Comments

LIÇÃO 11 - Discernimento de Espíritos – Um Dom Imprescindível - 17 de março de 2019 - EBD - CPAD


TEXTO ÁUREO
Mas o que é espiritual discerne bem tudo, e ele de ninguém é discernido. (1 Co 2.15)

VERDADE PRÁTICA
O discernimento de espíritos é um dos dons espirituais concedidos aos crentes, em Jesus; ele nos capacita a distinguir o real do aparente e a verdade da mentira.

LEITURA BÍBLICA EM CLASSE
Atos 16.16-22
16 E aconteceu que, indo nós à oração, nos saiu ao encontro uma jovem que tinha espírito de adivinhação, a qual, adivinhando, dava grande lucro aos seus senhores.
17 Esta, seguindo a Paulo e a nós, clamava, dizendo: Estes homens, que nos anunciam o caminho da salvação, são servos do Deus Altíssimo.
18 E isto fez ela por muitos dias. Mas Paulo, perturbado, voltou-se e disse ao espírito: Em nome de Jesus Cristo, te mando que saias dela. E, na mesma hora, saiu
19 E, vendo seus senhores que a esperança do seu lucro estava perdida, prenderam Paulo e Silas e os levaram à praça, à presença dos magistrados.
20 E, apresentando-os aos magistrados, disseram: Estes homens, sendo judeus, perturbaram a nossa cidade.
21 E nos expõem costumes que nos não é lícito receber nem praticar, visto que somos romanos.
22 E a multidão se levantou unida contra eles, e os magistrados, rasgando-lhes as vestes, mandaram açoitá-los com varas.

INTRODUÇÃO
O homem espiritual é a pessoa com o Espírito Santo e que, por isso, tem melhores condições para entender cada situação. Isso é diferente daquele que não conhece a Deus. Mas o relato da libertação da adivinhadora de Filipos, por ocasião da segunda viagem missionária do apóstolo Paulo, revela que o discernimento espiritual vai além, pois diz respeito ao "dom de discernir os espíritos (1 Co 12.10). [Lições Bíblicas CPAD, Revista Adultos, 1º Trimestre 2019. Lição 11, 17 Mar, 2019]
- O Homem Espiritual é aquele que recebeu a Cristo e tem a sua vida dirigida pelo Espírito de Deus - "O homem espiritual discerne todas as coisas" (1Co 2.15,16). Tem discernimento espiritual para qualquer situação.
Sabemos que somos espirituais quando buscamos a santidade antes da felicidade; quando desejamos ver a honra de Deus promovida através de nossa vida, mesmo que isto signifique desonra ou perda temporária para nós; O homem espiritual; deseja levar a sua cruz. Muitos cristãos aceitam a adversidade ou a tribulação como um suspiro e dizem que é a sua cruz, esquecidos de que essas coisas sobrevêm igualmente ao santo e ao pecador. A cruz é aquela adversidade extraordinária que nos sobrevêm como resultado da nossa obediência a Cristo. Esta cruz não nos é imposta; nós a tomamos voluntariamente com pleno conhecimento das conseqüências. Ainda, o cristão é espiritual quando vê todas as coisas do ponto de vista de Deus. A capacidade de pesar todas as coisas na balança divina, e de atribuir-lhe o mesmo valor atribuído por Deus, é sinal de vida cheia do Espírito. Outro desejo que caracteriza o homem espiritual é morrer com retidão antes que viver no erro. O desejo de ver outros progredirem às suas custas é outra característica do homem espiritual. Quer ver outros cristãos acima dele, e fica feliz quando eles são promovidos e ele é deixado de lado. O homem espiritual habitualmente faz julgamentos segundo a eternidade, e não julgamentos temporais.
Quando se trata do dom de discernir espíritos, cada crente nascido de novo tem uma certa quantidade de discernimento, o qual aumenta à medida que o crente amadurece no Espírito. Em Hebreus 5:13-14, lemos que um crente que tem amadurecido além de usar o leite da Palavra como um bebê em Cristo é capaz de discernir tanto o bem quanto o mal. O crente que está amadurecendo é capacitado pelo Espírito de Deus através das Escrituras para distinguir a diferença entre o bem e o mal e, além disso, também entre o que é bom e o que é melhor. Em outras palavras, qualquer crente nascido de novo que escolhe se concentrar na Palavra de Deus é espiritualmente discernente.” (GOTQUESTIONS.ORG– Dito isto, convido-o a pensar maduramente a fé cristã!

