LIÇÃO N° 3 - TRABALHO E PROSPERIDADE - 20 DE OUTUBRO DE 2013 - EBD - CPAD

LIÇÃO 3 - TRABALHO E PROSPERIDADE
20 DE OUTUBRO DE 2013



TEXTO ÁUREO
"A bênção do Senhor é que enriquece, e ele não acrescenta dores" (Pv 10.22).


VERDADE PRÁTICA
A Bíblia condena a inércia e a preguiça, pois é através do trabalho e da bênção de Deus que prosperamos.


LEITURA DIÁRIA


Segunda - Pv 10.22
A bênção do Senhor prospera
S
Terça - Pv 3.9,10
A generosidade gera prosperidade
T
Quarta - Pv 3.13-15
O conhecimento gera prosperidade
Q
Quinta - Pv 22.1324.34
A preguiça afasta a prosperidade
Q
Sexta - Pv 24.30
A preguiça gera displicência
S
Sábado - Pv 30.25
Poupar também é prosperar
S

LEITURA BÍBLICA EM CLASSE



Provérbios 3.9,1022.1324.30-34



ESBOÇO DO LIVRO DOS PROVÉRBIOS
METÁFORA
SIGNIFICADO
Do celeiro e do lagar
Uma vida abundante em Deus
Da formiga
O compromisso intenso com o trabalho e acapacidade de se poupar o que ganhou
Do leão
A concepção equivocada acerca do trabalho.
Este não deve causar medo, mas satisfação
e dignidade.
Dos espinheiros
Ociosidade na vida. A capacidade de não se apresentar qualquer disposição para o trabalho
  
INTRODUÇÃO

PALAVRA-CHAVE – TRABALHO: Conjunto de atividades, produtivas ou criativas, que o homem exerce para atingir determinado fim.

Nas lições anteriores, aprendemos que um provérbio bíblico utiliza a linguagem metafórica para expressar o seu real significado. De fato a palavra hebraica machal ? traduzida em nossas Bíblias como provérbio ?, possui um leque de significados: parábola, comparação, alegoria,  fábula, provérbio, dito enigmático, símbolo, argumentação ou apologia. Tais recursos linguísticos permeiam todo o livro dos Provérbios.
Na lição de hoje, veremos algumas das metáforas usadas pelos sábios para tratar da natureza do trabalho e sua importância. Elas revelam que o labor é uma condição necessária à expressão humana. Ao observarmos o campo, a imagem de um animal ou mesmo a atividade dos insetos, aprenderemos acerca da grandeza do trabalho. Era dessa forma que os sábios da antiguidade ensinavam, pois quando se entende tais metáforas, compreende-se melhor a natureza do trabalho.

I. A METÁFORA DO CELEIRO E DO LAGAR (Pv 3.9,10)

1. A dádiva que faz prosperar. Em Provérbios 3.9,10, está escrito que devemos honrar ao Senhor com nossas posses e com o melhor de nossa renda. Tal atitude, segundo o sábio, fará com que os nossos "celeiros" se encham abundantemente e que trasbordem de mosto os nossos "lagares". O celeiro e o lagar transbordantes são metáforas que representam uma vida abundante! O celeiro, tradução do hebraico asam, é o lugar onde se deposita a produção de grãos. Quando transbordava era sinal de casa farta! Vemos isso nas bênçãos decorrentes da obediência (Dt 28.8). Mas o conselho do sábio mostra que isso só é possível quando há generosidade em fazermos a vontade de Deus.
2. A bênção que enriquece.No mesmo texto, Salomão fala dos bens e da renda adquiridos como fruto do trabalho. Mas a verdadeira prosperidade não vem apenas de nosso esforço, mas principalmente do resultado direto da bênção do Senhor. É exatamente isso o que diz o sábio em Provérbios 10.22.
O celeiro e o lagar somente se encherão e trasbordarão quando a bênção de Deus estiver neles. É a bênção divina que faz a distinção entre ter posses e ser verdadeiramente próspero, pois é possível ser rico, mas não ser feliz. A prosperidade integral só é possível com a presença de Deus em nossa vida.

II. A METÁFORA DA FORMIGA (Pv 6.6-11)

1. As formigas sabem poupar. Na metáfora da formiga, o sábio nos exorta a tomarmos uma atitude prudente diante da realidade da vida: "Vai ter com a formiga". A palavra hebraica usada aqui é yalak, e possui o sentido de "mover-se", tomar uma atitude na vida (Pv 6.6)! Até os insetos podem nos dar lições sobre o trabalho! Mas não é apenas isso que aprendemos com as formigas. Ainda em Provérbios, o sábio Agur invoca o exemplo desses pequenos insetos (Pv 30.25). As formigas possuem uma noção sofisticada de trabalho ? "no verão [elas] preparam a sua comida". Isto é, as formigas sabem poupar! Elas não apenas trabalham, mas também poupam. O cristão deve aprender igualmente a poupar recursos para eventualidades futuras.
2. As formigas sabem ser autônomas. O texto de Provérbios diz que a formiga, mesmo "não tendo superior, nem oficial, nem dominador, prepara no verão o seu pão; na sega ajunta o seu mantimento" (Pv 6.7,8).
As formigas também são responsáveis e trabalham sem serem vigiadas. O erudito Derek Kidner observa o contraste entre elas e o preguiçoso, quando informa que a formiga não precisa de fiscal, enquanto o preguiçoso precisa ser advertido o tempo todo. A formiga discerne os tempos, o preguiçoso não!

III. A METÁFORA DO LEÃO (Pv 22.1326.13)

1. Conhecendo o leão. A metáfora do leão se encontra em duas passagens do livro de Provérbios (22.13 e 26.13). Há uma pequena variante nesses provérbios, mas o sentido é o mesmo ? o preguiçoso sempre arranja uma desculpa para fugir do trabalho! Ora o leão está "lá fora", ora está "no caminho" e ora está "nas ruas!". O leão é o mais forte dos animais, e a sua presença causa medo. O fato de o preguiçoso ver o trabalho como um leão significa que ele o encara como uma realidade difícil de ser enfrentada. Tem medo do trabalho, assim como tem medo do leão! É desnecessário dizer que essa é uma visão completamente equivocada do labor.
2. Matando o leão. Há alguns provérbios populares que expressam um sentido semelhante aos provérbios estudados acima. Por exemplo: "a vida é dura para quem é mole"; "matando um leão por dia". Tais ditos populares revelam que a vida pode ser difícil, dura, mas tem de ser enfrentada.
Não adianta ficar com medo do leão! O pastor Matthew Henry observa que esse "leão" é fruto da imaginação do preguiçoso e só serve para reforçar a sua inércia. Se há um leão lá fora, é o leão do qual falou o apóstolo Pedro, e ele está rugindo em busca de quem possa devorar (1 Pe 5.8). O preguiçoso será a sua principal presa!

IV. O TRABALHO E A METÁFORA DOS ESPINHEIROS (Pv 24.30-34)

1. Trabalho, prosperidade e espiritualidade!Já vimos que o trabalho possui também uma dimensão espiritual (Pv 3.9). Isso vai de encontro àquilo que pensa o senso comum acerca do trabalho. A ideia que ficou associada ao trabalho é a de que ele é algo meramente material e totalmente destituído de valor espiritual. Mas não é assim que pensa o sábio (Pv 24.30). Quando ele viu o campo do preguiçoso totalmente abandonado, cheio de espinheiros, a primeira sensação que teve foi de um "homem falto de entendimento".
É interessante observarmos que, no hebraico, essa expressão vem carregada de valores espirituais. A palavra hebraica usada para "entendimento" é leb, significando coração, entendimento e mente. A ideia é mostrar o que há no interior do homem ? a espiritualidade.  Andrew Bowling, especialista em hebraico bíblico, destaca que esse vocábulo é usado para indicar as funções imateriais da personalidade humana. Portanto, o trabalho é algo extremamente espiritual. Ninguém será menos crente porque trabalha, aliás, a verdade é justamente o contrário (Ef 4.282 Ts 3.10)!
2. Trabalho, ócio e lazer! A análise do sábio sobre a inércia do preguiçoso, que favoreceu o nascimento de espinheiros dentro da plantação, é uma forma de ironizar o ócio dele (Pv 24.33,34). Não dá para prosperar mantendo-se de braços cruzados, e muito menos ficando eternamente em repouso! É preciso se mexer. Todavia, esse é apenas um aspecto da questão, pois quem trabalha precisa de descanso e também de lazer! Deus criou o princípio do descanso semanal (Gn 2.2). Precisamos, inclusive, de tempo livre para estarmos a sós com Deus e com a nossa família.

CONCLUSÃO

O trabalho dignifica o homem e é por isso que devemos levá-lo a sério. Trabalhando, alcançaremos a verdadeira e bíblica prosperidade. Essa recomendação é valida também para os obreiros, pois se não tiverem cuidado, acabarão por mergulhar numa inércia pecaminosa.
Não devemos, todavia, nos fazer escravos do trabalho. Devemos estar disponíveis também a cultuar a Deus, cuidar de nossa família e, com ela, recrear-nos. Enfim, se nos dedicarmos ao trabalho, conforme recomenda-nos a Bíblia, teremos uma vida digna e tranquila na presença de Deus.

AUXÍLIO BIBLIOGRÁFICO I


Subsídio Teológico
"O Lazer e o Renascimento da Vida Sabática
Os teólogos cristãos há muito têm afirmado que para que a vida atinja seu potencial espiritual pleno, deve ser vivida de maneira dialética e rítmica. O lazer e o trabalho merecem quantidades proporcionadas de tempo e energia. Deste modo a alma pode ser nutrida na contemplação e o corpo ocupado no trabalho. O trabalho não é o inimigo. O inimigo é um estilo de vida que revolve-se exclusivamente em torno do trabalho. A inteireza na vida vem de reconhecer e experimentar a interação dos ritmos de trabalho, descanso, adoração e divertimento. Surge o reconhecimento da capacidade deles revitalizarem-se uns aos outros quando lhes é dado o devido lugar. Uma volta aos ritmos do sábado tem implicações refrescantes para indivíduos, famílias e a sociedade, embora integrá-los com os padrões de vida agitados e destrutivos de fins do século XX venha a testar a resolução até do mais devoto" (VOLF, Miroslav. Trabalho in PALMER, Michael D. (Ed.) Panorama do Pensamento Cristão. 1.ed. RJ: CPAD, 2001, p.272).

