Lição 05 - A Dessacralização da Vida no Ventre Materno | 3° Trimestre de 2023 | EBD ADULTOS

TEXTO ÁUREO “E eis que em seu ventre conceberás, e darás à luz um filho, e pôr-lhe-ás o nome de Jesus.” (Lc 1.31) (Bíblia Sheed): JESUS Vari...


TEXTO ÁUREO

“E eis que em seu ventre conceberás, e darás à luz um filho, e pôr-lhe-ás o nome de Jesus.” (Lc 1.31)

(Bíblia Sheed): JESUS Variante de Oséias e Josué, que significa "Jeová é Salvador".

(Bíblia Dake) Observe as 4 grandes verdades que aqui correspondem aos propósitos dos quatro Evangelhos; (1) você dará à luz um filho: "Eis o Homem", como retratado em Lucas. (2) Você lhe porá o nome de Jesus: "Eis o Meu servo", conio retiaiado em Marcos. (3) Ele será grande... Filho do Altíssimo: “Eis o seu Deus", como retratado em João. (4) Ele reinará: "Eis o seu Rei", como retratado em Mateus. 1.13,60-63); JESUS-Usado 983 vezes no NT. É o nome terreno do Filho de Deus. Como Deus. Ele não era chamado de Jesus ou Cristo. Jesus é a forma grega do heb. Yehoshua (traduzido como Josué 218 vezes), que significa "Salvador" ou “O Senhor é salvação”.

- O hebraico Yeshua significa "o Senhor é Salvação". Christos significa "o ungido" e é o equivalente exato da palavra hebraica para "Messias" (Dn 9.25)

VERDADE PRÁTICA

A concepção divina de Jesus Cristo sacraliza a vida no ventre materno e se opõe à cultura morta, infantil intrauterina do presente século.


LEITURA DIÁRIA

Segunda – Gn 2.7 Deus é o autor supremo e fonte originária da vida
Terça – Sl 139.13-16 As Escrituras valorizam a vida desde a concepção
Quarta – Lc 1.34-36 A gravidez miraculosa da virgem Maria e da estéril Isabel
Quinta – Ef 5.28,29 A Escritura, a nutrição e o respeito pelo corpo humano
Sexta – SI 36.9; 90.12 O princípio da sacralidade, a dignidade humana e o direito à vida
Sábado – Jr 1.5 O profeta Jeremias assevera que a vida começa na fecundação

Hinos Sugeridos: 374, 518, 562 da Harpa Cristã



--------------------------------------------------------------
📥 ADQUIRA O SLIDE DA AULA => CLIQUE AQUI

Este blog foi feito com muito carinho 💝 para você. 

Ajude-nos 🙏. Não leva nem 30 segundos.

Basta clicar em qualquer ANÚNCIO e você estará colaborando para que esse blog continue trazendo conteúdo exclusivo e de edificação para a sua vida. Pode ser também uma oferta voluntária no pixpecadorconfesso@hotmail.com

--------------------------------------------------------------

LEITURA BÍBLICA EM CLASSE

Lucas 1.26-33, 39-45

26 – E, no sexto mês, foi o anjo Gabriel enviado por Deus a uma cidade da Galileia, chamada Nazaré,
27- a uma virgem desposada com um varão cujo nome era José, da casa de Davi; e 0 nome da virgem era Maria.
28 – E, entrando o anjo onde ela estava, disse: Salve, agraciada; o Senhor é contigo; bendita és tu entre as mulheres.
29 – E, vendo-o ela, turbou-se muito com aquelas palavras e considerava que saudação seria esta.
30 – Disse-lhe, então, o anjo: Maria, não temas, porque achaste graça diante de Deus,
31 – E eis que em teu ventre conceberás, e darás à luz um filho, e pôr-lhe-ás o nome de Jesus.
32 – Este será grande e será chamado Filho do Altíssimo; e o Senhor Deus lhe dará 0 trono de Davi, seu pai,
33- e reinará eternamente na casa de Jacó, e o seu Reino não terá fim.
39- E, naqueles dias, levantando-se Maria, foi apressada às montanhas, a uma cidade de Judá,
40- e entrou em casa de Zacarias, e saudou a Isabel.
41 – E aconteceu que, ao ouvir Isabel a saudação de Maria, a criancinha saltou no seu ventre; e Isabel foi cheia do Espírito Santo,
42 – e exclamou com grande voz, e disse: Bendita és tu entre as mulheres, e é bendito o fruto do teu ventre!
43 – E de onde me provém isso a mim, que venha visitar-me a mãe do meu Senhor?
44- “ Pois eis que, ao chegar aos meus ouvidos a voz da tua saudação, a criancinha saltou de alegria no meu ventre.
45 – Bem -aventurada a que creu, pois hão de cumprir-se as coisas que da parte do Senhor lhe foram ditas!

PLANO DE AULA

1- INTRODUÇÃO
Um dos desdobramentos da filosofia pós-modernista em nossa sociedade pode ser observado na crescente defesa da legalização do aborto no Brasil pelos setores intelectuais e culturais, apesar de 87% da população se denominar cristã, segundo o último censo do IBGE. O mesmo discurso permeia os argumentos para justificar a defesa da eutanásia e até do suicídio assistido, como é permitido em algum as nações. Tal contradição é alarmante, já que sob a ética do Cristianismo e da Palavra de Deus, a vida criada por Ele é sagrada, desde o momento da concepção (SI 139.13-16 ) até o último suspiro (Ec 12.7). Não por acaso, há registros na Bíblia de pessoas chamadas por Deus ainda no ventre (Gn 25.20-23; Is 49.1; Jr 1.5; Lc 1.15, 41; G11.15,16 ). Por isso, a vida humana inicia e se desenvolve no ventre materno.

2- APRESENTAÇÃO DA LIÇÃO

A ) Objetivos d a Lição:
I) Refletir sobre a divina concepção e nascimento de Jesu s, demonstrando o milagre da vida e da capacidade de procriar;
II) Identificar os traços da cultura de morte presentes em nossos dias e as suas consequências;
III) Compreender a sacralidade da vida e a importância de a Igreja de Cristo combater toda cultura que viole os princípios da Palavra de Deus.

B ) Motivação: Nesta lição, veremos que a cultura da morte está presente e cada vez mais naturalizada nas pautas intelectuais e políticas em defesa da legalização do aborto e eutanásia. Ao passo que o sistema deste mundo, mediante estratégias ardis, impõe uma agenda de desconstrução da sacralidade da vida, tão cara ao Cristianismo Bíblico. Assim, enquanto cristãos, precisamos nos posicionar sabiamente.

C) Sugestão de Método: Para essa lição, sugerimos um recurso multimídia. Com a devida antecedência, prepare o material necessário, realizando testes minutos antes da aula. Caso a sua igreja não disponha, é possível transmitir via smartphone, com uma caixinha bluetooth para ampliar o som. Selecione um vídeo (extraído da internet, de acordo com a sua preferência) com batimentos cardíacos de um bebê. Mostre também a imagem dessa preciosa vida, ainda como uma semente divina, na sexta semana de gestação, por exemplo, quando já é possível ouvir o coração pela ultrassonografia. Permita que ouçam por alguns segundos e deixe o som em segundo plano, enquanto lê o Salmo 139.13-16. Em seguida, ore pelo decorrer da aula e interceda ao Espírito Santo pelas alm as que neste m om ento estão pensando em realizar um aborto ou mesm o tirar a própria vida.

3- CONCLUSÃO DA LIÇÃO
A) Aplicação: Esta lição nos convida a refletir sobre a cultura de morte que permeia a nossa sociedade e o nosso papel enquanto Igreja de Cristo nela. Como portadores e propagadores da vida abundante que o nosso Salvador conquistou por nós na cruz, que possamos nos empenhar mais em alcançar o s perdidos que caminham para a morte e ainda levam consigo inocentes, tal como está escrito: “Livra os que estão destinados à morte e salva os que são levados para a matança, se os puderes retirar” (Pv 24 .11). Portanto, o Senhor Deus se importa com a vida ainda informe no ventre materno.

4- SUBSÍDIO AO PROFESSOR
A) Revista Ensinador Cristão. Vale a pena conhecer essa revista que traz reportagens, artigos, entrevistas e subsídios de apoio à Lições Bíblicas Adultos. Na edição 94, p.38, você encontrará um subsídio especial para esta lição.
B ) Auxílios Especiais: Ao final do tópico, você encontrará auxílios que darão suporte na preparação de sua aula:
1) O texto “A sacralidade da vida aos olhos do Criador” endossa bíblica e teologicamente que a vida humana é sagrada mesmo antes da concepção no ventre.
2) O texto “Não matarás!” aprofunda o argumento contrário ao aborto, eutanásia e suicídio assistido, enfatizando o Decálogo.


INTRODUÇÃO

Deus é o autor supremo da vida (Gn 2.7). Por isso, as Escrituras a valorizam desde a concepção no ventre materno (SI 139.13-16). Assim, toda ideologia que tem o objetivo de alterar o conceito da vida, desqualifica a autoridade bíblica e faz apologia à cultura de morte infantil no útero. A ideia progressista, que reivindica ao ser humano a autonomia sobre a vida, afronta a soberania divina. Nesta lição, estudaremos a concepção sobrenatural de Jesus Cristo, a apologia ideológica da cultura da morte e o conceito da sacralidade da vida no útero materno.

Comentário Extra:

- Na continuidade do estudo entre o embate entre a Igreja de Cristo e o império do mal, analisaremos hoje a questão do aborto.

- O mundo é o “império da morte” e a defesa que faz do aborto é uma das mais eloquentes provas disto. 

Muitas das palavras usadas no relato da criação do homem em Gênesis 2.7 retratam um artesão mestre em atividade formando uma obra de arte à qual ele dá vida (1Co 15.45), acrescentando detalhes às afirmações encontradas no primeiro relato da criação do homem em Gn 1.27. Feito de barro, o valor do ser humano não está nos componentes físicos que formam o seu corpo, mas na qualidade de vida que forma a sua alma - O Espírito de Deus me fez, e o sopro do Todo-Poderoso me dá vida (Jó 33.4).

O Senhor é magnificado no desenvolvimento da vida humana antes do nascimento. Na gravidez, período divinamente planejado, o Senhor observa o desenvolvimento da criança ainda no útero de sua mãe. E na mente de Deus, toda a história está desenhada. Deus soberanamente determina a vida do homem antes que esse seja concebido.

O salmo 139 enaltece a criação humana como obra de Deus e retrata a gestação numa linguagem extremamente rica e sem deixar qualquer dúvida: o ser em desenvolvimento na madre precisa ser tratado com a mesma dignidade e proteção que as leis determinam para os indivíduos já nascidos.

Os defensores do aborto, porém, não veem o nascituro como viu Davi. O salmista identifica a mão de Deus, tal qual um artista, entretecendo de maneira maravilhosa o ser humano ainda no ventre materno (vv.13,14). Os defensores do aborto encaram a procriação como uma questão meramente técnica e funcional, não vendo qualquer problema moral na prática do aborto.


PALAVRA-CHAVE: VIDA


I- A CONCEPÇÃO DE CRISTO

1- O anúncio do nascimento. Uma virgem comprometida em casar-se com José, chamada Maria, recebe a visita do anjo Gabriel em Nazaré (Lc 1.26,27). O ser angelical lhe faz uma revelação: “em teu ventre conceberás, e darás à luz um filho, e pôr-lhe-ás seu nome de Jesus” (Lc 1.31). Diante do inusitado, Maria indaga: “como se fará isso, visto que não conheço varão?” (Lc 1.34 ). A pergunta demonstra a perplexidade da virgem de como se daria a concepção sem a participação de um homem.

No Evangelho, a menção à cidade de Nazaré é profética (Lc 1.26), pois o Cristo seria chamado de “nazareno” (Mt 2.23). Lucas ainda enfatiza a virgindade da donzela e a descendência de José “da casa de Davi” (Lc 1.27b). Essas informações integram as profecias messiânicas e tornam fidedigno 0 relato bíblico (Is 7.14 ; SI 89.3,4).

Comentário Extra:

- A vida humana é um mistério que demonstra o grande poder de Deus. Apesar de toda sua ciência e tecnologia, o homem não é capaz de definir o exato instante em que veio a surgir como ser, pois ninguém sabe o momento em que foi concebido, como também é incapaz de definir o exato instante em que vem a deixar este mundo com a morte. Estas coisas são apenas uma pequena demonstração de que somente Deus tem o controle de tudo e que, portanto, deve ser adorado como Senhor do Universo (Ec.8:17)

OBS: Neste ponto, aliás, como faremos ainda neste esboço em outras passagens, devemos anotar as considerações feitas pelo Papa João Paulo II, que foi líder da Igreja Romana de 1978 a 2005, sobre o assunto na sua encíclica "Evangelium vitae" (O Evangelho da vida). Não podemos

deixar de reconhecer que este Papa foi o mais vigoroso adversário do aborto na atualidade. Quanto ao valor da vida humana, assim se expressou Karol Woytila: "... O homem é chamado a uma plenitude de vida que se estende muito para além das dimensões da sua existência terrena, porque consiste na participação da própria vida de Deus. A sublimidade desta vocação sobrenatural revela a grandeza e o valor precioso da vida humana, inclusive já na sua fase temporal. Com efeito, a vida temporal é condição basilar, momento inicial e parte integrante do processo global e unitário da existência humana: um processo que, para além de toda a expectativa e merecimento, fica iluminado pela promessa e renovado pelo dom da vida divina, que alcançará a sua plena realização na eternidade (cf. 1 Jo 3, 1-2). Ao mesmo tempo, porém, o próprio chamamento sobrenatural sublinha a relatividade da vida terrena do homem e da mulher. Na verdade, esta vida não é realidade « última », mas « penúltima »; trata-se, em todo o caso, de uma realidade sagrada que nos é confiada para a guardarmos com sentido de responsabilidade e levarmos à perfeição no amor pelo dom de nós mesmos a Deus e aos irmãos.... Espezinhada no direito fundamental à vida, é hoje uma grande multidão de seres humanos débeis e indefesos, como o são, em particular, as crianças ainda não nascidas" (Evangelium vitae, no 2,5 . Disponível em: http://w2.vatican.va/content/john-paul-ii/pt/encyclicals/documents/hf_jp-ii_enc_25031995_evangelium-vitae.html Acesso em 02 fev. 2018). 

No evangelho de Lucas 1.26-38, temos o registro da conversa do anjo de Deus com Maria. E ao dizer que ela ficaria grávida, ela mesma o questionou sobre como isso iria acontecer, já que era virgem. E o anjo respondeu: “O Espírito Santo virá sobre você, e o poder do Altíssimo a cobrirá com sua sombra. Portanto, o bebê que vai nascer será santo, e será chamado Filho de Deus” (Lc 1.35 – NVT).

Em João 1, temos a revelação de que Jesus é Deus, portanto, Eterno, santo e perfeito. Sendo Deus, ele jamais poderia ser resultado de algo natural, por isso sua concepção é fruto de um milagre nunca repetido.

Sua concepção milagrosa conferiu nele duas naturezas, a divina e a humana. Por isso, afirmamos que Jesus era 100% homem e 100% Deus. Uma matemática diferente, mas como é milagre, a conta fecha perfeitamente. Em sua encarnação, Jesus se humilha e abre mão de exercer alguns atributos divinos, temporariamente. Mas em sua glorificação, ele é exaltado e se apropria novamente de toda a sua glória e majestade. Desde tempos imemoriais, o povo de Israel sabia que qualquer um nascido de uma pecadora era também um pecador, uma pessoa contaminada. Mas o Senhor Jesus por outro lado, foi concebido pelo Espírito Santo e era, portanto, puro e santo (Jó 14.4; Lc 1.35) o Filho de Deus tornou-se verdadeiro homem, mas em contraste com outras pessoas, Sua natureza não foi contaminada pelo pecado. Desse modo, Ele pôde tornar-se o Salvador de Seu povo e de nós também.



2- A miraculosa concepção. 
O anjo Gabriel explica a Maria que a concepção seria singular e miraculosa: “ descerá sobre ti o Espírito Santo ” (Lc 1.35a) e, por isso, declara que o menino, “O Santo, […] será chamado Filho de Deus” (Lc 1.35b). A jovem não pediu sinal algum , mas o anjo lhe comunica da gravidez de Isabel como um incentivo de sua fé:“ tua prima, concebeu um filho em sua velhice” (Lc 1.36a).

O testemunho das Escrituras de mulheres estéreis que ficaram grávidas preparou o mundo para crer e receber o milagre da concepção de Jesus por meio de uma virgem. A respeito dessa realidade, o anjo endossa ao se referir à gestação de Isabel: “é este o sexto mês para aquela que era chamada estéril” (Lc 1.36b). Ao finalizar a mensagem, Gabriel completa: “porque para Deus nada é impossível” (Lc 1.37).

