Lição 12 - Os Ministérios Da Igreja | 3ºTrimestre 2023 | Central Gospel

TEXTO BÍBLICO BÁSICO - Efésios 4.7-12 7 - Mas a graça foi dada a cada um de nós segundo a medida do dom de CRISTO. 8 - P...

TEXTO BÍBLICO BÁSICO - Efésios 4.7-12

7 - Mas a graça foi dada a cada um de nós segundo a medida do dom de CRISTO.
8 - Pelo que diz: Subindo ao alto, levou cativo o cativeiro e deu dons aos homens.
9 - Ora, isto
ele subiu que é, senão que também, antes, tinha descido às partes mais baixas da terra?
10 - Aquele que desceu é também o mesmo que subiu acima de todos os céus, para cumprir todas as coisas.
11 - E ele mesmo deu uns para apóstolos, e outros para profetas, e outros para evangelistas, e outros para pastores e mestres,
12 - querendo o aperfeiçoamento dos santos, para a obra do ministério, para edificação do corpo de CRISTO.

TEXTO ÁUREO

Até que todos cheguemos à unidade da fé e ao conhecimento do Filho de DEUS, a varão perfeito, à medida da estatura completa de CRISTO. Efésios 4.13

SUBSÍDIOS PARA O ESTUDO DIÁRIO

2a feira 1 Pedro 2.9 O sacerdócio universal dos salvos 3a feira 2 Timóteo 4.2 Pregando em cada ocasião
4a feira
2 Timóteo 4.5 Faze a obra de um evangelista 5a feira 2 Timóteo 4.13 O estudo da Bíblia

6a feira Atos 21.8 O chamado do evangelista Sábado Atos 21.11 O chamado profético

OBJETIVOS: Ao término do estudo bíblico, o aluno deverá ser capaz de:

- conscientizar-se de que os dons ministeriais são uma concessão de DEUS, por meio do ESPÍRITO SANTO; - compreender que a obra ministerial precisa ser feita por todos os cristãos;
- descrever as características de cada um dos dons ministeriais.

ORIENTAÇÕES PEDAGÓGICAS

Prezado professor, a operação dos dons ministeriais é uma concessão direta de DEUS, por meio do Seu ESPÍRITO, para equipar os membros da igreja no cumprimento de sua missão na terra. Ela é definida em termos da presença e da ação de CRISTO no meio da igreja, por intermédio da terceira pessoa da Trindade. Este foi o exemplo mais determinante da conduta de JESUS CRISTO, que, embora sendo o Senhor de toda a Criação, fez-se servo, inclusive, lavando os pés dos Seus discípulos (Jo 13.5,14). Excelente aula!

ESBOÇO DA LIÇÃO
1. A DIVERSIDADE DE MINISTÉRIOS
1.1. A função dos dons ministeriais
1.2. A etimologia da palavra
1.2.1. O exemplo de CRISTO
2. AS CATEGORIAS DOS DONS MINISTERIAIS
2.1. Apóstolos
2.1.1. Critérios para a escolha de apóstolos
2.1.2. O exercício apostólico no Novo Testamento 2.2. Profetas
2.2.1. O ministério profético na atualidade
2.3. Evangelistas
2.3.1. O ministério da evangelização na atualidade 2.4. Pastores
2.4.1. Bispos e presbíteros, um destaque importante 2.5. Mestres
2.5.1. Qualidades indispensáveis aos mestres

COMENTÁRIO
Palavra introdutória
O Novo Testamento deixa claro que a obra ministerial precisa ser feita por todos os cristãos, afastando, assim, a ideia de restringir tal tarefa ao grupo de oficiais da igreja. O papel dos ministérios dados à igreja é conscientizar e envolver todos os cristãos neste divino trabalho (Ef 4.11-13). Os dons ministeriais existem com a finalidade de equipar os membros da igreja para o desempenho pessoal de sua função, visando ao bem do Corpo de CRISTO.

1. A DIVERSIDADE DE MINISTÉRIOS

Para um bom entendimento a respeito dos dons da igreja, é necessário responder a algumas questões importantes, como: Que grupo de pessoas eles contemplam? Quem pode utilizá-los? Como podem ser exercidos?

1.1. A função dos dons ministeriais

As duas primeiras perguntas Que grupo de pessoas eles contemplam? Quem pode utilizá-los? caminham lado a lado. A Bíblia faz referência tanto àqueles ordenados a uma função ministerial (apóstolos, profetas, evangelistas, pastores e mestres), como aos demais cristãos, os santos. A função dos primeiros é equipar e instruir os últimos para fazer a obra da igreja.

1.2. A etimologia da palavra

O vocábulo ministério provém do latim (ministerium) e designa “ofício, cargo ou função”. A principal característica do ministério cristão é o serviço. Ministério também é um vocábulo oriundo do termo grego diakoniai, que deriva de diakonia e significa “serviço”, revelando que há diferentes maneiras de servir, como, por exemplo, o dom de socorros, que envolve a capacitação para ajudar, socorrer ou assistir o próximo (1 Co 12.28).

1.2.1. O exemplo de CRISTO

O Senhor JESUS é a maior referência de serviço, uma vez que Ele veio ao mundo não para ser servido, mas para servir (Mt 20.28). Da mesma forma, o apóstolo Paulo é muito claro em apresentar a vida e o ministério de CRISTO como referência maior de entrega e serviço (Fp 2.7,8).

2. AS CATEGORIAS DOS DONS MINISTERIAIS

Os dons ministeriais estão classificados dentro de algumas categorias, como se observa, claramente, no texto de Efésios 4.11.

2.1. Apóstolos

O primeiro ministério destacado na lista de Efésios 4.11 é o de apóstolo (ver também 1 Co 12.28-30). A palavra apóstolo ocorre mais de 80 vezes no Novo Testamento; em geral, significa “enviado com uma missão específica”. Nesses textos, a palavra grega apostello refere- -se àquelas testemunhas que foram, especificamente, comissionadas por JESUS para estabelecer a igreja. O título é usado para CRISTO (Hb 3.1); para os Doze (Mt 10.2); para Paulo (Rm 1.1; 2 Co 1.1; Gl 1.1); e outros (At 14.4,14; Rm 16.7; Gl 1.19; 2.8,9; 1 Ts 2.6,7). JESUS CRISTO é a fonte, a origem e o padrão do perfeito apostolado.

2.1.1. Critérios para a escolha de apóstolos

De acordo com Atos 1.21-26, após a ascensão de CRISTO aos céus, o candidato ao apostolado devia preencher os seguintes requisitos:
- ser uma pessoa que andou com CRISTO pessoalmente desde o seu batismo até a sua ascensão;
- ser alguém que foi testemunha ocular da ressurreição do Senhor JESUS;

- ser alguém que tivesse testemunhado a ascensão de CRISTO ao céu; ser alguém escolhido pela designação de DEUS. A única exceção é o apóstolo Paulo de Tarso, que recebeu sua comissão diretamente de CRISTO na estrada para Damasco (At 9.3-6; Rm 1.1; 1 Co 1.1,15; 9.1; 15.8-11).

2.1.2. O exercício apostólico no Novo Testamento

No Novo Testamento, o apóstolo é um mensageiro nomeado e enviado como missionário, ou como alguém que deve cumprir alguma responsabilidade especial (At 14.4,14; Rm 16.7; 2 Co 8.23; Fp 2.25). Dentre as qualificações observadas no colégio apostólico, destacam-se:
- eram homens de reconhecida e destacada liderança espiritual, ungidos com poder para defrontarem-se com os poderes das trevas e confirmar o evangelho com milagres;

- eram homens que cuidavam do estabelecimento de igrejas segundo a verdade e pureza apostólicas;
- eram servos itinerantes, que arriscavam suas vidas em favor do nome do Senhor JESUS CRISTO e da propagação do evangelho (At 11.21-26; 13.50; 14.19-22; 15.25,26);
- eram homens de fé e de oração, cheios do ESPÍRITO SANTO (At 11.23- 25; 13.2-5,46-52; 14.1-7,21-23).

2.2. Profetas

O segundo ministério destacado na lista de Efésios 4.11 é o de profetas. Os profetas eram homens e mulheres que pregavam ao povo. Eles exerciam seus ministérios sob a unção do ESPÍRITO. Suas mensagens eram direcionadas tanto no sentido preditivo, quanto no da proclamação da verdade bíblica.

2.2.1. O ministério profético na atualidade

Na atualidade, o profeta é um arauto de DEUS, que proclama as mensagens do Senhor à igreja. A mensagem profética, nos dias de hoje, não deve ser considerada infalível, tanto no sentido preditivo quanto no sentido da proclamação. Ela deve ser julgada pela igreja, por outros profetas e pela Palavra de DEUS. A igreja local é conclamada a discernir e julgar o conteúdo da mensagem profética, para confirmar se ela realmente está de acordo com o contexto geral das Escrituras Sagradas (1 Co 14.29-33), ou se está falseada (1 Jo 4.1).

2.3. Evangelistas

O terceiro ministério destacado na lista de Efésios 4.11 é o de evangelista. A palavra evangelista significa “mensageiro de boas novas”, sendo o nome de uma ordem de homens da Igreja primitiva, distinta dos apóstolos, profetas, pastores e mestres. Conforme pode ser claramente entendido, os evangelistas exerciam a função especial de anunciar as boas novas do evangelho. Eles exerciam um ministério baseado na itinerância e pregavam tanto na igreja local como fora dela. Por serem dotados de uma compreensão especial do sentido do evangelho, o foco de suas mensagens era direcionado para o arrependimento, conversão e salvação das pessoas. Eles viajavam de lugar em lugar pregando a mensagem de CRISTO a todos, manifestando sinais e realizando milagres, conforme se lê em Marcos 16.15-20.

2.3.1. O ministério da evangelização na atualidade

Embora Filipe tenha sido o único personagem da Bíblia chamado de evangelista (At 21.8), este ministério sempre esteve em evidência na história da igreja cristã em 2 Timóteo 4.5, Paulo exorta Timóteo a fazer o trabalho de um evangelista. A existência de tal dom ministerial não significa que aqueles que não o receberam estão eximidos da obrigação de falar de JESUS aos outros. Pelo contrário, essa é uma tarefa comum a todos, evidenciada na Grande Comissão (Mc 16.15).

2.4. Pastores

O quarto ministério destacado na lista de Efésios 4.11 é o de pastor. No Novo Testamento, a palavra pastor, como designação de um ofício ministerial, é encontrada uma única vez (Ef 4.11), tendo origem no vocábulo grego poimén, que significa “apascentador, guarda, sustentador, aquele que conduz o rebanho ao pasto (pastor de ovelhas)”. O vocábulo pastor é uma referência a alguém que exerce supervisão pastoral sobre outros. Esse termo remonta ao modelo de JESUS, que descreveu a si mesmo como o bom Pastor (Jo 10.11a) e é reconhecido como o grande Pastor (Hb 13.20) e o Supremo Pastor das ovelhas (1 Pe 5.4). Após Sua ascensão ao céu, Ele delegou a função de pastorear as ovelhas do Seu rebanho aos Seus ministros. O ministério pastoral não é para quem quer, mas para quem DEUS chama (Rm 9.16). Nenhum ministro é pastor por si mesmo ou por vontade do rebanho. Ele o é pela graça, sob a vocação e ordem do supremo Pastor do rebanho: CRISTO.

2.4.1. Bispos e presbíteros, um destaque importante

Na primeira lição desta revista, o tema “função pastoral” recebeu tratamento especial. A título de complementariedade, a função exercida pelo pastor na atualidade precisa ser estudada à luz de dois vocábulos, que, no conceito popular, parecem sugerir ofícios ministeriais diferentes do ministério que é exercido pelo pastor. São eles: bispo e presbítero. Bispo, no grego, é episkopos e significa “curador, superintendente, administrador”. Conforme é usado na Bíblia, o termo designa um “guardador de almas”, ou “aquele que cuida do bem-estar espiritual do seu rebanho”. Presbítero equivale à palavra bispo, derivando do vocábulo grego presbíteros, que significa apenas “homem idoso, ancião” (At 11.30; Mt 15.2; Mc 7.3; Hb 11.2). Entre os gregos e os hebreus, os homens de idade avançada mereciam maior honra e respeito, pois lhes era imputada maior sabedoria. Assim, só a eles era conferido o direito de exercer funções de grande responsabilidade, como juízes e conselheiros do povo (Tt 1.5-9). Várias referências do Novo Testamento mostram claramente que os presbíteros não se distinguiam dos bispos ou pastores, como oficiais ou ministros das igrejas. Parece claro que os termos presbíteros, bispos e pastores são usados de forma intercambiável no Novo Testamento. Esses oficiais eram responsáveis pelas questões internas atinentes à igreja local.

2.5. Mestres

Pastores e mestres provavelmente constituíam dois lados de um mesmo ministério, significando que o pastor deveria ser um mestre na exposição e defesa da fé cristã, e os mestres deveriam estar aptos a também cuidar do rebanho de DEUS. Esta é a última categoria de ministros, enunciada pelo apóstolo Paulo em sua lista (Ef 4.11). No original grego, a palavra mestre é didaskalos, e é utilizada para designar “alguém com o dom especial de expor, esclarecer e proclamar as Escrituras, visando sempre à edificação do Corpo de CRISTO” (Ef 4.12). Os mestres cuidam da qualidade de vida da igreja, por meio do ensino e do discipulado. Aqueles que querem ser mestres devem atentar para a advertência bíblica de Tiago 3.1: Meus irmãos, muitos de vós não sejam mestres, sabendo que receberemos mais duro juízo.

2.5.1. Qualidades indispensáveis aos mestres

Em Esdras 7.10, evidenciam-se três qualidades indispensáveis àqueles a quem DEUS chama e comissiona como mestres do Seu povo. É preciso:
- dispor o coração para buscar a Lei do Senhor
Esdras não poupou esforços e dedicação para conhecer a Palavra de DEUS (Rm 12.7);

- cumprir a Lei do Senhor a vida exemplar de Esdras era a maior referência para os seus ensinos;
- ensinar a Lei do Senhor
Esdras ensinou a Lei; sobre todos, hoje, pesa a responsabilidade de cumprir o mandato de CRISTO de ir e ensinar as nações (Mt 28.19,20).

CONCLUSÃO

Paulo deixa evidente que DEUS vocacionou pessoas, considerando cinco perspectivas de atuação ministerial: E ele mesmo concedeu uns para apóstolos, outros para profetas, outros para evangelistas e outros para pastores e mestres (Ef 4.11 ARA). Ainda por meio do apóstolo das gentes, fica claro que os dons da igreja, concedidos por DEUS por meio do ESPÍRITO SANTO, visam ao desenvolvimento das pessoas justificadas em CRISTO, para que estas tenham uma atuação efetiva nos cuidados com a igreja que Ele mesmo comprou com Seu sangue (At 20.28; Ef 4.11,12).

ATIVIDADE PARA FIXAÇÃO
1. Por que ninguém está isento de pregar o evangelho?
R.: Porque esta tarefa foi dada por CRISTO a todos, indistintamente (Mc 16.15).

LPD nº 70 - Central Gospel : PILARES DA TEOLOGIA PRÁTICA. 

Lições Da Palavra De Deus. Professor: Fundamentos da Liderança Cristã - Pilares da Teologia Prática - Pr. Gilmar Chaves


Você que ama a Palavra de Deus e deseja se aprofundar nos estudos Teológicos, não deixe de conferir essa super novidade.

São 13 lições para elevar o seu conhecimento sobre os Pilares da Teologia e o melhor de tudo, será usado como livro de apoio o Best-Seller “O Manual da Teologia Prática” que é uma ferramenta indispensável para compreender a Palavra de Deus.

Nesta revista vamos desbravar temas importantes que vão aprofundar ainda mais os estudo bíblicos.
CONFIRA OS TEMAS DESSA EDIÇÃO:

LIÇÃO 01 – O MINISTÉRIO PASTORAL
LIÇÃO 02 – O MINISTÉRIO DIACONAL
LIÇÃO 03 – HERMENÊUTICA BÍBLICA
LIÇÃO 04 – HOMILÉTICA
LIÇÃO 05 – EXEGESE BÍBLICA
LIÇÃO 06 – LIDERANÇA CRISTÃ
LIÇÃO 07 – DISCIPULADO CRISTÃO
LIÇÃO 08 – PLENITUDE FÍSICA, EMOCIONAL E ESPIRITUAL
LIÇÃO 09 – PANORAMA DO ANTIGO TESTAMENTO
LIÇÃO 10 – PANORAMA DO NOVO TESTAMENTO
LIÇÃO 11 – AS ORDENANÇAS DA IGREJA
LIÇÃO 12 – OS MINISTÉRIOS DA IGREJA
LIÇÃO 13 – OS DONS ESPIRITUAIS E DE SERVIÇO

SAIBA MAIS SOBRE ESCOLA DOMINICAL:

Gostou do site? Ajude-nos a manter e melhorar ainda mais este Site: Nos abençoe com uma oferta voluntária pelo PiX/TEL (15)99798-4063 ou (pix/email) pecadorconfesso@hotmail.com – Seja um parceiro desta obra. “(Dai, e dar-se-vos-á; boa medida, recalcada, sacudida, transbordante, generosamente vos dará; porque com a medida com que tiverdes medido vos medirão também. Lucas 6:38 )”

SAIBA TUDO SOBRE A ESCOLA DOMINICAL:

Clique aqui para Download das:

SUBSÍDIOS DAS REVISTAS – 3º Trimestre De 2023
| CLIQUE E ACESSE |

---------------------------------------------------------

Acesse nossos grupos, clique, entre e tenha mais conteúdo:

Muito conteúdo sem sobrecarregar seu celular.
Acesse mais Conteúdo pelo Telegram
Mais conteúdo pelo WhatsApp
Gostou do site? Ajude-nos a Manter e melhorar ainda mais este Site.
Nos abençoe Com Uma Oferta Voluntária pelo

PIX/e-mail: pecadorconfesso@hotmail.com
ou PIX/Tel: (15)99798-4063 ou PicPay: @pecadorconfesso

Seja um parceiro desta obra.
Clique também nas propagandas. Cada clique ajudará bastante.
“Dai, e dar-se-vos-á; boa medida, recalcada, sacudida, transbordante, generosamente vos dará; porque com a medida com que tiverdes medido vos medirão também”. (Lucas 6:38)

---------------------------------------------------------


COMENTÁRIOS EXTRAS

Tema: Dons Espirituais e Ministeriais - Servindo a DEUS e aos homens com poder extraordinário Comentário: Pr. Elinaldo Renovato de Lima
Complementos, ilustrações e vídeos: Pr. Henrique Luiz Henrique de Almeida Silva

LEITURA BÍBLICA EM CLASSE - Efésios 4-7-16
7 - Mas a graça foi dada a cada um de nós segundo a medida do dom de CRISTO. 8 - Pelo que diz: Subindo ao alto, levou cativo o cativeiro e deu dons aos homens. 9 - Ora, isto
ele subiu que é, senão que também, antes, tinha descido às partes mais baixas da terra? 10 - Aquele que desceu é também o mesmo que subiu acima de todos os céus, para cumprir todas as coisas. 11 - E ele mesmo deu uns para apóstolos, e outros para profetas, e outros para evangelistas, e outros para pastores e doutores, 12 - querendo o aperfeiçoamento dos santos, para a obra do ministério, para edificação do corpo de CRISTO, 13 - até que todos cheguemos à unidade da fé e ao conhecimento do Filho de DEUS, a varão perfeito, à medida da estatura completa de CRISTO, 14 - para que não sejamos mais meninos inconstantes, levados em roda por todo vento de doutrina, pelo engano dos homens que, com astúcia, enganam fraudulosamente. I5 - Antes, seguindo a verdade em amor, cresçamos em tudo naquele que é a cabeça, CRISTO. 16 - do qual todo o corpo, bem ajustado e ligado pelo auxílio de todas as juntas, segundo a justa operação de cada parte, faz o aumento do corpo, para sua edificação em amor.

Revista Ensinador Cristão CPAD, n°58. p.39.
Estudamos a respeito dos dons espirituais de locução, poder e revelação nas primeiras cinco lições. A partir desta, trataremos dos dons ministeriais relacionados em Efésios 4.11: apóstolos, profetas, evangelistas, pastores e doutores. O primeiro dom listado por Paulo é o de apóstolo, vamos começar nosso estudo por ele. A primeira indagação que, em geral, fazemos quando estudamos a respeito deste dom ministerial é: "Ainda existem apóstolos?" Primeiro precisamos
da definição do vocábulo que significa literalmente enviado. De certa forma, todos os crentes são enviados a pregar as Boas-Novas.
O colégio apostólico foi único. Ele foi formado por JESUS no momento da escolha dos Doze que receberam o nome de enviados. Como homem perfeito, JESUS tinha consciência de que não poderia realizar sua missão sozinho.
Para ser apóstolo, um dos requisitos era ter estado pessoalmente com CRISTO. Atualmente, de certa forma, todos que creem em JESUS e já tiveram um encontro com Ele são apóstolos, pois CRISTO, antes de ascender aos céus, declarou a todos os seus discípulos: "Ide por todo o mundo" (Mc 16.15). A Igreja de JESUS tem uma missão apostólica. O apóstolo é alguém enviado por JESUS CRISTO com uma mensagem especial, servos de DEUS separados para uma missão específica, diferente dos mestres, profetas e evangelistas. Estes receberam o dom ministerial, descrito em Efésios 4.11. Podemos afirmar que os missionários são os apóstolos da atualidade. O apostolado não é um título pomposo, especial, também não é um cargo hierárquico. Ser apóstolo é ter uma missão específica a cumprir no Reino de DEUS.
O apóstolo Paulo - Paulo teve sérios problemas com os crentes de Corinto, pois alguns não reconheciam o seu apostolado. Por isso, ele inicia a primeira carta aos Coríntios, declarando-se apóstolo de JESUS CRISTO (1 Co 1.1). Paulo enfatiza que seu chamado se deu "pela vontade de DEUS". Os orgulhosos crentes de Corinto não aceitavam o apostolado de Paulo pelo fato dele não ter feito parte do colégio apostólico. Todavia, Paulo teve um encontro pessoal com CRISTO no caminho de Damasco (At 9). Este encontro mudou seu ser. A missão confiada a Paulo foi dada pelo próprio Senhor JESUS At 9.15. Os próprios coríntios eram a marca do apostolado de Paulo. Ele declara isso em 1 Coríntios 9.2.
Apóstolo e sevo - Aprendemos com Paulo que ser apóstolo é ser um servo, um cooperador de DEUS no ministério da reconciliação (2Co 6.1). Quem deseja o dom ministerial de apóstolo deve seguir os passos de JESUS, estando sempre pronto para servir e não buscar ser servido.

Lição 6 - O Ministério de Apóstolo

Paulo foi escolhido por JESUS, mas JESUS não saiu dizendo para todo mundo que escolheu Paulo. Então Paulo se autoproclamou Apóstolo. Ele não foi escolhido como apóstolo pelos apóstolos ou por alguma igreja.
Paulo não fazia parte do doze apóstolos. Paulo fazia parte dos apóstolos da Igreja, junto com Barnabé, Tiago, irmão de JESUS, Andronico, Júnias etc... hoje existem vários apóstolos na Igreja.

A AMIAORIA DA IGREJA DE SUA ÉPOCA NÃO O ACEITAVA COMO APÓSTOLO E NEM O RECONHECEU COMO APÓSTOLO. PORÉM O QUE IMPORTA É COMO SOMOS CONHECIDOS NO CÉU. Se eu não sou apóstolo para os outros, ao menos o sou para vós; porque vós sois o selo do meu apostolado no Senhor. 1 Coríntios 9:2

Meus comentários - Pr. Henrique INTRODUÇÃO

Dons ministeriais

E ele mesmo deu uns para apóstolos, e outros para profetas, e outros para evangelistas, e outros para pastores e doutores, Efésios 4:11
Pessoas dadas a igreja por JESUS CRISTO;
Corpo humano tem 5 sentidos, na cabeça é onde está o cérebro que o controla;

Corpo de CRISTO tem 5 ministérios, na cabeça é onde está quem controla tudo, CRISTO.

DIFERENÇA ENTRE TÍTULO ECLESIÁSTICO E MINISTÉRIO DADO POR CRISTO

Títulos eclesiásticos é um obreiro (incluindo professores de EBD), diácono, presbítero, evangelista e pastor, todos escolhidos por pessoas sem confirmação de DEUS que confirma ministério com sinais prodígios e maravilhas. Talvez 90% dos obreiros (incluindo professores de EBD), diáconos, evangelistas e, pastores nunca foram escolhidos por JESUS, apenas foram escolhidos por seus líderes.

OLHA UMA ESCOLHA DE DEUS Disse-lhe, porém, o Senhor: Vai, porque este é para mim um vaso escolhido para levar o meu nome diante dos gentios, e dos reis, e dos filhos de Israel. Atos 9:15 -Na igreja que estava em Antioquia havia alguns profetas e doutores, a saber: Barnabé, e Simeão, chamado Níger, e Lúcio, cireneu, e Manaém, que fora criado com Herodes, o tetrarca, e Saulo. E, servindo eles ao Senhor e jejuando, disse o ESPÍRITO SANTO: Apartai-me a Barnabé e a Saulo para a obra a que os tenho chamado. Então, jejuando, e orando, e pondo sobre eles as mãos, os despediram. E assim estes, enviados pelo ESPÍRITO SANTO, desceram a Selêucia e dali navegaram para Chipre. Atos 13:1-4 Os sinais do meu apostolado foram manifestados entre vós, com toda a paciência, por sinais, prodígios e maravilhas. 2 Coríntios 12:12 E DEUS, pelas mãos de Paulo, fazia maravilhas extraordinárias, Atos 19:11

Um título eclesiástico é uma honra. Aquele que recebe deve orar, jejuar, estudar a Bíblia e evangelizar tendo fé em DEUS e seu poder. Buscando a confirmação de seu ministério. Eu já trilhei por esses caminhos (fui diácono, presbítero, missionário, pastor) até que tomei a decisão de crer em DEUS e em seu poder - foi quando disse a Ele que queria que onde eu estivesse Ele estivesse comigo confirmando minha pregação e ensino com sinais, prodígios e maravilhas.

E eles, tendo partido, pregaram por todas as partes, cooperando com eles o Senhor e confirmando a palavra com os sinais que se seguiram. Amém! Marcos 16:20

Objetivo dos ministérios - Trabalho de edificação da igreja e evangelização mundial

querendo o aperfeiçoamento dos santos, para a obra do ministério, para edificação do corpo de CRISTO, até que todos cheguemos à unidade da fé e ao conhecimento do Filho de DEUS, a varão perfeito, à medida da estatura completa de CRISTO, para que não sejamos mais meninos inconstantes, levados em roda por todo vento de doutrina, pelo engano dos homens que, com astúcia, enganam fraudulosamente. Antes, seguindo a verdade em amor, cresçamos em tudo naquele que é a cabeça, CRISTO, do qual todo o corpo, bem-ajustado e ligado pelo auxílio de todas as juntas, segundo a justa operação de cada parte, faz o aumento do corpo, para sua edificação em amor. Efésios 4:12-16

Todos os dons ministeriais são iguais em importância

Se faltar algum sentido ao corpo humano, haverá grande prejuízo ao funcionamento de todo corpo;
Se faltar algum ministério na igreja (corpo de CRISTO na Terra), haverá grande prejuízo ao funcionamento de toda a Igreja.

Primeiro Dom Ministerial é o de Apóstolo (enviado)

JESUS deu homens à igreja. Ministérios são funções específicas de liderança para servir e não para serem servidos. JESUS deu apóstolos à igreja, tanto no início da Igreja, como em toda sua trajetória.
Disse-lhes, pois, JESUS outra vez: Paz seja convosco! Assim como o Pai me enviou, também eu vos envio a vós. João 20:21

Assim como tu me enviaste ao mundo, também eu os enviei ao mundo. João 17:18
Eu não rogo somente por estes, mas também por aqueles que, pela sua palavra, hão de crer em mim João 17:20

Primeiro colegiado formado pelos apóstolos:

Ora, os nomes dos doze apóstolos são estes: O primeiro, Simão, chamado Pedro, e André, seu irmão; Tiago, filho de Zebedeu, e João, seu irmão; Filipe e Bartolomeu; Tomé e Mateus, o publicano; Tiago, filho de Alfeu, e Lebeu, apelidado Tadeu; Simão, o Zelote, e Judas Iscariotes, aquele que o traiu (sendo este substituído por Matias - E, lançando-lhes sortes, caiu a sorte sobre Matias. E, por voto comum, foi contado com os onze apóstolos. Atos 1:26). Mateus 10:2-4

Paulo foi apóstolo do segundo colegiado quando os apóstolos do primeiro colegiado ainda estavam vivos. Na convenção que houve em Jerusalém registrada no capítulo 15 de Atos ninguém da liderança da igreja em Jerusalém se levantou contra o apostolado de Paulo, mesmo porque DEUS confirmava o apostolado de Paulo com sinais, prodígios e maravilhas. Além de Paulo, Barnabé, Tiago, irmão de JESUS, Andrônico e Júnia, foram também denominados apóstolos.

O próprio Paulo reconhece Matias como apóstolo substituto de Judas, o traidor.
1Corintios cap. 15 e vers. 5 diz: e foi visto por Cefas e depois pelos DOZE, e no versículo 8 Paulo diz que JESUS apareceu a ele próprio por último (fazendo distinção dos 12), indicando que JESUS apareceu primeiro aos 12 no verso 5.

A quem Paulo se referiu em respeito aos 12?
Paulo aparece no verso 8 como distinto dos 12, então a resposta é óbvia, não era Judas Iscariotes pois ele não viu o CRISTO ressurreto e se perdeu, suicidando-se, portanto Matias viu, e quando Paulo fala que os 12 viram, já haviam feito a substituição de Judas por Matias, pelo motivo de se referir aos 12 e não aos 11, Paulo reconheceu ser Matias dos 12.

Pergunta da lição 6.

Se o dom de apóstolo é atual, quem são os apóstolos nossos?
O apóstolo Paulo liderava homens de DEUS como Timóteo, Tito, etc....
O apóstolo Paulo escrevia edificações, exortações e consolações aos seus liderados, Chamava a atenção de alguns e corrigia outros.
Por que não temos ninguém em nossa igreja com nome de apóstolo?
Existem vários apóstolos na Igreja hoje, porém não são reconhecidos pela Igreja. Por isso mesmo existem muitos que fazem como Paulo que recebeu o chamado de JESUS e se autoproclamou apóstolo.

Encontramos na Bíblia, no Novo Testamento, além dos apóstolos do primeiro colegiado que andaram com JESUS, os apóstolos seguintes da igreja, como Paulo, Barnabé, Tiago, irmão de JESUS, Andronico e Júnia, entre outros.
At 14:14 Ouvindo, porém, isto, os apóstolos Barnabé e Paulo, rasgaram os seus vestidos, e saltaram para o meio da multidão, clamando.

Gl 1:19 E não vi a nenhum outro dos apóstolos, senão a Tiago, irmão do SENHOR.
Rm 16:7 Saudai a Andrónico e a Júnia, meus parentes e meus companheiros na prisão, os quais se distinguiram entre os apóstolos e que foram antes de mim em CRISTO.

Assim como o corpo humano possui 5 sentidos e para funcionar bem, de acordo com o plano de DEUS, devem esses 5 sentidos estarem em pleno funcionamento e em concordância com o restante do corpo; assim também a igreja, o corpo de CRISTO na terra, possui 5 ministérios que deverão estar em pleno funcionamento e em concordância com o restante do corpo para produzirem de acordo com o plano de DEUS, fazendo a obra de DEUS com poder e com excelentes resultados - Almas para CRISTO e edificação da Igreja..

assim nós, que somos muitos, somos um só corpo em CRISTO, mas individualmente somos membros uns dos outros. Romanos 12:5

Primeiros apóstolos formavam o primeiro colégio apostólico - Fundamento da igreja. Deram início à igreja de CRISTO na Terra logo após serem batizados no ESPÍRITO SANTO - edificados sobre o fundamento dos apóstolos e dos profetas, de que JESUS CRISTO é a principal pedra da esquina; Efésios 2:20
Outros apóstolos - ministérios - pessoas dadas à igreja já formada pelos apóstolos do primeiro colégio apostólico.
Exemplos: Paulo (“o menor dos apóstolos” - 1 Co.15.9; Rm 1.1; 2 Co 1.1), Barnabé (At 14.14). Havia “outros apóstolos”, a que Paulo se referia em sua carta aos romanos (Rm 16.7) e em outras epístolas (G1 1.19; 1 Ts 2.6,7).

O apóstolo é um enviado por JESUS CRISTO para pregar o Evangelho em áreas ainda não alcançadas, é um desbravador que vai abrir o trabalho em local ainda não evangelizado. Evidente é que nas modernas metrópoles há espaço para apóstolos devido à falta de penetração do evangelho por parte de nossas tradicionais igrejas. O apóstolo Paulo gostava de permanecer mais tempo em cidades grandes, como Filipos, Éfeso e Corinto, por exemplo. Creio que a maioria dos apóstolos modernos que surgiram no Brasil, são apóstolos mesmo no sentido correto do ministério, a maioria tem exercido seu ministério apostólico através da mídia, o meio mais eficaz de se pregar o evangelho nos dias atuais. DEUS os abençoe pelos milhões de salvos que estes têm ganhado para JESUS em nossa nação.

Existe 13o apóstolo? Paulo foi esse 13o apóstolo? NÃO.
É necessário, pois, que, dos varões que conviveram conosco todo o tempo em que o Senhor JESUS entrou e saiu dentre nós, começando desde o batismo de João até ao dia em que dentre nós foi recebido em cima, um deles se faça conosco testemunha da sua ressurreição. Atos 1:21,22 - PAULO NÃO CUMPRE ESSES QUISITOS (não esteve com JESUS vivo num corpo humano, não esteve no batismo de João Batista, não foi testemunha ocular da ressurreição de JESUS).
Não existe 13o apóstolo no primeiro colégio apostólico. A discussão é em torno de se admitir Paulo ao invés de Matias no colégio apostólico. Uns acham que a escolha dos apóstolos foi errada e não estava de acordo com a vontade de DEUS. Muitos acham que tirar sortes não indicaria a pessoa certa. Muitos acham que Paulo é o 12o apóstolo porque teve um encontro pessoal com JESUS, aprendeu muito do próprio JESUS e testificou da ressurreição de JESUS. Eu vejo que Paulo teve especial tratamento por parte de DEUS, é o homem mais importante da bíblia para mim, depois de JESUS, mas, para mim, ele foi um apóstolo à parte, de um ministério totalmente diferente dos outros primeiros apóstolos. Se os apóstolos foram escolhidos como representantes de Israel na Nova Aliança, Paulo foi escolhido como apóstolo dos gentios, de um

ministério voltado para todos os povos que se arrependem de seus pecados e são salvos pela graça de DEUS. Paulo, como precursor desse apostolado aos gentios tinha mesmo que ser especial em todos os sentidos. Paulo pertence ao segundo apostolado, juntamente com Barnabé, e os irmãos de JESUS (Tiago e Judas).

Ouvindo, porém, isto os apóstolos Barnabé e Paulo, rasgaram as suas vestes e saltaram para o meio da multidão, clamando Atos 14:14
E não vi a nenhum outro dos apóstolos, senão a Tiago, irmão do Senhor. Gálatas 1:19

Para mim "o que desligares na terra será desligado no céu" Os próprios apóstolos escolheram já que agora tinham autoridade para isso, dada pelo próprio CRISTO, assim como depois tomaram várias decisões sobre o andamento da igreja e até mesmo sobre o que deveria ser proibido aos gentios, no primeiro concílio da igreja (Atos 15). Matias tinha as credenciais necessárias e tinha a autoridade dada pelos apóstolos que agora eram os representantes legais de CRISTO na terra.

Paulo era o mais importante e mais credenciado para o novo ministério apostólico aos gentios e assim ficou como o primeiro desse novo apostolado e não do primeiro colégio apostólico.

Se nós aceitarmos que Paulo é o 12o apóstolo vamos ter que aceitar que hoje existem apóstolos do primeiro colégio apostólico, pois muitos apóstolos hoje alegam terem se encontrado com CRISTO e terem recebido revelações Dele. Sendo que os católicos apostólicos romanos querem dizer que o papa é substituto de Pedro e de seu apostolado. Vamos concordar com eles? Creio que não. Seria o mesmo que concordar com a reencarnação, doutrina totalmente antibíblica.

Se JESUS sabia que Judas o trairia e que os discípulos colocariam Matias em seu lugar, é evidente que se isso não tivesse apoio de DEUS, JESUS já teria deixado uma ordem para os discípulos para substituírem Judas por Paulo, por exemplo, ou por alguém, no caso, que eles conheceriam depois. Chance para isso ELE teve logo após ressuscitar e passar 40 dias aparecendo aos discípulos. Não, ELE não deu instruções sobre isso a nenhum apóstolo de seu primeiro colégio apostólico. Matias era escolha de DEUS confirmada pelos apóstolos, mesmo sendo com a ajuda de um artifício de sortes, no momento, o único que conheciam e que confiavam que DEUS estava no controle. O importante aí não é o meio que usaram, pois poderiam escolher tanto José como Matias, ambos com qualificações para exercer a função. Usaram o método de tirar sortes apenas para saber qual dos dois e não para saberem se era para escolher outro no lugar de Judas. Isso já estava escrito na bíblia. creio que quem inspirou Pedro a fazer isto foi o ESPÍRITO SANTO que estava nele desde o dia em que JESUS assoprou sobre eles e disse: "Recebei o ESPÍRITO SANTO" (João 20:22). Portanto, já tinham o ESPÍRITO SANTO a lhes guiar.

Paulo ao escrever 1Corintios cap. 15 e vers. 5 diz: e foi visto por Cefas e depois pelos DOZE, e no versículo 8 Paulo diz que JESUS apareceu a ele próprio por último (fazendo distinção dos 12), indicando que JESUS apareceu primeiro aos 12 no verso 5.
A quem Paulo se referiu em respeito aos 12?

Paulo aparece no verso 8 como distinto dos 12, então a resposta é óbvia, não era Judas Iscariotes pois ele não viu o CRISTO ressurreto e se perdeu, portanto Matias viu, e quando Paulo fala que os 12 viram, já havia feito a substituição de Judas por Matias, pelo motivo de se referir aos 12 e não aos 11, e Paulo reconheceu ser Matias dos 12.

Atualmente percebemos que o ESPÍRITO SANTO continua a distribuir, os “dons espirituais”, “repartindo particularmente a cada um como quer” (1 Co 12.11), e também JESUS continua concedendo diversos ministérios à igreja, através de homens que ELE mesmo escolheu ( Ef 4.11) e capacitou. O ESPÍRITO SANTO confirma esta chamada com sinais, prodígios e maravilhas que executa através destes ministérios.

Os sinais do meu apostolado foram manifestados entre vós, com toda a paciência, por sinais, prodígios e maravilhas. 2 Coríntios 12:12
A JESUS Nazareno, varão aprovado por DEUS entre vós com maravilhas, prodígios e sinais, que DEUS por ele fez no meio de vós, como vós mesmos bem sabeis; Atos 2:22

E Estêvão, cheio de fé e de poder, fazia prodígios e grandes sinais entre o povo. Atos 6:8
E muitos sinais e prodígios eram feitos entre o povo pelas mãos dos apóstolos. E estavam todos unanimemente no alpendre de Salomão. Atos 5:12
Então, toda a multidão se calou e escutava a Barnabé e a Paulo, que contavam quão grandes sinais e prodígios DEUS havia feito por meio deles entre os gentios. Atos 15:12
E eles, tendo partido, pregaram por todas as partes, cooperando com eles o Senhor e confirmando a palavra com os sinais que se seguiram. Amém! Marcos 16:20
testificando também DEUS com eles, por sinais, e milagres, e várias maravilhas, e dons do ESPÍRITO SANTO, distribuídos por sua vontade? Hebreus 2:4

Um dos maiores equívocos, cometidos por muitos líderes de igrejas, nos dias presentes, é o de entender que o título de “Apóstolo” lhes confere posição hierárquica superior ao de pastor, evangelista, profeta ou mestre. Já são conhecidos exemplos diversos de obreiros, que eram detentores do título de “pastor”, devidamente ordenados por seus ministérios ou convenções, os quais arrogaram para si o título de “apóstolo”, com o objetivo de se colocarem em posição ministerial “superior”. Procedimento totalmente fora de propósito ou de fundamento escriturístico. Esquecem-se tais “apóstolos”, que a maior função, no ministério de CRISTO, é o de “servo fiel” (Nm 12.7; Hb 3.5; Mt 25.21-23). Também nos lembremos de que Pastor não é maior que apóstolo, nem que evangelista, nem que profeta, nem que mestre. Todos são ministros de CRISTO e estão a serviço do corpo de CRISTO cuja cabeça é CRISTO.

Primeiro Colégio Apostólico:

PRIMEIRO GRUPO
Simão Pedro------------------------------------O homem de pedra André----------------------------------------------Irmão de Pedro
Tiago e João------------------------------------Filhos de Zebedeu, e filhos do trovão

SEGUNDO GRUPO
Filipe----------------------------------------------O inquiridor sincero
Bartolomeu ou Natanael-------------------O israelita em quem não havia dolo Tomé---------------------------------------------O melancólico Mateus-------------------------------------------O publicano (assim chamado apenas por si mesmo)

TERCEIRO GRUPO
Tiago (filho) de Alfeu--------------------------(Marcos 15.40?)
Lebeu. ou Tadeu, ou Judas de Tiago----O discípulo que tinha três nomes Simão----------------------------------------------O zelote
Judas, o homem de Queriote--------------O traidor - Substituído por Matias.

Note que mesmo João estando vivo na época de Paulo, muitos foram chamados de apóstolos, os apóstolos do colégio apostólico nunca os desautorizaram e nem os condenou por isso, Paulo até foi reconhecido por eles. Claro que foram aceitos como apóstolos de ministério e não como os doze do primeiro colégio apostólico, incluindo aí Matias. COMENTÁRIOS

INTRODUÇÃO

A partir deste capítulo, estudaremos acerca dos dons ministeriais, que identificam uma diversidade enorme de funções, ofícios e atividades, de homens, chamados por DEUS, e designados pela igreja local, para exercerem a operacionalidade de serviços ou ministérios.
Os dons ministeriais são indispensáveis ao “aperfeiçoamento dos santos, para a obra do ministério, para edificação do corpo de CRISTO” (Ef 4.12). Neste estudo, o texto básico para referência é o capítulo 4, da epístola de Paulo aos Efésios. Se alguém é chamado por JESUS mesmo para ser evangelista, ele mesmo é um “dom”, assim como sua função de evangelizar. E assim por diante, se alguém é chamado por JESUS mesmo para ser Pastor ele mesmo é um “dom”, assim como sua função de pastorear. É JESUS quem escolhe o ministro, que concede os que podem ser chamados de “homens- dons” à igreja. Evidente que hoje temos escolhas eclesiásticas para o ministério, não sendo um chamado do próprio JESUS com confirmação do ESPÍRITO SANTO.

Por isso, o apóstolo Paulo diz “E ele mesmo deu uns para apóstolos, e outros para profetas, e outros para evangelistas, e outros para pastores e doutores” (Ef 4.11). A expressão “ele mesmo deu” indica que o dom precede o ofício. Diz Donald Gee: “Se ‘Ele concedeu, está fora de dúvida não poder haver ministério divinamente ordenado sem o Seu dom”.
O primeiro dom ministerial que estudaremos é o de apóstolo. Há uma controvérsia que atravessa séculos acerca da atualidade do ministério de apóstolo. Há uma corrente de estudiosos da Bíblia, que podemos chamar de “Cessacionistas”, a exemplo do que ocorre com a atualidade dos dons espirituais do ESPÍRITO SANTO, que também entende que o ministério apostólico “cessou” com os primeiros discípulos de CRISTO. Outros entendem que ainda existem apóstolos, hoje, ainda que numa conotação um tanto diferente dos primeiros doze apóstolos de CRISTO.

Além dos 12 apóstolos de CRISTO, que integraram o chamado “Colégio Apostólico”, vemos, no Novo Testamento, que outros apóstolos foram levantados por DEUS, sem que nenhum se considerasse sucessor de outro. Paulo e Barnabé não pertenciam ao “grupo dos 12”; mas eram apóstolos, credenciados por DEUS para realizar a missão que lhes foi confiada (1 Co 1.1; Cl 1.1; At 13.46); Tiago, “irmão do Senhor”, também recebia a qualificação de apóstolo (Gl 1.19).

(Elinaldo Renovato. Dons espirituais & Ministeriais Servindo a DEUS e aos homens com poder extraordinário. Editora CPAD. Pag. 70-72.

Com vários acréscimos e modificações do Pr. Henrique)
Observação -
Atualmente percebemos que o ESPÍRITO SANTO continua a distribuir, os “dons espirituais”, “repartindo particularmente a cada um como quer” - 1 Co 12.11, e também JESUS continua concedendo diversos ministérios à igreja, através de homens que ELE mesmo escolheu e o ESPÍRITO SANTO confirmou com sinais, prodígios e maravilhas- Ef 4.11).

Aquele que desceu é também o mesmo que subiu acima de todos os céus, para cumprir todas as coisas. E ele mesmo deu uns para apóstolos, e outros para profetas, e outros para evangelistas, e outros para pastores e doutores, querendo o aperfeiçoamento dos santos, para a obra do ministério, para edificação do corpo de CRISTO, até que todos cheguemos à unidade da fé e ao conhecimento do Filho de DEUS, a varão perfeito, à medida da estatura completa de CRISTO, Efésios 4:10,13.

“os apóstolos, os profetas, os evangelistas, os pastores e mestres”. Diferentemente do v. 7, onde se falava da distribuição de dons individuais para todos os membros da igreja, Paulo aqui designa determinadas pessoas como dom de CRISTO. Em vista da proximidade do presente trecho com Ef 1.20-23 é preciso chamar atenção para o fato de que em Ef 1.22 o CRISTO exaltado foi “concedido” como cabeça sobre a igreja toda. Logo CRISTO é a “dádiva principal” para sua igreja, no seio da qual ele próprio “concede” determinadas pessoas.

De modo diverso da listagem análoga em 1 Co 12.28-30, Paulo emprega aqui o artigo definido para cada uma das pessoas. Isso permitiria concluir que na carta aos Efésios não se trata da tarefa em geral, mas do grupo claramente delimitado de representantes incumbidos do serviço específico. Essa diferença também é constatável em relação a Rm 12.6s, onde são arroladas não as respectivas pessoas, mas cada uma das atividades: profecia, diaconia, exortação, etc.

No mesmo sentido Paulo havia falado também em Ef 2.20 do “fundamento dos apóstolos e profetas” e em Ef 3.5 de “seus santos apóstolos e profetas”. Diante das demais considerações em Ef 4.12ss, parece que essa ênfase se refere especificamente às tarefas de proclamação, direção e ensino. Por isso não são mencionados aqui outros dons da graça que aparecem em Rm 12 e 1 Co 12.

Não se deve esquecer que também na primeira carta aos Coríntios os dons e as pessoas agraciadas com eles aparecem no começo das respectivas listas, de modo que o tratamento do conflito causado por fenômenos entusiastas é marcado por uma clara premissa: isso diz respeito em 1 Co 12.8 à palavra da sabedoria e à palavra do conhecimento, dadas pelo ESPÍRITO, e em 1 Co 12.28 “primeiramente a apóstolos, em segundo lugar a profetas, e em terceiro lugar, a mestres”. A combinação de “profetas e mestres” ocorre em At 13.1. Em 1Tm 2.7 (também em 2Tm 1.11). Paulo relaciona consigo mesmo o serviço de “pregador” (cf. “evangelista”), apóstolo e mestre (dos gentios). É digno de nota que também esse trecho está visivelmente próximo de Ef 4.4ss: a confissão do único DEUS e do único Mediador entre DEUS e os humanos, que se “deu” como pagamento de resgate, é seguida pela transição para a investidura de Paulo como “arauto” desse evento de salvação.

Segundo esse pensamento CRISTO presenteou sua igreja com dons, i. é, com pessoas incumbidas e capacitadas que possuem uma relevância fundamental para a construção e o crescimento da igreja. Trata-se aqui daqueles que proclamaram e explicaram o evangelho da salvação em JESUS CRISTO de acordo com a situação atual dos ouvintes, bem como firmaram, exortaram e encorajaram as incipientes igrejas através dessa palavra.

Nesse contexto duas coisas são irrenunciáveis: a importância das referidas pessoas como “detentores de cargo” não vem delas mesmas. Pelo contrário, são presentes do Senhor à igreja dele. Elas, por sua vez, receberam seus dons daquele que é o verdadeiro presente para a igreja (Ef 1.23). Possuem importância fundamental para a constituição da igreja, motivo pelo qual de forma alguma podem ser arbitrariamente substituídos.

Ef 4.13 A edificação, o crescimento do corpo de CRISTO, estão direcionados para um alvo que é indicado neste versículo. A expressão “chegar” pode significar literalmente alcançar um lugar (diversas vezes em At: p. ex., At 16.1; 18.19; etc.), mas também pode ser usada em sentido figurado (o fim dos tempos chegou: 1 Co 10.11). Assim como aqui, em Fp 3.11 ela implica a atenta orientação rumo ao alvo visado, quando Paulo afirma de si: “para alcançar a ressurreição dentre os mortos”.

Eberhard Hahn. Comentário Esperança Efésios. Editora Evangélica Esperança (Com vários acréscimos e modificações do Pr. Henrique).

A Classificação dos Dons (Ef 4.11)

Nesta passagem, Paulo está interessado em apresentar os ofícios necessários para a expansão e sustento da igreja. CRISTO deu à igreja os apóstolos: (Obs. Minha Pr. Henrique - Plantadores de igrejas - Os apóstolos eram os dirigentes. CRISTO os investiu com dons extraordinários, poder para operar milagres e uma infalibilidade para anunciar sua verdade). Os missionários, se tivessem autoridade apostólica concedidos pela Igreja e dons do ESPÍRITO SANTO presentes em seu ministério, se fosse enviado só para locais sem crentes, poderiam ser considerados hoje como apóstolos.

Sendo eles colocados para darem testemunho do CRISTO vivo através dos seus milagres e doutrina, Ele os enviou a espalhar o evangelho e a implantar e governar igrejas;
Os profetas tinham o seu dom especial era o de ministério inspirado (Palavra de sabedoria - revelação do futuro - Atos 11.28 e 21.11 - e de conhecimento
revelação de fatos que ocorriam sem o conhecimento geral, dom da fé para ressuscitar mortos, curas e milagres; Os evangelistas eram pregadores itinerantes, que iam de lugar em lugar para ganhar os

incrédulos (cf. 2 Tm 4.5), de modo muito semelhante como se faz hoje e eram tremendamente usados em curas e expulsão de demônios, milagres e dom da fé; Pastores de um rebanho de comunicantes; a palavra grega (poimen) empregada aqui significa, literalmente, “pastor de ovelhas”. A tarefa dos pastores é alimentar o rebanho e protegê-lo dos perigos espirituais eram conselheiros e organizadores do trabalho da igreja neles operava muito o dom de discernimento de espíritos para julgarem as profecias e descobrirem falsos mestres e falsos profetas o meio da igreja; doutores representam uma classe de responsabilidade grande na área do ensino da igreja Neles operava neles os dons de curar, a profecia, as línguas e interpretação de línguas. Não é nada fixado ou pré-determinado. Cada um busca o Dom melhor para equipar seu ministério e o ESPÍRITO SANTO vai concedendo assim que necessário.

Os cinco ministérios são concedidos pelo ESPÍRITO e dados por CRISTO à sua igreja.

Estes dons ministeriais são dados para promover a edificação, exortação e consolação a igreja e para evangelização eficiente. Uma vez mais, Paulo usa três frases, cada uma iniciada com a preposição grega eis: 1) à unidade da fé; 2) a varão perfeito; 3) à medida da estatura completa de CRISTO. Estas não são idéias paralelas. A primeira fala do meio da maturidade, a segunda fala da realidade da maturidade e a terceira fala da medida da maturidade. Uma tradução melhor do versículo seria esta: “Assim, todos finalmente atingiremos a unidade inerente em nossa fé e em nosso conhecimento do Filho de DEUS, e chegaremos à maturidade, medida por nada menos que a estatura completa de CRISTO” (NEB).A unidade da fé e do conhecimento do Filho de DEUS constitui o meio do amadurecimento (cf. RA).

A varão perfeito refere-se ao nível de maturidade coletiva e individual na igreja, no qual o poder de DEUS se manifesta inteiramente em santidade e justiça. Tal estado será atingido em seu significado máximo futuramente, quando possuirmos a graça de CRISTO na perfeição da ressurreição (cf. Fp 3.7-16).
Evidente que vão sendo aperfeiçoados até o dia do arrebatamento, quando então seremos semelhantes a CRISTO, nunca igual. Paulo procurava a santificação e a perfeição imitando a CRISTO e ele mesmo confessa nunca a ter atingido completamente.

Nosso objetivo é continuar nesta busca sempre.
Segui a paz com todos e a santificação, sem a qual ninguém verá o Senhor, Hebreus 12:14
Não que já a tenha alcançado ou que seja perfeito; mas prossigo para alcançar aquilo para o que fui também preso por CRISTO JESUS. Filipenses 3:12
Willard H. Taylor. Comentário Bíblico Beacon. Editora CPAD. Vol. 9. pag.160-162. E algumas adaptações, mudanças e alguns acréscimo meus - Pr. Henrique.

PASTOR - MINISTÉRIO ECLESIÁSTICO OU MINISTÉRIO DE CRISTO?

Pastor - ministério eclesiástico (humano)- escolhido por homens.
Pastor - Dom de CRISTO - Ministério ou pessoa dada por CRISTO a igreja - (Sobrenatural, confirmado por DEUS com

sinais, prodígios e maravilhas
Os sinais do meu apostolado foram manifestados entre vós, com toda a paciência, por sinais, prodígios e maravilhas. 2 Coríntios 12:12.
Varões israelitas, escutai estas palavras: A JESUS Nazareno, varão aprovado por DEUS entre vós com maravilhas, prodígios e sinais, que DEUS por ele fez no meio de vós, como vós mesmos bem sabeis; Atos 2:22.
testificando também DEUS com eles, por sinais, e milagres, e várias maravilhas, e dons do ESPÍRITO SANTO, distribuídos por sua vontade? Hebreus 2:4
QUANDO A ESCOLHA É FEITA POR DEUS É CONFIRMADA POR SINAIS PRODÍGIOS E MARAVILHAS.

I - O COLÉGIO APOSTÓLICO
Primeiro colégio apostólico:
Ora, os nomes dos doze apóstolos são estes: O primeiro, Simão, chamado Pedro, e André, seu irmão; Tiago, filho de Zebedeu, e João, seu irmão; Filipe e Bartolomeu; Tomé e Mateus, o publicano; Tiago, filho de Alfeu, e Lebeu, apelidado Tadeu; Simão, o Zelote, e Judas Iscariotes, aquele que o traiu. Mateus 10:2-4

1. O termo “apóstolo”.

(Strong português) - αποστολος - apostellein - apóstolos - Em hebraico shalah
1) um delegado, mensageiro, alguém enviado com ordens
1a) especificamente aplicado aos doze apóstolos de CRISTO (primeiro colegiado)
1b) num sentido mais amplo aplicado a outros apóstolos cristãos eminentes (segundo colegiado e até nossos dias) 1b1) Barnabé e Paulo (At 14.14)
1b2) Andrônico e Júnia (Rm 16:7)
1b3) Irmãos de JESUS, Judas (Mt 13.55; Jd 1.1) e Tiago (Gl 1.19; At 15.13).

E algumas adaptações, mudanças e alguns acréscimo meus - Pr. Henrique.

Na língua grega, em que foi escrito o Novo Testamento, a palavra apóstolo tem o significado de um enviado, um mensageiro ou um delegado. “Apóstolos. Um delegado; especialmente um embaixador do evangelho; oficialmente, uma pessoa comissionada por CRISTO [um apóstolo’] (com poderes miraculosos): — apóstolo, mensageiro, aquele que é enviado”. Essa é a conceituação de apóstolo, em seu sentido original. Apóstolo não é qualquer pessoa que “vai” ou que é mandada por alguém, numa visão humana. “O apóstolo é enviado por CRISTO do mesmo modo pelo qual foi Ele enviado pelo Pai; e pelo menos com algo quanto de tudo implica autoridade e poder, e graça e amor”.

Elinaldo Renovato. Dons espirituais & Ministeriais Servindo a DEUS e aos homens com poder extraordinário. Editora CPAD. pag. 72.

O termo grego apóstolos vem de αποστολος - Apostellein - apóstolos, no grego - do verbo apostellein, “enviar”, “remeter”. A Septuaginta utiliza o grego apóstolos para traduzir o hebraico shalah e seus termos derivados. O substantivo e o verbo são usados pela LXX para traduzir o hebraico shalah e seus derivativos. Estas palavras gregas e hebraicas são ocasionalmente usadas para mensageiros com ênfase naquele que envia, de forma que o agente se toma uma extensão da personalidade e da influência do mestre (Gn 45.4-8; 1 Rs 14.6). K. H. Rengstorf, T. W. Manson e outros tentaram rastrear a palavra do NT e chegar ao termo judaico shaliah (usado em relação a um representante cujas funções não podem ser transferidas; representante da autoridade religiosa, seja de um indivíduo ou de um grupo; agente de DEUS). A palavra Apostolos, usada para “mensageiro” ou “agente”, também é encontrada no grego clássico (Heródoto i.21; v. 38; cf. Eurípedes, Iphigeneia in Aulis, 688). No NT a palavra “apóstolo” é usada tanto em um sentido amplo quanto estrito. Todo apostolado é centrado em JESUS, que é o Apóstolo (Hb 3.1-6) enviado por DEUS para ser o Salvador do mundo (1 Jo 4.14). Embora João não use o substantivo, ele frequentemente usa o verbo e descreve as funções do Senhor JESUS como o Apóstolo de DEUS. Ele foi enviado por DEUS (Jo 7.28,29; 8.42) para falar as palavras de DEUS (3.34), para fazer as obras (5.36; 6.29) e a vontade (6.38) de DEUS, para revelar a DEUS (5.37-47), para dar a vida eterna (17.2,3). Todo o apostolado subsequente tem seu centro em DEUS através de JESUS CRISTO (Jo 17.18-26; 20.21-23) e é mediador de CRISTO em palavra e pessoa (Mt 10.40; Lc 10.16).

Mateus e Marcos usam o termo “apóstolo” apenas uma vez para se referirem aos doze que foram enviados em uma viagem missionária (Mt 10.2; Mc 6.30). Aqui, este termo designa uma função ao invés de uma posição. Durante o ministério de JESUS, os doze não eram, a princípio, mensageiros, mas, homens selecionados que foram iniciados no reino vindouro e, portanto, consideravam seu dever conclamar o povo de Israel ao arrependimento e, em última análise, julgá-lo (Mt 19.28- 30).

Lucas, frequentemente, e quase que exclusivamente, chama os doze de “apóstolos” (Lc 6.13; 9.10; 17.5; 22.14; 24.10; At 1.26; 2.43; 4.35,37; 5.2,12,18; 8.1. Exceções: Lc 11.49; At 14.4,14). Os apóstolos foram testemunhas oculares das atividades de JESUS na terra e consequentemente testificaram que JESUS era o Senhor ressurreto (Lc 24.45-48; 1 Jo 1.1- 3). Os pré-requisitos para a substituição apostólica nesta função única são dados em At 1.21,22.

É necessário, pois, que, dos varões que conviveram conosco todo o tempo em que o Senhor JESUS entrou e saiu dentre nós, começando desde o batismo de João até ao dia em que dentre nós foi recebido em cima, um deles se faça conosco testemunha da sua ressurreição. Atos 1:21,22

A lista de apóstolos de Lucas (Lc 6.14- 16; At 1.13) corresponde à lista dos doze dadas em Mateus 10.2-4 e Marcos 3.16- 19.
Mateus lista os discípulos aos pares, supostamente como enviados por JESUS, Tadeu (em Mateus e Marcos) era idêntico a Judas o filho de Tiago (em Lucas). Pedro, Tiago e João formavam um círculo íntimo dentre os doze, e estavam presentes no episódio da transfiguração (Mt 17,1-9; Mc 9.2-10; Lc 9.28-36) e no Getsêmani (Mt 26.36-46; Mc 14.32-42; Lc 22.39-46). Os doze foram selecionados para ser os companheiros de JESUS e proclamar o Evangelho (Mc 3.14). Durante o ministério de JESUS, os doze serviram como seus representantes, uma função compartilhada por outros (Lc 10.1). Aparentemente, a posição dos apóstolos não foi fixada permanentemente antes da ressurreição (Mt 19.28-30; Lc 22.28- 34; cf. Jo 21.15- 18). O CRISTO ressurreto fez deste grupo seleto de testemunhas do seu ministério e ressurreição, apóstolos e testemunhas permanentes de que Ele é o Senhor, os comissionou como missionários, os instruiu a ensinar e batizar (Mt 28.18-20; Mc 16.15-18; Lc 24.46- 48), e completou o processo com o envio do ESPÍRITO SANTO no Pentecostes (Lc 24.49; At 1.1-8; 2.1-13) e capacitação com Dons do ESPÍRITO SANTO daí para frente. No período inicial, os 12 apóstolos eram os únicos ensinadores e líderes da igreja, e outros ofícios foram derivados deles (At 6.1-6; 15.4). O apostolado não implicava em uma liderança permanente. Embora Pedro tenha iniciado missões aos judeus (Atos 2) e aos gentios (At 10.1-11.18), Tiago o substituiu como líder entre os judeus, e Paulo como líder entre os gentios.

Paulo usa o termo “apóstolo” em um sentido amplo para um mensageiro ou agente (2 Co 8.23; Fp 2.25; e possivelmente em Rm 16.7). Geralmente, porém, Paulo usa a palavra para um grupo de testemunhas que havia visto o Senhor ressurreto e que havia recebido um chamado específico para um apostolado. Este grupo era maior que os doze (At 15.5,6). Incluído neste grupo estava Tiago, o irmão do Senhor (At 15.13; Gl 1.19), Paulo (Rm 1.1; 1 Co 1.1; 9.1,2; 15.8-10; Gl 2.7,8), provavelmente Barnabé (1 Co 9.1-6; Gl 2.9; cf. At 14.4.14), Tiago, irmão do Senhor (Gl 1.19; At 15.13) e possivelmente outros (Rm 16.7). No entanto, o Senhor ressurreto, de quem Paulo se tornou uma testemunha é idêntico ao JESUS histórico de quem os doze também testemunharam. Consequentemente, a proclamação de Paulo deve ser idêntica à dos doze (1

Co 15.11; Gl 1.18; 2.7-10; cf. At 15). João enfatiza a obra do ESPÍRITO que testemunha através das palavras dos apóstolos (Jo 15.26,27). Através da pregação do Evangelho, JESUS CRISTO, o Senhor ressurreto, é contemporâneo aos ouvintes, e os coloca no mesmo patamar das testemunhas oculares (cf. 1 Co 3.21-23). Os membros da igreja são sacerdotes, reis, servos de DEUS e santos que usam seus dons para a edificação da igreja como um todo (1Co 12.1-11; 1 Pe 2.9; Ap 1.6; 5.8,10; 7.3), pregam e ensinam o evangelho e, como os apóstolos, são mediadores de CRISTO Mt 25.40,45; Mc 9.37; Lc 9.48) e reinarão com Ele (Ap 3.21).

Os apóstolos, porém, através do testemunho de sua palavra, sempre serão a norma e os arautos do fundamento sobre o qual CRISTO edifica a sua igreja (Ef 2.20; Ap 18.20; 21.14). Os apóstolos são as primeiras dádivas de CRISTO para a sua igreja (Ef 4.11) e os ministros estabelecidos por DEUS na igreja (1 Co 12.28,29).
Dicionário Bíblico Wycliffe E algumas adaptações, mudanças e alguns acréscimo meus - Pr. Henrique.

2- O colégio apostólico. (prefiro usar primeiro colégio apostólico)

Entende-se por “Colégio apostólico” o grupo dos 12 primeiros discípulos de JESUS, que foram convidados por Ele para dar início ao seu ministério terreno. Primeiramente, Ele os fez discípulos ou seguidores. JESUS foi o Apóstolo Líder do Grupo dos Doze. Ele foi enviado pelo Pai (Jo 20.21). Foram três anos aproximadamente, em que eles aprenderam as verdades de DEUS com o maior Mestre da História. Após o seu discipulado, aos pés de CRISTO, e o recebimento do batismo com o ESPÍRITO SANTO (Lc 24.49; At 1.8), aqueles 12 foram enviados para proclamar o evangelho, ou as Boas- Novas de salvação (Lc 6.13). Eles constituíram a base ministerial para o crescimento, o desenvolvimento e a expansão do Reino de DEUS e da Igreja de CRISTO, por todo o mundo. Eles aprenderam com JESUS, usando o poder de DEUS para confirmar tanto seus ministérios apostológicos quanto a Palavra de DEUS. E eles, tendo partido, pregaram por todas as partes, cooperando com eles o Senhor e confirmando a palavra com os sinais que se seguiram. Amém! Marcos 16:20. Os sinais do meu apostolado foram manifestados entre vós, com toda a paciência, por sinais, prodígios e maravilhas. 2 Coríntios 12:12

Elinaldo Renovato. Dons espirituais & Ministeriais Servindo a DEUS e aos homens com poder extraordinário. Editora CPAD. pag. 72-73. E algumas adaptações, mudanças e alguns acréscimo meus - Pr. Henrique.

A escolha que JESUS fez dos doze discípulos que gradualmente se reuniram ao seu redor é uma importante referência na história do evangelho.
Tal ato divide o ministério do nosso Senhor em duas partes provavelmente muito semelhantes quanto à duração, mas diferentes quanto à extensão e a importância do trabalho realizado em cada uma. No período inicial JESUS trabalhou sozinho; suas obras milagrosas estavam confinadas a uma área limitada, e seu ensino era, em sua maior parte, de caráter elementar. Mas na ocasião em que os doze foram escolhidos, a obra do reino "assumiu dimensões que requeriam organização e divisão de trabalho. O ensino de JESUS estava começando a ser de natureza mais profunda e elaborada, e suas atividades beneficentes estavam crescendo muito.

E provável que a escolha de um número limitado de discípulos para ser seus companheiros íntimos e constantes tenha se tornado uma necessidade para CRISTO, em consequência de seu próprio sucesso ao fazer discípulos. Seus seguidores eram tão numerosos a ponto de serem um impedimento aos seus movimentos, especialmente nas longas jornadas que marcam a parte posterior de seu ministério. Era impossível que todos os que criam pudessem então continuar a segui-lo de modo literal, para onde quer que Ele fosse: o grande número de pessoas agora poderia ser apenas de seguidores ocasionais. Mas era seu desejo que alguns homens escolhidos estivessem consigo em todos os momentos e em todos os lugares seus companheiros de viagem em todas as suas jornadas, testemunhando toda a sua obra e ministrando às suas necessidades diárias. E assim, nas palavras singulares de Marcos: “E subiu ao monte e chamou para si os que ele quis; e vieram a ele. E nomeou doze para que estivessem com ele...”.

Estes doze, contudo, como sabemos, deveriam ser mais que meros companheiros de viagem ou servos comuns do Senhor JESUS CRISTO. Eles deveriam ser, então, aprendizes da doutrina cristã, e ocasionais cooperadores das obras do reino, e mais tarde agentes treinados, escolhidos por CRISTO para propagar a fé depois que Ele deixasse a terra. A partir do momento em que foram escolhidos, de fato, os doze iniciaram um aprendizado regular para o grande ofício do apostolado, no curso do qual deveriam aprender, na privacidade de um relacionamento íntimo diário com seu Mestre, como deveriam ser, agir, crer, e ensinar como suas testemunhas e seus embaixadores no mundo. Doravante o treinamento desses homens deveria ser uma parte constante e proeminente da obra pessoal de CRISTO. Ele os orientava à noite a respeito do que deveriam falar de dia, e falava aos seus ouvidos o que nos anos posteriores anunciariam publicamente.

A ocasião em que ocorreu essa eleição (embora não se conheça tal data com precisão) é fixa em relação a certos eventos- chave da história do evangelho. João se refere aos doze como uma companhia organizada na ocasião em que o Senhor realizou o milagre de alimentar mais de cinco mil pessoas, e do discurso sobre o Pão da vida na sinagoga de Cafarnaum, proferido pouco tempo após aquele milagre. Desse fato aprendemos que os doze foram escolhidos pelo menos um ano antes da crucificação; pois o milagre da multiplicação dos alimentos ocorreu, de acordo com o quarto evangelista, logo após a festa da Páscoa. A partir das palavras ditas por JESUS aos homens que havia escolhido, transmitindo a sua pergunta em relação à fidelidade devida a ele depois da multidão tê-lo abandonado: “Não vos escolhi a vós os doze? E um

de vós é um diabo”, concluímos que a escolha não era tão recente. Os doze haviam estado juntos durante tempo suficiente para dar ao falso discípulo a oportunidade de mostrar o seu verdadeiro caráter.
Voltando agora aos evangelistas sinópticos, encontramo-los tentando estabelecer a posição da eleição em referência a dois outros eventos ainda mais importantes. Mateus fala pela primeira vez dos doze como um corpo distinto em relação à sua missão na Galileia. Ele não diz, contudo, que foram escolhidos imediatamente antes e com referência direta a tal
missão. Antes, fala como se a fraternidade apostólica já existisse anteriormente, sendo estas as suas palavras: “E, chamando os seus doze discípulos...”

Lucas, por outro lado, faz um relato formal da eleição, como um prefácio de seu relatório do Sermão da Montanha, dando a impressão de que um evento ocorreu logo após o outro. Finalmente, a narrativa de Marcos confirma o ponto de vista sugerido por essas observações de Mateus e Lucas, isto é, os doze foram chamados pouco antes da realização do Sermão da Montanha, e um tempo considerável antes de terem sido enviados em missão para pregar e curar. Está escrito: “E subiu ao monte e chamou para si os que ele quis” — a subida obviamente se refere à ocasião em que JESUS subiu antes de pregar seu grande discurso, subiu a orar antes de escolher. Marcos continua: “E nomeou doze para que estivessem com ele e os mandasse a pregar e para que tivessem o poder de curar as enfermidades e expulsar os demônios”. Aqui há uma alusão feita a uma intenção da parte de CRISTO de enviar seus discípulos em uma missão, mas a intenção não é representada e imediatamente executada. Nem pode ser dito que a execução imediata esteja implícita, embora não tenha sido expressa; o evangelista faz um relato da missão como consta em vários capítulos seguintes em seu Evangelho, iniciando com estas palavras: “Chamou a si os doze, e começou a enviá-los de dois a dois...”. Era o treinamento na evangelização Veja que curas, expulsão de demônios e milagres estavam incluídos (Curai os enfermos, limpai os leprosos, ressuscitai os mortos, expulsai os demônios; de graça recebestes, de graça dai. Mateus 10:8).

Não podemos determinar com exatidão em que período do ministério de nosso Senhor o sermão em si deve ser precisamente alocado. Nossa opinião, contudo, é que o Sermão da Montanha foi proferido próximo ao primeiro ministério prolongado de CRISTO na Galileia, durante o tempo passado entre as duas visitas a Jerusalém em ocasiões de festas mencionadas no segundo e no quinto capítulo do Evangelho de João.

O número da companhia apostólica é significativo e, sem dúvida, uma questão de escolha, assim como a composição daquele grupo seleto. Um número maior de homens elegíveis poderia ser facilmente encontrado no círculo de discípulos que, mais tarde, não se tornou menor que setenta auxiliares na obra evangelística; e um número menor pode ter servido a todos os propósitos presentes ou futuros do apostolado. O número doze foi recomendado por óbvias razões simbólicas.

Do número do grupo apostólico passamos para as pessoas que o compõem. Sete dos doze os primeiros sete na lista de Marcos e Lucas, presumindo que Bartolomeu seja Natanael são pessoas já conhecidas por nós. Dois dos cinco restantes o primeiro e o último conheceremos bem à medida que avançarmos na história. Tomé, chamado Dídimo ou o Gêmeo, aparece como um homem de coração terno, mas de temperamento melancólico, pronto para morrer por seu Senhor, mas lento para crer em sua ressurreição. Judas Iscariotes é conhecido em todo o mundo como o Traidor. Ele aparece pela primeira vez nessa lista de apóstolos com o título infame marcado em sua testa: “Judas Iscariotes, aquele que o traiu”. A presença de um homem capaz de trair entre os discípulos eleitos é um mistério no qual não devemos tentar penetrar. Meramente fazemos aqui uma observação histórica sobre Judas ele parece ter sido o único não galileu entre os doze. Seu sobrenome veio aparentemente de seu lugar de origem, Queriote; e no livro de Josué podemos constatar que existia uma cidade com tal nome na fronteira do sul da tribo de Judá.

Os três nomes que restam são extremamente obscuros. Tiago, filho de Alfeu. O próximo na lista de Mateus e Marcos é apontado por muitos como sendo o irmão deste Tiago. Lebeu e Tadeu dos dois primeiros Evangelhos, encontrarmos na lista de Lucas o nome Judas “... de Tiago”. A elipse nesta designação foi preenchida pela palavra irmão, e presume-se que o Tiago aludido seja Tiago, filho de Alfeu. Independentemente de quão tentador esses resultados possam ser, não podemos considerá-los como apurados, e devemos nos satisfazer com a ideia de que em meio aos doze havia um segundo Tiago, além do irmão de João e filho de Zebedeu, e também um segundo Judas, que novamente aparece como um interlocutor na conversa de despedida entre JESUS e seus discípulos na noite anterior à crucificação, cuidadosamente distinguido do traidor, pelo evangelista, através da anotação parentética: “não o Iscariotes”. Este Judas, que é o próprio Lebeu ou Tadeu, foi chamado de discípulo de três nomes.