I – DISCERNIR E DISCERNIMENTO

“No seu uso geral, discernimento é, na vida cotidiana, a capacidade de compreender e avaliar as coisas com bom senso e clareza, de separar o certo do errado com sensatez. O termo aparece nessa acepção na Bíblia (2 Sm 19.35; Jn 4.11). Mas, no contexto teológico, o seu uso é muito mais amplo, como veremos a seguir.”
- Discernimento é capacidade de compreender situações, de separar o certo do errado; de avaliar as coisas com bom senso e clareza; juízo, tino.
Discernimento espiritual significa ter a capacidade de distinguir entre o que é certo ou errado, verdadeiro ou falso na área espiritual. A pessoa que tem discernimento espiritual sabe a diferença entre o que vem de Deus e o que não vem. O discernimento espiritual é um dom de Deus. Discernimento é a capacidade para compreender o que é bom ou ruim, o que é certo ou errado, o que é sensato ou irresponsável... Quem tem discernimento não cai facilmente em armadilhas, porque consegue ver a intenção por trás de ações e palavras (Provérbios 20:5).” (RESPOSTAS.COM).

1. O verbo "discernir". O Novo Testamento grego apresenta dois verbos traduzidos em nossas versões bíblicas por "discernir", anakrino e diakrino. O significado do primeiro é amplo, como "perguntar, interrogar, investigar, examinar" (Lc 23.14; At 17.11), e aparece também com o sentido de "discernimento" (1 Co 2.14,15). O segundo verbo apresenta grande variedade semântica e uma das variações é a de discernir (1 Co 11.29).”
- A Concordância Strong traz a palavra grega kathoraó, significando: verdiscernir claramente. No Novo Testamento encontramos varias palavras que expressam algo como discernimento, tal qual entendemos hoje. Algumas destas palavras são variações do verbo krino, cujo significado básico éseparardistinguirestimarjulgar. Veja por exemplo, Ana-krinoatravéspenetrar até o fundo; Assim, entendemos que discernir, em termos bíblicos, é a capacidade de compreender o que o Senhor está revelando através dos acontecimentos do momento.

2. O substantivo "discernimento". O termo grego é diákrisis, que só aparece três vezes no Novo Testamento e, em cada uma delas, o significado é diferente: uma vez com o sentido de "briga" ou "julgamento" (Rm 14.1); outra, como "distinção" em que se julgam pelas evidências se os espíritos são malignos ou se provém de Deus (1 Co 12.10); e, finalmente, para discernir entre o bem e o mal (Hb 5.14).” [Lições Bíblicas CPAD, Revista Adultos, 1º Trimestre 2019. Lição 11, 17 Mar, 2019]
- A palavra grega para “discernimento” é diakrisis. O termo aparece três vezes com o sentido de contenda (Rm 14.1). Discernimento, pois, é a capacidade de escolher entre o bem e o mal em virtude do crescimento espiritual (Hb 5.14). É a capacidade sobrenatural para se distinguir a fonte da manifestação espiritual, se é de fato do Espírito Santo, de um espírito demoníaco ou meramente humano (1 Co 12.10).