Comentário Extra:

- Apesar de não sabermos o exato instante do início de nossa existência, temos a convicção de que a vida humana começa com a concepção, ou seja, no momento em que as células sexuais de nossos pais biológicos se encontram e ocorre a fecundação. A partir daí já há vida, o que é cientificamente demonstrado. Entretanto, apesar disto, muitos têm, inexplicavelmente, defendido o aborto, como se o embrião ou o feto que está no ventre materno fosse tão somente parte do corpo da mulher.

OBS: "...A vida começa com a concepção ou com o nascimento? Uma criatura no ventre de sua mãe é uma pessoa ou é apenas uma massa de tecidos à espera da existência? Muitos médicos e cientistas fazem estas perguntas durante anos. Mas a Palavra de Deus nos concede uma clara

descrição de como o Senhor nos vê antes de nascermos. A Bíblia ensina que Deus considera cada bebê uma pessoa. Ele estabeleceu o futuro de Esaú e Jacó quando eles ainda estavam no ventre materno (Gênesis 25:21-23). No Salmo 139, o salmista mostrou o absoluto conhecimento do Senhor sobre o desenvolvimento de um feto. A descrição desse particular demonstra que a vida começa no útero. No v.13, o salmista afirmou a participação de Deus na vida de um bebê enquanto ele ainda está no ventre de sua mãe. O Senhor idealizou o modo como a vida humana se propagaria, e estabeleceu o processo de concepção, desenvolvimento e nascimento...." (VIDA RADIANTE. O Mestre(Professor), v.14, Lição 24 - Proteção da vida humana, p.173) 

O anjo Gabriel traz as boas-novas a Maria (Lucas 1.26). A única aparição de Gabriel no Antigo Testamento é no livro de Daniel (8.15-28; 9.20-27), numa passagem em que, dentre outras coisas, ele profetiza que “setenta semanas” passarão entre o decreto de Ciro e a manifestação do “Ungido, o Princípe”.

A primeira coisa que precisa ser enfatizada quando falamos sobre o nascimento de Jesus é que ele aconteceu de forma miraculosa: Descerá sobre ti o Espírito Santo - esse foi um ato criativo do Espírito Santo, não o tipo de coabitação divinohumano visto algumas vezes na mitologia pagã. Obviamente negar o nascimento de Jesus Cristo é negar o Evangelho e, consequentemente, toda a Escritura, visto que ela aponta para esse acontecimento e seus desdobramentos. Os acadêmicos por vezes discutem se o termo hebraico presente em Is 7.14 significa "virgem" ou "serva". Mateus faz a citação a partir da Septuaginta, que usa o termo grego inequívoco para "virgem". Desse modo, ao escrever sob a inspiração do Espírito Santo, Mateus põe fim a qualquer dúvida sobre o significado da palavra em Is 7.14.

A Bíblia não esconde o fato de que José teve dificuldade de assimilar aquela situação. Mas um anjo do Senhor apareceu a ele em sonho e lhe explicou que ele não devia hesitar em tomar Maria como sua esposa, pois sua gravidez era procedente do Espírito Santo, e o filho que haveria de sair de seu ventre seria Aquele que salvaria o seu povo dos seus pecados (Mt 1.20,21).

A Igreja Apostólica nunca teve dúvida sobre a questão de Jesus ter sido concebido por uma virgem. Os primeiros líderes da Igreja cristã, chamados de Pais da Igreja, corroboraram positivamente com os ensinos dos apóstolos. Em 110 d.C., Inácio escreveu: "Pois nosso Deus Jesus Cristo [...] foi concebido no ventre de Maria [...] pelo Espírito Santo. Pois a virgindade de Maria e Aquele que dela nasceu... são os mistérios mais comentados em todo o mundo". Inácio recebeu a informação de seu mestre, o apóstolo João.



3- A bênção do nascimento. 
A vida gerada no ventre de uma mulher é um milagre (Ec 11.5), pois Deus dotou o ser humano com a dádiva da procriação (Gn 1.28). Por isso, o nascimento de filhos é uma recompensa divina (SI 127.3). Contudo, sem o dom da fertilidade, um ventre estéril torna-se obstáculo para a vivência da maternidade (Gn 30.1,2).

Assim, a relevância da gestação e a sacralidade da vida no ventre da mãe são endossadas quando a Bíblia registra a gravidez miraculosa de Maria e de Isabel; uma virgem e outra de idade avançada (Lc 1.34,36). Isabel trazia João no seu ventre, que nasceu com o objetivo de preparar ao Senhor um povo bem-disposto (Lc 1.15-17 ). Maria portava em seu ventre o Filho do Altíssimo, o Rei eterno (Lc 1.3233), que nasceu para ser o Salvador, que é Cristo, o Senhor (Lc 2.11).

Comentário Extra:

- Tal posicionamento reflete, de forma indubitável, que o mundo se encontra debaixo do poder do maligno ( I Jo.5:19), que são servos do adversário de nossas almas (Jo.8:34) e, sendo assim, estão a serviço do trabalho do diabo, que outro não é senão matar, roubar e destruir (Jo.10:10). A aceitação do aborto na legislação de grande parte dos países atualmente é uma demonstração clara desta triste realidade do homem sem Deus e sem salvação.

OBS: " ...A violência em nossa sociedade torna-se cada vez mais intensa. Muitos programas de televisão usam-na para atrair os telespectadores. O contemplar tantas mortes insensibiliza as pessoas quanto à importância da vida. Isso resulta em negligência com respeito às questões do aborto...O aborto tornou-se algo comum na sociedade moderna. Muitos defendem o direito das mulheres abortarem seus filhos. Essa atitude está em confronto direto com a Palavra de Deus..."(VIDA RADIANTE. O Mestre (Professor), v.14, Lição 24 - Proteção da vida humana, p.174).

- A Igreja, enquanto agência do reino de Deus na terra, enquanto povo de Deus santo e separado, deve, ao anunciar o evangelho, defender a vida humana, inclusive a vida intrauterina, usando não só de palavras mas de gestos concretos para impedir esta matança diabolicamente engendrada na nossa civilização ( I Pe.2:9). 

Lucas 1.46-55 registra aquele que ficou conhecido como Magnificat, o louvor que Maria dirigiu ao Senhor por ocasião da sua visita a Isabel, sua prima, que também havia concebido de forma miraculosa, estando já no sexto mês de gravidez. Essa visitação não se deu apenas entre Maria e Isabel. Ela também se deu entre os seus respectivos filhos. João, filho de Isabel, foi o maior profeta da antiga aliança – aquele que foi chamado para anunciar a vinda de Cristo. Jesus era o Cristo, o Senhor da nova aliança. Assim, quando Isabel e Maria se encontraram a antiga e a nova aliança se conectaram.

O nascimento de Jesus é um dos assuntos que estão no centro da Fé Cristã, pois testemunha a respeito da encarnação da Segunda Pessoa da Trindade. Isso significa que ele deixou para trás privilégios inimagináveis para a mente humana. Aquele que desfrutava de igualdade com Deus, pois Ele mesmo era Deus, voluntariamente aceitou assumir a forma de servo, tornando-se completamente humano (Jo 1.14). O nascimento virginal de Jesus indica que Ele nasceu sem herdar o pecado original do qual todos nós somos herdeiros. Jesus não teve um pai humano, mas nasceu por obra do Espírito Santo. Em outras palavras, o nascimento de Jesus interrompeu parcialmente a linhagem de Adão – por parte de pai –, e por isso Ele foi preservado de participar da culpa e da corrupção que todos os descendentes de Adão participam. Em seu caráter virginal, o nascimento de Jesus indica que de fato na pessoa de Cristo estavam unidas de forma plena, indivisível e também inconfundível, as naturezas divina e humana. Cristo tornou-se verdadeiramente homem, mas não ficou menos divino ou deixou de ser Deus. Seu nascimento aponta para a verdade bíblica de que a salvação não é obra do esforço humano, mas é obra do Senhor. Jesus nasceu na plenitude do tempo, o momento exato determinado por Deus para prover a redenção de seu povo (Gl 4.4,5).



SINOPSE I

A história da concepção divina de Jesus Cristo ilustra a sacralização da vida desde o ventre materno, ressaltando que toda a Gestação é um milagre, uma dádiva concedida pelo Criador (Gn 1.28; Ec 11.5).

AUXÍLIO ÉTICA CRISTÃ

A SACRALIDADE DA VIDA AOS OLHOS DO CRIADOR
“Teologicamente, quando começa a vida humana? Na fase embrionária? Ou na fetal? Aos olhos do autor e conservador da vida, antes mesmo da concepção. É o que constatamos no chamamento de Jeremias: ‘Antes que eu te formasse no ventre, eu te conheci; e, antes que saísses da madre, te santifiquei e às nações te dei por profeta’ (Jr 1.5). Ora, se o autor e conservador da vida não faz distinção entre embrião e feto, pois aos seus olhos ambos são pessoas completas, porque iríamos nós teimar em estabelecer tal diferença?

Quem realmente ama não se perde em semelhantes especulações, mas tudo faz a fim de preservar a santidade da vida. Atentemos à narrativa do Gênesis. Moisés mostra com muita clareza que o ser humano não é obra do acaso, pois o acaso não seria capaz de produzir um ser tão perfeito quanto o homem. Deus o criou com as próprias mãos e, para aumentar a intimidade conosco, fez questão de aproximar o seu rosto do nosso. E, soprando-nos as narinas, aumentou ainda mais a comunhão entre nós e Ele.

Portanto, não nos arvorem os como deuses e senhores da vida, determinando quem deve viver e quem tem de morrer. Esse direito só cabe a Deus, pois a pessoa humana tem início nele e para ele terá de retornar (Ec 12 .7 )” (ANDRADE, Claudionor de. As novas Fronteiras da Ética Cristã. Rio de Janeiro: CPAD, 2015, pp. 70-71).


II – A CULTURA DA MORTE

1- O projeto ideológico. A cultura da morte é um conjunto de ideias que visa modificar o conceito bíblico da vida. Entre suas pautas estão a legalização do aborto e da eutanásia, apologia ao suicídio e o controle da natalidade. Mediante estratégias culturais, intelectuais e políticas, impõe-se uma agenda de desconstrução da sacralidade da vida, algo caro à cultura cristã, como vimos no tópico anterior (cf. Lc 1.31).

Nesse sentido, estimula-se a “eugenia”: o descarte do ser humano com algum a má formação ainda no útero materno; a maternidade é depreciada a fim de que a mulher não deseje ser mãe; o conceito de saúde reprodutiva é modificado para justificar o aborto como medida de saúde feminina; o direito à vida no útero é substituído pelo direito incondicional da mulher sobre o próprio corpo, que por meio do aborto decreta a morte do fruto de seu ventre.

Comentário Extra:

- O aborto é a expulsão espontânea ou provocada do feto antes do sexto mês de gestação, antes que o feto possa sobreviver fora do ventre materno. Deste modo, toda e qualquer expulsão do feto ou do embrião antes da complementação do desenvolvimento do feto dentro do ventre materno é considerado aborto, de forma que não tem cabimento as indagações que se fazem a respeito do uso de certos medicamentos ou de certos dispositivos contraceptivos (como o DIU) que causam a expulsão de embriões de dentro do ventre materno. O uso de tais mecanismos também configura a prática do aborto.

No Brasil, tanto a eutanásia quanto o suicídio assistido são consideradas práticas ilegais e, consequentemente, passíveis de exame pelo Poder Judiciário. O pós-modernismo defende a legalização do aborto e da eutanásia, ignorando o que diz a Palavra de Deus no tocante à defesa da vida humana. Diversos países já alteraram a sua legislação para legalizar essas práticas criminosas. No Brasil, o legislativo federal enfrenta pressão de indivíduos e grupos representativos, a fim de que aprove tanto um quanto o outro.

Defendendo a ideia do aperfeiçoamento humano pela eliminação das pessoas tidas como menos qualificadas física e mentalmente, o pós-modernismo em nada difere do nazismo que, durante a Segunda Guerra Mundial, apregoava a eugenia — a tentativa de se criar uma raça perfeita a partir da engenharia genética

Embora a eutanásia e o aborto sejam questões complexas, na verdade, estas práticas são uma tentativa de descartar uma vida. A vida é um dom de Deus. O ser humano foi criado de modo especial, à imagem e semelhança de seu Criador. O homem é a coroa da criação (Gn 1.6). Através das Escrituras Sagradas, podemos observar o Senhor tratando com o ser humano antes de sua concepção: “Antes que eu te formasse no ventre eu te conheci...” (Jr 1.5). Nesta passagem, podemos constatar a presciência divina que contempla cada pessoa em sua individualidade. Os humanistas e materialistas defendem o aborto, porquanto desvalorizam o ser em gestação, encarando-o apenas como uma questão meramente técnica e funcional. Logo, eles não veem qualquer problema moral na prática do aborto.

Em relação à eutanásia, segundo a visão secular e maligna desses homens, o sofrimento diminui a “qualidade” da vida, por isso, lutam para legitimar o término da mesma, quer voluntariamente, quer pelo arbítrio ou determinação de outro. Jó passou por momentos muito difíceis. Parecia não haver saída para ele. Sua mulher o incentivava a buscar a morte, entretanto, confiante no Todo-Poderoso, ele declarava: “...como fala qualquer doida, assim falas tu; receberemos o bem de Deus e não receberíamos o mal?” (Jó 2.7-10). O sofrimento para o cristão é momentâneo e propicia o seu aperfeiçoamento.

Como podemos perceber, tais assuntos são complexos, portanto, devemos estudá-los com toda a seriedade e afinco, mostrando o quanto Deus ama o ser humano. Ademais, enquanto “sal” e “luz” deste mundo, precisamos alçar a bandeira do evangelho de Cristo e proclamar as verdades bíblicas com coragem. Lutar contra o aborto e a eutanásia é dever de todo crente que ama a Deus, a sua Palavra e a vida.

 


2- O direito sobre o corpo. A cultura pós-moderna insiste que é direito do ser humano exercer autonomia sobre o próprio corpo. Essa ideia é de liberdade total ao controle individual sobre a constituição física e o comportamento humano. O slogan “meu corpo, minhas regras” é utilizado em defesa das liberdades sexuais e reprodutivas, bem como para a escolha de vida ou de morte.

Nessa percepção estão os “ direitos” à prostituição, ao aborto, à eutanásia, ao suicídio e outros. Qualquer opinião contrária é considerada violação da liberdade humana. Nesse quesito, as Escrituras asseveram que o corpo deve ser nutrido e respeitado (Ef 5.28,29); que embora livre, o ser humano não tem o direito de profanar o seu corpo (1 Co 6.13); e que a vida só tem sentido quando está sob o domínio de Cristo (G1 2.20).

Comentário Extra:

- A Bíblia não deixa de mencionar o aborto, palavra que aparece algumas vezes no texto bíblico, exatamente com a ideia da expulsão do feto antes que possa sobreviver fora do ventre materno, tanto que se dá ao aborto a conotação de vida frustrada, de vida fracassada.

- Em Jó 3:16, o patriarca se expressa dizendo que “Ou como aborto oculto não existiria, como as crianças que nunca viram a luz”, onde se verifica, nitidamente, que o aborto é uma expulsão que impede que a criança venha a se desenvolver completamente, possa ver a luz do sol. Neste versículo, nós percebemos que a Bíblia não deixa qualquer margem à dúvida: embora o aborto não tenha permitido que a criança pudesse ver a luz do sol (não teve completado o seu desenvolvimento), ela já era uma criança, ou seja, já era portadora de uma vida e de uma individualidade.

- No Sl.58:8, o salmista repete a ideia do patriarca Jó , ao afirmar “como o aborto de uma mulher, nunca vejam o sol”, voltando a dizer que o aborto é um desenvolvimento interrompido de uma vida.

- Em Ec.6:3, o sábio afirma “ Se o homem gerar cem filhos, e viver muitos anos, e os dias de seus anos forem muitos, e se a sua alma se não fartar do bem, e além disso não tiver um enterro, digo que um aborto é melhor do que ele”, mais uma vez se afirmando que o aborto é a interrupção do desenvolvimento de uma vida, a frustração de uma vida humana, o símbolo do fracasso.  

Na defesa da vida humana, devemos sempre fundamentar-nos nos princípios, verdades e doutrinas da Palavra de Deus, e nunca em nossas próprias ideias, deduções e leis. Os pós-modernistas pugnam por um falso direito de escolha, menosprezando o que Deus exige em sua Palavra. Afinal, Ele criou e sustenta todas as coisas (Hb 1.2,3). Por conseguinte, todo o direito e toda autoridade têm a Deus como fonte.

A mulher, alegam os tais humanistas, tem o direito de decidir sobre o próprio corpo e de escolher entre dar à luz ao novo ser ou abortá-lo — principalmente se lhe for constatado alguma anomalia. Eles apregoam que o ser humano, nessa fase da vida, em nada difere de um objeto que pode ser descartado a qualquer momento. Não passam eles, pois, de adoradores de Moloque; repetem em seu materialismo perverso e criminoso, os mesmos pecados de Israel (Lv 18.21; Jr 32.35).