O discípulo a quem reservamos o último lugar, como aquele que fica no topo de todas as listas, é Simão. Este segundo Simão é desconhecido, enquanto o primeiro é notório, porque não é mencionado na história do evangelho, exceto nas listas dos apóstolos; e assim, pouco se sabe a respeito dele, o apelido anexado ao seu nome leva a uma informação curiosa e interessante. Ele é chamado de kananita (não de cananita), o que é uma designação política e não geográfica, como consta no termo grego que Lucas usou para substituir o termo hebraico, chamando o discípulo do qual falamos de Simão, o zelote. Este apelido, zelote, relaciona Simão indiscutivelmente ao famoso partido que surgiu da rebelião sob a coordenação de Judas nos dias da taxação, aproximadamente vinte anos antes do início do ministério de CRISTO, quando a Judéia e Samaria ficaram sob o comando direto do governo de Roma, e o censo populacional foi feito com a intenção de se impor uma tributação subsequente.

Que fenômeno singular foi a presença desse ex-zelote entre os discípulos de JESUS! Dois homens não poderiam diferir mais em relação ao seu espírito, metas, e pretensões do que Judas (o líder dos zelotes) e JESUS de Nazaré. Um era um político descontente; o outro, completamente vencedor, daria a César o que era de César. O primeiro desejava a restauração do reino de Israel, adotando como lema: “Nós não temos um Senhor ou Mestre, exceto DEUS”; o segundo desejava a fundação do reino que não era nacional, e sim universal; não deste mundo, e sim “puramente espiritual”. Os

métodos empregados pelos dois eram tão diferentes quanto os seus objetivos e fins. Um havia recorrido às armas carnais de guerra, a espada e o punhal; o outro confiava apenas na força bondosa e amável, porém onipotente, da verdade.
Não sabemos o que levou Simão a deixar Judas (o líder dos zelotes) para seguir JESUS; mas ele fez uma troca feliz para si, pois anos depois o partido que ele abandonou atraiu a ruína para si e seu país devido a seu patriotismo fanático, inconsequente e inútil. Embora a insurreição de Judas fosse subjugada, o fogo do descontentamento ainda queimava no peito dos seus adeptos; e com o tempo, eclodiu na fogueira de uma nova rebelião, que fez surgir uma luta mortal contra o poder gigantesco de Roma, e terminou na destruição da capital do judaísmo, e na dispersão do povo judeu.

A escolha desse discípulo para ser um apóstolo fornece uma outra ilustração do desprezo de CRISTO pela sabedoria humana. Não era seguro transformar um ex-zelote em um apóstolo, porque ele poderia ser o meio de transformar JESUS e os seus seguidores em objetos de suspeitas políticas. Mas o Autor da nossa fé estava disposto a correr este risco. Ele desejava ganhar tanto discípulos das classes perigosas como das classes desprezadas, e queria que também estivessem representados entre os doze.

É uma surpresa agradável pensar que Simão, o zelote, e Mateus, o publicano, homens de posições opostas, estivessem juntos e em comunhão naquele pequeno grupo de doze pessoas. Na pessoa desses dois discípulos os extremos se tocam o ex-coletor de impostos e aquele que odiava os impostos: o judeu que não era patriota, que havia se degradado ao se tornar um servo do governante estrangeiro, e o judeu patriota, que se irritava com o domínio estrangeiro, e suspirava pela emancipação.

Esta união dos opostos não era acidental, mas havia sido designada por JESUS como uma profecia daquilo que aconteceria no futuro. Ele desejava que os doze fossem a igreja em miniatura ou como o seu embrião; e assim, Ele os escolheu para que a distinção entre publicanos e zelotes não existisse, e então na igreja do futuro não deveria haver nem gregos nem judeus, circuncisão ou incircuncisão, escravos ou livres, mas somente CRISTO Ele é tudo em todos e todos estão nele. Estes eram os nomes dos doze conforme consta nas listas dos evangelistas. Quanto à ordem são apresentados, examinando-se cautelosamente as listas, podemos observar que elas contêm três grupos de quatro pessoas, e em cada um deles os mesmos nomes são sempre encontrados, embora a ordem não seja a mesma. O primeiro grupo inclui aqueles que são mais conhecidos, o segundo inclui aqueles que são pouco menos conhecidos, e o terceiro inclui aqueles que são os menos conhecidos de todos, exceto no caso do traidor, que ficou muito bem conhecido. Pedro, a figura mais proeminente entre os doze, está no topo de todas as listas, e Judas Iscariotes no rodapé, cuidadosamente designado, conforme já foi observado, como o traidor.

E, quando já era dia, chamou a si os seus discípulos, e escolheu doze deles, a quem também deu o nome de apóstolos: Simão, ao qual também chamou Pedro, e André, seu irmão; Tiago e João; Filipe e Bartolomeu; Mateus e Tomé; Tiago, filho de Alfeu, e Simão, chamado Zelote; Judas, filho de Tiago, e Judas Iscariotes, que foi o traidor. Lucas 6:13-16

Estes foram os homens que JESUS escolheu para o acompanharem enquanto estivesse nesta terra, e para dar continuidade à sua obra depois de sua partida. Estes são os homens que a igreja celebra como “a companhia gloriosa dos apóstolos”. O louvor é merecido; mas a glória dos doze não era deste mundo. Sob um ponto de vista mundano, alguns podem considerá-los, de fato, uma companhia insignificante um grupo de pobres e iletrados galileus provincianos, totalmente desprezados, privados das características sociais mais elevadas, com mínimas chances de serem escolhidos por alguém que valorizasse as considerações da prudência.

Por que JESUS escolheu tais homens? Teria Ele sido levado por sentimentos de antagonismo por aqueles que possuíam vantagens sociais, ou uma predileção por homens de sua própria classe? Não; sua escolha foi feita com base na verdadeira sabedoria. Se Ele escolheu principalmente os galileus, não foi por preconceito provincial contra aqueles do sul; se, como algumas pessoas pensam, Ele escolheu dois ou mesmo quatro de seu próprio parentesco, não foi por nepotismo; se Ele escolheu homens rudes, ignorantes, humildes, não foi movido pela inveja do conhecimento, da cultura, ou da boa origem. Se qualquer mestre, homem rico, ou governante estivesse disposto a se entregar sem reservas ao serviço do reino, nenhuma objeção teria sido feita a ele em virtude de suas habilidades, posses ou títulos. O caso de Saulo de Tarso, o pupilo de Gamaliel, prova a verdade dessa afirmação. Nem mesmo o próprio Gamaliel poderia ter impedido que Paulo se tornasse um discípulo do Nazareno. Mas sim! Nem ele nem nenhuma de suas ordens chegariam tão longe. Por esta razão o desprezado Senhor não teve nenhuma oportunidade de mostrar sua disposição de aceitá-los como discípulos e escolhê- los como apóstolos.

A verdade é que JESUS quis se contentar com pescadores, publicanos, e antigos zelotes como apóstolos. Eles eram o melhor que se poderia obter. Aqueles que se consideravam melhores, eram também muito orgulhosos para se tornarem discípulos, e por isso se excluíram do que o mundo considera agora como a honra de serem os príncipes escolhidos do reino. A aristocracia civil e religiosa se gabava de sua descrença. Os cidadãos de Jerusalém se sentiram, por um momento, interessados no jovem entusiasta que havia purificado o templo com um chicote de correias curtas; mas a fé deles era superficial e sua atitude era defensiva, e por isso JESUS não se entregou a eles, porque sabia o que havia no interior de cada um deles. Alguns poucos eram simpatizantes sinceros, mas não estavam decididos quanto ao seu ingresso na eleição para o apostolado. Nicodemos mal era capaz de dizer uma tímida palavra apologética a favor de CRISTO, e José de Arimatéia foi um discípulo “secretamente”, por medo dos judeus. Estes dificilmente seriam os homens certos para ser enviados como missionários da cruz homens tão presos aos laços sociais e conexões partidárias, e tão escravizados pelo medo dos homens. Os apóstolos do cristianismo devem ser feitos de material rígido.

E assim JESUS preferiu optar pelos homens da Galileia: rústicos, porém simples, sinceros e motivados. E Ele ficou bastante satisfeito com sua escolha, e devotadamente agradeceu a seu Pai por ter-lhe concedido homens como esses. JESUS não desprezaria a erudição, a posição, a riqueza, o requinte, voluntariamente deixados em razão de seu serviço; mas preferia homens devotos que não tivessem nenhuma dessas vantagens a homens não devotos que tivessem todas elas. E com uma forte razão; isso importava muito pouco, exceto aos olhos do preconceito contemporâneo, para o qual a posição social ou mesmo a história prévia dos doze teria algum significado. O importante é que eram espiritualmente qualificados para o trabalho que foram chamados a fazer. Ou seja, o que importa não é o exterior do homem, mas o seu interior.

A. B. BRUCE. O Treinamento dos Doze. Editora CPAD. pag. 44-54. (Com algumas adaptações, mudanças e alguns acréscimo meus - Pr. Henrique)

E eis que sobre vós envio a promessa de meu Pai; ficai, porém, na cidade de Jerusalém, até que do alto sejais revestidos de poder. Lucas 24:49
“Até que do alto sejais revestidos de poder”. Depois que o poder desceu, os apóstolos não se tornaram menos racionais, porém mais racionais; não loucos, mas sóbrios; não meros entusiastas inflamados e vazios, mas entusiastas equilibrados, claros e dignos expositores da verdade divina, tal como o relato de Lucas sobre o seu ministério. Em resumo, estavam prestes a ser diferentes daquilo que foram no passado, e mais parecidos com o seu Mestre: e não mais ignorantes, infantis, fracos, carnais, mas iniciados nos mistérios do Reino, e habitualmente sob a direção do ESPÍRITO de graça e santidade. CURAS, SINAIS, PRODÍGIOS E MARAVILHAS PASSARAM A FAZER PARTE DE SUAS VIDAS. ELES ENTENDERAM A IMPORTÂNCIA DESSES SINAIS, CURAS, PRODÍGIOS E MARAVILHAS, E PEDIRAM A DEUS QUE ISTO ESTIVESSE SEMPRE COM ELES.

E, ouvindo eles isto, unânimes levantaram a voz a DEUS e disseram: Senhor, tu és o que fizeste o céu, e a terra, e o mar, e tudo o que neles há; que disseste pela boca de Davi, teu servo: Por que bramaram as gentes, e os povos pensaram coisas vãs? Levantaram-se os reis da terra, e os príncipes se ajuntaram à uma contra o Senhor e contra o seu Ungido. Porque, verdadeiramente, contra o teu santo Filho JESUS, que tu ungiste, se ajuntaram, não só Herodes, mas Pôncio Pilatos, com os gentios e os povos de Israel, para fazerem tudo o que a tua mão e o teu conselho tinham anteriormente determinado que se havia de fazer. Agora, pois, ó Senhor, olha para as suas ameaças e concede aos teus servos que falem com toda a ousadia a tua palavra, enquanto estendes a mão para curar, e para que se façam sinais e prodígios pelo nome do teu santo Filho JESUS. E, tendo eles orado, moveu-se o lugar em que estavam reunidos; e todos foram cheios do ESPÍRITO SANTO e anunciavam com ousadia a palavra de DEUS. Atos 4:24-31

Tal poder prometido era evidentemente indispensável para que fossem bem-sucedidos. Os títulos oficiais não seriam o mais importante, e sob certos aspectos poderiam ser vãos apóstolos, evangelistas, pastores, professores, governantes; as vestes clericais seriam vãs se a alma dos onze não fosse vestida com esta peça de roupa do poder divino. Vãos, então, e igualmente vãos agora. O mundo PRECISA ser evangelizado por homens investidos de autoridade e poder, que têm experimentado o batismo no ESPÍRITO SANTO, que são capacitados com dons do ESPÍRITO SANTO, e que estão visivelmente imbuídos do poder divino da sabedoria, amor e zelo. O poder prometido era indispensável, e também era, em sua natureza, algo a ser simplesmente esperado. Os discípulos foram instruídos a esperar até que viesse. Não deveriam tentar fazer nada sem ele, nem tentar alcançá-lo. Não poderiam sair de Jerusalém enquanto não recebessem. E foram sábios o suficiente para seguir as instruções. Entenderam completamente que o poder era necessário, e que não poderia ser alcançado, mas que deveria vir sobre eles. Nem todos são igualmente sábios. Muitos virtualmente assumem que o poder do qual CRISTO falou pode ser dispensado, e que, de fato, não é uma realidade, mas uma quimera. Outros, mais devotados, acreditam no poder, mas não na impotência do homem de investir-se dele por si mesmo. Estes tentam ganhar o poder por meio de seu próprio trabalho, ou assumem para si e para outros uma situação de frenesi e entusiasmo. O fracasso, mais cedo ou mais tarde, convence essas pessoas de seus erros, mostrando que os resultados espirituais são produzidos por algo mais do que eloquência, intelecto, dinheiro e organização; mostra, também, que o verdadeiro poder espiritual não pode ser produzido, como faíscas elétricas, por fricção ou estímulo, mas deve, soberana e graciosamente, vir do alto.

A. B. BRUCE. O Treinamento dos Doze. Editora CPAD. pag. 573-574. (Com algumas adaptações, mudanças e alguns acréscimo meus - Pr. Henrique)

E, naqueles dias, levantando-se Pedro no meio dos discípulos (ora a multidão junta era de quase cento e vinte pessoas), disse: Varões irmãos, convinha que se cumprisse a Escritura que o ESPÍRITO SANTO predisse pela boca de Davi, acerca de Judas, que foi o guia daqueles que prenderam a JESUS; porque foi contado conosco e alcançou sorte neste ministério. Ora, este adquiriu um campo com o galardão da iniquidade e, precipitando-se, rebentou pelo meio, e todas as suas entranhas se derramaram. E foi notório a todos os que habitam em Jerusalém, de maneira que na sua própria língua esse campo se chama Aceldama, isto é, Campo de Sangue. Porque no Livro dos Salmos está escrito: Fique deserta a sua habitação, e não haja quem nela habite; e: Tome outro o seu bispado. É necessário, pois, que, dos varões que conviveram conosco todo o tempo em que o Senhor JESUS entrou e saiu dentre nós, começando desde o batismo de João até ao dia em que dentre nós foi recebido em cima, um deles se faça conosco testemunha da sua ressurreição. E apresentaram dois: José, chamado Barsabás, que tinha por sobrenome o Justo, e Matias. E, orando, disseram: Tu, Senhor, conhecedor do

coração de todos, mostra qual destes dois tens escolhido, para que tome parte neste ministério e apostolado, de que Judas se desviou, para ir para o seu próprio lugar. E, lançando-lhes sortes, caiu a sorte sobre Matias. E, por voto comum, foi contado com os onze apóstolos. Atos 1:15-26

Sobre Judas Iscariotes

Ao invés de um destino sem-par, com CRISTO, em glória exaltada, Judas Iscariotes desceu ao seu lugar exclusivo de punição. A expressão «...seu próprio lugar...» tem deixado perplexos a muitos intérpretes, razão pela qual muitos sentidos diversos têm sido vinculados à mesma.
Cada indivíduo merece a sua própria recompensa ou retribuição, e esse galardão ou castigo é distintivo para cada pessoa. Assim sendo, foi dito acerca de Judas Iscariotes que ele foi para aquele lugar de castigo distintivamente seu, o «seu próprio lugar». Ou seja, o inferno, lugar de tormento até o dia do juízo final, quando será lançado no lago de fogo e enxofre (acréscimo meu - Pr. Henrique).

Sobre Matias

Atos 1.26. O método de «lançar sortes» consistia em colocar pedras ou tabuinhas, com nomes escritos, em um vaso, o qual era sacudido até que um deles caísse. Aquele cujo nome estivesse nessa pedra ou tabuinha, era considerado como a pessoa escolhida por DEUS, porquanto pensava-se que de algum modo o Senhor DEUS é quem causara aquela ação particular (nos lembremos de que ainda não eram batizados no ESPÍRITO SANTO - poderiam ter perguntado diretamente a JESUS ou ao ESPÍRITO SANTO).

(E.H. Plumptre, in loc.).
«...recair sobre Matias...» Sem importar qual método de lançamento de sortes foi usado, o resultado é que Matias foi considerado apóstolo por escolha divina, porquanto se aceitou o fato de que DEUS havia dirigido o salto da sorte para fora do vaso ou urna. Desse modo Matias tomou lugar, junto com os outros onze apóstolos, no ofício apostólico.
Com base nessa circunstância, ficamos sabendo da grande fé dos apóstolos na providência divina, e que eles não criam que as coisas acontecessem por acaso.
CHAMPLIN, Russell Norman, O Novo Testamento Interpretado versículo por versículo. Editora Candeias. Vol. 3. pag. 38; 40-41.

Atos 21/22 Pedro constata inicialmente as exigências imprescindíveis a um “apóstolo”. Um “apóstolo” é acima de tudo uma “testemunha da ressurreição de JESUS”. A ressurreição de JESUS é – obviamente mediante ligação indissolúvel com sua cruz o evento decisivo que realmente faz do evangelho um evangelho. Sem o acontecimento do dia da Páscoa, o “cristianismo” jamais teria surgido no mundo. Não teria significado extremo para nós e para o mundo todo o fato de que o ser humano JESUS de Nazaré viveu, ensinou, curou, amou e sofreu, se esse JESUS não tivesse sido despertado por DEUS e transformado em nosso “Senhor e CRISTO” (cf. At 2.32-36; 3.13-15; 4.10-12; 13.38s; 17.30s). JESUS foi “designado Filho de DEUS com poder, segundo o espírito de santidade pela ressurreição dos mortos” (Rm 1.4). Essa ressurreição dentre os mortos, contudo, constitui ao mesmo tempo o “impossível”, o humanamente inconcebível e por isso escandaloso, irritante e ridículo (At 17.32). Por isso o testemunho originário do apostolado, fundador da igreja, somente pode ser prestado nesse mundo alienado de DEUS por aquela pessoa que presenciou pessoalmente o fato inaudito da ressurreição de JESUS e que experimentou sua verdade. Essa ressurreição, porém, não é um evento isolado em si. JESUS, e unicamente JESUS, é aquele que ressuscitou dentre os mortos, subiu ao PAI e está à direita de DEUS intercedendo por nós! (Rm 8.34). E precisamente JESUS é, como o Ressuscitado, de fato o Salvador glorioso de que os pecadores precisam. Por isso a testemunha de sua ressurreição igualmente precisa ter conhecido bem a JESUS pessoalmente.

Matias, então, é “apóstolo” não como pessoa isolada e solitária, mas – já falávamos disso unicamente como membro do grupo de apóstolos. Por isso precisa ter estado em contado desde o início com esse grupo a que deverá pertencer integralmente. Ele deve exercer o ministério “conosco”.
Atos 25 Expõem diante de DEUS a necessidade resposta a suas orações. É o que podemos fazer na oração. Judas se demitiu da “vaga neste ministério e envio”, para ir “para seu próprio lugar”, i.é, para a perdição. O lugar vazio precisa ser preenchido e assumido por outro.

Atos 26 O Senhor deve decidir agora através do sorteio. O texto não deixa inequivocamente claro se eles “lançam sortes por eles” (assim traduz A. Schlatter) ou se fazem que os dois tirem a sorte. Seja como for, o sorteio indicou Matias como aquele que foi eleito pelo Senhor, e “foi acrescentado aos onze apóstolos” [NVI].
Portanto, tão vivos e múltiplos eram os acontecimentos no começo da igreja! Pedro age a partir de si com sua própria autoridade. Na igreja existem homens que a lideram. Mas então ele convoca a própria igreja para agir, depois que lhe mostrou sobre o que deve dirigir sua atenção. E em oração a igreja entrega a última decisão na mão do Senhor, recorrendo uma vez, aqui no começo, ao método do sorteio. Não se implanta nenhum princípio, nem “episcopal”, nem “democrático”, nem tampouco se estabelece um direito de gozar constantemente da maravilhosa direção através do Senhor. De forma livre fez-se justiça a tudo, conforme a respectiva situação demandava.

Será que a igreja podia esperar durante anos por algo incerto? Para isso ela teria necessidade de uma instrução clara do Senhor.

Sobretudo, porém, Paulo nunca se considerou entre os “Doze”, aos quais diferencia expressamente de si em 1 Co 15.5 (e que foi visto por Cefas e depois pelos doze. 1 Coríntios 15:5) como sendo um grupo especial. Em sua característica numérica, os Doze se dirigiam a Israel. Quem desejasse pertencer a eles de fato precisava ter vivenciado, como Pedro está demandando aqui, a história especial de DEUS no âmbito de Israel desde o movimento de arrependimento desencadeado por João até o último desfecho na ascensão de JESUS. Nesse sentido, Paulo não podia ser um apóstolo. Em vista disso, Paulo se considerou pessoalmente uma exceção muito peculiar, num novo ministérios apostólico, o da Igreja: 1 Co 15.8-10. Ele tinha consciência de ser um “apóstolo das nações”, embora, nessa tarefa, fosse plena e integralmente um “apóstolo” – Paulo lutou com todas as forças pelo reconhecimento de seu envio e autoridade apostólicos – mas não como um dos “Doze”, que juntos exerciam seu ministério em Jerusalém, sobretudo em prol de Israel.

Werner de Boor. Comentário Esperança Atos. Editora Evangélica Esperança. (Com algumas adaptações, mudanças e alguns acréscimo meus - Pr. Henrique)

O escolhido para assumir o lugar de Judas deve ser alguém que tenha estado associado com JESUS, desde o seu batismo por João até a sua ascensão. A principal função do apóstolo é ser testemunha da ressurreição.
Matias (“presente de Jeová”) assumiu o seu lugar com os onze apóstolos. Depois do Pentecostes, não se lê mais que os discípulos tenham lançado sortes. O ESPÍRITO SANTO, que passou a habitar em cada um, guiava-os.

Ralph Earle. Comentário Bíblico Beacon. Editora CPAD. Vol. 8. pag. 213.

Lc 24. 49. O JESUS ressurreto tem o poder para enviar o ESPÍRITO. A promessa de meu Pai é uma designação incomum do ESPÍRITO SANTO, e ressalta o lugar da promessa divina na Sua vinda. Os discípulos não devem tentar a tarefa da evangelização com seus próprios parcos recursos, mas, sim, devem aguardar a vinda do ESPÍRITO sobre eles. O equipamento que Ele forneceria é descrito de forma pitoresca em termos de os discípulos serem revestidos de poder do alto. A nota de poder é significante, e do alto lembrava a eles (e nos lembra também) qual é a fonte de todo o verdadeiro poder para a evangelização - DEUS.

I. Howard Marshall. Atos. Introdução e Comentário. Editora Vida Nova. pag. 322.

3. A singularidade dos doze.

A característica fundamental do apóstolo é ser alguém que tem uma missão a cumprir, enviado por quem tem autoridade espiritual para fazê-lo. Em seu discipulado, os doze apóstolos foram preparados para o cumprimento da missão mais importante que um mortal poderia receber. Serem embaixadores do Reino de DEUS. Não poderiam ser pessoas desprovidas de qualificações especiais. Eram homens comuns, humanamente detentores de virtudes e defeitos, mas tiveram um treinamento aos pés do Mestre dos mestres. E demonstraram possuir algumas qualidades especiais.

A) Foram chamados por JESUS

Em seu ministério, JESUS teve muitos discípulos (Mt 8.21; 9.57-62). Mas, para cumprir a grande missão, JESUS selecionou apenas 12, e lhes deu credenciais e poder para se tornarem apóstolos. “E, chamando a si os seus doze discípulos...” (Mt 10.1a). Lucas anotou a eleição dos 12 dentre muitos outros. Após passar uma noite inteira em oração a DEUS, “chamou a si os seus discípulos, e escolheu doze deles a quem deu nome de apóstolos” (Lc 6.12 — grifo nosso).

B) Receberam autoridade espiritual

JESUS “deu-lhes autoridade sobre os espíritos imundos, para expulsarem, e para curarem toda sorte de doenças e enfermidades” (Mt 10.1; Mc 3.15). Inicialmente, essa autoridade foi concedida aos doze. E, na Grande Comissão, além de mandar que seus discípulos pregassem o evangelho por todo o mundo, a toda a criatura, disse que os sinais e maravilhas haveriam de seguir a todos os que nEle cressem. Não apenas aos doze, mas “aos que crerem”, ou seja, a todos os seus discípulos (Mc 16.17, 18). É importante destacar que os doze receberam esse poder por impartição, ou seja, JESUS lhes designou e capacitou tirando Dele o poder e transferindo a eles. No início e progresso da Igreja vieram os Dons do ESPÍRITO SANTO para os capacitar para a tarefa de evangelização e confirmação tanto deles mesmos como discípulos de JESUS quanto confirmação da Palavra que pregavam (Mc 16.15-20; Atos).

E eles, tendo partido, pregaram por todas as partes, cooperando com eles o Senhor e confirmando a palavra com os sinais que se seguiram. Amém! Marcos 16:20

D) Tinham delegação de CRISTO

Os 12 apóstolos não foram apenas “enviados”, mas tiveram um mandato especial. JESUS lhes disse; “Disse-lhes, pois, JESUS outra vez: Paz seja convosco; assim como o Pai me enviou, também eu vos envio a vós. E, havendo dito isto, assoprou sobre eles e disse-lhes: Recebei o ESPÍRITO SANTO.
A autoridade delegada aos apóstolos foi tão grande, que eles tinham poder para perdoar pecados ou retê-los. JESUS os enviou, do mesmo modo como Ele fora enviado pelo Pai (Jo 20.21-23).

Podemos imaginar o que os doze sentiram, ao ouvir aquelas palavras! Serem enviados por CRISTO, e como CRISTO o fora por seu Pai! Os que entenderam bem a missão devem ter sentido o grande peso de sua responsabilidade. Os que haviam sido pescadores, antes, podiam guardar as redes e suspender a pescaria. Mas, uma vez feitos “pescadores de homens” (Mt 4.19; Mc 1.17), não poderiam suspender a missão. Os que outrora tinham outras atividades não tinham como voltar atrás. O mundo nunca mais foi o mesmo depois de CRISTO, e depois que seus apóstolos começaram a cumprir a Grande Comissão (Mc 16.15).

Receberam poder para pregar e testemunhar

Mas recebereis a virtude do ESPÍRITO SANTO, que há de vir sobre vós; e ser-me-eis testemunhas tanto em Jerusalém como em toda a Judeia e Samaria e até aos confins da terra. Atos 1:8
Mas a manifestação do ESPÍRITO é dada a cada um para o que for útil. Porque a um, pelo ESPÍRITO, é dada a palavra da sabedoria; e a outro, pelo mesmo ESPÍRITO, a palavra da ciência; e a outro, pelo mesmo ESPÍRITO, a fé; e a outro, pelo mesmo ESPÍRITO, os dons de curar; e a outro, a operação de maravilhas; e a outro, a profecia; e a outro, o dom de discernir os espíritos; e a outro, a variedade de línguas; e a outro, a interpretação das línguas. 1 Coríntios 12:7-10 Elinaldo Renovato. Dons espirituais & Ministeriais Servindo a DEUS e aos homens com poder extraordinário. Editora CPAD. pag. 73-74.

Eles foram convocados pessoalmente pelo Senhor.

Quem foram aqueles que CRISTO ordenou para ser seus apóstolos ou embaixadores; eram seus discípulos (v. 1). Ele os tinha chamado, havia algum tempo, para que fossem discípulos, seus seguidores imediatos e ajudantes constantes, e naquela ocasião Ele lhes disse que eles deveriam ser pescadores de homens, promessa que Ele agora cumpria. CRISTO normalmente concede honras e graças em estágios; a luz de ambas, como a luz da manhã, brilha cada vez mais. Durante todo o tempo, CRISTO manteve esses doze:

A. Em uma situação de experiência. Embora conheça o ser humano, e soubesse desde o início o que havia neles (Jo 6.70), ainda assim Ele usou este método para dar um exemplo à sua igreja. Observe que sendo o ministério uma grande responsabilidade, era conveniente que os homens fossem testados durante algum tempo, antes que ele lhes fosse confiado. “E também estes sejam primeiro provados” (1 Tm 3,10). Portanto, “a ninguém imponhas precipitadamente as mãos” (1 Tm 5.22), mas deixai que esta pessoa seja, primeiramente, observada como um candidato em experiência, porque os pecados de alguns homens vão adiante, e outros os seguem.

B. Em uma condição de preparação. Todo o tempo JESUS esteve preparando-os para esta grande obra. Observe que aqueles que CRISTO designa e chama para qualquer serviço, Ele primeiramente, de certa maneira, os prepara e qualifica, para tanto. Ele os preparou:
(1) Levando-os para estar com Ele. Observe que o melhor preparativo para a obra do ministério é o conhecimento e a comunhão com JESUS CRISTO. Aqueles que o servem devem estar com Ele (Jo 12.26). Paulo teve CRISTO revelado, não somente para ele, mas nele, antes que fosse pregá-lo entre os gentios (GI 1.16). Pelos atos vivos de fé e pela prática frequente de orações e meditações, esta comunhão com CRISTO deve ser mantida e preservada, e essa é uma qualificação essencial para a obra do ministério.

(2) Ensinando-os. Eles estavam com Ele como alunos, e Ele os ensinava em particular, além do benefício que eles obtinham com a sua pregação pública. Ele lhes abriu as Escrituras e ampliou sua compreensão para entenderem as Escrituras. Foi-lhes permitido conhecer os mistérios do Reino dos céus e para eles estes mistérios foram esclarecidos. Aqueles que são designados para serem professores devem, antes, serem aprendizes; eles devem receber, antes que possam dar; eles devem ser capazes de ensinar outros (2 Tm 2.2). As verdades do Evangelho devem ser entregues a eles, antes que sejam encarregados de ser ministros do Evangelho. Dar a autoridade de ensinar a homens que não têm capacidade para isto não é nada mais que uma zombaria a DEUS e à igreja; é mandar mensagens pelas mãos de um tolo (Pv 26.6). CRISTO ensinou os seus discípulos antes de enviá-los (cap. 5.2), e depois, quando ampliou a missão deles, deu-lhes instruções mais amplas (At 1.3).

Qual foi a comissão que Ele lhes deu?

A. Ele os chamou para que viessem até Ele (v. 1).
Ele os tinha chamado antes, para que o seguissem; agora Ele os chama para que venham até Ele, admitindo-os a uma familiaridade maior, e não mais os conservando a uma certa distância, de onde eles tinham observado até então. Aqueles que se humilharem, serão exaltados. Dizia-se que os sacerdotes, sob a lei, aproximavam-se de DEUS mais que as outras pessoas; a mesma coisa pode ser dita sobre os ministros do Evangelho; eles são chamados a se aproximarem de CRISTO, o que, assim como é uma honra, também deve lhes provocar um certo respeito e temor. Lembremo-nos de que CRISTO será santificado naqueles que se aproximam dele. Percebe-se que quando os discípulos iam receber instruções, eles se aproximavam de JESUS por sua própria vontade (cap, 5.1). Mas agora que eles seriam ordenados, Ele os chamou.

Convém aos discípulos de CRISTO que se predisponham mais a aprender do que a ensinar. No sentido da nossa própria ignorância, devemos procurar oportunidades de sermos ensinados, e da mesma maneira nós devemos esperar por um chamado, um chamado claro, antes de assumir a responsabilidade de ensinar aos outros; pois nenhum homem deve apropriar-se dessa honra,

B. Ele lhes deu poder, exousian, autoridade no seu nome, para convocar os homens à obediência, e para a confirmação daquela autoridade que também coloca os demônios sob sujeição. Toda a autoridade legítima deriva de JESUS CRISTO. Todo o poder é dado a Ele, sem limites, e os poderes subordinados são ordenados por Ele.
Ele coloca sobre os seus ministros um pouco da sua honra, assim como Moisés colocou um pouco da sua honra sobre Josué. Note que é uma prova inegável da plenitude do poder que CRISTO usava como Mediador o fato de que Ele pudesse distribuir o seu poder àqueles a quem Ele usava, e os capacitasse a realizar, em seu nome, os mesmos milagres que Ele realizava. Ele lhes deu poder sobre os espíritos imundos, e sobre todos os tipos de enfermidades.

Observe que o desígnio do Evangelho é vencer o mal e curar o mundo. Estes pregadores foram enviados, destituídos de todas as vantagens externas que os pudessem recomendar. Eles não tinham riqueza, nem aprendizado, nem títulos honoríficos, e eram muito poucos; portanto, era essencial que eles tivessem algum poder extraordinário que os colocasse acima dos escribas.

(1 ) Ele lhes deu poder contra os espíritos imundos, para expulsá-los. Observe que o poder entregue aos ministros de CRISTO está diretamente apontado contra o diabo e o seu reino. O diabo, sendo um espírito imundo, trabalha tanto em erros doutrinários (Ap 16.13) como em concupiscências (2 Pe 2.10); e, nos dois casos, os ministros têm uma acusação contra ele. CRISTO lhes deu o poder de expulsá-lo dos corpos das pessoas; mas isto deveria significar a destruição do reino espiritual do diabo, como também de todas as suas obras; para este propósito, o Filho de DEUS se manifestou.

(2) Ele lhes deu poder para curar todos os tipos de enfermidades. Ele os autorizou a realizar milagres para a confirmação da sua doutrina, para provar que ela era de DEUS; e eles deviam realizar milagres úteis para exemplificá-la, para provar que ela não apenas era confiável, mas digna de toda a aceitação; que o desígnio do Evangelho é curar e salvar. Os milagres de Moisés eram, muitos deles, para a destruição. Os milagres que CRISTO realizou, e designou aos seus apóstolos que realizassem, eram todos para a edificação, e evidenciavam que Ele era não apenas o grande Professor e Governante, mas também o grande Redentor do mundo. Observe que a ênfase é colocada sobre a extensão do seu poder, sobre toda enfermidade, e todo mal, sem a exceção nem mesmo daqueles que são reconhecidamente incuráveis, e com a censura dos médicos. Na graça do Evangelho, existe uma pomada para cada ferida, um remédio para cada doença. Não existe doença espiritual tão maligna, tão inveterada, mas existe suficiência de poder em CRISTO para a sua cura. Que ninguém, portanto, diga que não existe esperança, ou que a brecha é tão grande quanto o mar a ponto de não poder ser curada.

Pedro é nomeado em primeiro lugar, porque ele foi o primeiro a ser chamado ou porque ele era o mais entusiasmado deles, e em todas as ocasiões ele se fazia a voz dos demais, e além disso ele seria o apóstolo da circuncisão.
Mas isso não lhe deu nenhum poder sobre os demais apóstolos, nem existe a menor marca de que qualquer supremacia lhe tenha sido dada, ou mesmo reivindicada por ele, neste grupo sagrado. Os Dons são impulsionados pela fé que cada um tem em JESUS e sua autoridade, e no ESPÍRITO SANTO..

HENRY. Matthew. Comentário Matthew Henry Novo Testamento MATEUS A JOÃO Edição completa. Editora CPAD. pag. 118-120. (Com algumas adaptações, mudanças e alguns acréscimo meus - Pr. Henrique)

Marcos (3.13-19) e Lucas (6.12-16) declaram que JESUS os escolheu ou nomeou depois de uma noite de oração e desceu com eles a certo lugar plano do monte para entregar o Sermão do Monte (Lc 6.17).
A. T. ROBERTSON. Comentário Mateus & Marcos. À Luz do Novo Testamento Grego. Editora CPAD. pag. 115-116.

A aliança antiga estava alicerçada sobre as doze tribos de Israel. A nova aliança deveria ser construída sobre os doze apóstolos. Do mesmo modo como o sumo sacerdote trazia sobre o peito de sua vestimenta litúrgica os nomes das doze tribos, assim JESUS, o novo e verdadeiro sumo sacerdote, carrega no coração os nomes dos doze apóstolos. O Apocalipse de João fala das doze portas da nova Jerusalém, sobre as quais estão inscritos os nomes das doze tribos. Entre cada par de portas encontra-se uma imponente pedra retangular como fundamento do muro da cidade, e sobre cada uma dessas pedras está escrito com letras luminosas o nome de cada um dos apóstolos (Ap. 21.12ss). Desse modo está assegurada a unidade da Antiga e da Nova Aliança. Na vocação dos doze, essa unidade ficou documentada (ao convocar os doze, JESUS estabelece sua reivindicação sobre todo o povo de Israel!).

No contexto judaico, a máxima demonstração de poder é realizar milagres. É com isso, pois, que inicia a incumbência do Senhor JESUS aos apóstolos.
Fritz Rienecker. Comentário Esperança Evangelho de Mateus. Editora Evangélica Esperança.

Homem nenhum havia sido tão privilegiado como estes, e ainda assim um deles tinha um demônio, e demonstrou ser um traidor (v. 16). Apesar disso, quando o escolheu, CRISTO não se enganou a respeito dele. Todos tiveram oportunidade de serem instrumentos de DEUS.
HENRY. Matthew. Comentário Matthew Henry Novo Testamento MATEUS A JOÃO Edição completa. Editora CPAD. pag. 563.

Lc 6.13. JESUS passou a noite nas montanhas, vigiando em oração. Mais de uma vez Lucas salientou essa necessidade íntima que o Redentor tinha de orar, que com frequência impelia JESUS a lugares ermos (Lc 4.42; 5.16). Contudo os termos aqui utilizados contêm uma ênfase muito especial. A palavra “vigiar por toda a noite” ocorre unicamente aqui.
A escolha dessa expressão incomum, bem como a forma verbal analítica (imperfeito e particípio), destacam a persistência determinada e incessante dessa vigília noturna. A expressão proseuché tou theou, literalmente “oração de DEUS”, é também única no Novo Testamento. Essa formulação não designa nenhum pedido peculiar, mas um estado da mais profunda devoção na presença santa e direta de DEUS, uma invocação que transita para a mais íntima comunhão com DEUS. Durante essa noite JESUS apresentou a DEUS sua obra no estágio decisivo em que ingressara naquele momento, aconselhando-se com ele. Durante essa longa luta de oração, por toda a noite, JESUS provavelmente havia apresentado todos os seus discípulos individualmente a seu Pai, para que o Pai designasse aqueles que o Filho deveria tornar emissários da salvação. O que será que os discípulos, que haviam se ajuntado em grande número em torno de JESUS, sentiram quando JESUS, como um general, chamou um por um do meio deles, até que ficasse completo o número dos doze?

“Simão”, começou ele. Com quanta expectativa cada novo nome era aguardado! Com que estremecimento cada um ouvia, então, o chamado do próprio nome. Dentre o grupo de discípulos “ele escolheu os doze”, “aos quais também chamou de apóstolos”. Isso é significativo. Os demais discípulos tiveram de tolerar que esses doze obtivessem uma posição especial do Senhor. O Redentor os havia escolhido em virtude de ordem divina. DEUS é soberano.

Os discípulos não têm outra opção a não ser obedecer a esse Senhor extraordinário. “Chamou-os a si”. Mas, se desejou aqueles que o Pai lhe concedeu, de agora em diante sabemos a quem recorrer quando desejamos chegar ao Pai. Porque ele os “ordenou” para duas finalidades.
1) Primeiramente, devem estar junto dele. Devem perseverar com ele em suas tentações até chegarem ao Getsêmani; afinal, devem tornar-
se testemunhas dele até os confins do mundo (At 1.8). Precisavam conhecer suas “horas silenciosas”, conviver com ele no dia a dia, observar seu trabalho, obter uma visão dos mistérios de sua sabedoria de educador, e até mesmo familiarizar-se com os objetivos de sua ação. Deveriam aprender a Olhar, vigiai e orai, porque não sabiam quando chegaria o tempo. (Marcos 13:33).

2) O segundo aspecto é que eles partilharão de sua autoridade. Dessa maneira ele providência, de certo modo, pernas e pés, línguas e lábios que levem adiante sua obra.
Mateus relata a convocação e o credenciamento dos apóstolos em uma ocasião (Mt 10.1ss), e Lucas o faz em dois trechos, mais precisamente como segue: de acordo com Lucas, o primeiro passo de JESUS foi nomeá-los, provavelmente para que passassem a ser seus alunos de modo especial. Isso aconteceu aqui em Lc 6.12-16. A capacitação é relatada em Lc 9.1-6, onde JESUS lhes confere a autoridade para servir como apóstolos. O relato mais preciso indica que esse deve ter sido o processo. Mateus reúne em uma só ocasião as duas ações de JESUS. Isso tem a ver com sua característica de enfatizar tão-somente o aspecto doutrinário e fundamental.

Dessa forma o Redentor obteve, portanto, um grupo de auxiliares para sua obra. Ele, o maravilhoso canal da poderosa benignidade de DEUS, fora multiplicado por doze. Mas de antemão os doze não obtiveram nem poder nem incumbência para a ação espiritual propriamente dita.
Essas passagens não devem levar à conclusão de que a tarefa dos apóstolos consistia tão somente em ser testemunhas
de JESUS. O próprio nome expressa mais, cf. 2Co 5.20: “Somos mensageiros de CRISTO... e rogamos que vos reconcilieis com DEUS.”

Com a escolha dos doze estava organizada a obra de JESUS. Passou do estágio de fenômeno local e isolado para o estágio de instituição que abrange e cuja intenção arrebata povos e épocas. A obra do Senhor obteve um solo histórico firme e uma perspectiva clara para o futuro, com todas as suas esperanças e todos os seus perigos. JESUS lhes ensinou a pregar o evangelho do reino de DEUS com sinais, prodígios e maravilhas acontecendo para confirmarem a autoridade de DEUS sobre Ele e confirmar as palavras de DEUS.

Fritz Rienecker. Comentário Esperança Evangelho de Lucas. Editora Evangélica Esperança. (Com algumas adaptações, mudanças e alguns acréscimo meus - Pr. Henrique)

Lc 6.13.
Um discípulo era um aprendiz, um estudante. No século I, o estudante não estudava simplesmente uma matéria; estudava
com um mestre. Há um elemento de ligação pessoal no “discípulo” que falta no “estudante.” Deste grupo maior de aderentes, JESUS escolheu doze. JESUS nunca estabeleceu uma organização. Estes doze homens representam a totalidade da Sua máquina administrativa. Alguns deles eram claramente homens de destaque, mas, de modo geral, parecem ter sido nada mais do que medianos. A maioria deles deixou pouquíssimas marcas na história da igreja. JESUS preferia operar, naqueles tempos como também agora, através de pessoas perfeitamente comuns.
A estes doze JESUS deu o nome de apóstolos. O termo é derivado do verbo “enviar" e significa “uma pessoa enviada ” “um mensageiro.” Lucas emprega a palavra seis vezes (com mais vinte e oito em Atos), ao passo que cada um dos demais Evangelistas a emprega uma só vez (é possível que Marcos a tenha duas vezes, dependendo da solução de um problema textual).
Nos Evangelhos, o grupo usualmente é referido simplesmente como “os doze.” Marcos explica que JESUS os escolheu “para estarem com ele e para os enviar a pregar, e a exercer a autoridade de expelir demônios” (Mc 3:14-15). Esta expressão ressalta a noção de missão e a centralidade da pregação na sua função.

Leon L. Morris. Lucas. Introdução e Comentário. Editora Vida Nova. pag. 118-119.

Os Apóstolos receberam autoridade do Senhor.

A maneira de DEUS confirmar o ministro, sua chamada e confirmar sua Palavra é: “E estes sinais seguirão aos que crerem”. Quem crer e for batizado será salvo; mas quem não crer será condenado.
E estes sinais seguirão aos que crerem: em meu nome, expulsarão demônios; falarão novas línguas; pegarão nas serpentes; e, se beberem alguma coisa mortífera, não lhes fará dano algum; e imporão as mãos sobre os enfermos e os curarão. Marcos 16:16-18

Primeiro - crer.
Segundo - ser batizado.
Terceiro - expulsarão demônios.
Quarto - falarão Novas Línguas (sinal de que foi batizado no ESPÍRITO SANTO).
Quinto - pegarão nas serpentes e, se beberem alguma coisa mortífera, não lhes fará dano algum. Sexto - imporão as mãos sobre os enfermos e os curarão

Em Marcos 16.15-20, os cristãos primitivos (e nós) expulsamos muitos demônios em nome de JESUS (3.15; 6.7,13; At 8.7,16,18; 19.12). Tanto eles falaram em línguas (como nós) (At 2.4; 10.46; 19.6; 1 Co 12.10,28; 14.2-40). Paulo foi picado por uma víbora sem sofrer o dano de seu veneno letal (At 28.3-6). Eles impuseram as mãos sobre os enfermos para curá- los (como nós) (At 28.8). Não vemos no Novo Testamento nenhuma alusão a ingestão de veneno.

Estes sinais foram dados como credenciais dos apóstolos (Hb 2.1-4; Rm 15.19; 2Co 12.12).
Cremos que DEUS pode e tem dado seus dons e sinais onde e quando quer, a quem quer, livre e soberanamente, segundo o seu beneplácito, para o louvor da sua própria glória, para a salvação dos eleitos e a edificação dos santos. A grande ênfase de Marcos é que quando a Igreja proclama a mensagem de DEUS, o próprio DEUS confirma essa mensagem com a manifestação do seu poder (Mc 16.20; 1 Co 2.4; 1Ts 1.5), transformando vidas, atraindo as pessoas irresistivelmente pelo seu poder sobrenatural. A Igreja é chamada para ser um sinal do CRISTO vivo e ressurreto no mundo. William Barclay conclui o seu comentário de Marcos afirmando que a vida cristã é a vida vivida na presença e no poder daquele que foi crucificado e ressuscitou.

II - O APÓSTOLO PAULO

1. Saulo e sua conversão.

Chamado por DEUS
“Paulo (chamado apóstolo de JESUS CRISTO, pela vontade de DEUS), e o irmão Sóstenes (1 Co 1.1; 2 Co 1.1; Gl 1.1). O chamado de Paulo foi bem diferente. A caminho de Damasco, com ordens dos sacerdotes para prender os cristãos, foi interrompido por JESUS, de maneira sobrenatural e impactante.
No chão, Paulo teve o chamado de DEUS de forma tão dramática, que caiu, ouvindo a potente voz do Senhor, que o abatera em seu orgulho e presunção, quando julgava estar fazendo a vontade de DEUS no zelo do judaísmo (At 9.4; 22.7; At 9.10-19). DEUS tem seus caminhos e suas maneiras de agir, às vezes muito estranhas (cf. Is 28.21). Diante de um chamado tão singular e diferente dos demais apóstolos, Paulo tinha razão em dizer que era chamado pela vontade de DEUS e não dos homens. Seu nome em hebraico era Saulo (hb. Sha'ul, o que foi pedido) - Seu nome em grego era Paulo (gr. Paulus, baixo, pequeno, humilde), foi convocado pelo ESPÍRITO SANTO para ser enviado para a missão evangelística (At 13.8).
Lembrando também que Paulo ouviu de Estêvão um maravilhoso testemunho de fé em DEUS e comunhão íntima com JESUS.
Mas ele, estando cheio do ESPÍRITO SANTO e fixando os olhos no céu, viu a glória de DEUS e JESUS, que estava à direita de DEUS, e disse: Eis que vejo os céus abertos e o Filho do Homem, que está em pé à mão direita de DEUS. Mas eles gritaram com grande voz, taparam os ouvidos e arremeteram unânimes contra ele. E, expulsando-o da cidade, o apedrejavam. E as testemunhas depuseram as suas vestes aos pés de um jovem chamado Saulo. E apedrejaram a Estêvão, que em invocação dizia: Senhor JESUS, recebe o meu espírito. E, pondo-se de joelhos, clamou com grande voz: Senhor, não lhes imputes este pecado. E, tendo dito isto, adormeceu. Atos 7:55-60
Elinaldo Renovato. Dons espirituais & Ministeriais Servindo a DEUS e aos homens com poder extraordinário. Editora CPAD. pag. 75. (Com algumas adaptações, mudanças e alguns acréscimo meus - Pr. Henrique)

Da Terra das Tendas Negras

Paulo dava sua aprovação à medida que cada testemunha apanhava uma pedra, erguia-a acima da cabeça e a atirava para ferir e aleijar o homem lá embaixo. Então Paulo ouviu a voz de Estêvão. Em dor, mas com clareza, ele falava como se a alguém invisível, mas próximo: "Senhor JESUS, recebe o meu espírito".

Tentando dominar a dor, ele se ajoelhou em oração. Paulo não podia deixar de ouvir as palavras que saíam com volume espantoso de alguém a morrer: "Senhor, não lhes imputes este pecado."
A próxima pedra tombou-o ao chão. O mártir perdera a consciência. A multidão continuou a apedrejá-lo.
Paulo nasceu numa cidade situada entre as montanhas e o mar. É provável que o ano tenha sido 1 d.C, mas os detalhes originais do local do seu nascimento são escassos. A indicá-lo, temos a reivindicação do próprio apóstolo: "Eu sou judeu de Tarso, cidade não insignificante da Cilicia... Da linhagem de Israel, da tribo de Benjamim, hebreu de hebreus".

Tarso era a principal cidade da fértil planície da Cilicia, no extremo Sudoeste da Ásia Menor.
Antíoco IV, por volta de 170 a.C, introduziu na cidade uma colônia de judeus. Estes, além de direitos e privilégios. É provável que os ancestrais de Paulo estivessem entre esses judeus que, por sua vez, devem ter saído da obscura cidade de Giscala, na Galileia.
É possível que o pai de Paulo tenha sido um mestre na arte de fabricar tendas. O pano era tecido dos longos pelos de bodes pretos que pastavam, como ainda hoje o fazem, nas encostas do Tauro.
Da mãe de Paulo nada se sabe. Ele tinha pelo menos uma irmã (E o filho da irmã de Paulo, tendo ouvido acerca desta cilada, foi, e entrou na fortaleza, e o anunciou a Paulo. Atos 23:16). A família detinha a cobiçada posição de cidadania romana, pois a cidade se tornou colônia romana..
O terceiro nome, chamado cognomen, era Paulus. Por ocasião do ritual da circuncisão, no oitavo dia de vida, ele também havia recebido um nome judaico: "Saulo". Este foi escolhido ou por causa do seu significado, "pedido", ou em honra do benjamita mais famoso de toda a história, o rei Saul.
Saulo era o nome usado em casa, ressaltando que a herança judaica lhe era a coisa mais importante nos seus primeiros anos. Paulo, desde a infância, aprendeu grego, a língua franca de então, latim, a língua dos dominadores romanos e em casa a família falava o aramaico, a língua da Judeia, derivada do hebraico.
A escola anexa à sinagoga de Tarso não ensinava nada mais que o texto hebraico da sagrada lei. Paulo aprendeu a escrever os caracteres hebraicos em papiro e, desta forma, pouco a pouco formou seus próprios rolos das Escrituras. Aos treze anos de idade, Paulo já havia dominado a história judaica, a poesia dos salmos e a majestosa literatura dos profetas. Ele estava preparado para a escola superior.
É provável que no ano em que Augusto morreu, 14 d.C, Paulo, ainda adolescente, tenha sido enviado, por mar, à Palestina, e tenha subido os montes na direção de Jerusalém.
Durante os seguintes seis anos ele se sentou aos pés de Gamaliel, neto do mestre supremo dos judeus Hillel que, alguns anos antes, falecera com mais de cem anos de idade. Sob o frágil e gentil Gamaliel, em contraste com os líderes da escola rival de Shamai, Paulo aprendeu a dissecar um texto até revelar dezenas de possíveis significados. Aprendeu também a fazer uma exposição, pois o rabi, além de advogado de acusação ou de defesa dos que quebravam a lei sagrada, era também pregador. Paulo excedeu a seus contemporâneos. Sua mente poderosa poderia levá-lo a ocupar um lugar no Sinédrio, no Corredor das Pedras Polidas, e torná-lo um "governador dos judeus". Por ser o estado judaico uma teocracia em que as mesmas pessoas exerciam funções religiosas e civis, os setenta e um membros do Sinédrio eram igualmente juízes, senadores e mestres espirituais. O tribunal tomava decisões supremas em todos os assuntos religiosos e dentro da pequena liberdade de se governarem a si mesmos permitida pelo romanos. Alguns dos membros do tribunal procediam do sacerdócio hereditário. Outros eram advogados e rabis.
Tivesse Paulo permanecido aí durante o ministério de JESUS de Nazaré, certamente teria argumentado com ele, à semelhança dos outros fariseus. Nos anos posteriores ele se referiu com frequência à morte de JESUS por crucificação, mas jamais confessou-se sua testemunha ocular.
Uma de suas cartas sugere que ele tinha forte inclinação missionária. Onde quer que os judeus adoravam, os simpatizantes gentios eram admitidos como "tementes a DEUS". Fariseus como Paulo instavam a que os tementes a DEUS se fizessem prosélitos, judeus completos: deviam submeter-se ao simples mas doloroso ritual da circuncisão, e então honrar as exigências cerimoniais e pessoais da lei em todo o seu rigor. O fardo podia ser pesado, mas a recompensa era grande, pois ganhariam o favor de DEUS.
Logo depois de seu trigésimo aniversário Paulo voltou a Jerusalém.
Em Jerusalém, podiam desincumbir-se das obrigações mais complicadas e mais dignas da lei, e demonstrar zelo onde este seria notado. Paulo também podia combater o movimento lançado por JESUS de Nazaré. Tarso deve ter recebido ecos dos ensinos e das reivindicações do novo profeta e dos estranhos relatos de milagres, e até mesmo da notícia de que ele havia ressurgido dentre os mortos.
Segundo se acredita, Paulo era baixo; seu porte, porém, era tal que ele sobressaía em qualquer multidão. Possuía rosto um tanto oval e sobrancelhas cerradas. Por causa da boa vida que levava, talvez fosse gordo. Ele devia usar barbas, já que os judeus desprezavam o costume romano de se barbear. E sua barba preta juntamente com seu vestuário de bainha azul, mais o talismã preso a um turbante, mostravam seu orgulho de ser fariseu. Ao andar pelos pátios do Templo ele revelava a arrogância inevitável de um homem cujos ancestrais e ações o tornaram importante. Ele praticava fielmente o interminável ciclo de purificações rituais de pratos e xícaras e de sua própria pessoa. Ele guardava os jejuns semanais
entre o nascer e o pôr do sol e repetia as orações diárias na progressão e número exatos. Ele sabia o que lhe era devido: saudações respeitosas, grande precedência, lugar proeminente na sinagoga.
Paulo teria apoiado o fariseu que, vendo JESUS permitir que uma prostituta lhe lavasse os pés com as lágrimas e os ungisse com bálsamo, achava ser isto prova de que o homem não podia ser profeta. O quadro imortal que JESUS pintou do fariseu e do publicano (coletor de impostos) orando no Templo, ter-se-ia ajustado a Paulo. Como aquele fariseu, Paulo estava seguro de merecer o favor de DEUS.

Nos dois anos seguintes à execução de JESUS, a cidade santa se enchera daqueles que acreditavam que JESUS ressurgira dentre os mortos.
Não foi por acaso que as testemunhas lançaram suas vestes "aos pés de um jovem chamado Saulo". Conheciam a responsabilidade dele. Ele, porém, não atirou uma única pedra. Ele observava e aprovava
e ouviu Estêvão clamar: "Senhor JESUS, recebe o meu espírito!" "Senhor, não lhes imputes este pecado." E a ágil mente de Paulo viu e repudiou a essência dessa oração. "Senhor, não lhes imputes este pecado", significava, no ensino de Estêvão: "Senhor, tomaste sobre ti mesmo o pecado deles. Que eles creiam em ti, que te conheçam e que te amem."

Durante o restante do verão em que Estêvão foi morto (provavelmente 31 d.C.) e por todo o inverno seguinte as autoridades judaicas, tendo Paulo como principal agente, deram início a uma repressão sistemática.
Ele atacou como um animal, rasgando sua presa. Não era a triste eficiência de um oficial obedecendo a ordens desagradáveis. Seu coração, bem como sua mente, estavam engajados com a precisão de um inquisidor que desmascara a traição. Seu ímpeto chegou ao ponto de reduzir uma comunidade vigorosa de âmbito urbano à impotência e pôr seus líderes em fuga ou em esconderijos. Ele foi de casa em casa. Então realizou interrogatórios nas sinagogas durante as reuniões. Todo suspeito, homem ou mulher, tinha de se pôr de pé na presença dos anciãos enquanto Paulo, como representante do sumo sacerdote, lhes ordenava que amaldiçoassem a JESUS. Se se recusassem, seriam formalmente acusados, mas tinham o direito antigo de usar em sua defesa a fórmula: "Tenho algo a argumentar em favor de minha absolvição."

Assim, Paulo ouviu as histórias e as crenças de muitos daqueles que chamavam a JESUS de "Senhor". Muitos haviam estado com JESUS em Jerusalém ou tinham ido à Galileia a fim de encontrá-lo, e estes repetiam as suas palavras. Repetidamente, as mesmas frases, as mesmas parábolas eram apresentadas ao tribunal da sinagoga. Paulo não se surpreendia com a exatidão dessas histórias, uma vez que todos os rabis insistiam em que seus discípulos aprendessem os seus ditos com perfeição, até mesmo reproduzindo a tonalidade de sua voz. E os ditos, quer Paulo desejasse quer não, foram imediatamente armazenados na biblioteca em expansão de seu arguto cérebro.

Alguns dos nazarenos defendiam sua devoção relatando a influência de JESUS sobre seus corpos, como o cego de nascença a quem o Senhor curara, que teria respondido a Paulo de modo tão insolente quanto respondera aos indignados fariseus depois do milagre. Alguns tinham visto JESUS cambalear na direção do Gólgota e tinham-no observado morrer. Muitos insistiam tê-lo visto vivo depois de morto, não como fantasma, mas real a despeito da surra que lhe havia arrancado a pele e desnudado as costas, e o choque, a exaustão e a exposição à crucificação romana com seu término inevitável por sufocação, se a morte não chegasse primeiro. A maioria dos acusados, contudo, não reivindicava ser testemunhas oculares, mas convertidos daqueles que o eram, particularmente de Simão chamado Pedro ou "Pedra".

Vez após vez, um discípulo tímido e sem grande influência, de educação medíocre e sem graças sociais, era atirado na presença do tribunal. Depois de algumas frases o homem se transformava: começava a falar claramente, com firme convicção. Era quase como se alguém lhe estivesse dizendo o que falar.
Atirou-os nos calabouços. Um ou dois talvez tenham sido apedrejados. Paulo parece sugerir tal coisa ("Quando eram mortos, eu dava o meu voto contra eles"), mas os romanos limitavam estritamente os direitos judaicos à pena capital. A maioria era punida por meio de espancamento público, as "quarenta chicotadas menos uma" que não eram nada agradáveis para os de estômago fraco.

Ele permanecia impassível enquanto homens e mulheres saíam cambaleando com as costas inchadas e ensanguentadas. Para o final do inverno chegaram notícias de que os seguidores de JESUS fugidos de Jerusalém não se deixaram intimidar, mas propagavam as suas doutrinas onde quer que fossem em Samaria, com êxito impressionante, e no Norte, na direção de Damasco. Paulo foi furioso à presença do sumo sacerdote. "Respirando ainda ameaças e morte" como descreve o seu primeiro biógrafo, ele pediu cartas para as sinagogas, autorizando-o a prender homens e mulheres que seguissem o "caminho" e trazê-los amarrados para Jerusalém. Como primeiro objetivo, ele sugeriu Damasco. Embora a disciplina do Sinédrio se estendesse aos judeus de todos os lugares, os romanos não gostavam de perturbações. Mas Damasco, embora cidade romana, possuía duas grandes comunidades que contavam com certa medida de autogoverno: os árabes leais ao rei Nabateu que vivia em sua capital de rocha em Petra, e os judeus. É provável que Paulo pretendesse perseguir e castigar os cristãos da Fenícia e depois os de Antioquia, a grande capital romana da Síria. Ele tinha toda uma vida pela frente.

Ele partiu na primavera, assim que as viagens tiveram início, à primeira luz da manhã, sob a forte luminosidade dos montes da Judeia. Deve ter ido de jumento. Teriam passado perto do local em que Estêvão fora assassinado. Se tomaram a estrada que atravessava Samaria, passaram por montes pedregosos acarpetados de variegadas flores primaveris, e no segundo dia tiveram um breve vislumbre das neves distantes do monte Hermom que domina a estrada para Damasco. No quarto ou no quinto dia chegaram ao mar da Galileia. Paulo teria encontrado aqui mais pessoas do que em Jerusalém as quais juravam ter visto a JESUS vivo de novo, com cicatrizes nas mãos e nos pés.

Paulo atravessou o Jordão usando a ponte romana e subiu as escarpas desnudas. Agora ele tinha conhecimento do que JESUS havia feito e dito, até mesmo da tonalidade da sua voz, da sua aparência e caráter, este homem que era quase da mesma idade de Paulo.
Paulo jamais sugere que à medida que a sua pequena caravana avistou o monte Hermom ele tenha pesado os fatores a favor e contra JESUS. Este fora um impostor blasfemo e estava morto.

A Estrada de Damasco

O último dia da viagem deixava para trás o Hermom, cujos cumes, ainda sob a neve, erguiam-se acima dos montes marrons recobertos de flores brancas. Mas a montanha já não parecia particularmente alta porque eles estavam perto demais para ver o pico, e o planalto de Damasco encontra-se a uma altitude de mais de 600 metros.
Estavam encorajados a prosseguir adiante até ao fim da jornada, em vez de pararem, como em outras ocasiões, antes do meio-dia. O meio-dia primaveril não causaria insolação. Paulo e seu grupo continuaram a caminhar. Um homem, na retaguarda, conduzia os burros ligados por uma corda. A estrada estava vazia.

O céu estava claro e azul. A memória de Paulo enfatiza que não havia nem tempestade nem vento forte, como sugerem os que buscam uma explicação natural para o acontecimento. Ele não estava perto de um colapso nervoso nem prestes a sofrer um ataque epiléptico; ele nem mesmo tinha pressa.
"Quase ao meio-dia, repentinamente grande luz do céu brilhou ao redor de mim... uma luz mais brilhante do que o sol, brilhando ao meu redor e ao redor de meus companheiros de viagem."

Todos eles caíram por terra, apavorados com o fenômeno.
Não se tratava de apenas um relâmpago, mas de luz terrível e inexplicável. Parece que Paulo permaneceu prostrado, enquanto seus companheiros se levantaram cambaleando. Para ele somente, a intensidade da luz aumentou.
Paulo ouviu uma voz, ao mesmo tempo calma e autoritária, dizer-lhe em aramaico: "Saulo, Saulo, por que me persegues?" Ele levantou os olhos. No centro da luz que o impedia de ver ao derredor, ele encarou um homem de mais ou menos a sua idade. Paulo não podia acreditar no que ouvia e via. Todas as suas convicções, intelecto, treinamento, reputação e autoestima exigiam que JESUS não estivesse vivo novamente. Assim, procurando ganhar tempo, ele replicou: "Quem és, Senhor?" A expressão de tratamento podia não significar nada mais que "Excelência". Provavelmente se lembrou que Estêvão teve a visão desse mesmo que agora falava com ele.
"Eu sou JESUS, a quem tu persegues; mas, levanta-te, e entra na cidade, onde te dirão o que te convém fazer."
Então ele soube. Em um segundo, que mais pareceu uma eternidade, Paulo viu as feridas nas mãos e nos pés de JESUS, viu-lhe o rosto e compreendeu que estava vendo ao Senhor, vivo, como Estêvão e outros haviam dito, e que JESUS amava não apenas aos que Paulo perseguia, mas também ao próprio Paulo: "Dura coisa é recalcitrares contra os aguilhões." Nem uma palavra de reprovação.
Paulo jamais admitira a si mesmo sentir as pontadas de um aguilhão ao enfurecer-se contra Estêvão e seus discípulos. Mas agora, instantaneamente, se conscientizava de que estivera lutando contra JESUS. E lutando contra si mesmo, contra sua consciência, sua falta de poder, contra as trevas e o caos de sua alma. DEUS pairou sobre este caos e o levou ao momento de nova criação. Só faltava o consentimento de Paulo.
Paulo se quebrou.
Ele tremia e não estava em condições de pesar os prós e os contras para a mudança de ideias. Sabia apenas ter ouvido uma voz e visto o Senhor, e que nada mais importava a não ser descobrir a sua vontade e obedecer a ela.
"Que farei, Senhor?"
Aqui ele usa o mesmo tratamento de antes, mas toda a obediência e adoração, e todo o amor no céu e na terra entraram nessa única palavra "Senhor". Naquele momento ele se sentia totalmente perdoado, totalmente amado. Em suas próprias palavras: "Porque DEUS que disse: Das trevas resplandecerá luz
ele mesmo resplandeceu em nossos corações, para iluminação do conhecimento da glória de DEUS na face de CRISTO."
"Levanta-te", ouviu ele, "e entra na cidade, onde te dirão o que te convém fazer." Ele havia confiado. Agora tinha de obedecer
a uma primeira ordem humilhante, quase trivial.
Ao se pôr de pé, estava cego. Estendeu a mão aos companheiros, agora ainda mais espantados ouvindo Paulo responder ao inaudível, os quais o conduziram. Os animais de carga e de montaria alcançaram a pequena caravana que se dirigia a Damasco em maravilhado silêncio.
Paulo entrou cegamente no desconhecido. Mas ele não se encontrava em trevas, e sim em luz. "Não podia ver por causa do brilho dessa luz." Embora o azul do céu, a poeira vermelha da estrada e o verde do oásis desaparecessem, pouca falta faziam. A luz lhe infundia os olhos cegos e a mente. Andando, em obediência a esse primeiro mandamento de seu novo Mestre, Paulo fez a primeira grande descoberta: JESUS permanecia a seu lado, não na forma de um corpo crucificado e ressurreto, mas como alguém invisível, contudo presente.
Passaram pelo mau cheiro do caravançarai, calmo no início da tarde, e entraram na cidade pela Rua Direita, espaçosa e cheia de colunas, que dividia a cidade ao meio. Esta rua também estava relativamente calma, pois as lojas e estandes ainda estavam fechados para a sesta do meio-dia, e as janelas das casas, por causa do sol, permaneciam cerradas. Chegaram à casa de um damasceno chamado Judas, provavelmente um rico mercador judeu, hospedeiro digno de um representante do Sinédrio. Os anciãos da sinagoga deviam estar à espera de Paulo, pois até os nazarenos sabiam que ele estava a caminho a fim de persegui-los. Ambos os grupos o perderam de vista. A escolta o entregou e desapareceu. Ele não pediu nada a Judas, a não ser o quarto de hóspede
recusando até mesmo a comida e estar a sós.
O tempo perdeu o significado. Ele ouviu a trombeta vespertina, o cantar dos galos na manhã seguinte e o ruído de carroças no calçamento. Ouviu os gritos dos comerciantes anunciando seus produtos, percebeu o murmúrio distante de barganhadores, e o relinchar ocasional de um burro. Então, a calma do meio-dia. Paulo passou o tempo deitado, totalmente desperto, a não ser por uma ou duas horas de sono, ou ajoelhado ao lado da cama. Ele não queria companhia humana, mas desejava estar a sós com o Senhor JESUS, como agora o chamava. Logo ele se esqueceu da fome e da sede. Sua personalidade toda estava em mudança. Ao permitir que a luz de CRISTO iluminasse os recessos de sua alma, ele estava sendo virado do avesso.

"Saulo, Saulo, por que me persegues?" Agora ele podia responder a essa pergunta com as palavras do Salmo de Davi: "Tem misericórdia de mim, ó DEUS, segundo a tua benignidade: segundo a multidão das tuas misericórdias, apaga as minhas transgressões... Contra ti, contra ti somente pequei."
Paulo se sentia imundo e nojento. Vi a mim mesmo e fiquei horrorizado." O assassínio sempre é absoluto à consciência despertada do assassino. Nem foi somente assassínio e crueldade. Ele havia blasfemado, insultado e perseguido ao Senhor, cuja resposta fora procurá-lo e mostrar-lhe o amor que ultrapassava tudo o que Paulo antes conhecia. Quanto mais ele, em cegueira, se banhava nesse amor, à medida que as horas passavam velozes, tanto mais ele se quebrava ante a enormidade de seus feitos.

Ele supunha que estivesse servindo a DEUS, que estivesse caindo na graça divina. Ele havia disposto seus padrões de bondade, tinha-se comparado com os outros e visto que era bom. Mas agora, em contraste com JESUS cujo ESPÍRITO lhe invadia, ele sabia que sua pureza não passava de contrafação do inexpressivamente Puro, suas boas ações nada mais eram que uma paródia da Bondade. Ele havia sido mental e espiritualmente hostil a DEUS, embora o tivesse honrado com os lábios. Ele se ocupara do mal, embora praticasse seus ritos religiosos. Ele se isolara totalmente, arrastando-se para tão longe quanto pudesse da luz cegante que era DEUS.

Contudo, JESUS o havia apanhado. Paulo, desse dia em diante, citaria esse fato entre as provas indiscutíveis da ressurreição, não importando o quanto os homens pudessem zombar dele ou chamá-lo de mentiroso. DEUS, de maneira incrível, havia levantado do sepulcro o corpo morto de JESUS de modo que ele estava vivo e aparecera a Paulo, não com o propósito de o humilhar ou destruir, ou vingar o sangue dos perseguidos, mas para salvar o perseguidor e sobrepujá-lo com amor e perdão. Paulo sabia, do fundo do coração, que JESUS era o Messias, o CRISTO, o Salvador do mundo. Esta não era uma conclusão tirada da lógica fria, embora essa um dia haveria de chegar. Ia além do intelecto. Ele sabia porque conhecia a JESUS.

E, conhecendo a JESUS, ele compreendia o que tinha acontecido na cruz.
Paulo, em seu orgulho e conhecimento, tinha rejeitado a JESUS porque homem algum poderia ser pendurado no madeiro a menos que tivesse sido amaldiçoado. Agora, à medida que enfrentava o seu pecado, ele via, com uma intuição irresistível, que JESUS deveras sofrera uma maldição sobre a cruz, mas não a dele; era a maldição de Paulo e de todos os homens. Cada hora passada em cegueira na casa de Judas, cada dia do restante de sua vida, revelaria um pouco mais da largura, do comprimento, da altura e da profundidade das boas novas, mas o coração estava seguro delas, agora e para sempre: o amor de CRISTO, "o Filho de DEUS que me amou e a si mesmo se deu por mim". Paulo podia, instantaneamente, ser tratado como alguém que jamais pecou, ser recebido com amor e confiança. Quanto mais ele olhava com olhos cegos para o brilho da luz, tanto mais distinto se apresentava o fato revelado naquele instante na estrada de Damasco: o perdão era uma dádiva, inteira e perfeita, porque era o próprio CRISTO. Não podia ser merecido. Mérito humano algum podia superar o pecado humano; mas, ao possuir a CRISTO, Paulo tinha tudo.
Na casa de Judas, ele podia ter gritado o que escreveria no futuro: "Enviou DEUS aos nossos corações o ESPÍRITO de seu Filho". "O mistério que estivera oculto dos séculos e das gerações; agora, todavia, se manifestou. . . CRISTO em vós". "Para mim, o viver é CRISTO!" Ele já sentia o impulso de orar. Não apenas as orações formais da gloriosa liturgia judaica, mas a conversação de um filho com seu Pai. Ao falar com JESUS, ele falava com o Pai, ao adorar o Pai, ele conversava com o Filho. Ele contou ao Senhor tudo o que lhe ia no coração. Ele intercedeu com urgência por aqueles que havia perseguido, especialmente pelos que forçara a blasfemar; pelos nazarenos de Damasco que o aguardavam com temor; por seus amigos judeus e por seus superiores.
Com a oração, veio a fome das palavras de JESUS. Como uma ovelha recém-nascida que, mesmo antes de conseguir pôr-se de pé procura instintivamente o peito da mãe, Paulo tinha fome do conhecimento de tudo o que JESUS havia dito e feito. Até à sua conversão ele havia sido indiferente às palavras de CRISTO. Desde o instante em que disse: "Que farei, Senhor?" ele aceitou a sua autoridade, e agora era de importância transcendental saber o que JESUS tinha ordenado, prometido, prevenido e predito; conhecer a atitude do Mestre para com aqueles que o odiavam e para com os que o amavam, saber tudo o que ele ensinou a respeito do Pai e de si mesmo, seus veredictos em todos os assuntos do comportamento e destino humanos.
Paulo possuía ainda outro anseio: espalhar esta grande descoberta. Contudo, ele tinha de esperar. O mandamento do Mestre fora: "Entra na cidade, onde te dirão o que te convém fazer." Esperando, ele ouviu a trombeta vespertina, o cantar dos galos e o ruído de carroças e novamente a trombeta vespertina. Finalmente, na calma da terceira aurora, enquanto orava, recebeu a revelação do que viria a seguir.
No quarto de uma pequena casa da rua chamada Direita um judeu de meia-idade estava deitado entre dormindo e acordado.
Ananias, honrado membro da comunidade judaica de Damasco e também seguidor de JESUS CRISTO, não se surpreendeu nem hesitou ao ouviu uma voz chamar o seu nome: "Ananias!" "Eis-me aqui, Senhor." "Dispõe-te, e vai à rua que se chama Direita e, na casa de Judas, procura por Saulo, apelidado de Tarso; pois ele está orando, e viu entrar um homem, chamado Ananias, e impor-lhe as mãos, para que recuperasse a vista."
Ananias ficou espantado. Seu Senhor devia ter-se enganado. É provável que Ananias tenha assistido a pequenas reuniões dos nazarenos que, com a notícia de que Saulo, o Perseguidor, se aproximava, oraram pedindo que o Senhor os livrasse, aparentemente, sem esperar que sua oração fosse atendida.
"Senhor", respondeu Ananias, "de muitos tenho ouvido a respeito desse homem, quantos males tem feito aos teus santos em Jerusalém; e para aqui trouxe autorização dos principais sacerdotes para prender a todos os que invocam o teu nome."