 “3. Atualidade. Há manifestações sobrenaturais por meio de falsos profetas (Dt 13.1-3). Jesus disse que o Anticristo aparecerá fazendo sinais, prodígios e maravilhas de tal maneira que, se possível fora, enganaria até os escolhidos (Mt 24.24). Os agentes de Satanás transformam-se em anjos de luz, e seus mensageiros, em ministros de justiça (2 Co 11.13-15). Em todos os lugares e em todas as épocas, sempre existiram falsas imitações, e só com o discernimento do Espírito Santo é possível identificar a fonte de tais manifestações. Isso mostra a importância e a atualidade do dom de discernir os espíritos (1 Co 12.10). [Lições Bíblicas CPAD, Revista Adultos, 1º Trimestre 2019. Lição 11, 17 Mar, 2019]
O Pr Antônio Gilberto discorre sobre o texto de Atos 16: “O fato narrado em Atos 16.16-18 é claramente um caso de operação do dom de discernimento de espíritos através de Paulo. O demônio que atuava naquela moça escrava procurou agir de forma mascarada, tentando enganar os servos de Deus, proferindo inclusive palavras elogiosas e verdadeiras em relação a Paulo e Silas, bem como a Deus mesmo, pois ele disse (por meio da moça) que aqueles homens anunciavam o caminho da salvação e, em seguida, referiu-se a Deus como “Deus Altíssimo”, reconhecendo a sua soberania sobre tudo e sobre todos. Mas Paulo logo viu que era um demônio que estava camuflado ali, e em nome de Jesus ordenou que fosse embora. Este dom do Espírito, como os demais, não agem segundo a vontade do seu portador, mas segundo a vontade de Deus e para a sua glória. Isto é, não é a todo instante que ele está em ação no seu portador, mas sim conforme a vontade de Deus. Outrossim, o discernimento de espíritos não é simples empatia do espírito humano, mais avolumado em certas pessoas e noutras não. Certamente, o dom de que estamos tratando, discernimento de espíritos, está implícito no julgamento das profecias da igreja, como em 1Co. 14.29. Vê-se, pois, que este dom divino é de grande valia para desmascarar enganadores e falsários, que se apresentam como pessoas inofensivas, cooperadoras e santificadas, sem, no entanto, apresentarem frutos que os comprovem.” (CACP)


II - A ADIVINHADORA DE FILIPOS
Quem realmente já experimentou o poder de Deus na vida não pode ser levado por impostores. Deus permite, às vezes, o sobrenatural vindo de fontes estranhas para provar a fé do crente e sua experiência espiritual.”
- Há duas maneiras para se discernir a fonte da mensagem ou dos milagres: pelo conteúdo doutrinário (Hb 5.14; 1 Jo 4.1) ou pela revelação do Espírito Santo (At 5.1-5). O apóstolo Pedro não teria como saber o propósito de Ananias e Safira sem a intervenção do Espírito de Deus. Em Filipos, diz o texto sagrado que a jovem com poderes de adivinhação “isto fez por muitos dias” (v.18): “Estes homens, que nos anunciam o caminho da salvação, são servos do Deus Altíssimo” (v.17). Isso parece mostrar que o discernimento foi tanto pelo conteúdo doutrinário como também pela revelação do Espírito Santo.

1. Uma avaliação sensata. A jovem adivinha estava possessa, tomada pelo espírito das trevas; logo, a mensagem dela não vinha de si mesma, mas do espírito que a oprimia. Satanás é o pai da mentira (Jo 8.44) e o principal opositor da obra de Deus (At 13.10). Por que, então, o espírito adivinho elogiaria os dois mensageiros de Deus, Paulo e Silas, ao confirmá-los como anunciadores do caminho da salvação? É óbvio que havia algo de errado nisso. [Lições Bíblicas CPAD, Revista Adultos, 1º Trimestre 2019. Lição 11, 17 Mar, 2019]
- O Diabo é o pai da mentira (Jo 8.44), logo seus filhos espelham suas qualidades. A jovem advinha também era dessa ‘família’ – a filiação é manifesta pela conduta. O filho manifesta as características do pai (Ef 5.1-2). Esta moça mantinha contato com demônios que supostamente podiam prever o futuro (Dt 18.9-12). Paulo sabia que Deus não permite adivinhos, logo, as palavras daquela moça não podiam ter origem no Senhor. A palavra grega usada para “adivinhação” é python, nome de um dragão que, segundo a mitologia clássica, era guardião do templo de Apolo e do oráculo de Delfos. Acreditava-se que Apolo se encarnava nessa serpente para inspirar as pitonisas. Os gregos chamavam de python, portanto, ao adivinho que previa o futuro. Adivinhação consiste na revelação de segredos do passado, do presente e do futuro. Essa prática associa-se à feitiçaria, cujo intento é usar poderes do mundo espiritual para influenciar as pessoas ou até eventos