AUXÍLIO BIBLIOGRÁFICO II


Subsídio Teológico
"O que é Trabalho?
'Se ninguém me perguntasse, eu saberia; se quero explicar a quem me pergunta, não sei.' Era assim que Agostinho expressava sua dificuldade em definir 'tempo'. O mesmo parece verdade com 'trabalho'. Pensamos que sabemos o que é trabalho, mas, quando tentamos pôr em palavras o que pensamos que sabemos o que é trabalho, gaguejamos.
Começarei explicando o que é trabalho destacando algumas coisas. Primeiro, embora muito estrênuo, trabalho não é simplesmente labuta e fadiga, como alguns tendem a pensar, interpretando Gênesis 3 em parte incorretamente. Na verdade, muitos gozam do trabalho que fazem e os que fazem são os melhores trabalhadores. Não seria estranho dizer que os melhores trabalhadores não trabalham? Segundo, trabalho não é simplesmente emprego remunerado. Embora a maioria das pessoas nas sociedades industrializadas esteja empregada pela remuneração que percebem, muitos trabalham duro sem receber pagamento. Pegue, por exemplo, as donas de casa (raramente donos de casa) que gastam quase todas as horas em que estão acordadas mantendo uma casa em ordem e criando os filhos. Muitas delas com razão se ressentem quando as pessoas insinuam que não trabalham; isto é acrescentar um insulto ('você não trabalha') a uma injúria (elas não recebem pagamento).
Precisamos de uma definição abrangente de trabalho, uma que inclua o trabalho desfrutado e o trabalho sofrido, o trabalho remunerado e o trabalho voluntário. Uma definição muito simples de trabalho seria 'uma atividade que serve para satisfazer as necessidades humanas': Você prepara uma refeição para ter algo que comer; você digita manuscritos para receber um cheque. Em contraste, o propósito de jogar é jogar: Você joga futebol, porque gosta de jogar futebol; você lê um livro, porque gosta de ler livros. Claro que cozinhar pode ser seu passatempo, então você cozinha, porque você gosta de cozinhar, e encher estômagos vazios é, nesse caso, um benefício colateral. Semelhantemente, jogar futebol (se você é jogador profissional) ou ler livros (se você é aluno ou professor) pode ser seu trabalho; então você joga, porque precisa de dinheiro ou reconhecimento, e lê livros, porque precisa passar nos exames ou preparar uma conferência; a pura diversão de jogar ou ler é, então, uma coincidência feliz. Portanto, trabalhar é uma atividade instrumental: Não é feito para o seu próprio bem, mas para satisfazer necessidades humanas" (VOLF, Miroslav. Trabalho in PALMER, Michael D. (Ed.) Panorama do Pensamento Cristão. 1.ed. Rio de Janeiro: CPAD, 2001, pp.225-26).

1° SUBSÍDIO DA LIÇÃO 03 – TRABALHO E PROSPERIDADE - 4º TRIMESTRE 2013 (Pv 3.9,10; 22.13; 24.30-34)
INTRODUÇÃO
Nesta lição definiremos as palavras “trabalho e prosperidade”. Destacaremos que o trabalho foi criado por Deus antes do pecado para ser uma benção na vida do homem e que este imita ao seu Criador quando trabalha, ciente de que Deus o abençoa. Veremos também exortações bíblicas quanto aqueles que são preguiçosos; pontuaremos ainda a diferença entre ser rico e ser próspero; e, por fim, analisaremos quais os obstáculos que impedem o cristão de prosperar.
I – DEFINIÇÃO DA PALAVRA TRABALHO E PROSPERIDADE
O Aurélio define a palavra “trabalho” como “aplicação das forças e faculdade humanas para alcançar um determinado fim”; atividade coordenada, de caráter físico e/ou intelectual, necessária à realização de qualquer tarefa, serviço ou empreendimento”. No hebraico a palavra “ãmãl” é usada para se referir a “trabalho, labuta” (Gn. 41.51; Sl.105.44). Já a expressão “prosperidade” vem da palavra “prosperar”que por sua vez significa: “tornar-se próspero; progredir; desenvolver-se”. No contexto da nossa lição o trabalho é a causa e a prosperidade é a consequência na vida daquele que trabalha e agradece a Deus entregando-lhe o dízimo, as primícias da sua renda (Pv 3.9,10).
II – TRABALHO: UMA BENÇÃO DADA POR DEUS AO HOMEM
O trabalho é uma bênção de Deus e é necessário aos homens Pois comerás do trabalho das tuas mãos, FELIZ SERÁS, e te irá bem” (Sl 128.2). “Em todo trabalho há proveito” (Pv. 14.23-a).
2.1 O trabalho veio antes do pecado do homem. Diferente do que algumas pessoas imaginam, o trabalho não é o julgamento de Deus por causa do pecado de Adão (Gn 3.17-19). Se examinarmos corretamente as Escrituras, veremos que Deus colocou o homem no jardim do Éden para o “lavrar e o guardar”, ou seja, para trabalhar antes mesmo da desobediência ao Senhor (Gn 2.15). Adão já trabalhava antes de pecar, cuidando do jardim. Uma das consequências do pecado, além da morte, foi que o trabalho seria “penoso e suado” (Gn 3.19)e isso não significa que ele seja amaldiçoado por Deus. “Não é, pois, bom para o homem que coma e beba e que faça gozar a sua alma do bem do seu trabalho? Isto também eu vi que vem da mão de Deus” (Ec. 2.24).
2.2 O trabalho não foi o resultado do pecado. Desde a criação de Deus que o homem foi colocado no jardim para “trabalhá-lo, “cultivá-lo” (Gn 2.15) do hebraico “âbad”. A maldição (Gn 3.16-17) era apenas “a dor e a fadiga” que haviam de acompanhar o trabalho, não o trabalho em si. Isso é destacado quando Lameque diz, por ocasião do nascimento de Noé, que este “nos consolará dos nossos trabalhos e das fadigas de nossas mãos, nesta terra que o Senhor amaldiçoou” (Gn 5.29).
2.3 O homem “imita” seu Criador quando trabalhaAo trabalhar seis dias e descansar ao sétimo, Israel imitava a Deus ao criar o “kosmos” (Gn 2.1-2). O profeta Isaías disse que Deus trabalha “Porque desde a antiguidade não se ouviu, nem com ouvidos se percebeu, nem com os olhos se viu um Deus além de ti que trabalha para aquele que nele espera” (Is 64.4). Jesus fez também a seguinte declaração: “Meu Pai trabalha até agora, e eu trabalho também” (Jo 5.17).
2.4 Deus honra aquele que trabalha. Temos vários exemplos na Bíblia, de homens que sempre trabalharam para se manterem e não serem“pesados aos seus irmãos”como por exemplo: Davi era pastor de ovelhas (1Sm 16.19, 2Sm 7.8), Amós ganhava a vida como boieiro (Am 1.1), Jesus era carpinteiro (Mt. 13.55; Mc. 6.3), Paulo era fabricante de tendas (At. 18.1-3). “Vós mesmo sabeis que, para o que me era necessário, a mim e aos que estão comigo, estas mãos me serviram” (At 20.34). “Trabalhando com nossas próprias mãos” (1Co 4.12-b). “Porque bem vos lembreis, irmãos, do nosso trabalho e fadiga; pois, trabalhando noite e dia, para não sermos pesados a nenhum de vós...”(1Ts 2.9). “...nem, de graça, comemos o pão de homem algum, mas com trabalho e fadiga, trabalhando noite e dia, para não sermos pesados a nenhum de vós” (2Ts 3.8).
III – EXORTAÇÃO BÍBLICA AQUELE QUE É PREGUIÇOSO
O livro de Provérbios é o livro bíblico que mais faz alusões ao defeito da preguiça, ou indolência, descreve o preguiçoso como “indivíduo que gosta de dormir”. O preguiçoso não cuida de suas propriedades, nem de suas plantações, pelo que também está sujeito a padecer fome, em contra partida aquele que trabalha prospera (Pv 6.6,9; 13.4; 15.9; 24.30; 26.13-16). A condição do preguiçoso é tão lamentável que mesmo tendo alimento para comer, ele tem preguiça de levá-los a boca (Pv 19.24). Vive criando desculpas esfarrapadas para nada fazer, como aquele que diz que há um leão solto nas ruas, o que o impede de ir ao trabalho (Pv 22.13). Ele se dá por sábio ao evitar trabalhar dizendo que está evitando o desgaste físico, preferindo as fantasias do que o trabalho, que na sua concepção é cansativo e difícil (Pv 13.4; 21.25). Fazendo assim o preguiçoso não somente cai em desgraça mas também leva a ruína aquele a quem tiver de prestar algum serviço (Pv 10.26).
IV – A DIFERENÇA ENTRE SER RICO E SER PRÓSPERO
A verdadeira prosperidade não é sinônimo de riqueza material, como muitos pensam. Nem sempre um homem rico pode ser considerado como próspero e, da mesma maneira, não podemos dizer que um homem pobre não possa ser próspero. A diferença consiste em possuir a benção de Deus sobre o que se tem (Dt 11.27; 16.17; 28.2,8; Ef 1.3). Nas Sagradas Escrituras, ser próspero não significa, necessariamente, possuir riqueza e bens materiais. José, por exemplo, era próspero, mesmo quando estava como escravo, ou até mesmo na prisão (Gn 39.2,3; 39.23); Daniel e os três jovens hebreus prosperaram em Babilônia, mesmo na condição de cativos (Dn 3.30; 6.28). A prosperidade depende, principalmente, da obediência a Deus, e à Sua Palavra (Nm 14.41; Dt 29.9; Js 1.8; I Rs 2.3; II Cr 24.20; Sl 1.1-3)
V – OBSTÁCULOS PARA QUE O CRENTE NÃO PROSPERE
5.1 Anegligência quanto ao dízimo. O Dízimo, é uma oferta entregue voluntariamente à obra de Deus, constituindo-se da décima parte da renda do servo de Deus. Antes da Lei, já encontramos alguns exemplos de entrega dos dízimos:
Abraão (Gn 14.18-20; Hb 7.4); e Jacó (Gn 28.18-22). Mas, foi na Lei que Deus estabeleceu princípios para a entrega dos dízimos. O Senhor Jesus não apenas reconheceu a importância da prática do dízimo, mas também recomendou (Mt 23.23); e, o apóstolo Paulo, escrevendo aos coríntios, fez referência ao dízimo para extrair o princípio de que o obreiro é digno do seu salário (I Co 9.9-14 cf Lv 6.16,26; Dt 18.1). Eis alguns princípios que estão envolvidos na prática do dízimo:  (1) OBEDIÊNCIA, pois é um mandamento do Senhor (Nm 18.21-32; Dt 12.1-14; 14.22-29; Ml 3.10); (2) GRATIDÃOreconhecendo que tudo o que temos é porque Ele tem nos dado (I Cr 29.14; Sl 103.5; Mt 11.6; Rm 11.36); (3) SERVIÇO, pois entregando o dízimo estamos contribuindo na manutenção da obra do Senhor (Ml 3.10). Logo, não dizimar é ser desobediente, ingrato e negligente com a obra de Deus. E sendo assim o crente sofrerá a punição do Senhor (Ml 3.7-9).
5.2 O desequilíbrio na mordomia dos bens. Muita pessoas não conseguem prosperar, principalmente na área financeira porque são desequilibradas quanto a administração daquilo que possuem. Vejamos alguns problemas do mal uso do dinheiro:
5.2.1 Consumismo - De acordo com o Aurélio, consumismo é o “Sistema que favorece consumo exagerado” é a “tendência a comprar exageradamente”. A Bíblia adverte: “O que amar o dinheiro nunca se fartará de dinheiro; e quem amar a abundância nunca se fartará da renda; também isto é vaidade” (Ec 5.10). Alcançar todos os bens que se deseja não dá a ninguém a satisfação plena. Paulo encontrou na pessoa de Cristo, o equilíbrio no que tange às coisas materiais (Fp 4.11).
5.2.2 Avareza - É o amor ao dinheiro, que causa uma verdadeira escravidão e dependência (I Tm 6.9,10). Deus não condena o dinheiro em si, mas, a ambição, cobiça, exploração, e usura. Abraão era homem muito rico; Jó era riquíssimo, antes e depois de sua provação (Jó 1.3,10); Davi, Salomão e outros reis acumularam bens e nenhum deles foi condenado por isto. O que a Bíblia condena é a ambição desenfreada pelos bens (Pv 28.20; Dt 8.11; Pv 11.28; Mc 4.19; Pv 23.4,5; Pv 28.11; Pv 5.10).
5.2.3 Dívidas - Muitas pessoas estão em situação difícil, por causa do uso irracional de benefícios oferecidos como facilidades pelo comércio, tais como: cartão de crédito, cheque, crediário, empréstimos, etc. As dívidas podem provocar muitos males, tais como: desequilíbrio financeiro, inadimplência, intranquilidade; provocando até certos aparecimentos de doenças, desavenças no lar; perda de autoridade e o mau testemunho perante os ímpios (Pv 6.1-5; 11.15).
CONCLUSÃO
Certo pensador já disse: “o sucesso só vem antes do trabalho no dicionário” e como pudemos ver, esta assertiva é verdadeira, pois o preguiçoso deseja tudo e nada tem (Pv 13.4). No entanto, biblicamente podemos destacar que além de trabalhar o crente deve ser grato a Deus entregando-lhe os dízimos, sabedor de que fazendo assim contará com a benção de Deus sobre a sua vida.
REFERÊNCIAS
• STAMPS, Donald C. Bíblia de Estudo Pentecostal. CPAD.
• CHAMPLIN, R. N. Enciclopédia de Bíblia, Teologia e Filosofia. HAGNOS.