Disse a voz: "Vai, porque este é para mim um instrumento escolhido". O Senhor, a seguir, confirmou e ampliou o seu mandamento.
Com isso, Ananias levantou-se e foi.
Caminhando apressado pela viela e desviando-se dos carregadores de água que voltavam do rio, no momento em que o sol despontava nos penhascos do norte, ele quase gritava: "Aleluia!" Então o braço do Senhor não se encolhera. Ele o havia estendido para curar, e o lobo se deitaria com o cordeiro como na antiga profecia. E ele, o obscuro Ananias, de quem jamais se ouviu falar nem antes nem depois, fora escolhido para batizar a Saulo, o primeiro exemplo de um padrão histórico, segundo o qual os grandes embaixadores de CRISTO, por mais preparados que sejam de outros modos, são levados à sua vocação por intermédio de insignificantes agentes.

Ananias, levado imediatamente à presença de Paulo, permaneceu em pé ao lado da cama.
Ele via um rosto que passara de profundo sofrimento à paz. A pele se enrugava onde a boa vida de fariseu tinha sido esgotada pelo jejum; podiam-se ainda perceber as rugas feitas pela crueldade; a barba era irregular e os olhos fixos. Contudo, era um rosto descontraído, como se Paulo tivesse visto o pior e já não o temesse, tivesse olhado o melhor e soubesse que estava sendo reconstruído em seu molde.
Ananias pôs as mãos na cabeça de Paulo.
"Saulo, irmão", começou ele (e engoliu em seco ao chamar o assassino dos seus amigos de "irmão", mas a alegria tragou a hesitação), "o Senhor me enviou, a saber, o próprio JESUS que te apareceu no caminho por onde vinhas, para que recuperes a vista e fiques cheio do ESPÍRITO SANTO."
Naquele instante umas como que escamas caíram dos olhos de Paulo. Ele viu Ananias. E o viu claramente. Paulo recuperou a vista instantânea e completamente.
Ananias desincumbiu-se do restante das suas ordens: "O DEUS de nossos pais de antemão te escolheu para conheceres a sua vontade, ver o Justo e ouvir uma voz da sua própria boca, porque terás de ser sua testemunha diante de todos os homens, das coisas que tens visto e ouvido." Paulo ouviria mais, disse ele, diretamente do Senhor JESUS, que lhe daria um vislumbre da dureza e da dor à medida que se aventurassem juntos, não só aos filhos de Israel, grandes e pequenos, escravos e reis
mas também a "todos os homens", a quem o fariseu Saulo desprezara e rejeitara.
A seguir, Ananias proferiu mais palavras, entregues como se da parte do próprio JESUS: "Envio-te para lhes abrir os olhos e convertê-los das trevas para a luz, e da potestade de Satanás para DEUS, a fim de que recebam eles remissão de pecados e herança entre os que são santificados pela fé em mim."
O alcance e a implicação dessa comissão deixou Paulo sem fala.
Disse mais Ananias: "Por que te demoras? Levanta-te, recebe o batismo e lava os teus pecados, invocando o nome dele." Ananias ajudou-o a deixar a cama. Os seguidores do Caminho, como João Batista, batizavam por imersão num rio ou numa corrente de águas. Paulo estava fraco depois de seu prolongado jejum, mas com sua vontade férrea, pode ter insistido em caminhar, apoiado em Ananias, os oitenta metros até o rio Abana, fora do muro norte da cidade.
Paulo, embora advertido de que viriam tempestades, nessa ocasião podia tornar suas as palavras do Salmo 19: "Os céus proclamam a glória de DEUS... o sol... se regozija como herói, a percorrer o seu caminho."
Paulo sentia bem-estar, descontração de toda a tensão, agudeza de percepção e paz mental. Andando pela rua Direita, que, como todas as ruas orientais era uma miscelânea de cores, barulhos e movimentos, ou entrando no bazar de especiarias ou na rua dos trabalhadores em metal, ele estava apaixonado com a humanidade toda. Damasco, por ser uma cidade de fronteira, atraía tipos variados: árabes, judeus, partos com seus chapéus cônicos, e soldados romanos. Paulo sabia ter sido enviado a todos
e a seu próprio povo, os judeus, porque até mesmo eles, com exceção dos que tinham visto a JESUS, possuíam somente um vislumbre da aparência de DEUS.
Naquela noite, em companhia de Ananias, Paulo ficou conhecendo o pequeno grupo de nazarenos. Se alguns fugitivos de Jerusalém estavam entre eles
o que é possível foi um momento de grande emoção quando os que haviam sido chicoteados sob as ordens de Paulo lhe deram o beijo da paz e, como prova de sua união uns com os outros e com JESUS, partilharam com ele o pão e o vinho, símbolos do corpo e do sangue do Senhor, como o próprio Senhor ensinara na noite em que foi traído.
Um incidente ainda mais extraordinário ocorreu no sábado seguinte na sinagoga mais importante de Damasco. Os anciãos e a congregação não faziam ideia da conversão de Paulo. Ele não a revelara nem mesmo a Judas. Os nazarenos, contudo, que sabiam que as coisas correriam de modo diferente, estavam orando enquanto acompanhava Paulo, ainda vestido como fariseu e trajando uma veste de barras azuis, tendo no turbante um talismã de couro, até à plataforma e lhe entregava o rolo da Lei.
Ele leu a passagem designada e devolveu o rolo. No instante de pausa, antes de começar a falar, ele se maravilhou da estratégia divina mediante a qual, nos séculos passados, levantaram-se sinagogas em incontáveis cidades gentias
prontas para o dia em que, sob a sua liderança, se transformariam nos baluartes de uma grande cruzada para JESUS CRISTO! Como ele tinha visto a verdade, certamente que eles também a veriam. Ele e eles haviam sido separados para espalhar as boas novas de JESUS CRISTO entre os gentios. E começariam em Damasco.
Então ele proclamou: "JESUS é o Filho de DEUS." Paulo atacou com a mesma veemência e paixão que caracterizaram sua perseguição. As palavras tropeçavam umas nas outras enquanto ele contava como o Senhor lhe aparecera, que o Senhor estava vivo e que os amava. E a reação não foi nada parecida com a que ele esperava. Os adoradores ficaram espantados e horrorizados. Longe de se convencerem, ficaram com raiva. Esse vira-casaca, recebido como representante do sumo sacerdote, se declarava representante de JESUS.

Paulo se surpreendeu. Nos dias que se seguiram ele se sentiu como Moisés que "pensou que seus patrícios compreenderiam que DEUS lhes estava oferecendo libertação por seu intermédio, mas não compreenderam." Ainda mais, sua impaciência com os nazarenos aumentou. Ele se reunia com eles todas as noites, mas poucos tinham recordações de JESUS. Possuíam vários dos seus ditos, os quais haviam sido repetidos por aqueles que o tinham conhecido, mas isso não satisfazia a Paulo. Ele tinha fome de evidência de primeira mão. Contudo, não podia voltar a Jerusalém. Ainda que os apóstolos, que haviam conhecido a JESUS melhor do que ninguém, confiassem nele imediatamente, Paulo não devia arriscar-se a cair nas garras de um sumo sacerdote enfurecido, que se encarregaria de fazê-lo desaparecer mediante o estrangulamento, apedrejamento ou prisão perpétua.

De noite, na casa de Judas ou talvez agora na casa de Ananias, ele se revirava na cama, frustrado. E a glória dos dias de cegueira estava a desvanecer. Finalmente, ele disse ao Senhor que deixaria tudo nas suas mãos. A paz voltou. Nenhuma voz ou luz revelou o próximo passo, somente a convicção crescente de que devia sair sozinho, não levando nada a não ser os rolos das Escrituras. Não era dos apóstolos que Paulo necessitava, mas de JESUS somente; não de uma cidade, mas do deserto.

O passo seguinte foi fácil. Damasco era o ponto final de uma das grandes rotas de especiarias que vinham do país da mirra e do incenso, ao sul da Arábia, e da Ponta da África. As caravanas de camelos voltavam trazendo moedas e mercadorias do mundo romano. O filho de um importante comerciante não teve dificuldade alguma em conseguir passagem.

JOHN POLLOCK. O Apóstolo. Editora Vida. (Observação, Com acréscimos e modificações minhas - Pr. Henrique) 2. Um homem preparado para servir.

Paulo foi buscar mais conhecimento íntimo com JESUS no mesmo monte onde DEUS falara com Moisés. Foi para a Arábia e lá recebeu revelações como o que aconteceu na Santa Ceia do Senhor JESUS com seus discípulos, antes de morrer na cruz. (Obs. Pr. Henrique).
nem tornei a Jerusalém, a ter com os que já antes de mim eram apóstolos, mas parti para a Arábia e voltei outra vez a Damasco. Gálatas 1:17

Porque eu recebi do Senhor o que também vos ensinei: que o Senhor JESUS, na noite em que foi traído, tomou o pão; 1 Coríntios 11:23

Paulo foi escolhido e capacitado pelo ESPÍRITO SANTO para fazer a obra de apóstolo aos gentios.

Na igreja que estava em Antioquia havia alguns profetas e doutores, a saber: Barnabé, e Simeão, chamado Níger, e Lúcio, cireneu, e Manaém, que fora criado com Herodes, o tetrarca, e Saulo. E, servindo eles ao Senhor e jejuando, disse o ESPÍRITO SANTO: Apartai-me a Barnabé e a Saulo para a obra a que os tenho chamado. Então, jejuando, e orando, e pondo sobre eles as mãos, os despediram. E assim estes, enviados pelo ESPÍRITO SANTO, desceram a Selêucia e dali navegaram para Chipre. Atos 13:1-4

Os sinais do meu apostolado foram manifestados entre vós, com toda a paciência, por sinais, prodígios e maravilhas. 2 Coríntios 12:12
Pr. Henrique

Paulo teve experiências com DEUS

Um verdadeiro apóstolo é homem que deve ter comunhão e experiência com DEUS. Paulo, não obstante não ter convivido com JESUS como os demais apóstolos, teve experiências espirituais que os outros não tiveram. E essas experiências fortaleceram sua vida espiritual e solidificaram o seu relacionamento com CRISTO. Ele diz que teve “visões e revelações do Senhor” (1 Co 12.1); com bastante modéstia, falando na terceira pessoa, diz que “foi arrebatado ao terceiro céu”... “e ouviu palavras inefáveis, que ao homem não é lícito falar” (1 Co 12.2,4). Que palavras foram essas, só DEUS e Paulo sabem.

Elinaldo Renovato. Dons espirituais & Ministeriais Servindo a DEUS e aos homens com poder extraordinário. Editora CPAD. pag. 75.

O prazer com que ele olha para a vida que tinha vivido (v. 7): Combati o bom combate, acabei a carreira etc. Ele não temia a morte, porque tinha o testemunho da sua consciência de que pela graça de DEUS ele tinha, em alguma medida, correspondido às expectativas do propósito da vida. Como cristão, como ministro, ele tinha combatido o bom combate. Ele tinha realizado o serviço, passado pelas dificuldades da sua batalha e tinha sido um instrumento ao levar avante as gloriosas vitórias do Redentor exaltado sobre os poderes das trevas.

Sua vida foi uma carreira, e ele a tinha concluído. Como sua batalha tinha sido cumprida, assim sua corrida tinha acabado. “Guardei a fé. Guardei as doutrinas do evangelho e nunca neguei nenhuma delas”. Note que, em primeiro lugar, a vida de um cristão, mas especialmente de um ministro, é um combate e uma corrida, às vezes comparada a um ou ao outro nas Escrituras. Em segundo lugar, esse é um bom combate, uma boa milícia. A causa é boa, e a vitória é certa, se continuarmos fiéis e corajosos. Em terceiro lugar, devemos combater esse bom combate, devemos concluí-lo e terminar nossa carreira. Não devemos parar até que sejamos mais do que vencedores por aquele que nos amou (Rm 8.37). Em quarto lugar, é um

grande consolo para um santo moribundo quando ele pode olhar para trás e dizer como nosso apóstolo: “Combati etc. Guardei a fé, a doutrina da fé e a graça da fé”.
Se pudermos falar da mesma maneira, ao nos aproximar do final dos nossos dias, sentiremos um consolo inexprimível. Portanto, precisamos continuar nos esforçando, contando com a graça de DEUS, para que possamos terminar nossa carreira com alegria (At 20.24).

[3] O prazer com que ele olha para a vida futura (v. 8): Desde agora, a coroa da justiça me está guardada etc. Ele havia sofrido perda por CRISTO, mas estava certo de que ganharia a CRISTO (Fp 3.8). Que isso possa servir de ânimo para Timóteo para suportar as dificuldades como um bom soldado de JESUS CRISTO, que há uma coroa da vida para ele, a glória e a alegria que abundantemente compensarão todas as dificuldades e privações do combate presente. Observe: Ela é chamada de coroa da justiça, porque será a recompensa dos nossos serviços, que o Senhor não esquecerá, porque não é injusto para esquecer, e porque a nossa santidade e justiça serão aperfeiçoadas e serão a nossa coroa. DEUS a dará como justo juiz. Essa coroa da justiça não era somente para Paulo, como se pertencesse somente aos apóstolos, aos ministros famosos e aos mártires, mas para todos os que amarem a sua vinda. Observe: A natureza de todos os santos é amar a vinda de JESUS CRISTO: eles amaram a sua primeira vinda, quando Ele apareceu para tirar o pecado pelo sacrifício de si mesmo (Hb 9.26). Eles têm prazer em refletir a respeito dela. Eles aguardam ansiosos pela segunda vinda de CRISTO naquele grande Dia. Eles a amam e a aguardam com ansiedade. Em relação àqueles que amam a vinda de JESUS CRISTO, Ele virá para a alegria deles.

Existe uma coroa de justiça reservada para eles, que na segunda vinda de JESUS CRISTO será dada a eles (Hb 9.28). Amém! Ora, vem, Senhor JESUS! (veja Ap 22.20).
HENRY. Matthew. Comentário Matthew Henry Novo Testamento ATOS A APOCALIPSE Edição completa. Editora CPAD. pag. 719-720.
(Observação, Com acréscimos e modificações minhas - Pr. Henrique)

Paulo exorta Timóteo a não se esquecer da parte sobrenatural de seu ministério, sem a qual não alcançaria êxito.
Por este motivo, te lembro que despertes o dom de DEUS, que existe em ti pela imposição das minhas mãos. 2 Timóteo 1:6
Não desprezes o dom que há em ti, o qual te foi dado por profecia, com a imposição das mãos do presbitério. 1 Timóteo 4:14

I Tm 4.7 Combati o bom combate. Aquilo para o que Timóteo foi convocado (1Tm 6.12) foi cumprido pessoalmente pelo apóstolo e suportado até o vitorioso fim. Ele “proclamou o evangelho de DEUS mediante grande luta”. Agora acabou a luta, esgotou-se a luta da vida, o bom combate chegou a bom fim. Ele lutou contra poderes sombrios da maldade, contra Satanás, contra vícios judaicos, cristãos e gentílicos, hipocrisia, violência, conflitos e imoralidades em Corinto, fanáticos e desleixados em Tessalônica, gnósticos helenistas judeus em Éfeso e Colossos, e não por último no poder do ESPÍRITO SANTO o velho ser humano dentro de si mesmo, tribulações externas e temores internos. Acima de tudo e em tudo, porém, lutou em prol do evangelho, a grande luta de sua vida, seu bom combate.

Completei a corrida. A imagem do atleta competidor que alcançou a meta e por quem espera a coroa da vitória. Nada pôde deter sua trajetória, por nada ele foi interrompido significativamente. Agora tampouco poderes mundanos destruirão sua vida de forma autocrática, ele é “prisioneiro do Senhor”. O que ele anunciou aos anciãos de Éfeso na despedida se cumpriu agora: “Todavia, não me importo, nem considero a minha vida de valor algum para mim mesmo, se tão-somente puder terminar a corrida e completar o ministério que o Senhor JESUS me confiou, de testemunhar o evangelho da graça de DEUS.”

Guardei a fé. Será que se deve traduzir aqui com a frase que se tornou linguajar corrente “Guardei a fidelidade”? Sem dúvida tem-se em vista “a fidelidade até a morte”; é intencional a ligação com 2Tm 2.11-13; também a fidelidade do administrador, do qual se demanda prestação de contas no juízo; a aprovação do colaborador e sua paciência até o fim no trabalho penoso, quando os frutos estão maduros. Tudo está englobado, mas antes de tudo e em tudo vale uma só coisa: “Aqui se trata da perseverança dos santos, os que guardam fielmente os mandamentos de DEUS e a fé em JESUS.” “Guardei a fé”, isso é o alfa e o ômega, origem e alvo daquele que por ocasião do primeiro aprisionamento confessou: CRISTO é minha vida e morrer para mim é lucro. Poder crer até o fim, ser sustentado na fé em JESUS, receber constantemente essa fé renovada e aprofundada: essa é a graça máxima, dádiva imerecida, exaltação da fidelidade de DEUS.

O soldado, o corredor, o administrador (agricultor) todas as três metáforas que Paulo lançou a Timóteo para encorajá-lo, todas direcionadas para o fim dos tempos, cumpriram-se em Paulo. Essas declarações não são marcadas pelo enaltecimento próprio, mas pela gratidão e adoração àquele que o tornou forte na luta, que o conduziu à perfeição, que o presenteou com a fé e o preservou.

Hans Bürki. Comentário Esperança Cartas aos I Timóteo.. Editora Evangélica Esperança. (Observação, Com acréscimos e modificações minhas - Pr. Henrique)

3. “O menor dos apóstolos”.

Paulo era um homem de grande cultura

Desmistificando a crença ou “doutrina” de que DEUS só usa pessoas de pouca instrução, o exemplo de Paulo é bem marcante. Era homem de alto conhecimento bíblico e teológico, discípulo de Gamaliel, um dos mestres do judaísmo (At 22.3).
Paulo era um intelectual poliglota. Falava hebraico, por ser judeu e fariseu (At 22.2); por ser cidadão romano (At 22.25), falava latim; suas epístolas foram escritas em grego, o que dá a entender que, sendo um homem culto de sua época, falava a língua helênica; e, como judeu zeloso, certamente, falava o aramaico, que era língua usual, nos meios intelectuais de sua época. Em sua soberania, e segundo seus propósitos divinos, JESUS resolveu contrariar a lógica humana, e chamar um perseguidor do evangelho para ser salvo e fazer dele um apóstolo dos mais destacados entre os que quis escolher. Enquanto alguns de seus primeiros discípulos, do grupo dos Doze, eram humildes pescadores, cobrador de imposto, político e outros de menor grau de instrução, Paulo era um homem intelectual, que haveria de levar o evangelho aos gentios, ou gentes de todas a
s nações, fora de Israel, inclusive aos “reis” ou governantes de povos estrangeiros. Além dessa característica marcante, em seu ministério, Paulo foi o grande teólogo e intérprete dos evangelhos de CRISTO. Dos 27 livros do Novo Testamento, 13 foram escritos por ele. E ainda resta dúvida se a epístola aos hebreus também foi de sua autoria.

Não foi por acaso que Paulo foi o primeiro apóstolo a levar o evangelho de CRISTO à Europa. Ele foi o grande evangelizador do Império Romano (Rm 15.24,28). Em suas viagens missionárias, levou o evangelho de CRISTO a cidades de Israel, passou pela Turquia, pela Ásia Menor; pregou na Macedônia, na Acaia, na Grécia, centro cultural da Europa, à época; e, em sua última viagem missionária, reviu discípulos nas igrejas que fundara, e terminou em Roma, para onde foi levado preso, e pregou na capital do Império mundial da época. Concluiu sua extraordinária missão, declarando solenemente: “Combati o bom combate, acabei a carreira, guardei a fé” (2 Tm 4.7).

Elinaldo Renovato. Dons espirituais & Ministeriais Servindo a DEUS e aos homens com poder extraordinário. Editora CPAD. pag. 75-76. (Observação, Com acréscimos e modificações minhas - Pr. Henrique)

Paulo quis salientar diversas coisas através desse símbolo: Seu aparecimento súbito e aparentemente fora de tempo entre as fileiras apostólicas; sua «imaturidade» por ocasião de seu aparecimento; sua «inferioridade» natural diante dos outros apóstolos, exceto a graça de DEUS; e, no entanto, quão grande é a graça de DEUS que tal pessoa veio a tomar-se, por assim dizer, o principal dentre todos os apóstolos. E foi assim que Paulo completou a lista de testemunhas da ressurreição de CRISTO, aludindo a si mesmo. JESUS foi visto após sua morte, e estava vivo. E isso constitui um fato histórico digno de confiança. Conforme disse Sir William Barrett: «O que quer que os mais humildes homens afirmem, com base em sua própria experiência, isso é digno de ser ouvido; porém, aquilo que até mesmo os homens mais habilidosos negam, em sua ignorância, jamais merece um momento sequer de atenção».

Paulo se considerava bem pouca coisa. As palavras «...o menor dos apóstolos...» nada têm a ver com sua estatura física, ou seu poder espiritual ou suas realizações; porquanto, nessas coisas, ele foi realmente o maior de todos. Por igual modo, isso não se pode referir à sua dedicação, ao seu propósito e à sua espiritualidade genuína, pois, uma vez mais, nessas coisas, ele foi o maior de todos os apóstolos. Mas temos aqui a estimativa humilde em que Paulo tinha a si mesmo, no que concerne ao seu «valor pessoal», que ele poderia ter a fim de merecer tão elevado ofício. Em si mesmo, dificilmente ele era digno de ser ao menos um crente comum e possuir a vida eterna, em JESUS CRISTO, porquanto perseguira miseravelmente à igreja de DEUS. A dor de consciência se mostra clara aqui. Ele aprisionara pra serem assassinadas a mulheres e crianças inocentes, entre suas outras vítimas. Não admira, pois, que ele visse a si mesmo como o menor dos apóstolos e que se não fora a graça divina, nem ao menos era digno de ser chamado «apóstolo». (Comparar essa autodepreciação de Paulo com os trechos de Efé. 3:8 e I Tim. 1:15. Quanto às suas perseguições anteriores contra os cristãos, ver as passagens de Atos 8:3; Gál. 1:13 e Fil. 3:6).

Paulo havia dito que era ele qual um «aborto» entre os apóstolos; e essa era outra razão para ter-se em tão pouca conta. Ele empregou aqui o termo grego «ikanos», que é traduzido aqui por «digno». Mas essa não é a mesma palavra grega «aksios», a palavra grega ordinariamente traduzida por «digno». Antes, o termo aqui usado significa «competente», «adequado» (comparar com II Cor. 2:16). Ele não via qualquer mérito em si mesmo, como explicação de por que DEUS lhe outorgara tão estupenda graça. Contudo, a graça não lhe fora dada em vão, conforme sucede quando o livre arbítrio de um homem teimoso interfere com os planos divinos. Pelo contrário, a vontade de Paulo correspondia aos impulsos divinos; e isso era tudo que o Senhor requeria da parte dele. Seu «aborto» violento, para fora do judaísmo, fora uma necessidade; porque ele fora um destruidor; e, através desse processo, normalmente jamais teria vindo aos pés de CRISTO, e muito menos poderia ter assumido a posição de sua mais importante testemunha.

Todavia, a grande mancha de culpa de sua vida jamais foi olvidada pelo apóstolo Paulo (ver Gál. 1:3; I Tim. 1:12-14 e Atos 26:9). Por igual modo, não foi eliminado o princípio da colheita segundo a semeadura; porquanto existe uma lei que dita que tudo quanto um homem semear, isso também terá de colher. É o mesmo caso de Davi, o qual, mesmo depois de haver-se arrependido de seus pecados e de ter sido perdoado, teve de sofrer as consequências. Paulo ainda teria de pagar pelos erros cometidos. Ele, o grande perseguidor, tornou-se o grande perseguido. Aquele que havia encarcerado a outros, agora era frequentemente encarcerado. Aquele que havia assassinado a outros, finalmente foi morto. Essa é uma grande lei, que não admite qualquer exceção, até mesmo quando o perdão entra em operação. (Ver Gál. 6:7,8). «Houve ocasiões em que esse fato terrível (o de ter perseguido a igreja) confrontava a Paulo como um pesadelo. E quem não compreende essa forma de contribuição?» (Robertson, in loc.).

«Embora DEUS o tivesse perdoado, o próprio Paulo dificilmente se perdoaria por seu pecado passado». (Faucett, in loc.). O trecho de Efé. 3:8 apresenta Paulo a dizer algo ainda mais depreciativo a seu respeito. Lá ele aparece como «...o menor de todos os santos...».
CHAMPLIN, Russell Norman, O Novo Testamento Interpretado versículo por versículo. Editora Candeias. Vol. 4. pag. 239- 241.
(Observação, Com acréscimos e modificações minhas - Pr. Henrique)

I Cor 9.2 Ademais, não falta o ― selo à sua incumbência apostólica: ―Porque o selo de meu apostolado sois vós no Senhor. Como os coríntios podem duvidar da autenticidade de sua incumbência? Nesse caso também deveriam colocar em dúvida a autenticidade de sua condição cristã e sua existência como igreja de JESUS. “Se não sou apóstolo para outros, certamente o sou (pelo menos) para vós” [tradução do autor]. Essa é a sucinta e contundente ―defesa de seu apostolado contra os que se posicionam como juízes contra ele em Corinto.

Werner de Boor. Comentário Esperança Cartas aos I Corinto. Editora Evangélica Esperança.

I Cor 9.2 Paulo enfatiza a prova de seu apostolado, dada no primeiro versículo deste capítulo, onde diz que os próprios crentes de Corinto eram uma prova de seu ministério. Quanto a outros, que tão-somente tinham ouvido falar sobre Paulo, mas nunca tinham contemplado o seu poderoso ministério em primeira mão, era possível que se desculpassem por não reconhecer nele o grande homem de DEUS, de fé e poder como ele era. Mas os crentes de Corinto não podiam apresentar essa mesma desculpa. Acima de outros, tinham de reconhecer como CRISTO operava por intermédio dele. Paulo estivera entre aqueles coríntios por nada menos de dezoito meses, isto é, por mais tempo do que estivera entre qualquer outro grupo de pessoas, excetuando Éfeso.

«...selo...» Essa era a marca da autenticação, nas culturas antiga e moderna. O «selo» ou «caminho» da autoridade, impresso sobre um documento, é necessário para dar-lhe legalidade. Ora, os labores tão bem-sucedidos de Paulo serviam- lhe de selo, de autenticação. Entre esses labores havia o estabelecimento do evangelho na cidade de Corinto. Paulo não poderia ter conseguido tal coisa, a menos que tivesse sido preparado para tanto pelo ESPÍRITO de DEUS. Através do dons espirituais, que resultavam em poderosos sinais e grandes maravilhas, além de uma pregação eloquente e convincente, homens e mulheres ficavam convictos do poder de CRISTO, atuante nesse apóstolo. Nisso consistia o selo autenticador de Paulo.

Os sinais do meu apostolado foram manifestados entre vós, com toda a paciência, por sinais, prodígios e maravilhas. 2 Coríntios 12:12 (Observação, Com acréscimos e modificações minhas - Pr. Henrique)

Principais selos do ministério de Paulo - Sinais e Almas para CRISTO - são comprovações, são autenticações de seu ministério dado por JESUS CRISTO.
Os sinais do meu apostolado foram manifestados entre vós, com toda a paciência, por sinais, prodígios e maravilhas. 2 Coríntios 12:12

Se eu não sou apóstolo para os outros, ao menos o sou para vós; porque vós sois o selo do meu apostolado no Senhor. 1 Coríntios 9:2
«...mediante os sinais e portentos que ele operara entre eles, como diz Crisóstomo, alicerçado em II Cor. 12:11-13...a conversão era a grande prova». (Alford, in loc.).

De que maneiras eram utilizados esses selos?
1. Servia de sinal de autenticidade e autoridade, como o selo que José recebeu, na qualidade de representante de Faraó. 2. Servia para testificar e confirmar a autenticidade de documentos. (Ver Jer. 32:11-14; Nee. 9:38 e Dan. 9:24).
3. Servia para impedir a leitura de um documento ou livro. Simbolicamente, pois, esse tipo de selo representa algo oculto ou ainda não revelado.
Neste texto, o selo de que Paulo fala servia essencialmente como «autenticação» de seu ministério, como uma «testemunha», como uma confirmação do mesmo.
CHAMPLIN, Russell Norman, O Novo Testamento Interpretado versículo por versículo. Editora Candeias. Vol. 4. pag. 131.
(Observação, Com acréscimos e modificações minhas - Pr. Henrique)

III - APOSTOLICIDADE ATUAL (Ef 4.11)

1. Ainda há apóstolos?

Aplicamos este termo ao que já vimos no item 1.1, ao “Colégio Apostólico”, ou aos Doze discípulos que foram selecionados por JESUS, e enviados como apóstolos para dar início à Grande Comissão (Mc 16.15). Apóstolos como eles, não existem mais. Eles eram apóstolos no sentido estrito da palavra, e nas circunstâncias em que foram chamados e enviados por JESUS, como homem na Terra. Fizeram parte do primeiro colégio apostólico. Como esses não existem mais, porém, o ministério apostólico da Igreja está em pleno exercício (Ef 4.11).

1) Estiveram com CRISTO, durante todo o seu ministério terreno.

Os Doze (incluindo aqui Judas, o traidor) aprenderam aos pés de JESUS, o Mestre dos mestres, no mais perfeito curso de evangelização e discipulado que alguém poderia realizar. Próximo à sua morte, JESUS lhes disse: “E vós sois os que tendes permanecido comigo nas minhas tentações” (Lc 22.28). Ter visto a CRISTO, como home, vivo, é condição sinequanom para exercer tal ministério. Porém, ver a CRISTO ressurreto não é condição exclusiva, pois Paulo também o viu (1 Co 9.1,2). Mas o terem aceito seu chamado diretamente de sua parte desde o batismo de João Batista; de terem caminhado durante cerca de três anos e meio, ao seu lado, ouvindo sua palavra, e vendo seus milagres; de terem comido e dormido ao seu lado, muitas vezes sem ter “onde reclinar a cabeça” (Mt 8.20); só os Doze compartilharam momentos tão expressivos da humanidade, bem como da divindade de CRISTO (podemos incluir aqui outros dois discípulos, mas estes não foram escolhidos por JESUS como homem - José e Matias).

2) Eles estiveram com JESUS, após a sua ressurreição

Outros discípulos também estiveram com JESUS, como Maria Madalena, por exemplo. Mas os que compartilharam da companhia do Senhor, de modo privado e especial, foram os 11, visto que Judas traiu o Mestre e foi para o seu destino trágico (Observação minha - Pr. Henrique - Então agora eram 13 nesta ocasião já que os apóstolos disseram que José e Matias tinham acompanhado o mesmo que eles do ministério de JESUS, porém não foram escolhidos quando os doze foram).

“Chegada, pois, a tarde daquele dia, o primeiro da semana, e cerradas as portas onde os discípulos, com medo dos judeus, se tinham ajuntado, chegou JESUS, e pôs-se no meio, e disse-lhes: Paz seja convosco! E, dizendo isso, mostrou- lhes as mãos e o lado. De sorte que os discípulos se alegraram, vendo o Senhor. Disse-lhes, pois, JESUS outra vez: Paz seja convosco! Assim como o Pai me enviou, também eu vos envio a vós” (Jo 20.19-21). Enviar significa - apostolar, tornar apóstolo.

3) Receberam a Grande Comissão

O mandato para evangelizar o mundo é destinado a todos os crentes em JESUS, a toda a Igreja do Senhor. Mas os Doze receberam a ordem missionária, diretamente da boca de JESUS (Mc 16.15). JESUS não disse aos Doze que eles fizessem apóstolos, mas sim, discípulos em todas as nações (Mt 28.18-20).
4) Os Doze terão seus nomes nos fundamentos da Nova Jerusalém (Aqui Matias sim. Não Judas e nem Paulo) Esse importante detalhe, registrado no Apocalipse, certamente, constitui argumento mais que suficiente para se entender, que o apostolado especial dos Doze, que constituíam o primeiro Colégio Apostólico, não é repetido em nenhuma fase da História da Igreja. João viu esse singular privilégio, concedido unicamente aos que seguiram JESUS, durante o seu ministério terreno (Ap 21.12-14), mas também viu nascer o segundo apostolado, tendo como integrantes Tiago, irmão de JESUS que assumiu preeminência entre os apóstolos do primeiro colegiado, Andrônico, Júnias, Paulo e Barnabé; estes sendo apóstolos da igreja (At 15.Ef 4.11).

Para confirmar definitivamante que havia apóstolos depois dos doze primeiros, Tiago, irmão de JESUS era líder entre eles todos, em Jeruslám e não tinha sido escolhido por JESUS entre os doze primeiros apóstolos. O Tiago, irmão de João, já havia sido morto por Herodes (e matou à espada Tiago, irmão de João. Atos 12:2 ).
E, havendo-se eles calado, tomou Tiago a palavra, dizendo: Varões irmãos, ouvi-me. Atos 15:13

E não vi a nenhum outro dos apóstolos, senão a Tiago, irmão do Senhor. Gálatas 1:19
Note que mesmo João estando vivo na época de Paulo, muitos foram chamados de apóstolos, claro que apóstolos como ministério e não como os doze primeiros.
Elinaldo Renovato. Dons espirituais & Ministeriais Servindo a DEUS e aos homens com poder extraordinário. Editora CPAD. pag. 77-78.
(Observação, Com acréscimos e modificações minhas - Pr. Henrique)

ERA APOSTÓLICA, A época que tem início a partir do Pentecostes (aprox. 30 d.C.) até a morte do apóstolo João (aprox. 100 d.C.) é aquela em que os apóstolos estavam exercendo a sua influência entre as igrejas. Esta era prontamente se divide nos períodos pré-paulino (aprox. 30-40 d.C), paulino (aprox. 40-67 d.C.) e pós-paulino (aprox. 67-100 d.C). Durante o primeiro período, o cristianismo esteve grandemente confinado a Jerusalém e ao povo judeu. Não houve nenhuma tentativa de fazer um rompimento definitivo com o judaísmo até então. A vida da igreja foi marcada pela simplicidade, pureza e poder. No período paulino ocorreu uma transição de uma igreja judaica para gentio-judaica com uma expansão correspondente ao tamanho do império. Vários problemas começaram a tomar forma, tais como a perversão judaística na Galácia, irregularidades em Corinto e a heresia em Colossos. A principal figura do período pós-paulino foi o apóstolo João, cuja morte trouxe o final da Era Apostólica primeira, dada por CRISTO (dos doze primeiros apóstolos escolhidos por JESUS). Nesta época, o cristianismo havia sido firmemente plantado em todas as terras de Jerusalém a Roma (Observação minha - Pr. Henrique - agora com os apóstolos do ministério referidos por Paulo em Ef 4.11). PFEIFFER .Charles F. Dicionário Bíblico Wycliffe. Editora CPAD. pag. 161.(Observação, Com acréscimos e modificações minhas - Pr. Henrique)

Note que mesmo João estando vivo na época de Paulo, muitos foram chamados de apóstolos, claro que apóstolos como ministério e não como os doze primeiros.

Mt 19.28 Os apóstolos jamais se esqueceram da promessa de JESUS sobre o lugar que ocupariam no Seu Reino; isso era algo que ainda estava muito vivo na mente deles em Atos 1.15-26.

EarI D. Radmacher: Ronald B. Allen: H. Wayne House. O Novo Comentário Bíblico Novo Testamento com recursos adicionais. Editora Central Gospel. pag. 58-59.
2. Apóstolos fora dos doze.

Matias foi escolhido pelos onze e não foi reprovado por Paulo e muito menos por JESUS. O método de escolha foi totalmente correto, pois ainda não haviam sido batizados no ESPÍRITO SANTO e provaram ter total confiança e fé em DEUS para Ele escolhesse qual pedra sairia se referindo ao apóstolo escolhido por Ele.
Tiago, irmão de JESUS e escritor de um dos livros do Novo Testamento, foi colocado como apóstolo entre os primeiros apóstolos e assumiu posição de eminência entre eles (At 15.13).

Andrônico e Júnias (Saudai a Andrônico e a Júnia, meus parentes e meus companheiros na prisão, os quais se distinguiram entre os apóstolos e que foram antes de mim em CRISTO. Romanos 16:7)
Paulo e Barnabé (Ouvindo, porém, isto os apóstolos Barnabé e Paulo, rasgaram as suas vestes e saltaram para o meio da multidão, clamando Atos 14:14)

Esses são nomes de apóstolos que assumiram o ministério de apóstolos depois dos doze primeiros.

Sei que muitos foram ensinados por mestres do passado e achavam que Paulo é que tinha que ser escolhido no lugar de Matias, mas isso não é verdade. O próprio Paulo fala de doze apóstolos colocando Matias entre eles.
e que foi visto por Cefas e depois pelos doze. 1 Coríntios 15:5 - Judas já havia morrido e Matias já havia sido incluído entre os apóstolos.

Já ressaltamos o envio dos “setenta” discípulos, que, sendo enviados, de dois em dois, cumpriram o papel de apóstolos. Mas, além deles, o Novo Testamento também cita outros exemplos de apóstolos, como Paulo, que se considerou a si mesmo “o menor dos apóstolos” por ter perseguido “a igreja de DEUS” (1 Co.15.9; Rm 1.1; 2 Co 1.1); ele viu a JESUS CRISTO (1 Co 9.1). Tiago, irmão de JESUS (Barnabé também foi reconhecido como apóstolo (At 14.14). Havia “outros apóstolos”, a que Paulo se referia em sua carta aos romanos (Rm 16.7) e em outras epístolas (G1 1.19; 1 Ts 2.6,7).

A) A liderança dos apóstolos
Segundo o comentário da Bíblia de Estudo Pentecostal, os apóstolos “Eram homens de reconhecida e destacada liderança espiritual, ungidos com poder para defrontar-se com os poderes das trevas e confirmar o Evangelho com milagres. Cuidavam do estabelecimento de igrejas, segundo a verdade e pureza apostólicas”. Eles tinham a mensagem “original” de CRISTO.
- A minha palavra e a minha pregação não consistiram em palavras persuasivas de sabedoria humana, mas em demonstração do ESPÍRITO e de poder, 1 Coríntios 2:4
- Os sinais do meu apostolado foram manifestados entre vós, com toda a paciência, por sinais, prodígios e maravilhas. 2 Coríntios 12:12
- E digo isto para que ninguém vos engane com palavras persuasivas. Porque, ainda que esteja ausente quanto ao corpo, contudo, em espírito, estou convosco, regozijando-me e vendo a vossa ordem e a firmeza da vossa fé em CRISTO. Como, pois, recebestes o Senhor JESUS CRISTO, assim também andai nele, arraigados e edificados nele e confirmados na fé, assim como fostes ensinados, crescendo em ação de graças. Tende cuidado para que ninguém vos faça presa sua, por meio de filosofias e vãs sutilezas, segundo a tradição dos homens, segundo os rudimentos do mundo e não segundo CRISTO; porque nele habita corporalmente toda a plenitude da divindade. Colossenses 2:4-9
B) A itinerância dos apóstolos
Diz, ainda, a Bíblia de Estudo Pentecostal que os apóstolos “Eram servos itinerantes que arriscavam suas vidas em favor do nome de nosso Senhor JESUS CRISTO e da propagação do evangelho (At 11.21-26; 13.50; 14.19-22; 15;25,26). Um verdadeiro apóstolo de CRISTO deve ser, antes de tudo, um servo ou um servidor e não alguém em grau de superioridade ou supremacia entre os outros. deve viver em santidade e humildade, repartindo com os outros m4 ministérios suas responsabilidades eclesiásticas e ministeriais. Se há salário, deve ser repartido igualmente entre os cindo ministérios arrolados em Efésios 4.11 - Apóstolos - Profetas - Evangelistas - Pastores - Mestres.

C) A ordem de fazer discípulos
A expressão “ensinai todas as nações”, no texto bíblico original (Mt 28.19), escrito em grego, tem o sentido de fazer discípulos. A tradução mais aproximada seria “ide, fazei discípulos em todas as nações”. “O propósito da Grande Comissão é fazer discípulos que observarão os mandamentos de CRISTO e serão pregadores e ministros do evangelho daí para frente também. Este é o único imperativo direto no texto original deste versículo”. De modo mais didático e direto, lemos, na Bíblia de Estudo Palavras-Chave sobre o versículo de Mt 28.19: “3.100 (mathêteuo), intransitivo, tornar-se um aluno, transitivo, ser discípulo, i.e., inscrever-se como estudante: ser discípulo, instruir, ensinar. O termo correlato, mathetês (3101), “discípulo. Ser discípulo de alguém (Mt 27.57); treinar como discípulo, ensinar, instruir; por exemplo, a Grande Comissão (Mt 28.19). Também Mateus 13.52; Atos 14.21”.5.
Elinaldo Renovato. Dons espirituais & Ministeriais Servindo a DEUS e aos homens com poder extraordinário. Editora CPAD. pag. 78-80. (Observação, Com acréscimos e modificações minhas - Pr. Henrique)

3. O ministério apostólico atual.

Os missionários, se tivessem autoridade apostólica concedidos pela Igreja e dons do ESPÍRITO SANTO presentes em seu ministério, se fosse enviado só para locais sem crentes e se fossem sustentados pelo mesmo salário dos pastores, poderiam ser considerados hoje como apóstolos.

Como demonstrado, o ministério dos Doze, ou do primeiro colégio apostólico (incluído aí Matias), não se repete. Nenhum dos Setenta, nem qualquer dos apóstolos da Igreja Primitiva; ou dos tempos antigos, modernos, atuais, ou futuros, jamais terá seu nome nos fundamentos da Nova Jerusalém. Aqueles Doze foram únicos. Não há sucessão apostólica, como entende a Igreja Católica. Referindo-se aos apóstolos de JESUS do primeiro colegiado, no sentido especial, a Bíblia de Estudo Pentecostal diz: “O ministério de apóstolo nesse sentido restrito é exclusivo, e dele não há repetição. Os apóstolos originais do Novo Testamento escolhidos por JESUS, em forma humana, não têm sucessores”.

Atualmente, o que podemos ver como ministério de caráter apostólico, é o trabalho dos apóstolos de CRISTO como Tiago, irmão do Senhor, Andrônico, Júnias, Paulo e Barnabé o foram e que hoje fazem o mesmo tipo de trabalho abrindo e coordenando o trabalho de novas Igrejas. Onde deixamos espaço sem evangelizar se torna campo missionário a ser ocupado por um apóstolo e os missionários a eles inseridos.

Paulo ensina que JESUS, depois de subir ao alto e levar “cativo o cativeiro”, “deu dons aos homens”. Observando o texto bíblico, de Efésios 4.11, lemos: “E ele mesmo deu uns para apóstolos, e outros para profetas, e outros para evangelistas, e outros para pastores e doutores, querendo o aperfeiçoamento dos santos, para a obra do ministério, para edificação do corpo de CRISTO” (Ef 4.11,12). Esses “homens-dons”, concedidos por DEUS e seus ofícios ou ministérios, têm por finalidade alcançar a “unidade do ESPÍRITO” (Ef 4.3), visando “o aperfeiçoamento dos santos, para a obra do ministério” e a “edificação do corpo de CRISTO”.

O ministério de apóstolo deve ser desenvolvido, na atualidade, ao lado dos demais ministérios, indispensáveis à unidade e à edificação do corpo de CRISTO, em pé de igualdade e importância.
Homens como John Wesley, Gunnar Vingren, Daniel Berg, e tantos outros, em tempos mais recentes, podem ser considerados verdadeiros apóstolos de JESUS. São homens que expuseram suas vidas para levar a mensagem do evangelho aos mais longínquos lugares do mundo.

Elinaldo Renovato. Dons espirituais & Ministeriais Servindo a DEUS e aos homens com poder extraordinário. Editora CPAD. pag. 80-81. (Observação, Com acréscimos e modificações minhas - Pr. Henrique)

)))))))))))))))))))))))))))))))))))))))))))))))))))))))

Lição 7, O Ministério de Profeta

Revista Lições Bíblicas Adultos, CPAD, 2° Trimestre 2021
Tema: Dons Espirituais e Ministeriais - Servindo a DEUS e aos Homens com Poder Extraordinário Comentarista: Elinaldo Renovato de Lima
Complementos, Ilustrações e Vídeos: Pr. Luiz Henrique de Almeida Silva - 99-99152-
0454. - henriquelhas@hotmail.com - Americana - SP - Tel Esposa - 19-98448-2187

Lição 7, O Ministério de Profeta

https://www.youtube.com/playlist?list=PL9TsOz8buX18OmJJ1H8e7UzWzZsHCu6Pk (6 partes)

LEITURA BÍBLICA EM CLASSE - 1 Coríntios 12.27-29; Efésios 4.11-13.
1 Coríntios 12.
27 - Ora, vós sois o corpo de CRISTO e seus membros em particular. 28 - E a uns pôs DEUS na igreja, primeiramente, apóstolos, em segundo lugar, profetas, em terceiro, doutores, depois, milagres, depois, dons de curar, socorros, governos, variedades de línguas. 29 - Porventura, são todos apóstolos? São todos profetas? São todos doutores? São todos operadores de milagres?
Efésios 4.11 - E ele mesmo deu uns para apóstolos, e outros para profetas, e outros para evangelistas, e outros para pastores e doutores, 12 - querendo o aperfeiçoamento dos santos, para a obra g do ministério, para edificação do corpo de CRISTO, 13 - até que todos cheguemos à unidade da fé e ao conhecimento do Filho de DEUS, a varão perfeito, à medida da estatura completa de CRISTO.

Resumo da Lição 7 - O ministério de Profeta I- O PROFETA DO ANTIGO TESTAMENTO
1. Conceito.
2. O ofício.

3. O profetismo.
II- O PROFETA EM O NOVO TESTAMENTO
1. A importância do termo “profeta” em o Novo Testamento. 2. O ofício do profeta neotestamentário.

3. O objetivo do dom ministerial de profeta.
III
DISCERNINDO O VERDADEIRO PROFETA DO FALSO 1. Simplicidade x arrogância.
2. Pelos frutos os conhecereis.
3. Ainda sobre o falso profeta.
Comentários de 2014 e 2021

Nesta lição vamos estudar sobre o segundo Dom Ministerial de CRISTO - Pessoa dada a Igreja por JESUS - Dom ministerial de Profeta (Efésios 4.11).
São Vários os profetas mencionados como Profetas da Igreja como veremos no desenrolar da Lição.
O dom ministerial de Profeta é atual e atuante na Igreja de hoje. Mesmo que algumas denominações teimem em não o reconhecer eclesiasticamente, o profeta está na igreja e deve ser reconhecido para que o corpo de CRISTO cresça em graça, em conhecimento e poder.

Importância do ministério de Profeta

Quem recebe um profeta na qualidade de profeta receberá galardão de profeta; e quem recebe um justo na qualidade de justo, receberá galardão de justo. Mateus 10:41
Se fôssemos seguir à risca a Bíblia, os ministérios de Apóstolo e Profeta seriam os maiores ministérios da Igreja atual.
o qual, noutros séculos, não foi manifestado aos filhos dos homens, como, agora, tem sido revelado pelo ESPÍRITO aos seus santos apóstolos e profetas, Efésios 3:5 - Apóstolos e Profetas da Igreja - Novo testamento.

edificados sobre o fundamento dos apóstolos e dos profetas, de que JESUS CRISTO é a principal pedra da esquina; Efésios 2:20 - Apóstolos e Profetas da Igreja - Novo testamento.

O maior erro ao falarmos sobre Profeta é a confusão que se faz entre Profeta - Ministério (tanto no AT como no NT) com Dom de Profecia (geralmente é chamado de profeta quem profetiza - quem tem dom de profecia). Profeta é ministério. Ter dom de profecia não faz de alguém um profeta, ministério.
A mensagem dada por um profeta tem a ver com a revelação do futuro (dom de revelação - Palavra de Sabedoria) ou revelação do passado ou do presente (dom de revelação - Palavra de conhecimento ou da ciência).

Muitos profetas também foram e são usados em Dom da fé (ressuscitar mortos), Curas (dons de curar) e Milagres ou Maravilhas.
Dom de profecia é para edificação, exortação e consolação. Confirma o que já está no coração da pessoa. Não prevê nada.

Devido a imaturidade e a ignorância de nossos líderes quanto aos dons, a maioria dos "profetas" que vemos hoje são enganadores e inventam mensagens que DEUS não falou e nem mandou. Falta discernimento sobrenatural do ESPÍRITO SANTO e conhecimento dos Dons do ESPÍRITO SANTO na prática.

Qual ensino ou pregação Ágabo fez? Elias e Eliseu pregavam ou ensinavam alguma coisa? Não. Profeta não é mestre para ficar ensinando e nem é evangelista para ficar pregando. Ele tem uma mensagem futurística ou de revelação do pecado e o juízo sobre este pecado. Mensagem simples e direta que não está escrita na bíblia. É conversa de DEUS direta para uma pessoa, ou grupo de pessoas ou para a igreja ou para um país, etc...Dom Ministerial de CRISTO - Pessoa dada a Igreja por JESUS - Dom ministerial de Profeta (Efésios 4.11). São Vários os profetas mencionados como Profetas da Igreja. Atos 11:27 Agabo - Atos 15:32-34 - Judas e Silas - Atos 21:10-11 Agabo -1 Coríntios 12:28 profetas - Tito 1.12 - profeta - Efésios 3:5 - Apóstolos e Profetas da Igreja - Novo testamento. "edificados sobre o fundamento dos apóstolos e dos profetas, de que JESUS CRISTO é a principal pedra da esquina; Efésios 2:20" - Apóstolos e Profetas da Igreja - Novo testamento.

Profeta não fala o que está escrito na Bíblia.

Ele recebe uma mensagem sobrenatural, instantânea, para falar a alguém, ou a um grupo de pessoas, ou à igreja, ou a nação.
Parece estar havendo muita confusão sobre este dom por ser raro esse ministério entre os crentes assembleianos.
Hc 2:2 Então, o SENHOR me respondeu e disse: Escreve a visão e torna-a bem legível sobre tábuas, para que a possa ler o que correndo passa.

Só a partir do profeta proclamar o que DEUS lhe revelava é que se tornava bíblia.
O profeta não tirava da Bíblia o que ia falar.
Quem lê na Bíblia alguma coisa não é profeta e nem está profetizando.
A mensagem dada ao profeta é sobrenatural e espontânea. Ele não sabe o que vai falar até o momento que lhe é dado o que falar.

Profetas que profetizaram nascimento, vida e morte de JESUS aqui na Terra duraram até João. Hoje temos vários profetas na Igreja (Ef 4.11 - Exemplo clássico - Profeta Ágabo)

profeta, por nome Ágabo - Atos 21:10-11. - Judas e Silas, que também eram profetas - Atos 15:32-34
"E a uns pôs DEUS na igreja, primeiramente apóstolos, em segundo lugar profetas, em terceiro doutores, depois milagres, depois dons de curar, socorros, governos, variedades de línguas". 1 Coríntios 12:28.
"Um deles, seu próprio profeta, disse: Os cretenses são sempre mentirosos, bestas ruins, ventres preguiçosos. Este testemunho é verdadeiro. Portanto, repreende-os severamente, para que sejam sãos na fé". Tito 1:12-13.

Atos 13:1
João Batista, o último profeta? Existiam profetas na época do início da igreja? Existem profetas hoje?

João Batista foi o último profeta do Antigo Testamento - profetas do AT profetizaram sobre primeira vinda de JESUS e quase nada sobre depois disso, com raríssimas exceções. Alguns muito usados em milagres, alguns sem milagres, mas com grandes profecias messiânicas, alguns sem milagres e sem profecias messiânicas, mas com mensagens de juízo. Os verdadeiros eram temidos e pouco desejados em meio à sociedade em geral, principalmente entre os ricos e políticos. Eram pessoas de grande fé e santidade. Suas vidas eram inteiramente comprometidas com DEUS e sua palavra inspirada. A bíblia nos diz que nossa fé deve estar em conformidade com os ensinos dos apóstolos e dos profetas.

No Novo Testamento, como ocorre com os apóstolos, temos o ministério de Profeta. Efésios 2.20; 4.11 fala sobre isso e em muitas outras partes do NT, como por exemplo: Atos 11:27 - profetas; Atos 15:32 - Judas e Silas; Atos 21:10 - Ágabo; 1 Co 12.28, 29; Tito 1.12 - profeta que revela pecado; Apocalipse 18.20 profetas e apóstolos.
O ministério profeta deveria ser reconhecido na Igreja, mas com o passar do tempo, e devido à multiplicação do pecado, principalmente por parte da liderança da igreja, esse ministério teve a mesma sorte daquele que havia no AT, passaram a ser pessoas "non gratas" nas igrejas. Revelar pecado e juízo sobre esse pecado é uma das maiores tarefas de um legítimo profeta de DEUS, por isso sua pouca popularidade na igreja atual.

O que o profeta falaria hoje na igreja? O profeta revelaria o pecado oculto da maioria dos crentes de hoje. O profeta é excluído de nossos púlpitos devido ao temor dos líderes de que seus pecados sejam revelados e eles sejam desmascarados ante suas inocentes ovelhas que são tosquiadas a cada dia para enriquecimento dessas lideranças materialistas.

O pecado tem que ser combatido a qualquer custo e a mensagem do profeta deve ser ouvida na igreja para que o temor se apodere dos crentes e eles se arrependam de seus pecados e sejam sarados.
Lembremo-nos de que todos aqueles que escreveram nossos livros que estão contidos na bíblia e falam sobre alguma coisa no futuro, principalmente a escatologia, todos eles formam profetas de DEUS. Não existiria o livro de Apocalipse se não existisse profeta no Novo Testamento. Os ministérios podem ser mudados ao longo do tempo. Por exemplo, João que começou como apóstolo, terminou como profeta, escrevendo Apocalipse. Paulo que começou como Apóstolo, passou pelo ministério de profeta, evangelista, pastor e mestre.

O ministério é dado por CRISTO de acordo com a necessidade do momento. Paulo preso pode e é usado por JESUS como um legítimo profeta de DEUS, combatendo o pecado nas igrejas e falando sobre coisas futuras.
Todo profeta tem como confirmação de se ministério os dons do ESPÍRITO SANTO presentes em seu ministério.

Dom de Profecia X Ministério Profeta

Dom de Profecia é para edificação, exortação e consolação, não prediz nada, pode vir de 3 fontes, DEUS, homem e o Diabo; deve ser julgada.
Profeta é ministério
Profeta é usado em dons de revelação - fala a respeito do futuro (Palavra de Sabedoria - dentro da Onisciência de DEUS - DEUS sabe o futuro); também revela coisas ocultas tanto no passado quanto no presente (Dom da Palavra da ciência ou Conhecimento - dentro da Onipresença de DEUS - DEUS está presente em toda parte). profeta é usado em dons de poder (ressuscitar mortos - Fé; Curar doentes e enfermos - Dons de Curar; Modificação na natureza - milagres) - Alguns profetas escrevem a respeito de coisas futuras, como Apocalipse, por exemplo - são revelações das coisas futuras dadas ao profeta. Quem tem ministério de profeta não quer dizer que um dia não possa ter outros ministérios, pis Pedro e Paulo foram, além de apóstolos, profetas também..

Observação sobre sustento do profeta:
O Didaquê, obra da igreja primitiva que pode ser dada como de produção ao redor do ano 90 de nossa era (parece anteceder, inclusive, ao evangelho de João), e que é considerado como um manual de doutrina da igreja primitiva, diz o seguinte, sobre o trabalho
de mestres itinerantes na vida das comunidades cristãs da época: “Todo apóstolo (profeta e pregador também) que venha a vós seja recebido como o Senhor, porém não permanecerá mais que um dia, e se houver necessidade, ainda o outro dia; mas se permanecer três dias, é um falso profeta. E tendo saído o apóstolo nada tomará para si, a não ser pão, até o próximo alojamento. Mas se pede dinheiro é um falso profeta” (11.4-7). Não estou declarando o Didaquê como inspirado, como os escritos do Novo Testamento, mas reconhecendo-o como documento histórico e como manual de doutrina da Igreja. A conexão que ele faz entre apóstolo, profeta e pregador itinerante é

Na igreja que estava em Antioquia havia alguns profetas e doutores, a saber: Barnabé, e Simeão, chamado Níger, e

Lúcio, cireneu, e Manaém, que fora criado com Herodes, o tetrarca, e Saulo.

interessante, bem como o método para descobrir se é falso o apóstolo ou profeta ou pregador itinerante: se busca levar vantagem no exercício de sua função. Por que existem altos cachês? Porque existem pastores que pagam. São falsos pastores pagando falsos profetas? Será que esses falsos profetas só profetizam coisas boas para esses pastores para receberem seus altos cachês? <http://www.ensinameaviver.com.br/admin/pdf/O_PROFETISMO_EM_ISRAEL_-_Isaltino_Gomes_Coelho_Filho.pdf >

A importância do ministério do profeta neotestamentário.
Atos 11:27 - profeta Ágabo
E, levantando-se um deles, por nome Ágabo, dava a entender pelo ESPÍRITO, que haveria uma grande fome em todo o mundo, e isso aconteceu no tempo de Cláudio César.

Veja a importância de um profeta aqui - este profeta previu uma grande seca em todo mundo - DEUS lhe revelou algo que haveria de acontecer no futuro. Deveríamos desejar que esse ministério fosse ativo na igreja - DEUS poderia nos dizer muita coisa grandiosa, mesmo antes de que elas acontecessem. Alguns historiadores dizem que pouco antes que o general Tito destruísse Jerusalém, DEUS enviou uma mensagem, através de um profeta, a igreja que estava em Jerusalém, avisando da tragédia que se avizinhava. Quem deu crédito ao que dizia o profeta de DEUS, fugiu da cidade e escapou com vida.

O dom Palavra de Sabedoria é muito percebido agindo no profeta, por isso mesmo, muitos escreveram a respeito de coisas que aconteceram muito depois de suas épocas e que ainda vão acontecer depois de nossa época, tanto os profetas do AT quanto os do NT. Um legítimo profeta recebe mensagens futurísticas de DEUS que sabe tudo sobre o futuro, dentro de Sua Onisciência, e revela a seus profetas.

"Certamente o Senhor DEUS não fará coisa alguma, sem ter revelado o seu segredo aos seus servos, os profetas". Amós 3:7

Atos 15:32-34

"Depois Judas e Silas, que também eram profetas, exortaram e confirmaram os irmãos com muitas palavras. E, detendo- se ali algum tempo, os irmãos os deixaram voltar em paz para os apóstolos; Mas pareceu bem a Silas ficar ali". Atos 15:32-34

Judas e Silas eram respeitados profetas da Igreja e foram encarregados de passarem nas igrejas abertas por Paulo para corrigirem erros doutrinários exigidos pelos falsos apóstolos e profetas que por ali passaram. Judas e Silas transmitiram aos irmãos a resoluções do primeiro concílio da igreja.
Veja a importância de verdadeiros profetas de DEUS que adquirem respeito e confiança da igreja. Os apóstolos confiavam a eles uma de suas mais importantes resoluções da igreja.

Atos 21:10-11

"E, demorando-nos ali por muitos dias, chegou da Judéia um profeta, por nome Ágabo; E, vindo ter conosco, tomou a cinta de Paulo, e ligando-se os seus próprios pés e mãos, disse: Isto diz o ESPÍRITO SANTO: Assim ligarão os judeus em Jerusalém o homem de quem é esta cinta, e o entregarão nas mãos dos gentios". Atos 21:10-11.

Veja aqui, mais uma vez, a importância de um profeta que fala a respeito do futuro. Paulo, agora, já sabia o que lhe aconteceria no futuro. Poderia fazer a escolha entre obedecer integralmente à ordem de JESUS para ele ou de servir a DEUS parcialmente. Temos a escolha de conhecer a vontade perfeita de DEUS para nós ou de conhecer sua vontade permissiva. Só recebem tudo de DEUS aqueles que são capazes de entregar-se totalmente a DEUS. São capazes de dar suas vidas pelo evangelho. "Certamente o Senhor DEUS não fará coisa alguma, sem ter revelado o seu segredo aos seus servos, os profetas". Amós 3:7.

1 Coríntios 12:28

"E a uns pôs DEUS na igreja, primeiramente apóstolos, em segundo lugar profetas, em terceiro doutores, depois milagres, depois dons de curar, socorros, governos, variedades de línguas". 1 Coríntios 12:28.
Isto é Bíblia, é Palavra de DEUS, deve ser praticado na Igreja.
Veja a importância do ministério de profeta. Aqui Paulo o coloca em segundo lugar de importância para a edificação e progresso da igreja.

Tito 1.12 - profeta que revela pecado

"Um deles, seu próprio profeta, disse: Os cretenses são sempre mentirosos, bestas ruins, ventres preguiçosos. Este testemunho é verdadeiro. Portanto, repreende-os severamente, para que sejam sãos na fé". Tito 1:12-13.

Veja aqui Paulo dando testemunho da veracidade de uma palavra de um profeta a respeito dos cretenses. Um profeta sabia a verdade sobre a igreja, pois enxergava da maneira que DEUS enxergava e a revelava ao apóstolo.

Apocalipse 18.20 profetas e apóstolos.

Alegra-te sobre ela, ó céu, e vós, santos apóstolos e profetas; porque já DEUS julgou a vossa causa quanto a ela. Apocalipse 18:20
Um dia DEUS dará a paga aos perseguidores dos profetas de DEUS. Quase não se vê um profeta na igreja de hoje. São perseguidos. Não têm oportunidade para transmitirem as mensagens diretas de DEUS a seu povo, em nossos púlpitos. São considerados como escória. São desprezados. São tidos como loucos. Ainda bem que um dia DEUS os recompensará.

Como identificar se a mensagem é vinda de um ministério Profeta ou de alguém usado em dom de profecia?
Quando se fala a respeito de coisas futuras ou coisas passadas ou ocultas quando se revela pecados ocultos e notícia de juízo é Ministério de profeta. O profeta revela às vezes um problema ou uma doença, ou um juízo e já traz a solução com um milagre, uma transformação.
A profecia não traz o milagre junto. A profecia é mais um aconselhamento, para edificação, consolação e exortação. Não tem elemento preditivo e nem palavra de juízo contra o pecado. A profecia é para indicar a presença de DEUS na vida do crente ou descrente. É em sua maioria, uma resposta de DEUS a uma oração do crente.
Não confunda profecia com Profeta, por favor. profecias devem ser julgadas. Profeta - homem de DEUS que traz uma mensagem de DEUS, revelando pecados ou coisas ocultas e futurísticas. Na hora que o profeta fala já se sabe se é de DEUS ou não. Se a mensagem for a respeito do futuro só se saberá se é de DEUS se acontecer o cumprimento. Não se pode julgar o que ainda não aconteceu.

Porque existe uma rejeição intensa para com o profeta ministerial nos dias de hoje?

Não só hoje, mas o profeta sempre foi temido, excluído, colocado à margem dos poderosos. O profeta tem a revelação do pecado, principalmente o pecado da liderança. profeta revela roubo de dinheiro na secretaria, desvio de dinheiro das obras sociais e de missões, revela superfaturamentos nas notas fiscais, revela adultérios, revela homossexualidade, lesbianismo, prostituição, etc... Imagine quem quer um profeta em sua igreja!!! O rei da igreja, ou o ditador da igreja morre de medo de um profeta e não dá oportunidade para ele pregar de jeito nenhum.

Revista Ensinador Cristão CPAD, n° 58, p.39

O ministério de profeta ainda é válido para os nossos dias? Esta pergunta é polêmica em alguns lugares. Há pessoas que dão por encerrado esse ministério. Se fosse verdade, algumas perguntas seriam inevitáveis: Quando encerrou? Quem o encerrou? E como ficam as experiências do exercício do ministério de profeta relatadas pelo Novo Testamento e ao longo da História da Igreja?

Os exemplos são diversos. Em o Novo Testamento Ágabo e outros profetas exerciam o ministério em Antioquia (At 11.27-30; 21.10-12).
Outros exemplos são profusos na história da Igreja. Podemos começar por um documento cristão antigo datado do segundo século: "Didaquê: A Instrução dos Doze Apóstolos". Apesar de se chamar "A instrução dos Doze", o documento não foi escrito pelos doze apóstolos de CRISTO, mas formulado pelas lideranças da igreja do segundo século objetivando orientar os fiéis sobre vários assuntos da vida cristã. No capítulo 11, sobre "A Vida em Comunidade", os versículos 7-12 do documento falam do pleno exercício do ministério de profeta conforme registrado em Efésios 4.11.

À semelhança do Antigo Testamento, o ministério dos profetas neotestamentários, e na história da Igreja, sempre foi exercido nas raias da marginalização. Indo no caminho contrário ao que foi institucionalizado como certo, quando na verdade estava corrompido e longe dos desígnios de DEUS. Foi assim no Antigo Testamento; assim ocorreu em o Novo Testamento; e vem acontecendo ao longo da rica história eclesiástica. Por que teria de ser diferente na contemporaneidade? (com algumas alterações do Pr. Henrique).

COMENTÁRIO/INTRODUÇÃO

O maior erro ao falarmos sobre Profeta é a confusão que se faz entre Profeta - Ministério (tanto no AT como no NT) com Dom de Profecia (geralmente é chamado de profeta quem profetiza - quem tem dom de profecia).
Profeta é ministério.
Ter dom de profecia não faz de alguém um profeta, ministério.

A mensagem dada por um profeta tem a ver com a revelação do futuro (dom de revelação - Palavra de Sabedoria) ou revelação do passado ou do presente (dom de revelação - Palavra de conhecimento ou da ciência).

Muitos profetas também foram e são usados em Dom da fé (ressuscitar mortos), Curas (dons de curar) e Milagres ou Maravilhas.
Dom de profecia é para edificação, exortação e consolação. Confirma o que já está no coração da pessoa. Resposta a uma oração. Não prevê nada.

Devido a imaturidade e a ignorância de nossos líderes quanto aos dons, a maioria dos "profetas" que vemos hoje são enganadores e inventam mensagens que DEUS não falou e nem mandou. Falta discernimento e conhecimento dos Dons do ESPÍRITO SANTO.

Neste capítulo, discorremos sobre o dom ministerial de profeta, na igreja cristã. É um assunto que envolve dificuldades de interpretação, tendo em vista alguns aspectos que parecem não estar bem claros, no texto neotestamentário. Quando se estuda a missão dos profetas, no Antigo Testamento, normalmente, não há grandes questionamentos. Mas, no âmbito do Novo Testamento, persistem algumas indagações. Há dúvidas acerca da correlação entre o dom de “profeta” e o dom espiritual de “profecia”. O profeta, na igreja atual é um dom ou é um ofício? E um cargo ministerial, como alguém utiliza, acima dos demais? Já existem igrejas em que seu titular já foi pastor, bispo, apóstolo e, atualmente, é chamado de “o profeta”!
A Igreja Primitiva é o modelo ideal a ser seguido pelas igrejas cristãs ao longo da História. Mesmo considerando algumas especificidades ministeriais, face ao contexto histórico e cultural de sua época, o que foi ensinado por JESUS e por seus apóstolos, ao longo do desenvolvimento das igrejas locais, tem valor essencial para quaisquer igrejas, em todos os tempos e lugares, no mundo em que vivemos. Desse modo, constatamos que tanto o dom de profecia como o ofício ou o dom ministerial de profeta eram naturalmente reconhecidos pelos cristãos primitivos.
Em momentos cruciais, quando as adversidades ameaçavam a comunidade cristã, homens de DEUS eram levantados para transmitir a mensagem de orientação, necessária para sua estabilidade. Os profetas do Novo Testamento não eram pessoas procuradas por irmãos ou grupos de irmãos, com a finalidade de buscarem orientações pessoais. Eles eram usados, em momentos especiais, quando havia uma necessidade de uma palavra especial da parte de DEUS. E o faziam de modo espontâneo, sem qualquer ideia de premeditação ou direcionamento da parte do profeta, como ocorre, infelizmente, em alguns lugares, nos dias presentes. Também não tinham o ofício de profeta, idêntico ao dos profetas do Antigo Testamento.
O profeta do Antigo Testamento era um homem que, além de transmitir a mensagem de DEUS, tinha outras atribuições de ordem nacional. Na unção dos reis, eram os profetas que tinham a incumbência de derramar o azeite santo da unção sobre a cabeça dos governantes (1 Sm 16.1; 1 Rs 19.16).
No Novo Testamento, o profeta tem função essencialmente voltada para o âmbito da igreja local. Mas, de modo geral, o profeta da igreja cristã atende à necessidade de edificação, exortação e consolação dos crentes (1 Co 14.3). Uma pessoa pode ter o dom espiritual de profecia sem ter o dom ministerial de profeta.
Não se pode dizer que a igreja do século XXI não precisa mais de profetas. Considerando que, antes da Vinda de JESUS, está prevista terrível manifestação da apostasia (2 Ts 2.3), é indispensável que a igreja local tenha a presença da manifestação do ESPÍRITO SANTO, tanto através do dom de profecia, como a palavra dos profetas de DEUS.
O profeta de hoje não tem a missão de ungir reis ou profetas em seu lugar, mas tem a grave responsabilidade de transmitir a mensagem de DEUS, nos momentos necessários, no tempo certo, para pessoas ou para a comunidade cristã. Essas mensagens são de grande valia, para denunciar as ameaças ou existência de pecados que comprometem a integridade espiritual do Corpo de CRISTO.
Quem tem um dom de DEUS deve ter consciência de que é apenas um servo e não um senhor dos outros.
Elinaldo Renovato.
Dons espirituais & Ministeriais Servindo a DEUS e aos homens com poder extraordinário. Editora CPAD. pag. 82-83. (com algumas alterações do Pr. Henrique).

JESUS FALOU SOBRE A PERSEGUIÇÃO AOS APÓSTOLOS E PROFETAS - Lc 11:49 Por isso diz também a sabedoria de DEUS: Profetas e apóstolos lhes mandarei; e eles matarão uns, e perseguirão outros;

AS POSIÇÕES PRIMORDIAIS DA IGREJA SÃO APÓSTOLOS, PROFETAS E MESTRES. 1Co 12:28 E a uns pôs DEUS na igreja, primeiramente apóstolos, em segundo lugar profetas, em terceiro doutores, depois milagres, depois dons de curar, socorros, governos, variedades de línguas.

BATISMO NO ESPÍRITO SANTO É PARA TODOS, DONS DO ESPÍRITO SANTO SÃO PARA POUCOS E MINISTÉRIOS SÃO PARA POUQUÍSSIMOS. 1Co 12:29 Porventura são todos apóstolos? São todos profetas? São todos doutores? São todos operadores de milagres?

A IGREJA É EDIFICADA SOBRE O FUNDAMENTO DOS APÓSTOLOS E PROFETAS - JESUS CRISTO - Ef 2:20 Edificados sobre o fundamento dos apóstolos e dos profetas, de que JESUS CRISTO é a principal pedra da esquina;

REVELAÇÕES EXTRAORDINÁRIAS FORAM DADAS AOS APÓSTOLOS E PROFETAS - Ef 3:5 O qual noutros séculos não foi manifestado aos filhos dos homens, como agora tem sido revelado pelo ESPÍRITO aos seus santos apóstolos e profetas;

APÓSTOLOS E PROFETAS SÃO MINISTÉRIOS DE CRISTO - Ef 4:11 E ele mesmo deu uns para apóstolos, e outros para profetas, e outros para evangelistas, e outros para pastores e doutores,

AS PALAVRAS DITAS PELOS APÓSTOLOS E PROFETAS DEVEM SER GUARDADAS - 2Pe 3:2 Para que vos lembreis das palavras que primeiramente foram ditas pelos santos profetas, e do mandamento do SENHOR e Salvador, mediante os vossos apóstolos.

APÓSTOLOS E PROFETAS TÊM UMA CAUSA EM COMUM - Ap 18:20 Alegra-te sobre ela, ó céu, e vós, santos apóstolos e profetas; porque já DEUS julgou a vossa causa quanto a ela.

I- O PROFETA DO ANTIGO TESTAMENTO 1. Conceito.
2. O ofício.
3. O profetismo.

I- O PROFETA DO ANTIGO TESTAMENTO

1. Conceito.

No Antigo Testamento, o ofício do profeta era de âmbito nacional. Quando DEUS levantava um profeta, conferia-lhe a missão de falar em seu Nome para toda a nação e até para povos estranhos. Este poderia receber consultas para falar com DEUS e dar a resposta de DEUS.

Esta palavra é derivada do termo grego prophetes, “aquele que fala sobre aquilo que está porvir [ou adiante]”, um proclamador ou intérprete da revelação divina (Arndt, p. 730). Ela geralmente refere-se àquele que age como porta-voz. Às vezes, também é sinônimo de “vidente” ou “pessoa inspirada”, e traz a conotação de um prenunciador ou revelador de eventos futuros. O uso prático determina o sentido em que a palavra deve ser entendida.

PRESTE ATENÇÃO A ISTO - “profeta é aquele que fala sobre aquilo que está no porvir [ou adiante, ou no futuro]” - O DOM QUE MAIS AGE NO PROFETA É O DOM DE PALAVRA DE SABEDORIA, OU SEJA, REVELAÇÃO DO FUTURO.
Também o profeta é muito usado em Palavra de Conhecimento (revelação do passado ou de alguma coisa desconhecida onde está, no presente.
No Novo Testamento temos exemplo bem prático no profeta Ágabo.

Terminologia.