 “2. O espírito de adivinhação. A jovem pitonisa "tinha espírito de adivinhação" (v. 16). O termo grego usado aqui é python, "Píton, espírito de adivinhação", de onde vem o termo "pitonisa", associado à feitiçaria. Píton era a serpente que guardava o oráculo em Delfos, na antiga Grécia, a qual, segundo a mitologia, Apolo matou. Com o tempo, python passou a ser usado para designar adivinhação ou ventríloquo, que em grego é engastrimythos, de gaster, “ventre", e mythos, "palavra, discurso", cuja ideia é dar oráculos ou predições desde o ventre, pois se imaginava alguém ter tal espírito em seu ventre. O vocábulo engastrimythos não aparece no Novo Testamento, mas está presente na Septuaginta (Lv 19.31; 20.6) e é aplicado à feiticeira de En-Dor (1 Sm 28.7,8). [Lições Bíblicas CPAD, Revista Adultos, 1º Trimestre 2019. Lição 11, 17 Mar, 2019]
- O subtópico descreveu bem a rigem do termo pítonpitonisa. Acredito mais viável aqui diferenciar o espírito de adivinhação dos casos bíblicos desse conhecimento sobrenatural, através do Espírito Santo: podemos ver em Samuel, tendo conhecimento antecipado sobre as jumentas perdidas de Quis (1Sm. 9.15-20) e também seu conhecimento antecipado dos sinais de confirmação do reinado de Saul (1Sm. 10.2-9). É o caso do profeta Eliseu, que sobrenaturalmente conheceu os movimentos do exército da Síria (2Rs. 6-8) e também o que se passava no íntimo de Geazi (2Rs. 5.20-26). É ainda o caso do profeta Aías, identificando e apontando a mulher de Jeroboão, antes que se aproximasse (1Rs. 14.6). Certamente temos casos desse dom operando em escala incomparável em Jesus (Mt. 16.23; Lc. 19.5; Jo. 1.48; 2.25; 4.18).

“3. Adivinhações ontem e hoje. Moisés enumerou algumas práticas divinatórias comuns entre os cananeus (Dt 18.14) e os egípcios (Is 19.3), as quais Israel deveria rejeitar. Isso vale também para os cristãos, pois essas práticas estão presentes ainda hoje na sociedade. Parece que essas coisas encantam o povo, como aconteceu em Samaria com Simão, o mágico (At 8.9-11). Tais práticas envolvem, direta ou indiretamente, magia, astrologia, alquimia, clarividência, tarô, búzios, quiromancia, necromancia, numerologia etc. São práticas repulsivas aos olhos de Deus porque trata-se de uma forma de idolatria (Ap 21.8; 22.15). Como parte da magia, a adivinhação é uma antiga arte de predizer o futuro por meios diversificados: intuição, explicação de sonhos, cartas, leitura de mão etc. [Lições Bíblicas CPAD, Revista Adultos, 1º Trimestre 2019. Lição 11, 17 Mar, 2019]
- A Lei proibia todo tipo de adivinhação, não somente algumas elencadas por Moisés. Em Deuteronômio 18.9-11 está escrito: "Quando entrares na terra que o Senhor, teu Deus, te der, não aprenderás a fazer conforme as abominações daqueles povos. Não se achará entre ti quem faça passar pelo fogo o seu filho ou a sua filha, nem adivinhador, nem prognosticador, nem agoureiro, nem feiticeiro; nem encantador, nem necromante, nem mágico, nem quem consulte os mortos". A Bíblia com Anotações de Scofield comenta a respeito: As oito práticas anatematizadas para determinação do futuro são estas: 1. do adivinhador – os métodos são apresentados em Ez 21.21; 2. do prognosticador – possivelmente referindo-se à feitiçaria ou astrologia; 3. do agoureiro – aquele que usa prognósticos; 4. do feiticeiro – aquele que faz uso da magia, de fórmulas ou encantamentos; 5. dos encantadores – Sl 58.4-5; 6. de quem consulta um espírito adivinhante – veja o número 7; 7. do mágico, geralmente usado com o número 6 – Is 8.19 descreve a prática; e 8. do necromante – aquele que procura interrogar os mortos. Duas coisas precisam ser mantidas em mente: 1) este mandamento tinha aplicações específicas a Israel que estava entrando na terra; foram feitas para preservar os israelitas das abominações dos seus predecessores (vv. 9, 12 e 14) e 2) para se perceber claramente o contraste entre esses falsos profetas e os profetas como Moisés (vv. 15-19).