1º Vídeo Pré-Aula - Dicas da CPAD para que o professor possa dar uma boa aula: O pastor Natalino das Neves ajuda você na preparação da sua aula de Escola Dominical.

2º Vídeo Pré-Aula - Dicas da CPAD para que o professor possa dar uma boa aula: O AD Londrina ajuda você na preparação da sua aula de Escola Dominical.


3º Vídeo Pré-Aula - Dicas da CPAD para que o professor possa dar uma boa aula: O pastor Caramuru ajuda você na preparação da sua aula de Escola Dominical.



4º Vídeo Pré-Aula - Dicas da CPAD para que o professor possa dar uma boa aula: O pastor Fábio Segantin ajuda você na preparação da sua aula de Escola Dominical.


5º Vídeo Pré-Aula - Dicas da CPAD para que o professor possa dar uma boa aula: O pastor da CPAD ajuda você na preparação da sua aula de Escola Dominical.


6º Vídeo Pré-Aula - Dicas da CPAD para que o professor possa dar uma boa aula: O AD Linhares ajuda você na preparação da sua aula de Escola Dominical.


7º Vídeo Pré-Aula - Dicas da CPAD para que o professor possa dar uma boa aula: O TV Escola Dominical ajuda você na preparação da sua aula de Escola Dominical.

  
8º Vídeo Pré-Aula - Dicas da CPAD para que o professor possa dar uma boa aula: O EBD Fora da Caixa ajuda você na preparação da sua aula de Escola Dominical.



Vídeo Extra Pré-Aula 
- Dicas da CPAD para que o professor possa dar uma boa aula: O Pastor Moises Rosa da Conceição ajuda você na preparação da sua aula de Escola Dominical.