3- A prática do aborto. O aborto é a interrupção do nascimento por meio da morte do embrião ou do feto, é o ato de descontinuar a gestação do ser vivo. O termo gestação vem do latim “gestacione” e se refere ao tempo em que o embrião fica no útero, desde a concepção até o nascimento. Nesse caso, o aborto pode ser não intencional ou provocado no período de gestação. Na lei mosaica, provocar a interrupção da gravidez da mulher era um ato criminoso (Êx 21.22,23). No sexto mandamento, o homem é proibido de matar, o que significa literalmente “não assassinar” (Êx 20.13).

Os intérpretes do Decálogo concordam que a proibição do aborto está incluída neste mandamento. Assim , quem mata um embrião ou feto atenta contra a dignidade humana e a sacralidade da vida no ventre materno.

Comentário Extra:

- O aborto, como já se disse, é a expulsão do feto do ventre materno antes de seu pleno desenvolvimento, seja esta expulsão espontânea ou provocada. Sem dúvida alguma, a expulsão espontânea é um fato estranho à vontade da mãe ou de outrem, sendo um infortúnio, um lamentável incidente da natureza, que, portanto, não traz qualquer implicação ética, pois se trata de um desígnio divino ao qual temos apenas de nos conformar. É o chamado aborto natural.

- Existe, também, o aborto acidental, aquele ocasionado por um problema de saúde da própria mãe ou algum acidente, que precipita a expulsão do feto. A Bíblia nos traz o exemplo da nora de Eli que, diante das notícias horríveis recebidas, acabou por precipitar o parto, a mostrar que é possível que as circunstâncias levem a mãe a ter acelerado o parto, sem que isto implique em qualquer condenação da mãe (ainda que o exemplo bíblico mencionado não seja um aborto, vez que o feto já se encontra completamente desenvolvido - I Sm.4:19,20)

- Coisa diversa é o chamado aborto provocado, este, sim, um verdadeiro ato de matar, em que, alguém, com ou sem o consentimento da mãe, provoca a expulsão do feto do ventre materno, impedindo que venha a completar seu desenvolvimento e possa nascer. Este aborto é o que traz implicações éticas e que gera toda a sorte de discussões no mundo hodierno, notadamente em países como o Brasil, em que tal ato constitui crime frente ao direito penal, como, aliás, era considerado na lei de Moisés.

- No Brasil, apesar dos muitos movimentos que existem buscam a legalização do aborto em nome da “saúde da mulher” ou da “liberdade da mulher”, o aborto ainda é crime, conforme se vê dos artigos 124 a 127 do Código Penal. A provocação do aborto pela própria mãe ou o seu consentimento para que outrem o provoque é apenado com um a três anos de detenção. Já se o aborto é provocado por terceira pessoa que não a mãe, a pena é de três a dez anos de reclusão, se não houver consentimento da mãe e de um a quatro anos de reclusão, se houver o consentimento materno. Se, por causa do aborto, houver a morte da gestante, a pena do aborto passa a ser de dois a oito anos de reclusão. No Brasil, o aborto é julgado pelo tribunal do júri.

- A lei brasileira, entretanto, isenta de pena o chamado “aborto necessário”, ou seja, aquele aborto que é praticado para salvar a vida da gestante, numa opção entre a vida da gestante e do feto, como também permite o aborto nos casos em que o feto é produto de estupro da gestante (artigo 128 do Código Penal). Estes abortos permitidos pela legislação têm de ser praticados por médicos. Apesar de a norma existir desde 1940, somente a partir do final da década de 1980, algumas administrações resolveram criar serviços para permitir o aborto nos casos de estupro da mulher, revelando, assim, uma tendência de certos políticos na legalização do aborto, algo que, lamentavelmente, se disseminou por todo o país e que, inclusive, foi extremamente facilitado pelo Ministério da Saúde, a ponto de se ter querido dispensar a própria prova do estupro.

- Do ponto-de-vista bíblico, a questão referente ao aborto resultante do estupro da mulher é tão pecaminoso quanto outra espécie de aborto, pois não dá a Palavra de Deus poder do homem sobre a vida de um semelhante. Não resta dúvida de que a gravidez resultante é altamente indesejada e que seria humanamente inexigível que a mulher se submetesse a uma obrigatoriedade de criar e educar uma criança surgida em condições tão terríveis, mas daí a permitir que a mulher dê cabo a uma outra vida há uma grande distância, não tendo a Bíblia autorizado tal estado de coisas. O ideal seria que a mulher fosse conscientizada a manter a gravidez e que a criança, assim que nascida, fosse entregue a alguém que não possa ter filhos para que seja criada numa nova família que lhe possa dar carinho, afeto e educação exemplares.

- Outro caso de aborto que existe é o chamado “aborto eugênico”, aquele que se permite diante da constatação de que o feto tem problemas graves de saúde que o farão nascer com defeitos ou enfermidades. Este tipo de aborto não é permitido pela legislação brasileira, com exceção do caso de “anencefalia”, ou seja, fetos que estão sem cérebro, cujo aborto foi permitido também pelo Supremo Tribunal Federal, ao julgar a Arguição de Descumprimento de Preceito Fundamental no 54, em 13 de abril de 2012, em mais uma lamentável decisão, que abriu um perigoso precedente que pode trazer, no futuro, o “aborto eugênico” entre nós. Naquela oportunidade, o Ministro César Peluzo, bem demonstrou que raríssimos são os casos de fetos que nascem sem qualquer cérebro, pois, na imensa maioria dos casos, o que é são partes do cérebro. Apesar destes casos extremos, em que se sabe que a vida será inviável, o fato é que o aborto eugênico tem graves implicações éticas, mormente no atual estágio da ciência e da tecnologia genéticas, qual seja, o de se permitir que os pais “montem” filhos segundo o seu desejo e a sua predileção e, assim, passem a descartar fetos não por problemas graves de saúde, mas por capricho, não aceitando filhos que tenham tendência à obesidade, que sejam baixos ou altos, que não tenham olhos azuis etc. etc. Já se tem conhecimento do descarte de vários embriões em clínicas de fertilização simplesmente porque não se satisfazem os desejos dos pais. É a verdadeira banalização da vida humana.

OBS: "...E se nascer ... deformado? Esta é uma desculpa apresentada para se considerar a hipótese do aborto, que aliás, a nossa Lei actualmente já prevê. Em primeiro lugar importa notar que Deus criou o homem com características tais que, mesmo em condições à primeira vista adversas,

consegue sobreviver e adaptar-se. Por outro lado, quando essa vida e impossível, a morte vem por si própria. Assim sucede por exemplo quando a criança nasce com deformações encefálicas anormais (cérebro). Geralmente, a criança morre passados poucos minutos depois do parto. Mas, mesmo que haja seguros motivos de que a criança venha a nascer deficiente, será esse um motivo para se aceitar o aborto? Vejamos o que a Palavra de Deus nos diz a este respeito: «Quem fez a boca do homem? Ou quem fez o mudo ou o que vê, ou o cego ? Não Sou Eu, o Senhor?» (Êxodo 4:11). «E passando Jesus, viu um cego de nascença. E os seus discípulos lhe perguntaram, dizendo: "Rabi, quem pecou, este ou seus pais, para que nascesse cego ?" Jesus respondeu: "Nem ele pecou nem seus pais, mas foi assim para que se manifestem nele as obras de Deus"» (S. João 9:1-3). A resposta da Bíblia é clara. Aceitar a morte de crianças ainda não nascidas, conduz a aceitar também a eutanásia infantil, isto é, o homicídio de bebés recém-nascidos que sejam doentes ou deficientes. E a aceitar isto, não faltaria muito para aceitar também a eutanásia dos inválidos, idosos e todos os que, independentemente da sua idade, não possam cuidar de si mesmos ou se sintam à parte da sociedade. Se se entender que o universo se formou por acaso e que o homem é descendente duma criatura pré-histórica, não há razão para se preocupar com a vida humana. Mas, sabendo que o homem foi criado e que tem um destino especial diante do Seu Criador , então concluiremos que a defesa da dádiva divina, que é a vida humana, é de facto inalienável. (O que a Bíblia diz sobre o aborto. www.bussola.cjb.net)

Aborto: conceito:

Considera-se aborto a interrupção da gravidez com a consequente destruição da concepção. Consiste na eliminação da vida intrauterina.

Fernando Capez ensina que a lei não faz distinção entre óvulo fecundado (3 primeiras semanas de gestação), embrião (3 primeiros meses) ou feto (a partir de 3 meses), pois em qualquer fase da gravidez estará configurado o delito de aborto, quer dizer, entre a concepção e início do parto, pois após o início do parto poderemos estar diante do delito de infanticídio ou homicídio.” https://ibdfam.org.br/artigos/1324/Descriminaliza%C3%A7%C3%A3o+do+aborto+at%C3%A9+o+90%C2%BA+(nonag%C3%A9simo)+dia+de+gravidez+e+o+estado+da+gestante

Considera-se aborto a interrupção da gravidez com a consequente destruição da concepção. Consiste na eliminação da vida intrauterina. O Código Penal Brasileiro (CP/1940), autoriza o aborto em dois casos: 1)-interrupção da gravidez realizada por recomendação médica, a fim de salvar  a vida da gestante; e 2)- a autorização legal a gravidez quando a mulher foi vítima de estupro. Nestes dois casos, dentro da proteção à dignidade da pessoa humana, em confronto com o direito à vida (nesse caso, o feto ou embrião), optou o legislador por proteger a dignidade da mãe. A Constituição Federal de 1988 não dispõe o início da vida ou o preciso instante em que ela começa. Porém, a mera menção ao direito à vida implica proteção aos que não nasceram (embriões e fetos), visto que, sem tal proteção, a vida sequer poderia existir. Por fim, discute-se a possibilidade de até quantos dias seria permitido a interrupção da gravidez sem que tenha ocorrido a interrupção de uma vida humana seria tratada como aborto legalizado, mesmo ainda no caso de aborto eugênico/feto anencéfalo. O Supremo Tribunal Federal (STF) ainda não se pronunciou de forma definitiva acerca do tema.

- Tanto assim é que, quando ocorreu a epidemia causada pelo vírus “zika”, houve ajuizamento no Supremo Tribunal Federal de mais uma ação que tem por objetivo permitir o aborto de fetos em que se comprove a microcefalia. Que diferença há entre este tipo de pensamento, que procura destruir vidas humanas deficientes, com o comportamento que tinham os nazistas, que, assim como matavam judeus, também exterminavam deficientes? Nenhuma! É a prevalência do espírito de Satanás, cujo trabalho é “matar, roubar e destruir” (Jo.10:10), já que é “homicida desde o princípio” (Jo.8:44). Pode um servo de Deus comungar com estas ideias? Logicamente que não!

- De igual forma, tem-se discutido muito atualmente a questão da utilização de embriões humanos em, pesquisas científicas, inclusive a conhecida clonagem, utilização esta que faz com que verdadeiras vidas sejam tratadas como simples coisas, simples objetos que servirão para descoberta de medicamentos, testes eugênicos e similares. Aceitar a manipulação dos embriões é negar-lhes a condição de seres humanos, o que, entretanto, contraria a própria definição bíblica de quando começa a vida humana. Com exceção do Vaticano, que tem lutado vigorosamente contra a aceitação destas práticas, o fato é que há uma grande tendência no mundo a permitir tais ações, sob a alegação de que os embriões não são seres humanos enquanto não devidamente inseridos dentro do útero de uma mulher. A Grã-Bretanha autorizou o uso de embriões e a própria clonagem humana para fins terapêuticos, tendo os Estados Unidos permitido uma utilização limitada,.

OBS: Sobre estas tendências do mundo, assim se expressa Karol Woytila: "... Para facilitar a difusão do aborto, foram investidas e continuam a sê-lo somas enormes, destinadas à criação de fármacos que tornem possível a morte do feto no ventre materno, sem necessidade de recorrer

à ajuda do médico. A própria investigação científica, neste âmbito, parece quase exclusivamente preocupada em obter produtos cada vez mais simples e eficazes contra a vida e, ao mesmo tempo, capazes de subtrair o aborto a qualquer forma de controlo e responsabilidade social..." (Evangelium vitae, no 13).

- Com relação aos embriões resultantes da inseminação artificial, a legislação brasileira, também, é rigorosa, punindo a manipulação de embriões que leve ao aborto com dois a oito anos de reclusão e a manipulação de embriões humanos como material biológico disponível com a pena de seis a vinte anos de reclusão, a mesma pena do homicídio (art.13 da lei 8974/1995).

- Verdade é que, com relação aos embriões, lamentavelmente o Supremo Tribunal Federal, ao julgar a Ação Direta de Inconstitucionalidade no 3510, em 29 de maio de 2008, considerou ser possível a realização de pesquisas com células-tronco embrionárias e, com isto, para fins de pesquisa científica, permitiu a destruição de embriões que se encontrem congelados e que foram “sobras” de atividades de inseminação artificial, numa absurda decisão que considerou que os “embriões” são “vida” mas não “vida humana”, o que, à evidência, não faz o menor sentido.

- Na época, os defensores destas pesquisas diziam que as células-tronco embrionárias eram a “esperança” para a cura de doenças degenerativas e com isto, se estariam “preservando vidas”. Na verdade, passados quase dez anos desta liberação, até o momento, não houve qualquer demonstração de que as células-tronco embrionárias seriam melhores que as células-tronco adultas para o tratamento de certo tipo de enfermidades, sendo que as pesquisas que tiveram êxito, até o momento, foram somente as que envolveram células-tronco adultas, mas, enquanto isso, as vidas humanas têm sido sistematicamente destruídas... 

SINOPSE II

Sob o pretexto da autonomia e deturpação do livre-arbítrio, a cultura de morte se alastra e naturaliza práticas abomináveis à Palavra de Deus.

AUXÍLIO ÉTICA CRISTÃ

NÃO MATARÁS!
“Há quem defenda a eutanásia ativa, sob o argumento de que ‘não se deve manter artificialmente a vida subumana ou pós-humana vegetativa’, e que se deve evitar o sofrimento dos pacientes desenganados, com moléstias prolongadas (câncer, AIDS etc.). Somos de parecer que o cristão não deve apoiar essa prática, pois consiste em uma ação deliberada e consciente, normalmente por parte do médico, a pedido do paciente, ou de familiares (ou sem consentimento), através da aplicação de algum tipo de agente (substâncias, medicamentos etc.) que leve o paciente à morte, evitando o seu sofrimento.

A Bíblia diz: “ Não matarás…” (Êx 20.13). O verbo matar, aí, é rasab, que tem o sentido de assassinar intendonalmente (não se aplica ao caso de matar na guerra, em defesa própria etc.). A ação do médico, tirando a vida do paciente, é vista como um assassinato, segundo a maioria dos estudiosos da ética cristã. Tradicionalmente, se reconhece que a eutanásia é um crime contra a vontade de Deus, expressa no decálogo, e contra o direito de vida de todos os seres humanos” (LIMA, Elinaldo Renovato. Ética cristã: confrontando as questões do nosso tempo. Rio de Janeiro: CPAD, 2002, pp.138-39).

III- SACRALIDADE DA VIDA

1- A vida é inviolável. A vida humana é sagrada, pois ela é um ato criativo de Deus, autor e a fonte originária do fôlego da vida (Gn 2.7; Jó 12.10). Nessa perspectiva, o princípio da sacralidade assegura a dignidade da pessoa humana e a inviolabilidade do direito à vida (SI 36.9; 90.12). Portanto, o valor da vida é absoluto e deve se sobrepor a qualquer outro direito ou interesse (Jo 10.10).

Nesse aspecto, o princípio de defesa da vida humana, desde a concepção no útero materno, não pode conter exceções. Somente Deus tem poder sobre a vida e a morte (1 Sm 2.6). Em uma sociedade secularizada, o cristão precisa tomar cuidado com o relativismo, não fazer concessões e estar alerta quanto às ações de manipulação de sua consciência e o desrespeito à vida humana (2 Co 4.2; 1 Tm 4.1,2).

Comentário Extra:

Os defensores destas causas antibíblicas argumentam eles que o ser em gestação não é uma pessoa por não dispor ainda, de maneira plena, dos mecanismos da razão — pensamento, raciocínio, consciência (inclusive do bem e do mal) e livre-arbítrio. Vejamos o que a Bíblia mostra em Juízes 13.2-25. Leia esta passagem com a mente aberta para Deus. No v.8, a criança prometida a Manoá e à sua esposa é apresentada em seu desenvolvimento inicial. 

No v.12, embora ainda não houvesse nascido, era considerada um ser humano pleno. No v.24, dá-se o seu nascimento. O interessante é que, nas três ocasiões, a criança, que viria a ser um dos maiores heróis de Israel, é tratada como um ser humano completo e não como algo descartável. Há diversos outros textos bíblicos correlatos que ensinam os futuros pais a se resguardarem dos ensinos do pós-modernismo.