III - DESMASCARANDO OS ARDIS DE SATANÁS
O Senhor Jesus colocou à disposição de cada crente as condições necessárias para discernir entre o falso e o verdadeiro, habilitando-o a fazer a obra de Deus. Ele disse: "Eis que vos envio como ovelhas ao meio de lobos" (Mt 10.16) e para isso nos equipou com armas espirituais de defesa e de ataque ao reino das trevas (2 Co 10.1-5). 0 discernimento espiritual é importante arma do arsenal do Espírito Santo.”
- “O que é esse discernimento? A palavra usada no Salmo 119:66 significa “provar, testar”. É a capacidade de fazer julgamentos discriminativos, de distinguir e reconhecer as implicações morais de diferentes situações e cursos de ação. Inclui a capacidade de “ponderar” e avaliar o status moral e espiritual de indivíduos, grupos e até mesmo de movimentos. Assim, enquanto nos guardamos do criticismo, Jesus nos insta a discernir as coisas, a fim de não lançarmos nossas pérolas aos porcos (Mateus 7:1, 6). Um notável exemplo de discernimento é descrito em João 2:24–25: “Mas Jesus não confiava neles, pois conhecia a todos. Não precisava que ninguém lhe desse testemunho a respeito do homem, pois ele bem sabia o que havia no homem” (NVI). Isso é discernimento sem julgamento. Envolvia o conhecimento de nosso Senhor sobre a Palavra de Deus e Sua observação dos caminhos de Deus com os homens (Ele, oportunamente, havia orado: “Ensina-me bom juízo e conhecimento, pois creio nos teus mandamentos”. – Salmos 119:66). Indubitavelmente, o discernimento de Jesus aumentou quando Ele experimentou o conflito com Satanás no deserto e a vitória sobre a tentação, e como Ele avaliou todas as situações à luz da Palavra de Deus. O discernimento de Jesus penetrou nas profundezas do coração. E o cristão é chamado a desenvolver um discernimento semelhante, pois o único discernimento que necessitamos é o que recebemos na união com Cristo, pelo Espírito, através da Palavra de Deus. Portanto, o discernimento é aprender a pensar os pensamentos de Deus e praticá-los espiritualmente; significa ter uma ideia de como as coisas parecem aos olhos de Deus e vê-las em alguma medida “descobertas, desnudadas” (Hebreus 4:13)”. (REFORMADOS21)