 PORTAL ESCOLA DOMINICAL
4º Trimestre de 2013 - CPAD
SABEDORIA DE DEUS PARA UMA VIDA VITORIOSA: A atualidade de Provérbios e Eclesiastes
Comentários da revista da CPAD: Pr. José Gonçalves
Consultor Doutrinário e Teológico da CPAD: Pr. Antonio Gilberto
ESBOÇO Nº 3
LIÇÃO Nº 3 – TRABALHO E PROSPERIDADE
O trabalho é indispensável para que tenhamos recursos necessários à nossa sobrevivência sobre a face da Terra.
INTRODUÇÃO
- Na sequência do estudo sobre o livro de Provérbios, estudaremos o que o proverbista nos ensina sobre a necessidade e dignidade do trabalho.
- O trabalho é indispensável para que tenhamos recursos necessários à nossa sobrevivência sobre a face da Terra.
I – O PRINCÍPIO DO TRABALHO NA ÉTICA BÍBLICA
- Na sequência do estudo sobre o livro dos Provérbios, estudaremos hoje o que o proverbista fala a respeito do trabalho e da sua necessidade sobre a face da Terra para que nós aqui sobrevivamos.
- Antes de adentrarmos no estudo das passagens do livro de Provérbios que tratam da questão do trabalho, é importante verificarmos o que as Escrituras Sagradas falam a respeito deste assunto.
A Bíblia já tem seu início com o Senhor trabalhando, como se verifica de Gn.1:1, quando vemos o Senhor criando os céus e a terra. Assim, não é surpresa que, ao formar um jardim para o homem no Éden, homem que foi criado à Sua imagem e semelhança, tenha, também, determinado que ele trabalhasse naquele local (Gn.2:15).
O homem, ao ser criado, foi feito para o trabalho, pois tinha de ser, em tudo, semelhante ao seu Criador, que é um ser trabalhador. Não foi por outro motivo que Aquele que é a expressa imagem de Deus (Hb.1:3), ou seja, Nosso Senhor e Salvador Jesus Cristo, apresentou-Se como um trabalhador, precisamente porque o Pai também é trabalhador (Jo.5:17).
- O trabalho, portanto, é uma atividade que faz com que o homem se torne semelhante a Deus, e é por isso que se costuma dizer que “o trabalho dignifica o homem”, precisamente porque é através do trabalho que o homem demonstra um dos aspectos de Sua semelhança com Deus. Por isso mesmo, quando atingirmos a glorificação e estivermos para sempre com o Senhor, seremos como os anjos (Mt.22:30), anjos que não cessam de servir ao Senhor, de trabalhar (Sl.103:20,21).
Mesmo antes do pecado, pois, o homem já era chamado a trabalhar, devendo lavrar e guardar o jardim do Éden. Temos aqui, aliás, as duas espécies de trabalho: o trabalho manual (lavrar) e o trabalho intelectual (guardar), a demonstrar que todo o ser do homem (espírito, alma e corpo) está envolvido nesta suprema tarefa que Deus deu, com exclusividade, ao ser humano.
OBS: Por sua biblicidade, reproduzimos aqui um trecho da encíclica “Laborem exercens” do Papa João Paulo II (1978-2005): “…Feito à imagem e semelhança do mesmo Deus no universo visível e nele estabelecido para que dominasse a terra, o homem, por isso mesmo, desde o princípio é chamado ao trabalho. O trabalho é uma das características que distinguem o homem do resto das criaturas, cuja actividade, relacionada com a manutenção da própria vida, não se pode chamar trabalho; somente o homem tem capacidade para o trabalho e somente o homem o realiza preenchendo ao mesmo tempo com ele a sua existência sobre a terra. Assim, o trabalho comporta em si uma marca particular do homem e da humanidade, a marca de uma pessoa que opera numa comunidade de pessoas; e uma tal marca determina a qualificação interior do mesmo trabalho e, em certo sentido, constitui a sua própria natureza…” (Carta encíclica Laborem exercens. Preâmbulo. Disponível em: http://www.vatican.va/holy_father/john_paul_ii/encyclicals/documents/hf_jp-ii_enc_14091981_laborem-exercens_po.html Acesso em 03 set. 2013).
- O trabalho, portanto, nada mais representa uma atividade que faz com que o homem se aproxime de Deus, demonstre sua semelhança com Ele e, deste modo, possa, por intermédio dele, glorificar ao Senhor, pois são as obras realizadas pelo homem que produzem a glorificação a Deus (Mt.5:16).
OBS: No tratado “Pirke Avot” (a”Ética dos Pais”), considerado o “livro de Provérbios” do Talmude, o segundo livro sagrado do judaísmo, assim está escrito: “…Ama o trabalho, não queiras postos de mando e não te faças íntimo dos governantes” (1:10)
- Vemos, portanto, que o trabalho é um dos princípios estabelecidos por Deus para a ordenação ética da humanidade, uma das bases para a construção da conduta que todo ser humano deve ter sobre a face da Terra.
- Com a entrada do pecado no mundo, o trabalho, como tudo o que compõe a ordem estabelecida por Deus ao homem, sofreu uma alteração. Por causa do pecado, o trabalho mudou a sua característica e, em virtude da transgressão, passou a ser penoso e necessário para a própria sobrevivência da humanidade.
Quando pronunciou os Seus juízos sobre o primeiro casal, em virtude de sua transgressão, Deus afirmou que, doravante, o trabalho, que era tão somente prazeroso e motivo de dignificação do homem e glorificação a Deus, passaria a ser penoso: “com dor comerás dela [terra] todos os dias da tua vida. Espinhos e cardos também te produzirás e comerás a erva do campo. No suor do teu rosto comerás o teu pão, até que te tornes à terra” (Gn.3:17b-19a).
- O trabalho, com o pecado, passou a ser penoso, uma atividade que teria obstáculos a partir da própria natureza, que seria feito com sofreguidão. Assim, o pecado não trouxe o trabalho como penalidade, como alguns desavisados (ou preguiçosos…) pensam e até ensinam, mas, tão somente, a penosidade do trabalho, prova de que, na eternidade, continuaremos a trabalhar, mas apenas como prazer, não como algo difícil e sofrível.
- Mas, além de o trabalho ter se tornado penoso com a entrada do pecado no mundo, também passou a ser uma condição necessária para a sobrevivência do homem. Até o pecado, o homem não dependia do pecado para sobreviver. Deus havia criado no jardim do Éden todas as condições para que o homem se alimentasse e sobrevivesse sem que o trabalho fosse um fator para tal sobrevida.
- No entanto, a partir da prática do pecado, o Senhor disse que a sobrevivência do homem dependeria “do suor do seu rosto”, ou seja, do trabalho, sem o qual não se teria como viver sobre a face da Terra. O trabalho se constituiu, assim, na base de toda a ordem econômica, na única forma lícita de apropriação dos recursos existentes no mundo criado por Deus para que se possa amealhar patrimônio e bens a fim de se poder sobreviver enquanto peregrinamos por aqui.
- Muito antes dos economistas como Adam Smith, Ricardo e Karl Marx, Salomão já nos mostrava que o trabalho é o fator que injeta recursos na economia, que gera valores para a sociedade e, inclusive, que sustenta a própria estrutura patrimonial de alguém. Basta lermos, por exemplo, Pv.13:11, onde se diz que “a fazenda que procede da vaidade diminuirá, mas quem a ajunta pelo trabalho terá aumento”. O trabalho é necessário não só para a aquisição de recursos, mas também para mantê-la. Esta verdade bíblica vemos reproduzida em tantos casos em que pessoas que herdam fortunas sem ter tido qualquer esforço para adquiri-las, ao deixarem o trabalho de lado, acabam por perdê-las totalmente.
- Este mesmo pensamento, Salomão nos deixa em Pv.14:4, quando afirma que “não havendo bois, o celeiro fica limpo, mas, pela força do boi, há abundância de colheitas”, a nos mostrar que, somente pelo trabalho, se adquirem valores para a sociedade.
OBS: No “Pirke Avot”, a importância do trabalho é tanta que deveria ser executado inclusive para os que se dedicavam ao estudo da lei de Moisés, como se vê no seguinte trecho: “…É bom estudar a Tora e ter simultaneamente um trabalho, pois ocupar-se com ambos faz esquecer o pecado e todo estudo da Tora que não for acompanhado de um ofício é vão e conduz ao pecado” (2:2).
- O trabalho, portanto, que é elemento que dignifica o homem, que o torna semelhante a Deus, passou a ser, também, o meio pelo qual o homem conseguiria obter recursos da natureza para poder sobreviver neste mundo, a base de toda a ordem econômica, que se constitui em um dos pilares da própria vida em sociedade.
OBS: “…É MEDIANTE O TRABALHO que o homem deve procurar-se o pão quotidiano e contribuir para o progresso contínuo das ciências e da técnica, e sobretudo para a incessante elevação cultural e moral da sociedade, na qual vive em comunidade com os próprios irmãos. E com a palavra trabalho é indicada toda a actividade realizada pelo mesmo homem, tanto manual como intelectual, independentemente das suas características e das circunstâncias, quer dizer toda a actividade humana que se pode e deve reconhecer como trabalho, no meio de toda aquela riqueza de actividades para as quais o homem tem capacidade e está predisposto pela própria natureza, em virtude da sua humanidade…” (JOÃO PAULO II, end.cit.).
- O ócio é uma atitude de quem não serve a Deus. Por isso, o proverbista afirma que “o que lavra a sua terra se fartará de pão, mas o que segue a ociosos está falto de juízo” (Pv.12:11). Ora, o “falto de juízo” é aquele que não tem a sabedoria divina, que não serve ao Senhor, que recusa d’Ele aprender.
OBS: No “Pirke Avot”, este pensamento é repetido: “…Aquele que não dorme de noite ou que anda sozinho pelo caminho e dedica seu coração à futilidade compromete a sua alma (3:5).” “…O sono (até tarde) da manhã, o vinho do meio dia, as conversas infantis e a convivência com os ignorantes arrebatam o homem do mundo (3:14)”.
- Ante este papel relevantíssimo que o trabalho exerce em nossa existência terrena, não é de se admirar que, sobre este tema, tenha o sábio Salomão se debruçado em algumas passagens do livro de Provérbios, vez que o saber conduzir-se nesta vida debaixo do sol exige, certamente, que tenhamos a real consideração do que representa o trabalho e de como devemos exercê-lo enquanto aqui estivermos em nossa jornada ao céu.
II – A ILUSTRAÇÃO DA FORMIGA
- A primeira vez que Salomão trata a respeito da questão do trabalho é o que nosso comentarista denominou de “a metáfora da formiga”, ainda na primeira parte do livro de Provérbios, os chamados “conselhos paternais”, que vão do capítulo 1 ao capítulo 9.
- Em Pv.6:6-11, Salomão faz uma comparação implícita (daí termos uma “metáfora”, que é uma figura de linguagem em que se faz uma comparação a partir de ideias, comparação esta que não está explícita no texto) entre a formiga e o homem trabalhador, recriminando, assim, o preguiçoso.
Salomão manda que o preguiçoso fosse ter com a formiga, ou seja, que examinasse e prestasse atenção à formiga e aprendesse com ela a importância do trabalho. É interessante, de pronto, observarmos que a natureza, criação de Deus, pode, sim, trazer-nos importantes ensinos para a nossa vida espiritual.
- A natureza é criação de Deus e a criação, além de revelar a glória e majestade do Criador (Sl.19:1-3; Rm.1:18-20), também nos traz importantes ensinos, pois Deus, ao criar todas as coisas, também deixou nelas a Sua marca e Deus sempre está a ensinar aqueles que podem d’Ele aprender, ou seja, os seres racionais, os seres humanos. Por isso, aliás, como demonstração da sua sabedoria, Salomão investigou a natureza e dela apreendeu grandes lições (I Rs.4:33).
A formiga é uma criatura de Deus que nos ensina muito mesmo a respeito do trabalho. Assim como o homem, a formiga é um ser social, ou seja, não pode viver isoladamente e, para a própria sobrevivência e do grupo a que pertence, é exímia no trabalho, ou seja, está sempre levando alimentos para a sua colônia, incansavelmente, e da união dos esforços de todos os integrantes desta “sociedade”, advém a própria sobrevivência e a preservação da espécie.
- Quem olha para os caminhos da formiga, adquire sabedoria (Pv.6:6). A formiga trabalha sem que, para tanto, tenha superior, oficial ou dominador. É um ser que “cumpre o seu dever” pela sua própria natureza, sem precisar ser fiscalizado, “cobrado” ou ameaçado para fazê-lo.