- Além destas passagens em que se usa o termo aborto, a Bíblia trata do tema, claramente indicando que a vida humana começa com a concepção, antes mesmo do parto. Vejamos alguns exemplos:

a) A Bíblia relata que, ainda no ventre de Rebeca, Esaú e Jacó lutavam (Gn.25:22,23), tendo Deus, ao responder a oração feita por Rebeca, demonstrado que a luta se dava porque havia duas nações no ventre materno. Ou seja, Deus tratou aos dois fetos como seres humanos, embora eles ainda não tivessem nascido.

b) Na lei de Moisés, o homem que, ao ferir uma mulher grávida, viesse a lhe provocar o aberto, era condenado a pagar uma multa por causa do aborto, ou seja, o feto é considerado uma pessoa e, pela sua morte, havia uma pena a cumprir (Ex.21:22).

OBS: "...Deus, além de exigir a proteção de pessoas viventes, também exigia a proteção de crianças ainda por nascer. (1) O versículo 21 refere- se a uma mulher dando à luz a uma criança prematura por causa de violência cometida contra a gestante. Se isso acontecesse, quem causasse o

aborto tinha que pagar uma multa. (2) Se houvesse lesões graves na mãe ou no filho, o culpado tinha que pagar segundo a lei da retaliação. Note que se a violência causasse a morte da mãe ou do filho, o transgressor seria réu de homicídio e teria que pagar com a própria vida (v.23). Noutras palavras, o nascituro é considero nesse texto bíblico como um ser humano: provocar a morte desse feto é considerado assassinato. (3) Note que essa é a única circunstância em que a lei exige a pena de morte por homicídio acidental (Dt.19:4-10). O princípio está claro: Deus procura proteger aqueles que têm menos condições de se protegerem (i.e., os que ainda estão por nascer)..." (BÍBLIA DE ESTUDO PENTECOSTAL, com. a Ex.21.22,23, p.150-1).

"...Esta é a única passagem que na Bíblia aborda directamente o tema do aborto e tem sido apresentada como justificação para a aceitação do aborto. Trata-se de um caso em que o aborto é provocado, mas como que acidentalmente. Se uma mulher perdesse o filho, havia apenas uma indenização: se a mulher morresse também, quem a ferisse teria de pagar com a sua vida. Para quem defenda o aborto, a dedução que é feita é que, visto só haver indenização no caso de aborto, isso significaria que o feto não teria alma, que apenas seria ganha ao nascer. Levando um pouco mais adiante este pensamento, concluiríamos que o aborto induzido seria biblicamente permitido. Ora, isso seria forçar a aplicação da lei do Êxodo, que trata de um aborto acidental, e não induzido, o que são duas coisas absolutamente distintas: uma, é acidentalmente alguém provocar o aborto a outrem, outra, e com consentimento da mãe, provocar-se o aborto. Todavia, mesmo acidental, lemos que em tal caso havia uma sanção, o que denota a gravidade desse aborto acidental, precisamente porque estava em causa a vida...." (O que a Bíblia diz sobre o aborto. www.bussola.cjb.net)

c) O salmista não deixa qualquer dúvida a este respeito, ao escrever, no salmo 139, ao anunciar que Deus nos entretece, ou seja, conforme o Dicionário Michaelis, Deus faz-nos construir por meios de laçou ou tecidos, compõe-nos intercaladamente, no ventre de nossa mãe. Ou seja, temos nitidamente aí a informação de que há vida no ventre materno e que o processo de nossa formação é dirigido pelo próprio Deus (Sl.139:12-14).

d) Deus, ao se dirigir ao profeta Jeremias, em sua chamada, afirma que o escolheu e o santificou “antes que saísses da madre” (Jr.1:5). Ora, é sabido que Deus só escolhe e só santifica seres humanos, prova de que, antes que saísse do ventre materno, Jeremias já era um ser humano.

e) Ao anunciar a salvação do homem através do Messias, a expressão cunhada pelo profeta Isaías não foi a de que alguém nasceria, mas antes que a virgem conceberia, ou seja, o início da existência do Messias não estaria em Seu nascimento mas em Sua concepção no ventre de Sua mãe (Is.7:14). Em outra profecia, Isaías reforça a idéia de que a chamada do Messias era desde o ventre de Sua mãe (Is.49:1,5)

f) Cumprindo a promessa feita através do profeta Isaías, Deus manda o anjo Gabriel anunciar a Maria a concepção do Salvador, ou seja, seria na concepção que se iniciaria a redenção definitiva da humanidade (Lc.1:31-33). 

g) Numa comprovação claríssima de que a vida se inicia com a concepção, Lucas nos relata o encontro de Maria com Isabel, quando, então, os dois fetos, respectivamente, Jesus e João Batista, demonstraram a evidência de que a vida se inicia com a concepção. João foi cheio do Espírito Santo diante da presença de Jesus. Temos, então, aqui, não só Jesus operando, mesmo antes de nascer, como um servo de Deus já recebendo a operação do Espírito Santo também antes de nascer (Lc.1:39-45).

h) O próprio apóstolo Paulo, a quem Jesus revelou coisas diretamente (I Co.11:23), afirmou, com convicção, que foi escolhido por Deus ainda antes de sair do ventre de sua mãe (Gl.1:15).

- O início da vida humana, portanto, conforme nos ensinam as Escrituras, dá-se com a concepção, de forma que o embrião já é uma pessoa e como tal deve ser tratada, tendo pleno direito à vida e se constituindo em pecado a sua eliminação. Isto vale tanto para o feto como para os embriões surgidos das inseminações artificiais.

- Sendo uma pessoa, já dentro do ventre materno o embrião e o feto possuem, desde a concepção, alma e espírito, sendo demonstração clara disto a passagem já aludida do encontro de Maria com Isabel, em que se mostra claramente que João Batista era dotado de alma e de espírito ainda no ventre de sua mãe (Zc.12:1, Is.44:24). 

2- O começo da vida. As Escrituras são incisivas ao afirmarem o início da vida desde a concepção: o profeta Jeremias afirma que a vida tem início na fecundação (Jr 1.5); o rei Davi corrobora que a pessoa é conhecida e cuidada pelo Senhor desde a concepção (SI 139.13); Deus é quem forma ao ser vivo dentro do ventre da mãe (SI 139 .14 ). Ainda, o salmista afirma que Deus vê o embrião ainda informe e o ama em todos os processos formativos da vida intrauterina, desde a fecundação até o nascimento e por toda a sua vida (SI 139.15,16).

Por conseguinte, de acordo com a s Escrituras, a vida começa quando ocorre a união do gameta masculino ao feminino. Essa nova célula é um ser humano e possui identidade própria e, portanto, o seu direito de nascer não pode ser interrompido por vontade, desejos ou caprichos humanos (Dt 32.39; Rm 9.20).

Comentário Extra:

A luz da ética e da moral, o aborto é um crime, pois a vida humana tem início no exato momento da concepção. Sempre que a Bíblia descreve o nascimento de alguém, deixa claro que a vida humana está presente desde a concepção até o nascimento. Concepção, gestação e parto não se desvinculam (Gn 4.1). Davi, por sua vez, se reconhece no ventre materno como um indivíduo completo que ia sendo formado pelo próprio Deus (vv.15,16).

A prática do aborto não deve ser vista como um direito de escolha da mulher. Pois não leva em conta os direitos do ser em gestação que, aliás, não pode sequer alçar a voz para defender-se. Quando a Bíblia se reporta a algumas pessoas chamadas por Deus desde o ventre (Gn 25.20-23; Is 49.1; Lc 1.15,41; Gl 1.15,16) está implicitamente afirmando não só o direito de o ser em gestação nascer, mas de cumprir igualmente os propósitos para os quais vem ao mundo.

Os princípios bíblicos apontam para a soberania divina em cada concepção. Pois toda criatura nasce sob permissão de Deus, e só Ele, o doador da vida, tem o direito absoluto sobre ela (Is 45.12; Mt 10.28). Como afirmou Davi, referindo-se à própria concepção: “Os teus olhos viram o meu corpo ainda informe, e no teu livro todas estas coisas foram escritas, as quais iam sendo dia a dia formadas, quando nem ainda uma delas havia” (v.16).

Como se vê, em nenhum momento os defensores do aborto tratam do propósito e da soberania de Deus concernente à vida humana. Os planos de Deus, contudo, são inegociáveis como Ele próprio declara ao profeta Jeremias: “Antes que eu te formasse no ventre, eu te conheci; e, antes que saísses da madre, te santifiquei e às nações te dei por profeta” (Jr 1.5).

- A vida humana é uma dádiva de Deus, é algo sobre o que os homens não têm qualquer domínio. As atitudes recentes que permitem o aborto e a eliminação de embriões apresentam diversas justificativas mas são, à luz da Bíblia, demonstrações da autossuficiência humana, de sua rebeldia contra Deus e de sua submissão ao pecado e ao seu desejo (Gn.4:7). Enquanto dissemina a prática do aborto e da eliminação de embriões, o homem nada mais faz senão contribuir para o trabalho de destruição do adversário de nossas almas e a Igreja, que é o corpo de Cristo, tem de lutar decididamente contra isto, pois está aqui para fazer a obra de Jesus que é desfazer as obras do diabo ( I Jo.3:8). Como devemos lutar contra isto ?

OBS: Cabe, aqui, uma vez mais, observar a análise feita por Karol Woytila: "... Por um lado, as várias declarações dos direitos do homem e as múltiplas iniciativas que nelas se inspiram, indicam a consolidação a nível mundial de uma sensibilidade moral mais diligente em reconhecer o valor e a dignidade de cada ser humano enquanto tal, sem qualquer distinção de raça, nacionalidade, religião, opinião política, estrato social.Por outro lado, a estas nobres proclamações contrapõem-se, infelizmente nos factos, a sua trágica negação. Esta é ainda mais desconcertante, antes mais escandalosa, precisamente porque se realiza numa sociedade que faz da afirmação e tutela dos direitos humanos o seu objectivo principal e, conjuntamente, o seu título de glória. Como pôr de acordo essas repetidas afirmações de princípio com a contínua multiplicação e a difusa legitimação dos atentados à vida humana? Como conciliar estas declarações com a recusa do mais débil, do mais carenciado, do idoso, daquele que acaba de ser concebido? Estes atentados encaminham-se exactamente na direcção contrária à do respeito pela vida e representam uma ameaça frontal a toda a cultura dos direitos do homem. É uma ameaça capaz, em última análise, de pôr em risco o próprio significado da convivência democrática: de sociedade de « con-viventes », as nossas cidades correm o risco de passar a sociedade de excluídos, marginalizados, irradiados e suprimidos. Se depois o olhar se alarga ao horizonte mundial, como não pensar que a afirmação dos direitos das pessoas e dos povos, verificada em altas reuniões internacionais, se reduz a um estéril exercício retórico, se lá não é desmascarado o egoísmo dos países ricos que fecham aos países pobres o acesso ao desenvolvimento ou o condicionam a proibições absurdas de procriação, contrapondo o progresso ao homem? Porventura não é de pôr em discussão os próprios modelos económicos, adoptados pelos Estados frequentemente também por pressões e condicionamentos de carácter internacional, que geram e alimentam situações de injustiça e violência, nas quais a vida humana de populações inteiras fica degradada e espezinhada?19. Onde estão as raízes de uma contradição tão paradoxal? Podemo-las individuar em avaliações globais de ordem cultural e moral, a começar daquela mentalidade que, exasperando e até deformando o conceito de subjectividade, só reconhece como titular de direitos quem se apresente com plena ou, pelo menos, incipiente autonomia e esteja fora da condição de total dependência dos outros. Mas, como conciliar tal impostação com a exaltação do homem enquanto ser « não-disponível »? A teoria dos direitos humanos funda-se precisamente na consideração do facto de o homem, ao contrário dos animais e das coisas, não poder estar sujeito ao domínio de ninguém. Deve-se acenar ainda àquela lógica que tende a identificar a dignidade pessoal com a capacidade de comunicação verbal e explícita e, em todo o caso, experimentável. Claro que, com tais pressupostos, não há espaço no mundo para quem, como o nascituro ou o doente terminal, é um sujeito estruturalmente débil, parece totalmente à mercê de outras pessoas e radicalmente dependente delas, e sabe comunicar apenas mediante a linguagem muda de uma profunda simbiose de afectos. Assim a força torna-se o critério de decisão e de acção, nas relações interpessoais e na convivência social. Mas isto é precisamente o contrário daquilo que, historicamente, quis afirmar o Estado de direito, como comunidade onde as « razões da força » são substituídas pela « força da razão ». A outro nível, as raízes da contradição que se verifica entre a solene afirmação dos direitos do homem e a sua trágica negação na prática, residem numa concepção da liberdade que exalta o indivíduo de modo absoluto e não o predispõe para a solidariedade, o pleno acolhimento e serviço do outro. Se é certo que, por vezes, a supressão da vida nascente ou terminal aparece também matizada com um sentido equivocado de altruísmo e de compaixão humana, não se pode negar que tal cultura de morte, no seu todo, manifesta uma concepção da liberdade totalmente individualista que acaba por ser a liberdade dos « mais fortes » contra os débeis, destinados a sucumbir. Precisamente neste sentido, se pode interpretar a resposta de Caim à pergunta do Senhor « onde está Abel, teu irmão? »: « Não sei dele. Sou, porventura, guarda do meu irmão? » (Gn 4, 9). Sim, todo o homem é « guarda do seu irmão », porque Deus confia o homem ao homem. E é tendo em vista também tal entrega que Deus dá a cada homem a liberdade, que possui uma dimensão relacional essencial. Trata-se de um grande dom do Criador, quando colocada como deve ser ao serviço da pessoa e da sua realização mediante o dom de si e o acolhimento do outro; quando, pelo contrário, a liberdade é absolutizada em chave individualista, fica esvaziada do seu conteúdo originário e contestada na sua própria vocação e dignidade... Reivindicar o direito ao aborto, ao infanticídio, à eutanásia, e reconhecê-lo legalmente, equivale a atribuir à liberdade humana um significado perverso e iníquo: o significado de um poder absoluto sobre os outros e contra os outros. Mas isto é a morte da verdadeira liberdade: « Em verdade, em verdade vos digo: todo aquele que comete o pecado é escravo do pecado » (Jo 8, 34)." (Evangelium vitae, no 18,19,20) (end.cit.).

- Em primeiro lugar, a Igreja deve pregar o evangelho, notadamente para adolescentes e jovens que são os primeiros alvos da propaganda e da prática abortista. Com efeito, o aborto é consequência da promiscuidade e da libertinagem sexual que é apregoada e defendida pela sociedade deste século. Somente o evangelho pode trazer o respeito à vida, pois Jesus veio para que tenhamos vida e vida com abundância (Jo.10:10). Em Jesus está a vida e só tendo Jesus é que poderemos dar valor à vida (Jo.1:4). Isto faz com que a Igreja tenha um efetivo trabalho de educação e de orientação dos seus jovens, adolescentes e crianças, pois devemos começar pelos domésticos da fé (Gl.6:10).

- Em segundo lugar, a Igreja deve assistir as grávidas, notadamente aquelas que tiveram gravidezes indesejadas, buscando convencê-las a não abortar. Deve ir ao encontro destas pessoas, que, certamente, estarão passando por crises existenciais, muitas vezes sem Deus e sem salvação, levando-lhes uma palavra de amor, de salvação, de consolo e oferecendo a água da vida. Tal qual Jesus procedeu seja com a mulher samaritana(Jo.4:13-19), seja com a mulher adúltera(Jo.8:1-11), a Igreja não deve agir de forma condenadora e incriminadora, mas levando a palavra de misericórdia, de perdão e de amor que é a mensagem que nos foi concedida por Jesus(Jo.6:63,68). Muitos têm falhado e contribuído para milhares e milhares de abortos pela sua atitude preconceituosa, condenadora e farisaica para com mulheres que erraram e, por causa de seus erros na conduta moral, acabam engravidando e, diante de uma atitude desumana de “pseudocristãos”, ao pecado de prostituição acabam adicionando o pecado do aborto.

OBS: "...Surgindo uma jovem solteira grávida qual a posição da igreja? Evidentemente que não se deve aconselhar o aborto, antes o mal deve ser remediado logo que possível. Em primeiro lugar, a jovem deve arrepender-se do pecado cometido e, se possível, casar-se para evitar outros problemas. A Igreja neste ponto tem um papel importante no aconselhamento com a Palavra de Deus e com informações das mulheres casadas experientes e ainda no conforto e acompanhamento..." (O que a Bíblia diz sobre o aborto. www.bussola.cjb.net)

"...Se você está considerando abortar .O aborto não é uma escolha. É um assassinato. Mas não se desespere, Deus está no controle. Não existe situação sem esperança para Ele. Tenha seu filho. Deus redimirá a situação, assim como Ele fez para José. Os irmãos de José intentaram matá-lo, mas Deus o preservou e usou a seqüência dos exemplos para salvar uma nação inteira. José declarou a seus irmãos: "Foi Deus quem me enviou adiante de vós para vos preservar a posteridade na terra e salvar as vossas vidas pôr uma grande libertação". Talvez você esteja transportando um filho proveniente de uma união ilícita. Muitos de nós tem membros da família, até cônjuges, que não estariam vivos hoje se as crianças ilegítimas ou indesejadas tivessem sido abortadas. A vida que está dentro de você é um precioso Dom de Deus, não a mate...." (Aborto, o que a Bíblia declara. www.bussola.cjb.net).