1. O dom do Espírito Santo. O dom de discernir os espíritos aparece logo após o dom de profecia (1 Co 12.10); por essa razão, muitos associam o referido dom como meio de "julgar" as profecias (1 Co 14.29). Mas o contexto do Novo Testamento mostra que essa não é a sua única função. Serve também para distinguir a manifestação do Espírito Santo das manifestações de profecias, línguas, visões, curas provenientes de fontes demoníacas, e para proteger-nos dos ataques satânicos. Manifesta-se em situações nas quais não é possível, com recursos humanos, identificar a origem da manifestação sobrenatural. [Lições Bíblicas CPAD, Revista Adultos, 1º Trimestre 2019. Lição 11, 17 Mar, 2019]
- “O dom de discernir espíritos, ou de "discernimento" de espíritos, é um dos dons do Espírito Santo descrito em 1 Coríntios 12:4-11. Como todos esses dons, o dom de discernir espíritos é dado pelo Espírito Santo, o qual os dispersa para que os crentes possam servir no corpo de Cristo. Cada crente tem uma capacitação espiritual para um serviço específico, mas não há espaço para a autoescolha. O Espírito distribui os dons espirituais de acordo com a soberania de Deus e de acordo com o seu plano para a edificação do corpo de Cristo. Ele dá esses dons "como lhe apraz" (1 Coríntios 12:11). Quando se trata do dom de discernir espíritos, cada crente nascido de novo tem uma certa quantidade de discernimento, o qual aumenta à medida que o crente amadurece no Espírito. Em Hebreus 5:13-14, lemos que um crente que tem amadurecido além de usar o leite da Palavra como um bebê em Cristo é capaz de discernir tanto o bem quanto o mal. O crente que está amadurecendo é capacitado pelo Espírito de Deus através das Escrituras para distinguir a diferença entre o bem e o mal e, além disso, também entre o que é bom e o que é melhor. Em outras palavras, qualquer crente nascido de novo que escolhe se concentrar na Palavra de Deus é espiritualmente discernente. Há certos crentes, no entanto, que têm o dom espiritual de discernir espíritos – ou seja, a capacidade dada por Deus para distinguir entre a verdade da Palavra e as doutrinas enganosas veiculadas por demônios. Somos todos exortados a ser espiritualmente discernentes (Atos 17:11; 1 João 4:1), mas alguns no corpo de Cristo têm recebido a capacidade única de detectar as "falsificações" doutrinais que têm assolado a igreja desde o primeiro século. Este discernimento não envolve revelações extra-bíblicas místicas ou uma voz de Deus. Em vez disso, os que possuem esse dom estão tão familiarizados com a Palavra de Deus que instantaneamente conseguem reconhecer o que é contrário a ela. Eles não recebem mensagens especiais de Deus; apenas usam a Palavra de Deus para "testar os espíritos" e ver quais se alinham com Deus e quais estão em oposição. Os que possuem esse discernimento espiritual são diligentes para "manejar bem" (2 Timóteo 2:15) a Palavra de Deus.” (PORTALEBD.ORG)

“2. Uma estratégia demoníaca para confundir o povo. É muito estranho que o espírito maligno que atuava na vida da jovem viesse gritando publicamente por muitos dias e elogiando Paulo e Silas com as palavras: "Estes homens, que nos anunciam o caminho da salvação, são servos do Deus Altíssimo" (v.17). Essa não foi a única vez em que Satanás procedeu dessa maneira (Mc 5.7). Adam Clarke comenta que o "testemunho sobre os apóstolos, em essência, era verdadeiro, com o fim de destruir sua reputação e arruinar a sua utilidade". O propósito diabólico aqui era transmitir ao povo a falsa ideia de que a mensagem que Paulo e Silas pregavam seria a mesma da jovem adivinhadora. [Lições Bíblicas CPAD, Revista Adultos, 1º Trimestre 2019. Lição 11, 17 Mar, 2019]
- O intuito do espírito adivinhador não era elogiar o ministério de Paulo e Silas, mas sim, importunar enquanto anunciavam a Cristo, Deus não permite o testemunho do diabo a Seu respeito! Numa situação semelhante, Jesus estava na sinagoga e um homem com espírito imundo começou a gritar: “Dizendo: Ah! que temos contigo, Jesus Nazareno? Vieste destruir-nos? Bem sei quem és: o Santo de Deus.” (Marcos 1:24).  Na mesma hora Jesus o repreendeu e disse: “Cala-te, e sai dele.” (Mc 1.23-25). E o texto diz que o espírito imundo saiu do homem clamando em alta voz.
- “Espírito de adivinhação é uma especialidade do diabo e é através da adivinhação do futuro que muitos são atraídos ao engano. Pense um pouco: tudo o que Deus quer revelar ao homem está escrito na Bíblia, o que exceder à Palavra escrita é mera especulação, e/ou adivinhação. É através da adivinhação que o diabo amaldiçoa muitas vidas e todos conhecem casos em que alguém foi “avisado” por espíritos imundos de tragédias que estavam para acontecer e depois que aconteceram, estas pessoas passaram a depender de tais “adivinhações”.” (SOMBRADOONIPOTENTE)
- “A jovem estava possessa, tomada pelo espírito das trevas, logo, a mensagem não vinha de si mesma, mas do espírito que a oprimia. Satanás é o pai da mentira (Jo 8.44) e o principal opositor da obra de Deus (At 13.10). Por que, então, o espírito adivinho elogiou os dois mensageiros de Deus, dizendo a todos que eles eram anunciadores do caminho da salvação e “servos do Deus Altíssimo”? Porque era uma estratégia demoníaca para confundir o povo. 2. O termo “salvação” (v.17). O texto não esclarece a que salvação o espírito imundo referia-se, considerando ser um termo comum entre os pagãos. Essa técnica é usada, ainda hoje, pelas seitas. A salvação dos mórmons, por exemplo, apresenta sentido diferente daquela pregada pelo cristianismo bíblico: como libertação dos pecados (Mt 1.21), livramento da condenação eterna (Rm 8.1) e transformação pelo poder do Espírito Santo (Tt 3.5). 3. Qual a intenção do espírito de adivinhação? O propósito diabólico era dizer a todos que a mensagem que Paulo e Silas pregavam seria a mesma da jovem adivinhadora. Ainda hoje, Satanás usa essa estratégia para fazer o povo acreditar na falsa idéia de que todas as religiões levam a Deus. Essa mensagem é absolutamente oposta à Bíblia; Jesus é singular, o cristianismo é exclusivo; somente Jesus conduz o homem a Deus (Jo 14.6; At 4.12)” (ESTUDANTESDABIBLIA)