No AT hebraico são encontradas diversas palavras cujo significado preciso deve ser determinado mais pelo uso do que pela etimologia. Entre elas, aquela que ocorre mais frequentemente é nabi‘. Várias tentativas foram feitas pelos estudiosos para descobrir o significado etimológico dessa palavra (cf. My Servants the Prophets, pp. 56-57), porém os resultados não foram satisfatórios. Entretanto, sua utilização comum mostra a força que possui. Dessa forma, em Deuteronômio 18.18, DEUS afirma que o profeta (nabi") declarará tudo que Ele lhe ordenar. Novamente, em Êxodo 7.1, essa palavra tem o mesmo significado. Outras passagens são Êxodo 4.15,16; Jeremias 1.17a; 15.19 etc. Em todas elas, e na verdade através de todo o AT, a palavra nabi’ aparece como aquele que declara uma mensagem em nome de um superior.

A religião divinamente revelada do AT é considerada como sendo de natureza bastante prática. Em muitas culturas pagãs, por outro lado, o que é proeminente é a maneira pela qual o vidente recebeu a mensagem. Parece que não é a proclamação propriamente dita, mas o obscuro cenário de mistério que recebe a maior ênfase. Nesse ponto, o AT mostra um contraste muito grande com o mundo pagão. Não há dúvida de que a mensagem profética não é de origem humana, mas divina (2 Pe 1.20,21), e por essa razão o profeta do AT era diferente do adivinhador pagão ou vaticinador da Antiguidade. Enquanto o adivinhador poderia ter recebido sua “mensagem” ou presságios através de métodos de invenção humana, as palavras do profeta originam-se de audições, sonhos e visões enviadas por DEUS. Miquéias afirmava que estava cheio de poder - do ESPÍRITO do Senhor - para tornar conhecidos à nação de Israel os pecados que haviam praticado (Mq 3.8).
Duas outras palavras, ro’eh e hozeh, ambas particípios, dizem respeito àquele que vê, e são praticamente usadas como sinônimos. Em ambas, a força recai sobre o método de receber a revelação, isto é, de ver. Ro’ek e hozeh eram homens que recebiam a mensagem que DEUS lhes havia enviado. É difícil dizer se essa visão acontecia através dos olhos físicos, ou de uma visão, ou se a palavra poderia estar referindo-se a uma visão metafórica como um discernimento sobrenatural. É possível que o vidente fosse simplesmente um homem que com seu “olho interior" enxergava a verdade

que DEUS lhe enviava. Ao mesmo tempo, está claro a partir de uma comparação entre as principais passagens nas quais essa palavra ocorre (por exemplo, 1 Sm 9.9; Is 30.9,10) que ro’eh e hozeh eram porta-vozes de DEUS. Sua função era a mesma do nabi’. Resumindo, podemos dizer que o profeta do AT, por qualquer nome que porventura lhe fosse designado, era aquele em cuja boca DEUS havia colocado suas Palavras, e que transmitia essas preciosas Palavras ao povo. Também DEUS fala diretamente com o profeta algumas vezes. (Então, falou DEUS a Noé, dizendo: Gênesis 8:15; Então, caiu Abrão sobre o seu rosto, e falou DEUS com ele, dizendo: Gênesis 17:3; Falou mais DEUS a Moisés e disse: Eu sou o Senhor. Êxodo 6:2).

Adão foi o primeiro profeta

Abraão era profeta - Por que podemos dizer que Abraão era profeta?
Porque DEUS disse.
Agora devolva a mulher ao marido dela. Ele é profeta, e orará em seu favor, para que você não morra. Mas se não a devolver, esteja certo de que você e todos os seus morrerão". Gênesis 20:7

O profeta e Moisés.

Para um melhor entendimento da origem divina da instituição profética, a passagem chave está em Deuteronômio 18.9- 22. Em contrapartida à contínua atividade dos adivinhadores e vaticinadores cananeus, DEUS prometeu enviar a Israel seus profetas. Portanto, Israel não seria compelida a lançar mão de meios humanos para obter informações sobre a vida e a morte. Antes, a nação deveria dar ouvidos aos profetas que iriam declarar as verdadeiras Palavras de DEUS. Dessa forma, assim como Moisés, ele seria um mediador entre DEUS e a nação. Da mesma forma como o sacerdote representava o povo perante DEUS, também o profeta representava DEUS perante o povo. Entretanto, nenhum dos profetas foi uma cópia exata de Moisés. Somente com a vinda de CRISTO eles realmente conheceram aquele grande Profeta que fora verdadeiramente representado por Moisés, aquele que conhecia a DEUS Pai face a face (Dt 34.10; cf. Nm 12.8).

DEUS falava com Moisés. Ele falava claramente, frente a frente, e não através de frases enigmáticas ou obscuras. Por outro lado, *DEUS também falava aos outros profetas por meio de sonhos e visões, e as Escrituras sugerem que Ele também pode ter falado através de enigmas (Nm 12.1-6).
Portanto, os profetas eram homens a quem DEUS criou para declarar a sua vontade à nação. Eles estavam de acordo com a época à qual pertenciam, e indicavam a vinda daquele que iria personificar, no sentido mais pleno e mais completo, os ideais da instituição profética (JESUS). Por isso os profetas do AT duraram até João Batista. Dai para frente os profetas da Igreja seriam iniciados em seu ministério, agora para JESUS falar através deles à Igreja, principalmente.

Escolas de profetas.

Durante o período de Samuel foram feitas referências a grupos de profetas. Sabemos pouco sobre esses grupos, embora eles tenham sido objeto de muita especulação. Entretanto, parece que ajudaram Samuel a ministrar às necessidades espirituais da nação.
A obra da teocracia revelou-se demasiadamente grande para Moisés, e por esta razão foram escolhidos 70 anciãos para ajudá-lo nessa árdua tarefa. No período de Samuel, essa obra revelou-se novamente muito grande para um único indivíduo. Esse período foi particularmente crucial, pois a época dos juizes estava chegando ao fim e a monarquia estava apenas começando. Havia a necessidade da presença do ESPÍRITO, não apenas em Samuel, mas também naqueles de menor estatura.

Não sabemos praticamente nada sobre a organização desses grupos. Eles foram descritos como um “grupo” ou “rancho” (hebet); eles dedicavam-se a profetizar e a louvar a DEUS ao som de músicas (1 Sm 10.5,10). E provável que o grupo tenha sido organizado por Samuel, porém as Escrituras não afirmam esse fato explicitamente.
Depois da divisão da monarquia, aparece novamente um corpo de profetas, dessa vez chamado de “filhos dos profetas” (q.v.). Eles eram encontrados somente no Reino do Norte, em conexão com o ministério de Elias e Eliseu. Nessa época, além de ter sido dividida, a nação enfrentava um perigo adicional pela influência do culto ao deus Baal dos fenícios. Dessa forma, os profetas colocaram-se em uma associação mais íntima com Elias e Eliseu do que no caso do grupo de profetas em relação a Samuel. Por essa razão, eles foram chamados de “filhos”, isto é, filhos espirituais de mestres proféticos. Eles podem ter se casado (cf. 2 Rs 4.1) e tido um lugar comum para morar (cf. 2 Rs 6.1,2). E Amós era filho de um profeta (Am 7.14). DEUS continuou comunicando aos seus profetas o que pretendia fazer e eles transmitiam ao povo. "Certamente o Senhor DEUS não fará coisa alguma, sem ter revelado o seu segredo aos seus servos, os profetas". Amós 3:7

O profeta e a teocracia.

O sacerdote era o representante formal e oficial da religião, enquanto podemos entender que o profeta havia sido chamado para um tipo mais espiritual de religião. A ênfase ao sacerdote e ao profeta não era necessariamente antagônica. Do ponto de vista bíblico-teológico, podemos dizer que o profeta era um guardião da teocracia. De acordo

com o costume da época, ele realmente tinha acesso à presença dos reis. Quando os reis teocráticos precisavam de algum encorajamento ou censura, o profeta estava sempre presente para oferecer a sua ajuda (por exemplo, 2 Sm 12; Is 7.3ss.; Is 37.5-7; 21.35). Era seu dever mostrar o curso de ação que DEUS desejava que a nação adotasse, portanto, os profetas não eram simples figuras políticas, mas pronunciavam-se sobre questões políticas porque elas poderiam influir no futuro curso da teocracia.
Profeta Natã e Davi - Por que, pois, desprezaste a palavra do Senhor, fazendo o mal diante de seus olhos? A Urias, o heteu, feriste à espada, e a sua mulher tomaste por tua mulher; e a ele mataste com a espada dos filhos de Amom. Agora, pois, não se apartará a espada jamais da tua casa, porquanto me desprezaste e tomaste a mulher de Urias, o heteu, para que te seja por mulher.
Assim diz o Senhor: Eis que suscitarei da tua mesma casa o mal sobre ti, e tomarei tuas mulheres perante os teus olhos, e as darei a teu próximo, o qual se deitará com tuas mulheres perante este sol.
Porque tu o fizeste em oculto, mas eu farei este negócio perante todo o Israel e perante o sol. 2 Samuel 12:9-12
Todo profeta está sujeito a errar e falar o que DEUS não mandou falar, principalmente por dedução ou por crer que poderá falar o que DEUS quer falar. O Profeta Natã falhou ao não consultar a DEUS e querer agradar ao rei Davi - Sucedeu, pois, que, morando Davi já em sua casa, disse Davi ao profeta Natã: Eis que moro em casa de cedros, mas a arca do concerto do Senhor está debaixo de cortinas. Então, Natã disse a Davi: Tudo quanto tens no teu coração faze, porque DEUS é contigo. Mas sucedeu, na mesma noite, que a palavra do Senhor veio a Natã, dizendo: Vai e dize a Davi, meu servo: Assim diz o Senhor: Tu me não edificarás uma casa para morar, 1 Crônicas 17:1-4
Pedro errou ao querer ter pena de JESUS, não sabendo o plano de salvação na morte de cruz de JESUS, acabou sendo usado por Satanás. Ele, porém, voltando-se, disse a Pedro: Para trás de mim, Satanás, que me serves de escândalo; porque não compreendes as coisas que são de DEUS, mas só as que são dos homens. Mateus 16:23

Profetas falsos e verdadeiros.

Era de se esperar que a verdadeira profecia sofresse a oposição dos imitadores (Dt 13.1-5). Alguns homens falavam em nome de outros deuses, mas alguns falavam falsamente em nome de Iavé. Um exemplo notável desses últimos foi Hananias, que falsamente profetizou a respeito do exílio (Jr 28).
Para distinguir o verdadeiro profeta do falso, que declarava falar em nome de DEUS, havia o teste do cumprimento da profecia: seu cumprimento versus seu não-cumprimento (Dt 18.20-22; cf. Jr 28). No caso daqueles profetas que prenunciavam eventos em um futuro tão distante que não poderiam ser avaliados pelo teste do cumprimento, eles eram julgados pela sua doutrina, além de quaisquer eventos que pudessem ocorrer durante sua vida (cf. Jr 25.12; Dn 9.3-7). Às vezes, os falsos profetas eram apenas homens enganados (Lm 2.14; Ez 13.2-7), mas, em sua maioria, eram homens embriagados cuja principal preocupação era o dinheiro e os ganhos que poderiam auferir (por exemplo, Is 28,7; Mq 3.5- 11).

O profeta e o Messias.

O movimento profético como um todo deve ser entendido como uma preparação para a vinda do Messias. Se o pecado de Adão e Eva não tivesse acontecido, não haveria necessidade de um Messias ou dos profetas. De acordo com os profetas, o Messias era aquele que iria realizar um papel triplo. Ele seria sacerdote, profeta, e rei. Existem certos elementos essenciais no quadro messiânico que são apresentados pelos profetas.

1. A vinda do Messias é sobrenatural. O Messias não é apenas uma figura humana cujo aparecimento na cena da história foi acidental. Ele é, verdadeiramente, uma figura humana, porém sua vinda é a chegada do próprio DEUS (por exemplo, “Emanuel", Is 7.14; Mq5.2; Zc 6.12).
2. O próprio Messias é uma pessoa divina. Passagens como Isaías 9.6,7 mostram que Ele é realmente DEUS.
3. A vinda do Messias é escatológica. Ela prenuncia o fim dos tempos (Ml 3.14; Ag 2.6-9).
4. O Messias é um Rei que irá governar em perfeita virtude e justiça (Jr 23.5; Is 11.1-5; Zc 6.13).
5. O Messias é um profeta que declara a Palavra de DEUS com claridade e plenitude até então incomparáveis (Dt 18.9- 22).
6. A obra messiânica é sotérica (Is 53.5,6,10- 12; Zc 12.10; 13.1). A essência da tarefa do Messias é salvar seu povo dos pecados que praticaram. O Messias é o Salvador.

Se alguém comparar o conteúdo desse quadro do Messias com o da consciência messiânica de nosso Senhor, ficará admirado pela impressionante semelhança. Os elementos aqui mencionados são essenciais à figura completa do Messias contida no AT. Se eliminarmos qualquer um deles, o quadro será prejudicado. Desnecessário dizer que nem todos esses elementos podem ser encontrados em cada uma das profecias messiânicas; antes, em uma determinada profecia alguns deles podem ter recebido maior ênfase do que outros. Por exemplo, em Isaías 53 o elemento sotérico é o mais importante, enquanto o elemento real está mais ou menos obscuro. Somente quando se analisa o aspecto geral do quadro apresentado no AT é que poderemos ver esses seis elementos como as seis partes necessárias e essenciais à construção aa plenitude do quadro messiânico.

De acordo com a natureza do caso, deve ficar bem claro que o AT não apresenta esses elementos seguindo uma ordem sistemática. Ao contrário, na revelação relativa ao Messias existe uma notável progressão de desdobramentos, Embora a

própria palavra “Messias” apareça de forma pouco constante, o quadro da salvação conquistada pelo Senhor através de um agente humano aparece frequentemente. E a profecia onde ocorre algum dos elementos essenciais mencionados acima, é evidentemente e genuinamente messiânica.

A primeira profecia messiânica foi pronunciada pelo próprio DEUS e dirigida à serpente. Ela falava sobre a Semente da mulher que iria ferir a cabeça da serpente (Gn 3.15). DEUS menciona nesse verso um ser humano descendente de Eva que desferiria um golpe mortal contra a serpente.
Assim como esse golpe representa o clímax da inimizade entre a mulher e a serpente, uma inimizade que também se estende às suas respectivas sementes trará um golpe que derrotará o inimigo da humanidade e libertará o homem de seu poder. Nesse ponto, o elemento sotérico é repercutido com mais clareza. O segundo Adão viria para restaurar os filhos de Adão.

À medida que o tempo passava.

DEUS revelava aos seus servos e profetas mais e mais informações a respeito do Messias. No âmago da revelação, sempre residia a maravilhosa obra da salvação que o Messias iria realizar. O ápice da profecia messiânica foi alcançado em Isaías 53, que ensina claramente que a morte substitutiva do Messias iria trazer a salvação à humanidade. Na qualidade de “O Servo do Senhor”, o Messias consumou sua maravilhosa obra.

Avaliação. A fim de avaliar adequadamente o movimento profético do AT, existem três considerações fundamentais que devem ser levadas em conta.
A- A convicção psicológica, por parte dos profetas, de que DEUS havia falado com eles. Ao proclamar suas mensagens, os profetas estavam convencidos de que Iavé, o DEUS de Israel, que acreditavam ser o DEUS do céu e da terra, havia falado com eles. Eles não apresentavam a mensagem em seu nome, ou em nome de um corpo de profetas, mas no nome do Senhor. Além disso, estavam convencidos de que as próprias palavras que declaravam haviam sido proferidas por DEUS ou eram originárias dele. Está claro que não se consideravam como homens que inventavam ou ampliavam uma mensagem que DEUS lhes havia dado, mas como mensageiros das palavras do próprio DEUS.

que DEUS havia falado com eles. Todos reconheciam o mesmo DEUS, Iavé, e acreditavam que Ele havia sido o autor das mensagens que eles, por sua vez, transmitiam. Esse é um fenômeno sem paralelos na história mundial. C. O conteúdo das mensagens proféticas. Embora se encontrassem bastante dispersos na história de Israel, os profetas não transmitiam mensagens heterogêneas, desencontradas ou conflitantes. Unir seus ministérios na proclamação da futura vinda do Messias era um propósito teológico destes servos de DEUS. Esses profetas eram homens do povo escolhidos por DEUS, falavam sobre uma futura redenção. Embora muitas vezes suas mensagens estivessem relacionadas a assuntos locais, no âmago de seu ministério estava presente uma mensagem que apontava para o futuro. Também tinham mensagens de juízo tanto diretamente para reis e líderes judaicos, como para sacerdotes, como para o povo em geral e a nação. Portanto, em um sentido bastante real, os profetas realmente transmitiam palavras que expressavam eventos ainda por vir ou revelações de situações passadas ou atuais. Eles falavam sobre Aquele que viria para salvar seu povo dos pecados.
Se dependessem de seu próprio conhecimento, os profetas não poderiam ter previsto o futuro e nem descoberto coisas ocultas; mas DEUS lhes revelou seus propósitos, e assim eles falavam muitas vezes da futura salvação, também de curas, milagres, entre outras coisas (Isaías 53.4, 5; 1Pe 1.10-12).
O profeta é um dom que DEUS nos concede, não com a finalidade de prevermos o futuro, mas de nos manter em CRISTO (Ap 19.10). Acima de tudo, as mensagens de Profetas nos fixam os olhos sobre Aquele que assumiu as funções salvadoras de sacerdote, profeta, e rei -JESUS CRISTO.

Os profetas na Igreja. Os profetas continuaram a desempenhar um papel importante na Igreja do NT. Paulo escreve que a Igreja, a casa de DEUS, foi edificada “sobre os fundamentos dos apóstolos e dos profetas” (Ef 2.20), e que o mistério da igual posição dos gentios no Corpo de CRISTO foi “revelado pelo ESPÍRITO aos seus santos apóstolos e profetas” (Ef 3.5). Havia homens conhecidos como “profetas” especialmente escolhidos para o constante e regular ministério de profeta (Ef 4.11). Depois dos próprios apóstolos, eles eram os ministros que ocupavam a mais elevada posição na Igreja primitiva (1 Co 12.28).

Tais profetas permaneceram em evidência ao longo do livro de Atos. Seu ministério era geralmente o de prever (prenunciar). Observe como Ágabo, em duas ocasiões diferentes, previu acontecimentos futuros para que os cristãos se preparassem para uma emergência que se aproximava (At 11.27-30; 21.10-14). Eles forneciam direção espiritual à Igreja de Antioquia porque, evidentemente, através de um deles o ESPÍRITO SANTO dava ordens relativas ao futuro trabalho evangelístico de Barnabé e Saulo (At 13.1-4).
Em uma reunião da Igreja, um profeta poderia receber uma revelação que seria compartilhada com os crentes reunidos (1 Co 14.30). Tudo era movido e dirigido pelo ESPÍRITO SANTO que falava em nome de JESUS, através do profeta.

B. A continuidade do movimente profético. Durante um período de mais de 1.000 anos o ministério da Profeta manteve-

se praticamente contínuo em Israel. Embora vivendo com uma diferença de centenas de anos, os profetas sempre

afirmavam

Dicionário Bíblico Wycliffe - Charles F. Pfeiffer, Howard F. Vos, João Rea - CPAD. (com algumas alterações do Pr. Henrique).

Palavra de DEUS (14.36-38).

Não parece que os profetas do NT estivessem longe ou mesmo separados das fontes doutrinárias dos apóstolos, que tratavam da recém-manifestada verdade doutrinária da Igreja.

2. O ofício.

A. A IMPORTÂNCIA DOS PROFETAS
O Antigo Testamento foi marcado pela atividade e testemunho dos profetas. Quando JESUS se despedia dos seus
discípulos, lhes disse: “São estas as palavras que vos disse estando ainda convosco: convinha que se cumprisse tudo o que de mim estava escrito na Lei de Moisés, e nos Profetas, e nos Salmos” (Lc 24.44). Os escritos dos profetas faziam parte da tríplice divisão da Bíblia hebraica.

No Novo Testamento também profetas foram iminentes ministros de CRISTO (E 4.11; At 11.27-30, 13.1; 15.32; Tt 1.12).

Assim como no Antigo Testamento os profetas eram porta vozes de DEUS para revelações e para predições, assim também no Novo Testamento existem Profetas, homens escolhidos por JESUS que nos trazem Mensagens diretamente de DEUS, revelações sobrenaturais e espontâneas de DEUS tanto quanto ao passado, quando do presente e também do futuro.
O profeta revela pecados ocultos para que haja santidade na Igreja (Tt 1.12). O profeta revela o futuro para que haja fé e esperança (Apocalipse).

OITO CARACTERÍSTICAS DO PROFETA DO ANTIGO TESTAMENTO.

Que tipo de pessoa era o profeta do AT?
(1) Era alguém que tinha estreito relacionamento com DEUS, e que se tornava confidente do Senhor (Am 3.7). O profeta via o mundo e o povo do concerto sob a perspectiva divina, e não segundo o ponto de vista humano.
(2) O profeta, por estar próximo de DEUS, achava-se em harmonia com DEUS, e em simpatia com aquilo que Ele sofria por causa dos pecados do povo. Compreendia, melhor que qualquer outra pessoa, o propósito, vontade e desejos de DEUS. Experimentava as mesmas reações de DEUS. Noutras palavras, o profeta não somente ouvia a voz de DEUS, como também sentia o Seu coração (Jr 6.11; 15.16,17; 20.9).
(3) À semelhança de DEUS, o profeta amava profundamente o povo. .
(4) O profeta buscava o sumo bem do povo, i.e., total confiança em DEUS e lealdade a Ele.
(5) O profeta tinha profunda sensibilidade diante do pecado e do mal (Jr 2.12,13, 19; 25.3-7; Am 8.4-7; Mq 3.8). .
(6) O profeta desafiava constantemente a santidade superficial e oca do povo, procurando desesperadamente encorajar a obediência sincera às palavras que DEUS revelara na Lei. .
(7) O profeta tinha uma visão do futuro, revelada em condenação e destruição (e.g., 63.1-6; Jr 11.22,23; 13.15-21; Ez 14.12-21; Am 5.16-20,27, bem como em restauração e renovação (e.g., 61
62; 65.1766.24; Jr 33; Ez 37). .
(8) Finalmente, o profeta era, via de regra, um homem solitário e triste (Jr 14.17,18; 20.14-18; Am 7.10-13; Jn 3
4), perseguido pelos falsos profetas que prediziam paz, prosperidade e segurança para o povo que se achava em pecado diante de DEUS (Jr 15.15; 20.1-6; 26.8-11; Am 5.10; cf. Mt 23.29-36; At 7.51-53). Ao mesmo tempo, o profeta verdadeiro era reconhecido como homem de DEUS, não havendo, pois, como ignorar o seu caráter e a sua mensagem.

A MENSAGEM DOS PROFETAS DO ANTIGO TESTAMENTO.
A mensagem dos profetas enfatiza três temas principais:
(1) A natureza de DEUS. (2) O pecado e o arrependimento. .(3) Predição e esperança messiânica. .
STAMPIS. Donald C. (Ed)
Bíblia de Estudo Pentecostal: Antigo e Novo testamento. Rio de Janeiro: CPAD, 1995. (com algumas alterações do Pr. Henrique).

3. O profetismo.

ASPECTOS GERAIS

O profetismo em Israel foi o fenômeno que marcou esta nação de forma peculiar, chegando a formar escola de profetismo, culminando na vasta literatura profética que hoje faz parte da Bíblia.

a- Etimologia
A palavra portuguesa Profeta geralmente é entendida como a pessoa que sabe prever o futuro. Esta, porém, não é a única compreensão etimológica da palavra, na sua origem. A sua raiz se encontra no grego profh,thj que pode ser traduzida por: Aquele que fala diante. Não é o preditor, mas o que fala pelo outro, alguém que fala diante dos outros, que comunica revelação divina.
Traduz o Hebraico abn nabi, cuja raiz acádica tem o sentido de: chamar, falar em voz alta, orador, anunciador. A mesma raiz, em árabe tem o sentido de delirar, borbulhar, caráter frenético de expressão. A partir destas idéias, Albright define o profeta como um chamado por DEUS para falar por ele.

b- A Profecia no Antigo Oriente

Era comum, no Antigo Oriente, a existência de homens que exercem a magia e a adivinhação (Nm 22,5s; Dt 2,2; 4,3-4). São pessoas consultadas pelas autoridades antes de grandes empreendimentos. Geralmente diante de guerras, os profetas devem dizer com proceder.

c- A Profecia em Israel

Em Israel, inicialmente, os profetas têm papel semelhante aos do Antigo Oriente (1Rs 22,1-29). Nos tempos dos juízes surgem os filhos dos profetas (1Sm 10,5ss), cuja função é semelhante à dos profetas do Antigo Oriente (1Sm 19,20-24). Estes se parecem como grupos de dança e canto no culto. Ainda recebem títulos como: vidente (1Sm 9,9), visionário (Am 7,12), homem de DEUS (1Sm 9,7)[6].

Em Israel se formou uma tradição profética devido aos discípulos dos profetas (2Rs 2; Nm 11,17). Assim, o que inicialmente era apenas um movimento espontâneo, tornou-se uma experiência que foi marcante na história de Israel.
O surgimento dos profetas está relacionado com a instituição da monarquia e do sacerdócio. O profeta forma, ao lado do rei e do sacerdote, um dos três eixos da sociedade (1Rs 1). Eles dão orientações aos reis (Natan, Elias, Eliseu, etc.). Porém, a profecia não é uma instituição como a realeza e o sacerdócio (Dt 18,14-19). O profeta sempre será o portador de um Dom de DEUS. É neste sentido que o profetismo, em Israel, adquire um sentido diferente do mesmo fenômeno em outros povos., ainda que em Israel também havia profetas de outras divindades, de outros países, estes se
restringiam à magia, adivinhação e oráculos. Não é este o caso dos legítimos profetas de Israel. “O conteúdo ético e religioso da profecia israelita não tem paralelo no mundo antigo”.
Ao que parece, na origem do profetismo de Israel, havia líderes profetas que acolhiam discípulos. Estes alunos eram chamados de Filhos de Profetas, ou seja, eram discípulos de um profeta e se identificavam com sua causa. Samuel é um líder profeta (1Sm 3,1ss). Ele tem papel nas escolhas dos reis, na unção dos mesmos e até na sua deposição (1Sam 7 15). Além desta função política, Samuel tem também funções de um operador de milagres. Ele é vidente (1Sm 9,9-11.18- 19). Ele encontra animais perdidos. “Samuel é mais diretamente o antepassado do profetismo sucessivo do que o são os Filhos de Profetas”. Elias é um continuador do professorado de Samuel e depois dele, seu sucessor, Elizeu, deu sequência a esse ministério. <http://www.estef.edu.br/pessoais/arquivos/ESTEF_PESSOAL_12_08_2005_21_34_48_ProfSab.htm>

d- Características Do Movimento Profético

O Profetismo no Antigo Israel: Forma extática.
Nabi
aquele que foi chamado. Também conhecido como Rozeh o vidente.
Possuía vida nômade. As Escolas de profetas marcaram a primeira época da profecia em Israel. Is 8:16;30:8; Jr 36. Profetas profissionais do culto: Fundiram o Nabi com o rozeh.
Pregavam a Benção e a Salvação.
Seu tema principal é "a eleição do povo conduz os indivíduos a DEUS, ainda que pela punição".
Outro tema importante é a exaltação de Israel: "Os inimigos sempre serão aniquilados e Israel será salvo. Jr 14:13". Profetas da Corte: Falam o que o rei quer ouvir I Reis 22:8-18; I Sm 10:1, 24; 16:12-13.
Conselheiros do rei 1Sm 22:5; 2Sm 24:11-19; 1Rs 11:29-31.
Quando a política se desviou dos planos de DEUS, a profecia mudou seu discurso e passou a criticar o rei. Inimigos, I Rs 21:20; 18:17.
Perseguidos I Rs 18:13; 19:10; Jr 18:18; 26:11.
Divisão: Profetas reais, ou da corte e profetas por vocação e chamado, independentes. Jr 28:1-17. 14:13-16; 23:9-40; 28:9; Ez 33:30-33; Jr 17:15; 12:1.
Profetas individuais ou anônimos - Amós, Oséias, Isaias, Miquéias, Sofonias, Jeremias e Ezequiel. Vocacionados e não profissionais.
Vêm o homem numa condição de abandono de DEUS, recusando entregar-se a Ele, revoltado.
Esperam a punição. (O dia do Senhor)
Apontam a possibilidade de perdão e de uma nova salvação. "Ruína ou salvação".
O Tema é a conversão.
A salvação, para esses profetas trata-se de uma transformação radical, interior e exterior.
Profetismo Escatológico: Reinterpretam os profetas individuais.
Inicia-se com o Isaias, seguido de Daniel, Joel, e a apocalíptica judaica.

Estágios Proféticos: DEUS se apossa interiormente da pessoa.
O ESPÍRITO ou a palavra de DEUS vem sobre o profeta. Is 6:8 audição.
O profeta não perde a consciência. O Profeta procede à interpretação e explanação de acordo com a fé em que vive. Acréscimo de imagens, ilustrações poética, que marcam o estilo do profeta.

Abraão, Moisés, Débora, Aarão, todos foram chamados de profetas. Gn 20:7; Ex 7:1; Dt 34:10; Jz 4:4.
Jeremias e Isaias não são chamados de profetas.
Amós rejeita ser chamado de profeta Am 7:14.
Em Ageu e Zacarias, após o exílio, vemos que o ofício profético foi reconhecido socialmente Ag1:1, Zc1:1, e já passaram a ser chamados como "Antigos Profetas" Zc 1:4.

Como o povo via os profetas? Como doidos, ou tolos 2Rs 9:11; Os 9:7. Será que alguém queria ser profeta? E hoje, as pessoas anseiam por ser profetas?
Os profetas foram pessoas que se levantaram em momentos de crise social. Surgem em grupos I Sm 19:20; I Rs 2:3, Chamam-se filhos de profetas I Rs 20:35,

Líderes que presidiam suas reuniões I Sm 19:20;
Viviam em comunidades 2 Rs 4:38-41;
Alguns eram casados 2 Rs 4:1;
Sustento por esmolas e doações 2 Rs 4:8,42;
Vestimentas, mantos de pele e cinturão de couro 2 Rs 1:8; Zc 13:4; sinais e cicatrizes na testa I Rs 20:41;
Cantavam, soltavam gritos e lamentações I Sm 10:6-9; Mq 1:8; chegavam até a cair por terra, prostrados ou desmaiados I Sm 19:24; Dn 8:18,27. Entravam em transe I Sm 19:24.

<http://www.slideshare.net/gotchalk/profetismo>

II- O PROFETA EM O NOVO TESTAMENTO
1. A importância do termo “profeta” em o Novo Testamento. 2. O ofício do profeta neotestamentário.
3. O objetivo do dom ministerial de profeta.

II- O PROFETA EM O NOVO TESTAMENTO

1. A importância do termo “profeta” em o Novo Testamento.

Em o Novo Testamento, se destaca um livro inteiramente profético O Apocalipse. Nenhum personagem neotestamentário, além de João, o Evangelista, escreveu outro livro totalmente profético, com esse caráter. Mas, ao longo dos livros do Novo Testamento encontramos referências a profetas, que tiveram papel relevante. Vamos refletir um pouco sobre eles.
Temos várias citações proféticas em outros livros e principalmente nos evangelhos. Pedro, Paulo e Judas escreveram sobre o futuro escatológico

UM DOM MINISTERIAL

Em sua carta aos coríntios, o apóstolo Paulo fala da importância do corpo de CRISTO, enfatizando que os crentes são “seus membros em particular” (1 Co 12.27). E o faz, depois de demonstrar a necessidade da unidade do corpo de CRISTO, fazendo uma analogia com o corpo humano, mostrando que nenhum membro do corpo pode dispensar a função do outro. “Mas, agora, DEUS colocou os membros no corpo, cada um deles como quis. E, se todos fossem um só membro, onde estaria o corpo? Agora, pois, há muitos membros, mas um corpo” (1 Co 12.18-20). Daí, porque nenhum dom ministerial é maior que o outro. A ordem dos dons, no texto, é questão de prioridade.

Com essa visão, da unidade do corpo de CRISTO, que é a Igreja, o apóstolo apresenta uma lista de dupla referência. Primeiro, fala de homens a quem Ele põe na igreja, ao que tudo indica, numa ordem de prioridade. São “homens-dons”, por assim dizer. Nessa lista, os “profetas” aparecem em segundo lugar. Sem dúvida, não é por acaso, mas segundo o entendimento do ESPÍRITO SANTO. Os profetas eram os homens usados por DEUS para transmitir mensagens divinas para a comunidade dos que eram ganhos para CRISTO. Os doutores eram os que cuidavam do ensino ou do discipulado, estudando, interpretando e ensinando os fundamentos da fé cristã com profundidade. Eram mensagens sobrenaturais.

Na segunda parte do texto, vemos Paulo apresentar uma lista de ministérios, indispensáveis à unidade, a edificação, ao fortalecimento e à própria administração da igreja local: “depois, milagres, depois, dons de curar, socorros, governos, variedades de línguas” (1 Co 12.28 b), e faz indagações que enfatizam o valor do uso dos dons de modo integrado e não fragmentado (1 Co 12.29-31). Se um dom fosse maior que o outro, não promoveria a unidade indispensável do corpo de CRISTO.

Escrevendo aos efésios, Paulo é mais didático ou explícito, em relação aos dons ministeriais. “E ele mesmo deu uns para apóstolos, e outros para profetas, e outros para evangelistas, e outros para pastores e doutores, querendo o aperfeiçoamento dos santos, para a obra do ministério, para edificação do corpo de CRISTO, até que todos cheguemos

à unidade da fé e ao conhecimento do Filho de DEUS, a varão perfeito, à medida da estatura completa de CRISTO ” (Ef 4.11-13 grifos nossos). Observe que, à semelhança do texto de 1 Coríntios 12.28, os profetas vêm em segundo lugar. Elinaldo Renovato. Dons espirituais & Ministeriais Servindo a DEUS e aos homens com poder extraordinário. Editora CPAD. pag. 86-87. (com algumas alterações do Pr. Henrique).

No Novo Testamento, a palavra comumente usada é prophétes, que aparece por cento e quarenta e nove vezes, que exemplificamos com Mat. 1:22; 2:5,16; Mar. 8:28; Luc. 1:70,76; 7:16; Joio 1:21,23; 3:18,21; Rom. 1:2; 11:3; I Cor. 12:28,29; 14:29,32,37; Efé. 2:20; Tia. 5:10; I Ped. 1:10; 11 Ped. 2:16; 3:2; Apo. 10:7; 11:10. O substantivo prophetela, «profecia », é usado por dezenove vezes no Novo Testamento: Mat. 13:14; Rom. 12:6; I Cor. 12:10; 13:2,8; 14:6,22; I Tes. 5:20; I Tim. 1:18; 4:14; 11 Ped. 1:20,21; Apo. 1:3; 11:6; 19:10; 22:7.10,18,19. Essas palavras derivam-se do grego pro, «antes.., «em favor de.., e phemi; «falar.., ou seja, «alguém que fala por outrem.., e, por extensão, «intérprete.., especialmente da vontade de DEUS. Tais palavras gregas, naturalmente, estão por detrás do termo português «profeta... Os profetas eram tidos como representantes de DEUS. Eles serviam de elo vital na questão das revelações, bem como veículos do conhecimento espiritual. As revelações por eles recebidas, por ordem do Senhor em alguns casos tomaram- se concretas nos livros que escreveram. Esses livros, por sua vez, foram canonizados, com a passagem do tempo, sendo então aceitos como Escrituras Sagradas.

CHAMPLIN, Russell Norman, Enciclopédia de Bíblia Teologia e Filosofia. Vol. 5. Editora Hagnos. pag. 424. (com algumas alterações do Pr. Henrique).

Estes versículos expõem quatro aspectos da metáfora. Primeiro, os apóstolos e profetas são as pedras da fundação do templo (20a). Recebem esta designação, porque sua função é proclamar a Palavra do Senhor. Wesley observa que “a palavra do Senhor, declarada pelos apóstolos e profetas, sustenta a fé de todos os crentes”. Certos estudiosos veem uma contradição no pensamento de Paulo ao usar esta metáfora aqui e em 1 Coríntios 3.11. Lá, CRISTO é o fundamento. O problema se resolve quando nos damos conta de que ele emprega a metáfora em sentidos diferentes. Na passagem coríntia, o pensamento gira em torno de si mesmo e de outros como construtores. Na relação aqui está claro que CRISTO é o fundamento sobre o qual eles constroem. Paulo está enfatizando as pedras usadas na construção. Nesta relação, CRISTO é a pedra da esquina. Todos os outros são pedras de menor significação. Mas, mesmo sendo de menor importância, os apóstolos e outros ministros na igreja são pedras de fundação no edifício de DEUS.

Nos versículos 4 a 22, temos o assunto: “A Igreja, a Morada de DEUS”. A unidade da Igreja Invisível é o tema de fundo. 1) A fundação da Igreja, 20; 2) A construção da Igreja: inclusiva, 11-19; exclusiva, 4-11; de projeto simétrico bem ajustado; cresce até à conclusão — cresce para templo santo no Senhor, 21; 3) “Em CRISTO”, a Igreja é a morada de DEUS no ESPÍRITO, 22 (G. B. Williamson).

Willard H. Taylor. Comentário Bíblico Beacon. Editora CPAD. Vol. 9. pag. 143-144. (com algumas alterações do Pr. Henrique).

2. O ofício do profeta neotestamentário.

Atos 11:27 - profeta Ágabo

"E, levantando-se um deles, por nome Ágabo, dava a entender pelo ESPÍRITO, que haveria uma grande fome em todo o mundo, e isso aconteceu no tempo de Cláudio César". Atos 11:28.

Veja a importância de um profeta aqui - este profeta previu uma grande seca em todo mundo - DEUS lhe revelou algo que haveria de acontecer no futuro. Deveríamos desejar que esse ministério fosse ativo na igreja - DEUS poderia nos dizer muita coisa grandiosa, mesmo antes de que elas acontecessem. Alguns historiadores dizem que pouco antes que o general Tito destruísse Jerusalém, DEUS enviou uma mensagem, através de um profeta, a igreja que estava em Jerusalém, avisando da tragédia que se avizinhava. Quem deu crédito ao que dizia o profeta de DEUS, fugiu da cidade e escapou com vida.

O dom Palavra de Sabedoria é muito percebido agindo no profeta, por isso mesmo, muitos escreveram a respeito de coisas que aconteceram muito depois de suas épocas e que ainda vão acontecer depois de nossa época, tanto os profetas do AT quanto os do NT . Um legítimo profeta recebe mensagens futurísticas de DEUS que sabe tudo sobre o futuro, dentro de Sua Onisciência, e revela a seus profetas.

"Certamente o Senhor DEUS não fará coisa alguma, sem ter revelado o seu segredo aos seus servos, os profetas". Amós 3:7

E, levantando-se um deles, por nome Ágabo, dava a entender pelo ESPÍRITO, que haveria uma grande fome em todo o mundo, e isso aconteceu no tempo de Cláudio César.

Atos 11:28

Atos 15:32 - Judas e Silas;

Depois Judas e Silas, que também eram profetas, exortaram e confirmaram os irmãos com muitas palavras. E, detendo-se ali algum tempo, os irmãos os deixaram voltar em paz para os apóstolos;

Mas pareceu bem a Silas ficar ali. Atos 15:32-34

"Depois Judas e Silas, que também eram profetas, exortaram e confirmaram os irmãos com muitas palavras. E, detendo- se ali algum tempo, os irmãos os deixaram voltar em paz para os apóstolos;
Mas pareceu bem a Silas ficar ali". Atos 15:32-34

Judas e Silas eram respeitados profetas da Igreja e foram encarregados de passarem nas igrejas abertas por Paulo para corrigirem erros doutrinários exigidos pelos falsos apóstolos e profetas que por ali passaram. Judas e Silas transmitiram aos irmãos a resoluções do primeiro concílio da igreja.
Veja a importância de verdadeiros profetas de DEUS que adquirem respeito e confiança da igreja. Os apóstolos confiavam a eles uma de suas mais importantes resoluções da igreja.

Atos 21:10 - profeta Ágabo novamente;

"E, demorando-nos ali por muitos dias, chegou da Judéia um profeta, por nome Ágabo; E, vindo ter conosco, tomou a cinta de Paulo, e ligando-se os seus próprios pés e mãos, disse: Isto diz o ESPÍRITO SANTO: Assim ligarão os judeus em Jerusalém o homem de quem é esta cinta, e o entregarão nas mãos dos gentios". Atos 21:10-11.

Veja aqui, mais uma vez, a importância de um profeta que fala a respeito do futuro. Paulo, agora, já sabia o que lhe aconteceria no futuro. Poderia fazer a escolha entre obedecer integralmente à ordem de JESUS para ele ou de servir a DEUS parcialmente. Temos a escolha de conhecer a vontade perfeita de DEUS para nós ou de conhecer sua vontade permissiva. Só recebem tudo de DEUS aqueles que são capazes de entregar-se totalmente a DEUS. São capazes de dar suas vidas pelo evangelho. "Certamente o Senhor DEUS não fará coisa alguma, sem ter revelado o seu segredo aos seus servos, os profetas". Amós 3:7.

1 Co 12.28, 29;

"E a uns pôs DEUS na igreja, primeiramente apóstolos, em segundo lugar profetas, em terceiro doutores, depois milagres, depois dons de curar, socorros, governos, variedades de línguas". 1 Coríntios 12:28.

Veja a importância do ministério de profeta. Aqui Paulo o coloca em segundo lugar de importância para a edificação e progresso da igreja.

Tito 1.12 - profeta que revela pecado;
"Um deles, seu próprio profeta, disse: Os cretenses são sempre mentirosos, bestas ruins, ventres preguiçosos. Este testemunho é verdadeiro. Portanto, repreende-os severamente, para que sejam sãos na fé". Tito 1:12-13.

Veja aqui Paulo dando testemunho da veracidade de uma palavra de um profeta a respeito dos cretenses. Um profeta sabia a verdade sobre a igreja, pois enxergava da maneira que DEUS enxergava e a revelava ao apóstolo. Apocalipse 18.20 profetas e apóstolos.

Alegra-te sobre ela, ó céu, e vós, santos apóstolos e profetas; porque já DEUS julgou a vossa causa quanto a ela. Apocalipse 18:20
Um dia DEUS dará a paga aos perseguidores dos profetas de DEUS, sejam eles falsos crentes ou descrentes. Quase não se vê um profeta na igreja de hoje. São perseguidos. Não têm oportunidade para pregar em nossos púlpitos. São considerados como escória. São desprezados. São tidos como loucos. Ainda bem que um dia DEUS os recompensará.

3. O objetivo do dom ministerial de profeta. O DOM DE PROFETA NÃO É PARA TODOS

E, demorando-nos ali por muitos dias, chegou da Judéia um profeta, por nome Ágabo;
E, vindo ter conosco, tomou a cinta de Paulo, e ligando-se os seus próprios pés e mãos, disse: Isto diz o ESPÍRITO SANTO: Assim ligarão os judeus em Jerusalém o homem de quem é esta cinta, e o entregarão nas mãos dos gentios.

Atos 21:10-11

E a uns pôs DEUS na igreja, primeiramente apóstolos, em segundo lugar profetas, em terceiro doutores, depois milagres, depois dons de curar, socorros, governos, variedades de línguas.

1 Coríntios 12:28

Alegra-te sobre ela, ó céu, e vós, santos apóstolos e profetas; porque já DEUS julgou a vossa causa quanto a ela. Apocalipse 18:20

Examinando o contexto do capítulo 12 de 1 Coríntios, podemos verificar e concluir que os dons ministeriais não são para todos os crentes, na igreja local. Diz o texto: “E a uns pôs DEUS na igreja, primeiramente, apóstolos, em segundo lugar, profetas, em terceiro, doutores, depois, milagres, depois, dons de curar, socorros, governos, variedades de línguas” (1 Co 12.18). Note-se que o texto diz que “a uns pôs DEUS na igreja”. Isso mostra que DEUS não pôs todos, mas “uns”.
Na lista de Paulo aos efésios, vemos escrito: “E ele mesmo deu uns para apóstolos, e outros para profetas, e outros para
evangelistas, e outros para pastores e doutores, querendo o aperfeiçoamento dos santos, para a obra do ministério, para edificação do corpo de CRISTO” (Ef 4.11,12). Quando o escritor diz “uns” e “outros” fica bem claro que tais dons não estão à disposição de todos os crentes. Diz a Bíblia de Estudo Pentecostal: “Como dom de ministério, a profecia é concedida a apenas alguns crentes, os quais servem na igreja como ministros profetas’ (grifo nosso).

1) O aperfeiçoamento dos santos. A finalidade dos dons ministeriais é “o aperfeiçoamento dos santos” (1 Pe 1.15), ou seja, dos crentes fiéis, santificados e comprometidos com o Reino de DEUS, “para a obra do ministério”.
Há o que chamamos ministério ordenado, regular, integrado pelos auxiliares dos ministérios, são eles: presbíteros, diáconos ou cooperadores, ordenados, consagrados ou separados para atender às necessidades da comunidade cristã. E há diversos, que não são realizados pelos ministros ou obreiros. Na música, no louvor, no ensino, nos serviços gerais, na segurança, na operação de equipamentos e outros, que, quando executados por pessoas que são chamadas por DEUS, e assumem tais atividades, conscientes de que estão prestando um serviço à igreja.

Observação minha - Ev. Henrique - São verdadeiras bênçãos para a igreja todos os cooperadores. Nenhum desses exerce, no entanto, um ministério dado por CRISTO à igreja (Apóstolos, Profetas, Evangelistas, Pastores e Mestres), mas todos cooperam para o engrandecimento do reino de DEUS.
2) Para a “obra do ministério”. O ministério tem como obra principal ganhar almas para CRISTO e coordenar o trabalho da igreja na terra, cuidando para que nenhuma alma se perca, mas que todos cheguem ao pleno conhecimento de CRISTO e por fim sejam salvos e alcancem um lugar ao lado de CRISTO na Glória eterna.

3) A edificação do Corpo de CRISTO. Os dons ministeriais também atendem à necessidade da “edificação do Corpo de CRISTO”, que é a Igreja (invisível), que se torna visível, no conjunto de salvos, na igreja local. Os crentes salvos são considerados “edifício de DEUS” (1 Co 3.9). A metáfora é bem adequada. Os salvos são considerados “pedras vivas”, na construção desse edifício espiritual. Diz o apóstolo Pedro: “vós também, como pedras vivas, sois edificados casa espiritual e sacerdócio santo, para oferecerdes sacrifícios espirituais, agradáveis a DEUS, por JESUS CRISTO” (1 Pe 2.5). Nessa edificação, o papel dos que têm o dom ministerial de profeta é de grande valia. Elinaldo Renovato. Dons espirituais & Ministeriais Servindo a DEUS e aos homens com poder extraordinário. Editora CPAD. pag. 87-88. PROFETAS. Os profetas eram homens que falavam sob o impulso direto do ESPÍRITO SANTO, e cuja motivação e interesse principais eram a vida espiritual e pureza da igreja. Sob o novo concerto, foram levantados pelo ESPÍRITO SANTO e revestidos pelo seu poder para trazerem uma mensagem da parte de DEUS ao seu povo (At 2.17; 4.8; 21.4). (1) O ministério profético do AT ajuda-nos a compreender o do NT. A missão principal dos profetas do AT era transmitir a mensagem divina através do ESPÍRITO, para encorajar o povo de DEUS a permanecer fiel, conforme os preceitos da antiga aliança. Às vezes eles também prediziam o futuro conforme o ESPÍRITO lhes revelava CRISTO e os apóstolos são um exemplo do ideal do AT (At 3.22,23; 13.1,2).

(2) A função do profeta na igreja incluía o seguinte: (a) Proclamava e interpretava, cheio do ESPÍRITO SANTO, a Palavra de DEUS, por chamada divina. Sua mensagem visava admoestar, exortar, animar, consolar e edificar (At 2.14-36; 3.12- 26; 1Co 12.10; 14.3). (b) Devia exercer o dom de profecia (c) Às vezes, ele era vidente (cf. 1Cr 29.29), predizendo o futuro (At 11.28; 21.10,11). (d) Era dever do profeta do NT, assim como para o do AT, desmascarar o pecado, proclamar a justiça, advertir do juízo vindouro e combater o mundanismo e frieza espiritual entre o povo de DEUS (Lc 1.14-17). Por causa da sua mensagem de justiça, o profeta pode esperar ser rejeitado por muitos nas igrejas, em tempos de mornidão e apostasia.

(3) O caráter, a solicitude espiritual, o desejo e a capacidade do profeta incluem: (a) zelo pela pureza da igreja (Jo 17.15- 17; 1Co 6.9-11; Gl 5.22-25); (b) profunda sensibilidade diante do mal e a capacidade de identificar e detestar a iniquidade (Rm 12.9; Hb 1.9); (c) profunda compreensão do perigo dos falsos ensinos (Mt 7.15; 24.11,24; Gl 1.9; 2Co 11.12-15); (d) dependência contínua da Palavra de DEUS para validar sua mensagem (Lc 4.17-19; 1Co 15.3,4; 2Tm 3.16; 1Pe 4.11); (e) interesse pelo sucesso espiritual do reino de DEUS e identificação com os sentimentos de DEUS (cf. Mt 21.11-13; 23.37; Lc 13.34; Jo 2.14-17; At 20.27-31).

(4) A mensagem do profeta atual não deve ser considerada infalível. Ela está sujeita ao julgamento da igreja, doutros profetas e da Palavra de DEUS. A congregação tem o dever de discernir e julgar o conteúdo da mensagem profética, se ela é de DEUS (1Co 14.29-33; 1Jo 4.1).
(5) Os profetas continuam sendo imprescindíveis ao propósito de DEUS para a igreja. A igreja que rejeitar os profetas de DEUS caminhará para a decadência, desviando-se para o mundanismo e o liberalismo quanto aos ensinos da Bíblia (1Co 14.3; cf. Mt 23.31-38; Lc 11.49; At 7.51,52). Se ao profeta não for permitido trazer a mensagem de repreensão e de advertência denunciando o pecado e a injustiça (Jo 16.8-11), então a igreja já não será o lugar onde se possa ouvir a voz do ESPÍRITO. A política eclesiástica e a direção humana tomarão o lugar do ESPÍRITO (2Tm 3.1-9; 4.3-5; 2Pe 2.1-3,12- 22). Por outro lado, a igreja com os seus dirigentes, tendo a mensagem dos profetas de DEUS, será impulsionada à renovação espiritual. O pecado será abandonado, a presença e a santidade do ESPÍRITO serão evidentes entre os fiéis (1Co 14.3; 1Ts 5.19-21; Ap 3.20-22).

STAMPIS. Donald C. (Ed) Bíblia de Estudo Pentecostal: Antigo e Novo testamento. Rio de Janeiro: CPAD, 1995. (com algumas alterações do Pr. Henrique).

Profecia

A profecia é uma manifestação do ESPÍRITO de DEUS e não da mente do homem, e é concedida a cada um, visando a um fim proveitoso: 1 Co 12.7.

Embora o dom da profecia nada tenha a ver com os poderes normais do raciocínio humano, pois é algo muito superior, isso não impede que qualquer crente possa exercitá-la: “Porque todos podereis profetizar, um após outro, para todos aprenderem e serem consolados”, 1 Co 14.31.

Ainda que nalguns casos o dom da profecia possa ser exercido simultaneamente com a pregação da Palavra, é evidente que esse dom é dotado de um elemento sobrenatural, não devendo, portanto, ser confundido com a simples habilidade de pregar o Evangelho.
Dada a importância desse dom em face dos demais dons espirituais, e dentro do contexto da doutrina pentecostal, necessário se faz uma análise cuidadosa, no sentido de conceituá-lo no seio da Igreja hoje.

O apóstolo Paulo adverte os crentes a procurar “com zelo os dons espirituais, mas principalmente o de profetizar” (1 Co 14.1); isto por razões que ele mesmo enumera:

a. Porque “o que profetiza fala aos homens para edificação, exortação e consolação... O que profetiza edifica a igreja”, 1 Co 14.3,4.

“Edificação”, “exortação” e “consolação” são os três elementos básicos da profecia, são a razão de ser e de existir desse dom. É evidente que isto contraria a crença tão popular entre nós, de que o principal elemento da profecia é o preditivo (predição do futuro). Certamente, que tanto o Antigo quanto o Novo Testamento contêm numerosas profecias preditivas, muitas das quais já se cumpriram, e outras estão se cumprindo, e outras ainda se hão de cumprir, No entanto, no conteúdo geral das Escrituras, o elemento preditivo da profecia é relativamente o menor.

b. Porque ‘‘se todos profetizarem, e algum indouto ou infiel entrar, de todos é convencido, de todos é julgado. Os segredos do seu coração ficarão manifestos, e assim, lançando-se sobre o seu rosto, adorará a DEUS, publicando que DEUS está verdadeiramente entre vós”, l Co 14.24,25.

Há algo mais que precisamos ter em mente quanto ao dom de profecia e o seu uso na Igreja hodiemamente:

a) O dom de profecia nunca deve exercer propósitos diretivos ou de governo sobre a Igreja. No Antigo Testamento, Israel era governado por reis e o culto era dirigido pelos sacerdotes, mas nunca por alguém que se tivesse distinguido por um ministério cem por cento profético. Os profetas eram apenas colaboradores na condução do povo. O mesmo aconteceu com a Igreja do Novo Testamento: o seu governo sempre esteve sob a responsabilidade dos presbíteros ou bispos, ou pastores, mas nunca sob a responsabilidade de profetas.

Escreveu o missionário Eurico Bergstén, que “quando alguém, por meio de profecia, penetra na direção da igreja, mostra que é dominado por influências estranhas. Abre-se, então, uma porta para a perturbação... Quando alguém se faz ‘oráculo de profeta’, para responder a perguntas e orientar os crentes, está usando indevidamente o dom de profecia... O dom de profecia não atinge, nesta dispensação, a faixa de consulta, pois tem uma outra finalidade: a edificação da Igreja”.

b) Devido a possíveis abusos quanto ao uso do dom da profecia, este dom está sujeito a análise e a consequente julgamento. Recomenda o apóstolo Paulo: “...falem dois ou três profetas, e os outros julguem”, 1 Co 14.29.

Paulo arremata suas advertências quanto ao dom de profecia, dizendo: “Se alguém cuida ser profeta, ou espiritual, reconheça que as coisas que vos escrevo são mandamentos do Senhor”, 1 Co 14.37.

O dom de profecia não deve ser desprezado (1 Tm 4.14), mas despertado (2 Tm 2.16), a fim de que a Igreja seja enriquecida: 1 Co 1.57.
Raimundo F. de Oliveira.
A Doutrina Pentecostal Hoje. Editora CPAD. (com algumas alterações do Pr. Henrique).

O apóstolo então nos relata quais foram os dons de CRISTO na sua ascensão: “E ele mesmo deu uns para apóstolos...” (v. 11). Na verdade, Ele enviou alguns desses antes da sua ascensão (Mt 10.1-5), mas um foi acrescentado depois (At 1.26). E todos eles foram mais solenemente empossados e publicamente confirmados, em seu ofício, pelo seu derramar visível do ESPÍRITO SANTO de uma forma extraordinária. Observe: O grande dom que CRISTO deu à igreja na sua ascensão foi o ministério da paz e da reconciliação. O dom do ministério é o fruto da ascensão de CRISTO. E ministros têm seus vários dons, que são todos dados pelo Senhor JESUS. Os ministros que CRISTO deu à sua igreja eram de dois tipos - os extraordinários, investidos de um ofício superior na igreja: tais eram apóstolos, profetas e evangelistas. Os apóstolos eram os dirigentes. CRISTO os investiu com dons extraordinários, poder para operar milagres e uma infalibilidade para anunciar sua verdade. Tendo eles sido testemunhas dos seus milagres e doutrina, Ele os enviou a espalhar o evangelho e a implantar e governar igrejas. Os profetas expunham os escritos do Antigo Testamento e prediziam as coisas do futuro. Os evangelistas eram pessoas ordenadas (2 Tm 1.6) que os apóstolos levavam como companheiros de viagem (Gl 2.1), e os enviavam para estabelecer igrejas que eles, os apóstolos, tinham implantado (At 19.22). Os evangelistas não estavam presos a nenhum lugar específico; por isso, deveriam continuar o seu trabalho até que fossem chamados de volta (2 Tm 4.9). Também existem os ministros ordinários, empregados em uma esfera mais restrita tais como pastores e mestres. Alguns entendem que esses dois nomes significam um ofício só, envolvendo as tarefas de governar e ensinar. Outros entendem que eles representam dois ofícios distintos, ambos regulares e de uso permanente na igreja. Os pastores são colocados como dirigentes principais de igrejas particulares, com o intento de

guiar, instruir e alimentar os membros de acordo com as instruções de CRISTO. Eles são frequentemente chamados de bispos e anciãos. Os mestres eram aqueles que também pregavam o evangelho e instruíam o povo por meio da exortação. Vemos aqui que é prerrogativa de CRISTO designar oficiais e ofícios em sua igreja.
A igreja é rica pelo fato de ter tido uma diversidade tão grande de oficiais e continuar tendo uma diversidade tão grande de dons! Como CRISTO é amável com sua igreja! Quão grande é o seu cuidado por ela e pela sua edificação! Quando Ele subiu, enviou o dom do ESPÍRITO SANTO; e os dons do ESPÍRITO SANTO são vários: alguns receberam mais, outros, menos; mas todos os dons são para o bem do corpo, o que nos leva ao terceiro argumento:

3. A grande finalidade e desígnio de CRISTO em relação aos dons. Os dons de CRISTO eram para o bem da sua igreja e para promover seu Reino e interesse entre os homens. Tudo isso tinha um fim comum e era um bom motivo para que todos os cristãos quisessem viver em amor fraternal e não invejar os dons dos outros. Todos os dons são para “...o aperfeiçoamento dos santos” (v. 12); isto é (de acordo com o original), conduzir a um estado espiritual ordenado aqueles que tinham sido desordenados e separados pelo pecado, e então fortalecer,

confirmar e promovê-los nisso, para que cada um, em seu devido lugar e função, possa contribuir para o bem do todo. “...para a obra do ministério” (ou para a obra da dispensação), isto é, para que pudessem repartir as doutrinas do evangelho e cumprir as diversas partes da sua função ministerial, “...para edificação do corpo de CRISTO”, isto é, a edificação da sua igreja, que é o corpo místico de CRISTO, pelo aumento da graça deles e um acréscimo de novos membros. Todos são designados para preparar-nos para o céu: “...até que todos cheguemos...” (v. 13). Os dons e ministérios (alguns deles) que foram mencionados devem continuar na igreja até que os santos sejam aperfeiçoados, o que não acontecerá “...até que todos cheguemos à unidade da fé (até que todos os verdadeiros crentes se unam, por meio da mesma preciosa fé) e ao conhecimento do Filho de DEUS”, o que não quer dizer um conhecimento meramente especulativo, ou o reconhecimento de CRISTO como o Filho de DEUS e o grande Mediador, mas como deveria ser observado, com apropriação e afeto, com a devida honra, confiança e obediência; “...a varão perfeito”, para o crescimento completo dos dons e graças, livre das fragilidades imaturas às quais estamos sujeitos no presente mundo; “...à medida da estatura completa de CRISTO”, tornando-nos cristãos maduros em todas as graças providas pela plenitude de CRISTO. Ou, de acordo com a medida dessa estatura que é completar a plenitude de CRISTO e seu corpo místico. Nunca chegaremos a ser o varão perfeito, até que cheguemos ao mundo perfeito. Há uma plenitude em CRISTO, e uma plenitude a ser obtida dele; uma certa estatura dessa plenitude e uma medida dessa estatura são determinadas no conselho de DEUS para cada crente, e nunca chegaremos a essa medida até chegarmos ao céu. Os filhos de DEUS, enquanto estiverem neste mundo, estão crescendo. O Dr. Ligthfoot entende que o apóstolo está falando aqui dos judeus e gentios ligados na unidade da fé e do conhecimento do Filho de DEUS, constituindo, dessa forma, um homem perfeito, e a medida da estatura completa de CRISTO. O apóstolo também mostra, nos versículos seguintes, qual era o desígnio de DEUS em suas instituições sagradas e quais efeitos deveriam ter sobre nós. (1) “...para que não sejamos mais meninos...” (v. 14); isto é, para que não mais sejamos meninos em conhecimento, fracos na fé e inconstantes em nossos julgamentos, facilmente cedendo a cada tentação, prontamente concordando com o capricho de cada um. Crianças podem ser facilmente iludidas. Devemos cuidar para não sermos inconstantes (ou “agitados de um lado para outro”, versão RA), como navios sem lastro, levados, como nuvens no céu, em relação a doutrinas que não têm verdade nem solidez em si, mas que, mesmo assim se espalham por todo lado, e são, portanto, comparados ao vento, “...pelo engano dos homens”: essa é uma metáfora tirada de jogadores trapaceiros e traz a ideia da sutileza enganosa dos sedutores; “...que, com astúcia”, pelo que dispõem sua habilidade em encontrar maneiras de seduzir; pois segue-se: enganam fraudulosamente, como em uma emboscada, para iludir os fracos e afastá-los da verdade. Observe: Somente homens muito perversos e impiedosos buscam seduzir e enganar os outros por meio de doutrinas falsas e erros. O apóstolo os descreve aqui como homens perversos, que usam manhas e astúcia diabólica para alcançar seus objetivos. O melhor método que podemos usar para nos proteger e nos fortalecer contra essas pessoas é estudar os oráculos sagrados e orar pela iluminação e graça do ESPÍRITO de CRISTO, para que possamos conhecer a verdade em JESUS, e ser firmados nela. (2) Para que sigamos “...a verdade em caridade” (v. 15), ou falemos a verdade em amor, ou sejamos sinceros em amor com os nossos irmãos em CRISTO. Enquanto nos devotamos à doutrina de CRISTO, que é a verdade, devemos viver em amor uns com os outros. O amor é uma coisa excelente, mas devemos ser cuidadosos para preservar a verdade junto com ele. A verdade é uma coisa excelente; no entanto, é necessário que a falemos com espírito de amor e não em contenda. Esses dois aspectos devem andar juntos: verdade e paz. (3) Para crescermos “...em tudo naquele que é a cabeça, CRISTO”. Crescer em tudo em CRISTO quer dizer estar mais arraigado nele. Em todas as coisas - no conhecimento, no amor, na fé e em todos os aspectos do novo homem. Devemos crescer rumo à maturidade, que é o oposto de continuar sendo meninos. Aqueles que crescem em CRISTO são cristãos saudáveis. Quanto mais crescermos no conhecimento de CRISTO, na fé nele, no amor a Ele e na dependência dele, tanto mais prosperaremos em graça. Ele é a cabeça, e nós devemos crescer de tal forma que estejamos em condições de honrar essa cabeça.

O crescimento cristão sempre será para a glória de CRISTO. (4) Devemos auxiliar uns aos outros, como membros do mesmo corpo (v. 16). Aqui o apóstolo faz uma comparação entre o corpo natural e o corpo místico de CRISTO, esse corpo do qual CRISTO é a cabeça. Paulo observa que do mesmo modo que há comunhão e comunicação mútua dos membros do corpo entre si, para o seu crescimento e melhoramento, assim deve haver amor e unidade mútua, junto com o fruto apropriado, entre os cristãos, para que ocorra o melhoramento e crescimento espiritual na graça, “...do qual, diz ele (isto é, de CRISTO, seu cabeça, que transmite influência e alimento para cada membro específico), todo o corpo, bem ajustado e ligado (estando unidos firme e ordenadamente, cada um em seu devido lugar), pelo auxílio de todas as

juntas (pelo auxílio que cada uma das partes, assim unidas, dá ao todo, ou pelo ESPÍRITO, fé, amor, sacramentos etc., que, semelhantemente às veias e artérias no corpo, servem para unir os cristãos a CRISTO, seu cabeça, e uns aos outros como membros desse corpo), segundo a justa operação de cada parte (isto é, dizem alguns, de acordo com o poder que o ESPÍRITO SANTO exerce para tornar os meios designados por DEUS eficazes para esse grande fim, em relação à medida que CRISTO julga ser suficiente e apropriada para cada membro, de acordo com seu respectivo lugar e ministério no corpo; ou, como outros pensam, segundo o poder de CRISTO, que, como cabeça, influencia e aviva cada membro; ou, de acordo com o trabalho eficaz de cada membro em comunicar aos outros o que recebeu; assim o alimento é levado a todos na devida proporção e segundo o estado e exigência de cada parte) faz o aumento do corpo”, em conformidade com a necessidade do corpo. Observe: Cada cristão recebe seus dons e graças de CRISTO para o benefício de todo o corpo.

“...para sua edificação em amor”. Podemos entender isso de duas maneiras: uma maneira é que todos os membros da igreja podem alcançar uma medida de amor maior para com CRISTO e uns para com os outros; a outra maneira é que eles são movidos a agir na forma mencionada do amor a CRISTO e uns aos outros. Observe: O amor mútuo entre os cristãos é um grande aliado do crescimento espiritual; ao passo que “...um reino dividido contra si mesmo não pode subsistir” (veja Mc 3.24).

HENRY. Matthew. Comentário Matthew Henry Novo Testamento ATOS A APOCALIPSE Edição completa. Editora CPAD. pag. 592-593. (com algumas alterações do Pr. Henrique).

A Classificação dos Dons Ministeriais (4.11)

Tudo indica que Paulo, quando escreveu estas palavras, tinha em mente a lista dos ministérios relacionados em 1 Coríntios 12.28. A passagem coríntia compreende uma lista mais longa de dons espirituais (charismata). Mas nesta passagem, Paulo está interessado em apresentar os ofícios necessários para a expansão e sustento da igreja. CRISTO deu à igreja os apóstolos: os ministros supremos, os doze que haviam visto o Senhor ressurreto e recebido suas tarefas diretamente dele. Os profetas têm posição proximal à dos apóstolos, e o seu dom especial era o de ministério inspirado. Foulkes afirma que a função primária dos profetas era similar à dos profetas do Antigo Testamento: “anunciar” a palavra de DEUS. Porém, ocasionalmente prediziam acontecimentos futuros, como em Atos 11.28 e 21.9,ll.30 Os evangelistas eram pregadores itinerantes, que iam de lugar em lugar para ganhar os incrédulos (cf. 2 Tm 4.5), de modo muito semelhante como se faz hoje.

Certos intérpretes sugerem que as primeiras três categorias se aplicam à igreja universal, ao passo que as outras duas se ajustam especificamente à igreja local. Pastores são pastores de um rebanho de comunicantes; a palavra grega (poimen) empregada aqui significa, literalmente, “pastor de ovelhas”. A tarefa dos pastores é alimentar o rebanho e protegê-lo dos perigos espirituais. Doutores pode ser uma outra função do pastor. Bruce afirma que estes dois termos “denotam a mesma e uma única classe de homens”.31 Contudo, pode ser que os doutores representem uma classe de responsabilidade um tanto quanto menor que os pastores, mas que, mesmo assim, detêm lugar especial na igreja. Os cinco ministérios são concedidos pelo ESPÍRITO e dados por CRISTO à sua igreja.

O Propósito dos Dons (4.12-16)
Falando principalmente da vida interior da comunidade cristã, Paulo descreve o propósito para o qual CRISTO deu à igreja estes ministérios. Pelo menos quatro dimensões do propósito divino são distinguíveis.
a) Estes ministérios são dados para edificar ou construir o corpo de CRISTO (12). As três frases neste versículo, cada uma separada por uma vírgula (RC), dão a impressão de que o apóstolo expressa um propósito triplo. No idioma original, a ênfase está na ú
ltima frase: “Ele fez isso para preparar o povo de DEUS para o serviço cristão, a fim de construir o corpo de CRISTO” (NTLH). O objetivo destes servos especiais é ocasionar um aperfeiçoamento (katartismos, lit., “adaptação” ou “equipamento”) para a obra do ministério (diakonias). A expectativa é que haverá um trabalho ativo e frutífero para o Senhor, com o resultado de que a igreja será edificada. À medida que as almas são ganhas, a vida da comunidade se aprofunda e se fortalece pelo serviço unificador da igreja.
b) Estes dons ministeriais são dados para promover maturidade. O versículo 13 rememora o anterior e oferece
explicação adicional da “edificação” da igreja. Uma vez mais, Paulo usa três frases, cada uma iniciada com a preposição grega eis: 1) à unidade da fé; 2) a varão perfeito; 3) à medida da estatura completa de CRISTO. Estas não são ideias paralelas. A primeira fala do meio da maturidade, a segunda fala da realidade da maturidade e a terceira fala da medida da maturidade. Uma tradução melhor do versículo seria esta: “Assim, todos finalmente atingiremos a unidade inerente em nossa fé e em nosso conhecimento do Filho de DEUS, e chegaremos à maturidade, medida por nada menos que a estatura completa de CRISTO” (NEB).
A unidade da fé e do conhecimento do Filho de DEUS constitui o meio do amadurecimento (cf. RA). A unidade é um dom do ESPÍRITO (cf. 3), mas requer-se fé e conhecimento para recebê-la. Neste texto, a fé é a resposta que damos ao Filho de DEUS e a nossa confiança nele DEUS manifestado na carne que morreu no Calvário em nosso benefício. Aqui, conhecimento (epignosis) é semelhante à fé no ponto em que significa “compreensão, familiaridade, discernimento”. Não devemos equipará-lo a conhecimento intelectual, mas a relações pessoais. A unidade se origina dessa intimidade com o Filho proporcionada pela graça. Paulo não está falando da experiência inicial com CRISTO. O apóstolo se preocupa com o crescimento e aumento em entendimento e compreensão dos propósitos e vontade de DEUS conforme estão revelados em associação com CRISTO. Os membros da igreja podem e devem ter tal crescimento em maior medida enquanto o servem.

A varão perfeito refere-se ao nível de maturidade coletiva e individual na igreja, no qual o poder de DEUS se manifesta inteiramente em santidade e justiça. Tal estado será atingido em seu significado máximo futuramente, quando possuirmos a graça de CRISTO na perfeição da ressurreição (cf. Fp 3.7-16).
A medida da estatura completa de CRISTO é o padrão de medida que determina a maturidade cristã. Hodge escreve: “A igreja se torna adulta, homem perfeito, quando alcança a perfeição de CRISTO”. A chave para interpretar o versículo é a expressão estatura completa de CRISTO. Qual é esta estatura? Salmond diz que é “a soma das qualidades que fazem o que ele é”. Quando a igreja está à altura da maturidade plena do seu Senhor, ela é perfeita. E à medida que cresce em direção a essa maturidade, ela fica mais próxima de sua meta em CRISTO. Precisamos também destacar que não há crescimento na igreja separadamente de nosso crescimento individual como crente. É cada um de nós individualmente que tem de se dirigir com empenho à estatura completa de CRISTO.

c) Estes ministérios são dados para garantir a estabilidade na igreja diante de doutrinas divergentes e do engano de homens (14). Esta é consequência natural da maturidade, como Paulo indica por sua frase introdutória: Para que não sejamos mais meninos. Uma das evidências claras de imaturidade é a incapacidade de resistir, de forma inteligente e espiritual, as declarações das falsas doutrinas. As palavras de Paulo são pitorescas. O termo inconstantes só ocorre aqui no Novo Testamento e é derivado de kludon (“vagalhão” ou “onda”). Por conseguinte, o verbo significa literalmente “ser lançado pelas ondas”. Cristãos imaturos são como barcos açoitados pela tempestade. Levados em roda vem da palavra grega periphero, que tem a ideia de oscilar violentamente. Boas traduções dos dois termos são: “levados de um lado para outro pelas ondas” e “jogados para cá e para lá por toda nova rajada de ensino” (cf. BJ, NVI). Atarefa dos ministros é pôr mão forte no leme da igreja, mantê-la firme e fornecer o lastro doutrinário mediante um ministério fiel de pregação e ensino.

Aqueles que introduzem falsos ensinos, nos quais os crentes instáveis caem vítimas, enganam a si mesmos e também enganam fraudulosamente os outros. Esta fase é mais bem traduzida por “fazem uso de todo tipo de dispositivo inconstante para induzir ao erro” (Weymouth). Eles usam de engano (lit., “jogo de dados”). Metaforicamente, veio a significar “artimanha” (BJ, RA). Moule declara corretamente o aviso de Paulo: “Há pessoas próximas de vós que não só vos desviam, mas o fazem de propósito, pondo armadilhas premeditadas e organizando métodos bem-elaborados, com o objetivo de afastá-los de CRISTO a quem eles não amam”. A única proteção adequada contra a sutileza da heresia é uma fé crescente e um conhecimento progressivo da verdade. Os ministros têm de proporcionar a oportunidade de tal maturação para assim garantir a estabilidade na igreja.

d) Estes ministérios são dados para possibilitar o crescimento em CRISTO. Seguindo a verdade (15) é derivado do verbo grego aletheuo, geralmente traduzido por “falar a verdade” (cf. CH, NTLH). Mas há mais no pensamento de Paulo do que proferir sons articulados. Ele pensa em termos de viver e agir. Dale comenta: “A verdade tem de ser a vida de todos os cristãos. A revelação de DEUS em CRISTO tem de influenciar e inspirar todas as atividades dos cristãos. A verdade tinha de se encarnar nos efésios, tinha de se corporificar neles. [...] Não era apenas para falar, mas para vivenciá-la”.38 E esta vida era para ser vivida em caridade (“em amor”, ACF, AEC, BAB, BJ, CH, NVI, RA), quer dizer, com os motivos e inclinações que o amor evoca. As pessoas confessam e vivem asperamente certa porção de verdade, mas a comunidade cristã sempre tem de se expressar em amor. O resultado será o movimento progressivo em direção à perfeição de CRISTO, a cabeça da igreja. Repare que esta ideia é essencialmente idêntica ao pensamento do versículo 13. Além disso, esta ação positiva é a melhor defesa contra os efeitos do erro descritos no versículo 14.