- Neste convencimento para que não se faça o aborto, a Igreja não deve apenas usar de palavras, mas, sim, de gestos concretos (I Co.2:4,5; I Jo.3:18), como a própria assistência à gravidez e o próprio encaminhamento da criança para um lar substituto assim que houver o nascimento caso a mãe não queira, de modo algum, ficar com a criança, decisão que devemos respeitar, pois depende da individualidade de cada um. A Igreja deve lutar para preservar a vida humana e não pode querer controlar a consciência e o arbítrio da mãe. Neste sentido, aliás, de se louvar o trabalho de várias igrejas locais nos Estados Unidos (onde o aborto está legalizado em quase todos os Estados), que têm um serviço eficiente de busca de mulheres grávidas que queiram abortar, de assistência durante a gravidez e de encaminhamento para adoção, em colaboração com a justiça da infância daquele país. Também aqui se deve ressaltar o trabalho realizado na Índia pela católica Madre Teresa de Calcutá, que foi Prêmio Nobel da Paz, cuja ordem religiosa se incumbia de cuidar das crianças das mães que desistiam de abortar.

- Com relação à eliminação de embriões, deve a Igreja conscientizar os casais que farão uso da inseminação artificial das suas implicações éticas e da conduta que deve ter um casal cristão, procurando também se fazer ouvir aos casais não crentes

3- A posição cristã. A igreja que mantém o princípio teológico da autoridade bíblica (2 Tm 3.16 ) defende a dignidade humana e a inviolabilidade da vida desde a sua concepção. Ensina que a vida humana é sagrada em todas as etapas do desenvolvimento da vida e que não pode ser violada por nenhum tipo de cultura (1 Sm 2.6). Ratifica que toda ideologia que seculariza os princípios bíblicos deve ser combatida (2 Tm 3.8).

Comentário Extra:

- Em termos sócio-políticos, a Igreja jamais deve deixar de se pronunciar e de buscar influenciar as decisões políticas, no sentido de impedir, isto em termos de Brasil, que seja aprovada qualquer legislação abortista ou que menospreze a vida humana, seja através de manifestos, notas oficiais ou mesmo de um “lobby” direto junto ao Congresso Nacional e ao Poder Executivo. Por ocasião das eleições, deve buscar saber a posição de cada candidato a respeito do tema e orientar o povo de Deus a que não compactue com qualquer movimento ou grupo que defenda o aborto, dada a sua contrariedade à Palavra de Deus. A Igreja deve buscar tudo o que é lícito na sociedade e aborrecer o mal (Fp.4:8, Rm.12:9)

OBS: Elucidativa é a posição oficial da Igreja Romana sobre o tema, como se vê na encíclica já tantas vezes mencionada aqui, a saber: "... No referente ao direito à vida, cada ser humano inocente é absolutamente igual a todos os demais. Esta igualdade é a base de todo o relacionamento social autêntico, o qual, para o ser verdadeiramente, não pode deixar de se fundar sobre a verdade e a justiça, reconhecendo e tutelando cada homem e cada mulher como pessoa, e não como coisa de que se possa dispor. Diante da norma moral que proíbe a eliminação directa de um ser humano inocente, « não existem privilégios, nem excepções para ninguém. Ser o dono do mundo ou o último "miserável" sobre a face da terra, não faz diferença alguma: perante as exigências morais, todos somos absolutamente iguais ».53« Vossos olhos contemplaram-me ainda em embrião » (Sal 139138, 16): o crime abominável do aborto.58. Dentre todos os crimes que o homem pode realizar contra a vida, o aborto provocado apresenta características que o tornam particularmente grave e abjurável. 

O Concílio Vaticano II define-o, juntamente com o infanticídio, « crime abominável ».54 .Mas hoje, a percepção da sua gravidade vai-se obscurecendo progressivamente em muitas consciências. A aceitação do aborto na mentalidade, nos costumes e na própria lei, é sinal eloquente de uma perigosíssima crise do sentido moral que se torna cada vez mais incapaz de distinguir o bem do mal, mesmo quando está em jogo o direito fundamental à vida. Diante de tão grave situação, impõe-se mais que nunca a coragem de olhar frontalmente a verdade e chamar as coisas pelo seu nome, sem ceder a compromissos com o que nos é mais cómodo, nem à tentação de autoengano. A propósito disto, ressoa categórica a censura do Profeta: « Ai dos que ao mal chamam bem, e ao bem, mal, que têm as trevas por luz e a luz por trevas » (Is 5, 20). Precisamente no caso do aborto, verifica-se a difusão de uma terminologia ambígua, como « interrupção da gravidez », que tende a esconder a verdadeira natureza dele e a atenuar a sua gravidade na opinião pública. Talvez este fenómeno linguístico seja já, em si mesmo, sintoma de um mal-estar das consciências. Mas nenhuma palavra basta para alterar a realidade das coisas: o aborto provocado é a morte deliberada e directa, independentemente da forma como venha realizada, de um ser humano na fase inicial da sua existência, que vai da concepção ao nascimento.A gravidade moral do aborto provocado aparece em toda a sua verdade, quando se reconhece que se trata de um homicídio e, particularmente, quando se consideram as circunstâncias específicas que o qualificam. A pessoa eliminada é um ser humano que começa a desabrochar para a vida, isto é, o que de mais inocente, em absoluto, se possa imaginar: nunca poderia ser considerado um agressor, menos ainda um injusto agressor! É frágil, inerme, e numa medida tal que o deixa privado inclusive daquela forma mínima de defesa constituída pela força suplicante dos gemidos e do choro do recém-nascido. Está totalmente entregue à protecção e aos cuidados daquela que o traz no seio. E todavia, às vezes, é precisamente ela, a mãe, quem decide e pede a sua eliminação, ou até a provoca.

É verdade que, muitas vezes, a opção de abortar reveste para a mãe um carácter dramático e doloroso: a decisão de se desfazer do fruto concebido não é tomada por razões puramente egoístas ou de comodidade, mas porque se quereriam salvaguardar alguns bens importantes como a própria saúde ou um nível de vida digno para os outros membros da família. Às vezes, temem-se para o nascituro condições de existência tais que levam a pensar que seria melhor para ele não nascer. Mas estas e outras razões semelhantes, por mais graves e dramáticas que sejam, nunca podem justificar a supressão deliberada de um ser humano inocente.59. A decidirem a morte da criança ainda não nascida, a par da mãe, aparecem, com frequência, outras pessoas. Antes de mais, culpado pode ser o pai da criança, não apenas quando claramente constringe a mulher ao aborto, mas também quando favorece indirectamente tal decisão ao deixá-la sozinha com os problemas de uma gravidez: 55 desse modo, a família fica mortalmente ferida e profanada na sua natureza de comunidade de amor e na sua vocação para ser « santuário da vida ». Nem se podem calar as solicitações que, às vezes, provêm do âmbito familiar mais alargado e dos amigos. A mulher, não raro, é sujeita a pressões tão fortes que se sente psicologicamente constrangida a ceder ao aborto: não há dúvida que, neste caso, a responsabilidade moral pesa particularmente sobre aqueles que directa ou indirectamente a forçaram a abortar. Responsáveis são também os médicos e restantes profissionais da saúde, sempre que põem ao serviço da morte a competência adquirida para promover a vida.Mas a responsabilidade cai ainda sobre os legisladores que promoveram e aprovaram leis abortistas, e sobre os administradores das estruturas clínicas onde se praticam os abortos, na medida em que a sua execução deles dependa. Uma responsabilidade geral, mas não menos grave, cabe a todos aqueles que favoreceram a difusão de uma mentalidade de permissivismo sexual e de menosprezo pela maternidade, como também àqueles que deveriam ter assegurado e não o fizeram válidas políticas familiares e sociais de apoio às famílias, especialmente às mais numerosas ou com particulares dificuldades económicas e educativas. Não se pode subestimar, enfim, a vasta rede de cumplicidades, nela incluindo instituições internacionais, fundações e associações, que se batem sistematicamente pela legalização e difusão do aborto no mundo. Neste sentido, o aborto ultrapassa a responsabilidade dos indivíduos e o dano que lhes é causado, para assumir uma dimensão fortemente social: é uma ferida gravíssima infligida à sociedade e à sua cultura por aqueles que deveriam ser os seus construtores e defensores. Como escrevi na Carta às Famílias, « encontramo-nos defronte a uma enorme ameaça contra a vida, não apenas dos simples indivíduos, mas também de toda a civilização ».56 Achamo-nos perante algo que bem se pode definir uma « estrutura de pecado » contra a vida humana ainda não nascida.60. 

Alguns tentam justificar o aborto, defendendo que o fruto da concepção, pelo menos até um certo número de dias, não pode ainda ser considerado uma vida humana pessoal. Na realidade, porém, « a partir do momento em que o óvulo é fecundado, inaugura-se uma nova vida que não é a do pai nem a da mãe, mas sim a de um novo ser humano que se desenvolve por conta própria. Nunca mais se tornaria humana, se não o fosse já desde então. A esta evidência de sempre (...) a ciência genética moderna fornece preciosas confirmações. Demonstrou que, desde o primeiro instante, se encontra fixado o programa daquilo que será este ser vivo: uma pessoa, esta pessoa individual, com as suas notas características já bem determinadas. Desde a fecundação, tem início a aventura de uma vida humana, cujas grandes capacidades, já presentes cada uma delas, apenas exigem tempo para se organizar e encontrar prontas a agir ».57 Não podendo a presença de uma alma espiritual ser assinalada através da observação de qualquer dado experimental, são as próprias conclusões da ciência sobre o embrião humano a fornecer « uma indicação valiosa para discernir racionalmente uma presença pessoal já a partir desta primeira aparição de uma vida humana: como poderia um indivíduo humano não ser uma pessoa humana? ».58Aliás, o valor em jogo é tal que, sob o perfil moral, bastaria a simples probabilidade de encontrar-se em presença de uma pessoa para se justificar a mais categórica proibição de qualquer intervenção tendente a eliminar o embrião humano. Por isso mesmo, independentemente dos debates científicos e mesmo das afirmações filosóficas com os quais o Magistério não se empenhou expressamente, a Igreja sempre ensinou e ensina que tem de ser garantido ao fruto da geração humana, desde o primeiro instante da sua existência, o respeito incondicional que é moralmente devido ao ser humano na sua totalidade e unidade corporal e espiritual: « O ser humano deve ser respeitado e tratado como uma pessoa desde a sua concepção e, por isso, desde esse mesmo momento, devem-lhe ser reconhecidos os direitos da pessoa, entre os quais e primeiro de todos, o direito inviolável de cada ser humano inocente à vida ».59 61. Os textos da Sagrada Escritura, que nunca falam do aborto voluntário e, por conseguinte, também não apresentam condenações directas e específicas do mesmo, mostram pelo ser humano no seio materno uma consideração tal que exige, como lógica consequência, que se estenda também a ele o mandamento de Deus: « não matarás ».A vida humana é sagrada e inviolável em cada momento da sua existência, inclusive na fase inicial que precede o nascimento. Desde o seio materno, o homem pertence a Deus que tudo perscruta e conhece, que o forma e plasma com suas mãos, que o vê quando ainda é um pequeno embrião informe, e que nele entrevê o adulto de amanhã, cujos dias estão todos contados e cuja vocação está já escrita no « livro da vida » (cf. Sal 139138, 1.13-16). 

Quando está ainda no seio materno como testemunham numerosos textos bíblicos 60 já o homem é objecto muito pessoal da amorosa e paterna providência de Deus. A Tradição cristã como justamente se realça na Declaração sobre esta matéria, emanada pela Congregação para a Doutrina da Fé 61 é clara e unânime, desde as suas origens até aos nossos dias, em classificar o aborto como desordem moral particularmente grave. A comunidade cristã, desde o seu primeiro confronto com o mundo greco-romano onde se praticava amplamente o aborto e o infanticídio, opôs-se radicalmente, com a sua doutrina e a sua praxe, aos costumes generalizados naquela sociedade, como o demonstra a já citada Didaké.62 Entre os escritores eclesiásticos da área linguística grega, Atenágoras recorda que os cristãos consideram homicidas as mulheres que recorrem a produtos abortivos, porque os filhos, apesar de estarem ainda no seio da mãe, « são já objecto dos cuidados da Providência divina ».63 Entre os latinos, Tertuliano afirma: « É um homicídio premeditado impedir de nascer; pouco importa que se suprima a alma já nascida ou que se faça desaparecer durante o tempo até ao nascer. É já um homem aquele que o será ».64 Ao longo da sua história já bimilenária, esta mesma doutrina foi constantemente ensinada pelos Padres da Igreja, pelos seus Pastores e Doutores. Mesmo as discussões de carácter científico e filosófico acerca do momento preciso da infusão da alma espiritual não incluíram nunca a mínima hesitação quanto à condenação moral do aborto.62. 

O Magistério pontifício mais recente reafirmou, com grande vigor, esta doutrina comum. Em particular Pio XI, na encíclica Casti connubii rejeitou as alegadas justificações do aborto; 65 Pio XII excluiu todo o aborto directo, isto é, qualquer acto que vise directamente destruir a vida humana ainda não nascida, « quer tal destruição seja pretendida como fim ou apenas como meio para o fim »; 66 João XXIII corroborou que a vida humana é sagrada, porque « desde o seu despontar empenha directamente a acção criadora de Deus ».67 O Concílio Vaticano II, como já foi recordado, condenou o aborto com grande severidade: « A vida deve, pois, ser salvaguardada com extrema solicitude, desde o primeiro momento da concepção; o aborto e o infanticídio são crimes abomináveis ».68A disciplina canónica da Igreja, desde os primeiros séculos, puniu com sanções penais aqueles que se manchavam com a culpa do aborto, e tal praxe, com penas mais ou menos graves, foi confirmada nos sucessivos períodos históricos. O Código de Direito Canónico de 1917, para o aborto, prescrevia a pena de excomunhão.69 Também a legislação canónica, há pouco renovada, continua nesta linha quando determina que « quem procurar o aborto, seguindo-se o efeito, incorre em excomunhão latae sententiae »,70 isto é, automática. A excomunhão recai sobre todos aqueles que cometem este crime com conhecimento da pena, incluindo também cúmplices sem cujo contributo o aborto não se teria realizado: 71 com uma sanção assim reiterada, a Igreja aponta este crime como um dos mais graves e perigosos, incitando, deste modo, quem o comete a ingressar diligentemente pela estrada da conversão. Na Igreja, de facto, a finalidade da pena de excomunhão é tornar plenamente consciente da gravidade de um determinado pecado e, consequentemente, favorecer a adequada conversão e penitência.

Frente a semelhante unanimidade na tradição doutrinal e disciplinar da Igreja, Paulo VI pôde declarar que tal ensinamento não conheceu mudança e é imutável.72 Portanto, com a autoridade que Cristo conferiu a Pedro e aos seus Sucessores, em comunhão com os Bispos que de várias e repetidas formas condenaram o aborto e que, na consulta referida anteriormente, apesar de dispersos pelo mundo, afirmaram unânime consenso sobre esta doutrina declaro que o aborto directo, isto é, querido como fim ou como meio, constitui sempre uma desordem moral grave, enquanto morte deliberada de um ser humano inocente. Tal doutrina está fundada sobre a lei natural e sobre a Palavra de Deus escrita, é transmitida pela Tradição da Igreja e ensinada pelo Magistério ordinário e universal.73Nenhuma circunstância, nenhum fim, nenhuma lei no mundo poderá jamais tornar lícito um acto que é intrinsecamente ilícito, porque contrário à Lei de Deus, inscrita no coração de cada homem, reconhecível pela própria razão, e proclamada pela Igreja.63. 

A avaliação moral do aborto deve aplicar-se também às recentes formas de intervenção sobre embriões humanos, que, não obstante visarem objectivos em si legítimos, implicam inevitavelmente a sua morte. É o caso da experimentação sobre embriões, em crescente expansão no campo da pesquisa biomédica e legalmente admitida em alguns países. Se « devem ser consideradas lícitas as intervenções no embrião humano, sob a condição de que respeitem a vida e a integridade do embrião, não comportem para ele riscos desproporcionados, e sejam orientadas para a sua cura, para a melhoria das suas condições de saúde ou para a sua sobrevivência individual »,74 impõe-se, pelo contrário, afirmar que o uso de embriões ou de fetos humanos como objecto de experimentação constitui um crime contra a sua dignidade de seres humanos, que têm direito ao mesmo respeito devido à criança já nascida e a qualquer pessoa.75A mesma condenação moral vale para o sistema que desfruta os embriões e os fetos humanos ainda vivos às vezes « produzidos » propositadamente para este fim através da fecundação in vitro seja como « material biológico » à disposição, seja como fornecedores de órgãos ou de tecidos para transplante no tratamento de algumas doenças. Na realidade, o assassínio de criaturas humanas inocentes, ainda que com vantagem para outras, constitui um acto absolutamente inaceitável. Especial atenção há-de ser reservada à avaliação moral das técnicas de diagnose pré-natal, que permitem individuar precocemente eventuais anomalias do nascituro. Com efeito, devido à complexidade dessas técnicas, a avaliação em causa deve fazer-se mais cuidadosa e articuladamente. 

