dos apóstolos (At.8:1).

- Todos os discípulos que, dispersos, passaram a pregar o Evangelho por toda parte eram homens e mulheres que, antes de tudo, tinham verdadeiras igrejas em suas próprias casas (cfr. Rm.16:5a). 

- Tanto assim é que passou a ser requisito para a separação de um obreiro a sua conduta em sua própria casa (I Tm.3:4,5,12), o que nos permite concluir que os lares não eram apenas lugares onde se podia ver a conduta secular, o comportamento do candidato a obreiro enquanto cidadão ou homem social, mas também porque os lares eram verdadeiros altares de adoração a Deus, de forma que se poderia ali mesmo observar como se portava o candidato a obreiro como um sacerdote, como um ministro de oração e da Palavra. 

- Não é por outro motivo que encontramos na casa do diácono e evangelista Filipe um ambiente altamente espiritual (At.21:8,9). Lamentavelmente, o mesmo já não podemos dizer da maior parte dos lares dos obreiros dos nossos dias, cujos ministérios se desenvolvem em apartado de suas famílias, o que não é bom nem agrada a Deus. Muitos estão a precisar de Jetros que venham trazer-lhes suas famílias, para que estes sirvam a Deus com estas famílias e não as desamparando, como se arriscou a fazer Moisés (Ex.18:2-6). Moisés só pôde liderar o povo depois que estava com a sua família.

- A história da Igreja tem sido, sempre, a história de famílias abençoadas, que são verdadeiros altares de adoração a Deus e que se constituem nas vigas mestras, nas colunas de todo o trabalho de evangelização. O culto doméstico é essencial para que as famílias mantenham-se assim e, por conseguinte, para que a igreja cumpra o seu papel até a volta do Senhor.

II – A IMPORTÂNCIA DO CULTO DOMÉSTICO

- Por tudo que falamos nesta lição, seria assaz redundante dizer que o culto doméstico é importante para a família e, por conseguinte, para a igreja, pois é algo que salta aos olhos.

- No entanto, o que temos verificado é que esta prática tem cada vez mais escasseado nos lares ditos evangélicos, é uma ação que tem se tornado cada vez mais rara, para prejuízo de todos, a começar dos integrantes da família e se espalhando para a igreja e para a sociedade como um todo. O tempo já pequeno de comunicação entre pais e filhos tem sido ocupado com tudo, menos com um momento de adoração a Deus, onde a família possa compartilhar seus momentos de alegria e de angústia. É imperioso, indispensável que a família tenha estes instantes de adoração coletiva a Deus, que haja uma troca de experiências entre os membros da família, bem como que todos possam se ajudar em oração e aprenderem a Palavra de Deus, que deve ser exposta nesta oportunidade.

- O culto doméstico é um elemento importante, mas não é o único elemento da adoração familiar a Deus. A adoração a Deus envolve todos os nossos gestos, todas as nossas atitudes no lar. Tudo o que fizermos, tudo o que falarmos, tudo o que pensarmos em nossa família deve refletir uma vida transformada por Cristo Jesus. 

Tudo deverá ser feito para a glória do nome do Senhor e isto será uma adoração a Deus, pois adorar é servir e estamos servindo a Deus durante todo o tempo e não apenas quando nos dedicamos, durante algum tempo, a louvar e a bendizer o nome do Senhor.

- Ao vermos uma cerimônia de casamento, muito gostamos da palavra do pastor celebrante, que sugeriu aos noivos que, assim que adentrassem em sua casa, após o casamento, fizessem, de início, um culto doméstico, dedicando o lar recém-formado ao Senhor. É um belo conselho que reproduzimos. Que o início da vida conjugal seja um momento de culto doméstico e que, durante toda a vida familiar, Deus possa reinar nos corações, nas mentes e nas atitudes de todos os integrantes da família.

- O culto doméstico deve ser uma reunião simples, com reverência, em que, numa mensagem que possa ser compreendida por todos, a família louve ao Senhor, ore e compartilhe de suas ansiedades e expectativas, agradecendo a Deus pela salvação e livramentos e pedindo a intervenção divina para a supressão das necessidades existentes. Com a participação de todos, ouça uma mensagem do Senhor através de algum de seus membros e, depois, seja o culto encerrado. Parece algo muito simples, mas sua frequência trará resultados que só no futuro os pais saberão. Temos a certeza de que o adversário procurará sempreimpedir a realização deste culto, mas, com fé no Senhor e discernimento, poderemos restaurar esta grande arma que temos à nossa disposição para a boa educação e formação de nossos filhos.

- Devorando o tempo, trazendo ensinamentos conflitantes com a sã doutrina e invertendo os valores, os meios de comunicação contribuem decisivamente para que as famílias deixem de ser um altar consagrado ao Senhor, que, simplesmente, não haja mais adoração a Deus nas famílias. Sem que haja uma orientação dos pais aos filhos na doutrina da Palavra de Deus, sem que haja tempo para se efetuar o culto doméstico, sem que se tenha uma vida devocional familiar, teremos uma família que escancara suas portas ao pecado, ao mal e ao inimigo de nossas almas, uma família frágil, que não tem condições de resistir ao diabo, que estará encastelado na intimidade familiar. 

- Este é um dos principais motivos pelos quais se tem a frieza espiritual que caracteriza boa parte das igrejas locais nos nossos dias. Quando Jesus disse que a multiplicação da iniqüidade causaria o esfriamento do amor de muitos, estava se referindo, em grande medida, a este fenômeno da propagação da mídia e de seu poder de invasão nos lares e de destruição dos fundamentos familiares. Como podemos ter uma igreja avivada, cheia do Espírito Santo, onde haja demonstração do poder de Deus, se as famílias que compõem esta igreja não oram juntas, não estudam a Palavra de Deus, nem sequer se conhecem entre si? 

- Temos acompanhado a vida de algumas famílias nestes anos de fé e percebido que, invariavelmente, as famílias que praticam o culto doméstico são aquelas que se constituem em colunas e vigas mestras das igrejas locais. Vemos, mesmo, que, entre estas famílias, há, inclusive, a prática do culto doméstico nas chamadas “famílias extensas”, ou seja, a família que abrange os netos, genros e noras, onde, periodicamente, são realizados cultos domésticos. Por que não aproveitarmos os instantes sociais em que todos se reúnem com os avós para devotarmos um culto a Deus ?

- Esforcemo-nos, portanto, para termos uma vida familiar de acordo com a Palavra de Deus, que a 
família seja, como é desejo do Senhor, um instrumento para que cumpramos os objetivos estabelecidos a nós por Deus. Isto, porém, somente será possível se fizermos de nossa família um altar de adoração a Deus, começando pelo culto doméstico.

Colaboração para o portal Escola Dominical - Ev. Dr. Caramuru Afonso Francisco
Compartilhar no Google Plus

Sobre Hubner Braz

Criador, colunista e administrador do Pecador Confesso. Fascinado e apaixonado por DEUS!! Formado Bacharel em Teologia pela FATESP e F. Mêcanica pela FATEC-SP e Presbítero na A.D. Belem-Missão em Sorocaba, onde o Pastor Presidente é o Rev. Osmar José da Silva - CGADB, Tenho 1João 1:7-9 injetado na veia!.
    Blogger Comment
    Facebook Comment

0 Milhões de Confessos:

Postar um comentário

Não deixe de participar, a sua opinião é de extrema importância!

Críticas são bem vindas quando a pessoa se identifica.