OBS: No “Pirke Avot”, vemos esta consciência de que devemos trabalhar por ser um princípio divino, trabalhar para Deus: “…Sê diligente no estudo da Tora; sabe o que deves responder ao epicurista; considera perante quem te esforças e quem é o senhor que irá retribuir o pagamento por teu trabalho.(…). O dia é curto, o trabalho imenso, os operários indolentes, o salário considerável e o patrão, insistente (…) Não te cabe terminar a obra, mas não és livre para abandoná-la; se tiveres estudado muito a Tora, o teu prêmio será grande e fiel é o senhor para quem trabalhas, pagando-te a recompensa do teu esforço, lembra-te de que a recompensa dos justos está no mundo vindouro” (2:19-21).
- Isto nos faz lembrar o que o apóstolo Paulo ensina a respeito dos servos em Ef.6:5-8, onde afirma que, apesar de os homens terem senhores, oficiais, superiores e dominadores, não devemos servi-los, mas, sim, ao Senhor, ou seja, assim como a formiga executa o seu trabalho independentemente da existência de um superior, nós devemos também trabalhar independentemente da existência de um superior, “não servindo à vista”, mas servindo a Deus, sabendo que quem instituiu o trabalho e exige de nós a diligência é o Criador de todas as coisas, a quem deveremos prestar contas.
A formiga aproveita as oportunidades que o próprio Deus lhe dá, trabalhando no verão para que possa subsistir no inverno. Lembremos que, em Israel, o inverno, como em toda região temperada, é rigoroso e a vegetação praticamente desaparece. Se a formiga não ajuntar no verão, não terá alimento no inverno.
- Devemos trabalhar quando se nos dá a oportunidade de fazê-lo, inclusive para que tenhamos reservas nos instantes em que não houver trabalho. O consumismo desenfreado de nossos dias tem feito com que muitos sofram terrivelmente quando falta o emprego, quando falta o trabalho, precisamente porque não olharam para a formiga, não tendo o cuidado de guardar parte do ganho lícito através do trabalho para o “inverno”, para o dia em que não haverá oportunidade de obtenção de recursos para a sobrevivência.
O preguiçoso, ou seja, aquele que não gosta de trabalhar encontra-se, desta maneira, em situação inferior ao de um inseto, como é a formiga. Veja, amados irmãos, a que nível se rebaixa o ser humano quando desobedece à Palavra de Deus, quando se deixa levar pelo pecado, quando se põe em caminho diametralmente oposto ao estatuído pelo Senhor!
- Quando Salomão afirma que o preguiçoso precisa atentar para a formiga a fim de ser sábio, isto nos mostra, claramente, que o preguiçoso é um néscio, trata-se de alguém que é chamado pelo proverbista de “simples”, “louco” ou “tolo”. O preguiçoso é alguém que recusa servir a Deus, que não quer seguir os Seus mandamentos.
- Por isso mesmo, a preguiça é um pecado, visto que se trata de um comportamento que viola uma ordem divina, que é a de que o homem deve trabalhar para seu sustento. Mas o que é preguiça? É a aversão ao trabalho, é a procura de uma vida sem esforço físico ou mental, de tal maneira que o preguiçoso sempre buscará sobreviver mediante mecanismos que não o levem a ter qualquer esforço.
- Por isso, Salomão apresenta um preguiçoso como uma pessoa que vive deitada, ou seja, não quer fazer qualquer esforço, tendo “um pouco de sono, um pouco de tosquenejar, um pouco de encruzar de mãos” (Pv.6:9,10).
O resultado da preguiça é a pobreza e a necessidade. Somente através do trabalho poderemos legitimamente amealhar os recursos para a nossa sobrevivência e, mesmo, para a melhora de nossas condições econômico-financeiras, materiais. O preguiçoso, entretanto, porque não trabalha, está fadado à pobreza, ao passar necessidades materiais (Pv.6:11).
- Este mesmo pensamento Salomão trará em Pv.20:4, onde diz que “o preguiçoso não lavrará por causa do inverno, pelo que mendigará na sega e nada receberá”, que, na Bíblia de Jerusalém, encontra-se assim traduzido: “No outono, o preguiçoso não trabalha, na colheita procura e nada encontra”.
- Aqui Salomão deixa bem claro que aquele que não trabalha, não terá o que comer, mesmo diante das medidas assistencialistas existentes. Lembremos que, ao falar que o preguiçoso “na colheita procura e nada encontra”, o rei está se referindo às regras existentes na lei de Moisés, segundo a qual os rabiscos da colheita,
o que caísse no solo ou ficasse na primeira retirada dos frutos da terra, não deveria ser colhido, mas deixado para o pobre, o órfão e a viúva (Lv.19:9; 23:22; Rt.2:2). Assim, nem mesmo aquilo que é voltado para o pobre, para o necessitado poderá ser usufruído por aquele que é preguiçoso!
Não há, portanto, forma mais eficaz de eliminar a pobreza do que o trabalho. Somente através do trabalho, o homem poderá obter legitimamente não só a sua sobrevivência, mas até mesmo o seu progresso material. Trata-se de um princípio bíblico e que reflete a própria ordem estabelecida por Deus à humanidade.
- Lamentavelmente, não são poucos os que têm adotado doutrinas e filosofias que contrariam frontalmente o que está estabelecido na Bíblia Sagrada e querem promover o crescimento econômico-financeiro por caminhos outros que não o trabalho.
- Vemos, inclusive em nosso país, a proliferação de políticas assistencialistas, que querem elevar o nível econômico-financeiro dos mais necessitados através do trabalho dos outros, o que se constitui numa ilusão e numa prática que não traz qualquer dignidade ao homem e, muito ao contrário do que se pensa, também não promove a melhora de suas condições materiais.
- É evidente que se deve ter uma política de melhor distribuição de renda, pois a concentração dos recursos auferidos pelo trabalho dos homens na mão de alguns poucos se constitui em flagrante injustiça, que também não tem a aprovação do Senhor, mas fazer com que as pessoas passem a viver única e exclusivamente do trabalho dos outros é, sem dúvida, um engano, uma ilusão, que só cria dependência para a manutenção de uma estrutura de poder, mas que está muito longe de propiciar mecanismos dignos de sobrevivência ao ser humano.
- O mais grave é que muitos que cristãos se dizem ser têm apoiado e querido se beneficiar de tais programas assistencialistas e incentivadores da preguiça, inclusive se aliando a seus idealizadores e executores, contribuindo decisivamente para que tais pessoas continuem a aumentar o seu poder na sociedade, o que nada mais representa senão um contínuo empobrecimento de toda a nação, inclusive daqueles que são iludidos pela falácia do enriquecimento sem trabalho. Fiquemos com a Palavra de Deus, amados irmãos!
III – PROVÉRBIOS A RESPEITO DO PREGUIÇOSO
- Depois de ter dado a ilustração a respeito da formiga, na parte referente aos chamados “conselhos paternais”, Salomão vai tratar do preguiçoso em vários de seus provérbios, que foram compilados seja em seu tempo (a segunda parte do livro – Pv.10-24), seja nos dias do rei Ezequias (Pv.25-29).
- Nestes provérbios, Salomão traz, de forma sintética e um tanto quanto enigmática, alguns ensinos a respeito do preguiçoso, daquele que tem aversão ao trabalho, que nos mostram como é absolutamente necessário, para sabermos viver nesta Terra de forma agradável a Deus, cumprirmos o mandamento do trabalho, que o Papa Paulo VI (1963-1978) chamou, certa feita, numa expressão muito feliz, de “a lei severa e redentora do trabalho”.
- Em Pv.10:26, Salomão afirma o seguinte: “Como vinagre para os dentes, como fumaça para os olhos, assim é o preguiçoso para aqueles que o mandam” (Pv.10:26). Temos aqui uma comparação que nos mostra quanto o trabalho é importante para os relacionamentos sociais.
- O preguiçoso, aquele que tem aversão ao trabalho, recusa-se a trabalhar, não quer fazer coisa alguma e, por isso mesmo, diante daqueles a quem deve obediência, a quem deve executar tarefas, apresenta-se como pessoa incômoda, pessoa desagradável, pessoa que só gera problemas e sofrimentos.
- O preguiçoso é, para aquele que nele manda, para aquele que o envia a fazer, a realizar alguma tarefa, tão incômodo como o vinagre nos dentes, como a fumaça nos olhos. Todos sabemos que a fumaça nos olhos causa incômodo, dor, lágrimas, pois a fumaça irrita as sensíveis estruturas oculares e Salomão nos mostra que o preguiçoso causa semelhante mal-estar para aqueles que com ele convivem.
A preguiça, portanto, além de ser um fator promotor da pobreza, também se apresenta como um elemento que provoca irritação e mal-estar em nossos relacionamentos sociais, um isolamento que faz com que haja ainda mais sofrimento ao preguiçoso, tendo em vista que não podemos viver isoladamente, já que somos seres sociais. Não é coincidência, portanto, que os preguiçosos acabem sendo completamente marginalizados na sociedade em que vivem.
- Como um servo do Senhor, que tem a missão de fazer com que as pessoas se aproximem de Deus, que deve propagar a mensagem do Evangelho, pode ser um preguiçoso, alguém que gera irritação e mal-estar entre as pessoas que o cercam? Não há, mesmo, qualquer compatibilidade entre uma condição e outra. Pensemos nisto!
- Em Pv.12:27, Salomão afirma: “O preguiçoso não assará a sua caça, mas o bem precioso do homem é ser diligente” (Pv.12:27). Temos aqui outra preciosa lição a respeito dos males da preguiça e do ócio.
- O preguiçoso não assa a sua caça, ou seja, não há como alguém que tenha aversão ao trabalho venha alcançar objetivos e propósitos que trace nesta vida debaixo do sol. Salomão aqui mostra que quem não se esforça para caçar um animal, para capturá-lo a fim de se alimentar, jamais poderá assá-lo. O preguiçoso não assa a sua caça, porque não a apanha, não toma os devidos cuidados para poder ter o animal em suas mãos.
- Não são poucos os que constroem projetos, alimentam sonhos, criam planos, mas não “põem a mão na massa” para que estes projetos, sonhos e planos se concretizem. Não trabalham, acham que tudo quanto idealizaram virá da Providência Divina ou do esforço de terceiros.
- O bem precioso do homem, diz o proverbista, é ser diligente, ou seja, o ser cuidadoso, o se esforçar para ter os meios pelos quais se atingirá uma finalidade, um determinado objetivo. É muito bom sonhar, projetar e planejar, mas se deve ter o cuidado de obter os meios pelos quais se poderá atingir os objetivos almejados, desejados e queridos.
- Quando alguém é cuidadoso, quando alguém se encarrega de tomar as devidas ações e atitudes que lhe levem até o fim que pretende alcançar, e este meio, em termos materiais, é sempre o trabalho, não há como impedir que se atinja aos fins visados.
- O preguiçoso não irá a lugar algum, pois tudo não passa de devaneio, sonho ou projeto vão. Sem que se tenha o esforço, o trabalho, nada será alcançado. Vemos isto na própria obra de Deus, que é a mais sublime tarefa que existe sobre a face da Terra. Para que tal obra se realize, diz o apóstolo Paulo, mister se faz que haja firmeza, constância e abundância no trabalho (I Co.15:58).
- Assim como o Senhor Jesus, temos de trabalhar, apesar de Deus também o fazer (Jo.5:17). Deus está conosco, mas isto não dispensa o nosso trabalho. Como dizia o saudoso pastor Severino Pedro da Silva (1946-2013): “Quando nós começamos, Deus começa também”. É absolutamente indispensável que ponhamos a mão no arado, pois, assim, Deus também estará conosco. Agora, se nada fizermos, nada alcançaremos, nada se fará.
A inércia proveniente da preguiça, da aversão ao trabalho, impede que se atinjam os objetivos que podem ser alcançados. É precisamente por isso que o inimigo de nossas almas deseja-nos preguiçosos e inertes, visto que isto impedirá que atinjamos as bênçãos que já estão preparadas para nós, que tenhamos o progresso que Deus quer nos dar, não só em termos materiais, mas, sobretudo, em termos espirituais.
- Neste passo, a doutrina católico-romana apresenta a preguiça ou “acídia” como um dos “pecados capitais”, porque se trata de um pecado que gera outros pecados. A inércia decorrente da preguiça causa estagnação espiritual e, em termos espirituais, nunca se está parado, ou se avança, ou se vai para trás e a preguiça, ao impedir o avanço, faz com que a pessoa decaia espiritualmente cada vez mais, daí ser um pecado gerador de outros pecados.
- O Catecismo da Igreja Romana, a propósito, ao tratar da preguiça, sempre o faz sob o prisma espiritual. Assim, afirma que “…a acídia ou preguiça espiritual chega a recusar até a alegria que vem de Deus e a ter horror ao bem divino.…” (§ 2094). A preguiça, em termos espirituais, é a falta de vontade de busca ao Senhor, de exercício das virtudes, de culto ao Senhor, característica, aliás, que cada vez mais se apresenta entre os que cristãos se dizem ser.