No versículo 16, o apóstolo retorna à analogia do corpo e se serve disso para enfatizar a unidade que CRISTO, a cabeça, traz para a igreja. Ele visualiza a estrutura maravilhosa e intricada do corpo humano com suas partes unidas de modo bem ajustado e ligado (“bem unido e consolidado”, NEB).39 Na analogia, juntas referem-se aos ligamentos pelos quais as partes do corpo se unem. Quando o corpo está funcionando segundo ajusta operação de cada parte, quer dizer, quando cada parte é ativada de acordo com o seu propósito, a harmonia prevalece e o crescimento é certo. CRISTO é, obviamente, o centro e a origem de toda a vida espiritual. Ele dá “coesão e poder vital para o crescimento”.40 Este crescimento resulta na edificação ou “construção” (BAB) da igreja em amor (cf. 1.4; 3.17; 4.2; 5.2). A estrutura tem a ver principalmente com o desenvolvimento espiritual interno, mas quando a igreja é interiormente forte ela aumenta numericamente.
Em suma, Paulo vê a unidade da igreja em termos orgânicos e não organizacionais. A verdadeira unidade é interior e resultado de um organismo saudável. O ESPÍRITO cria essa unidade; não é obra de homens, por mais inteligentes ou apessoados que sejam. Quando esta unidade prevalece, compartilhada por cada membro e motivada pela fidelidade de ministros talentosos, a igreja cresce em simetria e beleza, para espanto do mundo não crente.
Nos versículos 4 a 16, o pensamento da medida da estatura completa de CRISTO sugere o tema “O Alvo Último do Cristão”. 1) O meio para esse fim. Ensinar e pregar a Palavra de DEUS, 11,12; 2) O compêndio do ideal, 4-7,15. A fé incorporada e o corpo incorporado, 16; 3) A proximidade da meta num caráter estável, 14. CRISTO no trono do coração. A igreja unida (G. B. Williamson).
Willard H. Taylor.
Comentário Bíblico Beacon. Editora CPAD. Vol. 9. pag. 160-163. (com algumas alterações do Pr. Henrique).

III DISCERNINDO O VERDADEIRO PROFETA DO FALSO 1. Simplicidade x arrogância.

2. Pelos frutos os conhecereis. 3. Ainda sobre o falso profeta.

III DISCERNINDO O VERDADEIRO PROFETA DO FALSO

O Profeta, quase sempre, é perseguido pelos crentes, principalmente a liderança da Igreja, que não quer ver as coisas ocultas serem reveladas. Vários profetas morreram pelas mãos de seus próprios irmãos, seu povo.

CARACTERÍSTICAS DO VERDADEIRO PROFETA

DEUS vale-se de homens ou mulheres, para usá-los em mensagens proféticas. No Antigo ou em o Novo Testamento, através de profetas ministros a mensagem de DEUS é transmitida para sua igreja, com fins proveitosos.

1) Ele só diz o que ouve da parte de DEUS. O verdadeiro profeta fala a verdade de DEUS, na mensagem que transmite. O profeta verdadeiro não transmite mensagem de sua mente, para agradar ou desagradar, propositadamente. Ele fala a Palavra de DEUS “com verdade”.
O profeta Ágabo previu seca para todo o mundo e previu que Paulo ia ser amarrado, preso e entregue aos gentios. As mensagens desse profeta foram verdadeiras e se cumpriram cabalmente. (Atos 11.27; 21.10).

2) Há evidências da confirmação de DEUS. O verdadeiro profeta é confirmado por DEUS. Sua mensagem é autenticada pelo ESPÍRITO SANTO, e merece credibilidade.

E, levantando-se um deles, por nome Ágabo, dava a entender pelo ESPÍRITO, que haveria uma grande fome em todo o mundo, e isso aconteceu no tempo de Cláudio César. Atos 11:28
E aconteceu que, três dias depois, Paulo convocou os principais dos judeus, e, juntos eles, lhes disse: Homens irmãos, não havendo eu feito nada contra o povo, ou contra os ritos paternos,
vim contudo preso desde Jerusalém, entregue nas mãos dos romanos; Atos 28:17.

3) Tem revelação e discernimento de DEUS.
E isto fez ela por muitos dias. Mas
Paulo, perturbado, voltou-se e disse ao espírito: Em nome de JESUS CRISTO, te mando que saias dela. E na mesma hora saiu. Atos 16:18.

Elinaldo Renovato. Dons espirituais & Ministeriais Servindo a DEUS e aos homens com poder extraordinário. Editora CPAD. pag. 89-90. (com algumas alterações do Pr. Henrique).

1. Simplicidade x arrogância.

O maior erro ao falarmos sobre Profeta é a confusão que se faz entre Profeta - Ministério (tamo no AT como no NT) com Dom de Profecia (geralmente é chamado de profeta quem profetiza - quem tem dom de profecia).
Profeta é ministério.
Ter dom de profecia não faz de alguém um profeta, ministério.

A mensagem dada por um profeta tem a ver com a revelação do futuro (dom de revelação - Palavra de Sabedoria) ou revelação do passado ou do presente (dom de revelação - Palavra de conhecimento ou da ciência).
Muitos profetas também foram e são usados em Dom da fé (ressuscitar mortos), Curas (dons de curar) e Milagres ou Maravilhas.

Dom de profecia é para edificação, exortação e consolação. Confirma o que já está no coração da pessoa. Não prevê nada.

Devido a imaturidade e a ignorância de nossos líderes quanto aos dons, a maioria dos "profetas" que vemos hoje são enganadores e inventam mensagens que DEUS não falou e nem mandou. Falta discernimento e conhecimento dos Dons do ESPÍRITO SANTO.

O Profeta não precisa gritar, fazer teatro para trazer uma mensagem de DEUS para alguém, ou para um grupo de pessoas, ou mesmo para um país.

E, levantando-se um deles, por nome Ágabo, dava a entender pelo ESPÍRITO, que haveria uma grande fome em todo o mundo, e isso aconteceu no tempo de Cláudio César.

Atos 11:28

O Profeta tem autoridade de DEUS para falar em seu Nome. Não teme represálias. Não teme autoridades humanas. Não depende financeiramente de falsos crentes.
O Profeta tem vida honesta e irrepreensível, vive em jejum e oração e estudo da Palavra de DEUS.

A mensagem verdadeira do Profeta de DEUS não tem a ver com edificação, exortação e consolação como no Dom de Profecia, mas, muitas vezes, é uma mensagem condenando o pecado e mostrando o juízo sobre este. Não espere de um profeta uma festa ou um show, mas, em suas ministrações, muito choro, arrependimento e clamor.
Eu repreendo e castigo a todos quantos amo; sê, pois, zeloso e arrepende-te. Apocalipse 3:19

2. Pelos frutos os conhecereis.

CARACTERÍSTICA DO FALSO PROFETA

1) Ele não tem mensagem de DEUS.
2) Ele desvia o povo dos caminhos do Senhor.
3) O falso profeta é soberbo.
4) Os falsos profetas são como “lobos devoradores. 5) Os falsos profetas vivem na iniquidade.

JESUS ENSINA SOBRE OS FRUTOS NA VIDA DAS PESSOAS
Mt 7.15 O Antigo Testamento menciona frequentemente os falsos profetas (veja 2 Rs 3.13; Is 44.25; Jr 23.16; Ez 13.2,3; Mq 3.5; Zc 13.2). Os falsos profetas afirmavam receber mensagens de DEUS, mas só profetizavam o que o rei e as pessoas queriam ouvir. Os falsos mestres também são tão comuns atualmente, quanto o foram naquela época. JESUS disse que devemos ter cuidado com aqueles cujas palavras podem parecer religiosas, mas que estão motivados pelo dinheiro, pela fama ou pelo poder. São aqueles que profetizam só coisas boas. Nunca revelam os pecados e o juízo de DEUS sobre esses pecados.

Mt 7.20 Mencionando 7.16, isto é, o método para discernir os falsos profetas, JESUS explicou que a maneira de identificar uma árvore ou uma pessoa é o tipo de fruto que ela produz. Os bons mestres exibem consistentemente um bom comportamento e um elevado caráter moral quando procuram praticar as verdades das Escrituras. São ganhadores de almas. oram e JESUS Salva, Cura, Batiza no ESPÍRITO SANTO, Liberta.
Comentário do Novo Testamento Aplicação Pessoal. Editora CPAD. pag. 53-54. (com algumas alterações. Pr. Henrique).

3. Ainda sobre o falso profeta.

O CASTIGO DOS FALSOS PROFETAS

Era assim, no Antigo Testamento: “E aquele profeta ou sonhador de sonhos morrerá, pois falou rebeldia contra o Senhor, vosso DEUS, que vos tirou da terra do Egito e vos resgatou da casa da servidão, para vos apartar do caminho que vos ordenou o Senhor, vosso DEUS, para andardes nele; assim, tirarás o mal do meio de ti (Dt 13.5)”. A responsabilidade e o prestígio de um profeta, no Antigo Testamento, era muito grande. O povo o respeitava como sendo um verdadeiro arauto, que falava em nome de DEUS. Sua palavra profética era considerada Palavra de DEUS. No Novo Testamento, não é diferente. Daí, porque o castigo era severo contra os falsos profetas.

Elinaldo Renovato. Dons espirituais & Ministeriais Servindo a DEUS e aos homens com poder extraordinário. Editora CPAD. pag. 92-93. (com algumas alterações. Pr. Henrique)

CONCLUSÃO

DEUS QUER USAR PROFETAS NA IGREJA - Seja um voluntário para que JESUS CRISTO o use assim. O pecado deve ser combatido e para isso deve ser revelado. Tenha coragem. Tenha ânimo. Se esforce. Seja instrumento de DEUS, Canal de DEUS em sua obra de salvação.

))))))))))))))))))))))))))))))))))))))))))))))))))))))))

Lição 8, O Ministério de Evangelista
Revista Lições Bíblicas Adultos, CPAD, 2° Trimestre 2014/2021
Tema: Dons Espirituais e Ministeriais - Servindo a DEUS e aos Homens com Poder Extraordinário Comentarista: Elinaldo Renovato de Lima

Complementos, Ilustrações e Vídeos: Pr. Luiz Henrique de Almeida Silva - 99-99152- 0454. - henriquelhas@hotmail.com - Americana - SP - Tel Esposa - 19-98448-2187

https://youtube.com/playlist?list=PL9TsOz8buX1-baadTSIySFKmkNz4J5_qd (vídeos desta lição em 2014) (Lição escrita em 2014)

https://ebdnatv.blogspot.com/2021/05/slides-licao-8-o-ministerio-de.html (Slides) https://ebdnatv.blogspot.com/2021/05/escrita-licao-8-o-ministerio-de_16.html (Escrita)

Vídeo desta Lição em 2021 - https://www.youtube.com/watch?v=6YrxjRisPVI

LEITURA BÍBLICA EM CLASSE - Atos 8.26-35; Efésios 4.11

Atos 8
26 - E o anjo do Senhor falou a Filipe, dizendo: Levanta-te e vai para a banda do Sul, ao caminho que desce de Jerusalém para Gaza, que está deserto. 27 - E levantou-se e foi. E eis que um homem etíope, eunuco, mordomo-mor de Candace, rainha dos etíopes, o qual era superintendente de todos os seus tesouros e tinha ido a Jerusalém para adoração, 28 - regressava e, assentado no seu carro, lia o profeta Isaías. 29 - E disse o ESPÍRITO a Filipe: Chega-te e ajunta-te a esse carro. 30 - E, correndo Filipe, ouviu que lia o profeta Isaías e disse: Entendes tu o que lês? 31 - E ele disse: Como poderei entender, se alguém me não ensinar? E rogou a Filipe que subisse e com ele se assentasse. 32 - E o lugar da Escritura que lia era este: Foi levado como a ovelha para o matadouro; e, como está mudo o cordeiro diante do que o tosquia, assim não abriu a sua boca. 33 - Na sua humilhação, foi tirado o seu julgamento; e quem contará a sua geração? Porque a sua vida é tirada da terra. 34 - E, respondendo o eunuco a Filipe, disse: Rogo-te, de quem diz isto o profeta? De si mesmo ou de algum outro? 35 - Então, Filipe, abrindo a boca e começando nesta Escritura, lhe anunciou a JESUS.
Efésios 4
11 - E ele mesmo deu uns para apóstolos, e outros para profetas, e outros para evangelistas, e outros para pastores e doutores.

OBJETIVO GERAL - Mostrar a singularidade do ministério do Evangelista na vida da Igreja.

Resumo da Lição 8, O Ministério de Evangelista - 2014/2021 I - JESUS ENVIA OS SETENTA (Lc 10.1-20)
1. São poucos os que anunciam.
2. Enviados para o meio de lobos.

3. Os sinais e as maravilhas confirmam a Palavra.
II - A GRANDE COMISSÃO (Mt 28.19,20; Mc 16.15-20) 1. O alcance da Grande Comissão.
2. O mundo está dividido em dois grupos.
3. A Grande Comissão hoje.
Ill - O DOM MINISTERIAL DE EVANGELISTA
1. O conceito de evangelista.
2. O papel do evangelista.
3. A finalidade do ministério do evangelista.

COMENTÁRIOS DO Pr.HENRIQUE

Lição 8 - O ministério de Evangelista
LIÇÕES BÍBLICAS - 2o Trimestre de 2014/2021 - CPAD - Para jovens e adultos
Tema: Dons Espirituais e Ministeriais - Servindo a DEUS e aos homens com poder extraordinário Comentário: Pr. Elinaldo Renovato de Lima
Complementos, ilustrações, e vídeos: Pr. Henrique de Almeida Silva
https://www.youtube.com/watch?v=6YrxjRisPVI

LEITURA BÍBLICA EM CLASSE - Atos 8.26-35; Efésios 4.11

Atos 8.26 - E o anjo do Senhor falou a Filipe, dizendo: Levanta-te e vai para a banda do Sul, ao caminho que desce de Jerusalém para Gaza, que está deserto. 27 - E levantou-se e foi. E eis que um homem etíope, eunuco, mordomo-mor de

Candace, rainha dos etíopes, o qual era superintendente de todos os seus tesouros e tinha ido a Jerusalém para adoração, 28 - regressava e, assentado no seu carro, lia o profeta Isaías. 29 - E disse o ESPÍRITO a Filipe: Chega-te e ajunta-te a esse carro. 30 - E, correndo Filipe, ouviu que lia o profeta Isaías e disse: Entendes tu o que lês? 31 - E ele disse: Como poderei entender, se alguém me não ensinar? E rogou a Filipe que subisse e com ele se assentasse. 32 - E o lugar da Escritura que lia era este: Foi levado como a ovelha para o matadouro; e, como está mudo o cordeiro diante do que o tosquia, assim não abriu a sua boca. 33 - Na sua humilhação, foi tirado o seu julgamento; e quem contará a sua geração? Porque a sua vida é tirada da terra. 34 - E, respondendo o eunuco a Filipe, disse: Rogo-te, de quem diz isto o profeta? De si mesmo ou de algum outro? 35 - Então, Filipe, abrindo a boca e começando nesta Escritura, lhe anunciou a JESUS. Efésios 4.11 - E ele mesmo deu uns para apóstolos, e outros para profetas, e outros para evangelistas, e outros para pastores e doutores.

Meus Comentários - Pr. Henrique

Evangelistas - exemplos atuais.

https://www.youtube.com/watch?v=ixFfrFFLMI4 - CRUZADA, 3 MIL ALMAS PARA CRISTO, Pr Clebison Bandeira - Imperatriz, MA. Isso sim é evangelismo de massas. Um autêntico evangelista. Várias curas e milagres também ocorreram ali.

INTRODUÇÃO

Nesta lição estudaremos sobre o importantíssimo ministério de Evangelista. lembrando que não há ministério legítimo sem a escolha e chamada de JESUS e a capacitação do ESPÍRITO SANTO, com seus dons.
A realidade missionária no Brasil, atualmente, é raquítica e chega a ser ridícula. Uma igreja no interior do estado mais pobre do Brasil tem mais missionários do que a sede da Assembleia de DEUS no Brasil, na maior cidade do país. essa mesma igreja tem mais missionários do que igrejas de cidades como Rio de Janeiro, Belo Horizonte, Vitória, Recife, Natal, Fortaleza, Belém, Salvador, Teresina, Palmas, João Pessoa, Goiânia, Porto Alegre, Curitiba, Florianópolis, Brasília, São Luis, Manaus, Porto Velho, Campo Grande, Cuiabá, etc... é uma vergonha para quem deu uma ordem expressa para sua igreja: "E disse-lhes: Ide por todo o mundo, pregai o evangelho a toda criatura". Marcos 16:15

"Mas recebereis a virtude (poder) do ESPÍRITO SANTO, que há de vir sobre vós; e ser-me-eis testemunhas, tanto em Jerusalém como em toda Judéia e Samaria e até aos confins da terra."
É inacreditável que ainda existam pastores que acreditem que só devem enviar missionários para outras cidades, estados e países depois de evangelizarem seu próprio bairro ou cidade. A bíblia diz "TANTO em Jerusalém" e diz "COMO", quer dizer ao mesmo tempo evangelizamos nossa área como as outras áreas do mundo inteiro.

"E também Saulo consentiu na morte dele. E fez-se naquele dia uma grande perseguição contra a igreja que estava em Jerusalém; e todos foram dispersos pelas terras da Judéia e de Samaria, exceto os apóstolos". Atos 8:1
Às vezes DEUS permite uma perseguição à igreja para ela obedeça a seu IDE (Ide Depressa Evangelizar). DEUS não manda a perseguição, ELE permite por causa de nossa desobediência.

Será que a pandemia veio para parar a Igreja para que ela medite sobre sua situação atual na evangelização do mundo?

"E eis que sobre vós envio a promessa de meu Pai; ficai, porém, na cidade de Jerusalém, até que do alto sejais revestidos de poder". (Lucas 24:49).
Outras vezes vemos igrejas que vão sem obedecer à Palavra de DEUS que diz para ficar em Jerusalém até receber poder para ir. Primeiro deve-se buscar poder, batismo no ESPÍRITO SANTO, depois deve-se ir e receber capacitação para exercer a função com Dons do ESPÍRITO SANTO.

"E na igreja que estava em Antioquia havia alguns profetas e doutores, a saber: Barnabé e Simeão chamado Níger, e Lúcio, cireneu, e Manaém, que fora criado com Herodes o tetrarca, e Saulo. E, servindo eles ao Senhor, e jejuando, disse o ESPÍRITO SANTO: Apartai-me a Barnabé e a Saulo para a obra a que os tenho chamado. Então, jejuando e orando, e pondo sobre eles as mãos, os despediram". (Atos 13:1-3).

A igreja deve ter profetas e doutores que servem à igreja, esses profetas e doutores devem jejuar e orar buscando orientação de DEUS. Certamente o ESPÍRITO SANTO orientará a igreja sobre quem deve ser enviado para evangelizar. Existem muitos Paulos e Barnabés que estão esperando para serem enviados pelo mundo. Dê uma olhadinha a seu redor e você encontrará gente apaixonada por almas.

"Como nada, que útil seja, deixei de vos anunciar, e ensinar publicamente e pelas casas", Atos 20:20

Se construíssemos pequenos templos para 200 pessoas, numa distância de 300 metros um do outro, no máximo, em nossa cidade, evangelizaríamos muito mais e melhor do que gastar verdadeiras fortunas construindo mega-templos para serem usados três vezes por semana. Se fossem pequenos templos e com poucas pessoas nossos pastores visitariam essas pessoas e os aconselharia e poderiam evangelizar essa área muito melhor. Haveria mais união, menos diferenças e mais amor. Todos teriam um mesmo objetivo, ganhar almas.

https://youtu.be/ZufVLeFxLwQ Andres Bisonni Cruzadas de salvação e milagres https://www.youtube.com/watch?v=MVd97AP_m6A Isso sim é evangelismo de massas. Um autêntico evangelista. Várias curas e milagres também ocorreram ali. (Daniel Kolenda and Reinhard Bonnke)

Mesmo que construam grandes templos, se tiverem muitos missionários, mas pelo menos usem o dinheiro de maneira honesta para construírem de acordo com suas necessidades. Como pode uma cidade do interior do estado mais pobre do Brasil, com cerca de 250 mil habitantes, construir uma igreja para 10 mil pessoas, enquanto a sede da maior cidade do Brasil,commaisde10milhõesdehabitantes,constróiumasedepara apenas10milpessoas?Algumacoisaestáerrada. "Cadê o dinheiro que estava aqui"?

O padrão de Atos dos Apóstolos nos ensina como fazer missões - Primeiro Milagres, depois ajuntamento de pessoas, depois pregação do Evangelho, depois muitas conversões, depois batismo nas águas, depois batismo no ESPÍRITO SANTO, depois treinamento desses novos crentes para dirigirem uma nova igreja e serem missionários tanto em sua cidade como em todo o mundo, cheios do ESPÍRITO SANTO e capacitados com dons do mesmo.

Sobre ter mais de um ministério em um mesmo ministro
Podemos, cada um de nós, ter todos os dons do ESPÍRITO SANTO (9), Paulo (em meu entendimento) assim os teve. Busquemos cada dia mais poder para evangelizar. Apoiemos aqueles que desejam ganhar almas. Invistamos o dinheiro na evangelização.

Filipe, o evangelista autêntico

“Entrementes, os que foram dispersos iam por toda parte pregando a palavra. Filipe, descendo à cidade de Samaria, anunciava-lhes a CRISTO. As multidões atendiam, unânimes, às coisas que Filipe dizia, ouvindo e vendo os sinais que ele operava. Pois os espíritos imundos de muitos possessos saíam gritando em alta voz; e muitos paralíticos e coxos foram curados. E houve grande alegria naquela cidade.” Atos 8:4-8

FILIPE LHES ANUNCIAVA A CRISTO.

Eis aqui o padrão de Atos dos Apóstolos - Por que as multidões se convertiam? Porque ouviam e viam os sinais que Filipe fazia por intermédio do ESPÍRITO SANTO.
Que sinais podemos
Ouvir de um legítimo evangelista, vindos do ESPÍRITO SANTO? Línguas, Dom de línguas, interpretação de línguas, profecias, Dom Palavra de Sabedoria, Dom Palavra de Conhecimento.

Que sinais podemos Ver, vindos de um legítimo evangelista, usado pelo ESPÍRITO SANTO? Dom da Fé, Dom de Discernimento de espíritos, Dom de Milagres, Dons de Curar.
Novamente o padrão de Atos está em usos - Milagres, ajuntamento de pessoas, pregação do evangelho, multidões de convertidos.

Filipe tinha uma família de bom testemunho
Filipe, um dos sete diáconos que foram escolhidos pelo povo, conforme ordem dos Apóstolos, para se dedicarem na solução da falta de alimento às viúvas helenistas (veja em At 6,1-6). Filipe, porém, não ficou apenas neste serviço, mas torna-se pregador do Evangelho em Samaria. Depois o vemos como evangelista em Cesareia. Filipe morava com sua família em Cesaréia. As suas quatro filhas, conforme vemos em At 21,9 também eram profetizas, isto é, tinham o dom de profecia. Que bênção de família para um evangelista bem-sucedido.

E no dia seguinte, partindo dali Paulo, e nós que com ele estávamos, chegamos a Cesaréia; e, entrando em casa de Filipe, o evangelista, que era um dos sete, ficamos com ele. E tinha este quatro filhas virgens, que profetizavam. Atos 21:8-9.

Evangelista não é título, é ministério, é pessoa dada por CRISTO à Igreja

Se você tem o título de evangelista, mas não ganhou nem uma alma este mês, você pode ser tudo, menos evangelista. OK?
Evangelista é apaixonado por almas. Evangelista amanhece e anoitece pensando em ganhar almas, aliás não só pensa, ganha mesmo.

Acontecia ali, em Samaria, um grave problema - Havia milagres, conversões, alegria, mas não havia batismo no ESPÍRITO SANTO.
As boas notícias de Samaria chegaram à Jerusalém, e logo os apóstolos
enviaram Pedro e João (o melhor que tinham), com a finalidade de orarem pelos irmãos para que recebessem o batismo no ESPÍRITO SANTO. Quando Pedro e João oraram por eles receberam, então, o batismo no ESPÍRITO SANTO.

Os quais, tendo descido, oraram por eles para que recebessem o ESPÍRITO SANTO (Porque sobre nenhum deles tinha ainda descido; mas somente eram batizados em nome do Senhor JESUS). Então lhes impuseram as mãos, e receberam o ESPÍRITO SANTO. Atos 8:15-17

E no dia seguinte, partindo dali Paulo, e nós que com ele estávamos, chegamos a Cesaréia; e, entrando em casa de Filipe, o evangelista, que era um dos sete, ficamos com ele.
E tinha este quatro filhas virgens, que profetizavam.

Atos 21:8-9

A organização da igreja hoje é feita de maneira humana

Existem muitos evangelistas que não são nem diáconos em suas congregações. Falta a visão da liderança sobre o dom de cada um. DEUS chamou, escolheu, preparou, capacitou, mas os homens não enxergaram, ou porque são cegos ou porque não querem enxergar com medo de perderem suas posições talvez. Fazer o que? O legítimo obreiro, ministro chamado por DEUS, não pede cargo, não inveja cargo, não busca reconhecimento ou elogio humano. Na bíblia, os grandes homens que DEUS chamou e escolheu, não queriam suas funções. Achavam que não mereciam e que não conseguiriam fazer o que DEUS queria que eles realizassem. Preferiam que DEUS chamasse outros. Durante o tempo que dirigi igreja não encontrei nenhum bom obreiro que pedisse cargo, mas os péssimos obreiros sempre estavam pedindo, outros exigindo, outros bajulando para serem reconhecidos. Os bons só assumem quando são chamados pessoalmente e com insistência.

Nossa organização ministerial não é satisfatória e nem reconhece as peças principais da igreja. devido a isso estamos passando pela pior fase da igreja até hoje. Milhares de crentes nominais apenas. As escolas bíblicas dominicais nunca estiveram tão vazias. os cultos de doutrina nunca estiveram tão vazios. Você se lembra, se é que já viu, de algum aleijado levantar e sair andando durante um culto em sua igreja? um cego de nascença vendo, um surdo de nascença vendo? Dom ministerial só para quem já é batizado no ESPÍRITO SANTO e tem pelo menos um dom do ESPÍRITO SANTO, a meu ver. Não temos ministro legítimo na bíblia que não tivesse essas coisas funcionando em seus ministérios. As credenciais de um verdadeiro ministro chamado e escolhido por CRISTO

As credenciais de um verdadeiro ministro são os sinais e maravilhas que DEUS opera através do mesmo. Não importa o título, importa o que DEUS pensa a respeito do obreiro. DEUS confirma sua escolha com sinais, prodígio e maravilhas. -- - Os sinais do meu apostolado foram manifestados entre vós com toda a paciência, por sinais, prodígios e maravilhas. 2 Coríntios 12:12 --- E Estêvão, cheio de fé e de poder, fazia prodígios e grandes sinais entre o povo. Atos 6:8 -- E em toda a alma havia temor, e muitas maravilhas e sinais se faziam pelos apóstolos. Atos 2:43 --- Testificando também DEUS com eles, por sinais, e milagres, e várias maravilhas e dons do ESPÍRITO SANTO, distribuídos por sua vontade? Hebreus 2:4 --- Pelo poder dos sinais e prodígios, e pela virtude do ESPÍRITO de DEUS; de maneira que desde Jerusalém, e arredores, até ao Ilírico, tenho pregado o evangelho de JESUS CRISTO. Romanos 15:19, etc...

A UNIÃO DO ENSINO, DA PREGAÇÃO E DOS MILAGRES, ISSO TORNA O EVANGELHO EFICAZ.

O ESPÍRITO do Senhor é sobre mim, pois que me ungiu para evangelizar os pobres, enviou-me a curar os quebrantados do coração, a apregoar liberdade aos cativos, a dar vista aos cegos, a pôr em liberdade os oprimidos, a anunciar o ano aceitável do Senhor. Isaías 61.1; Lucas 4:18,19
Mas, quando fizeres convite, chama os pobres, aleijados, mancos e cegos. Lucas 14:13

E percorria JESUS toda a Galileia, ensinando nas suas sinagogas, e pregando o evangelho do Reino, e curando todas as enfermidades e moléstias entre o povo. Mateus 4:23
E percorria JESUS todas as cidades e aldeias, ensinando nas sinagogas deles, e pregando o evangelho do Reino, e curando todas as enfermidades e moléstias entre o povo. Mateus 9:35

de tal sorte que a multidão se maravilhou vendo os mudos a falar, os aleijados sãos, os coxos a andar, e os cegos a ver; e glorificava o DEUS de Israel. Mateus 15:31
E, tomando-o pela mão direita, o levantou, e logo os seus pés e tornozelos se firmaram. E, saltando ele, pôs-se em pé, e andou, e entrou com eles no templo, andando, e saltando, e louvando a DEUS. Atos 3:7,8 ... - Muitos, porém, dos que ouviram a palavra creram, e chegou o número desses homens a quase cinco mil. Atos 4:4 E as multidões unanimemente prestavam atenção ao que Filipe dizia, porque ouviam e viam os sinais que ele fazia,

pois que os espíritos imundos saíam de muitos que os tinham, clamando em alta voz; e muitos paralíticos e coxos eram curados. Atos 8:6,7
E estava assentado em Listra certo varão leso dos pés, coxo desde o seu nascimento, o qual nunca tinha andado. Este ouviu falar Paulo, que, fixando nele os olhos e vendo que tinha fé para ser curado, disse em voz alta: Levanta-te direito sobre teus pés. E ele saltou e andou. Atos 14:8-10 ... - confirmando o ânimo dos discípulos, exortando-os a permanecer na fé, pois que por muitas tribulações nos importa entrar no Reino de DEUS. Atos 14:22

Exemplo de um legítimo evangelista

Bem diferente de um crente que normalmente evangeliza - todos podem e devem evangelizar e alguns até recebem título de Evangelista, mas poucos têm o Dom Ministerial de Evangelista - Evangelista Reinhard Bonnke foi mais conhecido por suas grandes campanhas evangelísticas no Continente Africano. Filho de um pastor, Reinhard aceitou a JESUS quando tinha nove anos de idade, e recebeu seu chamado para os campos missionários da África antes de se tornar um adolescente. Depois de atender um Seminário no País de Gales e pastorear na Alemanha por sete anos, ele começou seu trabalho missionário na África. Ele começou fazendo cultos em uma tenda que acomodava 800 pessoas. À medida que o número de pessoas começou a crescer, tendas maiores foram adquiridas. Finalmente em 1984 ele encomendou a construção da maior estrutura móvel do mundo uma tenda capaz de comportar 34.000 pessoas sentadas. E ainda,

pouco tempo depois o número de pessoas que atendiam aos cultos excederam a capacidade desta tenda, chegando a milhões de pessoas participando de um mesmo culto. Reinhard Bonnke fundou o ministério internacional "CRISTO para todas as Nações", com escritórios localizados na África, Alemanha, Reino Unido, Canadá, Singapura e nos Estados Unidos. Desde o início do novo milênio, através da realização de eventos em grande escala na África e outras partes do mundo, e também com o alvo de vermos 100 milhões de vidas relatarem sua decisão por JESUS CRISTO nesta década, 42 milhões de pessoas já responderam ao chamado do Evangelho. Além disso, ele é conhecido por realizar as “Conferências do Fogo” em muitos países ao redor do mundo. Estas conferências treinam e encorajam os líderes da igreja para o evangelismo. Elas causaram um grande impacto e inspiraram muitas pessoas já alcançarem uma dimensão maior em termos de evangelismo e ministério. Seu ministério é confirmado com muitos milagres e maravilhas. Cegos vêm, surdos ouvem, aleijados andam, etc... Glória a DEUS.

Alguém que se desvia perde os dons que tinha antes?

Dons são dados pela graça e misericórdia de DEUS, tanto os do ESPÍRITO SANTO, quanto os de CRISTO (Ef 4.11). Imediatamente após o legítimo arrependimento e confissão e reconciliação o crente está como estava antes de pecar. Fala em línguas e os dons voltam a fluir. DEUS não se lembra mais de seus pecados. Nós é que lembramos e não perdoamos. Alguém matou ou roubou, não pagou a conta que devia, etc.... teve legítimo arrependimento e confissão de pecados, aceitou a JESUS como único Senhor e Salvador, está perdoado, seus pecados não existem mais para DEUS, mas ele vai para a cadeia pelos seus crimes cometidos. Existem consequências, mas não influenciam na salvação. Quanto à nossa atitude temos que aprender perdoar de coração, segundo o amor de DEUS em nós. Os dons voltam a funcionar imediatamente após a reconciliação.

Pastores são evangelistas?

Dificilmente um pastor será um evangelista. Os pastores, em sua maioria, têm tentado convencer as pessoas de que têm algum dom ministerial por terem um título de pastor, assim como alguns evangelistas e professores. Na verdade dom ministerial não é dado por homens e sim por DEUS. Não é por merecimento e sim pela graça de DEUS. E uma escolha soberana de DEUS. Profetas e evangelistas da atualidade continuam como os antigos, como Elias, Elizeu, Ágabo, Silas, Paulo, Barnabé, Apolo e outros mencionados em Atos dos Apóstolos, bem como os que hoje andam escassos em nossos púlpitos. É raro, mas ainda se vê algum de vez em quando - Trabalho com um evangelista que realmente tem o ministério de evangelista, o evangelista Clebinson Bandeira, de Imperatriz-MA. Em sua última cruzada geral, em Imperatriz, ganhou mais de mil almas para CRISTO (veja https://youtu.be/ixFfrFFLMI4 ). Provavelmente 3 mil almas aceitaram a JESUS neste dia. Em média ganha mais de mil almas por mês. É um apaixonado por almas.

Em Camboriú, no congresso de Missões, que aconteceu de 26/04/2014 a 05/05/2014, ganhou mais 140 almas para CRISTO (http://www.portaldoceu.com.br/dvd-do-gmuh-2014---pastor-clebison-bandeira/). DEUS cura muitas pessoas durante suas cruzadas e concede muitos milagres financeiros também.
Na maioria das vezes a igreja coloca um evangelista para ser pastor de uma igreja para poder sustentar esse obreiro e isso finda em acabar com o ministério do evangelista. Pode-se ganhar um pastor, mas também pode ocorrer de não se ter mais nem um evangelista e nem um pastor. Pastor é para cuidar de ovelhas. Evangelista é para pregar o evangelho a multidões.

Quanto a esses artistas de palco, com título de evangelistas, mandam o povo profetizar e eles mesmos dizem que estão profetizando prosperidade e outras coisas desejadas pelo povo, são apenas ignorantes da Palavra de DEUS e mercenários que assolam nossas igrejas em busca da lã das néscias ovelhas. Quem as defenderá? Evangelista não está buscando fama e nem dinheiro, mas almas. Recebe a mensagem diretamente de DEUS e a transmite acompanhadas de milagres e maravilhas, pois DEUS confirma sua Palavra assim.

Quanto aos dons que agem no evangelista são principalmente os dons de poder, fé, milagres e curas, também acompanhados de Palavra de Sabedoria (revelação do futuro), Palavra de Conhecimento ou da Ciência (Revelação do passado e presente). Alguém pode ser usado em algum desses dons esporadicamente, mas o evangelista sempre é usado assim. O evangelista é apaixonado por almas. Pena que não podemos dar muitos exemplos de evangelistas legítimos na Assembleia de DEUS de hoje, pois nossa denominação foi quase toda corrompida pela liderança política e financeira que existe hoje comandando a igreja. Oremos irmãos, DEUS tenha misericórdia de nós. Precisamos investir nas grandes cruzadas evangelísticas com legítimos evangelistas.

Lucas 10.7 - O evangelista e suas exigências (salário-comida-hotel)
E ficai na mesma casa, comendo e bebendo do que eles tiverem, pois digno é o obreiro de seu salário. Não andeis de casa em casa. Lucas 10:7 - Isso indica ao evangelista que ele não deve ficar escolhendo onde vai dormir, onde vai comer, não deve exigir salário. Eu faço palestras e prego em todo o Brasil. Não cobro nada. Não como - faço jejum. Gosto de ficar na casa de algum irmão ou do pastor, não gosto de hotéis, pois só dão despesa para a igreja. Nós não vamos fazer turismo, vamos levar a mensagem de DEUS e compartilhar nossos dons com os irmãos e ganharmos almas..
A CGADB deveria estipular um teto para os "cachês" dos pregadores (evangelistas?) e cantores (artistas?). Já passou da hora de dar um basta nesse comércio de celebridades em nossas igrejas.

A cidade de Samaria era dominada por um vigarista que os iludia com artes mágicas, mas, pelo poder de DEUS que agia através de Filipe, até o mágico Simão se converteu. Parece que sua conversão não foi legítima, pois já queria comprar o poder de batismo no ESPÍRITO SANTO com dinheiro, mas diante da maldição imposta por Pedro e João, deve ter se convertido realmente.

O verdadeiro evangelista tem intimidade com DEUS
E o anjo do Senhor falou a Filipe, dizendo: Levanta-te, e vai para o lado do sul, ao caminho que desce de Jerusalém para Gaza, que está deserta. Atos 8:26

O evangelista Filipe não só testificava publicamente, mas também fazia evangelismo pessoal. Foi enviado por DEUS para pregar ao primeiro-ministro da rainha da Etiópia (o título honorífico dela era Candace, assim como existem outros em diversos países, tais como barão, duque, visconde, conde; presidente, imperador, césar, Candace, Heika, Denka, Hidenka, Kakka, Daitoryoi (Títulos reais e oficiais no Japão); Czar (Rússia), Dogde (Espanha), etc....

O legítimo evangelista conhece as escrituras e sua mensagem é JESUS CRISTO:

E, correndo Filipe, ouviu que lia o profeta Isaías, e disse: Entendes tu o que lês? Atos 8:30 - Então Filipe, abrindo a sua boca, e começando nesta Escritura, lhe anunciou a JESUS. Atos 8:35
O Assunto da pregação do evangelista é JESUS e este crucificado e ressuscitado.
Porque nada me propus saber entre vós, senão a JESUS CRISTO e este crucificado. 1 Coríntios 2:2

O verdadeiro evangelista é direcionado para a cidade ou lugar que DEUS manda:

Então, foi conduzido JESUS pelo ESPÍRITO ao deserto, para ser tentado pelo diabo. Mateus 4:1
E o anjo do Senhor falou a Filipe, dizendo: Levanta-te e vai para a banda do Sul, ao caminho que desce de Jerusalém para Gaza, que está deserto. Atos 8:26
E, quando saíram da água, o ESPÍRITO do Senhor arrebatou a Filipe, e não o viu mais o eunuco; e, jubiloso, continuou o seu caminho. E Filipe se achou em Azoto e, indo passando, anunciava o evangelho em todas as cidades, até que chegou a Cesaréia. Atos 8:39-40
E, passando pela Frígia e pela província da Galácia, foram impedidos pelo ESPÍRITO SANTO de anunciar a palavra na Ásia. Atos 16:6

O legítimo evangelista ama, isso é o amor de DEUS derramado em seu coração. Esse amor arde, queima, sufoca, não nos deixa parar e nem desanimar. Nossa comida é essa.
AMOR PELAS ALMAS <http://ministeriofogonoaltar.blogspot.com.br/2012/12/amor-pelas-almas.html>
... Fiz-me tudo para todos, para, por todos os meios, chegar a salvar alguns (1 Co 9.22).

Eu, de muito boa vontade, gastarei e me deixarei gastar pelas vossas almas, ainda que, amando-vos cada vez mais, seja menos amado. 2 Coríntios 12:15
Consideremos:

1. O amor no coração de DEUS
“Porque DEUS amou o mundo de tal maneira que deu o seu Filho unigênito, para que todo aquele que nele crê não pereça, mas tenha a vida eterna” (Jo 3.16).

2. O amor no coração de JESUS
“E, vendo a multidão, teve grande compaixão deles, porque andavam desgarrados e errantes como ovelhas que não têm pastor” (Mt 9.36).Vejamos:
- amor ao leproso (Mc 1.41); - amor aos cegos (Mt 20.34); - amor à viúva de Naim (Lc 7.13); - amor a Jerusalém (Mt 23.37); - amor às multidões (Mt 14.14; 15.32).

E o anjo do Senhor falou a Filipe, dizendo: Levanta-te, e vai para o lado do sul, ao caminho que desce de Jerusalém para Gaza, que está deserta.

Atos 8:26

E, correndo Filipe, ouviu que lia o profeta Isaías, e disse: Entendes tu o que lês? Atos 8:30

E, quando saíram da água, o ESPÍRITO do Senhor arrebatou a Filipe, e não o viu mais o eunuco; e, jubiloso, continuou o seu caminho.
E Filipe se achou em Azoto e, indo passando, anunciava o evangelho em todas as cidades, até que chegou a Cesaréia.

Atos 8:39-40

3- O amor no coração dos apóstolos

“E os apóstolos davam, com grande poder, testemunho da ressurreição do Senhor JESUS, e em todos eles havia abundante graça” (At 4.33).Vejamos:
- o amor de Paulo (At 20.23; 21.13; Rm 9.1-3; 10.1; 1 Co9.16-23); - o amor de Pedro e João (At 3.1-8; 4.1,2,8,18-21).

4. O amor no coração dos diáconos
“E, descendo Filipe à cidade de Samaria, lhes pregava a CRISTO” (At 8.5);
“E apedrejaram a Estêvão, que em invocação dizia: Senhor JESUS, recebe o meu espírito. E, pondo
-se de joelhos, clamou com grande voz: Senhor, não lhes imputes este pecado. E, tendo dito isto, adormeceu” (At 7.59,60).

5. O amor no coração da Igreja
“Mas os que andavam dispersos iam por toda parte anunciando a palavra” (At 8.4);
“E os que foram dispersos pela perseguição que sucedeu por causa de Estêvão caminharam até à Fenícia, Chipre e Antioquia, não anunciando a ninguém a palavra senão somente aos judeus ”(At 11.19).

6. O amor no coração de alguns servos de DEUS na história - Oração de evangelista é mais ou menos assim:
“Agora, deixem-me consumir por DEUS” — Henrique Martyn. “Dá-me a Escócia ou morrerei” —John Knox.

“Se não queres dar-me almas, retira a minha”—Whitefield. “Pai, dá-me estas almas ou eu morro” — Hyde.

TER PROFUNDO AMOR A JESUS

Porque eu estou pronto não só a ser ligado, mas ainda a morrer em Jerusalém pelo nome do Senhor JESUS” (At 21.13); “... regozijando-se de terem sido julgados dignos de padecer afronta pelo nome de JESUS” (At 5.41);
“Assim que, sabendo o temor que se deve ao Senhor, persuadimos os homens à fé...” (2 Co 5.11);
“Porque o amor de CRISTO nos constrange...” (2 Co 5.14).

O que está acontecendo com a Europa
Na Europa acontece certos fenômenos que o PT quer implantar aqui no Brasil.
Controle de natalidade - Abortos e Camisinhas - Todos sabem do programa do PT sobre isso. Na Europa, tanto investiram nisso que agora a maioria da população é velha e estão aposentados, sendo que não possuem força jovem para produzir e pagar as aposentadorias dos mais velhos. como os muçulmanos têm pelo menos 4 filhos em cada família e podem ter 4 esposas cada homem, imaginem como têm crescido.
Escalada do Islamismo - O PT vem estimulando construção de mesquitas por todo o Brasil. na Europa eles já são maioria em setores importantes da economia e de segurança.
Combate ao evangelho pentecostal - No Brasil os pentecostais são perseguidos claramente pelo PT e os tradicionais, as igrejas ditas cessacionistas, as históricas, apoiam o PT por debaixo do pano para receberem apoio financeiro. Quem apoia aborto consegue vantagens - Até a Universal anda comprando horários de todos os canais para acabar com o horário de TV e Rádio das igrejas que são pentecostais ou neopentecostais, tudo apoiado pela esquerda. Na Europa as igrejas que eram antes as enviadoras de missionários pelo mundo passaram a um esfriamento pentecostal e se tornaram cessacionistas e hoje já nem existem mais ou estão sucumbidas pelo satanismo desenfreado que invadiu tais países.
O apoio a casamentos de gays e lésbicas liberados aqui no Brasil com o apoio maciço do PT quer destruir a família tradicional para obrigar a continuação do nascimento de filhos. A falsa adoção de crianças por parte de casais homossexuais tem como objetivo recrutar crianças para ser parte de sua causa. Na Europa aconteceu a falta de filhos e falta de mão de obra para trabalhar exatamente devido à liberação de tudo isso. A falta de moralidade, a falta de caráter, a falta de temor de DEUS está levando a Europa ao caos político, financeiro, moral e religioso. A única conclusão a que chegamos é a de que a verdadeira igreja da Europa faliu. Vamos ter que evangelizar os evangelizadores.

MAIS COMENTÁRIOS DIVERSOS COM ALGUMA CORREÇÕES QUE FIZEMOS.

Revista Ensinador Cristão CPAD, n° 58, p.39.
EXISTEM EVANGELISTAS E "EVANGELISTAS"
O Dom Ministerial do Evangelista foi repartido por JESUS para que o arauto de DEUS, através da mensagem centralizada na cruz de CRISTO, ganhasse pessoas para o reino divino. Uma das maiores características de um evangelista é a sua paixão por pregar às pessoas para que se convertam a JESUS. Não importa o número, se dezenas, centenas ou milhares. O que importa é pregar JESUS, o crucificado. Esta é a mensagem do bom evangelista.
Temos de deixar bem claro a missão de um evangelista: pregar o Evangelho. Anunciar o ministério da reconciliação de DEUS com o mundo, porque foi para isso que o Senhor enviou seu Filho: "DEUS estava em CRISTO reconciliando consigo o mundo, não lhes imputando os seus pecados, e pôs em nós a palavra da reconciliação" (2Co 5.19). Esta é a boa nova que o autêntico evangelista tem de proclamar.

O Senhor nosso DEUS separa uns para Evangelistas e os dá à sua Igreja. Isso não invalida o privilégio de anunciar o Evangelho para o ser humano para todo aquele que se chama por discípulo de JESUS de Nazaré.
A Igreja separa também evangelistas, porém é uma escolha humana e eclesiástica. por incrível que pareça tem evangelista que não sequer uma alma por mês, e, não se espantem, nem uma alma por ano.

COMENTÁRIOS DIVERSOS - INTRODUÇÃO (todos com algumas modificações e adaptações ao legítimo evangelho de JESUS CRISTO, elaboradas por mim, Pr. Henrique)

A Bíblia fala muito pouco sobre esse dom. Se consultamos uma concordância bíblica, só encontramos três referências a esse termo (At 21.8; Ef 4.11; 2 Tm 4.5). À luz da boa hermenêutica ou interpretação dos textos bíblicos, podemos constatar que há homens, dentre os que se colocam à disposição da obra do Senhor, que têm uma vocação prioritária para a pregação do evangelho, para a proclamação das Boas-Novas de salvação, ou do kerigma, também muito usados em dons do ESPÍRITO SANTO. Por isso, o evangelista consta da lista dos “dons-ministeriais”, que são “dons de DEUS”, concedidos por CRISTO aos homens, após sua retumbante vitória sobre a morte (cf. Ef 4.8-11). Ninguém é superior a ninguém, no Reino de DEUS (Rm 12.5). Todos os dons ministeriais se completam e possuem grau de importância iguais na Igreja (Ef 4.11), São pessoas dadas por CRISTO à Igreja.

Nas últimas décadas, os evangelistas têm sido muito solicitados para participarem de eventos, nas igrejas evangélicas. Alguns são excelentes pregadores, que transmitem mensagens na unção de DEUS, demonstrando verdades bíblicas com profundidade, atraindo os pecadores para CRISTO. Normalmente, os evangelistas têm ministério itinerante. Vão buscar as almas, para que elas sejam acolhidas nas igrejas locais, aos cuidados dos pastores, auxiliados pelos discipuladores. A evangelização intensa só pode ter êxito se houver um discipulado intensivo junto aos que se convertem por meio das pregações dos evangelistas. Evangelizar sem discipular é semear sem cuidar das almas que se convertem. Os evangelistas são aqueles que dizem aos pecadores: “Venham para CRISTO”, e os pastores, que cuidam do rebanho, são os que dizem: “Sejam transformados pelo poder de DEUS, e se integrem ao Corpo de CRISTO, que é a Igreja”. Os ministérios se complementam. São importantes os Apóstolos, profetas, evangelistas, pastores e doutores. Nessa complementaridade de ministérios, podemos ver a palavra do profeta Isaías: “Um ao outro ajudou e ao seu companheiro disse: Esforça-te!” (Is 41.6).

Assim, vamos estudar o papel e a missão do evangelista, com base nos textos bíblicos que nos permitem avaliar esse importante dom ministerial, tão necessário à igreja como os demais que constam das listas de ministérios necessários ao bom funcionamento do Corpo de CRISTO, que é a Igreja, da qual Ele é a Cabeça.
Elinaldo Renovato.
Dons espirituais & Ministeriais Servindo a DEUS e aos homens com poder extraordinário. Editora CPAD. pag. 94-95.

I - JESUS ENVIA OS SETENTA (Lc 10.1-20)

E, depois disso, designou o Senhor ainda outros setenta e mandou-os adiante da sua face, de dois em dois, a todas as cidades e lugares onde ele havia de ir. E dizia-lhes: Grande é, em verdade, a seara, mas os obreiros são poucos; rogai, pois, ao Senhor da seara que envie obreiros para a sua seara. Ide; eis que vos mando como cordeiros ao meio de lobos. E não leveis bolsa, nem alforje, nem sandálias; e a ninguém saudeis pelo caminho. E, em qualquer casa onde entrardes, dizei primeiro: Paz seja nesta casa. E, se ali houver algum filho de paz, repousará sobre ele a vossa paz; e, se não, voltará para vós. E ficai na mesma casa, comendo e bebendo do que eles tiverem, pois digno é o obreiro de seu salário. Não andeis de casa em casa. E, em qualquer cidade em que entrardes e vos receberem, comei do que vos puserem diante. E curai os enfermos que nela houver e dizei-lhes: É chegado a vós o Reino de DEUS. Lucas 10:1-9

Os setenta podem ser vistos como apóstolos ou como evangelistas. Apóstolos porque foram enviados por JESUS e evangelistas porque foram transmitir as boas novas de salvação e os sinais os seguiram. Falavam de JESUS e eram usados em curas, libertações, milagres e até no dom da fé (ressuscitar mortos), como o caso dos apóstolos.
e, indo,
pregai, dizendo: É chegado o Reino dos céus. Curai os enfermos, limpai os leprosos, ressuscitai os mortos, expulsai os demônios; de graça recebestes, de graça dai. Mateus 10:7,8

1. São poucos os que anunciam.

Após a eleição dos Doze, que constituíam o “Colégio Apostólico”, tempos depois, JESUS resolveu escolher outros discípulos, em número de setenta, para enviá-los como evangelistas a “a todas as cidades onde ele havia de ir” e os organizou em equipes de evangelizadores, “de dois em dois” (Lc 10.1, 2). O texto de Lucas, referente ao envio dos “outros setenta” é o mais substancial em informações quanto ao seu desempenho apostólico. Algumas das mais importantes afirmações de JESUS sobre seus enviados constam desse texto, ainda que não são considerados participantes do “colégio apostólico”. Para distingui-los dos 12, nesta análise, melhor chamá-los de evangelistas.

OS OBREIROS SÃO POUCOS
Ao enviar os setenta, JESUS asseverou que “Grande é, em verdade a seara, mas os obreiros são poucos” (Lc 10.2a). Diante dessa realidade, JESUS exorta a que devemos rogar ao Senhor da seara, para “que envie obreiros para a sua seara” (Lc 10.2b).Elinaldo Renovato. Dons espirituais & Ministeriais Servindo a DEUS e aos homens com poder extraordinário. Editora CPAD. pag. 95-96.

OS SETENTA EVANGELISTAS - PREGAR E CURAR - Ide; eis que vos mando como cordeiros ao meio de lobos. E não leveis bolsa, nem alforje, nem sandálias; e a ninguém saudeis pelo caminho. E, em qualquer casa onde entrardes, dizei primeiro: Paz seja nesta casa. E, se ali houver algum filho de paz, repousará sobre ele a vossa paz; e, se não, voltará para vós. E ficai na mesma casa, comendo e bebendo do que eles tiverem, pois digno é o obreiro de seu salário. Não andeis de casa em casa. E, em qualquer cidade em que entrardes e vos receberem, comei do que vos puserem diante. E curai os enfermos que nela houver e dizei-lhes: É chegado a vós o Reino de DEUS. Lucas 10:3-9

Designou o Senhor ainda outros setenta
(1) Lucas não quer dizer que CRISTO tinha enviado setenta anteriormente, mas que os setenta eram adicionais aos doze que haviam sido enviados.
O simples fato de que JESUS tinha estes muitos discípulos dignos de confiança é significativo. Muitas vezes nos esquecemos de que Ele tinha muitos seguidores leais.
Mandou-os... de dois em dois. Para ajuda mútua e encorajamento. A todas as cidades e lugares onde ele havia de ir. Estes deveriam preparar a visita dele a essas cidades. Neste momento, os doze apóstolos estavam com Ele; os setenta foram adiante da sua face. E possível que cada uma dessas duplas de discípulos fosse a apenas uma cidade e ficasse por lá, pregando, ensinando e preparando, em outros aspectos, a visita de JESUS. Isto totalizaria trinta e cinco cidades e aldeias visitadas por JESUS em seu ministério na Peréia, e Ele dificilmente visitaria muitas mais em um período de seis ou sete meses, a menos que suas visitas fossem muito breves.
Do versículo 2 até o 16, JESUS dá instruções e admoestações aos setenta. Muitas destas são instruções iguais ou semelhantes às instruções dadas em várias ocasiões aos doze apóstolos. É mais razoável que JESUS tenha dado as mesmas admoestações por duas vezes, se as exigências das situações fossem as mesmas. Qualquer líder da igreja admoestando grupos de obreiros inevitavelmente repetiria vários pontos, pois todos eles precisariam basicamente das mesmas instruções.
Grande é, em verdade, a seara, mas os obreiros são poucos
(2) A metáfora da seara parece ter sido uma das favoritas de JESUS. A seara das almas humanas sempre foi grande e os obreiros sempre foram, tragicamente, poucos. É a fatal falta de interesse do homem pelos seus companheiros que mantém este número tão pequeno.
Rogai, pois, ao Senhor da seara que envie obreiros para a sua seara. Levar a seara ao celeiro é nossa responsabilidade. E conseguir os obreiros necessários é, em parte, nossa responsabilidade. Devemos enxergar as necessidades e rogar que o Senhor envie obreiros adicionais.
Charles L. Childers.
Comentário Bíblico Beacon. Editora CPAD. Vol. 6. pag. 409-410.

Estes setenta, embora não o servissem de forma tão próxima e tão constantemente quanto os doze, eram, no entanto, os ouvintes constantes de sua doutrina, as testemunhas dos seus milagres, e criam nele. Estes setenta são aqueles de quem Pedro fala como “os varões que conviveram conosco todo o tempo em que o Senhor JESUS entrou e saiu dentre nós,” e faziam parte dos cento e vinte ali mencionados, Atos 1.15,21. Podemos supor que muitos destes que foram os companheiros dos apóstolos, de quem lemos em Atos e nas Epístolas, faziam parte destes setenta discípulos.

Havia trabalho para tantos ministros, e ouvintes para tantos pregadores; assim o grão da semente de mostarda começou a crescer, e o sabor do fermento a se espalhar pela refeição, para a fermentação do todo.
Devemos supor, embora não esteja registrado, que CRISTO logo em seguida foi a todos estes lugares em que agora os enviou, embora Ele pudesse ficar apenas por pouco tempo em um lugar. Duas coisas eles foram ordenados a fazer, o mesmo que CRISTO fez onde quer que tenha ido:

(1) Eles deviam curar os enfermos (v. 9), curá-los em nome de JESUS, o que faria com que as pessoas desejassem ver este JESUS, e estivessem prontas a receber aquele cujo Nome era tão poderoso.
(2) Eles deviam anunciar a chegada do Reino de DEUS, a sua chegada até eles: “Dizei-lhes: É chegado a vós o Reino de DEUS, e agora sereis admitidos nele, se apenas olhardes ao vosso redor. Agora é o dia da vossa visitação, sabei e entendei”. E bom estarmos conscientes das nossas vantagens e oportunidades, para que possamos aproveitá-las. Quando o Reino de DEUS chega até nós, devemos prosseguir, indo de encontro a ele.

HENRY. Matthew. Comentário Matthew Henry Novo Testamento MATEUS A JOÃO Edição completa. Editora CPAD. pag. 596-597.

10.1 Muito mais que doze pessoas vinham seguindo a JESUS. De acordo com 1 Coríntios 15.6, JESUS tinha pelo menos quinhentos seguidores na época em que concluiu seu ministério. Aqui JESUS designa um grupo de setenta para preparar algumas cidades para sua visita posterior. Um grupo de 120 destes seguidores foi a Jerusalém para dar início à igreja ali (At 1.15). Em número de setenta também foram os ajudantes do ministério de Moisés (Nm 11.25).

No serviço cristão, não há desemprego. DEUS tem trabalho suficiente para todos. Nenhum crente deve ficar sentado e olhar os outros trabalhando, porque a seara é grande.
Comentário do Novo Testamento Aplicação Pessoal. Editora CPAD. pag. 392.

2. Enviados para o meio de lobos.

No tempo de JESUS, os evangelizadores, ou evangelistas, enfrentariam situações comparáveis a cordeiros no meio de lobos (Lc 10.3). Certamente, os setenta puderam sentir de perto o cumprimento da advertência do Senhor. Devem ter sido rejeitados, aborrecidos e perseguidos, até com ameaça de morte. Nos dias atuais, os que são enviados por CRISTO, para levarem a mensagem do evangelho a certas regiões do mundo, vivem em constante risco de morrer. Desde o século passado, e no presente, de cada três pessoas que morrem por causa de sua fé, uma é cristã. Mais cristãos foram mortos nas últimas décadas, do que em toda a história de Igreja de CRISTO. Daí, porque a maior parte dos missionários está radicada onde já existem muitos obreiros. Poucos são os que se destinam a lugares inóspitos e ameaçadores. É compreensível, até certo ponto, mas JESUS mandou pregar o evangelho a toda criatura. Apóstolos, profetas e evangelistas legítimos não temem o Diabo e seus representantes, vão aonde ninguém tem coragem de ir. Paulo não se deixou intimidar por inimigos do evangelho. O legítimo evangelho é pregado com sinais, prodígios e maravilhas, talvez por isso mesmo a esmagadora maioria de enviados não têm coragem de ir aonde ainda o evangelho não penetrou e onde a perseguição ao evangelho é terrivelmente praticada, como na Coréia do Sul, por exemplo.

E a tendência da perseguição aos servos de JESUS é de acentuar-se cada vez mais. Na maioria dos países do Ocidente, o Diabo tem levantado a perseguição institucional, através de governos, dos legislativos e do Judiciário, mediante a elaboração e aprovação de leis que dificultam e ameaçam a liberdade para a pregação do evangelho. São “as portas do inferno”, através das “leis injustas” (Is 10.1). Elas não prevalecerão, como profetizou JESUS, mas perturbarão e causarão grandes problemas à missão da Igreja. Mas será por um tempo. Quando JESUS intervier, na sua Vinda, os “lobos” serão aniquilados, mas a Igreja (nós) já terá sido arrebatada, graça de DEUS.

Elinaldo Renovato. Dons espirituais & Ministeriais Servindo a DEUS e aos homens com poder extraordinário. Editora CPAD. pag. 96-97.

Eis que vos mando como cordeiros ao meio de lobos.
Que paradoxo: Cordeiros saindo para salvar ovelhas de lobos! Aqui está a simplicidade unida ao desamparo: nenhuma arma carnal como defesa (nossas armas são poderosas em DEUS - Nome de JESUS, Sangue de JESUS, Palavra de DEUS, Amor, Dons espirituais). Mas DEUS tem uma maneira de criar a força a partir da fraqueza, e de usar até a morte como uma arma da vitória e da vida. Aqui vemos a supremacia de CRISTO. Ele é o maior Vencedor do mundo, e ainda assim as suas forças não foram utilizadas no que se refere à defesa carnal ou terrena. Os cristãos têm sido assassinados aos milhares, mas o avanço triunfal continua. A esta altura temos que parar e meditar e ganhar uma nova luz e inspiração para a tarefa e a batalha dos dias atuais. Não estamos desprotegidos, pois CRISTO está conosco. Uma vez que a própria morte não nos vence, podemos começar a entender que somos imbatíveis. Mas, se começarmos a nos equipar com armas carnais, estaremos caminhando em direção à derrota.
Charles L. Childers.
Comentário Bíblico Beacon. Editora CPAD. Vol. 6. pag. 410.

Cabe notar que os discípulos não são enviados “aos lobos”, mas “para o meio de lobos”. Isso ilustra o aspecto indizivelmente penoso do envio dos mensageiros de JESUS. Essa palavra anuncia aos mensageiros a perseguição de sua pessoa e a rejeição de sua mensagem. Isso é muito mais que “não acolher” ou “não ouvir” a pregação.
O envio das ovelhas para o meio de lobos era proverbial em Israel. Se a penetração dos lobos em um rebanho de ovelhas já representa um grande perigo, quanto mais perigoso será enviar e remeter, contrariando todo o bom senso, ovelhas isoladas para dentro de uma alcateia de lobos! As indefesas ovelhas devem viver, atuar e permanecer entre lobos, e até mesmo superá-los. Isto é inimaginável e inconcebível! Contudo, DEUS assim o determinou! Que não esqueçamos isso especialmente quando os lobos se tornarem cada vez mais numerosos e temíveis nos tempos finais! Foi o Senhor que o disse!
A segurança para um envio tão perigoso, o equipamento para uma incumbência tão avessa à sensatez na luta entre
ovelhas e lobos não está em levar qualquer tipo de armamento, mas nas palavras: “Eu vos envio”. E isso basta.
Assim como, pois, os setenta discípulos não devem estar munidos de armas de defesa diante dos perigos no meio de lobos, assim eles também não devem equipar-se com a bagagem usual de viagem. A instrução de que nem sequer levem consigo algo além da roupa necessária para a caminhada, tem o objetivo de que fiquem única e exclusivamente atentos ao cumprimento de seu envio.
Interpreta-se de diferentes maneiras o adendo de não saudar ninguém no trajeto ou a caminho. Essa instrução de comportamento tem um protótipo no AT (2Rs 4.29). De acordo com uma das interpretações, a palavra de não saudar representa uma ordem referente à urgência. A saudação oriental é muito demorada. Em um encontro desses, todos os votos costumeiros de bênção, abraços, beijos, pedidos de informação e discursos podem causar uma parada que consome tempo, e que é indesejável para quem tem pressa. Esta proibição de forma alguma veta a simples e singela
saudação: “Paz seja contigo!”
Fritz Rienecker. Comentário Esperança Evangelho de Lucas. Editora Evangélica Esperança.

3. Os sinais e as maravilhas confirmam a Palavra.

Os setenta evangelistas foram autorizados a curar os enfermos que encontrassem nas cidades por onde haveriam de passar (Lc 10.9). A operação de milagres fazia parte integrante da missão. Evangelização com milagres, sinais e prodígios era a característica da atividade ministerial. Receberam “poder sobre os espíritos imundos, para os expulsarem, e para curarem toda a enfermidade e todo o mal” (Mt 10.1). Da mesma forma, os setenta evangelistas também estavam investidos da mesma autoridade espiritual. Ao retornarem da missão, deram um relatório positivo e vibrante do que lhes acontecera, quando saíram, em cumprimento ao mandado de JESUS, de dois em dois (Lc 10.17).

O MAIOR PRIVILÉGIO DOS EVANGELISTAS
E voltaram os setenta com alegria, dizendo: Senhor, pelo teu nome, até os demônios se nos sujeitam. E disse-lhes: Eu via Satanás, como raio, cair do céu.
Eis que vos dou poder para pisar serpentes, e escorpiões, e toda a força do Inimigo, e nada vos fará dano algum. Mas não vos alegreis porque se vos sujeitem os espíritos; alegrai-vos, antes, por estar o vosso nome escrito nos céus. Lucas 10:17-20

Na palavra aos setenta, JESUS os surpreendeu com uma declaração, ante a alegria e a comemoração pelos milagres que viram ser realizados por seu intermédio. Curas, libertação de endemoninhados e outros milagres. JESUS lhes fez saber que maior privilégio do que operar milagres era ter o seus próprios nomes “escritos nos céus” (Lc 10.20). Elinaldo Renovato. Dons espirituais & Ministeriais Servindo a DEUS e aos homens com poder extraordinário. Editora CPAD. pag. 97.

Eis que vos dou poder para pisar serpentes, e escorpiões, e toda a força do Inimigo, e nada vos fará dano algum (19).
Esta escritura tem, de fato, uma implicação literal, mas o contexto parece exigir que o principal significado seja espiritual. Note como JESUS faz uma analogia entre serpentes, e escorpiões, e toda a força do Inimigo. Tanto os versículos anteriores como os posteriores se referem às forças satânicas. A gramática desses versículos implica, também, que essas serpentes e escorpiões estão incluídos nas forças do inimigo. O simbolismo é comum para as forças satânicas ou demônios e até para o próprio Satanás. O significado principal é que os cristãos têm poder para pisar triunfantemente sobre os exércitos de Satanás, através do poder do ESPÍRITO SANTO e da graça de JESUS CRISTO.

Charles L. Childers. Comentário Bíblico Beacon. Editora CPAD. Vol. 6. pag. 411.

Observação Importante
Notemos que nos é dado todo poder sobre os poderes satânicos de Satanás e que nada nos causará dano algum. As palavras todo e nada são importantíssimas aqui.

Voltaram os setenta com alegria (v. 17); não reclamando da fadiga de suas jornadas, nem da oposição e do desencorajamento com que eles se depararam, mas alegres com o seu sucesso, especialmente por terem expulsado muitos espíritos imundos: Senhor, pelo teu nome, até os demônios se nos sujeitam. Embora apenas a cura dos enfermos seja mencionada em seu comissionamento (v. 19), não há dúvida de que a expulsão de demônios estava incluída, e nisto eles tiveram um sucesso maravilhoso.
A. Eles dão a CRISTO a glória por todo este resultado positivo: É através do Teu Nome. Note que todas as nossas vitórias sobre Satanás são obtidas pelo poder que vem de JESUS CRISTO. Ele deve ter todo o louvor; se a obra for feita em seu Nome, a honra será devida ao seu Nome.
B. Eles se alegram com o conforto que há nisto; eles falam deste assunto com um ar de exultação: Até os demônios, aqueles inimigos poderosos, se nos sujeitam. Note que os santos não têm maior alegria ou satisfação em quaisquer de seus triunfos do que quando triunfam sobre Satanás. Se os demônios se nos sujeitam, quem pode nos resistir?
Que aceitação eles acharam no Senhor, e como Ele recebeu este relato.
(1) Ele confirmou o que eles disseram, por concordar com a sua própria observação (v. 18): “O meu coração e os meus olhos acompanharam vocês; eu notei o sucesso que tiveram, e vi Satanás, como um raio, cair do céu”.
Note que Satanás e o seu reino caem diante da pregação do Evangelho. “Entendam como é”, disse CRISTO, “enquanto vocês ganham terreno, o diabo perde terreno.” Ele cai como um raio do céu, tão repentinamente, tão irrecuperavelmente,
tão visivelmente, que todos podem percebê-lo, e dizer, “Veja como o reino de Satanás cambaleia, veja como ele tropeça.”
(2) Ele repetiu, ratificou, e aumentou o comissionamento deles: Eis que vos dou poder para pisar serpentes, v. 19. Note que para aquele que possui, e usa bem o que possui, mais lhe será dado. Eles haviam empregado o poder de JESUS vigorosamente contra Satanás, e agora CRISTO lhes confia um poder maior. (1) Um poder ofensivo, poder para pisar serpentes e escorpiões, demônios e espíritos malignos, a antiga serpente: “Esmagareis a cabeça da serpente em meu Nome”, de acordo com a primeira promessa, Gênesis 3.15. Vinde, calcai os vossos pés nos pescoços destes inimigos;

pisareis estes leões e serpentes onde quer que vos encontreis com eles; vós os calcareis debaixo dos vossos pés, Salmos 91.13. Pisareis todos os poderes do inimigo; e o Reino do Messias será estabelecido em todos os lugares sobre as ruínas do reino de Satanás. Assim como os demônios se vos sujeitam agora, eles ainda vos serão sujeitos. (2) Um poder defensivo: “Nada vos fará dano algum; nem serpentes, nem escorpiões, se fordes castigados com eles ou lançados em prisões e calabouços entre eles; não sereis feridos pelas criaturas mais venenosas,” como aconteceu com Paulo (At 28.5), como é prometido em Marcos 16.18. “Se os homens perversos forem como as serpentes para vós, e habitardes entre estes escorpiões (como Ez 2.6), podereis desprezar a fúria deles, e pisar neles; isto não precisará vos perturbar, pois eles não têm nenhum poder contra vós, além do que eles receberam do alto; eles podem fazer barulho, mas não podem ferir”.
(3) Ele os instruiu a canalizarem a sua alegria para o motivo certo (v. 20): Note que o poder de serem feitos filhos de DEUS deve ser mais valorizado do que qualquer outra coisa. Aqueles cujos nomes estão escritos nos céus jamais perecerão; eles são as ovelhas de CRISTO, a quem é dada a vida eterna.
HENRY. Matthew.
Comentário Matthew Henry Novo Testamento MATEUS A JOÃO Edição completa. Editora CPAD. pag. 599-600.

JESUS lhes disse que não se preocupassem com o que estivessem comendo, mas que fizessem o que tinham vindo fazer - curar os enfermos (o que era um sinal de que o reino era chegado) e proclamar às pessoas que era chegado o reino de DEUS (veja também 10.11; 21.31).
Lc 10.10,11 JESUS também deu instruções caso seus discípulos entrassem em uma cidade e não fossem recebidos. JESUS repetiu a instrução de sacudir o pó daquela cidade dos seus pés como um anúncio público da sua condenação (9.5).

Eles tinham visto resultados tremendos ao ministrar em nome de JESUS e com a sua autoridade.
O seu ministério não deveria se tornar uma experiência de poder que levasse ao orgulho, mas uma experiência de serviço cujas únicas motivações fossem o amor a DEUS, e o desejo de que mais pessoas se unissem a eles no reino.
Comentário do Novo Testamento Aplicação Pessoal. Editora CPAD. pag. 394-395.

As vitórias conquistadas até então sobre Satanás e a promessa do Senhor de que farão façanhas ainda maiores são inúteis se não tiverem como fundamento a salvação pessoal. Incomparavelmente mais preciosa do que possuir todas as dádivas da graça é a própria graça de DEUS, transmitida a todos os verdadeiros discípulos do Senhor pelo fato de que seus “nomes estão inscritos no livro da vida”. Muitas vezes salienta-se na Escritura a importante ideia da inscrição nos céus ou no livro da vida (cf. Êx 32.32; Sl 69.28; 87.6; 139.16; Is 4.3; Dn 12.1; Fp 4.3; Ap 3.5,12; 13.8; 20.12,15; 21.27; Hb 12.23).
E Fritz Rienecker.
Comentário Esperança Evangelho de Lucas. Editora Evangélica Esperança.

II - A GRANDE COMISSÃO (Mt 28.19,20; Mc 16.15-20)

JESUS não nos mandou ir sozinhos, além de nos capacitar para ir, ELE vai conosco, através do ESPÍRITO SANTO que habita em nós e possui todo o poder necessário para realizarmos Sua obra.

E, chegando-se JESUS, falou-lhes, dizendo: É-me dado todo o poder no céu e na terra. Portanto, ide, ensinai todas as nações, batizando-as em nome do Pai, e do Filho, e do ESPÍRITO SANTO; ensinando-as a guardar todas as coisas que eu vos tenho mandado; e eis que eu estou convosco todos os dias, até à consumação dos séculos. Amém! Mateus 28:18-20

E disse-lhes: Ide por todo o mundo, pregai o evangelho a toda criatura. Quem crer e for batizado será salvo; mas quem não crer será condenado. E estes sinais seguirão aos que crerem: em meu nome, expulsarão demônios; falarão novas línguas; pegarão nas serpentes; e, se beberem alguma coisa mortífera, não lhes fará dano algum; e imporão as mãos sobre os enfermos e os curarão. Ora, o Senhor, depois de lhes ter falado, foi recebido no céu e assentou-se à direita de DEUS. E eles, tendo partido, pregaram por todas as partes, cooperando com eles o Senhor e confirmando a palavra com os sinais que se seguiram. Amém! Marcos 16:15-20

E disse-lhes: Assim está escrito, e assim convinha que o CRISTO padecesse e, ao terceiro dia, ressuscitasse dos mortos; e, em seu nome, se pregasse o arrependimento e a remissão dos pecados, em todas as nações, começando por Jerusalém. Lucas 24:46,47

Mas recebereis a virtude do ESPÍRITO SANTO, que há de vir sobre vós; e ser-me-eis testemunhas tanto em Jerusalém como em toda a Judeia e Samaria e até aos confins da terra. Atos 1:8

1. O alcance da Grande Comissão.

Nas suas palavras finais aos seus “onze” discípulos, após a ressurreição, JESUS lhes deu a mais importante missão que poderia ser confiada a homens. A ordem de irem “por todo o mundo” e pregarem “o evangelho a toda a criatura” (Mc 16.15). Aquele mandato seria extensivo a todos os demais discípulos, que o seguiam, e a todos os que haveriam de segui-lo ao longo dos tempos, e até à sua vinda no arrebatamento da Igreja. Foi o que se convencionou chamar de “A Grande Comissão”. Eles foram comissionados para continuarem a obra que o Mestre iniciou, em seu ministério terreno. Tem alcance mundial. Os seguidores de JESUS deveriam ir “por todo o mundo” para levar as Boas-Novas de salvação. Antes de qualquer outra incumbência, eles teriam que realizar o papel de apóstolos, evangelistas, evangelizadores ou missionários, para buscarem as almas perdidas para CRISTO. A missão de propagar o evangelho de CRISTO teria que ser local, regional, nacional e transcultural, “por todo o mundo”.