“3. A libertação da jovem adivinhadora. A moça era uma escrava que dava muito lucro aos seus senhores com essa prática ocultista (v. 16). Ao ser liberta pelo poder do nome de Jesus, os seus proprietários viram nisso um prejuízo econômico e foram denunciar os missionários às autoridades locais. A população não viu a maravilha da grande libertação da moça, e Paulo e Silas não foram denunciados por causa da expulsão do espírito maligno da jovem. Eles foram acusados de perturbar a ordem pública e nem sequer foram ouvidos, ou seja, não tiveram o direito de resposta. Foram açoitados e colocados na prisão (vv.19-22). Jesus tornou-se também persona non grata em Gadara por causa do prejuízo dos porqueiros (Mc 5.16-18). Infelizmente, o lucro fala mais alto ainda hoje.” [Lições Bíblicas CPAD, Revista Adultos, 1º Trimestre 2019. Lição 11, 17 Mar, 2019]
- “Durante muitos dias aquela cena se repetiu, até que Paulo, perturbado, voltou-se e disse ao demônio que agia através daquela jovem: “Em nome de Jesus Cristo, te mando que saias dela. E na mesma hora saiu.” (Atos 16:18). O problema é que aquele espírito de adivinhação gerava grande lucro para os senhores daquela jovem e quando eles viram a esperança de lucro “descer pelo ralo”, eles foram denunciar Paulo e Silas aos magistrados da cidade. Os servos de Deus foram presos e açoitados, mas não perderam a fé e o texto diz que mesmo presos, com os pés amarrados ao tronco, eles oravam e cantavam hinos a Deus.” (SOMBRADOONIPOTENTE)


4. A necessidade do dom de discernir. O discernimento do Espírito nos permite conhecer tudo aquilo que é impossível saber por meio de recursos humanos. O caso de Paulo e da adivinha de Filipos é emblemático, um exemplo clássico do uso desse dom na vida real. Reconhecer a origem maligna de uma manifestação contra a Igreja não é tão difícil, mas, no contexto de Paulo, diante dos elogios da adivinhadora, isso era praticamente impossível sem a atuação do Espírito Santo.” [Lições Bíblicas CPAD, Revista Adultos, 1º Trimestre 2019. Lição 11, 17 Mar, 2019]
- “Deus deu a Israel profetas legítimos, os quais falaram inspirados pelo Espírito Santo. Mesmo no reino dos profetas, Deus permitiu o surgimento de falsos profetas (2 Pe 1.19-21; 2.1). Como distinguir o falso do verdadeiro? O texto sagrado diz: “profeta ou sonhador... te der um sinal ou prodígio” (v.1). Isso fala de sinais grandiosos que podem impressionar os imprudentes. O termo: “Vamos após outros deuses” (v.2), trata-se de milagres estranhos. Qualquer um, portanto, mesmo com o mínimo de discernimento, tem condições de discernir a fonte desses aparentes milagres. Já vimos em lições anteriores a possibilidade de manifestações sobrenaturais por meio de homens não comprometidos com a verdade. Jesus disse que o Anticristo virá fazendo sinais, prodígios e maravilhas de maneira tal que, se possível fora, enganaria até os escolhidos (Mt 24.24). Os agentes de Satanás transformam-se em anjo de luz, e seus mensageiros em ministros de justiça (2 Co 11.13-15). O crente depende da ajuda do Espírito Santo para discernir a verdade, e, para isso, é necessário estar em comunhão com Ele”. (ESTUDANTESDABIBLIA)