- Também é uma forma de preguiça espiritual o chamado “agnosticismo”, ou seja, a posição de que não convém perquirir se Deus existe ou não, a falta de vontade de se indagar a respeito da pessoa de Deus, deixando este assunto de lado. Trata-se, também, de uma aversão ao trabalho de busca e de contato com o Senhor.
OBS: “O agnosticismo pode, às vezes, conter certa busca de Deus, mas pode igualmente representar um indiferentismo, uma fuga da pergunta última sobre a existência e uma preguiça da consciência moral. Com muita frequência o agnosticismo equivale a um ateísmo prático.” (§ 2128 CIC).
- Por fim, o Catecismo da Igreja Romana também nos fala da preguiça espiritual como sendo uma tentação decorrente do relaxamento da vida de santificação, de uma diminuição da vigilância, de uma negligência do coração, que faz com que se esteja mais propenso a cair no pecado e a se perder a salvação. Quanto mal produz a preguiça espiritualmente!
OBS: “Outra tentação, cuja porta é aberta pela presunção, é a acídia (chamada também "preguiça"). Os Padres espirituais entendem esta palavra como uma forma de depressão devida ao relaxamento da ascese, à diminuição da vigilância, à negligência do coração. "O espírito está pronto, mas a carne é fraca" (Mt 26,). Quanto mais alto se sobe, tanto maior a queda. O desânimo doloroso é o inverso da presunção. Quem é humilde não se surpreende com sua miséria. Passa então a ter mais confiança, a perseverar na constância.” (§ 2733 CIC).
- Este mesmo pensamento é registrado em Pv.13:4, onde se diz que “a alma do preguiçoso deseja e coisa nenhuma alcança, mas a alma dos diligentes engorda”. Temos aqui a demonstração de que o preguiçoso tem frustrados os seus desejos e projetos, simplesmente porque não os executa, tem aversão ao trabalho, ao passo que aquele que é cuidadoso, tanto em sua vida material, quanto em sua vida espiritual, cuidado este demonstrado pelo trabalho, pelo esforço, terá riquezas espirituais e materiais, conseguirá atingir seus objetivos e obter as bênçãos do Senhor.
-O preguiçoso até fala, mas não age. Não basta falar, é preciso que nos dediquemos ao trabalho, como diz o proverbista em Pv.14:23: “Em todo trabalho há proveito, mas a palavra dos lábios só encaminha para a pobreza.”. O preguiçoso, por falar apenas, encaminha-se para a pobreza, pois não age, não se dedica ao trabalho.
- Não podemos dar vazão à preguiça. Como afirma o professor católico Felipe Aquino: “…A partir da tragédia do pecado original, o trabalho passou a ser um veículo redentor para o homem, além de ser o meio pelo qual ele é chamado a ser cooperador de Deus na obra da construção do mundo.…” (O pecado da preguiça. Disponível em: http://www.cancaonova.com/portal/canais/formacao/internas.php?e=12517 Acesso em 03 set. 2013).
- O trabalho nos redime, no sentido de que, através do nosso esforço e do nosso trabalho, podemos concretizar, em nós, a obra redentor produzida por Cristo Jesus na cruz do Calvário, bem como nos tornar participantes da própria obra de Deus na face da Terra, sendo Seus cooperadores (“cooperar” é “trabalhar com alguém”).
- Quando nos recusamos a trabalhar, a nos esforçar, jamais poderemos participar desta libertação efetuada por Cristo, nem tampouco seremos Seus cooperadores, e o resultado disto é nos tornarmos “vagabundos”, fazendo-nos semelhantes ao inimigo de nossas almas, que vive a “vagar de um lado para outro” (Jó 1:7), sem nada produzir de concreto, apenas destruindo o que existe.
- O preguiçoso é alguém que apenas vai se destruindo a si mesmo, pois, em sua situação de inércia, vai decaindo espiritualmente a cada instante, dando lugar e vazão a toda espécie de maldade e abominação. Bem diz a sabedoria popular que “mente desocupada é oficina do diabo”. O ócio tão somente abre e escancara portas para o vício e para a maldade. Por isso mesmo, o filósofo chinês Confúcio dizia que “o trabalho é a sentinela da virtude”, ou seja, pelo trabalho se consegue ter o acesso à prática dos bons hábitos, à prática do bem.
- Dentro desta condição do preguiçoso, é que podemos compreender outro provérbio, desta feita, o constante de Pv.15:19: “O caminho do preguiçoso é como a sebe de espinhos, mas a vereda dos retos está bem igualada”, cujo significado fica mais claro se utilizarmos a versão da Bíblia de Jerusalém, a saber: “O caminho do preguiçoso é como cerca de espinhos, a trilha dos homens retos é grande estrada”.
- Qual a diferença entre uma cerca de espinhos e uma grande estrada? Imensa! A cerca de espinhos é pequena, limitada, tem em vista apenas impedir que as pessoas entrem num determinado local. O contato com ela faz com que as pessoas se machuquem, se firam. É algo que produz isolamento, distância e limitação.
- Já a grande estrada, ao contrário, traz acesso, mobilidade, cria contatos, gera oportunidades de comunicação. Assim é o caminho do homem justo, que aumenta os relacionamentos, que se transforma numa via de acesso ao próprio Deus.
- A aversão ao trabalho, como já dito em outro provérbio, isola a pessoa do seu próximo, inclusive de Deus, trazendo tão somente feridas. É precisamente assim que nos quer o inimigo de nossas almas, pois assim seremos alvos fáceis de sua tarefa destruidora e homicida. Tomemos cuidado, amados irmãos!
- A inércia causada pela preguiça é tanta que gera até a desnutrição do preguiçoso. É o que diz Salomão em Pv.19:24, “in verbis”: “O preguiçoso esconde a mão no seio; enfada-se de a levar à boca”. Na Bíblia de Jerusalém, temos uma versão que melhor nos traz o sentido deste aforismo do rei de Israel: “O preguiçoso põe a mão no prato, mas não consegue levá-la à boca”.
- O trabalho é o fator que faz com que consigamos nos alimentar e apreender os recursos necessários à nossa sobrevivência. Sem ele, nossa vida estará sempre em risco, fazendo com que até consigamos pôr a mão no prato, mas jamais conseguiremos levar a mão até a boca.
- Através deste provérbio, Salomão mostra que, sem o trabalho, não conseguiremos cumprir os propósitos divinos estatuídos ao homem e, o que é pior, estaremos nos arriscando a perder a própria vida, a própria comunhão com Deus.
- Quão triste é observarmos que muitos que cristãos se dizem ser encontram-se passando por sérios problemas de sobrevivência porque não querem trabalhar, porque têm desperdiçado as oportunidades que Deus lhe dá de ganharem o pão de cada dia honestamente, porque não querem se submeter a determinadas condições do serviço que lhe propuseram, que não querem exercer tais e quais funções.
- Qualquer trabalho é digno, é o prato que Deus nos deixa à disposição, prato este em que não podemos apenas pôr a mão, mas que tem de ser, também, levado até a boca. É com tristeza que percebemos que muitos crentes estão a passar imensas necessidades e reclamam até da “falta de amor” da igreja local, mas que, na verdade, são pessoas que não querem trabalhar, que não querem levar o prato até a boca.
- Em termos espirituais, o mesmo se dá. Jesus está pronto para curar, para libertar, para batizar com o Espírito Santo, para dar crescimento espiritual, para dar os dons espirituais, mas as pessoas, embora tenham posto a mão no prato, não querem levá-lo até a boca. Não oram, não se consagram, não se santificam e o resultado de toda esta negligência, de toda esta preguiça espiritual, outro não é senão o definhamento, a desnutrição espiritual. Levemos o prato até a boca!
- Ainda mencionando o Catecismo da Igreja Romana, por sua biblicidade neste ponto, temos ali uma linda lição, qual seja, a de que contra a nossa preguiça espiritual, devemos apresentar o combate da oração, que se apresenta como uma arma para debelarmos a letargia espiritual. Como diz o poeta sacro Henry Maxwell Wright (1849-1931): “…Trabalhemos, pois, com zelo e com vigor, constrangidos pelo Seu imenso amor; trabalhemos pelo nosso Salvador: eis que a vida vai findar! Acordai! Acordai! Despertai! Despertai!… (segunda parte da primeira estrofe e primeiro verso do refrão do hino 63 da Harpa Cristã).
OBS: “ ‘Orai sem cessar’ (1 Ts 5,17), ‘sempre e por tudo dando graças a Deus Pai, em nome de nosso Senhor, Jesus Cristo’ (Ef 5,20), ‘com orações e súplicas de toda sorte, orai em todo tempo, no Espírito e, para isso, vigiai com toda perseverança e súplica por todos os santos’ (Ef 6,18). ‘Não nos foi prescrito que trabalhemos, vigiemos e jejuemos constantemente, enquanto, para nós, é lei rezar sem cessar.’ Esse ardor incansável só pode provir do amor. Contra nossa pesada lentidão e preguiça, o combate da oração é o do amor humilde, confiante e perseverante.…(§ 2742 CIC).
- Mas não é só a desnutrição que é resultado da preguiça. A preguiça gera a própria morte, como nos fala o proverbista em Pv.21:25: “O desejo do preguiçoso o mata, porque as suas mãos recusam-se a trabalhar”. A recusa ao trabalho gera a morte, pois, não tendo como se obter os recursos indispensáveis à sobrevivência, certamente o preguiçoso encontrará a morte como consequência de seus atos.
- Esta morte não é apenas a morte física, mas, também, a morte espiritual, pois, como já falado acima, a preguiça espiritual também leva o homem a uma queda espiritual contínua, cujo fim outro não é senão a morte espiritual que, se não revertida, tornar-se-á morte eterna. Tomemos cuidado, amados irmãos!
III – A ILUSTRAÇÃO DO LEÃO
- Na sequência dos provérbios de Salomão a respeito do preguiçoso, temos o que nosso comentarista denomina de “a metáfora do leão”, que se encontra em Pv.22:13: “Diz o preguiçoso: Um leão está lá fora; serei morto no meio das ruas”, provérbio este que é ligeiramente repetido em Pv.26:13: “Diz o preguiçoso: Um leão está no caminho; um leão está nas ruas”.
- Como se pode observar, aqui o preguiçoso, quando chamado ao trabalho, apresenta uma desculpa, um argumento para não ir trabalhar, qual seja, a de que “um leão está lá fora” ou, então, “um leão está no caminho”.
- Por primeiro, esta expressão de Salomão faz-nos entender que o preguiçoso é alguém que se encontra dentro de algum lugar, muito provavelmente em seu quarto, onde se mantém deitado, com as mãos cruzadas (cfr. Pv.6:9,10).
- Trata-se de um lugar onde a visão é extremamente limitada, onde ele não pode divisar as coisas criadas por Deus e as oportunidades existentes. Lembremos que Abrão, para poder crer em Deus e ver a grandiosidade de Suas promessas, teve de sair da tenda para ir para fora, a fim de que pudesse observar as estrelas dos céus (Gn.15:5,6).
- O preguiçoso é alguém que se autolimita, que despreza a oportunidade de ver as obras de Deus, que se demonstram a partir do instante em que pomos a mão no arado, em que começamos a trabalhar, seja no aspecto material, seja no aspecto espiritual.
- Os sinais e maravilhas feitos pelos apóstolos somente foram possíveis depois que eles partiram por todas as partes e começaram a fazer a obra de Deus, oportunidade em que o Senhor, cooperando com eles, confirmou a palavra pregada com os sinais que se seguiram (Mc.16:20).
O preguiçoso, porém, não tem acesso a quaisquer destas cooperações do Senhor, porque não começa a trabalhar, recusa-se a fazê-lo e o resultado disto é que não tem acesso ao que está “lá fora” o aguardando, para ser abençoado por Deus.
- Pelo contrário, diante de sua indolência, é acometido de pensamentos vãos, de vãs imaginações, na medida em que, por não conhecer o ambiente “lá fora”, entende que lá há um “leão”, ou seja, uma fera, um animal extremamente perigoso, que está pronto a devorar-lhe, a exterminá-lo.
- O preguiçoso, por não querer “ir lá fora”, imagina que lá está um leão e, como tal, torna-se inseguro, inquieto e medroso, fechando-se ainda mais no local onde se encontra, prendendo-se mais e mais no seu quarto fechado. Afinal de contas, como procede alguém que sabe que tem um leão lá fora pronto a devorar-lhe?