Quando estão isentas de riscos desproporcionados para a criança e para a mãe, e se destinam a tornar possível uma terapia precoce ou ainda a favorecer uma serena e consciente aceitação do nascituro, estas técnicas são moralmente lícitas. Mas, dado que as possibilidade de cura antes do nascimento são hoje ainda reduzidas, acontece bastantes vezes que essas técnicas são postas ao serviço de uma mentalidade eugenista que aceita o aborto selectivo, para impedir o nascimento de crianças afectadas por tipos vários de anomalias. Semelhante mentalidade é ignominiosa e absolutamente reprovável, porque pretende medir o valor de uma vida humana apenas segundo parâmetros de « normalidade » e de bem-estar físico, abrindo assim a estrada à legitimação do infanticídio e da eutanásia. Na realidade, porém, a própria coragem e serenidade com que muitos irmãos nossos, afectados por graves deficiências, conduzem a sua existência quando são aceites e amados por nós, constituem um testemunho particularmente eficaz dos valores autênticos que qualificam a vida e a tornam, mesmo em condições difíceis, preciosa para o próprio e para os outros. A Igreja sente-se solidária com os cônjuges que, com grande ansiedade e sofrimento, aceitam acolher os seus filhos gravemente deficientes, tal como se sente grata a todas as famílias que, pela adopção, acolhem os que são abandonados pelos seus pais por causa de limitações ou doenças. (Evangelium vitae, no 58 a 63) 

A morte passou a fazer parte da história do homem somente a partir da sua queda no Éden. Portanto, Deus não criou o homem para a morte; criou-o para a vida. A luta pela vida é algo inato no ser humano. Desejar a morte é algo que somente se manifesta em tempos de profunda crise. É exceção; contraria a vontade divina. Quando o profeta Elias foi tomado por esse cruel sentimento, Deus não lhe ofereceu a eutanásia como saída, mas reconfortou-lhe o coração, confiando-lhe algumas tarefas até que se cumprissem os seus dias (1Rs 19.1-21). Aqui, meditar atentamente no v.7. A morte, na verdade, é o resultado do juízo de Deus sobre os nossos primeiros pais, em virtude de sua desobediência, estendendo-se também a toda raça humana (Gn 3.19; Rm 5.12; 6.23).

Na sentença dada por Deus a Adão (ver Gn 3.17), vemos claramente a menção à vida: “com dor comerás dela [a terra] todos os dias da tua vida”. O texto pressupõe um tempo para viver que só seria dado por concluído quando chegasse a hora da morte, segundo os desígnios de Deus, e não conforme a vontade do homem (Ec 3.2). Assim, qualquer ato que implique na abreviação da vida, tenha o nome que tiver, vai de encontro ao que Deus planejou para o ser humano (2Tm 4.6-8; At 18.9-11).


SINOPSE III

As Sagradas Escrituras defendem a dignidade humana e a inviolabilidade da vida desde a sua concepção, tal como a Igreja de Cristo deve fazer.

CONCLUSÃO

A gestação e a procriação do ser humano são bênçãos divinas (Gn 9.7). A concepção de Cristo no ventre de uma virgem certifica a sacralidade da vida intrauterina. A interrupção da vida em qualquer fase da gravidez é uma agressão ao direito inviolável de nascer. A valorização da dignidade humana, o direito à vida e o cuidado à pessoa vulnerável são princípios imutáveis do cristianismo bíblico (Jo 10.10). Acerca do assunto, a Bíblia assegura que Deus é o autor e o detentor da vida humana (Jó 12.10).

Comentário Extra:

O aborto e a eutanásia são, portanto, fruto da mente doentia dos humanistas, cuja consciência, cauterizada que está pelo pecado, já não reconhece as demandas de Deus em favor da vida. A raça humana, para os humanistas, é constituída de seres meramente orgânicos, que devem ser eliminados sem qualquer subordinação ao desígnio divino. Mas, como vimos, o nascer e o viver são atos da vontade soberana de Deus.

Mesmo sem ser uma pessoa completa, o embrião, ou feto, não é subumano; é uma pessoa em formação, em potencial. Da primeira à oitava semana (2 meses), completa-se a formação de todos os órgãos apresentados, inclusive, as impressões digitais. Aos três meses, no útero, o bebê já está formado esperando crescer e sair à luz. Mesmo como o ovo, ou feto, desde a concepção, cremos que o bebê não só tem vida, mas também alma e espírito dentro dele (Zc 12.1). O homem, nesse texto, não é um ser humano adulto, mas um ser criado, com todas as características genéticas, sem dúvida. Assim, Deus não dá o espírito (e a alma) a um amontoado de células ou a uma coisa, como entendem os materialistas, mas Ele o dá a um ser grande, com potencialidades para nascer.

Há quem defenda a eutanásia ativa, sob o argumento de que ‘não se deve manter artificialmente a vida subumana ou pós-humana vegetativa’, e que se deve evitar o sofrimento dos pacientes desenganados, com moléstias prolongadas (câncer, AIDS, etc). Somos de parecer que o cristão não deve apoiar essa prática, pois consiste em uma ação deliberada e consciente, normalmente por parte do médico, a pedido do paciente, ou de familiares (ou sem consentimento), através da aplicação de algum tipo de agente (substâncias, medicamentos, etc) que leve o paciente à morte, evitando o seu sofrimento. A Bíblia diz: “Não matarás...” (Êx 20.13). O verbo matar, aí, é rasab , que tem o sentido de assassinar intencionalmente (não se aplica ao caso de matar na guerra, em defesa própria, etc). A ação do médico, tirando a vida do paciente, é vista como um assassinato, segundo a maioria dos estudiosos da ética cristã. Tradicionalmente, se reconhece que a eutanásia é um crime contra a vontade de Deus, expressa no decálogo, e contra o direito de vida de todos os seres humanos” (LIMA, Elinaldo Renovato. Ética cristã, confrontando as questões do nosso tempo. RJ: CPAD, 2002, pp.46,138,139).

REVISANDO O CONTEÚDO

1- De acordo com a lição, o que preparou o mundo para crer e receber o milagre da concepção de Jesus por meio de uma virgem ? O testemunho das Escrituras de mulheres estéreis que ficaram grávidas.
2- De acordo com a lição, o que são endossadas quando a Bíblia registra a gravidez miraculosa de Maria e de Isabel? A relevância da gestação e da sacralidade da vida no ventre da mãe.
3- Cite a s pautas que caracterizam a cultura da morte. Entres as pautas estão a legalização do aborto e da eutanásia, apologia ao suicídio e o controle da natalidade.
4- O que caracteriza o ato de abortar? A descontinuidade da gestação do ser vivo.
5- O que a igreja defende quando mantêm o princípio teológico de autoridade bíblica? A igreja que mantém o princípio teológico da autoridade bíblica (2 Tm 3.16) defende a dignidade humana e a inviolabilidade da vida desde a sua concepção.


SAIBA MAIS SOBRE
 ESCOLA DOMINICAL:

Gostou do site? Ajude-nos a manter e melhorar ainda mais este Site: Nos abençoe com uma oferta voluntária pelo PiX/TEL (15)99798-4063 ou (pix/email) pecadorconfesso@hotmail.com – Seja um parceiro desta obra. “(Dai, e dar-se-vos-á; boa medida, recalcada, sacudida, transbordante, generosamente vos dará; porque com a medida com que tiverdes medido vos medirão também. Lucas 6:38 )”

SAIBA TUDO SOBRE A ESCOLA DOMINICAL:

Clique aqui para Download das:

SUBSÍDIOS DAS Revista – 3º Trimestre De 2023 | CLIQUE E ACESSE |









---------------------------------------------------------

Acesse nossos grupos, clique, entre e tenha mais conteúdo:

Muito conteúdo sem sobrecarregar seu celular.
Acesse mais Conteúdo pelo Telegram
Mais conteúdo pelo WhatsApp
Gostou do site? Ajude-nos a Manter e melhorar ainda mais este Site.
Nos abençoe Com Uma Oferta Voluntária pelo

PIX/e-mail: pecadorconfesso@hotmail.com
ou PIX/Tel: (15)99798-4063 ou PicPay: @pecadorconfesso

Seja um parceiro desta obra.
Clique também nas propagandas. Cada clique ajudará bastante.
“Dai, e dar-se-vos-á; boa medida, recalcada, sacudida, transbordante, generosamente vos dará; porque com a medida com que tiverdes medido vos medirão também”. (Lucas 6:38)

---------------------------------------------------------

COMMENTS

BLOGGER: 4
  1. Graça e paz a todos. Não conhecia este site, um irmão da nossa igreja me apresentou ele sexta dia 28/7, fiquei maravilhado com tantos conteúdos com excelente qualidade. Quero agradecer a Deus por todos pastores envolvidos neste lindo projeto que leva a possibilidade do povo de Deus buscar crescer na graça e no conhecimento de forma totalmente gratuita.

    ResponderExcluir
  2. A PAZ DO SENHOR - Desde o início do trimestre tenho utilizado um dos modelos de slide que você posta da lição dos adultos CPAD, vocês postaram do slide 01 até o 05 deste modelo, no entanto está faltando o slide 06 e 07, não sei quem é o autor do slide para identificá-lo, só sei que tem imagens muito bonitas e transparentes. Por favor, vocês poderiam postar o slide da aula 06 e 07 deste modelo para download. Desde já agradeço pela sua colaboração.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Paz do Senhor, esses slides específicos que você cita, são da EBD PANORAMA

      Excluir

Sobre o Autor:
Ev. Hubner BrazÉ escritor, professor, blogueiro, pastor. Vivendo para o Reino de Deus. Trabalhando incansavelmente para deixar o blog sempre atualizado abençoando e evangelizando as vidas que acessam este espaço de aprendizado cristão. Criador do projeto Pecador Confesso e tem se destacado em palestras e cursos para jovens, casais, obreiros e missões urbanas | (Tecnologia WordPress).

Nos abençoe pelo PiX pecadorconfesso@hotmail.com

A Contribuição financiará os Projetos: • Mais Ferramentas para o Site. • Melhorar visual. • Manter o Site ativo e funcionando. • Ajudar nas compras de cestas básicas • Fazer parte das Missões Urbanas. • Distribuir Bíblias Grátis. • Discipular Novos Convertidos. • Adicionar Slides e Books em PDF. • Trazer mais Conteúdos para ajudar a ministrar as aulas. ••••Contribua pelo PiX•••• ||pecadorconfesso@hotmail.com || •• ou pix: •• (15) 99798-4063 (WhatsApp)