Destina-se a todos os povos. Enquanto os judeus entendiam que a salvação seria exclusiva para eles, que esperavam o Messias, JESUS ultrapassou aquela visão limitada, e deu ordem a seus seguidores para que levasse a mensagem do evangelho “a toda criatura”. A Igreja de JESUS é “inclusiva” para os que o aceitam e abandonam o pecado. E é “exclusiva” para quem quer ficar ao lado de CRISTO (Mt 12.30).

Os sinais aos que crerem. JESUS lhes mostrou que a eles e aos que haviam de crer no evangelho, seriam concedidos recursos espirituais jamais entregues a outras pessoas, para que pudessem alcançar a missão que lhes era confiada naquele momento especial. Ante os olhares ansiosos e tensos, JESUS lhes asseverou: “E estes sinais seguirão aos que crerem: em meu nome, expulsarão demônios; falarão novas línguas; pegarão nas serpentes; e, se beberem alguma coisa mortífera, não lhes fará dano algum; e imporão as mãos sobre os enfermos e os curarão” (Mc 16.17, 18). A multiplicação desses sinais são os Dons do ESPÍRITO SANTO que capacitam os crentes para a evangelização mundial, principalmente capacita os ministérios dados por CRISTO. Eles já tinham visto muitos sinais, operados por CRISTO. Eles próprios tiveram experiências com sinais, prodígios e maravilhas quando foram enviados por CRISTO (os doze e os setenta). Mas, na sua despedida, JESUS lhes assegurou que aqueles sinais não seriam apenas para eles e sim para todos os “que crerem”.

Nos primórdios da Igreja, no período apostólico, todos esses sinais foram realizados, porém um não foi registrado na Bíblia - o de “beberem alguma coisa mortífera” (ou veneno) sem sofrer qualquer dano.
O revestimento de Poder. A Grande Comissão exigiria um revestimento de poder sobrenatural para sua eficácia. Antes de subir aos céus, JESUS disse aos seus discípulos: “ficai, porém, na cidade de Jerusalém, até que do alto sejais revestidos de poder. (Lc 24.49 grifo nosso).

O revestimento de poder a que JESUS se referia era a descida do batismo com o ESPÍRITO SANTO. Os discípulos já eram salvos. Já tinham recebido o ESPÍRITO SANTO, no sopro de JESUS sobre eles (Jo 20.22). Mas, para evangelizar, cumprindo a Grande Comissão, teria necessidade de um revestimento de poder sobrenatural, que lhes daria graças, poder e unção para saírem pelo mundo afora, enfrentando os mais difíceis obstáculos, e as mais cruéis perseguições humana, de reis, imperadores e até de muitos que se dizem cristãos.

Observação minha - Pr. Henrique
A perseguição também era a porta de entrada para que eles fossem capacitados com os dons espirituais, tão necessários em sua obra de pregação do evangelho.

Os discípulos estavam preparados para a Missão, pois aprenderam aos pés de JESUS, ao longo de uma convivência de cerca de três anos.
A virtude do ESPÍRITO SANTO era o que estava faltando aos apóstolos e evangelistas. Eles já eram salvos, mas teriam
que aguardar “a virtude do ESPÍRITO SANTO”, para serem testemunhas corajosas, enviadas ao meio de “lobos devoradores” (Mt 7.15). E o revestimento veio sobre os discípulos, no Dia de Pentecostes, quando receberam o batismo com o ESPÍRITO SANTO (At 2.1-13) e depois os dons do mesmo..

Elinaldo Renovato. Dons espirituais & Ministeriais Servindo a DEUS e aos homens com poder extraordinário. Editora CPAD. pag. 98-100.

Observação minha - Pr. Henrique
Basta ver a diferença entre o Pedro antes do batismo no ESPÍRITO SANTO e o Pedro depois do batismo no ESPÍRITO SANTO.
o batismo no ESPÍRITO SANTO traz encorajamento, alegria, fé para pregar destemidamente o evangelho do JESUS vivo e ressurreto.

DEUS deu a JESUS todo o poder sobre o céu e a terra (Mt 28.18). Com base neste poder, JESUS disse aos seus discípulos ide e fazei discípulos (versão RA), pregando, batizando e ensinando. “Fazer discípulos” significa educar novos crentes sobre como seguir a JESUS, submeter-se à soberania de JESUS e assumir a sua missão de serviço misericordioso. Batizar é importante porque une o crente a JESUS CRISTO em sua morte para o pecado, e em sua ressurreição para uma nova vida (Rm 6.3, 4). O batismo simboliza a submissão a CRISTO, a disposição para viver segundo a vontade de DEUS, e a identificação com o povo da aliança de DEUS. Batizar em nome do Pai, e do Filho, e

do ESPÍRITO SANTO é um gesto que afirma a realidade da Trindade, o conceito que veio diretamente do próprio Senhor JESUS. Ele não disse para batizar “nos nomes”, mas “em nome” do Pai, e do Filho, e do ESPÍRITO SANTO.
Embora em missões anteriores JESUS tivesse enviado os discípulos somente aos judeus (10.5,6), a sua missão a partir de então seria a todas as nações. Isto é chamado de Grande Comissão. Os discípulos tinham sido bem treinados, e tinham visto o Senhor ressuscitado. Eles estavam preparados para ensinar as pessoas de todo o mundo a guardar todas as coisas que JESUS tinha mandado. Isto também mostrava aos discípulos que haveria um período entre a ressurreição de JESUS e a sua segunda vinda. Durante este período, os seguidores de JESUS tinham uma missão a cumprir - evangelizar, curar, batizar e ensinar as pessoas a respeito de JESUS para que elas, por sua vez, pudessem fazer a mesma coisa.

As boas novas do Evangelho deveriam ser transmitidas a todas as nações. Com este mesmo poder e autoridade, JESUS ainda nos ordena que contemos a outros sobre as boas-novas, e os façamos discípulos do reino. Nós devemos ir seja à porta ao lado ou a outro país - e fazer discípulos. Esta não é uma opção, mas um mandamento a todos os que chamam JESUS de “Senhor”. Quando obedecermos, sentiremos conforto sabendo que JESUS está conosco todos os dias. Isto irá acontecer por meio da presença do ESPÍRITO SANTO na vida dos crentes. O ESPÍRITO SANTO será a presença de JESUS que nunca os deixará (Jo 14.26; At 1.4,5). JESUS continua a estar conosco hoje, por meio do seu ESPÍRITO. Da mesma maneira como este Evangelho se iniciou, ele termina - Emanuel, “DEUS conosco” (1.23). O mesmo ESPÍRITO SANTO que estava em JESUS, é o mesmo que está em nós (Atos 10.38). Assim podemos fazer as mesmas e ainda maiores obras que JESUS (João 14.12).

As profecias do Antigo Testamento e as genealogias do livro de Mateus apresentam as credenciais de JESUS que o qualificam para ser o Rei do reino de DEUS na terra e no céu - não um líder militar ou político, como os discípulos originalmente tinham esperado, mas o Rei espiritual que pode derrotar todo o mal e governar no coração de cada pessoa. Se nos recusarmos a servir fielmente ao Rei, seremos súditos desleais. Precisamos fazer de JESUS o Rei da nossa vida, e adorá-lo como nosso Salvador, Rei e Senhor.

Comentário do Novo Testamento Aplicação Pessoal. Editora CPAD. pag. 171.

A ordem com autoridade universal: Ide!

A essa ordem poderosa, Ide!, acrescenta-se a tríplice ordem de serviço ou ordem de missão de JESUS: • Façam que todos os povos sejam discípulos!;
• Batizem
-nos!;
• Ensinem-nos!

A tríplice ordem missionária é emoldurada pela palavra da onipresença: Eis que estou convosco todos os dias até a consumação do tempo.
A essência da comunidade de JESUS é que o JESUS Ressuscitado continua vivo e atuante. É a comunhão oculta dos cristãos com o CRISTO, dos chamados com o que chama, dos enviados com o que envia.
Fritz Rienecker.
Comentário Esperança Evangelho de Mateus. Editora Evangélica Esperança.

TODAS AS NAÇÕES

JESUS enviou Seus servos para fazer discípulos em todas as nações (ethne, povos; M t 28 .19).
Ele estava demonstrando ser muito mais do que o Rei dos judeus; Ele é o CRISTO mundial, o Salvador do mundo inteiro.
Na verdade, JESUS vinha mostrando-lhes isso desde o início de Seu ministério. Mateus deixou registrada Sua obra entre os gentios (Mt 8.10; 15.24) e citou Isaías 42.1-4 para afirmar que JESUS anunciaria aos gentios [as nações] o juízo e que, no seu nome, os gentios esperarão (M t 12 .14-21). Todavia, os discípulos levaram muito tempo para acreditar
nisso. Será que seu Senhor poderia estar mesmo interessado em “todas as nações”? Eles mesmos não estavam. Seria fácil aceitar a ideia de JESUS se importar com todo o mundo. Mas não seria mais fácil ainda seguir um CRISTO que se adequasse apenas à cultura deles?
Tiveram um grande choque cultural quando o ESPÍRITO SANTO trouxe um novo grupo à comunhão, inclusive discípulos helenistas, samaritanos e, enfim, gentios de todos os tipos (A t 6.1-7; 8 .4 -2 5 ; 10.1
11.18; 15.1-21).
Um dos maiores desafios que os cristãos enfrentarão nos próximos anos é o mesmo que os discípulos enfrentaram no início de seu movimento: não somente crer em JESUS, mas também reconhecer que Ele de fato veio para todas as nações. DEUS nos mandou fazer discípulos em todo o mundo porque isso faz parte de Seu grande propósito de, a longo prazo, tornar Seu nome conhecido em todas as nações (M l 1.11).
EarI D. Radmacher: Ronald B. Allen: H. Wayne House.
O Novo Comentário Bíblico Novo Testamento com recursos adicionais. Editora Central Gospel. pag. 87.

I Cor 9.16. Ninguém merece crédito por fazer a sua obrigação. Paulo diz: "Pois me é imposta essa obrigação; e ai de mim se não anunciar o evangelho!" (16) Sem dúvida, ele está se referindo à missão especial que havia recebido no caminho de Damasco (At 9.6). Ele havia sido um “vaso escolhido” para levar o nome de CRISTO diante dos gentios, e dos reis, e dos filhos de Israel (At 9.15) e havia sido separado pelo ESPÍRITO SANTO para esse trabalho especial (13.2).

Portanto, seria impossível fazer outra coisa, a não ser pregar o evangelho, sem se rebelar diretamente contra DEUS (Rm 1.14; G11.15).
Pregar era a própria vida de Paulo, e ele “não podia parar de fazê-lo, da mesma forma como não podia parar de respirar”. A palavra imposta significa “fortemente impulsionado”. Assim, pregar era uma “função que a ele foi proposto executar”. (Paulo aceitou o desafio por vontade própria - Observação minha - Pr. Henrique).

Donald S. Metz. Comentário Bíblico Beacon. Editora CPAD. Vol. 8. pag. 314-315.

“Porque, se anuncio o evangelho, não tenho de que me gloriar, pois me é imposta essa obrigação; e ai de mim se não anunciar o evangelho! É meu encargo, meu negócio; é o trabalho para o qual eu fui constituído apóstolo (cap. 1.17). Este é um dever expressamente colocado sobre mim. Não é em grau algum um assunto de liberdade. É me imposta essa obrigação. Eu seria falso e infiel à minha crença, eu violaria uma ordem clara e expressa, e ai de mim se não anunciar o evangelho!”
Aqueles que são separados para o ofício do ministério têm o encargo de pregar o evangelho. Ai deles se não o fizerem. Disso nada é esperado. Quando ele renuncia ao seu direito por causa do evangelho e das almas dos homens, embora ele não faça mais que a obrigação, ainda assim nega-se a si mesmo, renuncia a seu privilégio e direito; ele faz mais do que seu encargo e ofício em geral (e todas as vezes) o obriga a fazer. Ai dele se não pregar o evangelho. Note que é uma alta realização na religião renunciar a nossos próprios direitos para o bem de outros; isto dará direito a uma recompensa peculiar da parte de DEUS.

2 Coríntios 12:15
HENRY. Matthew.
Comentário Matthew Henry Novo Testamento ATOS A APOCALIPSE Edição completa. Editora

CPAD. pag. 465.

2. O mundo está dividido em dois grupos.

O mundo seria dividido entre dois grupos. Os crentes e os incrédulos. Os salvos e os perdidos. “Quem crer e for batizado será salvo; mas quem não crer será condenado” (Mc 16.16). Em sua visão divina, JESUS não vê nacionalidade, condição social, a cor da pele, raça, sexo, condição financeira ou econômica (G1 3.28). Ele só vê dois tipos de pessoas. Os salvos pela fé e os perdidos por causa da descrença nEle e em seu evangelho. Os homens não têm alternativa. Ou creem para serem salvos ou permanecem na incredulidade para serem perdidos. Os discípulos entenderam que a Grande Comissão é questão de vida ou de morte. A escolha é de cada um. A responsabilidade é individual. Mas a missão de pregar o evangelho é coletiva. E da Igreja. Os evangelistas têm um papel de vanguarda. Mas a ninguém é dado o direito de escusar-se de ser testemunha de JESUS.

Elinaldo Renovato. Dons espirituais & Ministeriais Servindo a DEUS e aos homens com poder extraordinário. Editora CPAD. pag. 98-99.

Mc 16.16. E for batizado. A omissão de batizado com não-crer mostra que JESUS não torna o batismo essencial para a salvação. A condenação apoia-se na não-crença e não na falta de batismo. Portanto, a salvação apoia-se na crença. O batismo é meramente a figura da nova vida, e não o meio de obtê-la.
Observação do Pr Henrique - Interessante que pelo contexto imediatamente subsequente o batismo aí se refere a batismo no ESPÍRITO SANTO, pois é mencionado o falar em línguas.

Quem crer e for batizado será salvo; mas quem não crer será condenado. E estes sinais seguirão aos que crerem: em meu nome, expulsarão demônios; falarão novas línguas; Marcos 16:16,17).
A. T. ROBERTSON.
Comentário Mateus & Marcos. À Luz do Novo Testamento Grego. Editora CPAD. pag. 545.

Gl 3.28. Tendo descrito a unidade que o crente tem com CRISTO, Paulo se afasta momentaneamente para considerar as implicações desta unidade. Não só o crente e seu Senhor foram unidos, mas todos os crentes foram unidos como um em CRISTO. Nisto não há judeu nem grego; não há servo nem livre; não há macho nem fêmea; porque todos vós sois um em CRISTO JESUS (28). O ESPÍRITO SANTO erradica distinções sexuais, raciais e sociais. Isto mantém cristalinamente claro o fato de que o significado pretendido por DEUS é espiritual. A existência destas distinções terrenas continuará, mas desaparecem como obstáculos à comunhão no corpo de CRISTO, e é sobre isso que o ESPÍRITO SANTO está falando. Esta é a visão inspirada de Paulo da unidade existente em CRISTO, porque DEUS não faz acepção de pessoas. Na sociedade judaica, os judeus, os livres e os homens eram superiores; ao passo que os gentios, os escravos e as mulheres eram inferiores. Estas discriminações também se aplicavam à relação do indivíduo com DEUS. Paulo argumenta que, à vista de DEUS, todos são um e iguais quando eles se chegam a DEUS com base na fé em CRISTO. Lógico que esta verdade não significa, nestes dias de crescente esclarecimento na área social e racial, que o crente pode se retirar à sua cidadela de unidade espiritual e ignorar suas responsabilidades como membro da sociedade. Temos aqui uma verdade dedutível: As pessoas, que são de valor igual aos olhos de DEUS, não devem ser discriminadas por que professam ser seguidoras de CRISTO.

R. E. Howard. Comentário Bíblico Beacon. Editora CPAD. Vol. 9. pag. 52-53.

Eu, de muito boa vontade, gastarei e me deixarei gastar pelas vossas almas,

ainda que, amando-vos cada vez mais, seja menos amado.

Gl 3. 28. Essa dificuldade é removida quando o apóstolo diz: “...todos quantos fostes batizados em CRISTO já vos revestistes de CRISTO”. Por essa razão, parece que com o evangelho o batismo ocupa o lugar da circuncisão, e que aqueles que pelo batismo são consagrados a CRISTO, e sinceramente creem nele, devem receber todos os privilégios da condição cristã como os judeus receberam por meio da circuncisão (Fp 3.3), e, portanto, não havia motivo para a continuação desse ritual judaico. Quando somos batizados em CRISTO, somos batizados na sua morte, para que como Ele morreu e ressuscitou, nós também morramos para o pecado e caminhemos em novidade de vida (Rm 6.3,4). Seremos grandemente beneficiados se lembrarmos disso com maior frequência.

HENRY. Matthew. Comentário Matthew Henry Novo Testamento ATOS A APOCALIPSE Edição completa. Editora CPAD. pag. 557.

Gl 3.28 O contexto desse versículo é a justificação pela fé em CRISTO JESUS, o fato de JESUS ter redimido todos aqueles que creem nele, seja judeu ou gentio (Gl 3.264-27). Distinções raciais, sociais e sexuais que tão facilmente causam divisões não impedem uma pessoa de chegar a CRISTO para receber sua misericórdia. Todas as pessoas podem se tornar herdeiros de DEUS e receber suas promessas eternas (Gl 4-5-7).

EarI D. Radmacher: Ronald B. Allen: H. Wayne House. O Novo Comentário Bíblico Novo Testamento com recursos adicionais. Editora Central Gospel. pag. 489-490.

Tanto judeus como gregos, todos estão debaixo do pecado. Pela lógica incessante e pelo discernimento psicológico penetrante, Paulo acaba de provar que os judeus estão na mesma situação pecadora que os gentios; ambos estão igualmente sob o pecado. Estar debaixo do pecado significa não somente estar sob a culpa mas também sob o poder do pecado. “Estes dois significados, o pecado como uma transgressão e o pecado como um poder, são exigidos pelo contexto”. Mas muito mais importante do que qualquer análise deste tipo que eu possa ter feito, prossegue Paulo, é o fato de que este é o veredicto das Escrituras - como está escrito: Não há um justo, nem um sequer (Rm 3.10). O pecado é tão universal que não admite sequer uma única exceção.

William M. Greathouse. Comentário Bíblico Beacon. Editora CPAD. Vol. 8. pag. 62-63. 3. A Grande Comissão hoje.

Após a descida do espírito SANTO, aqueles discípulos que estavam amedrontados, após a morte de JESUS, tornaram- se intrépidos evangelistas e saíram levando o evangelho aonde puderam chegar, mesmo por causa da perseguição religiosa. O apóstolo Pedro, que negara JESUS três vezes, antes de ser revestido pelo ESPÍRITO SANTO, em sua primeira pregação, com altivez e coragem, viu quase três mil almas aceitarem a CRISTO como Salvador, como registrado em Atos 2.41. Suas palavras foram simples e objetivas: “E disse-lhes Pedro: Arrependei-vos, e cada um de vós seja batizado em nome de JESUS CRISTO para perdão dos pecados, e recebereis o dom do ESPÍRITO SANTO. Porque a promessa vos diz respeito a vós, a vossos filhos e a todos os que estão longe: a tantos quantos DEUS, nosso Senhor, chamar” (At 2.38-41).

A Grande Comissão continua até à volta de JESUS. É “tarefa inacabada”. Segundo estatísticas de organizações evangélicas, o mundo tem 33% de cristãos, incluindo católicos evangélicos, espíritas, Testemunhas de Jeová, e outros. Os evangélicos só alcançam 11 % do total da população mundial e mesmo assim, alguns são só nominais. Há muito o que se fazer ainda, antes da vinda de JESUS. Há muito trabalho para as igrejas, em busca das almas perdidas. Nesse contexto, o papel dos apóstolos, profetas, evangelistas, pastores e doutores é de grande valia e necessidade. Que DEUS desperte mais obreiros genuínos para fazer a sua obra evangelizadora no mundo. Que os verdadeiros evangelistas se disponham a ganhar almas para CRISTO.
Elinaldo Renovato.
Dons espirituais & Ministeriais Servindo a DEUS e aos homens com poder extraordinário. Editora CPAD. pag. 100-101.

A GRANDE COMISSÃO

(1) Um novo movimento religioso havia sido inaugurado, que só esperava ser mundialmente propagado. Era preciso contar com a colaboração de obreiros para esse mister. Esses obreiros precisavam ser devidamente instruídos e comissionados. A obra missionária de JESUS precisava ter prosseguimento, pelo esforço dos apóstolos e de seus discípulos. A Grande Comissão, pois, foi a ordem, a autoridade e a grande inspiração para esse imenso empreendimento.

(2) Versões Bíblicas
«E disse-lhes: Ide por todo o mundo e pregai o evangelho a toda criatura. Quem crer e for batizado será salvo; quem, porém, não crer, será condenado». Além dessa comissão, temos uma adição concernente aos sinais que acompanhariam aos que creem e pregam o evangelho. Eles expulsariam demônios, falariam novas línguas, não seriam prejudicados com picadas de serpentes ou com a ingestão de algum veneno, e curariam os enfermos.
Quanto à Grande Comissão a versão de Mateus é a mais comumente citada. JESUS, aproximando-se, falou-lhes, dizendo: Toda a autoridade me foi dada no céu e na terra. Ide, portanto, fazei discípulos de todas as nações, batizando-

os em nome do Pai e do Filho e do ESPÍRITO SANTO; ensinando-os a guardar todas as causas que vos tenho ordenado. E eis que estou convosco todos os dias, até à consumação do século» (Mat. 28:18-20).
A versão Lucana da Grande Comissão aparece em Lc. 24:46-49, vinculada à aparição de JESUS aos seus discípulos, imediatamente antes de sua ascensão. Entre a ressurreição e a ascensão houve um período de quarenta dias, durante o qual JESUS apareceu por diversas vezes a seus discípulos, para instruí-los acerca do reino de DEUS. No terceiro evangelho, a Grande Comissão diz como segue: «...e lhes disse: Assim está escrito que o CRISTO havia de padecer, e ressuscitar dentre os mortos no terceiro dia, e que em seu nome se pregasse arrependimento para remissão de pecados, a todas as nações, começando de Jerusalém. Vós sois testemunhas destas coisas. Eis que envio sobre vós a promessa de meu Pai; permanecei, pois, na cidade, até que do alto sejais revestidos de poder». No evangelho de Mateus, pois, aprendemos que a autoridade divina foi investida nos apóstolos mediante o dom do ESPÍRITO. Em Marcos, essa autoridade é ilustrada mediante os feitos miraculosos que os discípulos seriam capazes de realizar. Novamente, devemos supor que todas as narrativas sumariam o conteúdo geral de diversas declarações de JESUS, provavelmente feitas em diversas ocasiões, e não em uma única oportunidade.
No evangelho de João. No quarto evangelho a Grande Comissão é bastante diferente, não se tendo apoiado sobre as mesmas fontes informativas que os evangelhos sinópticos, Ver João 20:21-23: «...Assim como o Pai me enviou, eu também vos envio. E, havendo dito isto, soprou sobre eles, e disse: Recebei o ESPÍRITO SANTO. Se de alguns perdoardes os pecados, são-lhe perdoados; se lhos retiverdes, são retidos». Tal como no caso do evangelho de Lucas, encontramos menção ao ESPÍRITO SANTO, que dá poder e autoridade. Tal como no caso desse evangelho, temos também a questão do perdão dos pecados, com ênfase sobre o poder apostólico de perdoar ou de reter os pecados, mediante o ministério deles.
No livro de Atos. Nesse livro há menção ao intervalo de quarenta dias entre a ressurreição e a ascensão de JESUS (Atos 1:3). Ali a Grande Comissão é vinculada de perto com a promessa do ESPÍRITO SANTO (Atos 1:8). A própria Grande Comissão está contida nestas palavras: «... mas recebereis poder, ao descer sobre vós o ESPÍRITO SANTO, e sereis minhas testemunhas tanto em Jerusalém, como em toda a Judéia e Samaria, e até aos confins da terra» (Atos 1:8). A menção a Jerusalém, Judéia, Samaria, e, finalmente, os confins da terra, é peculiar ao livro de Atos. E a ascensão é registrada como se tivesse ocorrido imediatamente após JESUS haver dado instruções e anunciado a Grande Comissão.
a. Esse variegado testemunho acerca da Grande Comissão assegura-nos a sua autenticidade.
b, Mas essa mesma variedade também nos revela que as várias formas em que aparece a Grande Comissão devem corresponder a porções ou sumários de uma série de ensinos de JESUS, após a sua ressurreição.
c. A porção final de tais instruções aparentemente foi dada imediatamente antes da ascensão, e isso deve ter adicionado vigor ao que JESUS dizia, pois, afinal de contas. a Grande Comissão representa as palavras finais de CRISTO, selando suas instruções.
d. A Grande Comissão teve por propósito encorajar a continuação de sua missão, e também ampliá-la, até tomar-se absolutamente universal. O provincialismo relativo de judaísmo foi assim deixado para trás, e o cristianismo haveria de ser uma fé realmente universal, no sentido de estar dispersa pelo mundo inteiro.
e. Não há como cumprir a Grande Comissão sem o concurso do poder, da autoridade e do batismo com o ESPÍRITO SANTO e dons do ESPÍRITO SANTO em operação.
f. A Grande Comissão convoca os homens de todos os lugares para arrependerem-se e confiarem no evangelho. Ela tem um intuito evangelizador, e a salvação das almas encontra-se no foco das atenções.
g. Uma grande responsabilidade é posta sobre os homens, porquanto a eles cumpre executar a Grande Comissão. Destarte, o Senhor é sempre o Senhor, é sempre o poder principal no evangelismo. Ele compartilha dessa tarefa com os crentes, mas nunca se ausenta dessa atividade.
Portanto, o resultado será absolutamente universal, conforme Efésios 1:10 nos assegura. Os homens, em sua falsa espiritualidade e em seu orgulho, pensam que a evangelização depende inteiramente deles. Mas o Salvador sempre, e em toda parte será o Salvador. Se isso não fosse verdade, então o propósito da Grande Comissão teria falhado desde há muitos séculos. (ANO FRO GLO)
CHAMPLIN, Russell Norman,
Enciclopédia de Bíblia Teologia e Filosofia. Vol. 1. Editora Hagnos. pag. 814-815.

Ill - O DOM MINISTERIAL DE EVANGELISTA

1. O conceito de evangelista.

É um dom de DEUS. É um homem dado à igreja. Onde houver igreja, aí há ministérios dados por CRISTO, mesmo que não tenham títulos eclesiásticos. É concedido por JESUS através da capacitação espiritual e ministerial para a propagação do evangelho a todas as pessoas que estiverem ao alcance da mensagem do obreiro que tem a chamada para cuidar da evangelização, como prioridade em sua missão. O evangelista recebe de DEUS mensagens inspiradas e cheias de unção para tocarem os corações dos pecadores, pois o ESPÍRITO SANTO os sonda. O evangelista é por excelência o pregador das Boas-Novas de salvação. O salmista viu o trabalho dos evangelistas, em mensagem profética: “O Senhor deu a palavra; grande era o exército dos que anunciavam as boas-novas” (Sl 68.11). Nos dias presentes, há muitos evangelistas, espalhados pelo Brasil e pelo mundo afora, difundindo a pregação do evangelho de salvação em

CRISTO JESUS. Seus corações ardem de amor pelas almas perdidas, e recebem mensagens sobrenaturais de DEUS, com oração, jejum e estudo da Palavra, para que, na hora do sermão, sejam instrumentos nas mãos de DEUS para alcançar a mente e o coração dos que precisam de CRISTO.
Elinaldo Renovato.
Dons espirituais & Ministeriais Servindo a DEUS e aos homens com poder extraordinário. Editora CPAD. pag. 101.

Observação minha - Pr. Henrique - É uma pessoa dada à igreja, chamada e escolhida por JESUS, sendo capacitada pelo ESPÍRITO SANTO com dons, para exercer o ministério de evangelista, conforme Efésios 4.11, ou seja, ganhador de almas. É um apaixonado por almas.

EVANGELISTA - Aquele que é chamado por CRISTO para pregar o Evangelho em toda parte e a todos os povos. Palavra derivada do verbo evangelizo. Evangelizar significa trazer boas novas a alguém, especificamente anunciar informações a respeito da salvação cristã (1 Co 15.1-4).
A palavra é encontrada três vezes no Novo Testamento. Os evangelistas estão relacionados junto com os apóstolos, profetas, pastores e doutores, como aqueles que são chamados por CRISTO para compartilhar a construção da igreja (Ef 4.11ss). Filipe foi chamado de "o evangelista" (At 21.8). Embora antes fosse um dos sete diáconos escolhidos para aliviar os apóstolos da tarefa de distribuir alimentos (At 6.5), ele foi especialmente notado por sua atividade evangelizadora. De Jerusalém, ele foi até Samaria e pregou com grande sucesso, porque todos viam e ouviam os sinais que fazia (E, descendo Filipe à cidade de Samaria, lhes pregava a CRISTO. E as multidões unanimemente prestavam atenção ao que Filipe dizia, porque ouviam e viam os sinais que ele fazia, pois que os espíritos imundos saíam de muitos que os tinham, clamando em alta voz; e muitos paralíticos e coxos eram curados. E havia grande alegria naquela cidade. Atos 8:5-8). Dali foi enviado para evangelizar um oficial da corte etíope, que estava viajando para casa depois de visitar Jerusalém (At 8.26ss). Foi transportado sobrenaturalmente para Azoto. Então pregou o Evangelho desde Azoto

até Cesaréia, onde veio a ter casa e quatro filhas que profetizavam (At 8.40; 21.8).
Timóteo, o jovem ministro, foi exortado a realizar o trabalho de um evangelista (2 Tm 4.5). Timóteo foi exortado por Paulo a despertar o Dom que recebeu (1 Tm 4.14; 2 Tm 1.6). Está claro que, embora os apóstolos e outros compartilhassem o trabalho de evangelização, havia homens que DEUS chamava especialmente para essa tarefa.
N. B. B. - PFEIFFER .Charles F.
Dicionário Bíblico Wycliffe. Editora CPAD. pag. 725-726.

EVANGELISTAS
Além de apóstolos os discípulos eram evangelistas, também profetas e ainda eram usados em outros dons ministeriais, assim como Dons do ESPÌRITO SANTO. Mas, além desses, havia outros, especialmente talentosos, dotados do dom da fé, da exortação e de outras manifestações espirituais apropriadas para seu ofício, os quais eram presenteados à igreja para multiplicá-la em número. O grupo dos evangelistas, era aquele que efetuava a missão evangelizadora da igreja entre os judeus ou os gentios. Geralmente os evangelistas não estavam limitados a qualquer comunidade cristã local, mas foram de lugar em lugar conduzindo os homens à fé e à conversão a CRISTO.
Apenas a epístola aos Efésios menciona especificamente os ministérios todos como iguais em autoridade e importância na obra de DEUS. Os evangelistas são os pioneiros no trabalho propagandístico da Igreja cristã. Os evangelistas lançam uma trilha que, em seguida, transforma-se em auto--estrada. Ministros especiais do evangelho, eram chamados «evangelistas" no Novo Testamento, como os casos de Filipe (Atos 21:8) e Timóteo (2 Tim. 4:5).
Os evangelistas são obreiros concedidos por CRISTO à Igreja como um «dom» divino à mesma, a fim de expandir as suas fronteiras e aumentar o número de seus membros (Efésios 4:11).
Os Documentos Sagrados e os Evangelistas. Além dos evangelhos, a mensagem do evangelho cristão é exposta também no livro de Atos, nas epístolas e até mesmo no livro de Apocalipse.
CHAMPLIN, Russell Norman,
Enciclopédia de Bíblia Teologia e Filosofia. Vol. 2. Editora Hagnos. pag. 606.

2. O papel do evangelista.

HOMENS DADOS À IGREJA, CAPACITADOS SOBRENATURALMNETE PARA PREGAR O EVANGELHO A TODOS E EM TODA PARTE
Filipe era um dos sete diáconos, escolhidos para cuidarem da assistência social aos primeiros crentes, na igreja nascente, nos primórdios do cristianismo (At 6.1-3). Tinha qualidades espirituais que o credenciavam a ser mais que um diácono, encarregado de ações sociais em favor dos pobres. A igreja viu nele um diácono. DEUS o viu como evangelista. Era homem que tinha intimidade com DEUS. Depois do sucesso evangelístico em Samaria, o ESPÍRITO SANTO lhe mandou para uma estrada deserta, entre Jerusalém e Gaza. Obedecendo à voz de DEUS, Filipe descobriu que um alto funcionário do reino da Etiópia viajava em seu carro (carruagem), e foi compelido a aproximar-se do viajante. Ao ouvir o texto que o homem lia, Filipe percebeu que DEUS lhe dera grande mensagem para transmitir ao sedento viajante. (At 8.27-29).

O papel do evangelista é entendido de maneira bastante restrita nas igrejas. No entanto, quando Paulo escreve sua segunda carta ao jovem obreiro Timóteo, mostra que além de ser um arauto da pregação do evangelho, tem o dever, também, de ampliar sua visão e ministério, despertando o Dom do ESPÍRITO SANTO que estava sobre ele.
Há exemplos de pregadores, que, no meio de uma pregação, são usados por DEUS para entregar uma mensagem de exortação ou revelação, às vezes severa. Quando isso acontece, os efeitos sobre o auditório e sobre a liderança são de aprovação e quebrantamento e para os que precisam de Repreenção, uma atitude, muitas vezes, de repulsa e enfrentamento. Muitos evangelistas pensam nesta hora: "Ainda que seja a última vez que venha aqui, que nunca mais
seja convidado, vou dar a mensagem...”. O papel do evangelista envolve a demonstração do poder de DEUS na mensagem. O evangelista Filipe foi a Samaria e fez um trabalho digno de ter seu registro no Novo Testamento (At 8.5-8). E, descendo Filipe à cidade de Samaria, lhes pregava a CRISTO. E as multidões unanimemente prestavam atenção ao que Filipe dizia, porque ouviam e viam os sinais que ele fazia, pois que os espíritos imundos saíam de muitos que os tinham, clamando em alta voz; e muitos paralíticos e coxos eram curados. E havia grande alegria naquela cidade. Atos 8:5-8

O RESULTADO DO TRABALHO DO EVANGELISTA
A mensagem do evangelista foi tão impactante, que o homem se converteu e desejou ser um seguidor de CRISTO. Após a bem-sucedida evangelização, ao lado do alto dignitário etíope, Filipe deve ter-lhe falado sobre a necessidade do batismo em águas. Sem perda de tempo, o novo convertido a JESUS quis logo ser batizado em águas. Diz o texto (At 8.36, 37). Ali, na estrada deserta, entre Jerusalém e Gaza, três coisas importantes ocorreram, na vida do evangelista Filipe.
Ele pregou o evangelho, na unção do ESPÍRITO SANTO; o atento ouvinte aceitou a CRISTO como Salvador; o discipulado foi tão eficaz, que o novo decidido quis logo batizar-se em águas; e Filipe mostrou qual é a condição para um
novo crente ser batizado: “E lícito, se crês de todo o coração ’. “E mandou parar o carro, e desceram ambos à água, tanto Filipe como o eunuco, e o batizou” (At 8.38). O novo convertido foi batizado no mesmo dia em que ouviu a mensagem evangelística.
"E o anjo do Senhor falou a Filipe, dizendo: Levanta-te e vai para a banda do Sul, ao caminho que desce de Jerusalém para Gaza, que está deserto. E levantou-se e foi. E eis que um homem etíope, eunuco, mordomo-mor de Candace, rainha dos etíopes, o qual era superintendente de todos os seus tesouros e tinha ido a Jerusalém para adoração, regressava e, assentado no seu carro, lia o profeta Isaías. E disse o ESPÍRITO a Filipe: Chega-te e ajunta-te a esse carro. E, correndo Filipe, ouviu que lia o profeta Isaías e disse: Entendes tu o que lês? E ele disse: Como poderei entender, se alguém me não ensinar? E rogou a Filipe que subisse e com ele se assentasse. E o lugar da Escritura que lia era este: Foi levado como a ovelha para o matadouro; e, como está mudo o cordeiro diante do que o tosquia, assim não abriu a sua boca. Na sua humilhação, foi tirado o seu julgamento; e quem contará a sua geração? Porque a sua vida é tirada da terra. E, respondendo o eunuco a Filipe, disse: Rogo-te, de quem diz isto o profeta? De si mesmo ou de algum outro? Então, Filipe, abrindo a boca e começando nesta Escritura, lhe anunciou a JESUS. E, indo eles caminhando, chegaram ao pé de alguma água, e disse o eunuco: Eis aqui água; que impede que eu seja batizado? E disse Filipe: É lícito, se crês de todo o coração. E, respondendo ele, disse: Creio que JESUS CRISTO é o Filho de DEUS. E mandou parar o carro, e desceram ambos à água, tanto Filipe como o eunuco, e o batizou. E, quando saíram da água, o ESPÍRITO do Senhor arrebatou a Filipe, e não o viu mais o eunuco; e, jubiloso, continuou o seu caminho. E Filipe se achou em Azoto e, indo passando, anunciava o evangelho em todas as cidades, até que chegou a Cesaréia". Atos 8:26-40
Elinaldo Renovato.
Dons espirituais & Ministeriais Servindo a DEUS e aos homens com poder extraordinário. Editora CPAD. pag. 102-103.

O Ofício de Evangelista - Brian Schwertley
Muitas denominações ainda têm um oficial chamado evangelista. O evangelista moderno gasta a maior parte do tempo
fazendo a obra de evangelismo. Contudo, mesmo o título de “evangelista” estando ainda em uso hoje, se deve fazer distinção entre o ofício de evangelista do Novo Testamento (Ef 4.11 - Pessoa escolhida por CRISTO) e seu conceito moderno (apenas eclesiástico, muitos nem evangelizam).
Os evangelistas do Novo Testamento receberam poderes sobrenaturais do ESPÍRITO para operar sinais e milagres (e.g., Estevão
At. 6:8; Filipe At. 8:13; Barnabé At. 14:3). Os dons miraculosos foram e são necessários para autenticar a mensagem do evangelho (cf. Ex. 4:5; 1 Re. 17:4; Mc 16.20; Jo 17:4; At 2.22; 2 Co 12:12; etc.).
Os evangelistas do Novo Testamento frequentemente se envolviam em obras especiais. Quando os apóstolos tinham um trabalho de evangelismo especial para fazer eles escolhiam um evangelista para a tarefa. Eles eram em certo sentido enviados especiais apostólicos; isto é, eram homens investidos com poderes especiais para um propósito específico. Eles desempenharam tarefas ministeriais.
“Espero, porém, no Senhor JESUS, mandar-vos Timóteo, o mais breve possível, a fim de que eu me sinta animado também, tendo conhecimento da vossa situação.” (Fp. 2:19). Paulo ordenou Tito para “constituir presbíteros em cada cidade” (Tt. 1:5; cf. At. 15:22; 2 Tm. 4:9; Tt. 3:12).

Sempre que Paulo lista os oficiais da igreja ele sempre coloca o evangelista antes do pastor. Esta posição é logicamente determinada pelas habilidades do evangelista para operar sinais e milagres e suas funções como representantes apostólicos para inspecionar as igrejas, designar presbíteros e assim por diante.
A ordem de importância ministerial está aqui: "a uns pôs DEUS na igreja, primeiramente, apóstolos, em segundo lugar, profetas, em terceiro, doutores, depois, milagres, depois, dons de curar, socorros, governos, variedades de línguas". 1 Coríntios 12:28 - veja que em primeiro está o apóstolo, depois o profeta, depois o mestre, etc...

Extraído de Spiritual Gifts, Part 3 Evangelist. Copyright © 2004 Brian Schwertley, Haslett, MI. Tradução: Márcio Santana Sobrinho.

3. A finalidade do ministério do evangelista.

Todos os crentes, que formam a igreja, estando unidos em CRISTO pela fé, e entre si pela caridade cristã, “...crescem para templo santo...”, tornando-se uma sociedade sagrada, na qual há muita comunhão entre DEUS e seu povo, como no templo. Na igreja eles o adoram e servem, e Ele se manifesta no meio deles. Eles oferecem sacrifícios espirituais a DEUS, e Ele reparte suas bênçãos e favores a eles. Assim, o edifício espiritual, pela sua natureza, é um templo, um templo santo; porque a igreja é o lugar que DEUS escolheu para colocar o seu nome, e ela se tornou um templo, pois todos têm em si o ESPÍRITO SANTO morando individualmente pela graça e força obtida dele - no Senhor. A igreja universal sendo edificada sobre CRISTO como a pedra fundamental, e unida em CRISTO como a principal pedra da esquina, vem finalmente a ser glorificada nele como a pedra mais elevada: A Igreja é formada por muitos membros e cada um tem a sua função. Sem os ministérios a igreja não saberia como desenvolver a evangelização, discipulado, ensino, organização social, etc...

“...no qual também vós juntamente sois edificados...” (v. 22). Observe: Não somente a igreja universal é chamada de templo de DEUS, mas as igrejas locais também o são. Cada crente verdadeiro é um templo vivo, um edifício “...para morada de DEUS no ESPÍRITO”. DEUS habita em todos os crentes que se tornaram o templo de DEUS por meio da operação do ESPÍRITO SANTO, e essa moradia agora é uma garantia da moradia deles junto com Ele na eternidade. O edifício material, físico, instituição, onde a Igreja se congrega para adorar a DEUS é chamado de Igreja, embora a Igreja mesmo sejam os crentes salvos que ali congregam.

HENRY. Matthew. Comentário Matthew Henry Novo Testamento ATOS A APOCALIPSE Edição completa. Editora CPAD. pag. 585.

“Templo SANTO no Senhor” (20-22)
O uso da palavra “família” (oikeioi), no versículo 19, conduziu a esta caracterização da igreja. Oikeioi é derivado da palavra que significa “casa” no sentido de residência, moradia, habitação. Robinson comenta: “Eles não são meros membros da casa, mas fazem parte da casa de DEUS”. A igreja é um santo templo em construção, e é uma habitação de DEUS no ESPÍRITO (22).
Os apóstolos e profetas são as pedras da fundação do templo (20a). Recebem esta designação, porque sua função é abrir novas igrejas e proclamar a Palavra do
Senhor a estes que ali congregam. Wesley observa que “a palavra do Senhor, declarada pelos apóstolos e profetas, sustenta a fé de todos os crentes”. Nesta relação, CRISTO é a pedra da esquina. Todos os outros são pedras de menor significação. Mas, mesmo sendo de menor importância, os apóstolos e outros ministros na igreja são pedras de fundação no edifício de DEUS.
Era a pedra colocada na fundação em um canto, não só para firmar tudo, mas para estabelecer o alinhamento para os muros. Esta opinião está de acordo com 1 Pedro 2.7 e apoia a ideia de que CRISTO é aquele de quem a construção depende.

Os crentes em CRISTO são as pedras vivas, que bem ajustadas, crescem para templo santo. Paulo está interessado em mostrar que a igreja ainda está no processo de construção. Por isso, emprega a metáfora do crescimento. Mackay comenta: “E permanente o acréscimo de outras pedras vivas ao edifício inacabado. As pedras que já estão e as que ainda serão postas na estrutura sagrada devem ‘crescer para templo santo no Senhor’”. Este crescimento ocorre e fica bonito somente quando seus novos membros, “pela qualidade do seu discipulado em manter-se estritamente fiel ao Senhor, contribuem para a unidade, força e perfeição da igreja”.

O templo no qual os gentios são edificados é a habitação de DEUS. Paulo escreveu aos crentes coríntios: “Não sabeis vós que sois o templo de DEUS e que o ESPÍRITO de DEUS habita em vós?” (1 Co 3.16). No novo concerto, DEUS não só chama um povo, mas mora neles e com eles. Como afirma Mackay: “A Igreja Cristã, quando é verdadeiramente a Igreja, é a Casa da Presença”.

Willard H. Taylor. Comentário Bíblico Beacon. Editora CPAD. Vol. 9. pag. 143-144.

“No qual todo o edifício, bem ajustado, cresce para templo santo no Senhor” (Ef 2.19-23). O que quer que possa nos dividir, CRISTO nos une. Quaisquer que sejam os medos ou as desconfianças que gerem hostilidade, CRISTO traz a

paz. E devemos permitir que Ele faça isso. Pois o “templo santo no Senhor” que JESUS está edificando hoje só surge quando o seu povo está “bem ajustado”.
Não permita que algum partidário lhe dívida. Não deixe que um pregador estridente de divergências doutrinárias lhe isole de irmãos e irmãs cuja fé é uma com a sua, só porque as crenças deles são diferentes das suas. E não deixe que a raça, ou a idade, ou a posição social, ou a educação, ou a riqueza ou a pobreza, lhe dividam. Tente alcançar os outros, e de mãos dadas sejam edificados “para morada de DEUS no ESPÍRITO”.

Lawrence O. Richards. Comentário Devocional da Bíblia. Editora CPAD. pag. 856.

Filipe em Samaria (8.4-8)
Aqueles que tinham sido dispersos pela perseguição (cf. 1) iam por toda parte (4). Uma tradução mais precisa é
“passavam de um lugar para outro” (ASV). No livro de Atos, é usado para descrever uma atividade missionária da igreja. Aonde quer que fossem, estavam anunciando a palavra. O verbo euangelizo é um outro termo favorito de Lucas. Com o significado de “anunciando novidades jubilosas”, é uma palavra que se encaixa perfeitamente para descrever a pregação do Evangelho, por estes missionários do século I.
Dos sete homens escolhidos para cuidar dos assuntos materiais da igreja (6.1-6), dois representaram papéis importantes. Estêvão tornou-se o primeiro mártir (E Estêvão, cheio de fé e de poder, fazia prodígios e grandes sinais
entre o povo. Atos 6:8). Filipe foi o primeiro a ser chamado de “evangelista” (21.8). Este capítulo conta o início dos seus esforços para evangelizar.
Ele desceu a Samaria. Embora Samaria esteja ao norte da Judéia, na mente dos judeus, as pessoas sempre “subiam” a Jerusalém e “desciam” dali para qualquer outro lugar.
Descendo Filipe à cidade de Samaria. No Antigo Testamento, Samaria é o nome da capital do Reino no Norte de Israel, embora às vezes a palavra se refira à nação. Mas, no Novo Testamento, o termo normalmente se refere ao distrito localizado entre a Judéia, ao sul, e a Galileia, ao norte.
Filipe pregava. Esta palavra é kerysso, “anunciar” ou “proclamar como um arauto”. Os samaritanos, juntamente com os judeus, estavam procurando o Messias que viria (Jo 4.25).
Os ouvintes de Filipe prestavam atenção ao que ele anunciava. Eles ouviam as palavras que ele dizia porque viam e ouviam os sinais (trad. literal) que ele realizava. A realização de milagres representou um papel importante no ministério de JESUS e no início da evangelização dos judeus e samaritanos. Expulsavam espíritos imundos (demônios) e curavam os enfermos e aflitos. Paralíticos e coxos eram sarados.
O resultado desta manifestação de poder divino foi grande alegria e salvação naquela cidade. Quando DEUS nos abençoa, segue-se sempre um período de regozijo e conversão.

Filipe Testemunhando ao Eunuco Etíope, 8.26-40

Filipe era um evangelista versátil, cheio do ESPÍRITO e guiado pelo ESPÍRITO. Ele podia pregar para grandes multidões em um “avivamento que alcançasse uma cidade inteira”. Mas ele também podia realizar um evangelismo pessoal com um único indivíduo em uma estrada deserta. A lição essencial a ser aprendida é que, quando o ESPÍRITO SANTO nos impele a levar a salvação a alguém, Ele nos dá o poder necessário para cumprirmos a missão. Onde DEUS guia, DEUS provê. Outra lição é que, aos olhos do Senhor, nenhuma tarefa orientada pelo ESPÍRITO é pequena. Somente a onisciência divina pode antever os resultados dos poucos momentos de um testemunho dado a uma pessoa cujo coração o ESPÍRITO SANTO preparou para acolher este testemunho.

A Etiópia foi grandemente abençoada por DEUS com evangelização através deste Eunuco, segundo alguns acreditam (sem confirmação histórica).
Alguns estudiosos afirmam que novas evidências sugerem que a Etiópia foi o primeiro país a adotar o Cristianismo como religião de estado.[61][62] De acordo com registros escritos na língua Ge'ez, A região hoje conhecida como Etiópia convertida ao judaísmo durante o tempo da rainha bíblica de Sabá e Salomão. De acordo com o historiador ocidental do século IV, Rufino de Aquileia, alguns acreditam que foi Frumêncio quem levou o Cristianismo à Etiópia (cidade de Axum) e serviu como seu primeiro bispo, provavelmente logo após em 325

- https://pt.wikipedia.org/wiki/Primeiros_centros_do_Cristianismo#Eti%C3%B3pia (acesso em 20-05-21 - 10:16).

O Westminster Dictionary ofthe Bible afirma que a profecia de Salmos 68.31 — “A Etiópia cedo estenderá para DEUS as suas mãos” — “foi cumprida com a conversão do eunuco etíope (At 8.26-40) e a introdução do Evangelho na Abissínia”.

1. Um Peregrino Buscando a DEUS (8.26-31)

No meio das atividades de Filipe na cidade samaritana, com muitos convertidos para cuidar, o anjo — lit., “um anjo” — do Senhor chamou-o para uma nova tarefa. (cf. 29, 39). A ordem era: Levanta-te tempo aoristo de ação imediata e vai tempo imperfeito de ação contínua, “ir” — para a banda do sul (26).

Filipe devia ir ao caminho que desce de Jerusalém para Gaza, que estava deserto. Gaza estava a cerca de 96 quilômetros a sudoeste de Jerusalém. Era a cidade mais ao sul da Palestina, quase na fronteira do Egito. Nos tempos do Antigo Testamento, era uma das cinco cidades dos filisteus. Talvez fossem 56 quilômetros de Samaria a Jerusalém e cerca de 96 quilômetros a mais para Gaza.
Filipe levantou-se e foi (27). Os dois verbos estão no tempo aoristo e sugerem obediência imediata, Como ele foi imediatamente, encontrou um homem. Se tivesse demorado por qualquer razão, Filipe teria perdido seu encontro divino com o eunuco.
Seguindo orientações divinas, Filipe viu um etíope, que tinha ido a Jerusalém para adoração, ou “em peregrinação”, e estava agora voltando. Etiópia era o nome de um reino no Nilo, entre a atual Assuã e Khartoum. A maioria dos estudiosos atuais reconhece que a referência aqui não é à Abissínia, hoje conhecida comumente como Etiópia. Entretanto, o Westminster Dictionary ofthe Bible afirma que a profecia de Salmos 68.31 — “A Etiópia cedo estenderá para DEUS as suas mãos” — “foi cumprida com a conversão do eunuco etíope (At 8.26-40) e a introdução do Evangelho na Abissínia”.
O viajante que Filipe encontrou era um eunuco, mordomo-mor (ou alto official) de Candace, rainha dos etíopes. Mordomo-mor é dynastes, que significa “príncipe”. Candace era um título, como Faraó. Lake e Cadbury observam: “O título era dado à rainha-mãe, chefe real do governo”. O eunuco era superintendente de todos os seus tesouros, portanto, um homem de alto cargo e grande responsabilidade.
Como um homem digno de sua posição, o eunuco tinha um dos melhores meios de transporte da época. Assentado no seu carro [uma carruagem], lia o profeta Isaías (28). Pergaminhos escritos à mão eram raros e dispendiosos, mas ele era um homem rico e podia tê-los. De acordo com os costumes da época, ele lia em voz alta, pois Filipe o ouviu (30). Os rabinos determinavam que a Lei devia ser lida em voz alta por quem estivesse viajando.
Em obediência à voz interior do ESPÍRITO (29), Filipe correu (30) para emparelhar- se ao carro. Ouvindo o eunuco ler o pergaminho de Isaías, ele perguntou: Entendes tu o que lês?
uma questão pertinente em qualquer época. Entendes significa literalmente: “Você conhece?”
A resposta do eunuco etíope foi quase patética: Como poderei entender, se alguém me não ensinar? (31) Ensinar é o mesmo verbo usado por JESUS em João 16.13 como “guiar” — “Quando vier aquele ESPÍRITO da verdade, ele vos guiará em toda a verdade”. Filipe, cheio do ESPÍRITO, era capaz de dar orientações sobre as Escrituras.
Ávido por aprender o verdadeiro significado da passagem profética, o eunuco rogou que Filipe subisse à carruagem. O
verbo rogou (parakaleo) é muito forte, significando “exigiu” ou “suplicou”.

2. Uma Profecia Incomum (8.32-33)

A expressão O lugar da Escritura (32) pode ser traduzida como “a passagem da Escritura”. Literalmente significa “uma porção circunscrita, uma seção”.
A citação em 32-33 foi copiada quase literalmente da Septuaginta de Isaías 53.7-8, e é uma parte de uma das “Canções do Servo” de Isaías, encontrada em um importante capítulo messiânico do Antigo Testamento. A profecia, Assim não abriu a sua boca, foi cumprida quando JESUS “nada respondeu”, quando foi falsamente acusado perante Pilatos (Mt 27.12). A frase difícil, foi tirado o seu julgamento, provavelmente significa: “lhe negaram justiça” (RSV). Gloag assim a interpreta: “O seu julgamento — o julgamento que lhe era devido os seus direitos de justiça lhe foram negados por seus inimigos”.

Porque a sua vida é tirada da terra.

3. Um Pregador Cheio do ESPÍRITO (8.34-40)

A questão que preocupava o eunuco etíope era: de quem diz isto o profeta? De si mesmo ou de algum outro? (34). O eunuco pareceu sentir que ela deveria ser aplicada a um indivíduo. Mas a quem?
Filipe estava à altura das exigências da situação. Abrindo a boca e começando nesta Escritura, lhe anunciou a JESUS (35). Esta era a resposta. O Servo sofredor do Senhor, de quem Isaías falara, não era nenhum outro senão JESUS, o Messias escolhido por DEUS.

Sem dúvida, a carruagem já havia percorrido uma grande distância enquanto Filipe comentava a passagem de Isaías e revelava JESUS. Finalmente, chegaram ao pé de alguma água (36), e o eunuco solicitou o batismo. Talvez Filipe tivesse repetido as palavras de Pedro no dia de Pentecostes: “Arrependei-vos, e cada um de vós seja batizado em nome de JESUS CRISTO para perdão dos pecados...” (2.38).

O eunuco mandou parar o carro (38), enquanto ele e Filipe desceram para um lago ou riacho. A água corrente era considerada preferível para o batismo cristão na Igreja Primitiva (Didache 7.1).
Quando os dois homens saíram da água, o ESPÍRITO do Senhor arrebatou a Filipe (39). Ele desapareceu. O eunuco... jubiloso, continuou o seu caminho, como todos fazem quando encontram CRISTO como Salvador. Filipe se achou
i.e., apareceu em Azoto (40). Esta é a Asdode do Antigo Testamento, uma das cinco cidades dos filisteus. Estava situada cerca de 32 quilômetros ao norte de Gaza, a mais ou menos metade do caminho entre aquela cidade e Jope

1). Em seu caminho para o norte, pela costa, Filipe anunciava o evangelho em todas as cidades — lit„ “ia evangelizando todas as cidades”. Estas incluiriam Lida e Jope, onde os crentes são mencionados logo depois disso (9.32-42). Filipe evangelizou as cidades litorâneas no extremo norte, como Cesaréia, onde o encontramos na próxima vez em que aparece no livro de Atos (21.8). Esta cidade foi construída por Herodes o Grande, e passou a chamar-se Cesaréia

Sebaste em honra ao Imperador Augusto de Roma. Concluída em aproximadamente 13 a.C., foi a sede do governo romano na Judéia nos dias de JESUS.
Este capítulo pode ser usado para enfatizar a importância dos “Dois Tipos de Evangelização”: evangelização em massa (4-25) e evangelização pessoal (26-40). Sob a primeira, se destacam:

1. O método é pregar (5);
2. A mensagem é CRISTO (5);
3. O motivo é que as pessoas sejam salvas e santificadas (12-17).
Sob a evangelização pessoal, chamamos a atenção para:
1. A importância da obediência imediata (27);
2. A oportunidade oferecida (27-29);
3. O lugar da Escritura profética (30-32);
4. A interpretação da passagem, (34-35);
5. A aplicação à necessidade pessoal (36-39).
Ralph Earle.
Comentário Bíblico Beacon. Editora CPAD. Vol. 7. pag. 265-266; 270-273.

Ajuda de Pb Alessandro Silva. Comentários extras e acréscimos de Pr. Henrique

))))))))))))))))))))))))))))))))))))))))))))))))

Lição 9 - O Ministério de Pastor

LIÇÕES BÍBLICAS - 2o Trimestre de 2014/2021 - CPAD - Para jovens e adultos

Tema: Dons Espirituais e Ministeriais - Servindo a DEUS e aos homens com poder extraordinário Comentário: Pr. Elinaldo Renovato de Lima
Complementos, Ilustrações, e Vídeos: Pr. Luiz Henrique de Almeida Silva - 99-99152-
0454. - henriquelhas@hotmail.com - Americana - SP - Tel Esposa - 19-98448-2187

Lição 9 - O Ministério de Pastor

http://www.youtube.com/playlist?list=PL9TsOz8buX1-sQE2rdEXmX2BT_HLsdoHt Vídeo deste assunto em 2014

Resumo da Lição 9 - O Ministério de Pastor I - JESUS, O SUMO PASTOR
1. JESUS é o pastor supremo.
2. O pastor conhece as suas ovelhas.

3. O pastor dá a vida pelas ovelhas.
II - AS CARACTERÍSTICAS DO VERDADEIRO PASTOR 1. Um caráter íntegro.
2. Exemplo para os fiéis e os infiéis.
3. Exemplo para a família.
III - O MINISTÉRIO PASTORAL
1. A missão do pastor.
2. Uma missão polivalente.
3. O cuidado contra os falsos pastores.

LEITURA BÍBLICA EM CLASSE

João 10.11,14; Tito 1.7-11; 1 Pedro 5.2-4
João 10. 11 - Eu sou o bom Pastor; o bom Pastor dá a sua vida pelas ovelhas.
14 - Eu sou o bom Pastor; e conheço as minhas ovelhas, e das minhas sou conhecido.
Tito 1. 7 - Porque convém que o bispo seja irrepreensível como despenseiro da casa de DEUS, não soberbo, nem iracundo, nem dado ao vinho, nem espancador, nem cobiçoso de torpe ganância; 8 - mas dado à hospitalidade, amigo do bem, moderado, justo, santo, temperante, 9 - retendo firme a fiei palavra, que é conforme a doutrina, para que seja poderoso, tanto para admoestar com a sã doutrina como para convencer os contradizentes. 10 - Porque há muitos desordenados, faladores, vãos e enganadores, principalmente os da circuncisão, 11 - aos quais convém tapar a boca; homens que transtornam casas inteiras, ensinando o que não convém, por torpe ganância.
1 Pedro 5.2 - apascentai o rebanho de DEUS que está entre vós, tendo cuidado dele, não por força, mas voluntariamente; nem por torpe ganância, mas de ânimo pronto; 3 - nem como tendo domínio sobre a herança de DEUS, mas servindo de exemplo ao rebanho. 4 - E, quando aparecer o Sumo Pastor, alcançareis a incorruptível coroa de glória.

Meus Comentários e de outros, com acréscimos e correções do Pr. Henrique

INTRODUÇÃO 1

Antes de tudo se deve esclarecer que:
- Um pastor que trabalha secularmente para sobreviver não é um pastor.
- Pastor, ministério, pessoa dada por JESUS CRISTO à Igreja. Aquele que não tem pelo menos um dom do ESPÍRITO SANTO em prática, não é pastor da lição que estamos estudando, é apenas um pastor eclesiástico, chamado por homens, sem comprovação de DEUS de seu ministério.
Pastor que não visita as ovelhas, não ora pelos doentes e enfermos, não discipula, não aconselha, não reconhece os outros 4 ministérios, além do seu, não é pastor do ministério dado por JESUS CRISTO.

Vamos estudar hoje do ministério mais difícil de ser exercido, mas muito desejado pela maioria dos obreiros, pelo seu lado mais compensativo - o financeiro. Sendo assim, aqueles que miram o lado material até são capazes de lutar por esse ministério. O exercício ministerial do pastor se torna difícil devido à falta de sabedoria por parte de muitos pastores que não delegam funções aos ministros e auxiliares que DEUS coloca à sua disposição. Como o pastor coloca sobre seus próprios ombros muitas das funções que não deveria colocar e acaba sobrecarregado e muitas vezes não consegue exercer seu ministério a contento.

Existe ministério Pastor como em Efésios 4.11 e existe serviço Pastoral como acontece na maioria das igrejas (ministério apenas eclesiástico, dado por homens). Um administrador de igreja não é um legítimo pastor. Existe pastor dado por CRISTO a igreja e existe pastor escolhido por homens e não por DEUS que governa a igreja. Existe ministério pastor com sinais prodígios e maravilhas e existe pastor que apenas é batizado no ESPÍRITO SANTO (quando é).

João 10 - JESUS, o pastor que dá a vida pelas ovelhas.
Jo 10.1- Na verdade, na verdade vos digo que aquele que não entra pela porta no curral das ovelhas, mas sobe por outra parte, é ladrão e salteador.
JESUS aqui cita a porta de entrada para o homem na terra, ou seja, o nascimento físico (nascer de mulher), o curral é o mundo (a terra), subiu por outra parte é quem foi lançado do céu, caiu aqui na terra, no inferno e subiu para a superfície (Pv 15.24, inferno é em baixo) para tentar o homem para conseguir lhe a condição de imagem e semelhança de DEUS (Is 14.14), que sempre foi o seu maior desejo.
JESUS diz-nos aqui que quem entra pela porta correta (nascimento virginal de CRISTO) é o pastor das ovelhas, a esse o porteiro (ESPÍRITO SANTO), abre a porta de entrada (concebido do ESPÍRITO SANTO, Mt 1.20) e JESUS (o pastor das ovelhas) nos chama através da pregação do evangelho, para fora desse mundo de condenação e nos dá o pão da vida levando-nos depois para ele (Jo 14.3; 17.16).
Estamos No mundo, mas não somos do mundo
Jo 17.14.
No restante do capítulo, JESUS faz como de outras vezes, já que não entendiam quando lhes falava de coisas terrenas, passou a falar-lhes de coisas espirituais, celestes, que entendiam menos ainda e nem se interessavam em entender. Daí para frente JESUS declara-se a própria porta de entrada para a salvação e o próprio pastor das ovelhas. Após entrar no mundo Ele próprio torna-se a porta de entrada para o reino de DEUS. Após entrar no reino de DEUS temos um só pastor - JESUS.

Um problema bem atual com os pastores pentecostais, que dirigem igrejas, é a administração financeira da mesma e seu envolvimento em questões físicas ao invés de espirituais. Se envolvem tanto com isso que não lhes sobra tempo para se dedicarem ao mais importante, a visita, o estudo da bíblia e a oração (At 2.42; 6.4; Rm 12.2; Ef 6.18; Cl 4.2). Mas nós perseveraremos na oração e no ministério da palavra. Atos 6:4.

Os pastores pentecostais da atualidade têm-se ocupado tanto com tarefas que não lhe cabem que seu desempenho ministerial tem se tornado um caos. A maioria, e isso deve atingir 90%, não ora duas horas por dia. A maioria (por volta de 60%) não dedica mais de 2 horas de leitura e estudo da bíblia por dia. A maioria esmagadora (talvez 95%) não dirigem mais do que 4 cultos por semana, enquanto criticam os neopentecostais que dirigem normalmente 3 cultos por dia, ou seja, 21 cultos por semana e oram pelo menos 2 horas por dia e estudam a bíblia diariamente, não são gritadores, mas ensinadores.

Revista Ensinador Cristão CPAD, n° 58, p.40.
Qual o modelo ministerial de pastorado que o Senhor JESUS espera encontrar nos seus discípulos? Que molde de liderança se acha no agir de JESUS de Nazaré? É possível implantar esse ideal hoje? Qual seria o impacto para a igreja e a sociedade? Boa aula!

INTRODUÇÃO 2

De todos os dons ministeriais, certamente o dom de pastor é o mais difícil de ser exercitado. Ao mesmo tempo, é o mais desejado por aqueles que almejam exercer o ministério, na Igreja do Senhor JESUS. Em todos os tempos, a função pastoral foi complexa e alvo das forças contrárias ao rebanho espiritual, constituído dos salvos por CRISTO. Sem dúvida alguma,

nos dias presentes, em pleno século XXI, ser pastor não é missão fácil, não obstante os recursos existentes, em termos humanos, técnicos e financeiros.
Os primeiros pastores, no Novo Testamento, em geral, pagaram com a vida pelo fato de representarem a Igreja de JESUS. As forças infernais, usando os sistemas religiosos, políticos, econômicos e sociais, investiram pesadamente contra os que foram levantados como líderes, nos primórdios da Igreja. Tiago, Pedro foi preso com o mesmo destino, para ser morto, num espetáculo macabro, que agradaria aos inimigos do evangelho de CRISTO. Mas foi poderosamente liberto do cárcere, por intervenção direta de DEUS, que enviou seu anjo para salvá-lo da morte programada e continuar sua missão (At 12.11), esses eram apóstolos.

Eles eram apóstolos, profetas, evangelistas pastores, e mestres da Igreja, em seus primeiros dias, após a Ascensão de JESUS. Pedro e João, que eram apóstolos, foram presos por terem sido instrumentos de DEUS para a cura de um coxo de nascença, posto à porta do templo. E foram libertos para proclamarem o evangelho de JESUS (At 3.1-6; 4.1-21). De modo geral, segundo a tradição e a história da Igreja, somente João Evangelista teve morte natural, alcançando extrema velhice, após passar por sofrimentos atrozes. Os demais apóstolos de JESUS tiveram morte trágica, nas mãos dos sanguinários inimigos da fé. Nos primeiros séculos, a perseguição aos servos de DEUS foi cruel. “As perseguições só cessaram, quando Constantino (272-337 d.C.), imperador de Roma, tornou-se cristão. Seguiu-se uma era de crescimento numérico do Cristianismo, embora, nem sempre, acompanhado de autenticidade e genuíno testemunho cristão. A mistura entre a Igreja e o Estado trouxe enormes prejuízos à ortodoxia neotestamentária”.

Os regimes ditatoriais do nazismo, do fascismo e do comunismo, sempre procuraram destruir o cristianismo nas igrejas cristãs, cientes de que, mortos os líderes, os fiéis sempre se dispersariam e abandonariam sua fé. Mas cometeram grave engano. Quanto mais os cristãos foram mortos, mais seu sangue serviu para regar a sementeira do evangelho. JESUS disse que “as portas do inferno” não prevaleceriam contra a sua Igreja (Mt 16.18). Líderes cristãos foram presos, torturados e mortos. Mas a Igreja de JESUS segue sua marcha triunfal, em direção ao seu destino, que é chegar aos céus, na vinda de JESUS, e reinar com Ele sobre as tribos de Israel (Mt 19.28) e sobre as nações (Ap 20.6).

Nos dias atuais, ser pastor, com ministério legítimo dado por JESUS CRISTO, não é absolutamente tarefa fácil, para quem deseja exercer o ministério com fidelidade e sacrifício. As oposições externas e internas, muitas vezes, perturbam as atividades do pastor. Dessa forma, o dom ministerial de pastor precisa muito da graça e da unção de DEUS para que seus detentores não fracassem espiritual, emocional ou fisicamente. Necessitam muito das orações, da compreensão, do apoio e do amor dos crentes em JESUS.

Elinaldo Renovato. Dons espirituais & Ministeriais Servindo a DEUS e aos homens com poder extraordinário. Editora CPAD. pag. 105-106.

At 20.28 “Olhai, pois, por vós e por todo o rebanho sobre que o ESPÍRITO SANTO vos constituiu bispos, para apascentardes a igreja de DEUS, que ele resgatou com seu próprio sangue.”
Nenhuma igreja poderá funcionar sem dirigentes para dela cuidar. Logo, conforme 14.23, a congregação local, cheia do ESPÍRITO, buscando a direção de DEUS em oração e jejum, elegiam certos irmãos para o cargo de presbítero ou bispo de acordo com as qualificações espirituais estabelecidas pelo ESPÍRITO SANTO em 1Tm 3.1-7; Tt 1.5-9. Na realidade é o ESPÍRITO que constitui o dirigente de igreja. O discurso de Paulo diante dos presbíteros de Éfeso (20.17-35) é um trecho básico quanto a princípios bíblicos sobre o exercício do ministério de pastor de uma igreja local. É JESUS quem escolhe e coloca seus ministérios na Igreja. A liderança só confirma a escolha de JESUS. Basta à liderança formada por apóstolos, profetas, evangelistas, pastores e mestres observarem e perceberão claramente quem JESUS escolheu para exercer o pastorado, por exemplo.

Olhai, pois, por vós e por todo o rebanho sobre que o ESPÍRITO SANTO vos constituiu bispos, para apascentardes a igreja de DEUS, que ele resgatou com seu próprio sangue. Atos 20:28 - Escolha de pastores.
E, servindo eles ao Senhor e jejuando, disse o ESPÍRITO SANTO: Apartai-me a Barnabé e a Saulo para a obra a que os tenho chamado. Atos 13:2 - Escolha de apóstolos Paulo e Barnabé (At 14.14).

I - JESUS, O SUMO PASTOR 1. JESUS é o pastor supremo.

JESUS É O PASTOR SUPREMO

O Pastor dos pastores. O escritor aos Hebreus denomina JESUS CRISTO de “o grande Pastor das ovelhas” (Hb 13.20). Só ele merece a qualificação de “grande”. No seu nascimento, marcado pela humildade e despojamento de sua glória, JESUS foi chamado de “grande”, na mensagem do anjo a Maria (Lc 1.32). Nenhum pastor, nas igrejas locais, deve aceitar o título de “grande”, pois só JESUS o merece. Ele é grande em todos os aspectos que se possam considerar em relação à sua pessoa. Podemos refletir sobre o porque Ele é chamado “grande”.

Primeiramente, porque Ele é DEUS! Todos os fundadores de religiões pereceram e seus restos mortais jazem sob a tumba fria. Em seus túmulos consta a inscrição “aqui jaz” fulano ou sicrano. No túmulo de JESUS, há uma inscrição diferente e gloriosa: “Ele não está aqui porque ressuscitou” (Mt 28.6; Mc 16.6). Se JESUS houvesse sido um homem comum, mortal,

jazeria no túmulo como Buda, Maomé, Alan Kardec e outros fundadores de religiões ou de seitas. Mas JESUS é DEUS. Como tal, venceu todos os poderes cósmicos, espirituais, humanos e físicos. E, por fim, vitorioso, venceu a morte!

ELE É A PORTA DAS OVELHAS

Em segundo lugar, JESUS é o grande pastor das ovelhas, porque ele é “a porta das ovelhas” (Jo 10.7). Em termos espirituais, as ovelhas ou os salvos em CRISTO só podem chegar ao céu, na presença de DEUS, através de CRISTO, de seus ensinos, de seu exemplo marcante, que deixou para todos os pastores e crentes de todas as idades. Ele disse que era “o Bom Pastor”, que dá a vida por suas ovelhas e as conhece pelo nome (Jo 10.11,14).

Para entrar no seu redil, o pecador tem que arrepender-se, crer em sua Palavra, e segui-lo (Jo 10.9), aceitando-o como único salvador e senhor. Não pode entrar, saltando os muros. O Adversário, Satanás que entrou no mundo porque foi expulso do céu e não porque foi enviado, como JESUS. Satanás é “ladrão e salteador”, porque não entra pela porta das ovelhas (não nasceu na Terra como homem). JESUS e somente Ele, dá acesso ao homem à presença de DEUS. JESUS é ao mesmo tempo, “a porta”, “o caminho e a verdade e a vida”. E declarou: “Ninguém vem ao Pai senão por mim” (Jo 14.6).

Elinaldo Renovato. Dons espirituais & Ministeriais Servindo a DEUS e aos homens com poder extraordinário. Editora CPAD. pag. 107.

Ele ressuscitou para nossa justificação; e esse poder divino pelo qual Ele foi ressuscitado é capaz de fazer tudo de que temos necessidade.
Os títulos dados a CRISTO
nosso Senhor JESUS, nosso Soberano, nosso Salvador, e o grande pastor das ovelhas, prometido em Isaías 40.11, declarado por Ele mesmo que o era (Jo 10.14,15). Os ministros são co-pastores, CRISTO é o grande pastor. Isso denota o seu grande interesse pelo seu povo. Eles são o rebanho do seu pastoreio, e o seu cuidado e preocupação são por eles.

A forma e o método em que DEUS se reconcilia, e CRISTO ressuscita dos mortos: “...pelo sangue do concerto eterno”. O sangue de CRISTO satisfez a justiça divina, e assim gerou a libertação de CRISTO da prisão da morte, como tendo pagado a nossa dívida, de acordo com um concerto ou acordo eterno entre o Pai e o Filho; e esse sangue é a sanção ou o selo de um concerto eterno entre DEUS e o seu povo.

HENRY. Matthew. Comentário Matthew Henry Novo Testamento ATOS A APOCALIPSE Edição completa. Editora CPAD. pag. 821.