- Por isso, como já se disse, há o dito popular de que “a mente vazia é oficina do diabo”. A falta de trabalho, o ócio faz com que nossas mentes sejam invadidas por pensamentos distorcidos, por enganos e mentiras, lançados ardilosamente por aquele que sabe como nunca afetar a nossa mente (cfr. II Co.4:4), querendo única e exclusivamente a nossa destruição.
- Mais uma vez vemos como a preguiça provoca um indevido e perigoso isolamento do próximo, que é como uma sentença de morte para um ser social como é o homem. O medo e a aflição decorrentes da “imaginação do leão” fazem com que o preguiçoso se feche cada vez mais em seu “mundinho”, trazendo-o a um desfalecimento completo e mortal.
- Na variante do provérbio, compilado no tempo do rei Ezequias, diz-se que o “leão está no caminho”, ou seja, o preguiçoso não quer andar, quer ficar parado, não tem coragem nem vontade de se pôr a caminho, de seguir rumo a um destino.
- Ora, como todos sabemos, o caminho é Cristo Jesus (Jo.14:6), servir ao Senhor é servir ao Caminho, tanto que esta era a forma pela qual os cristãos eram conhecidos nos primeiros dias da Igreja sobre a face da Terra (At.18:26; 19:9,23; 22:4; 24:14,22; II Pe.2:2,21). Assim, quando se diz que “há um leão no caminho”, há uma recusa a ir até o caminho, de nele trilhar, de nele adentrar.
- Quando não se ingressa no caminho, de forma alguma se poderá chegar ao seu destino, ao seu final. O preguiçoso, portanto, jamais poderá adentrar na verdade, na justiça, na salvação, porque simplesmente se recusa a perseguir este caminho. Será que temos agido como o preguiçoso?
- O fato é que, temendo o “leão” e, por isso, não indo para fora nem tampouco para o caminho, o preguiçoso sela a sua sorte, que é a de ser, precisamente, devorado pelo leão. O apóstolo Pedro é bem claro ao dizer que o nosso adversário brama como um leão, buscando a quem possa tragar, andando ao nosso derredor.
- Quem vai para fora, quem entra no caminho, escapa do leão, porque, neste caminho, o leão não consegue se aproximar, anda apenas ao “derredor”, não pode tomar das mãos do Senhor a presa (Jo.10:28). No entanto, quem não estiver no caminho, debaixo das mãos do Senhor, este será certamente devorado pelo leão, porque não terá como fugir, será presa fácil de Satanás.
- Quem é preguiçoso, quem é indolente e não busca maior proximidade com o Senhor, não tem coragem de ir ao encontro de Deus, certamente desfalecerá espiritualmente, não resistirá ao predador, será devorado pelo adversário, já que somente no caminho, somente “lá fora”, poderá crer em Deus e ser justificado, como foi Abrão.
- É por isso que Salomão chama o homem preguiçoso de “falta de entendimento” em Pv.24:30, pois, como não foi “lá fora”, como não foi “ao caminho”, ele não alcança a sabedoria e, por esta razão, não tem como saber se conduzir, como ter vida sobre a face da Terra.
IV – A ILUSTRAÇÃO DO CAMPO
- A desproteção do preguiçoso está evidenciada em outra passagem em que Salomão (ou os sábios cujos pensamentos foram coligidos por Salomão) fala do preguiçoso, que se encontra em Pv.24:30-34, que aqui chamaremos de “ilustração do campo”.
- Diz o proverbista que, ao passar pelo campo do preguiçoso, pela vinha do homem falto de entendimento (e aqui vemos, uma vez mais, que o preguiçoso é alguém despido de sabedoria), observou que o campo do preguiçoso estava cheio de cardos, sua superfície coberta de ortigas e a sua parede de pedra, derribada (Pv.24:31).
- Como o preguiçoso não trabalha, ao mesmo tempo em que não há lavoura no seu campo, também aumentam os espinhos e cardos, que já são naturalmente produzidos pela natureza, como resultado até do pecado do homem (Gn.3:18).
- Observamos aqui, então, um elemento “redentor” do trabalho, para lembrar a expressão do Papa Paulo VI, qual seja, através do trabalho podemos retirar “os espinhos e cardos”, ou seja, as dificuldades que, pela própria entrada do pecado no mundo, surgem naturalmente em nosso meio.
- Vivemos num mundo maculado pelo pecado, numa terra que ficou maldita por causa do pecado e, assim, a ordem natural das coisas é que surjam dificuldades, problemas e obstáculos para que nós tenhamos uma vida alegre e feliz sobre a face da Terra. Quando nos dedicamos ao trabalho, parte destes problemas e destas dificuldades serão removidas, assim como o lavrador, no campo, retira os espinhos e cardos que nascem naturalmente, mas que, uma vez retirados, não causam mais males à produção.
O campo do preguiçoso, entretanto, terá muitos cardos, muitos espinhos, que prevalecerão e trarão sérios prejuízos para a sua vida. Por isso, a vida do preguiçoso é mais difícil, é mais complicada do que a do trabalhador, porque, diante de sua inércia, o preguiçoso dá lugar à maldição, aos cardos, ao aumento de dificuldades e de problemas, que exsurgem naturalmente num mundo que está no maligno (I Jo.5:19).
- Não é preciso fazer força alguma para que o mal viceje em nossas vidas, para que as dificuldades invadam o nosso viver. Se, entretanto, não nos dedicarmos ao trabalho, se deixarmos que a ordem natural das coisas prevaleça, estaremos tão somente somando cada vez maior número de problemas e de males para a nossa existência.
- Mas, além dos cardos, o proverbista disse que a superfície do seu campo estava coberta de ortigas. Estas plantas herbáceas, abundantes na região temperada, caracterizam-se por terem “ … muitos pêlos urticantes ocos chamados tricomas em suas folhas e caules, que agem como agulhas hipodérmicas, injetando histamina e outras substâncias químicas que produzem uma sensação de ardor quando contactado por seres humanos e outros animais…” (Urtica doica. In: WIKIPÉDIA. Disponível em: http://pt.wikipedia.org/wiki/Urtica_dioica Acesso em 03 set. 2013).
- Como se observa, portanto, a ideia trazida pela ortiga é muito semelhante ao dos cardos, mas tem algo mais profundo. Os cardos são temporários, podem ser arrancados, não são uma plantação perene, ao contrário das ortigas, que se instalam de forma permanente. Isto nos fala que uma vida de preguiça acaba trazendo alguns dissabores e dificuldades que se tornam irreversíveis, coisas que não mais se retirarão de nossas existências. Como é difícil recusar-se ao trabalho!
- Mas, além dos cardos e das ortigas, o proverbista também afirma que, no campo do preguiçoso, encontrou uma parede pedra derribada. Ora, esta parede de pedra era comum para proteção das vinhas, para proteção das plantações contra animais e até outros seres humanos.
- A preguiça, porém, faz com que se tenha uma desproteção, precisamente o que falamos supra. Sem o trabalho, sem o esforço, o preguiçoso se encontra desprotegido, à mercê dos predadores e dos ladrões.
- Salomão volta a mencionar isto no livro de Eclesiastes, quando afirma que “pela muita preguiça se enfraquece o teto, e pela frouxidão das mãos goteja a casa” (Ec.10:18), que a Bíblia de Jerusalém assim traduziu: “por mãos preguiçosas o teto desaba, por braços frouxos goteja na casa”.
A preguiça traz total falta de proteção à casa do preguiçoso, a ponto de toda a estrutura familiar ruir por causa da aversão ao trabalho. “O teto desaba”, “goteja na casa”. Não há estrutura familiar que resista à preguiça, as brechas se abrirão de todos os lados (o gotejar) e, por fim, tudo ruirá, não ficará pedra sobre pedra que não seja derribada.
- Ao ver este campo do preguiçoso, o proverbista disse ter aprendido uma lição, qual seja, o de que pobreza sobreviria ao preguiçoso como um ladrão e a necessidade, como um homem armado (Pv.24:34).
- Sem a proteção do trabalho, o preguiçoso sofrerá a pobreza e a necessidade, que virão sem aviso e sem qualquer piedade ou dó, assim como o ladrão ou o homem armado avançam sobre a sua vítima, figura bem conhecida de todos nós que vivemos dias de intensa violência e criminalidade.
- Sem a proteção do trabalho, não há como o homem querer ter prosperidade material, ter uma vida com condições mínimas de sobrevivência, ter satisfeitas as suas necessidades, a sua mantença nesta vida debaixo do sol.
- No aspecto espiritual, também, não há como termos prosperidade, desfrutarmos das bênçãos espirituais que o Senhor já nos tem dado (Ef.1:3), sem que nos esforcemos, sem que haja trabalho de nossa parte. A preguiça espiritual também chama o ladrão, chama o homem armado, que sobrevirá repentinamente sobre o indolente, trazendo morte certa, pois seu trabalho é tão somente matar, roubar e destruir (Jo.10:10). Será que temos estado desprotegidos, a ponto de o inimigo estar a ponto de nos matar? Pensemos nisto!
- A situação do preguiçoso é tão delicada que ele não tem mais visão alguma. Em sua indolência, ele se acha sábio aos seus próprios olhos, a ponto de se achar mais sábio do que sete homens que bem respondem (Pv.26:16).
- Eis aqui outra grande dificuldade para o preguiçoso. Como ele tem se isolado e se alheado do mundo e dos que lhe cercam, ele se entende sábio e passa a ter uma arrogância que o impedirá de sair da situação terrível em que está, por pior que ela seja. Esta constatação do proverbista explica muito porque vemos milhares e milhares de moradores de rua que, apesar de sua situação precaríssima, recusam ajuda e preferem prosseguir em sua condição subumana. Que Deus nos guarde de chegarmos a este estado de cegueira espiritual!
- Esta situação é o que Salomão chama de “profundo sono” gerado pela preguiça (Pv.19:15), que gera no preguiçoso uma “alma enganadora”, que faz com que o preguiçoso padeça fome. Autoiludido por sua suposta sabedoria, o preguiçoso acaba ficando invulnerável ao conhecimento, ao aprendizado, selando sua sorte de forma triste e cruel.
V – A ILUSTRAÇÃO DO LAGAR E DO CELEIRO
- Para finalizarmos este estudo, brevemente trataremos do que nosso comentarista considerou ser “a metáfora do celeiro e do lagar”, que não fala propriamente do preguiçoso ou da preguiça, mas, sim, do lado positivo, que é o lado do trabalho.
- Em seus “conselhos paternais”, Salomão, em Pv.3:9,10, quando está a falar a respeito da confiança no Senhor e na necessidade de querermos d’Ele aprender, manda que honremos ao Senhor com a nossa fazenda e com as primícias de nossa renda, pois assim se encherão os celeiros abundantemente e trasbordarão de mosto os nosso lagares.
- Esta passagem tem sido muito utilizada pelos falsos ensinadores da teologia da prosperidade como uma prova de que, em havendo a entrega de dízimos e ofertas ao Senhor, haverá, em retribuição, da parte de Deus, a abundância material.
- Entretanto, como sempre ocorre nestes falsos ensinos, o que se faz é a retirada do texto do contexto para se ter consequências distorcidas e alheias às Escrituras Sagradas, única e exclusivamente com o propósito do enriquecimento fácil destes mercenários que andam infestando a igreja.
- Salomão, aqui, como já tivemos ocasião de ver na lição 1, está a falar a respeito da necessidade de se procurar ter a sabedoria, de se buscar a presença de Deus para que se tenha entendimento e real conhecimento.
- Após dizer que a sabedoria traz vida de qualidade ao que a procura, vida não só longa, mas também repleta de paz, com envolvimento de benignidade e fidelidade de modo a que se alcance graça não só aos olhos de Deus mas também dos homens (Pv.3:2-4), o proverbista diz ao “filho meu” que ele não pode prescindir da confiança em Deus.
A sabedoria traz-nos um relacionamento de confiança com Deus, onde o servo sabe precisamente qual é o seu lugar, qual seja, o de obedecer ao Senhor, Aquele que deve ser reconhecido como o soberano, como Aquele que é digno de louvor e temor, como o único que pode dizer o que devemos fazer (Pv.3:5,6).
- Por causa disso, diz Salomão, o servo do Senhor não pode querer decidir as coisas por si só, ter uma vida independente de Deus, mas, bem ao contrário, deverá sempre temer a Deus e apartar-se do mal, pois isto será “remédio para o seu umbigo e medula para os seus ossos” (Pv.3:7,8).
- Neste reconhecimento da soberania divina, o servo do Senhor deve, inclusive, submeter o seu próprio patrimônio, os seus bens materiais à vontade de Deus. Salomão ensina-nos aqui que a vida de confiança em Deus, que a vida de comunhão com Deus atinge a integralidade do ser humano, inclusive os seus bens materiais, inclusive aquilo que amealhar por força do trabalho, do suor do seu rosto.