NOVOS COMENTÁRIOS$type=list-tab$com=0$c=4$src=recent-comments

Nome

#desafio42dias,6,1° Trimestre de 2020,2,10 Coisas,14,10 Sites,3,1º Trimestre,121,1º Trimestre 2018,1,2023,1,2024,14,2º Trimestr,1,2º Trimestre,109,36 Dias De Pureza Sexual,37,3º Trimestre,98,4° TRIMESTRE 2018,1,4º TRIMESTRE,190,A igreja local e missões,28,A Intervenção de Cercília,1,A Mensagem,1,A multiforme sabedoria de Deus,3,A Raça Humana,12,A volta do homem sem rosto,1,Abençoa,6,Abençoadas,6,Abominações,1,Abraão,6,Absalão. EBD,6,Abuso Sexual,5,Acabe,1,Ação de Graça,6,Acazias,1,Acepção,1,Achados,2,AD em BH,2,Adão,16,Adolescente,79,Adolescentes,22,adolescer+,7,Adoração,9,Adulto,121,Aflição,2,Ageu,3,Agonia,1,Agostinho,2,Air,1,Ajuda,2,Ajuda do Alto,3,Ajudando Vítimas das Chuvas,1,ajudar,1,Alcoólica,1,alegria,2,Ali,1,Aline Barros,1,Alisson,1,Alma,11,Alto,2,Amar,14,Amasiado,2,Amém,1,Amigo,7,Amizade,14,Amnon e Tamar,2,Amor,57,Amor de irmãos,4,Amor Perdido,8,Amor Proibido,10,Amós,1,amostra grátis,2,Ana,4,Ananias,2,Andreza Urach,1,Anfetamina,1,Angelologia,2,Angular,1,Aniquilacionismo,1,Anjo de Luz,2,Anjos,4,Anonimo,1,Anrão,1,AntiCristo,3,Antiga,1,Antigo Testamento,6,Ao Vivo,2,Apaixonado,1,Aparece,1,Aplicativo,1,Apocalipse,24,Apologia,12,Apostasia,2,Apostolo,16,Apóstolo dos pés sangrentos,1,apóstolo Paulo,42,Apóstolos,3,App,2,Apple Store,1,apreço imenso,1,Aprendendo,3,aprender,1,APRENDER+,1,Aprendizagem,1,Aprovação,1,aprovado,1,aquecimento,1,Arca da Aliança,3,Arqueologia,2,Arrebatamento,12,Arrebatar,2,Arrependimento,11,Artesão,1,Artista,1,As 95 Teses,1,As Bases do Casamento Cristão,8,As Bodas do Cordeiro,2,Asera,1,Aserá,1,Aspectos,1,Assalto,1,Assassinato,2,Assedio,1,Assembleia de Deus,5,Assista,1,Assista ao trailer oficial do projeto divulgado pela Hillsong.,1,ASSISTIR,1,Assustar,1,Astecas,1,Atacante,1,Atalaia,2,Ataque,3,Ataques,3,Ateísmo,3,Atenção,1,Atender,1,Atentado,1,Ateu,3,Atitude,1,Atitudes,1,Atitute,1,Atividade,1,Atos,16,Atributos,17,atriz,1,Audio Book,4,Auto Escola,1,autoajuda,2,Autoridade,1,Avareza do Amor,1,Avenida Brasil,1,Aviso da Anatel foi publicado no Diário Oficial da União nesta sexta. Mudança começa no dia 29 de julho; haverá um período de adaptação. App's para iphone.,1,Avivado,8,Avivamento,13,Avó,1,Baal,1,Babel,13,bailarina,1,Baixar,37,Balaão,9,Balada Gospel,1,Balzac,1,Banalização,1,Bangu,1,banner,1,Barack Obama,2,Barato,1,Barnabé,2,Base Bíblica,37,Batalha Espirítual,31,Batismo,10,Batismo nas Águas,4,Batista,2,Batom Vermelho,1,Baxterismo,1,BBB,1,Beber,1,Bebês,1,Beijo na Bíblia,1,Beijo Perfeito,3,Bençãos,6,Benhour Lopes,1,Berçário,4,Bernhard Johnson Jr,1,best-seller,5,Bestas,1,Betânia,1,BETEL,151,Betel Adulto,87,Betel Jovem,40,Bíblia,83,Bíblia Diz,22,Bíblias,7,Bíblica,28,biblicas,4,Bíblico,5,Bíblicos,4,Bibliologia,2,Bienal do Livro,10,Bigamia,1,Bilhete,1,Biografia,6,Bispa,1,bissexual,1,BléiaCamp,1,Blíblica,1,BLOG,7,BlogNovela,20,Boaz,2,Bob Marley,1,Boletim,2,Bolsonaro,1,Bom,4,bom-humor,6,Bombom,1,Bondade,2,Bons Sonhos,4,Borboleta,1,Brasil,2,Brasília,1,Brenda Danese,1,Brennan Manning,2,Briga,1,Brincadeira,1,Brother Bíblia,10,Budismo,1,Bullying,1,Busca,9,C. S. Lewis,1,Cadelabro,1,Café da Manhã,1,Calendário,1,Cam,1,Caminho,10,Caminhoneiro,1,Camisa,1,Camisetaria,1,Camisetas,1,Campanha,10,Canaã,1,canal,1,Canção,2,cançasso,1,Cancêr,1,Candidato,2,Cansei,1,canseira,1,Cantada,3,Cantar do Galo,1,cantares de salomão,14,Cantor,2,Cantora,1,Cantora Jayane,1,Cantores,3,capa,1,capacitação,1,Capítulo 1,1,capítulo 10,1,Capítulo 2,1,capítulo 3,1,capítulo 4,1,capítulo 5,1,capítulo 6,1,capítulo 7,1,capítulo 8,1,capítulo 9,1,Caráter,7,cardapio,1,Carência,4,Carismático,7,Carne,2,carreira,1,Carta,18,Carta de Amor,14,Cartas,5,Cartaz,5,Casa,15,Casa Branca,4,Casamento,16,Casamento Misto,4,Catarina Migliorini,1,Cativeiro,3,Cautela,1,CD,1,CDHM,1,Central Gospel,26,Centurião,1,Cerebral,1,Certificados,1,Cessacionismo,1,Cesto,1,CETADEB,1,Céu,8,Céus,5,CGADB,3,Chama,1,Chamada,1,Chamado,2,Champions League,1,Charges,8,Charles Darwin,1,Chegando,1,Cheios,1,CHIPRE,1,Chuva,1,Ciência,7,ciência de dados,1,Ciência vs Bíblia,10,Cinco,2,Cinco momentos mais felizes da minha vida - Série Confissões,1,Circuncisão,3,Ciro Sanches Zibordi,3,Ciúme,3,Civilização,1,Clara Tannure,1,classificação,1,Cláudia,1,Cleycianne Ferreira,11,Clipe Oficial HD,2,Coach,2,Código,1,Cólera,1,Colesterol,1,Colorida,1,com Pedro Bial,1,Combater,4,Comentários,5,Comer,1,Comer Rezar Amar,1,comigo,1,como instalar e usar,3,Como ser um missionário,12,Compartilhe,2,Completo,2,Comportamento,6,Compreender,1,comunhão,7,Comunidade Cidade de Refúgio,1,Concerto,1,Concubinas,1,Concurso Cultural,2,Condição,1,Conectar,6,Confecção,1,Conferência,2,Confession,1,Confirmando,2,Confissões,91,Confrito,3,Congresso,12,Conhecendo,16,Conhecer,4,CONHECER+,1,Conhecereis a verdade,1,Conhecimento,1,Conquista,7,Conquistas,6,Conselhos,14,Consequências,1,Conservador,1,Contra,1,Contra Mão do Mundo.,2,Contraria,1,Conversão,6,Copa America,1,Copimismo,1,Coração,6,Coragem,1,Coreografia,1,Cores,1,Coríntios,6,Corona Vírus,1,Corpo,2,Correios,1,Cortinas,1,Covid-19,1,Coxo,1,CPAD,476,CPAD Adolescentes,62,CPAD Jovem,118,Crack,1,Cracolândia,3,Crente,9,crescimento,4,Creta,1,Criação,24,Cristã,14,Cristão,29,Cristianismo,3,Cristo,38,Cronograma da Bíblia,4,Cronologia,1,Crucificação,8,Cruz,11,Ctrl C + Ctrl V,1,Cuidado,2,Cuide do Coração,5,Culto,11,Culto da Virada de Ano Novo,6,Culto dos Príncipes e das Princesas são destaque no Fantástico,4,Cultura,1,Cura,4,Curado,2,Curso,5,Cuxe,1,D. A. Carson,1,Dalila,1,Dança,1,Daniel,9,Daniel Berg,1,Daniela Mercury,1,Danilo Gentili,1,Dave Hunt,1,Davi,22,Davi e Bate-Seba,9,Davi e Jônatas,9,Davi e Mical,7,de apenas três anos pode ser transferida para SP,1,debate,1,Débora,2,Decisão,1,declaração,6,dedicação,1,deep learning,1,Degeneração,1,Deidade,1,Delírios,1,demissão,2,demônio,12,Demônios,14,Denominação,1,Dentro,1,Denúncias,5,Depressão,2,Deputado Federal,1,derrotando,1,Derrubar,1,Desabamento,1,Desafiando,10,Desafio,10,Desafio Insano,7,Desafio4x4,3,Desapaixonar,3,Descobertas,2,Desculpas,1,Desejo,2,Desenho Bíblico,8,Deserto,17,Desigrejados,3,Despedida,1,Despertamento,1,Destinatários,1,Desunião,1,Deus,105,Deus é Amor,24,Deus está Morto,3,Deus Negro,1,Deus quer te usar,1,deuses falsos,12,Deuteronômio,1,Devaneios,3,Devocional,89,Dez Mandamentos,1,Dez passos,6,Dia,1,Dia da Independência do Brasil,1,Dia de Missões,28,Dia do Evangelista,2,Dia dos Namorados,18,Dia dos Pais,9,Diabetes,1,Diabo,2,Diáconos,12,Diante do Trono,3,Diante do Trono; Lagoinha Solidária,1,Diário,3,Dias,2,Dicas,12,Dicionário,3,Diferente,1,Diferentes,1,Dilma,1,Dilma fala Contra o Aborto,1,Dinâmica,9,Dinheiro,7,Discernimento,2,Discipulado,32,Discipulos,32,Discípulos,34,discussão,1,Distância,1,Diva do Senhor,1,Divina,4,Divino,4,divórcio,3,Dízimos,10,Doação,4,Doação de Bebê,2,Dobrada,1,Doença,4,doença física,7,Dom,9,Domingo Espetacular,1,Dominical,29,Dons de Curas,14,Dons de Maravilhas,14,Dores,1,Doutrina,21,Doutrinas Fundamentais,32,Download,81,Download Livros e E-books,144,Doze,1,Drink de Baygon,1,Drogas,2,Drogas Alucinógenas,2,Drogas Estimulantes,1,DST,1,Duas,1,Duelo,1,e usa nos Smartphones,1,E-Book,36,EBD,708,EBF,1,Eclesiastes,15,ecológico,1,Ecumenismo,1,Éden,8,Edificados,1,Edir Macedo,2,Editar Foto,1,Educação,1,Efatá,1,Efésios,3,Egito,6,Elcana,3,Ele,1,Eleição,6,Eleita,1,Eli,2,Elias,11,Eliasibe,1,Eliseu,2,Elizabeth Gilbert,1,Elizeu,4,Ellan Miranda,6,Elogios,1,emagrecer,1,Email,2,empresa,2,Empresa.,1,Encerramento,1,Enchente,1,Enciclopédia,1,Encontrar,1,Encontro,11,Encorajamento,4,Eneias,1,ENFRAQUECIMENTO DA IDENTIDADE PENTECOSTAL,1,Enquete,1,Ensaio Sensual,1,Ensina,1,Ensinar,4,Ensino,4,Ensinos,2,Entendendo,1,entender Deus,3,Entrevista,5,Envia,1,Envio,1,Epidemiologia,1,Epístolas,20,Época de Cristo,3,Esaú,3,Esboço Pregação,5,Escala de Professores da EBD,4,Escape,1,Escatologia,38,Escavação,1,Escola,33,Escola Bíblica Dominical,899,Escola Dominical,85,Escolha,5,Escravo,1,Escritor,1,Escrituras,4,Esdras,2,Espaço,2,esperança,5,esperança. razão,1,Espinhas no rosto,1,espinho na carne,2,Espírito,28,Espírito Santo,34,Espirituais,4,Espiritual,14,Espiritualidade,4,Estado de São Paulo,2,Ester,1,Estevão,2,Estrangeiro,1,Estranho,1,Estratagema de Deus,1,Estrutura,1,Estuda,2,Estudo Bíblico,206,Estudos Bíblicos,501,Estupro,1,Eterna,4,Eternidade,5,Eterno,3,Ética,2,Eu,1,Eu ainda te amo,1,Eufrates,1,Eva,15,evangelho,16,EVANGÉLICA,5,Evangelico,1,Evangélicos,2,Evangelismo,3,Evento,2,Evidências,1,evolução,1,ex-atriz pornô,2,Ex-BBB,1,executado,1,exegese bíblica,2,Exemplar,2,Exemplo de Tensorflow,1,Exemplos,1,exílio,3,Êxodo,2,Experiência de vida,26,Expositiva,2,Expressando,1,Extra,49,Exupéry,1,Ezequias,1,Ezequiel,4,F.F Bruce,1,Facada,1,Face de Deus,1,Facebook,1,fala,7,Falecimento,1,Falsos,13,Falta,1,familia,49,Família,49,Fat Family,2,Fazer,1,Fazer Ligação Gratuita com o App Viber é bem melhor que o Skyper,1,Fé,22,Feirinha,1,Felipe,1,Feminina,7,feminista,7,Férias,2,Ferramentas para Blogger/Twitter/Facebook,12,Festa Junina,3,Festividade,4,Ficar,1,Fidelidade,2,Fiel,4,Filha,6,Filho de Deus,9,Filho do Homem,6,Filho Pródigo,5,Filhos,17,Filipenses,1,Filisteu,1,Filme,3,Filmes,1,Fim,2,Fim de Relacionamento,7,Fim do Mundo,14,Fina Estampa,1,Final,1,Finanças,3,Firme,5,firmeza,2,Firmino,1,Fletar,1,Fogo,1,Fora,1,Forma,1,Formação,1,François Mauriac,1,Frase,5,Frases Sobre Amor,2,Frases Sobre Deus.,1,Free The Nipple,1,Friedrich Engels,1,Frutifica,6,Fundamentalismo,1,Fundamentos,1,Fúnebre,1,funk,1,futuro,1,G-JJHNKFDSCM,7,gadareno,1,Gálatas,1,Galaxy,1,Galileu,1,Galo,1,Game Of Crentes,7,Ganhe Um Livro,21,gastando pouco,1,Gay,8,Gênesis,20,Gênesis.,8,genro,1,Gentios,1,Geografia,1,Geográfica,1,Geração,2,Gestos,1,Getsemani,1,Gideões,16,Gideões Missionários da Última Hora,20,Gigante,3,Gilberto Carvalho,1,Gileade,1,Gilgal,1,Giom,1,GLBS,2,global,1,Globalismo,1,Globo,1,Glória,7,Gloriosa,1,GLOSSÁRIO,2,Glossolalia,1,Glutonaria,1,GMUH,13,Gogue,2,Goleiro,1,Golpe,1,Gômer,1,Gospel,6,Governo,4,Graça,5,Grande,5,Grande Tribulação,4,Grátis,3,Greta,1,Greve,1,grevista,1,grupos religiosos,1,Guardar,1,Guarde o Coração,3,guerra,6,Guia,2,Habacuque,4,Halloween,1,Haxixe,1,Hebraica,2,Hebreus,7,Hedonismo,4,Helena Tannure,1,Hematidrose,1,Herdeiros,1,Heresia,22,Hermenêutica,3,Hernandes,1,Hilquias,1,Hinduísmo,1,hipócrita,1,Hissopo,1,História,8,Historia Real,1,Holística,1,Holocausto,1,Homem,9,Homenagem,1,Homens,3,Homilética,3,Homofobia,15,homosexualismo,12,Homossexual,9,Honestas,1,Hóquei no Gelo,1,Hora,1,Horebe,1,Hubner Braz,23,Hulda,3,Humana,4,Humanas,1,Humanidade,2,Humano,12,Humanos,2,Humildade,2,Humor,11,I.E.Q,1,I.M.P.D.,1,Icabô,1,Identidade,2,Ideologia,1,idioma,1,Ídolos,3,Igreja,42,Igreja Assembleia de Deus dos Últimos Dias,1,Igreja Bola de Neve,1,Igreja Local,5,Igreja Mundial do Poder de Deus,3,Igreja Universal Do Reino de Deus,3,Ilha de Patmos,1,Iluminação,1,ilustração bíblica,9,Imanência,1,imersos,1,Imoral,1,Imoralidade,1,ímpio,1,Importa,1,Impostor,1,Impresso Normal,1,Impressora,1,Imutabilidade,2,Incas.,1,indenização,1,Individual,1,indústria,1,Inerrancia,1,Infantil,51,Inferno,3,infiéis,1,inglês,1,Inicio,1,Início,1,inimigo,1,injustiça,1,Insano,2,Insegurança,1,Inspiração,1,Instituição,1,Instrução,3,Integral,1,inteligência artificial,1,Intercessão,1,Internação,1,Internacional,1,Interpletação,2,interpretação,1,intertestamentários,1,Intimidade,4,Introdução,1,iPad,1,iPhone,1,Ira,1,Irmã Zuleide,1,Isaias,2,Isaque,8,Islâmico,1,Islâmismo,1,Israel,11,IURD,2,Jair Bolsonaro,1,Jair Messias Bolsonaro,1,Jardim de Infância,21,Javé,1,Jeito,1,Jejuando,1,Jejum,2,Jeroboão,1,Jerusalém,6,Jesua,1,Jesuíta,1,Jesus,47,Jesus Cristo,56,Jesus de Nazaré,9,Jezabel,1,Jó,18,João,11,João Batista. Ossada,2,Joás,1,JOEL,1,John Piper,1,John Stott,1,Jonas,2,Joquebede,2,Jornada,9,Jornal da Record,1,José,9,José Wellington,1,Josh McDowell,1,Josias,2,Josue,8,Josué,9,Jotta A,1,Jotta A lança 1º CD em culto evangélico,1,Jovem,228,Jovens,184,Judá,1,Judá e Tamar,1,Judas,1,Juízes,1,Juízo,1,Juízo Final,7,Julgamento,5,Julgamento Final,2,julgar,1,Julio de Sorocaba,1,Julio Severo,1,Juniores,42,Juramento,1,Justiça,4,Justo,1,Juvenis,22,Karkom,1,Karl Marx,1,Karma,1,Katy Perry,1,Kelly Medeiros,1,Kenneth E. Hagin,1,Kopimism,1,Lançamento,3,Lanna Holder,2,Layssa Kelly,1,Lázaro,2,Lei,5,Léia e Jacó,7,Leilão,3,Leis,2,Leitor,1,Leitora,1,Leitura,9,LEITURA BÍBLICA,3,Lembrancinhas,1,LeNovo,1,Lepra,1,Ler a Bíblia em 42 dias,3,Lésbica,1,leva Mr Catra e Sarah Sheeva para falar sobre infidelidade: “Para Deus pode tudo”. Assista ao vídeo,1,Levítico,1,Liberdade,2,Libertação,1,Libertador,1,Libertinagem,1,Libertos,2,Lição,25,Lição 5,1,Lições,1,Lições Bíblicas,8,Lições Bíblicas da BETEL,409,Lições Bíblicas da CPAD,585,Lições de Vida,28,Líder,8,Líder Adolescente,29,Líder Jovem,25,Liderança,16,Líderes,3,Lídia,1,LinkedIn,1,Lino,1,Lista,2,Litoral,1,Liverpool,1,livre,5,Livre