CONCLUSÃO
Satanás é perito no engano e no disfarce, na mentira e na aparência: "porque o próprio Satanás se transfigura em anjo de luz" (2 Co 11.14). Ele é um ser habilidoso e acima de qualquer ser humano na arte do engano e da mentira; os seus disfarces só são discerníveis pelo Espírito Santo: "porque não ignoramos os seus ardis" (2 Co 2.11). Às vezes, até mesmo os crentes, por falta de vigilância, terminam caindo no laço do Diabo. [Lições Bíblicas CPAD, Revista Adultos, 1º Trimestre 2019. Lição 11, 17 Mar, 2019]
- É dever do cristão não se levar pela manifestação de sinais sobrenaturais sem antes ter certeza de sua origem. Há quem defenda a ortodoxia cristã, mas não tem qualidade ética, não vive o que prega e nem prega o que vive. Por outro lado, há quem viva uma vida exemplar, mas cuja doutrina é heresia. Que Deus abençoe e ajude-nos! Fiquemos sempre na Palavra de Deus.

Achando-se as tuas palavras, logo as comi, e a tua palavra foi para mim o gozo e alegria do meu coração; porque pelo teu nome sou chamado, ó Senhor Deus dos Exércitos”. (Jeremias 15.16), Pb Francisco Barbosa Campina Grande-PB Março de 2019

PARA REFLETIR
A respeito de "Discernimento de Espíritos- um Dom Imprescindível" responda:
• O que mostra a importância e a atualidade do dom de discernir os espíritos?
Em todos os lugares e em todas as épocas, sempre existiram falsas imita­ções, e só com o discernimento do Espírito Santo é possível identificar a fonte de tais manifestações.
• Por que as práticas ocultistas são repulsivas aos olhos de Deus?
São práticas repulsivas aos olhos de Deus porque se trata de uma forma de idolatria (Ap 21.8; 22.15).
• Qual o propósito diabólico, segundo a lição, com os elogios a Paulo e Silas?
O propósito diabólico aqui era transmitir ao povo a falsa ideia de que a mensagem que Paulo e Silas pregavam seria a mesma da jovem adivinhadora.
• O que aconteceu aos missionários depois da libertação da jovem adivinhadora?
A população não viu a maravilha da grande libertação da moça, e Paulo e Silas não foram denunciados por causa da expulsão do espírito maligno da jovem.
• O que era completamente impossível acontecer sem a atuação do Espírito Santo de acordo com o contexto de Paulo?
Reconhecer a origem maligna de uma manifestação contra a Igreja não é tão difícil, mas, no contexto de Paulo, diante dos elogios da adivinhadora, isso era praticamente impossível sem a atuação do Espírito Santo. [Lições Bíblicas CPAD, Revista Adultos, 1º Trimestre 2019. Lição 11, 17 Mar, 2019]
Compartilhar no Google Plus

Sobre Hubner Braz

Criador, colunista e administrador do Pecador Confesso. Fascinado e apaixonado por DEUS!! Formado Bacharel em Teologia pela FATESP e F. Mêcanica pela FATEC-SP e Presbítero na A.D. Belem-Missão em Sorocaba, onde o Pastor Presidente é o Rev. Osmar José da Silva - CGADB, Tenho 1João 1:7-9 injetado na veia!.
    Blogger Comment
    Facebook Comment

0 Milhões de Confessos:

Postar um comentário

Não deixe de participar, a sua opinião é de extrema importância!

Críticas são bem vindas quando a pessoa se identifica.