- Por isso, a obediência a Deus, a confiança em Deus, o temor ao Senhor devem também envolver o que fizermos com nossos bens materiais, devendo haver a mesma honra e submissão que há em outros aspectos da vida (moralidade, espiritualidade, vida familiar etc.) no lidar com os nossos bens.

- Assim, quando se manda “honrar ao Senhor com a nossa fazenda, com as primícias de toda a nossa renda”, está-se a repetir aqui o princípio da soberania de Deus sobre nós, o que significa afirmar que devemos dar ao Senhor, com prioridade, aquilo que recebemos por força do nosso trabalho, como reconhecimento de que nada faríamos se não fosse o Senhor, nada adquiriríamos se não fosse o nosso Deus.

- Temos aqui reproduzido o princípio da mordomia na área econômico-financeira, o próprio princípio do dízimo, que já era conhecido desde antes da lei de Moisés, como vemos no episódio a envolver Abrão e Melquisedeque (Gn.14:20).

- Quando dizimamos, estamos a dizer, do fundo de nosso coração, que reconhecemos que Deus é o dono de todas as coisas (Sl.24:1) e que, portanto, o que amealhamos não é nosso, ainda que tenhamos trabalhado para tanto, mas que foi posto sob nossa administração e, como meros servos administradores, reconhecemos o senhorio divino, a partir de nossa entrega da parte primeira, as primícias, ao próprio Deus.

- Ao agirmos desta maneira, reconhecendo a soberania divina sobre o nosso patrimônio, o Senhor nos abençoará, não porque houve um “toma lá, dá cá”, até porque tudo já era de Deus e, quando O honramos, não Lhe estamos a acrescentar coisa alguma, pois tudo é do Senhor. O Senhor nos dará a bênção da abastança, proporcionará abundância de bens materiais, não no sentido de um enriquecimento além da conta, mas, sim, não permitirá que passemos necessidade.

- Observemos que a honra a Deus com a nossa fazenda trará bênçãos, porque nós temos trabalhado e reconhecido a soberania divina. Em momento algum, o proverbista diz que devemos deixar de trabalhar porque reconhecemos a soberania de Deus sobre os bens materiais.
- Se deixarmos de trabalhar, a pobreza virá sobre nós. Se trabalharmos e reconhecermos o senhorio divino, o fruto do nosso trabalho não se perderá e, desta maneira, teremos sempre o necessário para a nossa sobrevivência.

- A prosperidade material, entendida esta não como uma fonte de enriquecimento e porta aberta para uma vida de luxo, mas a obtenção das condições necessárias para nossa sobrevivência nesta vida debaixo do sol, sempre virá quando nos dedicarmos ao trabalho e, obtido o fruto do trabalho, reconhecermos que tudo devemos ao Senhor.

- Trabalhando e reconhecendo a soberania divina, não haverá como um servo de Deus padecer necessidades sobre a face da Terra, pois jamais um justo sofrerá a necessidade a ponto de não ter como subsistir se proceder desta maneira, como, aliás, atestou o rei Davi durante a sua vida (Sl.37:25). Cremos nisto?


Confira a Resenha do Livro que auxiliará na EBD deste 4° Trimestre - Click na Resenha abaixo.

Resenha do Livro - Sábios Conselhos Para Um Viver Vitorioso - José Gonçalves

Colaboração para o Site Pecador Confesso.

- Ev. Dr. Caramuru Afonso Francisco
- Presbítero Eudes L Souza
- Ev. Natlino das Neves
- Luciano de Paula Lourenço.

Texto Editado e Postado por Hubner Braz (@PecadorConfesso)


COMPARTILHE ESSE POST NO FACEBOOK E TWITTER BOTÕES EM BAIXO...
Compartilhar no Google Plus

Sobre Hubner Braz

Criador, colunista e administrador do Pecador Confesso. Fascinado e apaixonado por DEUS!! Formado Bacharel em Teologia pela FATESP e F. Mêcanica pela FATEC-SP e Presbítero na A.D. Belem-Missão em Sorocaba, onde o Pastor Presidente é o Rev. Osmar José da Silva - CGADB, Tenho 1João 1:7-9 injetado na veia!.
    Blogger Comment
    Facebook Comment

0 Milhões de Confessos:

Postar um comentário

Não deixe de participar, a sua opinião é de extrema importância!

Críticas são bem vindas quando a pessoa se identifica.