Arbítrio,7,Livres,2,Livro,37,Livro do Trono,3,Livro em Audio,7,Livro Selado,2,Livros - Comentarios,94,Livros Evangelicos,49,livros poéticos,13,Localização,1,Logos,1,Loide,3,Loira,1,Longanimidade,1,Lopes,1,Louco,1,Louvor,10,LSD,1,Lua Nova,1,Lucas,14,Lucifer,1,Lutando,1,Lutas Marciais Mistas,1,Luto,7,Luz,1,Luz do mundo,2,Lya Luft,1,MacBook Air,1,machine learning,1,Maçonaria,1,Maconha,1,Madame de Stael,1,Mãe de Moises,8,‪Magia,1,Magogue,2,Maias,1,Mal,4,Malala,1,Malaquias,3,Manancial,1,Mandamento,1,Manifestação,3,Manifestação em Cristo,2,Manual de missões,22,Mãos,2,Maquiagem,2,Marcador de Páginas,1,Marcas,2,Marcha Para Jesus,2,Marco Pereira,1,Marcos Pereira,2,Mardoqueu,1,Maria Madalena,2,Mário Quintana,2,Martinho Lutero,1,Mártir,2,Mártires Cristãos,4,Massacre,1,Masturbação,7,Materialismo,1,maternal,16,Mateus,1,Matityáhu,1,Matrimonio,7,maturidade cristã,8,Max Lucado,2,Meditação,1,Mega Sena da Virada com Fé,1,Melhor Bíblia de Estudo,11,Melhores Blogs,3,Melhores Sites,4,Meninos de Rua,1,Menor,1,Mensagem,5,MENSAGENS,2,Mensagens para SMS,12,Mensagens SMS,2,Mensal,2,Messias,3,Mestre,4,Mesulão,1,metaverso,1,Meteoro,1,Metusalém,1,Michelle Bolsonaro,1,Mídias Sociais,2,Milagres,10,Milênio,3,Milionário,1,Millôr Fernandes,1,Milton,1,Minas,1,Ministério,20,Ministério Público Federal,2,Miqueias,2,Miriã,2,Misericórdia,6,Missão,44,Missiologia,30,Missionário,28,Missões,24,Mistério,1,Mitologia,1,Mitos,1,MMA,1,Mobilização,2,Moda Bíblica,2,Moda Cristã,2,Moda Evangélica,2,Modelo,3,Modelos,1,Moisés,21,Monarquia,3,Monte,4,Monte Tabor,1,Moralismo,1,Mordomia,9,Mordomo,1,Morrer,2,morte,13,Mortos,2,Motim,6,Motivos,1,Movimento,1,Muda,1,Mulçumano,1,Mulher,5,Mulher de Potifar,1,Mulheres,7,multiplicação,1,Mundo,9,Muro,1,Muros,1,Musica,8,Naama,1,Nacional,2,Namorado,18,Namorar,34,Namoro,105,Não,1,Não Prometeu,1,Nascença,2,Nascimento,3,Natureza,6,Naum,1,Necessidade,2,Neemias,4,Negar,2,Neimar de Barros,5,nem Cristo a Derrotaria,1,Neopentecostal,2,NetFlix,1,Nigéria,1,Ninrode,1,No Fundo Do Poço,1,Noadia,1,Noé,1,Nome,2,Nome de Bebê,1,Nomes,2,Nora,2,Normalização,3,Norte,1,Noruega,1,Nota,2,Notícia gospel,69,Notícias Gospel,216,Nova,16,Novas Lições,2,Novela,2,Novo,5,Novo Testamento,6,Novos Céus e Nova Terra,6,Novos Convertidos,14,Novos Valores,2,nutricionista,1,Nuvem,1,NX Zero,1,O adeus,1,O beijo de Vancouver,1,O Bom Samaritano,1,O Bom Travesti,1,O casamento negro,1,O Exército de Cleycianne,1,O MINISTÉRIO DE EVANGELISTA,6,O MINISTÉRIO DE PASTOR,12,O Quarto da Porta Vermelha,1,O que é visível e apenas o avesso da Realidade,1,Obadias,1,Obede-Edom,1,Obediência,5,Obesidade,1,Obra,4,Obras,3,obreiro,2,Obstáculos,1,Odio,1,Ofertada,8,Ofertas,8,Oficial,1,Olhando para direção errada,1,Olhar,3,Onde Estiver,1,ônibus,1,Onipotente,1,Onipresente,6,Onisciente,1,Online,1,Onri,1,ONU,1,Opinião,1,Opinião dos Outros,2,Oposição,1,Opressão,1,Oração,24,Orando,1,Orar,4,Orfanato,1,Organização,2,Origem,6,Os Melhores Livros,29,Os Valores do Reino de Deus,2,Oséias,5,Oséias e Gomer,5,Osiel Gomes,2,Outra Chance,3,Ovelha,8,Padrões,1,Paganismo,1,Pagãos,1,Pai,6,Paixão,3,Paixão e Cura,1,Palavra,6,Palavra de Deus,7,Palavras,1,Pandemia,5,Pânico,1,pão,2,Papa,1,Papa Francisco I,1,Papai,6,Papo,1,Paquera,2,Paquistanesa,1,Paquistão,1,Para Sempre,1,Parábolas,22,Paradoxo,2,Paródia Gospel,2,Paródia Gospel da música Kuduro com Jonathan Nemer #RiLitros,1,Participe,1,Partido Trabalhista PT,1,Páscoa,4,Pastor,21,Pastor Paul Mackenzie Nthenge,1,Pastor Presidente da Igreja do Evangelho Quadrangular,1,Pastor que cheirou a Bíblia como droga diz que essa foi a menor loucura que já fez por ela: “Eu já comi a minha Bíblia”. Assista ao vídeo,1,Pastora,2,Pastores,4,Paternidade,2,Patrick Greene,1,patristicas,2,Paulo,31,Pb. Renan Pierini,1,PDF,68,Pecado,37,Pecador Confesso,14,PECC,55,Pedindo,1,Pedofilia,2,Pedofilo,1,Pedra,1,Pedras,1,Pedro,9,peixe,1,Pelos,1,Pensamento,3,Pentateuco,6,Pentecostal,11,Pentecostes,3,Perda,3,Perdão,14,Perdidos,6,Perfeito,2,Perigo,3,Perigos,1,Perlla,1,Permanecer,1,Permitir,1,Perseguição Religiosa,3,Perseguidor,2,Personalizadas,1,Personalizar Foto,1,Perspectiva,1,Pesquisa,2,Pessoa,2,pessoas,5,Peter Moosleitner,1,Philip Yancey,8,Piada,1,Piercing,2,Pinguins,1,pintar unhas,1,Pira,1,Pirataria,1,Pirralha,1,Pison,1,Planeta Terra,2,Plano de Aula,7,PLANO DE LEITURA BÍBLICA,15,Planos,6,Plantador de Igrejas,2,Play Back,1,playboy,1,Plenitude,7,Poder,4,Poema,3,Poesia,4,Polêmica,4,Poligamia,2,Politica,1,Política,1,Pop Gospel,1,Porção,1,pornô,1,Porque caímos sempre nos mesmos pecados?,8,Portões,1,Posse,1,Possível,1,Posto,1,Povos,2,Pr Gilmar Santos,1,Pr Napoleão Falcão,3,Pr. Alexandre Marinho,1,Pr. Caio Fábio,2,Pr. Carvalho Junior,1,Pr. Ciro Sanches Zibordi,3,Pr. Claudionor de Andrade,1,Pr. Jaime Rosa,1,Pr. Jeremias Albuquerque Rocha,1,Pr. Marcelo Cintra,5,Pr. Marco Feliciano,8,Pr. Mário de Oliveira,1,Pr. Silas Malafaia,12,Pr. Yossef Akiva,1,Pragas,2,Praia,1,Prática,2,Praticar,3,Pré-Adolescentes,19,Preço,1,Predestinação,4,PrefiroBeijarABíblia,1,Pregação,14,Pregadores,4,Premier,1,Premium,1,Preocupar,1,Preparado,2,Preparativos,1,Presbíteros,1,presidente,4,Presídio,1,Prevenção,2,previdência,1,Primário,28,Primeira,2,primeiro,4,Primeiro Amor,18,Primeiro Beijo,5,Primícias,2,Primogênitos,1,Princípios,1,Prioridades,2,Prisão,4,Prisioneiro da Paixão,4,privada,1,Problemas,3,Profecia,21,Professor,21,Profeta,34,Profeta Jeremias,3,Profetas,25,Profetas Menores,23,Profética,4,Profético,9,Programa de Educação Cristã Continuada,1,Programa Na Moral,1,Programa Superpop,1,Progressista,1,Projeto,2,Projeto Cura Gay,2,Promessa,9,Prometida,2,Promoção,5,Promoção Blogosfera Apaixonada,2,Propósito,4,Prosperidade,1,Prostituta,2,Proteção,1,Protesto,1,Provai,1,Provê,1,Proverbios,15,PSDB,1,Pura,1,Purifica,2,Puro,1,Pv 4.23,1,Qualidades,1,Quando Deus diz não,9,Queda,10,Quem segue a Cristo,3,Quem Sou?,1,Querer,2,Querite,1,Raça,1,Racismo,1,Rainha de Sabá,3,Rainha Ester,2,Raptare,1,Raquel,2,Realidade,7,Rebeldia,3,Rebelião,1,Receber,1,Reconciliação,2,Reconstrução,1,Recuperação,1,Rede Globo,2,Rede Insana,2,Redenção,1,Redentora,1,redes neurais,1,reflexão,21,reformado,1,regime,1,Regininha,1,Registro Módico,1,regras,1,Rei,3,Rei Xerxes,1,Reinado,15,Reino,19,Reino de Deus,14,Reino dividido,8,Reino do Messias,6,Reis,1,Rejeição,1,Relacionamento,68,Relativismo,3,Relatos,5,Relógio da Oração,4,Remida,1,Renato Aragão esclarece polêmica sobre seu próximo filme sobre o “segundo filho de Deus” que gerou polêmica nas redes sociais.,1,Renuncia,1,Renúncia,1,Reportagem,2,Resenha,75,Reservado,2,Resguardar,1,Resistir,1,Resplandecer,1,Responde,1,Responsabilidade,2,Resposta,1,resposta bíblica,1,Ressurreição,6,Restauração,3,Restauracionismo,1,Resumo,8,Retorno de Cristo,3,Retribua,1,Reuel Bernardino,1,Rev. Augustus Nicodemus,1,Revelação,5,Revelado,1,Revista,94,revolução industrial,1,Rezar e Amar,1,Richard Baxter,1,Rico,4,Rio Tigre,1,Riqueza,3,Riscos,1,Roboão,1,Rock Gospel,1,Rodolfo Abrantes,1,Roupas,3,Rubem Alves,1,Ruins,1,Russel Shedd,1,Rute,3,Sá de Barros,3,Sábado,1,Sabedoria,17,SABER+,1,Sacerdócio,5,Sacerdotal,5,Sacrifício,4,Sadhu Sundar Singh,1,Safira,2,Safra,1,Sal da Terra,1,Salmos,30,Salomão,12,Salvação,19,Salvador,12,Sambalate,1,Samuel,14,Samuel Mariano,1,Sangue,3,Sangue no Nariz,1,Sansão,2,Santa Ceia,4,Santidade,9,Santificação,11,Santo,4,sapienciais,1,sapiências,1,Sara,2,Sarah Sheva,1,Satanás,6,Saudações,2,Saudades,4,Saul,10,Saulo,2,Savífica,1,Secrets by OneRepublic,1,Segredo,1,Seguidor,1,Seguir,1,Segunda,2,Segundo,1,Segundos,1,Segurança,1,Seita,2,Seja um empreendedor Polishop e ganhe dinheiro sem sair de casa,1,Selada,1,Seleção Brasileira,1,Sem,1,Sem Garantia,1,Semeador,2,Semente,2,Sementes,2,Seminário,1,Senhor,4,Senhorio. Jesus,1,Sensibilidade,1,Sentido da Vida,6,Sentimento,2,Sentimentos,4,Separação,2,Separar,2,Ser,3,será que é pago?,2,Serenata de Amor,1,Série Chá Com Professores,4,Série Dicas de Como Liderar,23,Série Mensagem Subliminar,1,Série Versículos Mal Interpretados,5,Sermão,4,Sermão do Monte,4,Sex,2,Sexo,5,Sexual,4,Sexualidade,2,Sidney Sinai,1,SIFRÁ e PUÁ,1,Significados,4,Silas Malafaia,5,Silêncio no Céu,5,Silk,1,Silk Digital,1,Símbolos,1,Simples,1,Sinal,1,Sincero,1,Sistema,2,Sites,3,Slide PC,2,Slider,462,slides,6,Smartphone começa a ser vendido por operadoras nesta quarta-feira (6). Galaxy S3 é o principal rival do iPhone 4S. Compare os dois modelos,1,SMS Gratuito com WhatsApp para seu Smartphone,1,Soberania,1,Sofonias,3,Sofrimento,4,Sogra,3,Soldados,5,Solidão,2,Solidariedade,1,Solução,1,Sonhos,5,Sonhos de Valsa,1,Sono,1,Sono da Alma,10,Sorrir,3,Sorteio,2,Sou,1,Subjugação,1,Sublimação,1,Sublimidade,1,Submissão,2,Subsídio,92,Sucessor,1,Sueca,1,Sujeição,1,Sul,1,Sulamita,5,suprema,2,Surface Pro 2,1,Suspenção,1,Sutiã,1,Sutileza,11,Sutilezas,1,tabela,1,Tabernáculo,4,Tabita,1,Tablet,1,Talentos Cristãos,3,Tarado,1,Tarso,1,Tatuagem,3,TCC,1,Tecido,1,Tecnologia,2,Tela Cinza,1,Telegram,1,Temas,2,Temática,2,Temor,8,Temperamento,1,Tempestade,2,Templo,3,Tempo,5,Tempo de Viver Coisas Novas,3,Tempos,2,tensorflow,1,Tentação,5,Teologia,16,Teologia da Libertação,2,Termino de Namoro,7,Término do Namoro,2,Termos,1,Terra,4,Terra Prometida,7,Terremoto,1,Testamento,1,Testemunho,21,Thalles Roberto,3,Thalles Roberto comenta da repercussão de música cantada por Ivete Sangalo,1,The Best,1,The Noite,1,Theotônio Freire,1,Tiago,3,Tigres,1,Tim Keller,1,timidez,2,Timna,1,Timóteo,13,Timothy Keller,1,Tipos,1,Tiras,1,Tirinha,4,Tirinhas Gospel,13,Tiro,1,tisbita,1,Títulos,1,Tomas de Aquino,1,Top,2,Top Blogs,4,TOP Canais,1,Top Sites Fotos,3,Top5,2,Torá,1,TPM,1,Trabalho,2,Tragedias no Rio de Janeiro,1,Traição,2,Transcendência,2,Transfer,1,Transforma,2,Tratando de uma leucemia,1,treinamento,1,Trevas,1,Tribunal de Cristo,2,Tribunal de Justiça,1,Trimestre,2,Trindade,3,Trino,2,Triunfal,1,Trono Branco,2,Tudo vê,1,Túnica,1,Tutelar,1,TV,1,TV Band,2,TV Record,3,Twitter,5,UFC,1,Ultimos Dias,1,Últimos Dias,1,um trono e um segredo,1,Uma crente,1,Uma História de Ficção,79,Unção,2,Ungido,1,Unidade,9,Universo,2,Uno,1,Urias,1,Utensilios,1,Uzá,1,Vagabundo Confesso,29,Valdemiro Santiago,4,Valores,1,Vanilda Bordieri,1,Velhice,2,Velho Testamento,1,Velório,1,Vem,2,Vencendo,2,Vencer,2,Vendedor de Droga,1,Vento,5,Ver Deus,1,Veracidade,1,Verdade,2,Verdadeira,4,Verdadeira História,1,Verdadeiro,4,verdades,1,Versículos,4,Viagem,5,Vício,1,Vida,29,VIDA CRISTÃ,2,Vida depois da morte,13,Vida Pessoal,3,Vidas,1,Vídeo,24,Vigilância,2,vinda,4,Vindouro,3,Vinho,1,Violência,2,Virá,2,Virgem,3,Virgindade,3,Virtude,1,Visão,2,Vitor Hugo,1,Vitória em Cristo,1,Vivendo,1,Viver,5,Voca,1,vocacionados,1,Volta,2,Volta de Cristo,5,Votação,1,Wanda Freire da Costa,1,webdevelops,2,Yehoshua,1,Yeshua,1,YOSHÍA,1,You Tube,2,youtuber,2,Zacarias,2,Zaqueu,1,Zelo,5,
ltr
item
Pecador Confesso: Lição 05 - A Dessacralização da Vida no Ventre Materno | 3° Trimestre de 2023 | EBD ADULTOS
Lição 05 - A Dessacralização da Vida no Ventre Materno | 3° Trimestre de 2023 | EBD ADULTOS
https://blogger.googleusercontent.com/img/b/R29vZ2xl/AVvXsEiK1mi_k-QQcCY4g4W00LkygwCFofqDOXsjZaJjitVQDB2xKEBcOPJOxEzOqNvPoWjbYvb729Rdr5dfUcsikMTEB8ARY9d1wiJSGUUAI5HhTBSWCCxmDs7htpYSc03qRJD3FqnbpK8z6T2aA5yXqTMTcVE3shW2G9j6tv5ixQKRu4ovAZkyVt4zQjX-q0rb/w640-h360/Lic%CC%A7a%CC%83o%2005-Subsi%CC%81dio-Adulto-3%20Trimestre-PDF-Slide.webp
https://blogger.googleusercontent.com/img/b/R29vZ2xl/AVvXsEiK1mi_k-QQcCY4g4W00LkygwCFofqDOXsjZaJjitVQDB2xKEBcOPJOxEzOqNvPoWjbYvb729Rdr5dfUcsikMTEB8ARY9d1wiJSGUUAI5HhTBSWCCxmDs7htpYSc03qRJD3FqnbpK8z6T2aA5yXqTMTcVE3shW2G9j6tv5ixQKRu4ovAZkyVt4zQjX-q0rb/s72-w640-c-h360/Lic%CC%A7a%CC%83o%2005-Subsi%CC%81dio-Adulto-3%20Trimestre-PDF-Slide.webp
Pecador Confesso
https://www.pecadorconfesso.com/2023/06/licao-05-dessacralizacao-da-vida-no.html
https://www.pecadorconfesso.com/
https://www.pecadorconfesso.com/
https://www.pecadorconfesso.com/2023/06/licao-05-dessacralizacao-da-vida-no.html
true
4561833377599058991
UTF-8
Loaded All Posts Mais Posts Clique Aqui Repetir Cancele a repetição Delete Por Home PAGES POSTS Mais Posts Eu Te Recomendo LABEL ARCHIVE SEARCH ALL POSTS Not found any post match with your request Back Home Sunday Monday Tuesday Wednesday Thursday Friday Saturday Sun Mon Tue Wed Thu Fri Sat January February March April May June July August September October November December Jan Feb Mar Apr May Jun Jul Aug Sep Oct Nov Dec just now 1 minute ago $$1$$ minutes ago 1 hour ago $$1$$ hours ago Yesterday $$1$$ days ago $$1$$ weeks ago more than 5 weeks ago Followers Follow THIS PREMIUM CONTENT IS LOCKED STEP 1: Share to a social network STEP 2: Click the link on your social network Copy All Code Select All Code All codes were copied to your clipboard Can not copy the codes / texts, please press [CTRL]+[C] (or CMD+C with Mac) to copy