No Antigo Testamento, o título de pastor era conferido tanto aos guardiães de ovelhas como aos dirigentes do povo de Israel. No Novo Testamento, porém, este título é transferido para nosso Senhor JESUS CRISTO, de uma maneira nova e sem igual.
• O bom Pastor: “Eu sou o bom Pastor; o bom Pastor dá a sua vida pelas ovelhas” (Jo 10.11);

• O grande Pastor: “Ora, o DEUS de paz, que pelo sangue do concerto eterno tornou a trazer dos mortos a nosso Senhor JESUS CRISTO, grande Pastor das ovelhas” (Hb 13.20);
• Pastor e Bispo: “Porque éreis como ovelhas desgarradas; mas, agora, tendes voltado ao Pastor e Bispo da vossa alma”
(I Pe 2.25);

• O Sumo Pastor: “E, quando aparecer o Sumo Pastor, alcançareis a incorruptível coroa de glória” (I Pe 5.4).
Estes títulos conferidos ao Senhor JESUS o distinguiam totalmente daqueles que apenas arrogavam-nos para si, mas que na verdade não o eram. JESUS pronunciou este discurso sobre ovelhas e pastor logo após ter visto uma “pobre ovelha” (o cego que tinha sido curado por JESUS próximo ao tanque de Siloé) sendo expulsa do redil judaico por aqueles que, aos olhos do povo, eram de fato os pastores (Jo 9.34). CRISTO, então, mostra-nos aqui sua ternura e benevolência. A missão de nosso Senhor, quando esteve aqui entre nós, foi servir à vontade divina e à necessidade humana; por isso se apresentou como sendo o bom Pastor, dizendo ainda: “Eu... conheço as minhas ovelhas, e das minhas sou conhecido” (Jo 10.14). Severino Pedro Da Silva. Epistola aos Hebreus coisas novas e grandes que DEUS preparou para você. Editora CPAD. pag. 283-284.

2. O pastor conhece as suas ovelhas.

Ele disse: “Eu sou o bom Pastor, e conheço as minhas ovelhas, e das minhas sou conhecido” (Jo 10.14). JESUS cuida de seus servos, como um bom pastor cuida de suas ovelhas. Ele não vê apenas o “rebanho”, ou a Igreja, que é predestinada, coletivamente, para a salvação (Jo 1.5,11). Ele vê cada um dos seus servos, sabe o nome de cada um, ainda que sejam milhões e milhões, em todo o mundo, ao longo da História. Ele sabe o que cada um pensa ou diz (SI 139.1-4).

As ovelhas de JESUS o conhecem. No relacionamento espiritual entre os crentes e o Senhor JESUS, através da comunhão constante, o servo de DEUS não se engana com a voz do seu Pastor.
Elinaldo Renovato. Dons espirituais & Ministeriais Servindo a DEUS e aos homens com poder extraordinário. Editora CPAD. pag. 109.

Os ímpios que nunca se converteram a JESUS, não receberam o ESPÍRITO SANTO, não foram batizados com o ESPÍRITO SANTO, não receberam Dons do ESPÍRITO SANTO. Aqueles que são usados por demônios e não pelo ESPÍRITO SANTO, esses JESUS nunca os conheceu (E, então, lhes direi abertamente: Nunca vos conheci; apartai-vos de mim, vós que praticais a iniquidade. Mateus 7:23).

Jo 10.14,15 Da mesma forma que o pastor chama as suas ovelhas, e elas seguem somente a ele, assim JESUS conhece o seu povo. Os seus seguidores, por sua vez, o conhecem como seu Messias, e eles o amam e confiam nele. Tal conhecimento e confiança entre JESUS e seus seguidores é comparado ao relacionamento entre JESUS e o Pai: “Assim como o Pai me conhece a mim, também eu conheço o Pai”. E JESUS repetiu este ponto - que Ele é o Bom Pastor, e que Ele dá a sua vida pelas ovelhas.

Comentário do Novo Testamento Aplicação Pessoal. Editora CPAD. pag. 550.

Primeiramente, só existe uma entrada verdadeira para o curral. Aquele que não entra pela porta no curral das ovelhas, mas sobe por outra parte, é ladrão e salteador (só se entra na terra elo nascimento físico, através de uma mulher, assim JESUS entrou - satanás não entrou assim)
(1). O motivo e o método de abordagem do rebanho marcam as diferenças entre o ladrão e o pastor. Satanás, o pecado e os seus agentes querem enganar e destruir, ao passo que o Bom Pastor (14) dá a sua vida pelas ovelhas (15).

Em segundo lugar, existe o Bom Pastor (11), que entra no aprisco pela porta Aquele, porém, que entra pela porta é o pastor das ovelhas
(2). A palavra pastor é anarthrous em grego, e consequentemente “fixa a atenção no caráter, como algo distinto da pessoa”. “O pastor não é um exemplo na parábola, ele é o exemplo; e é sobre a descrição do seu comportamento que se apoia a narrativa, para que a atenção dos leitores possa se concentrar ali. Não somente as ovelhas são as suas próprias ovelhas; não apenas ele tem toda a autoridade para aproximar-se delas; não apenas ele chama as suas ovelhas pelo nome; não apenas elas ouvem a sua voz, mas ele as traz para fora e, quando faz sair todas as suas ovelhas, vai diante delas, e elas o seguem”. Chama para fora do reino de Satanás, as ovelhas entram para o reino de DEUS. Saem do reino das trevas e entram no reino da luz.

(3) Ele é o Criador da nova sociedade de crentes, i.e., daqueles que creem nele. A este o porteiro (ESPÍRITO SANTO) abre (JESUS foi concebido pelo ESPÍRITO SANTO no útero virgem de Maria), e as ovelhas ouvem a sua voz, e chama pelo nome às suas ovelhas e as traz para fora. E, quando tira para fora as suas ovelhas, vai adiante delas, e as ovelhas o seguem, porque conhecem a sua voz (3-4). A menção do porteiro ou guarda do portão é importante, se refere ao ESPÍRITO SANTO. Existe um relacionamento entre o Pastor e as ovelhas que se baseia na natureza do Pastor a sua voz, o seu conhecimento das ovelhas, a sua liderança, a sua orientação. Estas palavras devem ter significado muito para o homem que tinha sido curado da sua cegueira, e que fora excomungado da sua sinagoga (9.34) e expulso da sua família. Agora, ele era um membro da nova sociedade, um seguidor do Bom Pastor. A palavra usada para tirar para fora é a mesma traduzida como “expulsar” em 9.34. Assim, realmente, ser expulso, sob o ponto de vista de DEUS, é ser chamado para fora. Assim é a ekklesia (lit., “os chamados para fora”), a Igreja, a nova sociedade.

(4) Aqueles que pertencem a esta nova sociedade, a Igreja, são submissos a uma única voz, ...porque conhecem a sua voz. Mas, de modo nenhum, seguirão o estranho (Satanás); antes, fugirão dele, porque não conhecem a voz dos estranhos (4-5). Existe uma gloriosa exclusividade em ser um membro do rebanho de CRISTO existe somente uma voz, um caminho, uma vontade que realmente importa. Em uma época de uma vida excessivamente complexa, o caminho garantido para a paz de espírito, para o enfoque nos propósitos corretos, e o comprometimento significativo é encontrado quando reconhecemos somente a sua voz. Esta “audição seletiva” é uma proteção não somente contra a heterodoxia, mas também contra a desintegração da personalidade (cf. 14-15). Thomas R. Kelly chama isto de “orientação habitual de todo o ser para aquele que é o Foco - JESUS”.

Joseph H. Mayfield. Comentário Bíblico Beacon. Editora CPAD. Vol. 7. pag. 96.

“Eu sou o Bom Pastor” (Jo 10.1-16). O “bom pastor” é uma designação singular, pois enfatiza que a disposição do pastor de morrer pelas suas ovelhas.
Um “mercenário” — e aqui JESUS se refere a SATANÁS e aos líderes religiosos de Israel Condena as ovelhas junto ao seu próprio destino e cuida das ovelhas apenas enquanto é lucrativo ou seguro. O bom pastor, que valoriza cada uma das suas ovelhas, dará a vida por elas. Na verdade, é nisto, no dar a vida, que a bondade do pastor é estabelecida.

Parece tolo pensar em um homem disposto a morrer por meros animais, por maior que seja sua afeição por eles. Há uma distância muito maior entre DEUS e seres humanos do que entre seres humanos e ovelhas! A maravilhosa bondade de DEUS é plenamente demonstrada nesta maravilha: JESUS nos amou o suficiente para dar sua vida por nós.
Se alguma vez você se sentir como uma ovelha perdida, só e amedrontado em um mundo sóbrio e hostil, lembre-se do Bom Pastor. Você pode saber que Ele o ama porque Ele deu sua vida por você. Aquele que o amou tanto nunca irá abandoná-lo. Em JESUS você nunca, nunca está só. (Esforçai-vos, e animai-vos; não temais, nem vos espanteis diante deles, porque o Senhor, vosso DEUS, é o que vai convosco; não vos deixará nem vos desamparará. Deuteronômio 31:6) Lawrence O. Richards. Comentário Devocional da Bíblia. Editora CPAD. pag. 686.-687.

O primeiro aspecto que o distingue como o verdadeiro pastor de almas é este, que ele dá sua vida, sua própria alma, como remissão, como aquele único sacrifício completo, pela culpa de todos os pecadores, que mereceram a eterna condenação.

Ele se tornou o seu substituto; ele tomou sobre si as transgressões deles e morreu em lugar deles. Foi assim que os culpados, os pecadores, foram redimidos de pecado e destruição. JESUS, neste sentido, incidentalmente é um exemplo para todos quantos carregam o nome pastor como seus assistentes na grande obra. Ele também, tendo em vista este objetivo, se coloca em proposital contraste aos mercenários, os mestres falsos, os fariseus. Tais mercenários, cuja preocupação é o dinheiro e o desejo de gozar seu sossego em Sião, mas não têm interesse nas almas das pessoas confiadas ao seu cuidado. São tão só mercenários e só trabalham enquanto está assegurado seu viver e bem-estar. Ao primeiro sinal do lobo, diante da primeira indicação de real perigo, de provável perseguição, sofrimento, e, até, de martírio, fogem em precipitada corrida. O resultado é a dispersão e o assassinato das ovelhas pelos inimigos. Mas o mercenário não se preocupa; ele não tem qualquer preocupação, qualquer angústia, nenhum interesse, nas ovelhas.

Mercenários são aqueles que pregam em favor de seu próprio benefício, que são cobiçosos, e não se querem satisfazer com o que DEUS diariamente lhes concede como esmola. Aqueles que querem mais são mercenários que não se preocupam com o rebanho; enquanto isto um pastor piedoso por esta causa desistirá de tudo, até mesmo de seu corpo e sua vida) O segundo aspecto que distingue JESUS como o bom pastor, em contraste aos demais, é o fato do relacionamento e conhecimento íntimo entre ele e suas ovelhas. Assim como JESUS conhece aqueles que são seus, tanto de corpo, como de alma e espírito, assim os cristãos conhecem a JESUS; seu coração, sua mente e sua vontade estão centrados em JESUS, repousam em JESUS. A expressão representa corretamente a íntima e cordial relação e comunhão de amor que há entre CRISTO e seus verdadeiros discípulos. Esta intimidade e comunhão é tão estreita e envolvente como o é a que existe entre o Pai e o Filho. Seus corações e mentes estão abertas um ao outro; há uma mútua troca de pensamentos e ideias, que sempre são orientadas por maravilhoso amor.

Assim sucede também entre CRISTO e seus fiéis. É devido ao conhecimento que CRISTO tem do Pai e de sua vontade, que JESUS declara que entregará sua vida pelas ovelhas. O resgate é pago pelos pecados do mundo inteiro, mas só os que se convertem arrependidos têm o proveito da graça do Salvador, só eles obtêm a graça do Pai. CRISTO ainda tem outras ovelhas, que não são deste aprisco; ele conseguirá também dentre os membros de outras nações fora da judaica, quem nele crê. Pois o Pai lhe deu todos do mundo inteiro; eles são seus por desígnio e dom do Pai, basta que tenham fé em JESUS como único salvador e senhor. Aqui CRISTO declara que sua voz, por meio da palavra do evangelho, sairia aos povos de outra descendência e língua do que os judeus. É a obrigação da vontade divina que repousa sobre ele que o impulsiona para ganhar também a estes para o evangelho. E eles iriam ouvir, iriam obedecer a sua voz no evangelho, e o resultado final seria um rebanho, composto de todos aqueles que aceitaram a salvação pelo sangue de CRISTO, o único Pastor, o Filho do próprio DEUS. A “santa Igreja Cristã, a comunhão dos santos,” tem sido congregada no mundo desde a primeira proclamação do evangelho, e todos os verdadeiros cristãos em CRISTO formam a grande igreja invisível. KRETZMANN. Paul E. Comentário Popular da Bíblia Novo Testamento Editora Concordia Publishing House.

Jo 10.3-5 Quando o pastor chegava, ele chamava as suas próprias ovelhas pelo nome. Pelo fato de as ovelhas reconhecerem a voz de seu pastor, elas vêm e o seguem, e saem para pastar.
O aprisco das ovelhas do judaísmo continha algumas pessoas do povo de DEUS que tinham esperado pela vinda de seu Pastor-Messias (veja Isaías 40.1-11). Quando o Pastor veio, judeus crentes reconheceram a sua voz e o seguiram. Dizem que os pastores no oriente podiam dar nome a cada ovelha e que cada ovelha respondia ao pastor que chamava pelo seu nome. Os crentes verdadeiros, como ovelhas pertencentes ao verdadeiro Pastor, jamais seguiriam um estranho que fingisse ser o seu pastor (5.43).

Comentário do Novo Testamento Aplicação Pessoal. Editora CPAD. pag. 549.

À noite, geralmente quatro ou cinco rebanhos de ovelhas eram reunidos em uma área ou curral protegido. De manhã, quando um pastor chamava, suas ovelhas respondiam à sua voz e se separavam do rebanho! Era a resposta à voz do pastor que identificava suas ovelhas das centenas de outras, que poderiam parecer iguais a elas para o observador descuidado.

Hoje também aqueles que ouvem o evangelho e reconhecem nele a voz de DEUS chamando-os respondem. E a nossa resposta a JESUS que nos identifica como suas ovelhas.
Lawrence O. Richards. Comentário Devocional da Bíblia. Editora CPAD. pag. 686.

3. O pastor dá a vida pelas ovelhas.

Na vida pastoril, nos campos, os pastores cuidam das ovelhas para obterem delas o sustento para suas vidas. Eles não morrem pelas ovelhas. Mas JESUS, o Sumo Pastor, deu a sua vida pelos que nEle creem (Jo 10.1, 15). Na sua morte, aparentemente, o seu rebanho estaria destinado a ficar sem pastor. Mas, contrariando a lógica humana, Ele ressuscitou ao terceiro dia, vitorioso sobre a morte, sobre o inferno, sobre o Diabo e sobre todos os poderes do universo. Ele proclamou aos discípulos a sua onipotência: “É-me dado todo o poder no céu e na terra” (Mt 28.18).

O PASTOR QUE CUIDA DAS OVELHAS

O salmista Davi escreveu certamente o mais belo texto sobre a figura de DEUS como nosso Pastor, o “Jeová Raá”, que, ao mesmo tempo, é o “Jeová-Jirê, o Senhor que provê todas as coisas necessárias a seu povo. Ele se referia ao DEUS

Pai. E falava da ovelha que confia no seu Pastor. Porém todas as características do pastor do Salmo 23 aplicam-se a JESUS CRISTO, “o bom Pastor” (Jo 10.11,14).
1) Não nos deixa faltar nada. No seu cuidado, JESUS não nos deixa faltar nada que seja essencial ou indispensável à nossa vida. O crente fiel sabe contentar-se com o que DEUS lhe concede por sua infinita bondade (Fp 4.11-13). O que lhe falta, o Senhor lhe dá graciosamente, por sua bondade e por seu amor.

2) Os “verdes pastos” (SI 23. 2), São a figura do alimento espiritual que JESUS propicia à sua Igreja, através da ministração sadia da sua palavra. Os pastores verdadeiros alimentam a Igreja com a sã doutrina. As “águas tranquilas” falam da paz interior, que o Senhor concede aos que nele confiam. E a paz que Ele deixou para seus servos (Sl 23.2b; Jo 14.27); é a paz “que excede todo o entendimento” (Fp 4.7).

3) O refrigério da alma. Lembra o conforto que a presença de DEUS nos concede, através do ESPÍRITO SANTO, nosso “Consolador” (Sl 23.3; Jo 14.16, 17). Nas horas mais difíceis, quando não há solução humana, o Bom Pastor nos conforta com sua graça e seu poder.
4) As “veredas da justiça”. São o caminhar reto e lei do crente salvo em JESUS (Sl 23.3b; Rm 5.19; 1 Pe 3.12), Quando o crente anda, seguindo o pastor Fiel, não comete injustiças.

5) A segurança da ovelha. Mesmo passando pelo “vale da sombra da morte” (Sl 23.4), a presença do pastor dá segurança: “porque tu estás comigo” (Sl 23.4b). JESUS assegurou que estaria com seus servos, ainda que sejam “dois ou três” (Mt 18.20).
6) A mesa perante os inimigos. A mesa preparada para JESUS, a ovelha muda perante seus tosquiadores (Is 53), perante os inimigos e a unção com óleo (Sl 23.5), nos remetem à unção do ESPÍRITO SANTO na vida do crente fiel (1 Jo 2.20, 27; Ef 5.18), concedendo-nos vitória sobre os inimigos que se levantam contra a nossa fé.

7) Bondade e misericórdia todos os dias. O Pastor do Salmo 23 concede “bondade e misericórdia” para que o crente fiel habite na casa do Senhor “todos os dias” da sua vida (Sl 23.6). CRISTO nos faz ser “templo do ESPÍRITO SANTO” (1 Co 6.19,20). Por todos esses paralelos de CRISTO em relação a nós e o descrito no Salmo 23, podemos concluir que JESUS é o nosso Pastor por excelência.

Elinaldo Renovato. Dons espirituais & Ministeriais Servindo a DEUS e aos homens com poder extraordinário. Editora CPAD. pag. 108-109.

Jo 10.11 JESUS é o Pastor zeloso e dedicado - o bom pastor. Como descrito nos versículos que se seguem, há quatro características que separam este Bom Pastor dos pastores falsos ou maus:
1. Ele se aproxima diretamente - Ele entra pela porta, assim como nós, nasceu de uma mulher aqui na Terra. Em tudo semelhante a nós, menos no pecado. (Mas aniquilou-se a si mesmo, tomando a forma de servo, fazendo-se semelhante aos homens; Filipenses 2:7).

2. Ele tem a autoridade de DEUS - o porteiro (ESPÍRITO SANTO) permite que Ele entre. (Ora, o nascimento de JESUS CRISTO foi assim: Estando Maria, sua mãe, desposada com José, antes de se ajuntarem, achou-se ter concebido do ESPÍRITO SANTO. Mateus 1:18
3. Ele atende as necessidades reais
as ovelhas reconhecem a sua voz e o seguem.

4. Ele tem amor sacrificial - Ele está disposto a dar a sua vida pelas suas ovelhas.
Repetindo isto quatro vezes, JESUS assinalou que o traço mais importante do bom pastor é que Ele dá a sua vida pelas ovelhas (10.11; veja também 15,17,18).
De acordo com a ilustração neste capítulo, a vida de um pastor poderia às vezes ser perigosa. Animais selvagens eram comuns nos campos da Judéia. Um bom pastor podia certamente arriscar a sua vida para salvar as suas ovelhas. Comentário do Novo Testamento Aplicação Pessoal. Editora CPAD. pag. 550.

Ainda tenho outras ovelhas, não deste aprisco; e também a elas preciso conduzir. Elas ouvirão a minha voz. Então será um rebanho, um pastor. As outras ovelhas não estão no pátio cercado, neste aprisco, protegidas como Israel atrás da cerca da lei. Estão sem CRISTO, excluídas da cidadania em Israel e estranhas aos testamentos da promessa, e por isso sem esperança e sem DEUS no mundo (Ef 2.12). Contudo JESUS sabe o que ele fará de acordo com o maravilhoso plano e desejo do Pai. A promessa de DEUS a Abraão em Gn 12.3 tinha de ser cumprida. Por essa razão JESUS precisa conduzir também essas muitas outras ovelhas de todas as gerações e línguas e povos, que ele comprará com seu sangue para DEUS (Ap 5.9). E acontecerá o milagre que nenhuma pessoa podia esperar: Elas ouvirão a minha voz. Pessoas que por sua natureza, história e cultura não têm absolutamente nada a ver com esse homem de Israel, são atingidas pela palavra de JESUS e encontram em JESUS sua vida, seu maior tesouro. Se isso não estivesse diante de nós na história do evangelho como uma realidade, ninguém o consideraria possível. Mas a palavra de JESUS é verdade: Ouvirão a minha voz. Então não haverá vários rebanhos diferentes, mas haverá um rebanho, um pastor. JESUS antevê aquela igreja de judeus e gentios que foi concedida pela primeira vez na casa de Cornélio, que existia nas comunidades de Paulo e das quais tratou o decisivo concílio dos apóstolos (At 15). Um rebanho, um pastor, isso se confirmou naquelas palavras de Paulo que testemunham a unidade em CRISTO acima de todas as diferenças (1Co 12.12s; Gl 3.28; Cl 3.11). A palavra de JESUS a respeito de um rebanho não é mero ideal. Foi gloriosamente cumprida. Em todos os continentes, países, raças e vozes foi ouvida a voz de JESUS e pessoas se agregaram à igreja de JESUS. Segundo sua essência, essa igreja somente pode ser sempre a única igreja, assim como existe apenas um pastor que a conquista com a sua vida.

Werner de Boor.. Comentário Esperança Evangelho de João. Editora Evangélica Esperança.

I Ped 5. 2-4. A responsabilidade pastoral desses presbíteros é descrita assim: apascentai o rebanho de DEUS. A palavra “pastorear” explica melhor o significado do original do que apascentai.
O dever do pastor é triplo: providenciar pasto, caminhos para o pasto e proteção nos caminhos para o pasto.
Portanto, o dever do pastor vai além da pregação. O rebanho é a Igreja. Ela pertence a DEUS como sua possessão
comprada. Em certa época seus membros eram como ovelhas desgarradas, mas elas voltaram ao “Pastor e Bispo” da sua alma (cf. 2.25). O pastor deve instruir e guiar o rebanho em obediência e sujeição à completa vontade de DEUS. O cuidado a ser exercido envolve três particularidades expressas de forma negativa e positiva.

1) Quanto ao espírito desse serviço, ele não é por força, mas voluntariamente. A liderança da igreja era tão perigosa naqueles dias que poderia custar a vida do líder. Mesmo assim, ele não deveria fazer essa obra relutantemente como se fosse um fardo ou considerá-lo como um dever profissional obrigatório. Em vez disso, esse era um ministério para o qual DEUS o havia apontado e chamado e, por isso, deveria ser feito com obediência e alegria.

2) A motivação dessa supervisão não deveria ser por torpe ganância, mas de ânimo pronto não como um mercenário que espera ganhar dinheiro. Os presbíteros tinham o direito de esperar sustento material daqueles a quem ministravam; mas sua motivação não deveria provir de um “amor ao ganho constitucional”, que “é uma desqualificação para o ministério cristão”. Considere seu efeito em Judas Iscariotes!

3) Quanto à forma de supervisão, ela não deve ser como tendo domínio sobre a herança de DEUS, mas servindo de exemplo ao rebanho. Os líderes nunca devem ser tirânicos ou se esquecer dos direitos das pessoas que lhes foram confiadas. Eles não devem dominar como o arrogante Diótrefes (3 Jo 9-11), mas liderar pelo poder de uma vida santa. O pastor nunca deve esquecer que ele não é o Sumo Pastor (4).

A compensação terrena do líder pode ser insignificante, mas quando aparecer o Sumo Pastor (cf. 4.13), ele terá a sua recompensa incorruptível (cf. 1.4,5), a coroa de glória, “a felicidade do céu, o elemento principal de a vida de DEUS ser derramada na alma por meio de CRISTO”; “uma participação perpétua na sua glória e honra” (Bíblia Viva).
Roy S. Nicholson. Comentário Bíblico Beacon. Editora CPAD. Vol. 10. pag. 242-243.

I Ped 5.2-4.
I As pessoas a quem são dadas essas orientações aos presbíteros, pastores e líderes espirituais da igreja, presbíteros e anciãos por ofício, e não por idade, ministros daquelas igrejas às quais escreve esta epístola, escolhidos por JESUS e capacitados pelo ESPÍRITO SANTO.
II A pessoa que faz essa exortação - o apóstolo Pedro: “...admoesto eu”. E, para reforçar essa exortação, ele lhes diz que é presbítero com eles, e assim não impõe nada a eles que ele não esteja disposto a fazer também. Os apóstolos disseram que se dedicariam a doutrina e oração (Ele é também “...testemunha das aflições de CRISTO”, tendo estado com Ele no jardim, acompanhado ao palácio do sumo sacerdote, e muito provavelmente tendo sido testemunha do seu sofrimento na cruz, à distância, entre a multidão (At 3.15). Ele acrescenta que é também “...participante da glória” que em certa medida foi revelada na transfiguração (Mt 17.1-3), e vai ser completamente desfrutada na segunda vinda de JESUS CRISTO. Aprenda:
1. Aqueles cujo ofício é ensinar a outros devem cumprir atentamente seu próprio dever, assim como ensinam ao povo o dever deste.
2. Como eram diferentes o espírito e o comportamento de Pedro dos seus pretensos sucessores! Ele não ordena e manda, mas exorta. Ele não reivindica soberania sobre todos os pastores e igrejas, nem se intitula príncipe dos apóstolos, vigário de CRISTO ou cabeça da igreja, mas se apresenta como presbítero. Todos os apóstolos eram presbíteros, ou anciãos, embora nem todo presbítero fosse apóstolo.
3. Foi uma honra peculiar de Pedro e de alguns mais serem testemunhas dos sofrimentos de CRISTO; mas é privilégio de todos os verdadeiros cristãos serem participantes da glória que há de ser revelada.
III A descrição do dever do pastor, e a maneira em que esse dever precisa ser cumprido. O dever do pastor é tríplice:
1. “...apascentai o rebanho...”, por meio da pregação honesta da palavra de DEUS ao rebanho, e ao conduzi-lo de acordo com as orientações e a disciplina que são prescritas pela palavra de DEUS, que estão ambas incluídas nessa expressão: Apascentai o rebanho.

3. Eles precisam ser “...exemplo do rebanho”, e praticar a santidade, a autonegação, a mortificação e todos os deveres cristãos, que eles pregam e recomendam ao seu povo. Esses deveres precisam ser realizados “...não por força”, não porque você tem de fazê-los, não por compulsão de um poder civil, ou pela coação do medo ou da vergonha, mas de uma mente voluntária que tem prazer na obra. Não “...por torpe ganância”, ou por algum lucro ou proveito relacionados ao lugar em que você reside, ou de uma prerrogativa relativa ao ofício, “...mas de ânimo pronto”, considerando o rebanho mais do que a lã, sincera e alegremente se empenhando para servir à igreja de DEUS. “...nem como tendo domínio sobre a herança de DEUS”, agindo como tirano sobre o rebanho por compulsão ou força coerciva, ou impondo invenções humanas ou não- bíblicas a ele em vez dos deveres necessários (Mt 20.25,26; 2 Co 1.24).

IV Em contraste com os lucros imundos que muitos se propõem como o seu principal motivo em assumir e cumprir o ofício pastoral, o apóstolo coloca diante deles a coroa da glória preparada pelo grande pastor, JESUS CRISTO, para todos os seus ministros fiéis. Aprenda:

2. Os pastores do rebanho precisam ter a supervisão dele, o seu cuidado. Os presbíteros são exortados a fazer o seu trabalho de bispos (que é o significado da palavra), por meio do cuidado pessoal e da vigilância sobre todos que no rebanho

estão comprometidos ao seu cuidado.

1. JESUS CRISTO é o “...Sumo Pastor” de todo o rebanho e herança de DEUS. Ele os comprou, e os governa; e os defende e salva para sempre. Ele é também o pastor principal sobre todos os pastores subalternos; eles derivam a sua autoridade dele, agem em nome dele e prestam contas a Ele.
2. Esse Sumo Pastor vai aparecer para julgar todos os ministros e co-pastores, para chamá-los à prestação de contas, para ver se cumpriram fielmente seus deveres tanto publicamente quanto em particular, de acordo com as orientações acima.

3. Aqueles que comprovarem ter cumprido o seu dever terão o que é infinitamente melhor do que o ganho temporal; receberão do Sumo Pastor um elevado grau de glória eterna, “...a incorruptível coroa de glória”.
HENRY. Matthew. Comentário Matthew Henry Novo Testamento ATOS A APOCALIPSE Edição completa. Editora CPAD. pag. 882-883.

I Ped 5.2 A incumbência aos anciãos é: Apascentai o rebanho de DEUS entre vós! O fato de ela ser rebanho de DEUS é que torna o serviço nela tão cheio de responsabilidade. Importa também aqui o que Paulo diz em 1Co 3.17 com uma figura diferente: “Se alguém destruir o santuário de DEUS, DEUS o destruirá.” Assim como no AT, também no NT DEUS confiou o serviço de pastor a pessoas, “supervisores” (At 20.28), pastores (Ef 4.11) e anciãos (ou “os mais velhos”). Pelo fato de Pedro não diferenciar claramente entre “anciãos” e “mais velhos”, nenhum dos mais velhos pode transferir a responsabilidade pelo rebanho aos “anciãos”. Cada um deles possui perante DEUS uma responsabilidade pela igreja. A tarefa dos pastores consiste em apascentar. O foco está nas necessidades do rebanho. Apascentar é regido pela pergunta: de que a igreja precisa para um bom desenvolvimento e para ser protegida de perigos? Um verdadeiro pastor pode se esquecer de seus próprios interesses por causa das carências do rebanho e de cada uma das ovelhas que lhe foram confiadas, e o mesmo vale para um ancião no tocante à igreja que lhe foi confiada.

O serviço do pastor é ameaçado particularmente por três perigos:
(1) pela falta de disposição, (2) por ganância e (3) pela avidez de poder.
(1) pela falta de disposição - Com as palavras não coagidos, mas voluntariamente. Pedro refere-se à falta de disposição para cooperar. Há uma forma de cumprimento do dever que não traz alegria para ninguém. Indisposição e contrariedade transferem-se para a
queles que cumprem o “dever”, marcando a obra. Obviamente a rigor ninguém pode ser coagido a prestar um serviço na igreja. Contudo, quando alguém pertence ao grupo dos presbíteros ou quando até mesmo chega a ser ancião, ele tem a tarefa, e espera-se que preste o serviço. É dessa “coação” que se fala. “Não coagido” significa, então, realizar o serviço não porque isto é esperado, mas de livre e espontânea vontade. Voluntariamente, ou “disposto”, “por livre iniciativa” refere-se à iniciativa pessoal, ser cativado e impelido pela seriedade e magnitude do serviço. Quando a vontade de DEUS determina a vontade dos “mais velhos”, eles agem de forma espontânea, mais precisamente conforme DEUS. Isso pode significar: “segundo a maneira de DEUS” ou “segundo a vontade de DEUS”. Visa-se expressar que qualquer serviço de pastor depende de DEUS.
(2) não em sórdida ganância, mas de boa vontade. É verdade que JESUS dissera: “porque digno é o trabalhador do seu salário.” (Lc 10.7). Será que os anciãos recebiam pagamento já nos tempos do NT? Seja como for, é grande o perigo de buscar nesse serviço primeiramente a vantagem pessoal. Isso contamina o coração e o serviço. Os anciãos, como bons pastores, devem estar realmente empenhados pelo rebanho, tendo em vista o bem das ovelhas, e não mirando a lã delas. O significado básico do termo grego prothymos (= disposto), expressa: inclinado, com simpatia, com dedicação, com zelo, com gosto. O bem e as angústias dos outros ocupam, portanto, o foco, e o motivo é a determinação de servi-los.
(3) I Ped 5.3 Segue uma última exortação aos anciãos ou pastores. Tampouco como aqueles que se fazem senhores sobre o que lhes foi distribuído, mas como aqueles que se tornam (ou: são) exemplos do rebanho. O termo grego para o que lhes foi distribuído na r
ealidade significa “sorteio”. Em seguida passa a significar: o que foi sorteado, a herança, o quinhão sorteado. No presente contexto refere-se com certeza à igreja, respectivamente à área de tarefas confiada a cada um dos anciãos. Duas coisas repercutem nessa palavra: que se trata de algo grandioso e que eles não o buscaram por si, mas que lhes foi atribuído. Não como aqueles que se fazem senhores sobre o que lhes foi distribuído significa textualmente: “olhar de cima para baixo”, depois “oprimir”, “subjugar”. Os anciãos ou pastores devem conduzir a igreja, e nessa função também exercer a disciplina eclesial. Nessa posição de liderança reside o perigo do abuso, devido à pulsão humana pelo poder. Existe um abuso da liderança, um senso equivocado quanto ao cargo. Ao senhorear sobre os demais, os servidores da igreja se portam como senhores, privam DEUS da honra e posição de domínio que lhe cabem e impõem inferioridade aos membros da igreja. Nisso sua liberdade e cooperação responsável se perdem, bem como a alegria em servir e o senso comunitário. É assim que anciãos ou pastores, por “olhar de cima para baixo”, praticamente conseguem “gerir os negócios para baixo”. A isso Pedro contrapõe à maneira correta de apascentar: como aqueles que se tornam exemplo para o rebanho. Também Paulo emprega o termo exemplo ou “molde” (em grego typos) e exorta no mesmo sentido os responsáveis pelas igrejas (1Tm 4.12; Tt 2.7; cf. também 1Ts 1.4; 2Ts 3.9). Em Fp 3.17 ele conclama: “Imitai-me todos juntos, irmãos, e fixai o vosso olhar naqueles que se conduzem segundo o exemplo que tendes em nós” [TEB]. A igreja não precisa de índoles dominadoras, mas de exemplos. Quem se transforma em senhor gosta de exigir da igreja serviços que ele mesmo não está disposto a executar. Quem, no entanto, é exemplo, antecipa-se no servir. Todos os “mais velhos ou pastores” estão submetidos à tarefa de se tornar exemplos do rebanho. Para o serviço de ancião ou pastores não são necessários em primeiro lugar o dom da pregação nem capacidades humanas de destaque, mas, pelo contrário, uma atitude de vida que é marcada por JESUS e pelos apóstolos, ou seja, pela Sagrada Escritura.
I Ped 5.4 E quando o Supremo Pastor tiver sido manifesto recebereis a imarcescível coroa da glória. Os anciãos, ou pastores, precisam saber que acima das igrejas está um Supremo Pastor, e que receberam a propriedade dele somente

para cuidar. Ele avaliará e recompensará o serviço deles (1Co 3.8,14; Ap 11.18). No serviço que prestam, portanto, os anciãos, ou pastores, são responsáveis perante ele, e independentes do julgamento das pessoas. A sentença sobre seu ministério pastoral será proferida naquele dia em que tiver sido manifesto o Supremo Pastor, que agora ainda está oculto, mas já presente com todo o poder. Ele, pois, observa o serviço dos presbíteros, ou pastores, ou anciãos. Considerando, porém, que todos os acontecimentos na igreja e no mundo originados em DEUS têm por alvo a manifestação do Messias, é necessário que também os presbíteros, ou pastores, ou anciãos, direcionem seu serviço para esse evento. Isso reforça seu senso de responsabilidade e sua confiança, porque vale para eles a promessa: recebereis a imarcescível coroa da glória. Naquele tempo, após as competições cada vencedor recebia uma grinalda. Logo a grinalda é sinal do triunfo. É assim que um dia o Supremo Pastor recompensará todos que apascentaram bem seu rebanho com a grinalda da glória, que, ao contrário de todas as coroas terrenas, é incorruptível, não consistindo em material terreno, mas de glória (cf. também 2Tm 4.8; Ap 2.10; 3.11). A glória, porém, é a essência da proximidade de DEUS e consequentemente de todo bem, toda luz e toda beleza. Paulo escreve em Cl 3.4: “Quando CRISTO, que é a nossa vida, se manifestar, então, vós também sereis manifestados com ele, em glória. Quando CRISTO, que é a nossa vida, se manifestar, então, vós também sereis manifestados com ele, em glória.” Essa promessa vale de forma singular para aqueles que apascentaram fielmente o rebanho de DEUS.

Uwe Holmer. Comentário Esperança Cartas aos I Pedro. Editora Evangélica Esperança.

II - AS CARACTERÍSTICAS DO VERDADEIRO PASTOR

E ele mesmo deu uns para apóstolos, e outros para profetas, e outros para evangelistas, e outros para pastores e doutores, querendo o aperfeiçoamento dos santos, para a obra do ministério, para edificação do corpo de CRISTO, Efésios 4:11,12

Esta é uma palavra fiel: Se alguém deseja o episcopado, excelente obra deseja. Convém, pois, que o bispo seja irrepreensível, marido de uma mulher, vigilante, sóbrio, honesto, hospitaleiro, apto para ensinar; não dado ao vinho, não espancador, não cobiçoso de torpe ganância, mas moderado, não contencioso, não avarento; que governe bem a sua própria casa, tendo seus filhos em sujeição, com toda a modéstia (porque, se alguém não sabe governar a sua própria casa, terá cuidado da igreja de DEUS?); não neófito, para que, ensoberbecendo-se, não caia na condenação do diabo. Convém, também, que tenha bom testemunho dos que estão de fora, para que não caia em afronta e no laço do diabo. 1 Timóteo 3:1-7

Por esta causa te deixei em Creta, para que pusesses em boa ordem as coisas que ainda restam e, de cidade em cidade, estabelecesses presbíteros, como já te mandei: aquele que for irrepreensível, marido de uma mulher, que tenha filhos fiéis, que não possam ser acusados de dissolução nem são desobedientes. Porque convém que o bispo seja irrepreensível como despenseiro da casa de DEUS, não soberbo, nem iracundo, nem dado ao vinho, nem espancador, nem cobiçoso de torpe ganância; mas dado à hospitalidade, amigo do bem, moderado, justo, santo, temperante, retendo firme a fiel palavra, que é conforme a doutrina, para que seja poderoso, tanto para admoestar com a sã doutrina como para convencer os contradizentes. Tito 1:5-9

Aos presbíteros que estão entre vós, admoesto eu, que sou também presbítero com eles, e testemunha das aflições de CRISTO, e participante da glória que se há de revelar: apascentai o rebanho de DEUS que está entre vós, tendo cuidado dele, não por força, mas voluntariamente; nem por torpe ganância, mas de ânimo pronto; nem como tendo domínio sobre a herança de DEUS, mas servindo de exemplo ao rebanho. E, quando aparecer o Sumo Pastor, alcançareis a incorruptível coroa de glória. 1 Pedro 5:1-4

E a uns pôs DEUS na igreja, primeiramente, apóstolos, em segundo lugar, profetas, em terceiro, doutores, depois, milagres, depois, dons de curar, socorros, governos, variedades de línguas. 1 Coríntios 12:28

1. Um caráter íntegro.

Neste tópico, enfatizamos as características do verdadeiro pastor, no sentido humano, daquele que tem o chamado de DEUS para ser um guia de parte do rebanho do Sumo Pastor. E o que tem o dom ministerial de pastor. Não é qualquer pessoa que tem condições de receber esse dom, ainda que seja o mais procurado pelos aspirantes ao ministério eclesiástico. Paulo ensina que é JESUS quem dá pastores às igrejas (1 Co 12; Ef 4.1): “Os pastores ministeriais escolhidos por JESUS CRISTO deveriam ser aqueles que dirigem a congregação local e cuidam das suas necessidades espirituais, porém não é bem assim. A grande maioria dos "pastores, ou anciãos, ou presbíteros, ou bispos" que dirigem alguma congregação, ou seja lá o nome que é dado a cada um, não são ministros escolhidos por JESUS CRISTO, mas foram escolhidos por lideranças da igreja, ou seja, seus ministérios são humanos, escolhidos por homens. E já que são chamados “presbíteros” (At 20.17; Tt 1.5) e “bispos” ou supervisores (l Tm 3.1; Tt 1.7).

O pastor de uma igreja deve espelhar-se nas características do “Sumo Pastor” (1 Pe 5.4). E deve possuir qualificações que o credenciem para tão importante missão. O pastor verdadeiro é dado por JESUS à igreja. Ele não dá a igreja ao

pastor (Ef 4.11); a igreja, mesmo no sentido local, não pertence ao pastor. O pastor deve ser um servo da igreja local, e não seu mandatário ou proprietário. A seguir, algumas dessas qualificações, conforme 1 Timóteo 3.1-7 e Tito 1.7, relativas ao bispo, que é sinônimo de pastor, quanto ao seu testemunho perante a Igreja e o mundo:
1) Irrepreensibilidade moral. Refere-se a uma vida de integridade, de que não tenha de que se envergonhar ou causar escândalo.

2) Vida conjugal ajustada (“marido de uma mulher”). Note-se que é prioridade o cuidado com a vida conjugal; no Novo Testamento, não é prevista a tolerância com a bigamia ou a poligamia; a regra é a monogamia, como plano original de DEUS para o matrimônio; e o pastor como esposo deve ser exemplo para os demais esposos, na igreja, amando sua esposa e cuidando dela (Ef 5.25).Casado uma vez significa que só se casou uma vez mesmo.

3) Vigilante. O pastor é o guarda do rebanho. Deve estar atento ao que se passa ao seu redor; vigiando, primeiro, a sua vida pessoal e ministerial (1 Tm 4.16). Depois, vigiando o rebanho para alertar e livrar dos “lobos devoradores”; Ser vigilante significa ser “atento, cauteloso, cuidadoso, precavido” quanto aos perigos que o rodeiam. Para assumir a função de liderança, na igreja local, o obreiro deve ser muito cuidadoso quanto à sua vida espiritual, moral, social, familiar e em todos os aspectos. Isso porque o Diabo “anda rugindo como leão, buscando a quem possa tragar” (1 Pe 5.7). O presbítero, bispo ou pastor deve obedecer ao que JESUS disse: “Vigiai e orai, para que não entreis em tentação; na verdade, o espírito está pronto, mas a carne é fraca” (Mt 26.41). Ele precisa ser “exemplo dos fiéis” (1 Tm 4.12; 1 Pe 5.3).

4) Sóbrio (simples, moderado). Sobriedade significa que não se deixa guiar por doutrinas várias, mas somente pela Bíblia, é equilibrado. O pastor ou bispo deve zelar pela simplicidade, no ministério; o luxo, a ostentação material, a exibição de riqueza não convêm a um homem de DEUS; JESUS disse: “sede símplices como as pombas” (Mt 10.16).
5) Honesto. Tem o significado de ser “honrado, digno, correto, íntegro; decoroso, decente, puro, virtuoso”. Todas essas
qualificações podem resumir-se numa expressão: ser “santo em toda a maneira de viver” (1 Pe 1.15). O homem de DEUS não é perfeito em si mesmo, por mais que se esforce para ser santo. Mas, cuidando de sua vida pessoal, ministerial e como cidadão, pode ser muito bem-visto pelos crentes como uma pessoa honesta. O seu falar deve ser “sim, sim; não, não” (Mt 5.37). Honestidade é sinônimo de integridade. O pastor ou bispo deve ser uma pessoa assim, fiel, sincera, verdadeira. Deve ser alguém que vive o que prega ou ensina (Tg 2.12). Não se vende, paga suas contas em dia.

6) Hospitaleiro. Esta palavra vem de hospital, na sua origem. Não havia casas de saúde como hoje. Uma hospedaria era um hospital, um lugar onde os viandantes podiam pousar, e também os enfermos, uma hospedaria ou estalagem (Lc 10. 34,45). Mas o pastor não tem obrigação de transformar sua casa em hospedaria. No sentido do texto, hospitaleiro é sinônimo de acolhedor, que sabe tratar bem as pessoas, sem fazer acepção de ninguém; (acepção é pecado - Dt 16.19; Ml 2.9; 1 Tm 2.11;Tg 2.9). Que recebe em sua casa servos de DEUS, seus colegas de ministério.

7) Apto a ensinar. Como o pastor é o que alimenta ou apascenta o rebanho, o pastor deve saber fazer uso da Palavra de DEUS, ministrando mensagens, estudos e reflexões que edifiquem o rebanho sob seus cuidados. Se não tiver essa aptidão, pode estar no lugar errado (2 Tm 2.15).
Elinaldo Renovato. Dons espirituais & Ministeriais Servindo a DEUS e aos homens com poder extraordinário. Editora CPAD. pag. 110-112.

2. Exemplo para os fiéis e os infiéis.

8) Não dado ao vinho”. Nos tempos de Paulo, o vinho era já uma bebida alcoólica que podia causar dependência química ou psicológica. Seria uma tristeza um pastor ficar embriagado pelo uso constante do vinho. A bebida alcoólica tira o juízo, torce a justiça. Se fosse escrito hoje, o texto talvez dissesse: “não dado à cerveja, à champanhe, ao licor ou a outra bebida alcoólica ou a algum alucinógeno, ou droga sintética”. O pastor ou bispo deve dar exemplo de abstinência desse tipo de substância para o seu bem, de sua família e do rebanho sob seus cuidados.

9) Ordeiro (“não espancador”). Por que Paulo fez referência a esse tipo de comportamento? Muitos obreiros espancam seus filhos e até sua esposa, por incrível que pareça. Sem dúvida, Paulo observou que algum obreiro tinha o costume de “espancar” as pessoas a seu redor, algum ditador. Sempre houve pastores grosseiros, prepotentes, alguns que cometeram “assédio moral” contra pessoas a seu redor. Isso é reprovável sob todos os aspectos. O pastor deve ser ordeiro, humilde, de bom trato para com todos, não cobiçoso nem ganancioso. Ordeiro quer dizer que mantém a ordem, na casa de DEUS. 10) Moderado, É sinônimo de suave, brando, comedido, prudente, contido. É qualidade sem a qual o pastor pode sofrer sérios revezes em sua vida, no relacionamento com outras pessoas, em seus hábitos, costumes etc. Ele não pode ser um desequilibrado mental, sem controle de suas emoções. Para ser moderado, precisa ter o fruto da temperança e da longanimidade (cf. G1 5.22).

11) Não contencioso. O pastor ou bispo não deve viver em contenda, nem com a família, nem com os crentes, nem com os de fora (aqui incluída a internet e seus grupos sociais de interação). Contenda é o mesmo que porfia, dissensão, peleja, que são “obras da carne” (G1 5.2,1). Diz um ditado: a melhor maneira de ganhar uma contenda é evitá-la. Com oração e vigilância é possível viver em paz.

12) Não avarento. Quer dizer que o pastor ou bispo não deve ser sovino, mesquinho, e não deve ter amor ao dinheiro (avareza), que é “a raiz de toda espécie de males” (1 Tm 6,10). O pastor não deve viver em função de dinheiro ou de bens materiais. Sua missão é elevadíssima, e deve focar-se no amor às almas ganhas para CRISTO, que ficarão aos seus cuidados ministeriais. O dinheiro da Igreja, em sua primazia, deve ser usado para evangelização.

Elinaldo Renovato. Dons espirituais & Ministeriais Servindo a DEUS e aos homens com poder extraordinário. Editora CPAD. pag. 112-113.

QUALIFICAÇÕES DO PASTOR

Qualificações de um pastor: três categorias:
a. O serviço de ministração ao culto divino, pondo em ordem a adoração da congregação, administrando as ordenanças, pregando e ensinando a Palavra de DEUS.
b. Ele deve ser habilidoso nos cuidados pastorais, cuidando de alimentar espiritualmente o rebanho, mostrando-se vigilante, deixando-se envolver em boas obras e ações de misericórdia e compaixão.
c. Ele deve brandir a autoridade espiritual da Igreja, sendo um dirigente que merece respeito e que impõe ordem e disciplina. Um pastor deve ter como um de seus alvos o aperfeiçoamento dos santos (Ef 4:12). mostrando-se espiritualmente alerta (Heb, 13:17; 11 Tim. 4:5) sendo capaz de exortar, advertir, consolar e orientar com autoridade (I Tes. 2:22; I Cor. 4: 14,15). Deve demonstrar profunda comunhão com o PAI, JESUS e o ESPÍRITO SANTO, tanto quanto ao ensino e pregação, quanto em ser usado em dons do ESPÍRITO SANTO em seu ministério.
CHAMPLIN, Russell Norman, Enciclopédia de Bíblia Teologia e Filosofia. Vol. 5. Editora Hagnos. pag. 105-106.

Algumas qualificações do Bispo (3.2)

É apropriado que o ministro seja julgado por um padrão mais rígido que os membros leigos da igreja. Os leigos podem ser perdoados por defeitos e falhas que seriam totalmente fatais a um ministro. Há certas coisas que um DEUS misericordioso perdoa em um homem, mas que a igreja não perdoa no ministério deste. A irrepreensibilidade do candidato é requisito no qual devemos ser insistentes hoje em dia, como o foi Paulo no século I.

O líder da igreja deve ser exemplar especialmente em assuntos relativos a sexo. Este é o destaque da segunda estipulação do apóstolo: Marido de uma mulher. Trata-se de precaução contra a poligamia, que gerava um problema sério para a igreja cujos membros eram ganhos para CRISTO vindos de um paganismo que tolerava abertamente casamentos plurais. Em todo quesito que a igreja com seus altos padrões éticos relativos a casamento confrontar o paganismo de nossos dias, em regiões incivilizadas ou não, a insistência cristã na pureza deve ser enunciada de forma clara e seguida com todo o rigor. Daí podemos inferir que a prática do sexo deve ser segundo os padrões bíblicos de santificação. Sexo anal não deve ser tolerado em um casamento cristão, que muitas vezes leva a separação de casais. Muitos casais teem se separado devido também a espancamento da esposa por parte do marido que é pastor. Isso acontece em casa de obreiros, muitas vezes. Mas temos de perguntar: A intenção de Paulo era desaprovar o segundo casamento? Alguns dos manuscritos antigos requerem a tradução “casado apenas uma vez” (conforme nota de rodapé na NEB). “Sobre este assunto, como em muitos outros”, comenta Kelly, “a atitude que vigorava na antiguidade difere notadamente da que prevalece em grande parte dos círculos de hoje. Existem evidências abundantes provenientes da literatura e inscrições funerárias, tanto gentias quanto judaicas, que permanecer solteiro depois da morte do cônjuge ou depois do divórcio era considerado meritório, ao passo que casar-se outra vez era visto como sinal de satisfação excessiva dos próprios desejos”. É óbvio que em alguns segmentos da igreja primitiva esta era a opinião prevalente, chegando à inspiração de um ministério celibatário, como o de Paulo, Barnabé, Tito, Timóteo, como parece evidente na leitura bíblica (Digo, porém, aos solteiros e às viúvas, que lhes é bom se ficarem como eu. 1 Coríntios 7:8).

Igualmente essencial e até mais importante é a sétima qualidade que Paulo menciona: Apto para ensinar. Pelo visto, nem todos os pastores eram empregados no ministério de ensino. E o que mostra 5.17: “Os presbíteros que governam bem sejam estimados por dignos de duplicada honra, principalmente os que trabalham na palavra e na doutrina”. Mas a aptidão para ensinar era rendimento certo para o ministro cristão. Sempre haverá indivíduos que possuem maior capacidade nesta ou naquela área que outros, mas certa habilidade para ensinar é de extrema necessidade ao ministério completo e frutífero. Não cobiçoso de torpe ganância. Esta é advertência contra o amor do dinheiro que o apóstolo, mais adiante nesta mesma epístola (6.10), declara ser “a raiz de toda espécie de males”. Tal proibição tinha relevância imediata, pois fazia parte da responsabilidade do pastor cuidar dos bens e capitais da igreja. Esta seria fonte constante de tentação para o avarento. Somente aquele que desse toda prova de não ter espírito de cobiça pode ser separado com segurança para a obra do ministério.

Claro que é perfeitamente possível que ministros e leigos sejam enganados pelo que nosso Senhor chamou de “a sedução das riquezas” (Mt 13.22). A sutileza desta sedução é que a pessoa não precisa possuir riquezas para ser enganada por elas. Desejá-las ardentemente, permitir-se adotar atitudes calculistas na esperança de obter riquezas, ficar indevidamente interessado por salários e lucros deste mundo não podem deixar de empobrecer e, no final das contas, destruir o valor do próprio ministério. Tudo isso está implícito no aviso paulino do desejo controlador por dinheiro.

J. Glenn Gould. Comentário Bíblico Beacon. Editora CPAD. Vol. 9. pag. 469-471.

I Tm 3.2 O presidente, ou pastor, ou bispo, pois, deve ser irrepreensível.
Irrepreensível não significa simplesmente gozar de boa fama, mas ter um testemunho justificadamente bom. A crítica e as acusações não devem encontrar pontos vulneráveis para seu ataque. Aparentemente a palavra designa o comportamento abrangente, fundamental para tudo o que segue. JESUS frisa a importância do bom testemunho, como também ocorre em geral no NT. Nessa questão é decisivo que o bom testemunho seja reconhecido e fornecido pelos que não fazem parte da
igreja. “Vossa conduta seja decorosa aos olhos dos estranhos.” Essa exortação da carta mais antiga de Paulo coincide integralmente com a exigência de ser irrepreensível, o que não pode ser questionado nem mesmo por observadores críticos

e hostis. Um modo de vida desses só é viável a partir do “mistério da fé, preservado em uma consciência pura”. Essa é a origem e a renovação de toda a autêntica irrepreensibilidade. Representa o oposto tanto do comportamento antissocial como da exagerada adaptação pacata a todos e a tudo.
Marido de uma só mulher. Presidentes e diáconos devem ser casados uma única vez; isso aponta em 3 direções:

1) Acerca da profetiza Ana lemos que era virgem até se casar. Quando o marido morreu após 7 anos de casamento, ela passou a viver sozinha até idade avançada (84 anos), servindo a DEUS. De acordo com a palavra profética permaneceu fiel ao “noivo de sua mocidade”.
2) Conforme as palavras do Senhor a monogamia é o alvo original, estabelecido por DEUS, do relacionamento entre homem e mulher. Se os próprios gentios chamam atenção para isso e os cristãos aspiram ao amor e à fidelidade no matrimônio, quanto mais isso deveria valer, então, para aqueles que se “apresentam em todas as coisas” (logo também no casamento) como “exemplo de boas obras”.

3) A interpretação aqui fornecida possui relevância justamente com vistas à prática do divórcio, que naquela época se alastrava com força, e do correlato recasamento de pessoas divorciadas, seja entre gregos, seja entre judeus.
A expressão única pode ser mantida em forma tão genérica pelo fato de que deve caracterizar de forma abrangente a atitude básica fundamental da castidade em todas as situações. O casto não reprimiu sua sexualidade, mas a tornou íntegra, porque castidade é alegrar-se com a sexualidade respeitando os limites do respeito.

Quem está embriagado e alimenta sonhos devotos a respeito de si mesmo e do mundo não consegue orar de fato, porque orar é justamente o contrário de fugir da chamada “realidade” para um mundo onírico. Vale o contrário: quem ora acorda para a verdadeira situação, e quem está alerta ora de olhos abertos. É disso que resultam as boas obras.
Apto para ensinar (didaktikos): em todo o NT o termo ocorre somente aqui e em 1Tm 3.2. O seu sentido é descrito
exaustivamente em Tt 1.9: o presidente, ou pastor, ou bispo deve “apegar-se à palavra confiável e conforme a doutrina, para que seja capaz de, pelo reto ensino, exortar bem como convencer os que o contradizem”. Deve estar aberto para questões doutrinárias, capaz de formar sua própria opinião e instruir a outros. Precisa discernir entre o que é importante e o que leva a descaminhos, entre doutrina verdadeira e falsa, saudável e doentia e ser capaz de ensinar e transmitir corretamente o que é apropriado em cada caso.

Conforme 2Tm 2.2 Timóteo deve transmitir o evangelho a “pessoas fiéis”, não especificamente apenas presidentes, ou pastores, ou bispos, que serão capazes de novamente ensinar a outras. O ensino ministrado por mestres específicos somente tem sentido sob a premissa de que todos são capazes de se instruir e exortar mutuamente. No entanto, só se pode esperar isso deles quando e porque eles próprios são “ensinados por DEUS”. Ademais, 1Tm 5.17 deixa explícito que a presidência não era exercida por uma pessoa sozinha, era um ministério com 5 ministros (Ef 4.11), e que nem todos que presidiam ou eram presbíteros que também ensinavam.

Os presidentes, ou pastores, ou bispos tinham de ser exemplos no ensinar, não para aliviar outros desta tarefa, mas capacitando-os para isso. Na escola o professor de matemática deve instruir os alunos para que saibam solucionar pessoalmente tarefas de matemática. Não deve resolver a tarefa por eles, e nem todos os alunos devem tornar-se matemáticos ou professores de matemática.

I Tm 3.3. Não dado ao vinho, não espancador, porém amável, não briguento, não avarento.
Em Corinto as ágapes e as santas ceias da igreja haviam degenerado em comilanças. Em seu meio havia pessoas que se intitulavam irmãos, mas cujo DEUS na verdade era seu próprio estômago. O estômago era o poder máximo que os determinava. Comer e beber, bem como digressões sexuais, significavam tudo para eles. Quem ainda era escravo de tais vícios mesmo como cristão dificilmente podia conduzir aqueles que haviam se convertido do mundo gentílico para novos hábitos de vida. O simples fato de que era preciso dar essas instruções a presidentes, ou pastores, ou bispos e diáconos
permite reconhecer que à época da redação da carta a igreja não passava pela vida inerte, em um “aburguesamento” distante e impassível: “impuros, idólatras, adúlteros, garotos de programa, sodomitas, ladrões, avarentos, bêbados, maldizentes, assaltantes” era o contexto de onde vinha uma parcela da igreja, não apenas em Corinto, e com tais concidadãos seus membros conviviam no cotidiano. Como aprenderiam que uma vida assim era indefensável na igreja, por ser antissocial e inconciliável com o reino de DEUS? Verdadeira transformação não podia ser trazida por ordens e condenações genéricas, mas somente por modelos de vida nova vivenciados. Por essa razão o presidente, ou pastor, ou bispo não deve ser beberrão nem galo de briga com discurso autoritário, mas instrutor amável de uma vida verdadeira. Também nessa palavra não se deve ignorar a conotação escatológica. Como o Senhor está próximo, os cristãos devem expressar sua amabilidade a todas as pessoas, também diante dos que os difamam e perseguem.
Não briguento: trata-
se aqui de briga por palavras, ter palavra de comando, ser irredutível no debate., diferente de “não espancador”, que briga chegado às vias de fato, muitas vezes embriagado.
Não avarento: Quando JESUS disse que não se pode servir a DEUS e ao dinheiro, os fariseus zombaram dele porque eram gananciosos. JESUS espera do bom administrador que lide fielmente com o dinheiro injusto. De acordo com Tt 1.7 o presidente, ou pastor, ou bispo, que é um administrador (ecônomo) de DEUS, não deve ambicionar a torpe ganância. Hans Bürki. Comentário Esperança Cartas aos I Timóteo.. Editora Evangélica Esperança.

Se porventura o homem é quem se divorciou da mulher, contra a vontade dela, é extremamente duvidoso que, na igreja primitiva, fosse permitido a tal homem ocupar posição de liderança na igreja, mesmo que viesse a contrair novas núpcias. Fica igualmente proibida a digamia, isto é, segundo matrimônio, após o falecimento da primeira esposa. Parece que isso está incluso nessa proibição, que envolve aqueles que devem ou não ocupar ofícios eclesiásticos. I Tim. 5:9,11 quase torna necessário que interpretemos, nestas palavras, que o ESPÍRITO SANTO, através de Paulo era contra qualquer forma

de segundo matrimônio para um oficial eclesiástico. E é provável que assim pensasse o ESPÍRITO SANTO, através de Paulo, porque tal oficial deveria defender o ideal simbólico do casamento, um homem e uma mulher, conforme é exemplificado no tipo de CRISTO e sua igreja. (Ver Efé. 5:32). Além disso, a julgar pelas expressões do quinto capítulo desta epístola, aludidas acima, parece que o ESPÍRITO SANTO, através de Paulo, julga que a viuvez perpétua é mais nobre e mais favorável à inquirição espiritual, bem como ao trabalho eclesiástico, do que o estado de um homem casado pela segunda vez.

Essa interpretação sobre esta expressão, como declaração contrária a um segundo matrimônio, já era forte nos escritos dos pais da igreja que viveram nos séculos II, III e IV d.C. (Ver Tertuliano, ad Uxor, 1.7; Clemente de Alexandria, Strom. iii. 12; Orígenes, Hom. xvii sobre Lucas). Tal ideia foi incorporada em dogmas eclesiásticos posteriores. (Ver Apost. Ch. ordem 1; Apost. Canons, xvii e Constituições Apostólicas ii.2). Os montanistas transformaram em artigo de fé essa regra contra um segundo casamento, após a morte da primeira esposa.

Atenágoras, apologista cristão que viveu em Atenas, no segundo século de nossa era, chamava de «adultério agravado» ao segundo casamento.
Em qualquer decisão, a tradição eclesiástica não pode ser ignorada, pois a história eclesiástica poderá oferecer um roteiro seguro.

Um homem solteiro, de grande piedade, não deveria ser barrado de ocupar qualquer ofício eclesiástico. Paulo não era casado. Cumpre-nos observar, por semelhante modo, que às viúvas é ordenado que não se casem novamente (ver I Tim. 5:14), sendo provável que aos «viúvos» também se aconselhasse tal medida. Não seria razoável, segundo parece, permitir viúvos recasados ocuparem ofícios eclesiásticos. (Efé. 5:32).

A Didache (escrito em cerca de 100 D.C.) atribui a responsabilidade maior do ensino aos profetas e mestres (XIII e XV), ficando essa responsabilidade ao encargo dos pastores somente na ausência daqueles. O importante é que haja indivíduos espiritualmente chamados para esse ministério, os quais não devem poupar seu tempo e seus talentos no cumprimento de sua vocação.

Um mestre cristão deve ser guardião e depositário do conhecimento bíblico, aprimorando-se cada vez mais em sua compreensão sobre as realidades espirituais, aprofundando sempre mais o seu conhecimento nas Escrituras. A igreja evangélica de hoje em dia necessita de «mestres», havendo um número extremamente reduzido deles. O trecho de I Tim 5.17 mostra-nos que nem todos os pastores governantes tinham a função de ensinar, e que aqueles que governavam e ensinavam deveriam ser alvo de especial consideração, dignos de duplo salário. O ministério carismático, composto de apóstolos, profetas, evangelistas, pastores e mestres (ver Efé. 4:11), não tinha por intuito cessar e ser substituído pelo ministério de ensino. Antes, o ministério de «mestre» é recebido por unção divina, não resultando apenas do cultivo intelectual. Todavia, o mestre usa «revelações» como base de seu ensino, podendo essas revelações ser aquelas contidas nos documentos bíblicos ou através de discernimento intuitivo ou transmissão mística de conhecimentos, embora sempre de acordo com a revelação bíblica, que é básica, fundamental. Já o profeta fala por inspiração espiritual direta, dada no momento da elocução da profecia. Mas é o ESPÍRITO SANTO quem impulsiona a ambos. Não ensinar equivale a perecer; e é por isso que, em muitos lugares de hoje em dia, a igreja cristã sucumbe, por falta de alimento espiritual. O ensino é parte integral da Grande Comissão (ver Mat. 28:19,20), devendo ser tratado com muito mais dedicação e urgência do que vem ocorrendo entre nós, equiparando-se em intensidade e importância ao evangelismo.

As Constituições Apostólicas (oito volumes de instruções, dos fins do século IV d.C.), um manual de disciplina eclesiástica, que supostamente seriam instruções dos apóstolos a Clemente de Roma, contêm um interessante paralelo: «A um supervisor, ancião ou diácono que bata nos crentes, quando pecam, ou nos incrédulos, quando fazem algum erro, desejando aterrorizá-los desse modo, ordenamos que seja deposto; pois em parte alguma o Senhor nos ensinou a fazer tais coisas. Pelo contrário, quando foi ferido, não revidou; quando foi vilipendiado, não vilipendiou; quando sofreu, não ameaçou» (νώ'.47,28).

«...não avarento...» No grego é «aphilarguros», usado somente aqui e em Heb. 13:5. Significa «amante de dinheiro». «Philarguros», sem o privativo, mas com sentido praticamente idêntico, se encontra em Luc. 16:14 e II Tim. 3:2. O termo normal para «avarento» é «pleonektes», em outras passagens do N.T. (Ver Rom). Um bom «supervisor» não se encontra em seu ofício por causa do dinheiro. Pode esperar receber uma recompensa financeira razoável, por trabalhar no evangelho, mas não deve esperar enriquecer nesse mister, não devendo mesmo trabalhar visando esse alvo. A sua dedicação a CRISTO deveria ser tão grande que ficasse excluída qualquer possibilidade dessas. Entretanto, em nossos dias, muitos evangelistas, pastores e «grandes pregadores» se têm, literalmente, enriquecido. Muitos deles têm aconselhado a viúvas que lhes deixem suas ricas possessões em herança, além de usarem de outros meios duvidosos para se enriquecerem. Um ancião ou pastor deveria ser generoso com as suas possessões, dando sempre de si mesmo e de seus bens, procurando fazer avançar o seu trabalho. Seu dinheiro deveria ser investido em seu trabalho.

«Livre da cobiça egoísta, que tão frequentemente gera ira e contenda (comparar com I Tim. 6:10 e Heb. 13:5). Sabemos quão frequentemente nosso Senhor advertiu a seus discípulos a que se precavessem da cobiça (ver Luc. 16:14, etc.)». (Oosterzee, in loc.). A principal direção do dinheiro da Igreja deve ser investido na evangelização.
CHAMPLIN, Russell Norman, O Novo Testamento Interpretado versículo por versículo. Editora Candeias. Vol. 5. pag. 307- 310.

Homem de Maturidade (3.6,7)
O versículo 6 oferece perspicácia muito interessante sobre a situação em Éfeso: Não neófito, para que, ensoberbecendo- se, não caia na condenação do diabo

(6). Esta é advertência contra a promoção muito rápida à liderança de “recém-convertidos” ou pessoas “recentemente batizadas”. Embora a igreja Efésia já tivesse muitos anos de existência e, provavelmente, não devesse ter carência de líderes maduros, havia indícios de que candidatos imaturos ao ministério estavam sendo postos em serviço. Paulo acreditava em maturidade e preparação de candidatos para este cargo santo, e por uma boa e suficiente razão. Existia o perigo de que, para alguém inadequadamente preparado, a tentação ao orgulho espiritual se tornasse grande demais para ser resistida. Isso é tragédia na certa, tragédia descrita pelo apóstolo nos seguintes termos: Cair na condenação do diabo. C. K. Barrett destaca que “o julgamento não é tramado pelo diabo, mas feito por DEUS em rígido acordo com a verdade”. A tradução de Phillips expressa o que o apóstolo quis dizer: “Para que não se torne orgulhoso e participe da queda do diabo” (CH).

Resta ainda uma especificação final para aquele que deseja servir na posição de bispo ou líder: Convém, também, que tenha bom testemunho dos que estão de fora, para que não caia em afronta e no laço (“armadilha”, NTLH) do diabo (7). O ministro cristão tem de inspirar o respeito e a confiança da comunidade fora da igreja, caso deseje ganhar as pessoas dessa comunidade para a igreja. E fácil dizer: “Não me importo com o que as pessoas pensem de mim”; e contanto que essa atitude seja devidamente planejada e corretamente compreendida, justifica-se. Mas ninguém deve ser indiferente à sua reputação na comunidade em que vive. Ele deve desejar veementemente que as pessoas o considerem inteiramente acima de repreensão. Ver a questão de outro modo, diz Paulo, é expor-se à mesma armadilha que aguarda o indivíduo cujo espírito está arruinado pelo orgulho espiritual.

J. Glenn Gould. Comentário Bíblico Beacon. Editora CPAD. Vol. 9. pag. 471-472.

Não Neófito - Alguns eruditos supõem que o sentido destas palavras é que se o candidato ao pastorado tinha defeitos e vícios, em sua vida anterior, quando a igreja fez dele um pastor tão repentinamente, sem provas suficientes de sua conversão e experiência cristã, então que tal homem tornar-se-á objeto imediato de críticas, por parte dos «de fora», que o conhecem e que agora começam a denegri-lo. Essa interpretação é possível, mas parece melhor pensarmos aqui em um «fracasso futuro», como possibilidade seriamente antecipada, se porventura alguém for levantado como líder na igreja precipitadamente, quando ainda é noviço na fé, pois o orgulho daí decorrente gradualmente irá destruindo a ele mesmo e ao seu ministério.

«Os desviados, de maneira geral, caem perante aqueles pecados que estavam acostumados a praticar, antes de sua conversão. Hábitos inveterados são reavivados naquele que não continua a negar-se a si próprio e a vigiar em oração». (Adam Clarke, in loc.). .
CHAMPLIN, Russell Norman, O Novo Testamento Interpretado versículo por versículo. Editora Candeias. Vol. 5. pag. 311.

3. Exemplo para a família.

Que governe bem a sua casa. Esta é uma qualificação de grande importância, pois as pessoas ouvem as mensagens dos pastores, mas olham para ele e como se relaciona com a família, notadamente com os filhos. Ele é o cabeça (líder) da esposa e do lar (Ef 5.22). Ao lado da esposa, que também governa a casa (1 Tm 5.14), deve criar seus filhos “com sujeição” (1 Tm 3.4). Porque, diz Paulo: “se alguém não sabe governar a sua própria casa, terá cuidado da igreja de DEUS? (1 Tm 3.5). Culto doméstico, submissão dos filhos aos pais e da esposa para com seu marido, Assuidade de toda família nos cultos e eventos da Igreja, santificação encontrada em toda a família, esses são sinais de uma família de um pastor, ou bispo, ou presbítero.

De bom testemunho perante os descrentes (“bom testemunho dos que estão de fora”). O pastor deve ser um proclamador do evangelho transformador de CRISTO. Seu testemunho deve ser uma pregação viva de que JESUS converte e transforma o pecador. Esse testemunho deve ser demonstrado, primeiramente, em sua vida pessoal; depois, em sua casa, na igreja e, por fim, perante todas as pessoas que o conhecerem.

Elinaldo Renovato. Dons espirituais & Ministeriais Servindo a DEUS e aos homens com poder extraordinário. Editora CPAD. pag. 113.

«...governe bem...» No grego é «proistemi», que significa «ser o cabeça», «conduzir», «gerir», sendo palavra usada para indicar qualquer forma de governo, ainda que, secundariamente, tenha o significado de «ter interesse por», «cuidar de», «ajudar a». Um «supervisor» ou pastor é o governante da igreja local; mas, antes de tudo, deve ser o chefe de sua casa. Seu lar é a sua primeira responsabilidade, e somente se ele se mostra apto ali é que deve ser considerado capaz de governar a casa de DEUS.

«...criando os filhos sob disciplina...» Literalmente, «...mantendo em sujeição...», uma frase única em todo o N.T. A tradução inglesa RSV diz aqui (agora vertido para o português): «...mantendo submissos os seus filhos...» Mas um pastor deve obter esse resultado com razão, com paciência e com gentileza, embora também com demonstração de autoridade e força, que seus filhos aprendam a respeitar. Ora, isso nem sempre é fácil de conseguir, porquanto as crianças também são indivíduos, podendo ser dotados de fortíssima vontade própria. Todavia, um pai obterá bons resultados se suas ordens forem justas e úteis; e assim seus filhos aprenderão que o pai de família age assim para benefício deles, e não meramente a fim de demonstrar a sua autoridade. «A obediência e o respeito pela autoridade são coisas importantes. As energias dinâmicas das crianças, ao invés de serem abafadas, precisam ser dirigidas para fins dignos.

A difícil arte da educação cristã consiste em rodearmos os jovens com influências que os capacitem a combinar os seguintes pontos:
a. A obediência a DEUS com a gloriosa liberdade dos filhos de DEUS;
b. a conformidade à mente de CRISTO com a liberdade de exprimir os dons distintivos que DEUS conferiu a cada um de seus filhos;

c. o conhecimento dos fatos cristãos e da história da igreja com a receptividade a maior luz, que DEUS faça irromper de sua santa Palavra, para cada nova geração;
d. a reverência à revelação divina no passo com a coragem que DEUS fala a cada pessoa que tem ouvidos para ouvir e lhe queira ser obediente;

e. a gratidão pelo que DEUS tem feito no passado com a fé que DEUS tem em reserva maiores coisas ainda para o seu povo, que serão realizadas no futuro;
f. o respeito pelas experiências dadas às gerações anteriores com o propósito de buscar, em primeiro lugar, o reino de DEUS e a sua justiça.

A educação cristã deve transmitir o conhecimento obtido pela experiência, ao mesmo tempo que deve liberar os poderes criativos daqueles que são chamados a avançar para um novo conhecimento e para maiores realizações». (Noyes, in loc.). Este versículo não ensina que um homem «sem filhos» não pode ser um «supervisor» cristão , conforme alguns eruditos têm sugerido. Essa interpretação perverte o que aqui é dito, sendo algo inteiramente fora de consideração.

«...com todo respeito ...» No grego é «semnotetos», que quer dizer «reverência», «respeito», «dignidade», «seriedade». Alguns estudiosos pensam que essas palavras aludem aos filhos, os quais, estando debaixo da autoridade de seus progenitores, deveriam mostrar «reverência e respeito»; o mais provável, entretanto, é que o pai da família continue aqui em foco. O pastor que também é pai deve governar seus filhos com «dignidade» e «seriedade». Precisa reconhecer a seriedade de sua missão. Aos seus filhos, todo o pai deve três coisas: exemplo, exemplo, exemplo. Se um pai der a seus filhos o exemplo certo, será fácil para aqueles se tornarem homens de DEUS. O pai é quem deve mostrar aos filhos o caminho. Notemos que o termo grego «...todo...» é empregado aqui. As ações de um pai pastor, para com os seus filhos, devem ser caracterizadas por uma seriedade «completa» e «perfeita». Não deve ser uma atitude lassa e desinteressada. Pois, se mostrar tal atitude, poderá afastar de si os seus próprios filhos, tornando-os presa fácil de más influências. Em «tudo» um pastor deve manter dignidade espiritual diante de seus filhos.

CHAMPLIN, Russell Norman, O Novo Testamento Interpretado versículo por versículo. Editora Candeias. Vol. 5. pag. 310.

Assim como o relacionamento conjugal reflete a relação entre CRISTO e a igreja, assim a associação familiar em uma grande casa é réplica e a célula originária da família de DEUS, do qual toda a paternidade no céu e na terra recebe o nome. Pela fé em CRISTO os gentios tornaram-se “membros da família de DEUS”.
Como um pai governa os filhos e a todos na própria casa, assim o presidente, ou bispo, ou pastor, deve conduzir a igreja de DEUS, executando seu ministério com entusiasmo, i.é, bem. Ao contrário do mundo grego, os cristãos não mandavam educar os filhos por meio de escravos pedagogos, mas assumiam pessoalmente essa tarefa. Na obediência autêntica (que é o contrário de coação, porque obediência autêntica é voluntária) e na decorrente autonomia disciplinada dos filhos adolescentes seria possível reconhecer a dignidade do pai amável. Isso também pode ser dito de outro modo: somente quem possui autoridade real pode favorecer dignamente a obediência. Quem está amarrado e inseguro, lançará mão de meios violentos, conduzindo assim os filhos à rebeldia, não à subordinação espontânea. “Com toda a dignidade” salienta a autoridade interior, que se situa acima da contraposição de educação autoritária antiautoritária.

Cuidar da igreja de DEUS. O presidente da igreja domiciliar não deve governar sobre ela de forma arbitrária ou ditatorial, mas pensar em seu bem-estar físico, comunitário e espiritual. A igreja não pertence a ele, mas a DEUS. “Nisso sê diligente”, enfatiza Paulo mais tarde.
Família e igreja poderão crescer de forma saudável quando se encontram na mais estreita interação. Igrejas perdem seu caráter familiar quando famílias cristãs já não formam as verdadeiras células da igreja. Quando as famílias, mesmo as famílias nucleares de nosso tempo, não forem mais centros espirituais e locais de treinamento do amor experimentado de DEUS, as igrejas se tornarão desertas, apesar de todo o ativismo. Por isso cuidar das igrejas significa providenciar em primeiro e principal lugar famílias saudáveis na fé. O cuidado pastoral matrimonial certamente ainda é a área mais negligenciada do aconselhamento. Quando o foco cair sobre a igreja como família de DEUS, seu caráter de exemplo no matrimônio e na família se reveste de fundamental importância. Novamente não se deve entender isso como uma fachada de devoção hipócrita. Exemplo não é encenar o que não existe. Nem mesmo a pergunta temerosa sobre o que os outros dirão deve determinar ou tolher a vida familiar dos servidores da igreja. A família do pastor, ou bispo, ou presbítero, é o exemplo para todas as famílias da Igreja.

Hans Bürki. Comentário Esperança Cartas aos I Timóteo.. Editora Evangélica Esperança.

I Tm 3.4. Um teste adicional, e crucial, é acrescentado: o superintendente deve ser um homem que governe bem a sua casa, criando os filhos sob disciplina, com todo respeito. É tomado por certo que normalmente, quando possível, será um homem casado, e como tal deve vigiar para que a vida do seu lar seja ideal. A ideia é ecoada na liturgia de ordenação no Livro Comum de Orações (anglicano), onde se pergunta aos candidatos para o ministério: “Sereis diligentes para formular e formar a vós mesmos, e às vossas famílias, de acordo com a doutrina de CRISTO, e fazer de vós mesmos e delas, até ao máximo das vossas possibilidades, exemplos e padrões sadios para o rebanho de CRISTO?” Alguns têm entendido as últimas três palavras do versículo como aplicando-se aos filhos (cf. Moffatt: .. conserve seus filhos submissos e

perfeitamente respeitosos”), mas o substantivo respeito, ou “dignidade” (Gr. semnotès) parece mais apropriado à atitude do pai. A lição é que deve manter disciplina rigorosa, mas sem lutas nem apelos à violência.
John N. D. Kelly. I Timóteo. Introdução e Comentário. Editora Vida Nova. pag. 79-80.

III - O MINISTÉRIO PASTORAL

PASTORES. Eclesiasticamente falando, os pastores escolhidos pelo ministério (por homens), são aqueles que dirigem a congregação local e cuidam das suas necessidades espirituais. Também são chamados “presbíteros” (At 20.17; Tt 1.5) e “bispos” ou supervisores (1Tm 3.1; Tt 1.7).
A tarefa do pastor é cuidar da sã doutrina, refutar a heresia (Tt 1.9-11), ensinar a Palavra de DEUS e exercer a direção da igreja local (1Ts 5.12; 1Tm 3.1-5), ser um exemplo da pureza e da sã doutrina (Tt 2.7,8), e esforçar-se no sentido de que todos os crentes permaneçam na graça divina (Hb 12.15; 13.17; 1Pe 5.2). Sua tarefa é assim descrita em At 20.28- 31: salvaguardar a verdade apostólica e o rebanho de DEUS contra as falsas doutrinas e os falsos mestres que surgem dentro da igreja. Pastores são ministros que cuidam do rebanho, tendo como modelo JESUS, o Bom Pastor (Jo 10.11- 16; 1Pe 2.25; 5.2-4).

Segundo o NT, uma igreja local era dirigida por um grupo de pastores (At 20.28; Fp 1.1). Os pastores eram escolhidos, não por política, mas segundo a sabedoria do ESPÍRITO concedida à igreja enquanto eram examinadas as qualificações espirituais do candidato.
O pastor é essencial ao propósito de DEUS para sua igreja. A igreja que deixar de selecionar pastores piedosos e fiéis não será pastoreada segundo a mente do ESPÍRITO (ver 1Tm 3.1-7). Será uma igreja vulnerável às forças destrutivas de Satanás e do mundo (ver At 20.28-31). Haverá distorção da Palavra de DEUS, e os padrões do evangelho serão abandonados (2Tm 1.13,14). Membros da igreja e seus familiares não serão doutrinados conforme o propósito de DEUS (1Tm

16; 6.20,21). Muitos se desviarão da verdade e se voltarão às fábulas (2Tm 4.4). Se, por outro lado, os pastores forem piedosos, os crentes serão nutridos com as palavras da fé e da sã doutrina, e também disciplinados segundo o propósito da piedade (1Tm 4.6,7).

1. A missão do pastor.

Várias versões traduzem a palavra hebraica ro‘eh (“protetor”) como “pastor”, por exemplo em Jeremias 2.8; 3.15; 10.21; 12.10; 17.16; 22.22; 23.1,2. Essa palavra hebraica também foi traduzida em outras passagens de Jeremias como pastor (Jr 23.4; 25.34,35,36; 31.10; 33.12; 43.12; 49.19; 50.6, 44; 51.23), e em outras passagens do AT de Gênesis até Zacarias. Na versão KJV em inglês, as palavras traduzidas como “pastores” foram geralmente traduzidas como “regentes” nas versões modernas. As versões ASV e RSV em inglês não utilizam o termo “pastor” em todo o AT. O termo na versão KJV designa os líderes do governo e os governadores do povo de DEUS.

A palavra grega poimen foi uniformemente traduzida como “pastor” em Efésios 4.11 para designar o ministro na Igreja. Em outras passagens do NT, essa palavra também foi traduzida como “pastor de ovelhas” (q.v.; Mt 9.36; 25.32; 26.31; Mc 6.34; 24.27; Lc 2.8,15, 18,20; Jo 10.2,11,12,14,16; Hb 13.20; 1 Pe 2.25). G. W. K.
O termo original significa literalmente “pastor”. Esta palavra foi, várias vezes, usada pelo Senhor JESUS CRISTO no NT (Hb 13.20; 1 Pe 2.25) e, apenas uma vez, como pastor dos cristãos (Ef 4.11). Nessa passagem, ela aparece como um dom espiritual a ser praticado, e não como uma função a ser ocupada. Na verdade, qualquer cristão que orienta, protege e geralmente trabalha como protetor em relação aos outros crentes, está desempenhando o dom espiritual de um pastor. Entretanto, essa palavra veio a designar alguém que formalmente alimenta o rebanho, administra as ordenanças, lidera a adoração e guarda a verdade (Hb 13.17; 1 Pe 5.2). As Epístolas Pastorais fornecem as diretrizes dos deveres daqueles que ocupam, oficialmente, as posições de liderança como pastores entre o rebanho de DEUS (2 Tm 4.1-5). Ao dirigir-se aos anciãos da Igreja em Éfeso (Act 20.17), Paulo os chamou de supervisores ou bispos (v. 28) e ordenou que apascentassem (ou “alimentassem”) o rebanho (v. 28). C. C. R.

PFEIFFER .Charles F. Dicionário Bíblico Wycliffe. Editora CPAD. pag. 1469.

O SIGNIFICADO DE PASTOR

A palavra pastor também vem do latim, pastor, com o significado de “aquele que guarda as ovelhas”, “o que cuida das ovelhas”. Na língua original do Novo Testamento, pastor (gr. poimen), de acordo com Vine, é “... aquele que cuida de rebanhos (não meramente aquele que os alimenta), é usado metaforicamente acerca dos ‘pastores’ cristãos (Ef 4.11)”. Em termos ministeriais, o pastor é aquele que tem esse dom ministerial, e é encarregado de cuidar da vida espiritual dos que aceitam a CRISTO e ficam sob seus cuidados, numa igreja ou congregação local. Pastor é um termo de cuidado, de zelo, de ternura, para com as ovelhas de JESUS.

EXISTEM PASTORES ECLESIÁSTICOS, ESCOLHIDOS POR LIDERANÇAS DA IGREJA, POR HOMENS, E EXISTEM PASTORES ESCOLHIDOS, CHAMADOS POR JESUS E DADOS A IGREJA. SÃO CAPACITADOS PELO ESPÍRITO SANTO COM DONS SOBRENATURAIS.

A MISSÃO DO PASTOR

A principal missão do pastor é cuidar das ovelhas de CRISTO, que lhe são confiadas. A ele cabe apascentar (gr. poimanô) as ovelhas, dando-lhes o alimento espiritual, através do ensino fundamentado (doutrina) da Palavra de DEUS. No Salmo 23, Davi mostra o cuidado do pastor. Ele leva as ovelhas a deitar-se “em verdes pastos”. O pastor fiel leva as ovelhas de JESUS a alimentar-se do “pasto verde”, que nutre a alma e o espírito, fortalecendo-as, para que cresçam na graça e conhecimento do Senhor JESUS CRISTO (2 Pe 3.18).

Sua missão é múltipla ou polivalente. Um pastor de verdade tem que agir como ensinador, conselheiro, pregador, evangelizador, missionário, profeta, juiz de causas complexas, fazer as vezes de psicólogo, conciliador, administrador eclesiástico dos bens espirituais e de recursos humanos sob seus cuidados, na igreja local; é administrador de bens materiais ou patrimoniais; gestor de finanças e recursos monetários, da igreja local, além de outras tarefas como pai, esposo, e dono de casa, como pastor de sua família.

POR ISSO MESMO A MAIORIA NÃO SÃO PASTORES DO MINISTÉRIO DADO POR JEUS CRISTO À IGREJA. ESTÃO OCUPADOS COM COISAS DESTE MUNDO AO INVÉS DE ESTAREM SÓ OCUPADOS COM COISAS ESPIRITUAIS. Os apóstolos já no início da Igreja, perceberam que deveriam cuidar da doutrina e da oração, sendo isso mais importante do que todo o demais. Os demais crentes aprenderam com eles e praticaram o mesmo.

E perseveravam na doutrina dos apóstolos, e na comunhão, e no partir do pão, e nas orações. Atos 2:42
Mas nós perseveraremos na oração e no ministério da palavra. Atos 6:4
Tu, porém, fala o que convém à sã doutrina. Tito 2:1
A atividade pastoral genuína é tão importante, que o profeta Isaías, falando ao povo de Israel, acerca do livramento que lhe seria dado, usa a figura do pastor, aplicando-a ao próprio DEUS (Is 40.11). O verdadeiro pastor cuida bem das ovelhas: recolhe os cordeirinhos (os mais fracos, mais novos) entre os braços; leva-os no regaço; aos novos convertidos, os
“amamenta”, como a “bebês espirituais” e os guia mansamente.

Elinaldo Renovato. Dons espirituais & Ministeriais Servindo a DEUS e aos homens com poder extraordinário. Editora CPAD. pag. 113-114.

A mensagem principal de João 10:2 é ensinar que o verdadeiro pastor, que é JESUS CRISTO, tem a autoridade própria e a comissão divina para ministrar às ovelhas, que são os verdadeiros filhos de DEUS de cujo direito não participam os falsos pastores.

a. O Dom Pastoral
O ofício do pastor é um dom de DEUS à Igreja. Sem dúvida terá o dom de governos, sendo esse um dom específico dos pastores. O pastor deve buscar dons do ESPÍRITO SANTO para equipar seu ministério, principalmente o Dom de Discernimento de espíritos. Além disso, deve ser capaz de ensinar (ver I Tim. 3:2b). Um pastor deve ser possuidor de apreciável dose de compaixão e simpatia, sendo capaz de misturar-se bem com as pessoas, gostando da companhia dos seus semelhantes. Um monge, em seu mosteiro, que gosta da solidão, meditando, lendo seus livros sagrados, sem importar quantas outras virtudes possa ter, jamais seria um bom pastor.
Um mestre, mergulhado até o pescoço nos seus livros que manuseia ideias e gosta de estudar e aprender: pode ser um professor espetacular de Escola Dominical, mas provavelmente não está bem adaptado às tarefas próprias de um pastor. O bom pastor dá sua vida pelas ovelhas.
b. Definição
Um pastor que não tem o dom ministerial dado por JESUS CRISTO, mas sendo ocupante de um ofício eclesiástico respeitável, ainda assim, de acordo com certos grupos cristãos, ocupa posição inferior à de um bispo ou supervisor em muitas denominações evangélicas. Uma igreja pode ter mais de um pastor, dependendo das muitas necessidades da mesma. Assim um deles ocupar-se-á do trabalho pastoral interno, um outro cuidará dos jovens, um outro poderá cuidar de aconselhamento de casais, um outro da doutrina e ainda um outro ficará encarregado do evangelismo, por exemplo. Isso ocorre devido à complexidade do ofício pastoral, sem falarmos no fato de que, às vezes, o rebanho toma-se por demais numeroso para que um único homem faça a contento o seu trabalho. O que um pastor deve aceitar e fazer é que JESUS colocou na Igreja 5 ministérios distintos e juntos poderão produzir imensamente mais do que separados.
CHAMPLIN, Russell Norman, Enciclopédia de Bíblia Teologia e Filosofia. Vol. 5. Editora Hagnos. pag. 105.

Eis que o Senhor Jeová virá como o forte, e o seu braço dominará; eis que o seu galardão vem com ele, e o seu salário, diante da sua face.
Como pastor, apascentará o seu rebanho; entre os braços, recolherá os cordeirinhos e os levará no seu regaço; as que amamentam, ele as guiará mansamente. Isaías 40:10,11

O quadro final de DEUS é de um Pastor Divino.
Como pastor, apascentará o seu rebanho é conhecido por todos os cristãos através do famoso Messias de Handel.

Isaías viu DEUS nos dois aspectos da sua infinita soberania exercendo seu poder para subjugar seus inimigos e mostrando sua bondade compassiva para todos os membros do seu rebanho. O versículo 10 mostra-o forte; o versículo 11 mostra-o meigo e gentil. Brandura é simplesmente a força que se tornou meiga. Os cordeirinhos recém-nascidos e as ovelhas que estão amamentando precisam de um cuidado especial. Uma ovelha-mãe com um úbere pesado, cheio de leite, não deveria ser sobrecarregada, e alguns cordeirinhos recém-nascidos ainda estão fracos demais para longas caminhadas. Neste caso, eles devem ser carregados pelo pastor. Essa profecia nos lembra de uma outra que descreve a compaixão de CRISTO: “A cana trilhada não quebrará, nem apagará o pavio que fumega” (42.3; cf. Mt 12.20). Assim, esse prólogo conclui a segunda parte das profecias como começou, com uma nota de conforto. Isaías vê que DEUS não abandonou esse mundo ao caos; Ele governa e continua pastoreando a todos.

Ross E. Price. Comentário Bíblico Beacon. Editora CPAD. Vol. 4. pag. 126.

Is 40.11. Com a piedade e a ternura de um pastor (v. 11). DEUS é o “Pastor de Israel” (SI 80.1); CRISTO é o “bom Pastor” (Jo 10.11). O mesmo que governa com a mão forte de um príncipe guiará e apascentará com a gentil mão de um pastor. (1) Ele cuida de todo o seu rebanho, o pequeno rebanho: “Como pastor, apascentará o seu rebanho”. A sua palavra é alimento para o seu rebanho. Suas ordenanças são pastos onde eles devem se alimentar; os seus ministros são seus pastores auxiliares, nomeados para cuidar do rebanho.

(2) Ele tem um cuidado particular com aqueles que mais necessitam dos seus cuidados, as ovelhas que são fracas, e não podem cuidar de si mesmas, e estão desacostumadas às dificuldades, e aquelas que estão prenhas, e por isso estão pesadas, e, se algum mal for feito a elas, correm risco de dar cria prematuramente. Ele cuida particularmente para que a descendência não se perca. O bom Pastor tem um cuidado terno com as crianças que são entusiasmadas e esperançosas, com os jovens convertidos, que estão iniciando o caminho para o céu, com os crentes fracos, e com aqueles que têm um espírito pesaroso. Essas são as ovelhas do seu rebanho que terão certeza de que não lhes faltará nada que a sua situação exija. [1] “... entre os braços” do seu poder, “... recolherá os cordeirinhos”. Ele os recolherá, quando vagarem, os recolherá quando caírem, os recolherá quando estiverem dispersos, e os recolherá junto a si, por fim. E tudo isso com seus braços, dos quais ninguém será capaz de arrebatá-los (Jo 10.28). [2] Ele “... os levará no seu regaço”, no regaço do seu amor, e ali os guardará. Quando estiverem cansados, ou fracos, quando estiverem doentes e enfraquecidos, quando se encontrarem em caminhos errados, Ele os levará, Ele os carregará, e Ele tomará as devidas precauções para que não sejam deixados para trás. [3] Ele “... as guiará mansamente”. Com a sua palavra, Ele não exige mais serviços, e pela sua providência Ele não inflige mais problemas do que aqueles para os quais Ele os capacitará; pois Ele considera a estrutura deles.

HENRY. Matthew. Comentário Matthew Henry Antigo Testamento Isaías a Malaquias. Editora CPAD. pag. 177.

2. Uma missão polivalente.

O PASTOR UM CONTRADITADO

Muitos obreiros, principalmente os mais jovens, aspiram ao pastorado. Não é errado ter essa aspiração. Paulo escreveu ao jovem obreiro Timóteo: “Esta é uma palavra fiel: Se alguém deseja o episcopado, excelente obra deseja” (1 Tm 3.1). Mas os candidatos ao episcopado (pastorado) devem ter consciência de que um pastor é alvo de grandes contradições e oposições, a despeito de sua honrosa missão. A lista de contradições sobre o que as pessoas pensam do pastor, é ampla e variada. Alguém já escreveu diversas listas sobre isso. A seguir, resumimos uma delas:

Se o pastor é ativo, é ambicioso; se é calmo, é preguiçoso; se o pastor é exigente, é intolerante; se não exige, é displicente; se fica com os jovens, é imaturo; se fica com os adultos, é antiquado; se procura atualizar-se, é mundano; se não se atualiza, é de mente fechada, retrógrado, ultrapassado; se prega muito, é prolixo, cansativo; se prega pouco, é que não tem mensagem; se veste-se bem, é vaidoso; se veste-se mal, é relaxado; se o pastor sorri, é irreverente; se não sorri, é cara dura. O que o pastor fizer, alguém pensa que faria melhor. Pode parecer algo hilário ou grotesco, mas reflete um pouco a visão que muitas pessoas têm do pastor de uma igreja local . Aliás, alguém já escreveu, dizendo que “pastor é uma espécie em extinção”.

Mas tais contradições não devem ser motivo para desânimo ou desinteresse pelo ministério pastoral. O Sumo Pastor, JESUS CRISTO, foi alvo de piores referências a seu respeito, mesmo demonstrando que era um ser especial, humano e divino, que só fazia o bem. Seus opositores o acusaram de ser “comilão e bebedor” (Mt 11.19); de ter demônio (Jo 8. 52); de ser endemoninhado e expulsar demônio pelo príncipe dos demônios (Mc 3-22); e de tramar contra o governo da época, justificando sua condenação (Lc 23.2; Jo 19.12). Mas JESUS não desistiu. Foi até ao fim, entregando sua vida em lugar dos pecadores. E cumpriu a sua missão (Jo 19.30).

Elinaldo Renovato. Dons espirituais & Ministeriais Servindo a DEUS e aos homens com poder extraordinário. Editora CPAD. pag. 114-115.

Disse o Senhor aos discípulos: “Eis que eu vos envio como ovelhas no meio de lobos” (Mt 10.16). Na realidade os pastores de ovelhas são prevenidos que serão cercados por animais perigosos. As ovelhas são atacadas por lobos. Essa é uma advertência acerca das dificuldades que se deve esperar em um mundo tão hostil. O próprio Senhor JESUS foi enviado “para evangelizar aos pobres; enviou-me para proclamar libertação aos cativos e restauração da vida aos cegos, para pôr

em liberdade os oprimidos e apregoar o ano aceitável do Senhor” (Lc 4.18,19). E ainda: “Assim como o Pai me enviou, eu também vos envio” (Jo 20.21).
Quão maravilhosa é esta tarefa. Que alta e santa chamada é a do pastor. Ele os estabeleceu como luzes no mundo, e os chamou para serem o sal da terra. O Senhor ensinou ainda: “aquele que crê em mim, fará também as obras que eu faço, e outras maiores fará, porque eu vou para junto do Pai” (Jo 14.12).

Esta promessa está muito além da experiência da maioria dos obreiros do Evangelho. CRISTO disse justamente o que tinha a intenção de assegurar. Que DEUS conceda fé aos pastores, para assumir a posição de autoridade e poder que Ele deixou como herança nesta áurea promessa.
A grande comissão inicia com uma pequena palavra -
“Ide” (Mc 16.15; Mt 28.19). É o oposto de assentai-vos e fixá-los, mas significa a renúncia das coisas que para trás ficam numa ação definida para entrar em contato com os que se acham nas estradas, nas cidades, no interior, na nação e fora dela.

A ordem de JESUS atinge até aos confins da terra, partindo de Jerusalém. Trata-se de um Evangelho de ação, e todo crente espiritual deve esforçar-se. E neste espírito compete também ao pastor testificar das verdades que temos visto e ouvido.
A melhor tradução de “ensinai”, em Mateus 28.19 é “fazei discípulos”. Não basta meramente anunciarmos o Evangelho, desincumbindo-nos desta responsabilidade, e ficando limpos do sangue de todos os homens. Não nos compete ir apenas passando e proclamando-o às pessoas.

Mas, somos instruídos a ter como objetivo específico à conquista de almas preciosas para CRISTO. Não teremos cumprido o dever enquanto não orarmos e lutarmos pacientemente, até que os homens vejam o caminho e andem nele.
Quando Barnabé e Paulo chegaram e, entraram na sinagoga dos judeus e “falaram de tal modo” que um grande número de pessoas veio a crer no Evangelho (At 14.1). Isso é falar com poder. Não apenas testificaram do Evangelho, mas o fizeram de tal modo a ganhar novos discípulos. E assim sucedeu por onde passaram, embora enfrentando dificuldade. IBADEP - Instituto Bíblico da Assembleia de DEUS. Ética Cristã / Teologia do Obreiro. pag.119-120.

QUALIFICAÇÕES MORAIS DO PASTOR (BEP - CPAD)
1Tm 3.1,2 “Esta é uma palavra fiel: Se alguém deseja o episcopado, excelente obra deseja. Convém, pois, que o bispo seja irrepreensível, marido de uma mulher, vigilante, sóbrio, honesto, hospitaleiro, apto para ensinar.”
Se algum homem deseja ser “bispo” (gr. episkopos, i.e., aquele que tem sobre si a responsabilidade pastoral, o pastor), deseja um encargo nobre e importante (3.1). É necessário, porém, que essa aspiração seja confirmada pela Palavra de DEUS (3.1-10; 4.12) e pela igreja (3.10), porque DEUS estabeleceu para a igreja certos requisitos específicos. Quem se disser chamado por DEUS para o trabalho pastoral deve ser aprovado pela igreja segundo os padrões bíblicos de 3.1-13; 4.12; Tt 1.5-9. Isso significa que a igreja não deve aceitar pessoa alguma para a obra ministerial tendo por base apenas seu desejo, sua escolaridade, sua espiritualidade, ou porque essa pessoa acha que tem visão ou chamada. A igreja da atualidade não tem o direito de reduzir esses preceitos que DEUS estabeleceu mediante o ESPÍRITO SANTO. Eles estão plenamente em vigor e devem ser observados por amor ao nome de DEUS, ao seu reino e da honra e credibilidade da elevada posição de ministro.
Os padrões bíblicos do pastor, como vemos aqui, são principalmente morais e espirituais.
O caráter íntegro de quem aspira ser pastor de uma igreja é mais importante do que personalidade influente, dotes de pregação, capacidade administrativa ou graus acadêmicos. O enfoque das qualificações ministeriais concentra-se no comportamento daquele que persevera na sabedoria divina, nas decisões acertadas e na santidade devida. Os que aspiram ao pastorado sejam primeiro provados quanto à sua trajetória espiritual (cf. 3.10). Partindo daí, o ESPÍRITO SANTO estabelece o elevado padrão para o candidato, i.e., que ele precisa ser um crente que se tenha mantido firme e fiel a JESUS CRISTO e aos seus princípios de retidão, e que por isso pode servir como exemplo de fidelidade, veracidade, honestidade e pureza. Noutras palavras, seu caráter deve demonstrar o ensino de CRISTO em Mt 25.21 de
que ser “fiel sobre o pouco” conduz à posição de governar “sobre o muito”.
O líder cristão deve ser, inicialmente, “exemplo dos fiéis” (4.12; cf. 1Pe 5.3). Isto é: sua vida cristã e sua perseverança n
a fé podem ser mencionadas perante a congregação como dignas de imitação.
Os dirigentes devem manifestar o mais digno exemplo de perseverança na piedade, fidelidade, pureza em face à tentação, lealdade e amor a CRISTO e ao evangelho (4.12,15).
O povo de DEUS deve aprender a ética cristã e a verdadeira piedade, não somente pela Palavra de DEUS, mas também pelo exemplo dos pastores que vivem conforme os padrões bíblicos. O pastor deve ser alguém cuja fidelidade a CRISTO pode ser tomada como padrão ou exemplo (cf. 1Co 11.1; Fp 3.17; 1Ts 1.6; 2Ts 3.7,9; 2Tm 1.13).
O ESPÍRITO SANTO acentua grandemente a liderança do crente no lar, no casamento e na família (32,4,5; Tt 1.6). Isto é: o obreiro deve ser um exemplo para a família de DEUS, especialmente na sua fidelidade à esposa e aos filhos. Se
aqui ele falhar, como “terá cuidado da igreja de DEUS?” (3.5). Ele deve ser “marido de uma [só] mulher” (3.2). Esta expressão denota que o candidato ao ministério pastoral deve ser um crente que foi sempre fiel à sua esposa. A tradução literal do grego em 3.2 (mias gunaikos, um genitivo atributivo) é “homem de uma única mulher”, i.e., um marido sempre fiel à sua esposa.
Consequentemente, quem na igreja comete graves pecados morais, desqualifica-se para o exercício pastoral e para qualquer posição de liderança na igreja local (cf. 3.8-12). Tais pessoas podem ser plenamente perdoadas pela graça de

DEUS, mas perderam a condição de servir como exemplo de perseverança inabalável na fé, no amor e na pureza (4.11- 16; Tt 1.9). Já no AT, DEUS expressamente requereu que os dirigentes do seu povo fossem homens de elevados padrões morais e espirituais. Se falhassem, seriam substituídos (ver Gn 49.4; Lv 10.2; 21.7,17; Nm 20.12; 1Sm 2.23; Jr 23.14; 29.23).

A Palavra de DEUS declara a respeito do crente que venha a adulterar que “o seu opróbrio nunca se apagará” (Pv 6.32,33). Isto é, sua vergonha não desaparecerá. Isso não significa que nem DEUS nem a igreja perdoará tal pessoa. DEUS realmente perdoa qualquer pecado enumerado em 3.1-13, se houver tristeza segundo DEUS e arrependimento por parte da pessoa que cometeu tal pecado. O que o ESPÍRITO SANTO está declarando, porém, é que há certos pecados que são tão graves que a vergonha e a ignomínia (i.e., o opróbrio) daquele pecado permanecerão com o indivíduo mesmo depois do perdão (cf. 2Sm 12.9-14).

Mas o que dizer do rei Davi? Sua continuação como rei de Israel, a despeito do seu pecado de adultério e de homicídio (2Sm 11.1-21; 12.9-15) é vista por alguns como uma justificativa bíblica para a pessoa continuar à frente da igreja de DEUS, mesmo tendo violado os padrões já mencionados. Essa comparação, no entanto, é falha por vários motivos. O cargo de rei de Israel do AT, e o cargo de ministro espiritual da igreja de JESUS CRISTO, segundo o NT, são duas coisas inteiramente diferentes. DEUS não somente permitiu a Davi, mas, também a muitos outros reis que foram extremamente ímpios e perversos, permanecerem como reis da nação de Israel. A liderança espiritual da igreja do NT, sendo esta comprada com o sangue de JESUS CRISTO, requer padrões espirituais muito mais altos.

Segundo a revelação divina no NT e os padrões do ministério ali exigidos, Davi não teria as qualificações para o cargo de pastor de uma igreja do NT. Ele teve diversas esposas, praticou infidelidade conjugal, falhou grandemente no governo do seu próprio lar, tornou-se homicida e derramou muito sangue (1Cr 22.8; 28.3). Observe-se também que por ter Davi, devido ao seu pecado, dado lugar a que os inimigos de DEUS blasfemassem, ele sofreu castigo divino pelo resto da sua vida e não pode construir o templo para DEUS (2Sm 12.9-14).

3. O cuidado contra os falsos pastores.

Olhai, pois, por vós e por todo o rebanho sobre que o ESPÍRITO SANTO vos constituiu bispos, para apascentardes a igreja de DEUS, que ele resgatou com seu próprio sangue. Porque eu sei isto: que, depois da minha partida, entrarão no meio de vós lobos cruéis, que não perdoarão o rebanho. E que, dentre vós mesmos, se levantarão homens que falarão coisas perversas, para atraírem os discípulos após si. Portanto, vigiai, lembrando-vos de que, durante três anos, não cessei, noite e dia, de admoestar, com lágrimas, a cada um de vós. Atos 20:28-31

OS PASTORES E SEUS DEVERES (BEP - CPAD)
At 20.28 “Olhai, pois, por vós e por todo o rebanho sobre que o ESPÍRITO SANTO vos constituiu bispos, para apascentardes a igreja de DEUS, que ele resgatou com seu próprio sangue.”
Nenhuma igreja poderá funcionar sem dirigentes para dela cuidar. Logo, conforme 14.23, a congregação local, cheia do ESPÍRITO, buscando a direção de DEUS em oração e jejum, elegiam certos irmãos para o cargo de presbítero ou bispo de acordo com as qualificações espirituais estabelecidas pelo ESPÍRITO SANTO em 1Tm 3.1-7; Tt 1.5-9. Na realidade é o ESPÍRITO que constitui o dirigente de igreja. O discurso de Paulo diante dos presbíteros de Éfeso (Atos 20.17-35) é um trecho básico quanto a princípios bíblicos sobre o exercício do ministério de pastor de uma igreja local.

Paulo em Éfeso foi instrumento do poder de DEUS.

E DEUS, pelas mãos de Paulo, fazia maravilhas extraordinárias, de sorte que até os lenços e aventais se levavam do seu corpo aos enfermos, e as enfermidades fugiam deles, e os espíritos malignos saíam. Atos 19:11,12

Paulo ensinava tanto nas ruas, como de casa em casa, o evangelho legítimo.

Vós bem sabeis, desde o primeiro dia em que entrei na Ásia, como em todo esse tempo me portei no meio de vós, servindo ao Senhor com toda a humildade e com muitas lágrimas e tentações que, pelas ciladas dos judeus, me sobrevieram;
como nada, que útil seja, deixei de vos anunciar e ensinar publicamente e pelas casas, testificando, tanto aos judeus como aos gregos, a conversão a DEUS e a fé em nosso Senhor JESUS CRISTO. Atos 20:18-21

O ESPÍRITO SANTO constituiu os pastores.

Olhai, pois, por vós e por todo o rebanho sobre que o ESPÍRITO SANTO vos constituiu bispos, para apascentardes a igreja de DEUS, que ele resgatou com seu próprio sangue. Porque eu sei isto: que, depois da minha partida, entrarão no meio de vós lobos cruéis, que não perdoarão o rebanho. E que, dentre vós mesmos, se levantarão homens que falarão coisas perversas, para atraírem os discípulos após si. Portanto, vigiai, lembrando-vos de que, durante três anos, não cessei, noite e dia, de admoestar, com lágrimas, a cada um de vós. Atos 20:28-31

PROPAGANDO A FÉ.

(1) Um dos deveres principais do dirigente é alimentar as ovelhas mediante o ensino da Palavra de DEUS. Ele deve ter sempre em mente que o rebanho que lhe foi entregue é a congregação de DEUS, que Ele comprou para si com o sangue precioso do seu Filho amado (cf. 20.28; 1Co 6.20; 1Pe 1.18,19; Ap 5.9).
(2) Em 20.19-27, Paulo descreve de que maneira serviu à igreja de Éfeso; tornou patente toda a vontade de DEUS, advertindo e ensinando fielmente os cristãos efésios (20.27) e sendo canal de DEUS para realização de grades sinais, prodígios e maravilhas (Ato
s 19.11,12). Daí, ele poder exclamar: “estou limpo do sangue de todos” (20.26). Os pastores de nossos dias também devem instruir suas igrejas em todo o desígnio de DEUS. Que “pregues a palavra, instes a tempo e fora de tempo, redarguas, repreendas, exortes, com toda a longanimidade e doutrina” (2Tm 4.2) e nunca ministrar para agradar os ouvintes, dizendo apenas aquilo que estes desejam ouvir (2Tm 4.3).

(3) A fé dos pastores deve ser vista por suas ovelhas e confirmada por sinais, prodígios e maravilhas (Atos 19:11,12). Paulo exortou Timóteo, que serviu à igreja de Éfeso, a despertar o dom que havia nele (2 Tm 1.6).

GUARDANDO A FÉ.

Além de alimentar o rebanho de DEUS, o verdadeiro pastor deve diligentemente resguardá-lo de seus inimigos. Paulo sabe que no futuro Satanás levantará falsos mestres dentro da própria igreja, e, também, falsários vindos de fora, infiltrar-se-ão e atingirão o rebanho com doutrinas antibíblicas, conceitos mundanos e idéias pagãs e humanistas. Os ensinos e a influência destes dois tipos de elementos arruinarão a fé bíblica do povo de DEUS. Paulo os chama de “lobos cruéis”, indicando que são fortes, difíceis de subjugar, insaciáveis e perigosos (ver 20.29; cf. Mt 10.16). Tais indivíduos desviarão as pessoas dos ensinos de CRISTO e os atrairão a si mesmos e ao seu evangelho distorcido. O apelo veemente de Paulo (20.28-31) impõe uma solene obrigação sobre todos os obreiros da igreja, no sentido de defendê-la e opor-se aos que distorcem a revelação original e fundamental da fé, segundo o NT.

A igreja verdadeira consiste somente daqueles que, pela graça de DEUS e pela comunhão do ESPÍRITO SANTO, são fiéis ao Senhor JESUS CRISTO e à Palavra de DEUS. Por isso, é de grande importância na preservação da pureza da igreja de DEUS que os seus pastores mantenham a disciplina corretiva com amor (Ef 4.15), e reprovem com firmeza (2Tm 4.1-4; Tt 1.9-11) quem na igreja fale coisas perversas contrárias à Palavra de DEUS e ao testemunho apostólico (20.30).

Líderes eclesiásticos, pastores de igrejas locais e dirigentes administrativos da obra devem lembrar-se de que o Senhor JESUS os têm como responsáveis pelo sangue de todos os que estão sob seus cuidados (20.26,27; cf. Ez 3.20,21). Se o dirigente deixar de ensinar e pôr em prática todo o conselho de DEUS para a igreja (20.27), principalmente quanto à vigilância sobre o rebanho (20.28), não estará “limpo do sangue de todos” (20.26, cf. Ez 34.1-10). DEUS o terá por culpado do sangue dos que se perderem, por ter ele deixado de proteger o rebanho contra os falsificadores da Palavra (ver também 2Tm 1.14; Ap 2.2).

É altamente importante que os responsáveis pela direção da igreja mantenham a ordem quanto a assuntos teológicos doutrinários e morais na mesma. A pureza da doutrina bíblica e de vida cristã deve ser zelosamente mantida nas faculdades evangélicas, institutos bíblicos, seminários, editoras e demais segmentos administrativos da igreja (2Tm 1.13,14). O calvinismo que hora permeia os cursos teológicos devem ser barrados a qualquer custo (são anti- pentecostais, são cessacionistas, crêem que uma vez salvo, salvo para sempre, crêem que a salvação é só para os escolhidos pré-determinadamente, crêem que a graça é irrestível etc.)

A questão principal aqui é nossa atitude para com as Escrituras divinamente inspiradas, que Paulo chama a “palavra da sua graça” (20.32). Falsos mestres, pastores e líderes tentarão enfraquecer a autoridade da Bíblia através de seus ensinos corrompidos e princípios antibíblicos. Ao rejeitarem a autoridade absoluta da Palavra de DEUS, negam que a Bíblia é verdadeira e fidedigna em tudo que ela ensina (20.28-31; ver Gl 1.6; 1Tm 4.1; 2Tm 3.8). A bem da igreja de DEUS, tais pessoas devem ser excluídas da comunhão (2Jo 9-11; ver Gl 1.9).

A igreja que perde o zelo ardente do ESPÍRITO SANTO pela sua pureza (20.18-35), que se recusa a tomar posição firme em prol da verdade e que se omite em disciplinar os que minam a autoridade da Palavra de DEUS, logo deixará de existir como igreja neotestamentária.

As igrejas atuais não devem, pois, desprezar as qualificações justas exigidas por DEUS para seus pastores e demais obreiros, conforme está escrito na revelação divina. É dever de toda igreja orar por seus pastores, assisti-los e sustentá- los na sua missão de servirem como “exemplo dos fiéis, na palavra, no trato, na caridade, no espírito, na fé, na pureza” (4.12).

Ajuda de Pb Alessandro Silva, com comentários, acréscimos e alterações do Pr. Henrique

))))))))))))))))))))))))))))))))))))))))))))))))

Lição 10, O ministério de Mestre ou Doutor

Lições Bíblicas - 2o Trimestre de 2014/2021 - CPAD - Para jovens e adultos
Tema: Dons Espirituais e Ministeriais - Servindo a DEUS e aos homens com poder extraordinário Comentário: Pr. Elinaldo Renovato de Lima

Complementos, Ilustrações e Vídeos: Pr. Luiz Henrique de Almeida Silva - 99-99152- 0454. - henriquelhas@hotmail.com - Americana - SP - Tel Esposa - 19-98448-2187

Lição 10, O ministério de Mestre ou Doutor

https://youtube.com/playlist?list=PL9TsOz8buX18n22PQ9kHGcCkvGLW-VPUA vídeos de 2014 desta mesma Lição Escrita
https://ebdnatv.blogspot.com/2021/05/escrita-licao-10-o-ministerio-de-mestre.html
Slides

https://ebdnatv.blogspot.com/2021/05/slides-licao-10-o-ministerio-de-mestre.html

Vídeo completo, Lição 10, O Ministério de Mestre ou Doutor, 2Tr21, Pr Henrique, EBD NA TV

https://www.youtube.com/watch?v=2qgcsYmzvOI https://www.slideshare.net/henriqueebdnatv/slideshare-lio-10-o-ministrio-de-mestre-ou-doutor-2tr21-pr-henrique-ebd-na- tv

Resumo da Lição 10 - O Ministério de Mestre ou Doutor I - JESUS, O MESTRE POR EXCELÊNCIA
1. O Mestre da Galileia.
2. O Mestre divino.

3. O Mestre da humildade.
II - O ENSINO DAS ESCRITURAS NA IGREJA DO PRIMEIRO SÉCULO 1. Uma ordem de JESUS.
2. A doutrina dos apóstolos.
3. Ensinamento persistente.
Ill - A IMPORTÂNCIA DO DOM MINISTERIAL DE MESTRE
1. Uma necessidade urgente da igreja.
2. A responsabilidade de um discipulado contínuo.
3. Requisitos necessários ao Mestre .
a) Um salvo em CRISTO. b) O hábito de ler.
c) Preparo intelectual. d) Um coração em chamas.

Lição 10 - O Ministério de Mestre ou Doutor

https://www.youtube.com/watch?v=2qgcsYmzvOI

LEITURA BÍBLICA EM CLASSE - Mateus 7.28,29; Atos 13.1; Romanos 12.6,7; Tiago 3.1.
Mateus 7.28
- E aconteceu que, concluindo JESUS este discurso, a multidão se admirou da sua doutrina, 29 - porquanto os ensinava com autoridade e não como os escribas.
Atos 13.1 - Na igreja que estava em Antioquia havia alguns profetas e doutores, a saber: Barnabé, e Simeão, chamado Níger, e Lúcio, cireneu, e Manaém, que fora criado com Herodes, o tetrarca, e Saulo.
Romanos 12.6 - De modo que, tendo diferentes dons, segundo a graça que nos é dada: se é profecia, seja ela segundo a medida da fé; 7 - se é ministério, seja em ministrar; se é ensinar, haja dedicação ao ensino;
Tiago 3.1 - Meus irmãos, muitos de vós não sejam mestres, sabendo que receberemos mais duro juízo.

Meus comentários - Pr. Luiz Henrique - Livros diversos Com acréscimos e comentários extras do Pr Henrique.

INTRODUÇÃO 1

Nessa lição estamos falando de ministério Mestre ou doutor, ministério esse que é acompanhado por sinais, prodígios e maravilhas, como era normal na vida dos primeiros mestres. Vemos na reunião em Antioquia que os mestres, ou doutores, eram homens de adoração, jejum, oração e ouviam diretamente a voz do ESPÍRITO SANTO. Eram Profetas e mestres de um ministério sobrenatural (Ef 4.11).

"E na igreja que estava em Antioquia havia alguns profetas e doutores, a saber: Barnabé e Simeão chamado Níger, e Lúcio, cireneu, e Manaém, que fora criado com Herodes o tetrarca, e Saulo. E, servindo eles ao Senhor, e jejuando, disse o ESPÍRITO SANTO: Apartai-me a Barnabé e a Saulo para a obra a que os tenho chamado". Atos 13:1,2. Paulo foi um Mestre por excelência, se autodenominava "doutor dos gentios" - "Para o que fui constituído pregador, e apóstolo, e doutor dos gentios". 2 Timóteo 1:11.

“E o que de mim, entre muitas testemunhas, ouviste, confia-o a homens fiéis, que sejam idôneos para também

ensinarem os outros” 2 Tm 2:2

Quase nenhum pastor é Mestre - quantos você conhece que através dele, de seu ministério pessoal, acontecem milagres, curas, batismos no ESPÍRITO SANTO, libertações, etc...?
O pastor recebe comunicação dos irmãos sobre coisas que estão a perturbar o rebanho e sobre problemas com cada um, então procura na Bíblia uma mensagem para corrigir esses erros, às vezes doutrinários ou de ordem moral, etc... Isso não faz do pastor um mestre. O Mestre recebe uma mensagem de DEUS para dar à igreja que tocará nos corações e confrontará seus pecados, fortalecerá os que estão lutando contra o pecado, exortará os duvidosos e consolará os tristes. O ensino pastoral é humano, o ensino do Mestre é sobrenatural, é espiritual. A mensagem vem do ESPÌRITO SANTO que sondou os Corações se mentes dos ali presentes. É inacreditável de repente pensarmos que todo pastor é um Mestre e que todo professor de EBD também o é. Na maioria das vezes se encontra um Mestre só entre toda uma igreja de 10.000 pessoas, por exemplo. É raro esse ministério, não estamos falando de gente que estuda muito, que tem muitos livros e que tem facilidade de decorar o que lê, que tem diplomas de teologia, estamos falando de um ministério poderoso e eficaz de CRISTO. Procuremos não diminuir os ministérios, por favor. Assim como é difícil encontrar um legítimo apóstolo, um legítimo profeta, um legítimo evangelista, um legítimo pastor, assim é também difícil encontrar um legítimo Mestre ou doutor. Estamos, nesta lição, falando de coisas superiores, sobrenaturais, espirituais, excelentes.

Estou mostrando que o pastor não é mestre porque ensina - o pastor recebe comunicação dos irmãos sobre coisas que estão a perturbar o rebanho e sobre problemas com cada um, então procura na Bíblia uma mensagem, para corrigir esses erros, às vezes doutrinários ou de ordem moral ,etc... Isso não faz dele um mestre. O mestre recebe mensagem diretamente do ESPÍRITO SANTO, é sobrenatural. O ESPÍRITO SANTO sonda os corações se dá a mensagem na mesma hora ao mestre. sobre o que cada um precisa ouvir.

διδασκαλος didaskalos professor, doutor ou Mestre .
* no NT, alguém que ensina.
Em nossa lição é um ministério dado por CRISTO a igreja, é uma pessoa escolhida por JESUS e capacitada pelo ESPÍRITO SANTO com dons, pessoa dada a Igreja.
Está é a definição do ofício de doutor ou Mestre em nossa lição.
Não tem a ver com professor de EBD ou pastor que ensina no culto de doutrina ou de ensino.

Não sei onde alguns irmãos acharam esse dom de ensino. Existe Dom ministerial de Mestre ou Doutor.
O Mestre ou Doutor é uma pessoa dada, por CRISTO, à igreja, para ensinar a igreja ou qualquer que lhe pergunte a respeito de DEUS ou que deseja aprender a Bíblia, seu ensino é sobrenatural e é confirmado por sinais, prodígios e maravilhas.. É uma pessoa capacitada pelo ESPÍRITO SANTO com dons espirituais e alguém que busca e recebe revelações de DEUS para aquilo que ensina. Acontecem salvações, curas e milagres quando um Mestre ensina. Exemplo disso são JESUS, Paulo, Pedro, Estêvão e Filipe etc. ---- Todos podem ensinar, mas nunca serem Mestres ou Doutores, mas, todo Mestre ou Doutor é excelente ensinador. Todos podem e devem estudar para ensinarem, porém o Mestre ou Doutor recebe ensino direto de DEUS, além do que aprendeu estudando.
"Porque
eu recebi do Senhor o que também vos ensinei: que o Senhor JESUS, na noite em que foi traído, tomou o pão"; 1 Coríntios 11:23.
A minha palavra e a minha pregação não consistiram em palavras persuasivas de sabedoria humana, mas
em
demonstração do ESPÍRITO e de poder, 1 Coríntios 2:4
As quais também falamos, não com palavras de sabedoria humana, mas com as que o
ESPÍRITO SANTO ensina, comparando as coisas espirituais com as espirituais. 1 Coríntios 2:13
Um legítimo Mestre é aquele que tira de seu aió, ou alforje, ou embornal, ou cofo, ou sacola, ou pasta, ou mochila, etc... (bolsa onde se coloca as sementes para plantar, de acordo com cada região do Brasil), daí o Mestre retira, coisas velhas e coisas novas, ou seja, coisas já reveladas e coisas que ele buscou de DEUS e são novas revelações da Palavra de DEUS, e as ensina a seus alunos (palavra que sai da boca de DEUS). - "E ele disse-lhes: Por isso, todo o escriba instruído acerca do reino dos céus é semelhante a um pai de família, que tira do seu tesouro coisas novas e
velhas". Mateus 13:52.
O Mestre aplica tanto o serviço espiritual de buscar a revelação da Palavra, em oração, quanto aplica o serviço material que envolve estudar a finco a bíblia sobre o que vai ensinar e também se aplica ao jejum para se manter em comunhão íntima com o ESPÍRITO SANTO, também ministra dons do ESPÍRITO SANTO aos ouvintes - Sem entrega total da vida não existe ministério de Mestre - sem sacrifício não existe presença de DEUS.

Nicodemos disse: Rabi, bem sabemos que és Mestre vindo de DEUS, porque ninguém pode fazer estes sinais que tu fazes, se DEUS não for com ele (2). Os milagres que JESUS realizara (2.23) indicavam o caminho para Nicodemos e para aqueles que este representava (observe a forma plural sabemos). Por causa desses milagres, eles descobriram que JESUS era um professor especial enviado por DEUS.

A maior tragédia do ensino em nossos dias é não ver na vida prática dos ensinadores o que eles mesmos ensinam, é não ver e ouvir a confirmação de seu ensinos através do poder de DEUS em operação pela manifestação dos dons espirituais na vida ministerial de tais "mestres".

NOVO NASCIMENTO

Acontece quando há o arrependimento de pecado e o pecador arrependido confessa a JESUS CRISTO como único e suficiente Salvado e Senhor, é invisível a presença do ESPÍRITO SANTO na pessoa, mas a partir desse momento Ele está morando nesse novo filho de DEUS, nascido de novo. Este antes era do reino das trevas, agora é do reino da luz, era do reino de Satanás, agora pertence ao reino de DEUS, era filho da ira, agora filho de DEUS. JESUS disse que é como o vento que ninguém vê, mas sabe que está balançando a árvore, assim o que é nascido de novo apresenta mudança de vida, mas ninguém vê o ESPÍRITO SANTO na pessoa, embora O Mesmo esteja morando lá. SINAL INTERNO E INVISÍVEL

Revista Ensinador Cristão CPAD, n° 58, p.41.

Vivemos num tempo de avanço tecnológico e de multiplicação das informações em distintas áreas do conhecimento. Basta um computador conectado à internet e, pronto: um mundo outrora desconhecido agora se abre para você. Possivelmente, o seu aluno conhece o assunto a ser lecionado nesta semana. Certamente ele pesquisou muita coisa em livros e na internet. E pode ter acumulado até mais informação que o conteúdo preparado para a sua aula. Este é o nosso mundo globalizado!

Nesta lição, o nosso desafio é explicar como se pode relacionar o dom ministerial de Mestre com as urgências existenciais dos dias contemporâneos. Não por acaso, ela abre o tema analisando o ministério do ensino em JESUS de Nazaré. O Mestre da Galileia era antenado com as circunstâncias sociais, políticas e espirituais do seu tempo. Com propriedade, JESUS ensinou sobre a política, as prevenções contra o materialismo e confrontou os discípulos a respeito do verdadeiro sentido da vida humana. Levando sempre uma proposta de vida segundo a perspectiva do Reino de DEUS. É a urgência da tarefa de todo educador cristão: levar os alunos a pensarem as demandas da existência à luz do Evangelho e segundo os aspectos positivos e negativos do Reino de DEUS (Mt 5-7). O ensino do Mestre trás revelações sobrenaturais que o aluno jamais encontrará nos livros e na internet.
Preeminência do ministério do Mestre
Podemos afirmar historicamente que, logo após a morte dos santos apóstolos, as testemunhas da ressurreição do Senhor, os mestres ministeriais eram líderes chaves na comunidade antiga, assim como os apóstolos ministeriais, profetas ministeriais, os evangelistas ministeriais e os pastores ministeriais. Ao ponto de a Bíblia registrar a exortação apostólica: "Os presbíteros (ministros, anciãos, líderes) que governam bem sejam estimados por dignos de duplicada honra, principalmente os que trabalham na palavra e na doutrina" (1Tm 5.17). Os presbíteros que se dedicavam ao exame da Palavra de DEUS eram estimados por duplicada honra porque eles se afadigavam dia e noite para compreender os mistérios divinos (Rm 12.7). A mensagem do Reino tinha de fazer sentido na vida dos cristãos de outrora.
Caro professor, o Pai concedeu o dom ministerial do Mestre para a sua Igreja atingir a estatura de CRISTO em sua plenitude. Portanto, estude, persista em ler e reflita acerca da fé; não se esqueça de que os nossos alunos devem enfrentar as questões da vida sob o prisma da mensagem do Reino de DEUS. E você professor, é um instrumento essencial nesse processo de formação cristã. Busque o ministério de Mestre ou doutor em oração e jejum. Busque ser usado por DEUS em Dons do ESPÍRITO SANTO para que seu ensino seja confirmado por DEUS sobrenaturalmente. Acréscimo do Pr Henrique.

INTRODUÇÃO 2

Entre os dons ministeriais, concedidos por DEUS para edificação e “aperfeiçoamento dos santos”, nas igrejas locais, está o de “doutor” ou “Mestre ”. Não é um dom muito reconhecido em geral, nas comunidades cristãs, por falta de entendimento acerca do seu valor, ou até por preconceito contra esses termos. As pessoas não têm qualquer receio de tratar um obreiro como “pastor”, “evangelista”, “bispo” ou até “apóstolo”, nos dias presentes. Mas não é comum um obreiro, que tem o dom de Mestre ser chamado de “Mestre ” ou “doutor”. Isso se deve à visão que se tem do que é ser dotado de capacidade para o exercício desse dom ministerial, tão importante quanto os demais dons de DEUS. Ou pelo “ar de superioridade” que alguns vêm naqueles usados no exercício desse dom. Percebe-se que, em muitos casos, os pastores, por falta de humildade perseguem os mestres ou doutores, não percebendo que aquele que deu o dom foi DEUS. O verdadeiro Mestre ou doutor não se porta com diletantismo ou soberba, pelo fato de ser intelectualmente mais galardoado do que outros. Os mestres devem ser sustentados pela igreja que muitas vezes não lhe provê nem o sustento básico, como escrito acima - Os presbíteros que se dedicavam ao exame da Palavra de DEUS eram estimados por duplicada honra porque eles se afadigavam dia e noite para compreender os mistérios divinos (Rm 12.7). 1 Timóteo 5:18 - O trabalhador é digno do seu salário.

Não se deve generalizar em caso algum o comportamento dos maus obreiros. Há os mestres ou doutores que, a despeito de seu elevado grau de conhecimento bíblico, teológico e secular, são humildes e sinceros, colocando-se como servos a serviço das igrejas.
Os bons mestres ou ensinadores são muito úteis às igrejas locais. Na maioria das vezes os pastores, assoberbados com as atividades administrativas, construindo templos, cuidando do patrimônio, em viagens pastorais, e tantas atividades, próprias dos que realmente trabalham em prol da obra do Senhor, não têm tempo de preparar estudos e mensagens substanciais, para alimentar a igreja local. E recorrem aos mestres ou ensinadores, para que lhes ajudem nessa imensa tarefa de edificar o rebanho. Somente aí se dá o devido valor ao Mestre . Raríssimas são as oportunidades dadas aos mestres nas igreja, hoje em dia.
A atividade primordial do Mestre , doutor ou ensinador é cuidar do ensino recebido sobrenaturalmente. É tão importante
que a Bíblia requer que haja dedicação ao exercício desse dom. “...se é ministério, seja em ministrar; se é ensinar, haja dedicação ao ensino" (Rm 12.7 grifo nosso). Imagine quantas horas de oração, estudo da Bíblia e de jejum o verdadeiro Mestre se entrega diariamente para poder exercer seu ministério. Talvez seja uma das grandes falhas em muitos ministérios, a falta de dedicação ao ministério de ensino. Há pessoas que querem ensinar sem o mínimo preparo para essa atividade. Nos tempos pós-modernos, mais do que nunca, existe a necessidade de bons ensinadores. Há questionamentos e problemas que não havia há alguns anos. E muitos pastores não estão preparados para dar respostas adequadas ao rebanho.
O avanço das ciências, das tecnologias, as questões da bioética, as mudanças rápidas no comportamento social provocam questões que exigem, não só o conhecimento bíblico e teológico, mas também secular. Além de tudo, a dependência do ESPÍRITO SANTO que sonda os corações revela as necessidades de cada um.
O Mestre , doutor ou ensinador precisa ter o cuidado de não se considerar superior ao pastor ou dirigente de uma congregação, pelo fato de ter mais conhecimento que a média dos obreiros. Humildade, modéstia, sabedoria e equilíbrio são qualidades indispensáveis aos que são dotados por DEUS de mais capacidade para se dedicarem ao ensino. Mais
cuidado ainda deve ter o Mestre , pois deles será requerido mais, como diz Tiago: “Meus irmãos, muitos de vós não sejam mestres, sabendo que receberemos mais duro juízo” (Tg 3.1). Aquele que recebe o nome de Mestre , sem o ser, está em perigo constante, pois representa o papel daquele que realmente foi recolhido por DEUS, não sabendo ele que será cobrado por ensinar o que não prática e nem crê.
Elinaldo Renovato.
Dons espirituais & Ministeriais Servindo a DEUS e aos homens com poder extraordinário. Editora CPAD. pag. 118-119. Com acréscimos do Pr Henrique.

ENSINO
A importância do ensino Cristão
1. Ensinemos por meio de palavras, pela força do exemplo. O ensino faz parte da Grande Comissão (ver Mt. 28:20).
2. Os dons espirituais existem para servir de auxílio no ministério do ensino, e o alvo de tudo é a maturidade espiritual, o crescimento e o aperfeiçoamento dos santos (ver Ef. 4:11 e ss).
3. Os verdadeiros mestres são dádivas divinas à igreja, para seu benefício (ver Ef. 4:11). E a revelação da palavra é dada especialmente aos mestres, a fim de que sejam eficazes em seu ministério (ver I Cor. 12:8).
4. O ensino tem um efeito edificador. Portanto, é importante, se a igreja tiver de ser edificada. O ensino é vital para esse propósito (Ef 4.12).
5. As Escrituras Sagradas nos foram transmitidas nessa forma escrita a fim de que o ministério do ensino fosse facilitado e se tomasse mais eficaz. São a base de qualquer ministério (At 2.42).
6. Acima de tudo o mais, CRISTO foi o Mestre Supremo. Se seguirmos o exemplo que nos deixou, sem dúvida haveremos de ensinar. Ensinava, pregava e curava (Mt 4.23).
7. Se apenas houver evangelização e faltar o ensino cristão, a igreja terá de contentar-se com uma igreja infantil, carnal, com disputas e cisões. Um povo faminto espiritualmente, será um povo infeliz. Daí a importância do Mestre (Mt. 28:20). 8. A ausência de ensino cristão arma o palco para a apostasia. (ver Hb. 6:1 e ss).
9. Chega um tempo, na vida de cada crente, que se espera que ele se tome um Mestre , e não um aprendiz (ver Hb. 5:12).
10. Observemos a importância emprestada por Paulo à necessidade de haver homens bons que sejam mestres de outras pessoas na fé cristã, para que esta possa passar de uma geração à outra (ver 2 Tm, 2:2).
Aquele que tem o privilégio de ser bem ensinado terá o privilégio de ser instrumento na obra de DEUS.
Tu, porém, permanece naquilo que aprendeste e de que foste inteirado, sabendo de quem o tens aprendido. E que, desde a tua meninice, sabes as sagradas letras, que podem fazer-te sábio para a salvação, pela fé que há em CRISTO JESUS. Toda Escritura divinamente inspirada é proveitosa para ensinar, para redarguir, para corrigir, para instruir em justiça, para que o homem de DEUS seja perfeito e perfeitamente instruído para toda boa obra. 2 Timóteo 3:14-17 CHAMPLIN, Russell Norman,
Enciclopédia de Bíblia Teologia e Filosofia. Vol. 2. Editora Hagnos. pag. 390. Com acréscimos do Pr Henrique.

Os versículos 7-8 acrescentam: Se é ensinar, haja dedicação ao ensino; ou o que exorta, use esse dom em exortar. Colocada ao lado de ensinar, a palavra exortar sugere pregação. Sobre o significado de exortação (dom de exortar). No

entanto, Barrett nos lembra que precisamos evitar fazer uma distinção muito precisa entre ensinar e exortar. “Cada um destes termos significa uma comunicação da verdade do evangelho ao ouvinte, efetivada de diversas maneiras: em uma delas, é explicada - em outra, é aplicada. Contudo, esta comunicação nunca deve ser explicada sem ser aplicada, nem aplicada sem ser explicada”.

William M. Greathouse. Comentário Bíblico Beacon. Editora CPAD. Vol. 8. pag. 164. Com acréscimos do Pr Henrique.

É um belo dom, que o use e ocupe-se dele. “...se é ensinar, haja dedicação ao ensino”; assim alguns o complementam, ho didaskon, en te didaskalia.
Que ele seja regular, constante e diligente no ensino; que permaneça naquilo que é a sua própria função, e esteja nela como em seu ambiente natural (veja 1 Tm 4.15,16, onde isso é explicado por duas palavras: em toutois isthi e epimene autois, estar nessas coisas e continuar nelas). É função do Mestre aplicar as verdades e as regras do evangelho mais próximas à situação e à condição das pessoas e inculcar nelas aquilo que for mais prático. Se requer uma cabeça esclarecida e um coração aquecido. Gera edificação dividir o trabalho adequadamente e, qualquer que seja a tarefa de que nos encarregamos, vamos nos dedicar a ela. Cuidar do nosso trabalho é entregar o melhor de nosso tempo e pensamentos a ele, aproveitar todas as oportunidades para ele e não apenas refletir em como fazê-lo, mas fazê-lo bem. HENRY. Matthew. Comentário Matthew Henry Novo Testamento ATOS A APOCALIPSE Edição completa. Editora CPAD. pag. 389. Com acréscimos do Pr Henrique.

Nas páginas do N.T., o vocábulo «...ministério...» geralmente aparece vinculado a alguma forma de ministração física, como no caso do serviço prestado por Marta (ver Luc. 10:40), embora também possa indicar alguma forma de serviço espiritual, como o serviço prestado pelos anjos aos herdeiros da salvação, conforme lemos em Heb. 1:14. No trecho de 2 Cor. 3:7, essa mesma palavra é usada para falar sobre o ministério geral de Moisés. Pode significar o serviço geral, físico ou espiritual, relativo às coisas temporais ou às realidades eternas.(Ver I Cor. 12:5; Efé. 4:13 e II Tim. 4:11).

Vê-se, portanto, que a palavra «ministério» se aplica tanto ao serviço físico como ao serviço espiritual, dos menores serviços aos mais elevados que podem ser realizados na igreja. (Ver Atos 6:1,4).
«...dediquemo-nos ao ministério...» Essa «dedicação» não aparece no original grego, embora seja corretamente suprida na tradução. Literalmente, o trecho original diz: «...o que ensina, esmere-se no fazê-lo...» (Atos 20:20). Uma vez mais, o original grego diz tão-somente, «...aquele que ensina, no seu ensino...», deixando subentendida a ideia de «dedicação» ou «diligência». Aquele cujo ofício consiste em ensinar, deveria esforçar-se por aprimorar os seus conhecimentos, por melhorar a eficácia dos seus métodos de ensino, aumentando o seu interesse pessoal por aqueles que são os seus alunos. Um dos mais graves escândalos das modernas igrejas evangélicas é que a grande maioria dos seus mestres em nada melhora com a passagem dos anos, incluindo-se nisso tanto o conhecimento como os métodos empregados, como também não demonstram crescente interesse pessoal pelo bem-estar de seus alunos. Pois, não é verdade que muitos pastores e outros ministros, depois de terminarem algum curso bíblico, em um instituto bíblico ou em um seminário qualquer, nunca mais envidam esforço para melhorarem, mas de ano após ano não apresentam qualquer mudança para melhor, dizendo sempre as mesmas coisas e da mesma maneira? Ponderamo-nos admirar, portanto que, neste nosso mundo moderno, onde o conhecimento geral aumenta de forma assustadora, tantos se sintam enfadados das igrejas, até que finalmente se desviam de todo? Não é suficiente proferir dogmas contínuos, sem variação e sem imaginação. Ninguém pode tolerar esse tipo de ministério para sempre. Esse tipo de ministério não corresponde aos problemas de nossa complexa sociedade contemporânea. No entanto, que o ensino bíblico é importante se toma imediatamente evidente através do fato que a Grande Comissão nos ordena não somente evangelizar, mas igualmente ensinar, e ensinar «todas as coisas» que ele nos ordenou.

Ensinar mediante o «exemplo» também é importante, embora se trate de um aspecto olvidado por tantos mestres cristãos. (Atos 12:25). Existe distinção entre «profetas» e «mestres», em Atos 13:1 e Ef. 4:11). A distinção é que os mestres, em sua inspiração imediata, lhes é permitido revelar alguma coisa nova, uma revelação da Palavra de DUS, por exemplo, de que ainda não se tinha conhecimento. que empresta autoridade àquilo que dizem.
Deveria tornar-se evidente, com base neste texto da epístola aos Romanos, que o ensino é um dom e ministério. E os crentes possuidores desse ministério deveriam procurar aprimorar-se na aplicação de sua chamada. O Mestre cristão deve também buscar pela inspiração do ESPÍRITO SANTO, para que o Senhor o guie em suas pesquisas e em seus pensamentos. O Mestre expõe aos seus ouvintes muitos tesouros, alguns antigos e outros novos, mas todos proveitosos e expressos de maneira tão convincente que podem transformar as vidas dos homens, porquanto as suas palavras podem ser usadas pelo ESPÍRITO de DEUS visando exatamente a essa função.
CHAMPLIN, Russell Norman,
O Novo Testamento Interpretado versículo por versículo. Editora Candeias. Vol. 3. pag. 814. Com acréscimos do Pr Henrique.

I - JESUS, O MESTRE POR EXCELÊNCIA 1. O Mestre da Galileia.

a- O SIGNIFICADO DE MESTRE

A palavra Mestre, nas escrituras, tem o sentido de designar “uma pessoa que é superior às outras, em poder, autoridade, conhecimento ou em algum outro aspecto”. No hebraico, a palavra 'adon que dizer “soberano” ou “senhor”. A palavra “rab” designa um “professor comum”. Com relação a JESUS, foi usada a palavra “rabi” (cf. Jo 4.31), indicando que ele era um Mestre superior. As pessoas chamavam de “meu Mestre ”, “meu Senhor”, a quem tinha esse título. JESUS recebeu esse tratamento diversas vezes (Jo 1.38,49; 3.2,26). Quando JESUS ressuscitou, Maria usou a palavra “Raboni?, quando o reconheceu. “Disse-lhe JESUS: Maria! Ela, voltando-se, disse-lhe: Raboni (que quer dizer Mestre)!” (Jo 20.16). Em seus ensinos, “O Senhor JESUS proibiu o uso deste termo entre os discípulos por causa do orgulho e da exaltação pessoal com que era utilizado entre os fariseus (Mt 23. 7,8).

b- O MESTRE DA GALILEIA

JESUS era o Mestre perfeito. Além de apóstolo, profeta, evangelista e pastor, exercia com excelência a missão de ensinar. Evangelizava e discipulava de maneira eficaz. Era o Mestre perfeito; o Doutor incomparável (Mt 4.23-25). Seus ensinos, seus sermões ou discursos e suas aulas eram eloquentes e profundamente convincentes aos que o ouviam. Ele não ensinava teorias abstratas ou acadêmicas que impressionassem pela retórica. Seu ensino era bem recebido pelas multidões, porque Ele vivia o que ensinava e ensinava o que vivia.

O Mestre dos mestres fazia diferença em seus ensinos perante as multidões. O povo estava descrente das mensagens dos escribas e fariseus, que proferiam discursos eloquentes e legalistas, mas vazios de autenticidade e poder. Não foi por acaso, que as multidões que seguiam JESUS aumentavam a cada dia. A diferença dos ensinos de JESUS e os dos fariseus, era que JESUS falava com autoridade (Mt 7.28,29). Ministrava os dons do ESPÍRITO SANTO curando e libertando (Mt 4.23; 9.35)) e Ele era incomparável, como Rabi da Galileia (Jo 3.2).

O Mestre dos Mestres deixou-nos grandes exemplos de sua pedagogia. 1) Conhecia a matéria que ensinava (Lc 24.27);
2) Conhecia seus alunos (Mt 13; Lc 15.8-10; Jo 21);
3) Reconhecia o que havia de bom em seus alunos (Jo 1.47);

4) Ensinava as verdades bíblicas de modo simples e claro (Lc 5.17- 26; Jo 14.6);
5) Variava o método de ensino conforme a ocasião e o tipo de ouvintes (Parábolas, perguntas, discursos, preleção, leitura, demonstração etc.).
6) Curava e libertava as pessoas com poder tremendo (Mt 4.23; 9.35).
Elinaldo Renovato.
Dons espirituais & Ministeriais Servindo a DEUS e aos homens com poder extraordinário. Editora CPAD. pag. 120-121. Com acréscimos do Pr Henrique.

MESTRE

O significado literal de várias palavras gregas varia de "instrutor" ou didaskalos, como em Mateus 10.24, até "déspota" ou despotes, como em 1 Pedro 2.18. Outra palavra grega traduzida como "Mestre ", epistates, significa "alguém nomeado sobre" outros, como em Lucas 5.5. Ainda outra palavra grega é, na verdade, hebraica - "rabbi" que significa "meu Mestre " ("superior" ou "professor"), como em João 4.31. Uma quinta palavra grega para "Mestre " é kurios que geralmente foi traduzida como "senhor" ao longo de todo o NT e significa "supremo" (em autoridade). No sentido mais elevado, o título se aplica apenas ao Senhor JESUS. Ainda existem outras palavras gregas e hebraicas com diferentes aspectos de significado que foram traduzidas como "Mestre ". Duas palavras gregas para "Mestre " ocorrem em Mateus 23.8-10, "Vós, porém, não queirais ser chamados Rabi [rhabbi, "meu Mestre ", ou "professor"], porque um só é o vosso Mestre [kathegetes, "líder" ou "professor"], a saber, o CRISTO, e todos vós sois irmãos. E a ninguém na terra chameis vosso pai porque um só é o vosso Pai, o qual está nos céus. Nem vos chameis mestres [kathegetes, "líderes"], porque um só é vosso Mestre, que é o CRISTO".

Sendo assim, na autoridade e plenitude do ESPÍRITO SANTO só JESUS foi o Mestre por excelência, perfeito em seus ensinos. Depois veio a Igreja e entre seus 5 ministérios, o de Mestre (Ef 4.11).
PFEIFFER .Charles F.
Dicionário Bíblico Wycliffe. Editora CPAD. pag. 1261-1262. Com acréscimos do Pr Henrique.

RABI

Esta palavra é uma transliteração da palavra hebraica usada como um termo de respeito e honra. A palavra significa literalmente "meu grande", "meu Mestre ". Embora o termo tenha sido originalmente usado como uma marca de respeito, depois do século I d.C. ele tornou-se um título para mestres religiosos e líderes, perdendo em grande parte o seu significado original. Este título continuou em uso durante a era Cristã, e é usado atualmente para designar os ministros ordenados entre os judeus. Embora as escolas recentes entre os judeus tenham tentado usar a graduação de títulos variando de "rab", um professor comum, até "rabi", e então "raboni", no tempo do Senhor JESUS não houve nenhuma consistência em uma forma de uso semelhante. No NT, o termo rabi foi aplicado ao Senhor JESUS em várias ocasiões, porém mais provavelmente no sentido de honra do que em um significado técnico (Jo 1.38,49; 3.2,26; 6.25). A palavra

raboni, usada por Maria ao se dirigir ao Senhor ressuscitado (Jo 20.16) é a forma aramaica da mesma palavra. Certa vez o Senhor JESUS proibiu o uso deste termo entre os discípulos por causa do orgulho e da exaltação pessoal com que era utilizado entre os fariseus (Mt 23.7,8).
PFEIFFER .Charles F.
Dicionário Bíblico Wycliffe. Editora CPAD. pag. 1242-1243. Com acréscimos do Pr Henrique.

CRISTO passou por toda a Galileia, ensinando nas sinagogas e pregando o Evangelho do reino e curando toda sorte de doentes e enfermos (Mt 4.23; 9.35). Entenda;
a- O que CRISTO falava sobre o Evangelho do reino.
O Reino dos céus, isto é, o reino de graça e glória, é enfaticamente o reino, o reino que estava chegando; o reino que iria sobreviver, que superaria todos os reinos da terra, o reino de poder. O Evangelho compreende os estatutos deste reino, contendo o juramento de coroação do Rei, pelo qual Ele se obriga graciosamente a perdoar, proteger, curar e salvar os súditos daquele reino e a procurar a sua honra. Este é o Evangelho do reino; dele, o próprio CRISTO foi o pregador, para que a nossa fé no reino possa ser confirmada.

b- Onde Ele ensinava.
Nas sinagogas. Não apenas ali, mas ali principalmente, porque estes eram os lugares onde a multidão se reunia, onde a sabedoria erguia a sua voz (Pv 1.21); porque eram os lugares onde o povo se reunia para a adoração religiosa e ali, esperav